A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades

Biblioteca Museu Nacional Arte Antiga

Biblioteca MNAA © Ana Carvalho

No dia 17 de Janeiro de 2015 terá lugar no auditório da Biblioteca Nacional um encontro dedicado à reflexão sobre as ciências sociais em Portugal intitulado “A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades, que “visa analisar e discutir a actual situação (…) tendo como pano de fundo a crise económica do país e da Europa […].”

São três os eixos principais para o debate: as fontes de financiamento universitário e a autonomia das agendas de investigação; as diferenças e hierarquias no interior do campo académico e a noção de comunidade científica; a crise do emprego científico e as práticas académicas de exploração laboral.

A museologia, enquanto campo de estudos no âmbito das ciências sociais, poderia incluir-se neste contexto de reflexão. No momento em que a formação pós-graduada em museologia (mestrados e doutoramentos) está em profunda transformação, quais as expectativas da evolução da museologia como campo de investigação?

Em 2010, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) criou uma nova área para submissão de projectos de doutoramento e pós-doutoramento com a designação “Museologia, Conservação e Restauro”. A iniciativa foi criada no âmbito de um protocolo com o Instituto dos Museus e da Conservação e com o objectivo de estimular a investigação centrada nos museus e nas colecções. O painel “Muselogia, Conservação e Restauro” da FCT foi entretanto extinto. Resultado da crise? O que parecia um desenvolvimento positivo da museologia rapidamente sucumbiu no contexto da crise generalizada do financiamento à investigação. Embora continue a ser possível submeter candidaturas de projectos em museologia mediante avaliação noutros painéis disciplinares (História, História da Arte, Antropologia, etc.), esta mudança significou provavelmente um retrocesso ou uma limitação concreta na evolução da investigação em museologia, no seu crescimento e consolidação como área de estudos, mas que é também o resultado das mudanças profundas nas universidades e no sistema de financiamento.

Faz falta uma avaliação do que se passa no campo da investigação em museologia: que problemas, abordagens e perspectivas? Sobre estas questões fica um pequeno excerto de Nélia Dias que, no contexto do artigo “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” (2013), tece algumas considerações sobre esta matéria:

«[…] se no início dos anos 2000 assistia-se ainda ao boom da museologia e a um certo entusiasmo pelos museus por parte dos alunos, actualmente a museologia não ocupa em Portugal um papel central tanto em termos académicos – cadeiras de opção nas licenciaturas e mestrados na área – como no que diz respeito às publicações e investigação neste domínio. A dimensão pioneira e original que os museum studies deram para a abordagem dos museus suscitando um estímulo intelectual acabou por dar lugar a uma certa acalmia, que se traduz de uma certa forma, em abordagens mais convencionais e menos críticas em relação às práticas e aos fundamentos da museologia. Esta mudança de orientação parece-me ser sintomática da ausência de um paradigma novo na museologia; mais ainda, com a crise económica que se instalou em Portugal e suas repercussões em termos do ensino superior e nomeadamente da procura por parte dos alunos, parece-me que a situação apresenta todas as condições para se manter» (In Dias, Nélia. 2013. “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” Museologia e Interdisciplinaridade 2 (4): 82).

Recomenda-se, ainda, a leitura do artigo de Irene Vaquinhas “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade” (2013),  que traça uma panorâmica sobre a formação pós-graduada em Portugal ligada aos museus e ao património. Disponível em: http://midas.revues.org/142

****

PROGRAMA

9h45 Abertura

10h-11h40 FINANCIAMENTO OU CONDICIONAMENTO DA INVESTIGAÇÃO?
Que dívida é contraída pelos cientistas sociais junto de quem financia as suas investigações? A questão ganha maior visibilidade em Portugal num quadro de retracção do financiamento estatal e de emergência de novas fontes de financiamento privado. Partindo de um olhar histórico sobre o desenvolvimento da ciência nas últimas décadas, nesta primeira mesa pretende-se problematizar a questão da determinação das agendas de pesquisa nas ciências sociais de hoje, nomeadamente discutindo a sua sujeição a interesses económicos privados e ou a políticas públicas de índole nacional ou europeu.

11h50-13h30 COMUNIDADE CIENTÍFICA OU HIERARQUIA ACADÉMICA?
Hoje boa parte dos cientistas sociais utiliza o conceito de comunidade com precaução. Neste sentido nós também perguntamos de que falamos quando falamos de comunidade científica? A identificação de uma tal comunidade torna visível uma distinção entre o campo académico e a realidade que o rodeia e revela-se pouco sensível às diferenças e desigualdades que cindem o interior do campo. Em jeito de inquérito às relações de poder na universidade, esta mesa promoverá um debate que se pretende desdobrar da crítica pedagógica à questão da democraticidade do governo universitário.

15h-16h40 CRISE E FUTURO DO TRABALHO CIENTÍFICO
Desde os anos de 1990 que aumentou significativamente o número de pessoas envolvidas na investigação científica. Em função da crise económico-financeira vigente, mas também de uma concepção da produção científica de pendor elitista, de que é exemplo a recorrente agitação da bandeira da “excelência” por parte da actual direcção da FCT, aquela tendência de crescimento encontra-se em reversão. Esta reversão é facilitada pela natureza dos vínculos contratuais em que se baseou o crescimento das últimas décadas. A universidade constituiu-se como um laboratório de experiências de mobilização e exploração do trabalho que passaram pela generalização de regimes de precariedade e, mais recentemente, pela proliferação de trabalho não-remunerado. Como inverter a tendência de retracção do número de investigadores e reconstruir o sistema em bases menos precárias?

17h-18h30 DISCUSSÃO FINAL

———
Convoca este encontro um grupo de investigadores de ciências sociais e de humanidades da região de Lisboa: André Freire, António Hespanha, Bruno Peixe Dias, Carlos Bastien, Cláudia Castelo, Eduardo Ascensão, Fátima Sá e Melo Ferreira, Golgona Anghel, Gustavo Cardoso, Guya Accornero, Helena Jerónimo, Inês Galvão, Joana Cunha Leal, Joana Estorninho de Almeida, João Sedas Nunes, José Ferreira, José Luís Garcia, José Neves, José Nuno Matos, Manuela Ribeiro Sanches, Margarida Santos, Maria Coutinho, Maria Dávila, Maria Eduarda Gonçalves, Marta Macedo, Miguel Vale de Almeida, Nuno Domingos, Paula Godinho, Paulo Jorge de Sousa Pinto, Pedro Aires de Oliveira, Renato Carmo, Robert Rowland, Ruy Llera Blanes, Sérgio Campos Matos, Susana de Sousa Dias, Susana Gaudêncio.

* Cada mesa contará com duas intervenções iniciais de 20 minutos, seguidas de um comentário de 15 minutos e abrindo-se em seguida um espaço de debate entre todos os participantes no encontro. O encontro terminará com uma sessão que, partindo de uma intervenção de síntese das discussões tidas ao longo do dia, se deseja participada por todos os investigadores presentes. Os nomes dos intervenientes serão anunciados brevemente.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.