Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação – Projecto Mu.Sa

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Por Ana Carvalho

Damos nota neste texto sobre a conferência realizada no âmbito dos trabalhos que decorrem do projecto Mu.SaMuseum Sector Alliance (2016-2019) no qual o ICOM Portugal é parceiro.[1] O projecto tem como objetivo criar um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus, através de sistemas de formação em e-learning, onde se inclui a concepção de um MOOC (Massive Open Online Courses). A conferência Re-designing Museus. Digital Skills for Change and Innovation (13 de Julho) realizou-se no seguimento de dois dias de reuniões internas do projecto e visou apresentar publicamente o projecto e os resultados da investigação já obtidos, mas também prolongar a discussão com outros profissionais do sector, cimentando ou contraponto ideias sobre esta matéria. O evento teve lugar em Roma, na Link Open University, um dos parceiros do projecto.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

A conferência estruturou-se em três momentos distintos. O primeiro consistiu na apresentação do projecto por Achilles Kameas (Hellenic Open University), coordenador do Mu.Sa, sobre os objectivos e resultados alcançados até ao momento. A segunda intervenção coube a Antonia Silvaggi (MeltingPro Learning), coordenadora do trabalho desenvolvido na primeira fase do projecto, que consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das novas tecnologias no contexto português, grego e italiano. Neste sentido, pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das novas tecnologias e do digital nas várias áreas de actuação (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). Uma outra dimensão analisada nos três países foi o mapeamento da formação formal e não formal na área da Museologia e em que medida se tem (ou não) introduzido as novas tecnologias e o digital nos curricula académicos e nos planos de formação profissional. No contexto desta conferência, Antonia Silvaggi, focou-se na apresentação de uma síntese de dez aspectos (Digital Transformation Decalogue) identificados a partir da investigação desenvolvida, e entendidos como elementos-chave que podem contribuir para a transformação digital nos museus. São os seguintes: 1) desenvolver uma liderança forte que suporte uma mudança de mentalidades no repensar da passagem de processos já existentes para o digital; 2) promover a confiança digital em todos os membros da equipa do museu; 3) apoiar o desenvolvimento profissional de forma continuada em relação às novas tecnologias; 4) conhecer as necessidades dos públicos para implementar experiências significativas; 5) desenvolver as soft skills mas também as competências digitais; 6) aprender com os pares e com os públicos; 7) apoiar a digitalização das colecções e dos arquivos; 8) mudar no sentido de abordagens mais abertas; 9) proporcionar um ambiente seguro onde se pode experimentar enquanto processo de erro e tentativa; 10) melhorar as colaborações internas e externas.

O segundo momento do encontro centrou-se em dois estudos de caso distintos, com a intervenção dos responsáveis pelos departamentos de novas tecnologias do Victoria & Albert Museum (Londres) − por Duncan Gough −, e do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (Milão) − por Paolo Cavalotti.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Seguiu-se o terceiro momento do encontro com uma mesa-redonda composta por oito especialistas − alguns participantes no projecto, como foi o caso de Alexandre Matos (ICOM Portugal), e outros externos ao projecto − sendo moderada pela jornalista Valentina Tanni (Artribune).[2] Várias questões foram levantadas. Destacamos algumas. Sobressaiu uma perspectiva optimista e benevolente quanto ao papel das tecnologias e da expectativa de que através destas se pode melhorar a comunicação dos museus no sentido de oferecer um serviço mais eficaz e que vá de encontro às necessidades dos visitantes. Transformação e agilidade foram palavras-chave referidas amiúde. Embora se reconheça que os museus não são indiferentes aos desafios das novas tecnologias (ex. digitalização de colecções, entre outros), é necessário contrariar o passo lento dos museus para se tornarem mais ágeis face à mudança. Como? Através de políticas mais pro-activas (e lideranças atentas), recursos (financeiros e humanos) e a capacitação contínua dos profissionais de museus.

Notas

[1] O projeto Mu.Sa − Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pelo programa Erasmus + e é coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). O consórcio conta com três parceiros portugueses: o ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a empresa Mapa das Ideias, e ainda oito parceiros de Itália, Grécia e Bélgica: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), National Organisation for the Certification of Qualifications and Vocational Guidance (Grécia), Symbola -Foundation for Italian Qualities (Itália), The Institute of Vocational Training AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia e Culture Action Europe (Bélgica). http://www.project-musa.eu

[2] Leia-se o pequeno artigo da Artribune a propósito desta conferência: http://www.artribune.com

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Conferências: comentários”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (Out.): 37-39. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *