“Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”

“No Mundo dos Museus” esteve presente no colóquio “Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”, que teve lugar em Paris no passado dia 30 de Novembro. Eis algumas imagens do evento:

galerie-vivienne-paris.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Paris, Galerie Vivienne,
local onde se realizou o colóquio.

interior-da-galerie-vivienne.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Paris, Galerie Vivienne.

interior-galerie-vivienne.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Interior da Galerie Vivienne,
Institut national du patrimoine.

pci-inventer-son-inventaire-1.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Mila Santova.
Da esquerda para a direita vê-se: Michèle Guelfucci (Córsega),
Chérif Khaznadar (França) e Mila Santova (Bulgária).

pci-inventer-son-inventaire-2.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Laurier Turgeon.
Da esquerda para a direita vê-se: François Calame (França), Katérina Stenou (UNESCO), Irina Balotescu (Roménia) e Laurier Turgeon (Canadá).

pci-inventer-son-inventaire-3.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Apresentação de Marc Jacobs.
Da esquerda para a direita vê-se: Katérina Stenou (UNESCO), Magne Velure (Noruega) e Mac Jacobs (Bélgica).

pci-inventer-son-inventaire-4.jpg

©Ana Carvalho, 30 Nov. 2007
Auditorium Colbert. Encerramento do colóquio.
Da esquerda para a direita vê-se: Katérina Stenou (UNESCO), Chérif Khaznadar (França) e Rieks Smeets (UNESCO).

Eis algumas impressões sobre este colóquio:

– Constatação do uso recorrente de diferentes termos para a designação “Inventários”, nomeadamente: questionários, repertório, lista, etc.
– Tensão entre a pesquisa/investigação e a questão da subvenção e politização e reconhecimento do PCI.
– Evidentes contradições entre o que são os objectivos da administração/governos e a investigação propriamente dita.
– Necessidade de homogeneização versus diversidade cultural. A metodologia é a única maneira de salvaguardar esta questão.
– Um inventário ou a multiplicidade de inventários?
-Tensão ente perenidade versus efémero.
– O perigo dos inventários que, aparentemente, falam da oralidade e da imaterialidade, mas na realidade não reflectem a dimensão imaterial.
– Há evidentes dificuldades técnicas na construção de inventários de PCI, salientando-se o risco de destruir o “objecto”.
– Tensão entre a vontade de preservar, mas por outro lado a negação da palavra daquilo que se quer preservar.
– A categorização do PCI é porosa.
– Instrumentalização da noção da comunidade. Noção de comunidade e de PCI é muitas vezes confundida.
– A salvaguarda do PCI, muitas vezes entendida não apenas como estratégia de preservação de um património em risco de desaparecer, mas utilizada em prol do aumento de prestígio e valorização de uma região.
– Risco de perda da noção de PCI por uso abusivo. Por um lado, o imperativo da sua preservação, por outro o risco da sua desvirtuação.
– Nathalie Heinich propôs: Porque não uma salvaguarda imaterial, tendo em conta que o inventário não é a única maneira de salvaguardar este património?

É preciso começar por reconhecer a importância do debate em torno do PCI. O tema, à luz da Convenção para a salvaguarda do património cultural imaterial é relativamente recente, mas tem gerado movimentações políticas várias. Estima-se que até 2008 mais de cem países ratifiquem a Convenção da UNESCO. Portugal incluir-se-á neste rol de países. E tendo em conta o carácter obrigatório da realização de inventários pelos Estados partes importa reflectir em Portugal a breve trecho sobre esta matéria.
Como pudemos constatar a maioria dos países que ratificaram a Convenção encontram-se actualmente na fase de concepção dos seus inventários. Tal como referido neste colóquio apenas 11 países de um universo de 86 apresentaram iniciativas neste sentido. De facto, esta experiência é ainda muito embrionária e tendo em conta a flexibilidade da Convenção ao nível da elaboração de inventários, podemos constatar uma abordagem muito diversa por parte de cada país.
Os inventários são uma importante etapa na implementação da Convenção, no entanto, não são a única medida prevista. Como tal, podem e devem ser encarados como um primeiro passo para outras medidas de salvaguarda.


1 comentário a ““Le Patrimoine Culturel Immatériel de l’Europe: inventer son inventaire”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *