Enciclopédia dos Migrantes: o lado intimista e individual das histórias sobre migração

Enciclopedia dos Migrantes. Foto Bertrand Cousseau – L ́âge de la Tortue

[«Enciclopédia dos Migrantes: O Lado Intimista e Individual das Histórias sobre Migração», entrevista com Filipa Bolotinha conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 18-24)]

****

A Enciclopédia dos Migrantes é um projecto internacional (2014-2017) apoiado pelo programa Erasmus+. Tem por base uma rede de cidades parceiras da costa atlântica (Brest, Rennes, Nantes, Gijón, Porto, Lisboa, Cádis e Gibraltar), mobilizando oito parceiros com diferentes perfis (associações, universidades, museus, etc.) em França, Espanha, Portugal e Gibraltar. O projecto é coordenado pela organização francesa L’âge de la Tortue, que realiza trabalho no âmbito das artes visuais. É uma iniciativa de carácter artístico e experimental, concebida originalmente por Paloma Fernández Sobrinho, com vista à produção de uma enciclopédia em papel e em versão digital com cerca de 400 testemunhos de migrantes. O formato da Enciclopédia (um livro monumental, em vários volumes e com encadernação em pele) foi pensado na óptica de divulgar um saber não científico, mas proveniente de experiências de vida, com toda a subjectividade que isso envolve. O princípio foi o de reunir diversos testemunhos de migrantes que fossem a fonte de um novo saber, com base no íntimo e no individual.

Filipa Bolotinha é a coordenadora do projecto “Enciclopédia dos Migrantes”. Reside na Mouraria, em Lisboa. Nasceu em 1975 e é natural de Portimão. Licenciada em Economia pela Universidade Nova de Lisboa, é actualmente uma das coordenadoras da associação Renovar a Mouraria, sendo responsável pela área de Desenvolvimento Local e Empreendedorismo Social. Depois de dez anos a trabalhar em Marketing e Gestão comercial na área cultural encontrou, em 2010, na associação Renovar a Mouraria mais do que um desafio profissional, um projecto de vida. Email: filipa.bolotinha@renovaramouraria.pt

****

Ana Carvalho (AC) – Como surgiu o projecto Enciclopédia dos Migrantes e com que objectivos?

Filipa Bolotinha (FB) – A Enciclopédia dos Migrantes é um projecto internacional (2014-2017) apoiado pelo programa Erasmus+. Tem por base uma rede de cidades parceiras da costa atlântica (Brest, Rennes, Nantes, Gijón, Porto, Lisboa, Cádis e Gibraltar), mobilizando oito parceiros com diferentes perfis (associações, universidades, museus, etc.) em França, Espanha, Portugal e Gibraltar. O projecto é coordenado pela organização francesa L’âge de la Tortue, que realiza trabalho no âmbito das artes visuais. É uma iniciativa de carácter artístico e experimental, concebida originalmente por Paloma Fernández Sobrinho, com vista à produção de uma enciclopédia em papel e em versão digital com cerca de 400 testemunhos de migrantes.

O formato da Enciclopédia (um livro monumental, em vários volumes e com encadernação em pele) foi pensado na óptica de divulgar um saber não científico, mas proveniente de experiências de vida, com toda a subjectividade que isso envolve. O princípio foi o de reunir diversos testemunhos de migrantes que fossem a fonte de um novo saber, com base no íntimo e no individual. Em 2017, publicar um conteúdo sensível sob a forma de uma enciclopédia, através de um empreendimento popular e contributivo, é um acto artístico e político.

No geral, a produção da Enciclopédia dos Migrantes envolveu 700 pessoas, 103 países representados, 74 línguas maternas e foi publicada em quatro línguas: francês, espanhol, português e inglês.

AC – A Associação Renovar a Mouraria participa neste projecto como parceiro na cidade de Lisboa, devido ao trabalho que já realizava com migrantes. Que projectos têm realizado neste âmbito?

FB – Renovar a Mouraria é uma associação sem fins lucrativos que foi criada em 2008 com o objectivo de revitalizar o bairro histórico da Mouraria (Lisboa), a nível social, cultural, económico e turístico. A Associação é responsável por uma programação cultural variada, que vai desde concertos de música do mundo, passando por jantares de gastronomia do mundo confeccionados por amigos e vizinhos – os jantares atravessados – e ciclos de cinema sobre temáticas relacionadas com as migrações e com as diferenças culturais – o Mouradoc; para além disso, tem promovido projectos multidisciplinares que contribuem para a promoção da interculturalidade, para o combate de estereótipos, contribuindo para a integração das comunidades migrantes. Entre os projectos que desenvolvemos, destaca-se o jornal Rosa Maria, publicação comunitária e de distribuição gratuita, que pretende ser um reflexo do bairro, e o Migrantour – Rotas Urbanas Interculturais, que convida os visitantes a conhecerem a Mouraria multicultural, através do olhar de um guia local, ele próprio migrante, que partilha na primeira pessoa a sua perspectiva sobre o bairro.

