Museus de Portas Abertas!

Imagem de gente vendo um filme sobre faróis

Exposição de filme sobre faróis no Farol-Museu de Santa Marta © Marco Coelho. 2010. Imagem vencedora do concurso Museus de Portas Abertas!

O concurso fotográfico – Museu de Portas Abertas! – foi uma iniciativa desenvolvida nos museus de Cascais, em 2010. Quatro anos passados, pedimos à Inês Fialho Brandão, coordenadora do projecto na época, para partilhar connosco não só como surgiu a ideia, mas também as metodologias adoptadas, os desafios e os resultados alcançados. Porquê? Por um lado, pela dimensão experimental do projecto e a sua novidade no contexto nacional (ainda o é) e, por outro lado, por suscitar a discussão em torno da questão da fotografia nos museus: afinal, é vantajoso para os museus manter a proibição de fotografias?

****

Ana Carvalho (AC) – Como nasceu a ideia do concurso Museus de Portas Abertas?

Inês Fialho Brandão (IFB) – Museus de Portas Abertas! foi um concurso de fotografia que se realizou nos sete Museus Municipais de Cascais (MMC): Museu da Música Portuguesa, Museu do Mar, Museu-Biblioteca Condes de Castro Guimarães, Casa de Santa Maria, Farol-Museu de Santa Marta, Forte de Oitavos e Moinho de Armação. Teve início durante a Semana dos Museus, em Maio de 2010.

A Semana dos Museus em Cascais foi idealizada por Carla Varela Fernandes, que reconheceu a dificuldade de criar iniciativas com números importantes de participação limitadas à efeméride: o Dia Internacional dos Museus. Como raramente ocorre ao fim de semana, o seu alargamento para incluir o fim-de-semana anterior e posterior ao Dia Internacional dos Museus veio resolver essa questão, simultaneamente, evitando a canibalização de eventos dos MMC.

O projecto em si nasceu das seguintes constatações:

Além de palestras e visitas guiadas, que favorecem a aprendizagem passiva por parte do visitante adulto, não existia uma oferta programática/educativa direccionada a adultos que contemplasse uma aprendizagem informal, activa e criativa; que fidelizasse públicos e encorajasse o seu regresso ao museu; e que desenvolvesse uma ligação afectiva com a instituição.

Do mesmo modo, a maior parte das actividades propostas pelos MMC, pressupunha o seu acompanhamento por pessoal do museu. Numa época em que os museus sofriam de carência de pessoal, procurámos elencar actividades que os visitantes realizassem autonomamente e com confiança.

Os visitantes dos MMC desconheciam a existência da rede municipal de museus. Para além da Agenda Cultural de Cascais, disponível em papel em cada museu, não havia qualquer outro suporte do comunicação que os apontasse para outros museus que faziam parte da mesma família de museus municipais.

As actividades da Semana dos Museus (desde 2007) esgotavam-se nos seus dez dias. Sendo que constituía uma melhoria qualitativa relativamente às condições de fruição do Dia Internacional de Museus, faltava dar o próximo passo, ou seja, utilizar a Semana dos Museus como um trampolim para uma programação de continuidade que fosse além daqueles dez dias. Fazia sentido criar actividades, que capitalizando sobre o esforço de divulgação e a predisposição do público para a Semana dos Museus, tivessem continuidade para além desse período e pudessem até ser repetidas com regularidade.

Imagem que diz take photos, share

A fotografia era interdita nos museus municipais. O levantamento temporário desta proibição permitiria avaliar os riscos reais da uma política mais permissiva de fotografia dentro dos MMC. A experiência em outros museus sugeria que esta proibição não se justificava, nem do ponto de vista da conservação e da segurança, já que o uso de flash não era autorizado (se bem que até esta questão pareça hoje estar ultrapassada), nem de um ponto de vista comercial, uma vez que os MMC não dispunham de uma selecção representativa de imagens para venda.

