O Património Industrial: Territórios, Paisagens, Arquitecturas

Colóquio património industrial

 

No próximo dia 17 de Novembro (segunda-feira) terá lugar na Biblioteca Nacional (Lisboa) um colóquio sobre património industrial. O evento é organizado pela Universidade de Évora através de dois dos seus centros de investigação, o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA). A entrada é livre.

Comissão Organizadora: Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora – CIDEHUS), João Soares (Universidade de Évora – CHAIA/Doutoramento de Arquitetura), Raffaella Maddaluno (Universidade de Évora – CIDEHUS) e Jorge Croce Rivera (Universidade de Évora – CHAIA).

“O património industrial representa o testemunho de actividades que tiveram, e que ainda têm, profundas consequências históricas. As razões que justificam a protecção do património industrial decorrem essencialmente do valor universal das suas características mas também da singularidade de quaisquer sítios excepcionais.

Hoje as memórias “industriais” estão espalhadas por espaços amplos e estudar e perceber esta geografia construída não é uma tarefa fácil. O respeito e a protecção deste cenário histórico industrial não fazem facilmente parte da consciência colectiva, mas sobretudo não é fácil entender o conceito de que a preservação do artefacto construído não pode ser separada do conhecimento e protecção da paisagem em que se instala.

Quem interage com os temas da “herança industrial” tem como objetivo investigar, valorizar um panorama de arquitecturas, documentos, arquivos que têm caracterizado as atividades de produção ao longo dos séculos. Cooperação, comparação e intervenção são as palavras-chave da abordagem a este tipo de património que exige um trabalho multidisciplinar para uma investigação multivalente e que permita recompor a totalidade metodológica que as questões do património industrial exigem.

O presente colóquio insere-se nesta prespectiva desta cooperação multidisciplinar que historiadores e arquitectos da Universidade de Évora têm procurado desenvolver através de iniciativas conjuntas, para as quais têm contado também com a colaboração de investigadores de outras instituições.”

PROGRAMA

10.00h-10.10h

Património industrial e o projeto em arquitetura

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

João Soares (UÉ/CHAIA/Doutoramento em Arquitetura)

10.10h-10.25h

Património industrial, território e paisagem no sul de Portugal

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

10.25h-10.50h

A paisagem construída da Arquitetura industrial: exemplos de uma nova metodologia interdisciplinar de investigação

Raffaella Maddalluno (UÉ/CIDEHUS)

10.50h-11.20h | Discussão

11.20h-11.45h | Coffee break

11.45h-12.10h

Fábricas habitadas: As “Colònies têxtils de Catalunya”

José Manuel Carvalho (UÉ/CHAIA)

12.10h-12.35h

La roconstruzione della “Fabrica de moagem de Caramujo” e l´introduzione del cemento armato (brevetto Hennebique) in Portogallo

Mariangela Licordare (UÉ/CIDEHUS)

12.35h-13. 50h | Discussão

13. 05h-14.30h | Almoço livre

14.30h-14.55h

Património Industrial – Reapropriação sem perca de sentido(s)

Miguel Ângelo da Silva (ULL-FAA/CITAD)

14.55h-15.20h

Espaços de produção, técnicas e tecnologias no sector da Moagem no Porto (1890-1920)

Maria da Luz Sampaio (UÉ/CIDEHUS)

15.20h-15.45h

Património da memória: a moagem de Aljezur um lugar a preservar

Maria João Pereira Neto (FA/CIAUD-UL)

15.45h-16.15h | Discussão

16.15h-16.45h | Coffee break

16.45h-17.15h

Os espaços da produção de cortiça na Fábrica Robinson: da rolha ao parquet

Rui Lourenço (Fundação Robinson)

17.15h-17.35h

REpensar = Reutilizar: O abandono como oportunidade. A Fábrica Robinson

Joana Vilhena (UÉ/CHAIA)

17.35h-18.00h

Casa dos cubos – um caso de estudo

Nuno Griff (UÉ/CHAIA)

18.00h | Discussão

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.