Mediar para a interculturalidade

Arte Mediação - performance_Fotor

Como se trabalha a interculturalidade? Foi para potenciar o diálogo e a troca de experiências entre profissionais ligados à educação, à arte e à cultura em geral que Mafalda Miguel Teixeira (Câmara Municipal da Lourinhã) e Elsa Neto da Silva (Câmara Municipal de Torres Vedras) organizaram um curso de 43 horas sobre o tema. A iniciativa realizou-se entre 25 de Outubro e 29 de Novembro de 2013, em Torres Vedras.

O curso Arte-Mediação: Promoção da Interculturalidade procurou a partir de uma perspectiva multidisciplinar abranger diferentes campos de actuação: comunicação, livro, teatro, dança, performance, cinema, fotografia, através de seminários e módulos mais práticos. Um painel de formadores muito diversificado constituiu uma das mais-valias do curso: Madalena Vitorino, Maria Vlachou, Mafalda Milhões, Natália Luiza, Pedro Penim, João Maria André, Bruno Humberto, Rui Simões, Natália Luiza, Giacomo Scalisi e António Pinto Ribeiro e Pauliana Valente Pimentel. A iniciativa teve o apoio e  financiamento do Programa FEINPT – Fundo Europeu para a Integração de Nacionais de Países Terceiros e como interlocutores o ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Nas próximas linhas, Mafalda Miguel Teixeira e Elsa Neto da Silva contam-nos mais sobre este projecto.

****

Ana Carvalho (AC) – O que vos levou a organizar um curso sobre interculturalidade?

Mafalda Miguel Teixeira (MMT) e Elsa Neto da Silva (ENS) – Temos (as duas autarquias) vindo a colaborar, em estrita parceria, em inúmeros projectos no âmbito da promoção do diálogo intercultural, desde 2011, inseridos nas dinâmicas dos Centros Locais de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII´s). Percepcionámos que, ao nível local, seria necessário ir mais além do simples atendimento aos cidadãos imigrantes nas áreas da legalização, da saúde, da educação, entre outras. Por essa razão era importante desenvolver outro tipo de acções, nomeadamente intervindo junto dos cidadãos autóctones, pois, para criar uma base de diálogo são necessárias duas partes.

Com estas acções pretende-se o reconhecimento do «outro», através de um modelo verdadeiramente intercultural, que radica na sua compreensão e dando lugar à convivência criativa, numa interacção dinâmica. Entre as várias possibilidades de abordagem e de fomento das relações interculturais, a arte e a pedagogia surgiram como as mais designativas. Tentámos criar uma simbiose entre a ética e a estética na abordagem do tema.

AC – Como é que o curso foi pensado do ponto de vista da sua organização e dos conteúdos?

MMT e ENS – O curso inscreveu-se na preocupação de criar condições para uma formação na área da arte e mediação orientada para a promoção do diálogo intercultural, já que temos vindo a constatar a quase ausência de um curso específico nesta área, em Portugal.

Considerámos a carga horária várias vezes, pois aspirávamos que a formação fosse consistente e capaz de abarcar as várias dimensões artísticas, mas também receávamos que os participantes se pudessem dispersar sem encontrar uma linha contínua. Contudo, após o primeiro esboço do curso, julgámos que o importante seria o participante sentir-se seduzido pelo tema da interculturalidade e reconhecer a arte como uma espécie de trampolim. Ou seja, que o participante não encetasse uma inscrição porque se sentia atraído pelo teatro, livro ilustrado ou política cultural, mas sim, pensar as artes como um fomento do diálogo e das relações interculturais. Deste modo, reunimos um conjunto de profissionais que têm vindo, de uma forma mais ou menos implícita, a desenvolver trabalhos artísticos nesta área. Podemos afirmar que todos os formadores foram as nossas primeiras escolhas e que todos, de forma pronta e entusiástica, aceitaram participar, o que nos deixou ainda mais entusiasmadas pelo contributo que isso constituía para a credibilidade e pertinência do curso.

Assim, desenhámos um conjunto de seminários e de módulos que aportaram diferentes áreas artísticas e múltiplas abordagens na estimulação das relações interculturais. Do livro ilustrado na promoção da diversidade à performance enquanto lugar de e para a (re)criação de laços comunitários.

AC – Quais eram os objectivos?

MMT e ENS – Numa junção entre seminários e módulos, o curso pretendia estimular o diálogo e a troca de experiências entre os vários profissionais dedicados à pedagogia, à arte e à cultura, numa reflexão conjunta de como as mesmas podem estimular a interculturalidade. Acima de tudo, o importante era criar um espaço de troca de ideias, a partir das quais, quiçá, se pudessem estabelecer ligações para posteriores projectos nesta área.

AC – Qual era o vosso público-alvo?

MT e ENS – Esta formação integrava um projecto mais amplo (designado de ANEMOI), no qual estavam incluídas uma série de acções que estimulavam a interculturalidade, ora destinadas, exclusivamente, a cidadãos imigrantes, ora a autóctones, desde a participação política à integração no mercado de trabalho. Esta acção, destinava-se a cidadãos imigrantes e autóctones que se interessassem pela área do diálogo intercultural e considerassem a arte como um motor de fomento do mesmo. Destinava-se, assim, essencialmente para profissionais das áreas da pedagogia, da arte e da cultura.

AC – Quais eram as motivações dos participantes?