Por outro lado, os MMC não dispunham de um banco de imagens que ilustrasse a interacção entre o público e os objectos e que promovesse os museus como espaços de encontro e diversão, mais do que catedrais do alto saber, monótonas e sem novidade.

Além disso, os MMC, tal como a maior parte dos museus portugueses, recorriam pouco às plataformas digitais e às actividades online. A criação de conteúdos por parte dos públicos e a sua partilha não-mediada pelos museus, assim como a oportunidade de divulgação junto dos não-públicos que isso representava não estava a ser aproveitada.

AC – Inspiraram-se noutras experiências?

IFB – Sempre que possível, é de evitar inventar a roda. Acredito também que os projectos levados a cabo pelos grandes museus passaram por um longo processo interno de troubleshooting e que são, por isso, modelos seguros, se bem que não necessariamente de vanguarda, para implementar um projecto, em particular um projecto ligado às redes sociais.

A inspiração para este projecto foi It’s Time We Met, um concurso fotográfico lançado em 2009 pelo Metropolitan Museum of Art (Met). Na altura, o Met era ainda tendencialmente conservador no que diz respeito à experimentação tecnológica e este foi o primeiro dos seus projectos interactivos online, percursor dos projectos experimentais, alguns polémicos, que tem vindo a desenvolver recentemente (veja alguns dos projectos do Met aqui).

Para o Met, It’s Time We Met iniciou uma nova interacção com os seus visitantes, em termos de tom e de conteúdo, passando para as mãos do público o controlo sobre como o museu seria representado numa campanha publicitária. No nosso caso, previmos uma possível utilização das imagens submetidas a concurso em publicidade dos MMC, embora não fosse esse o objectivo principal.

Com pouco tempo disponível para a preparação desta iniciativa (ca. de dois meses) seguiu-se de perto o regulamento da iniciativa do Met, em particular no que dizia respeito aos direitos de imagem. Por um lado, não tínhamos tempo para obter um parecer técnico do gabinete jurídico da CMC sobre este ponto. Por outro lado, sabendo da baixa prioridade que os assuntos culturais geralmente têm no contexto administrativo, arriscávamo-nos a receber um parecer a recomendar que o projecto não fosse desenvolvido.

Numa fase inicial consultaram-se também as páginas da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação de Serralves. A primeira estava dedicada aos fundos fotográficos da biblioteca e arquivo, mas a segunda reunia imagens dos eventos organizados para o público, e constituiu um mapa relativamente ao tom e ao vocabulário na interacção com os participantes na iniciativa Museus de Portas Abertas!

Da minha parte, recorri à experiência adquirida na programação do concurso Novos Talentos Fotografia na Fnac, que coordenei entre 2005 e 2007, nomeadamente na composição do júri, e na necessidade de identificar um valor de prémios. No regulamento, as alterações introduzidas reflectiam a transparência quanto ao processo de selecção dos premiados com um júri de avaliação das imagens identificado, bem como a introdução de prémios, além da notoriedade que as imagens poderiam ganhar. Neste caso, os prémios eram vales de aquisição na livraria municipal até valores pré-determinados, que podiam ser utilizados na aquisição de publicações ou outros materiais publicados pela Câmara Municipal de Cascais. Evitou-se, assim, a necessidade de obter um orçamento para prémios, o que viabilizou a realização desta actividade.

AC – Quais eram os objectivos do concurso?

IFB – Os objectivos deste projecto estavam ligados às constatações já referidas:

a. promover a identidade dos Museus Municipais de Cascais;

b. criar uma actividade criativa, informal e autónoma direccionada a adultos, sem custos orçamentais adicionais tanto para a Divisão de Museus como para os utilizadores;

c. avaliar as condições para uma suspensão da política de captação de imagem dentro dos MMC;

d. reunir um banco de imagens representativas da interacção de públicos com o espaço e a colecção dos MMC. Para reforçar este elemento, demos ao concurso o nome Museus de Portas Abertas!

e. iniciar a experimentação dos MMC com públicos online e avaliar o potencial destes projectos na divulgação a longo prazo dos museus municipais.

