«Lusa – a matriz portuguesa»

[youtube=http://br.youtube.com/watch?v=NwbbWBz25XA]

Vídeo promocional da exposição “LUSA – A Matriz Portuguesa”

Exposição «Lusa – a matriz portuguesa» patente no Brasil

A exposição «Lusa – a matriz portuguesa», patente ao público […] no Rio de Janeiro, mostrará a origem da miscigenação do povo brasileiro […].
[…]
A mostra inclui 147 peças de 38 instituições portugueses, algumas das quais nunca atravessaram o Atlântico e outras nunca deixaram Portugal.

Entre o acervo da exposição, estão cerca de 40 peças consideradas verdadeiros tesouros portugueses, como um guerreiro em granito e um colar de ouro celtas.

A mostra decorrerá no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), um dos principais espaços de exposição do Rio de Janeiro, até 10 de Fevereiro de 2008, e conta com o apoio do Ministério da Cultura de Portugal.

Depois do Rio de Janeiro, a exposição seguirá para Brasília, onde ficará patente ao público de 25 de Fevereiro a Abril, avançou Marcelo Dantas, responsável pela idealização e o desenho de montagem da mostra.

Um dos principais objectivos da exposição é assinalar o início das comemorações dos 200 anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil, comemorados no próximo ano.

A data da sua inauguração antecede em pouco mais de um mês o bicentenário do início da viagem de D.João VI ao Brasil, a 27 de Novembro de 1807, com a chegada ao Rio de Janeiro, a 07 de Março de 1808, depois de uma breve passagem por Salvador da Baía.

«Evitamos criar uma exposição centrada na figura de D. João VI, até porque a fuga de Portugal foi um momento triste, numa conjuntura política desfavorável, com a posterior invasão pelas tropas de Napoleão», disse.

«Queremos nesta mostra celebrar a identidade, a raiz da nacionalidade brasileira, ao contar a história de povos e não de realezas, afinal 2008 será o momento de discutir a relação entre Brasil e Portugal», sublinhou.

Marcelo Dantas ressaltou que o Rio de Janeiro é a mais portuguesa das cidades brasileiras, e que a exposição decorrerá a poucos metros do local onde D. João VI desembarcou, em 1808, transformando-se no único rei europeu a visitar a América em mais de quatro séculos.

«Lusa – a matriz portuguesa» é resultado de dois anos de preparação, entre diversos especialistas, entidades públicas e privadas, como a Biblioteca Nacional, a Torre do Tombo e a Fundação Calouste Gulbenkian, e nela trabalharam nove curadores.

A ideia de realizar a exposição nasceu durante as investigações posteriores à criação do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, em Março de 2006, do qual Marcelo Dantas foi director artístico.
[…]
«Lusa – a matriz portuguesa» pretende investigar o elemento europeu, especificamente o português, e a sua riquíssima e diversa matriz, fundamental na formação do Brasil, salientou o produtor.

A mostra revela as origens de Portugal, desde a pré-história até 1500, os povos antigos, o domínio romano, as presenças cristã, judaica e árabe, e a formação das fronteiras até ao apogeu da era dos descobrimentos marítimos.

A exposição contém peças em mármore, pedra, ouro, azulejo, pintura, escultura, achados arqueológicos e mapas, e é acompanhada por componentes multimédia sobre a formação da língua portuguesa, a arquitectura e a paisagem portuguesa.

O Museu Nacional de Arqueologia enviou o maior número de peças, dentre elas algumas do período pré-histórico, como um esqueleto humano, um punhal, braceletes e fragmentos de armas.
[…]
A exposição ocupará todas as instalações do CCCB, um dos mais importantes espaços culturais do Rio de Janeiro, com destaque para uma instalação especialmente criada para o evento.
[…]
Em Novembro deste ano, será lançado um catálogo bilingue (português e inglês) sobre a exposição, com textos de nove investigadores e fotografias das obras expostas.

Fonte: Diário Digital / Lusa (09-10-2007)

Para ver a notícia na íntegra, clique aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.