Um ferramenta para o diálogo intercultural

Intercultural

Imagem da exposição “7 mil milhões de outros” (Museu da Electricidade)

Tanguay, Pierre, Hannelore Franck, Yasmine Heynderickx, e Anaïs Masure. 2014. A Intercultural Tool for Museums. 37 páginas. Disponível online.

A Intercultural Tool for Museums é uma grelha de análise concebida para ajudar investigadores e profissionais do sector do património e dos museus no planeamento de iniciativas para o envolvimento de diferentes comunidades, visando o diálogo intercultural.

Esta ferramenta foi criada por uma equipa multidisciplinar de investigadores da Universidade do Quebeque (Montreal, Canadá) e da Universidade de Antuérpia (Bélgica) sob a coordenação de Bruno Verbergt and Yves Bergeron. Foi inspirada no programa de cidades interculturais do Conselho da Europa e resulta de um estudo comparativo de quatro museus de cidade em três países: Montreal History Centre (Canadá), MAS | Museum aan de Stroom (Bélgica), STAM | Ghent City Museum (Bélgica), e Museum Rotterdam (Holanda). O estudo analisou a performance destes museus no âmbito da promoção do diálogo intercultural. Que estratégias desenvolvem para promover o diálogo intercultural? Como é entendido o seu papel? Que programas e iniciativas são planeadas e como se enquadram nas políticas mais alargadas da cidade/país? Que competências interculturais? – foram algumas das questões de partida do estudo.

A grelha compreende três níveis de análise, que de uma forma transversal dão enfoque a aspectos de planeamento estratégico e de governança, assim como a aspectos relativos à programação (colecções, exposições, educação, e ainda competências). Um primeiro nível diz respeito a um enquadramento mais alargado do museu/instituição no contexto onde se insere (contexto sócio-demográfico; quadro político de âmbito local, regional, nacional, ou internacional; panorama das instituições congéneres e afins com possível mandato nesta área, seja como parceiros ou concorrentes; contexto de governança – outros actores aos quais o museu responde). O segundo nível corresponde ao museu/instituição propriamente dito, sendo analisada a forma como se posiciona na sociedade (que visão, missão, valores, recursos, estrutura, programação, colecções, públicos) e qual o perfil da sua abordagem quanto à promoção da interculturalidade. Um terceiro nível refere-se à análise dos projectos desenvolvidos: que objectivos, que resultados internos e externos, que impacto?

A Intercultural Tool for Museums é apresentada como uma ferramenta que pode ser aplicada em qualquer tipo de museu ou instituição ligada ao património que pretenda desenvolver projectos com diferentes comunidades.



Citar este post
Ana Carvalho (2015, 23 Fevereiro). Um ferramenta para o diálogo intercultural. No Mundo dos Museus. Recuperado em 13 de Abril de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdp8

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.