AC – Qual foi o público alvo desta iniciativa?

IFB – Visitantes sem acompanhamento por parte do museu; amadores de fotografia; residentes do município de Cascais; e utilizadores das redes sociais.

AC – Que razões vos levaram a utilizar o Flickr e não outra plataforma?

IFB – Hoje, existem várias redes sociais ancoradas na imagem: Tumblr; Pinterest; Instagram. Para não falar nas alterações introduzidas no Twitter e Facebook, que permitem agregar conjuntos de imagens por evento e em grupos separados.

Em 2009, a maioria destas redes era ainda experimental – apenas um dos MMC detinha uma página de Facebook, que entretanto fechou, dado que o plano e meios de comunicação dos MMC passaram a estar subordinados ao plano de comunicação da Câmara Municipal de Cascais. Na altura, o Flickr era a única plataforma de acesso livre universal que permitia uma realização deste tipo, além de que já era utilizada por outras instituições na promoção de actividades online.

AC – Quanto tempo durou o projecto?

IFB – A preparação decorreu entre Março e Abril  de 2010: proposta inicial e autorização; criação de conta Flickr e experimentação de introdução de imagens e da sua visualização; realização de sessões de informação e esclarecimento em cada museu participante na semana anterior ao início da actividade, sensibilizando todo o pessoal para a alteração da política de captação de imagens dentro dos museus.

A primeira fase da implementação do projecto teve lugar entre os meses de Maio e Junho. O período inicial acabou por ser prolongado – vários participantes pediram uma extensão, visto que a divulgação do concurso decorreu durante a Semana dos Museus e não antecipadamente. O número de fotografias a concurso também foi aumentado – tanto a pedido dos participantes como pela constatação de que o conteúdo das imagens se centrava sobretudo em objectos e menos em pessoas.

A segunda fase desenrolou-se entre Julho e Setembro de 2010. O período de deliberação, que se previa curto, acabou por se alongar, sobretudo por causa da escolha de composição de júri e da sua disponibilidade. Finalmente, em inícios de Setembro, a reunião teve lugar e os vencedores foram seleccionados e notificados.[1] As fotografias vencedoras foram divulgadas na Agenda Cultural de Cascais de Jan/Fev 2011 (p. 78-79).

A avaliação do projecto decorreu entre Outubro e Dezembro de 2010. Elaborou-se um resumo que foi enviado internamente para se dar a conhecer os pontos fortes e as áreas a melhorar, numa perspectiva de continuação desta actividade. Ficou também decidido que a suspensão temporária da proibição de captação de imagens dentro dos MMC passaria a permanente. Assim, desde o concurso Museus de Portas Abertas! é permitido fotografar dentro dos MMC.

AC – Que balanço é possível fazer desta experiência?

IFB – Foi gratificante verificar a adesão rápida a esta actividade, que angariou 22 participantes durante a Semana dos Museus, que, por sua vez, contribuíram com mais de 100 imagens ao longo da iniciativa. O numero total de visualizações das fotografias marcadas com a etiqueta Museus de Portas Abertas! elevou-se a 3 613 (28.04.2014).

As imagens dividiam-se tematicamente entre o registo formal de objectos e a captação da fruição de uma exposição ou de um objecto em particular. A nível institucional a actividade teve um impacto positivo na comunicação interna e motivou o pessoal de acolhimento a interagir com os visitantes. Pessoalmente, valorizei bastante a experimentação com este tipo de actividade e de tecnologia, bem como a possibilidade de vislumbrar como os visitantes percepcionaram os museus. Mas, a grande herança deixada por este projecto foi, sem dúvida, o final da proibição de captação de imagens dentro dos MMC.

