Livro sobre cultura científica destaca a importância dos museus

cultura científica em Portugal

Acaba de ser publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos o livro “Cultura Científica em Portugal – Ferramentas para Perceber o Mundo e Aprender a Mudá-lo”, da autoria de António Granado e José Vítor Malheiros. O livro, em formato digital, apresenta um levantamento de todas as actividades de promoção da Cultura Científica em Portugal, incluindo as que têm sido desenvolvidas em museus e centros de ciência.

Cultura científica é segundo os autores, “um capital que nos permite não apenas ler mas usufruir do mundo, não apenas conhecer mas manipular as ideias produzidas pela ciência, perceber as potencialidades e os riscos e as limitações da ciência, relacionar e integrar os conhecimentos da ciência com outros saberes e culturas numa visão coerente e enriquecedora do mundo, e encarar a ciência sem a mínima atitude de servidão ou sequer de reverência, mas apenas com curiosidade, emoção e sentido de responsabilidade” (p. 19).

Sobre os museus e centros de ciência, aquários, jardins zoológicos e botânicos, o livro sublinha que nas últimas décadas verificou-se um aumento significativo destes equipamentos, bem como o crescimento do número de visitantes, na sua maioria públicos escolares. Este aumento terá a ver com uma maior capacidade de atractividade destes equipamentos, com a melhoria do nível cultural dos cidadãos e de uma maior investimento por parte das escolas e famílias na formação dos mais jovens.

Especificamente sobre os museus da rede Ciência Viva (19 no total), confirma-se que as visitas escolares representam a maioria dos visitantes e estima-se que o número de visitantes se aproxima de meio milhão por ano, sendo que cerca de metade se refere a visitas ao Pavilhão do Conhecimento. Está em curso um estudo de públicos, encomendado pela Ciência Viva ao Instituto de Ciências Sociais para melhor conhecer os públicos destes museus e as suas motivações.

Entre o levantamento de iniciativas de promoção da Cultura Científica desenvolvidas em museus e centros de ciência refere-se o papel dos serviços educativos e da variedade de actividades promovidas nesse contexto (cursos de formação de professores sobre o ensino experimental das ciências, palestras com oradores convidados, elaboração de materiais para salas de aulas, saídas de campo, ocupação de tempos livres, festas de aniversário, ateliês ou oficinas pedagógicas), mas também de outros programas, exposições permanentes ou temporárias, de maior ou menor dimensão, ou exposições itinerantes, conferências, debates. E ainda actividades celebratórias subordinadas a semanas temáticas (ex. “Semana da Ciência e da Tecnologia”), ou “Anos Internacionais”, “Anos Mundiais”, “Décadas”.

O livro pode ser consultado online: http://bit.ly/1jhJ7ye
Veja também a entrevista dos autores ao “Observador”: http://bit.ly/1XnYyCn

Conteúdos:

Introdução
Alguns conceitos
Capítulo 1: Museus e centros de ciência
Capítulo 2: Gabinetes de comunicação nas unidades de investigação e nas universidades
Capítulo 3: Ciência nos media
Capítulo 4: A divulgação científica através dos livros
Capítulo 5: Publicações de divulgação científica
Capítulo 6: Vídeo de divulgação científica
Capítulo 7: Ilustração científica
Capítulo 8: Formação em Comunicação de Ciência
Capítulo 9: Investigação científica
Capítulo 10: Inquéritos à Cultura Científica
Capítulo 11: Associações com actividades de promoção da cultura científica
Capítulo 12: Empresas que actuam no mercado da cultura científica Cultura científica em Portugal
Capítulo 13: Projectos de ciência cidadã
Capítulo 14: Prémios e Concursos
Considerações finais


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.