Qual era o panorama museológico nacional na 1.ª república?

Na imagem vê-se uma parte do jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

Foi produzida mais uma tese na área da Museologia. Tem por título “Os Museus em Portugal durante a 1ª República” e é da autoria de António Carrilho, coordenador do Museu Municipal Dr. José Formosinho (Lagos).

A tese foi defendida na Universidade de Évora a 9 de Dezembro de 2015, com o seguinte júri: Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora), Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra); Fernando António Baptista Pereira (Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta), João Brigola (Orientador) (Universidade de Évora); e Fernando Manuel Santos Martins (Universidade de Évora).

****

Os Museus em Portugal durante a 1ª República

Resumo: Este trabalho procura perceber se houve ou não alterações significativas no panorama museológico nacional entre a Monarquia e a 1.ª República, apreciando as propostas do regime implantado em 5 de outubro de 1910. Os Governos republicanos apresentaram profícuas propostas legislativas, condicionando as instituições museológicas a diversos domínios: Anticlericalismo e Laicismo; Nacionalização dos bens da Casa Real; Defesa do Património; Serviços Culturais; Educação; Criação e Regulamentação de Museus; Desenvolvimento Económico. Este intrincado sistema gerou a primeira rede museológica assente em museus de âmbito nacional e regional, arbitrada por instituições tutelares em que se movimentavam homens de grande influência na cultura portuguesa (exemplos de José de Figueiredo e António Augusto Gonçalves). Em termos museográficos, os museus continuaram a privilegiar a exposição massiva de bens, especialmente dos domínios da Arqueologia e da Arte, embora comecem a surgir maiores preocupações com a conservação, exibição e divulgação. Neste contexto, o Museu Nacional de Arte Antiga assumiu uma posição de vanguarda. A República intensificou o debate sobre o papel social, cultural, educativo e económico dos museus;

The Museums in Portugal during the 1st Republic Governments

Abstract: This work aims to study the proposals of the Portuguese 1st Republic (started in October 5th of 1910) in what concerns museums, comparing them with those of the Monarchy. The 1st Republic Governments were highly prolific regarding museum legislation, in several domains, such as: anticlericalism and laicism; nationalization of the Royal House property; heritage defence; museum regulations; creation of new museums; cultural services; education policies; economic development. This system generated the first museum network constituted by national and regional museums, ruled by tutelary institutions. In this context, important figures of the Portuguese cultural panorama such as José de Figueiredo and António Augusto Gonçalves had a relevant role. The massive exhibition of items, especially of Arts and Archaeology, was prominent, but an increase of conservation and divulgation can also be testified. The National Museum of Ancient Art has taken a lead in Museography. The Republic intensified the debate about the social, cultural, educational and economic roles of the museums.

****

Carrilho, António. 2015. “Os Museus em Portugal durante a 1ª República”. Tese de doutoramento em História. http://hdl.handle.net/10174/17298



Citar este post
Ana Carvalho (2016, 16 Maio). Qual era o panorama museológico nacional na 1.ª república? No Mundo dos Museus. Recuperado em 17 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/sdqd

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.