Enciclopedia dos Migrantes. Foto Bertrand Cousseau – L ́âge de la Tortue

AC – No caso da Enciclopédia dos Migrantes os testemunhos de migrantes têm a particularidade de assumir um formato específico. Cada protagonista escreveu uma carta íntima e pessoal dirigida a alguém que deixou no país de origem. De certa forma, entra-se na esfera pessoal, introspectiva e expositiva da vida destas pessoas. Como foi desenvolvido o processo de recolha?

FB – A Associação foi responsável pela recolha de 50 testemunhos de migrantes que vivem em Lisboa. Desde o primeiro momento e em todas as cidades parceiras, a intenção foi ter uma amostra o mais diversificada possível, tanto em termos de nacionalidades, como em termos de proveniências, nível de qualificações, idade, profissão e motivações para a migração. Em Lisboa, dos testemunhos recolhidos resultou um conjunto equilibrado em termos de género, com 25 nacionalidades representadas, com um intervalo etário dos 25 aos 69 anos (sendo a faixa entre os 30 e os 45 a predominante) e muito diverso em termos de profissões, de níveis de escolaridade e de estratos sociais.

O processo de recolha teve a duração de três meses e foi conduzido por um interlocutor no terreno e por dois fotógrafos profissionais, método que foi aplicado por todos os parceiros do projecto. Esta recolha exigiu vários contactos com base numa abordagem informal de modo a que os participantes se sentissem confortáveis e confiantes, tanto para a partilha da sua história pessoal, espelhada na carta que escreveram, como para a realização da fotografia que acompanha a carta. O local onde decorreram os encontros e as fotografias foram sempre escolhidos por cada participante.

AC – Como foram as reacções dos participantes?

FB – A taxa de resposta ao convite para participar foi bastante positiva e elevada. Todos os participantes sentiram orgulho quando perceberam que queríamos ouvir a sua história e que esta poderia contribuir para mudar a forma como a generalidade das pessoas vê a imigração.

Só através de uma relação de confiança, de proximidade e de envolvimento com os participantes foi possível obter cartas como as que constituem a enciclopédia, cartas nas quais são feitas confissões, reconciliações e onde, por vezes, se revelam mágoas. Outras são cartas de saudade e de esperança, de balanço de uma vida, de partilha, de amizade e de amor. A dimensão intimista e diversificada do teor destas cartas pode ser exemplificado nos seguintes excertos:

“Tens visto os outros? Às vezes pergunto-me, será que sou mesmo eu? Lembras-te quando éramos crianças, com todos aqueles nossos sonhos? Parecem-me impossíveis de realizar, sobretudo para mim. Tu pelo menos estás a viver o teu sonho, casar, ter uma família, ter filhos e uma mulher que amas. Isso é muito bom, pedir mais para quê” (excerto da carta de Lumbala Kimbuku, do Congo)

“Eu, ‘binacional’, eterno 5.a coluna, tenho mais do que um sonho, tenho um projecto para 2017… Proponho a criação de uma república binacional. Uma república onde os cidadãos com dupla nacionalidade sejam basicamente cidadãos como os outros. Além disso, na ‘minha’ república, os tri-nacionais, os quadri-nacionais, e até mesmo os penta-nacionais seriam convidados a serem tão iguais quanto todos os outros. Eles são poucos, eu sei, mas isso não seria razão para não o fazer.

Nesta ‘minha’ república, irei ainda mais longe e atrevo-me a convidar todos os ‘mono-nacionais’, os que possuem apenas uma nacionalidade, os pobres! Afinal, a culpa não é deles, é apenas da sua genealogia.” (excerto da carta de Mourad Ghanem que assina assim: Argelino, Francês, Espanhol, Português, na alma, na carreira e nas lutas, Mourad Ghanem continua a actuar no terreno).

AC – Paloma Fernández Sobrino, criadora e directora artística do projecto, disse que não se pretendeu fazer um retrato miserabilista da imigração, que se tratou de um projecto artístico com um projecto social implícito. Como é que estas duas dimensões se cruzaram?

FB – Paloma Fernández Sobrino é também migrante e contribuiu para a Enciclopédia. Muito embora Sobrino não corresponda ao estereótipo do migrante económico, assume a sua condição de imigrante ao viver as dificuldades de estar longe do seu país de origem e da sua família, e de viver num país com uma cultura diferente. No fundo é esta a premissa da Enciclopédia: ser um retrato real dos movimentos migratórios que constituem a Europa e não um retrato da migração económica com todas as ideias pré-concebidas que lhe estão associadas. Trata-se de um projecto social porque tem vários impactos, tais como: a alteração de mentalidades, a promoção da multiculturalidade e o reforço da identidade e da auto-estima dos participantes. Neste projecto a abordagem artística esteve aliada à temática social, da mesma forma que a dimensão íntima e individual esteve ligada ao conhecimento colectivo de dimensão sociológica e histórica.