MMT e ENS – Aquando as inscrições solicitámos um pequeno texto que expressasse as motivações dos participantes para a frequência do curso. Percepcionámos e testemunhámos que a grande maioria pretendia explorar o conceito da interculturalidade, interligando-o com a sua área de trabalho. A maioria dos formandos surgiu da área pedagógica (professores, educadores, etc.), não obstante, participaram formandos oriundos da área da produção e gestão cultural. Globalmente, todos revelaram interesse no cruzamento entre as artes e a interculturalidade.

AC – Qual o balanço que fazem do curso?

MMT e ENS – Um dos aspectos positivos mais referidos foi a qualidade e experiência dos formadores. Os formandos referiram algumas vezes que, de uma forma geral, o balanço do curso foi muito positivo porque os obrigou a sair da zona de conforto, a abrir novas perspectivas, estimulando, assim, o pensamento divergente. Era isso que pretendíamos com o curso.

Um dos aspectos a considerar numa próxima edição do curso, ou de outro similar, terá de ser a responsabilização dos formandos no que concerne à sua frequência no curso, pois cerca de 20%, não frequentou mais de 70% da formação. Um dos aspectos analisados foi o facto de a formação ser gratuita. Concluímos que a gratuidade das acções não implica a sua democraticidade.

Um outro aspecto discutido foi a carga horária e a sua distribuição semanal, mas essa questão é sempre complexa, pois não conseguimos agradar nem incluir as conveniências de todo o grupo. Mas essa questão é já velha para quem organiza este tipo de acções.

Capa do livro "Contos de outros Cantos"

Neto, Elsa, e Mafalda Miguel Teixeira. Coord. (2013). “Contos de Tantos Contos”. [Torres Vedras]: Município de Torres Vedras e Município da Lourinhã

AC – Esta parceria entre dois municípios não se limitou apenas à organização deste curso. Como nasceu esta colaboração e quais têm sido as mais-valias?

MMT e ENS – Os dois municípios são limítrofes e têm vindo a desenvolver, desde 2006, um conjunto de iniciativas na área do partenariado e governança local. Desde a inauguração do Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras, em 2008, pois o da Lourinhã encetou o seu trabalho em 2004, estabeleceu-se de imediato uma parceria estratégica, com o intuito de rentabilizar recursos e trocar ideias, o que é sempre uma mais-valia para o trabalho técnico-político e, essencialmente, para as comunidades.

Assim, temos vindo a desenvolver uma panóplia de acções que abarcam as mais diversas áreas de integração do cidadão imigrante, desde a integração no mercado de trabalho à sua participação política. Julgámos proeminente intervir, como já referimos, junto da comunidade autóctone dos dois territórios, pois a pedra basilar deste trabalho conjunto é, mais do que constatar o multiculturalismo presente nos territórios, estabelecer um genuíno diálogo intercultural. A título de exemplo, em 2011 encetámos um projecto de recolha de contos dos vários países de onde os cidadãos imigrantes dos dois territórios eram provenientes, que iniciou com um atelier e findou na edição de um livro, intitulado Contos de Tantos Cantos, que está a ser distribuído em várias escolas e bibliotecas dos dois concelhos.

AC – Que conselhos dariam aos profissionais e/ou instituições que pensem fazer projectos interculturais?

MMT e ENS – Apenas partilhávamos aquilo que são as nossas linhas de intervenção, ou seja, que os projectos culturais e artísticos para além de apresentarem artistas, obras, livros, filmes, projectos de educação estética, ou outros, sejam projectos de valores e de cidadania, capazes de contribuir para a memória colectiva e para o desenvolvimento territorial de uma forma integrada. No fundo, é importante criar a ponte entre a estética e a ética.

****

Elsa Neto da Silva é mediadora no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes de Torres Vedras. É licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa (2001 – 2006) e pós-graduada em Planeamento e Mediação em Contextos Multiculturais pela Universidade Católica Portuguesa (2009 – 2010). Outras formações a destacar: Mediação Familiar e de Mediação de Conflitos, no Instituto Português de Mediação Familiar (2010 – 2011); e Curso Interdisciplinar de Especialização, Imigração, Migrantes e Asilo no espaço de Liberdade, Segurança e Justiça, no Centro de Excelência Jean Monnet – Faculdade de Direito – Universidade de Lisboa (2012 – 2012). Email: elsaneto@cm-tvedras.pt

Mafalda Miguel Teixeira é socióloga e trabalha no Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes da Lourinhã. Iniciou o seu percurso profissional na área pedagógica e desenvolveu projectos na área da produção e da programação cultural, bem como no campo das artes e da educação. Em 2004, descobre o seu interesse pela área do diálogo e das relações interculturais e rapidamente percepciona que o seu caminho profissional tem de ser híbrido, abarcando a tríade: pedagogia – arte – comunidade. Email: mafalda.teixeira@cm-lourinha.pt

Mais recursos:
Sumários e notas biográficas dos formadores
Guia Pedagógico e Artístico (CLAII da Lourinhã)
Guia dos direitos e deveres dos trabalhadores imigrantes (ACIDI)
Projecto da “Família do Lado” (CLAII de Torres Vedras)

Neste blogue, leia-se:
Políticas para a interculturalidade em modo off?

Recursos sobre interculturalidade e museus:
Comunidades imigrantes: representar, envolver e manter (Acesso Cultura)
Em modo “multi” antes do debate (Musing on Culture)
Nós, os híbridos culturais (Musing on Culture)
O começo e o final de uma semana a p&b em Viena (Musing on Culture)
Blogue The Incluseum
Migrar es cultura (Museo de America)
MAP for ID – Museums as Places for Intercultural Dialogue (2007-2009)
LEM – The Learning Museum (Intercultural Dialogue)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.