No entanto, o respeito pelo cronograma dificultou a selecção e a notificação dos premiados, o que causou algum mal-estar junto dos participantes. Por outro lado, possivelmente não foi claro o objectivo do museu angariar imagens que ilustrassem a interacção de pessoas e os objectos/instituição. Talvez a preferência dos participantes em captar imagens «sem gente dentro» estivesse ligada a um desejo de fotografar aquilo que até recentemente era proibido e que, na altura, seria temporariamente permitido. Um outro aspecto que lamentamos foi a não continuação desta actividade em épocas seguintes (p. ex. actividades específicas em museus; Semana dos Museus 2011…), o que se pode explicar pela diminuição de recursos humanos que a Divisão de Museus sofreu entre 2010 e 2011, e o meu pedido de licença sem vencimento a partir de 2011.

AC – Que conselhos darias a outros profissionais que pensem fazer projectos similares?

IFB – Não inventem a roda. Os nossos recursos humanos e financeiros ainda não nos permitem inovações digitais que exijam um investimento a longo prazo. Mesmo assim, corram riscos, senão como aprender? Não tenham medo de experimentar com plataformas digitais – o Flickr de ontem é o Instagram de hoje; o Facebook transforma-se em Snapchat. Nesta área estamos sempre a aprender e, continuamente com a sensação de que não controlamos o meio, mesmo que controlemos a mensagem. Desde 2010, já me aventurei no Twitter, em blogues, e a aprender código HTML.

Na gestão deste como de qualquer outro projecto, a comunicação é essencial. Internamente, é importante comunicar de forma simples o que se pretende fazer, seja directamente ou por escrito. Neste caso, foram tidas reuniões presenciais com o pessoal de guardaria e de acolhimento para os informar do evento e responder a perguntas. Foi-lhes também dada a informação necessária por escrito. Se possível, supervisionem o processo de divulgação da vossa iniciativa: calendários, suportes e meios.

Externamente, é essencial comunicar regularmente com os participantes, informando sobre qualquer alteração; verificar diariamente os fóruns e os respectivos comentários. Na altura, o Flickr não notificava as conversas que tinham lugar no fórum. Por isso, quando houve algum descontentamento relativamente ao atraso na notificação dos vencedores, isso não foi logo detectado. De um ponto de vista prático, é importante obter os emails de contacto dos participantes. Por exemplo, um dos vencedores não respondeu aos contactos via Flickr e, não havendo modo alternativo de contacto, acabou por perder o direito ao prémio, além de causar atrasos na divulgação dos vencedores.

Não tentem controlar todo o processo em demasia, nem se comprometam com aquilo que vos transcende. No caso deste projecto, comprometemo-nos com prazos que não nos cabiam a nós cumprir.

Para concluir, e para evitar petulâncias desnecessárias, todos os projectos, todos os sistemas podem ser melhorados. Se o óptimo é inimigo do bom, não há diferença entre mau e medíocre.

****

Inês Fialho Brandão é licenciada em História e História de Arte pela Universidade de Edimburgo e mestre em Museum Studies e Near Eastern Studies pela Universidade de Nova Iorque. Colaborou no Metropolitan Museum of Art, no Brooklyn Museum, no Museu Nacional de Arte Antiga e na Casa-Museu Anastácio Gonçalves. Foi responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta (2010-2011). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Presentemente, prepara a sua tese de doutoramento, com o apoio de uma bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia.
Twitter: @MuseumsGirl Email: ines.fialho.brandao@gmail.com

****

Mais informações sobre o projecto:
Imagens do Concurso Museu de Portas Abertas
Regulamento

Neste blogue, leia a entrevista de Inês Fialho Brandão aqui.

Recursos sobre a problemática da fotografia nos museus:
Digam “clik”, por Maria Vlachou
Serviço público, museus e fotografia: que limites? (resumo do debate promovido pela associação Acesso Cultura (24-10-2013)


[1] Marco Coelho foi o vencedor do concurso, com a imagem de uma família que vê um documentário sobre faróis. O mesmo fotógrafo teve uma menção honrosa com uma imagem no interior do Museu do Mar – Rei D. Carlos. Uma menção honrosa foi também atribuída a Luís Sande e Castro pela imagem que retrata um pormenor de uma baleia no Museu do Mar – Rei D. Carlos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.