AC – Em jeito de balanço, o que aprendeu com este projecto?

FB – Correndo o risco de usar um lugar comum, a Enciclopédia dos Migrantes foi uma lição de vida e, acima de tudo, de resiliência. É um projecto que demonstra que a implementação, quando bem feita, pode permitir a descoberta de impactos que não estão directamente relacionados com o objectivo inicial, mas que podem ampliar os resultados previstos. Por exemplo, no processo de recolha dos testemunhos sentimos que a participação dos migrantes lhes permitiu ter disponibilidade para um momento de reflexão, de balanço e de análise da sua vida e até de reconciliação com o seu passado. Sentir que podemos ser o motor para a resolução de um antigo conflito de família ou a desculpa para se voltar a escrever a alguém que se deixou num mundo que já não parece o nosso e que temos medo de revisitar pelos sentimentos controversos que nos proporciona é muito gratificante e empoderador.

Acima de tudo aprendemos que os factores que nos movem, enquanto seres humanos, são os mesmos – amor, família, aceitação, segurança e saúde –, independentemente do local de nascimento, do contexto social e cultural que nos rodeia, do nosso estrato económico ou social, ou qualquer outro factor de diferenciação. Este projecto veio confirmar o sentido do nosso trabalho, aquilo em que acreditamos, ou seja, a motivação e a premissa de que podemos contribuir para a construção de um mundo melhor, onde todos temos de facto as mesmas oportunidades e onde reconhecemos no “Outro” um ser humano igual a nós.

Ficámos com a percepção clara que a Enciclopédia dos Migrantes constitui um documento que ajuda a compreender as migrações na Europa e pode, efectivamente, contribuir para o reconhecimento do importante papel dos movimentos migratórios e das comunidades migrantes na construção da Europa onde vivemos.

Ainda não foi possível aferir o acolhimento da Enciclopédia por parte do público, no entanto, consideramos que a recolha dos testemunhos e das fotografias permitiu às organizações envolvidas reforçarem a sua relação com as comunidades migrantes locais com as quais já trabalhavam em outros âmbitos (ex. ensino da língua nacional a migrantes, apoio jurídico e social, eventos culturais, etc.). De certa forma, permitiu-nos uma maior compreensão desta realidade, a criação de novas pontes e de novas abordagens de intervenção.

Regressando à pergunta, o processo tem corrido muito bem, o que se deve também à escolha de uma metodologia de trabalho que foi desenhada de forma participativa e multidisciplinar. A relação com os parceiros e a ligação entre as cidades também tem sido um ponto positivo do projecto, bem como a capacidade de despertar nos participantes a consciência de que podem ser o veículo principal da sua própria causa, encontrarem em si e na sua história a relevância capaz de criar impacto no “Outro” e abalar a sua confortável posição de cidadão nascido no lado “certo” da Europa. Os participantes não se limitaram a partilhar a sua história, mas têm estado presentes em vários momentos do projecto, nomeadamente nas sessões que foram sendo dinamizadas em torno das temáticas ligadas às migrações (sessões de apresentação do projecto, leitura de cartas, etc.).

Um outro aspecto importante a sublinhar é a interligação entre a dimensão artística e a intervenção social em cooperação com a investigação. Não só foram incluídos na Enciclopédia 16 textos de investigadores na área das migrações e das ciências linguísticas, como estes investigadores estiveram presentes e activos, quer como membros de um grupo de reflexão, quer como parceiros durante as várias fases do projecto (implementação, coordenação e avaliação).

AC – A partir desta experiência, que conselhos daria a outros profissionais que pretendam envolver-se mais com o tema da migração e criar iniciativas culturais nesta área?

FB – Apenas um conselho, baseado unicamente na nossa experiência: para que os projectos sejam geradores de impactos reais nas comunidades que pretendemos abordar, a proximidade e a construção de relações são dimensões obrigatórias. Muitas vezes, nos projectos de intervenção social e cultural algumas ideias pré-concebidas levam-nos a assumir que sabemos quais são as necessidades do público-alvo e as melhores soluções a implementar. Quando trabalhamos no terreno, em diferentes locais e com diferentes pessoas, percebemos que isto não é bem assim. É preciso saber ouvir o “Outro”, desenvolver metodologias de trabalho que permitam aferir as reais necessidades sentidas e trabalhar directamente com os participantes na procura das melhores estratégias de intervenção.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *