Seminário "Coleccionar Arte Contemporânea"

museu-serralves-area-expositiva.jpg

Museu Serralves (Porto), 2006
©Ana Carvalho

Está a decorrer em Serralves um seminário dedicado ao tema “Coleccionar Arte Contemporânea”. Teve início a 15 de Janeiro e termina no próximo dia 15 de Fevereiro de 2008.

Destacamos aqui este seminário pela pertinência do tema:

Este seminário pretende ajudar a compreender o papel do coleccionismo privado no panorama da arte actual e as suas relações dinâmicas com os vários agentes que o constituem – artistas, curadores, críticos e directores de museus.

Numa paisagem cultural saturada de feiras de arte, bienais e revistas especializadas, e em que alguns agentes artísticos, nomeadamente os coleccionadores, são cada vez mais mediatizados, importa reflectir sobre o papel das colecções privadas de arte contemporânea, sobre as suas actuais especificidades, suas novas relações com os museus e os centros de arte.

O seminário contará com uma introdução que estabelece as diferenças entre uma colecção e um mero conjunto de obras, pensando o que distingue o coleccionador do amador ou do curioso. Para isso, e apesar de não se abordar o tema de forma exaustiva ou historicista, apresentar-se-ão exemplos de importantes colecções privadas, que ajudaram a definir o papel e o alcance da figura do coleccionador, não apenas enquanto comprador mas sobretudo enquanto mecenas, promotor e cúmplice dos artistas. Neste sentido, abordar-se-á a resposta dos coleccionadores aos desafios colocados por muita da arte contemporânea, especialmente desde a década de sessenta. Ter-se-á conseguido coleccionar o “não-coleccionável”, acompanhando as redefinições, conceptualizações e tentativas de desmaterialização do objecto artístico? Qual o impacto da visibilidade das colecções privadas que, cada vez mais, assumem um papel preponderante na relação com os museus, na constituição de arquivos, na edição de livros e catálogos, no apoio à produção de novas obras?

Entre as várias colecções internacionais a analisar destacam-se as de Peggy Guggenheim, Peter e Irene Ludwig, Panza di Biumo, John e Dominique de Menil, Annick e Anton Herbert, Ernst Beyeler, Emanuel Hoffman, Charles Saatchi e François Pinault. Também se abordarão algumas colecções portuguesas de referência.

Concepção/orientação: João Fernandes, Ricardo Nicolau

(in Site Fundação Serralves)

Mais informações:
http://www.serralves.pt/


2 thoughts on “Seminário "Coleccionar Arte Contemporânea"

  1. Eduardo Henriques

    Tudo na vida é como a Coca-Cola. Uns gostam outros não gostam.
    Talvez por esse motivo, também se venda a Pepsi-Cola.
    Assim, é o mercado de tudo. Haja dinheiro e força.
    Para a globalização mercantil. A critica é estruturada na ética do poder. E a arte, é um mercado convencionado ao interesse do valorizado. Assim, como uma criança e uma maquina. São ferramentas de produção. Telas abertas pelo mundo. Com as criançinhas a esgravatar restos de comida no cume de nauseantes lixeiras.
    Tenho para venda uma colecção de arte única no mundo. O tema é Portugal o mar e os descobrimentos. Tudo pintado com moedas de praticamente todo o mundo.
    Ver fotos em: http://artcoins.wordpress.com
    Cumprimentos
    Eduardo

    Responder
  2. Jose Maria Bustorff

    German tourists prefer,when they travel,Eisbein und Sauerkraut with German beer,Americans dont mind to drink a Bourbon and have a burger with a Budweiser…when you travel you learn a lot?!But what when you eat the same you can have at home?!And when you find all the same modern artists in the arts museums,what does it teach you?It teaches me that somewhere exits a warehouse with all the same staff, waiting to be distributed all over the world,depending on the budget.Is this globalisation or are there no other artists of interest?Is this unilateral taste in art or lack of other iniciatives because of low budget or is it simply manipulation and market domination like COCA-COLA?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.