Novas relações com o digital nos museus: a construção de comunidades de prática

*O texto que se segue foi publicado na revista Conectando Audiências. Portugal (p. 41-45): https://mapadasideias.pt/conectando-audiencias/

*****

Vivemos uma crise pandémica que nos trouxe limitações. De forma abrupta tivemos que alterar e adaptar os modos de fazer, agir e interagir. Das relações interpessoais ao trabalho, essa interferência é uma evidência com consequências ainda pouco claras.

Ainda estamos a viver nesse processo de mudança, cheios de incertezas quanto ao futuro próximo e sem distanciamento duma realidade na qual estamos dentro. É no contexto dessa nebulosidade ou ausência de distanciamento que também escrevemos este texto.

O “digital”, esse termo abstrato e poroso que usamos aqui para nos referirmos a tudo o que é mediado por tecnologias digitais, plataformas e serviços (ex. apps, websites, smartphones, sistemas e software, etc.), tornou-se ferramenta ainda mais omnipresente nas nossas vidas. Antes da crise pandémica já comungávamos dessas ferramentas, que em muitos aspectos nos facilitavam a vida. O que mudou foi a forma, diríamos até invasiva, com que nos transportou de forma dominante e avassaladora para o universo digital, à força das circunstâncias. Se antes o digital era algo que se acenava como possibilidade de ampliar ou complementar as formas tradicionais de fazer, com incursões pontuais, por vezes mais distantes, tidas como acessórias ou secundárias, hoje tem o palco principal. Mas com isso, e falamos pelas nossas próprias experiências, veio um cansaço extremo e a saturação, pois tudo o que é excessivo desequilibra.

Numa primeira fase, e pensando nos primeiros meses de confinamento e encerramento de muitos museus, por todo o mundo, os relatórios produzidos pela UNESCO (Museums Around the World in the Face of Covid-19, Maio 2020) e pela NEMO – Network of European Museums Organisations (Survey on the Impact of the COVID-19 Situation on Museums in Europe: Final Report, Maio 2020) sublinhavam, de modo global, a forma reactiva como os museus responderam com actividades no espaço digital, com consequente incremento das visitas online.

Num debate recente sobre os museus e o digital perguntavam se os museus estão a fazer um melhor trabalho na comunicação com os públicos durante este período de pandemia. É difícil responder. Mas não será de assumir que, apesar das respostas que vão sendo dadas e que parecem evidenciar algum aumento da oferta online, todos os museus estejam no mesmo patamar de actuação ou que possamos a avaliar por “atacado” como sendo uma actividade bem-sucedida. Este tem sido um tempo de disrupção, de alguma experimentação, e nalguns casos um pouco caótico na produção e disponibilização de conteúdos digitais. No limite estamos todos a trabalhar em modo de crise e a tentar entender como fazer melhor para nos adaptarmos. Ainda assim, acreditamos que há aqui uma oportunidade de abrandar o passo e refectir. Este momento de crise poderá contribuir para que os museus possam repensar o digital como uma ferramenta que reforça e amplia a comunicação. Porventura, essa perceção já existia, mas a crise tornou essa possibilidade mais premente e vital do que antes.

Por outro lado, esta crise poderá ser uma oportunidade para olhar de forma mais tangível para os obstáculos internos que prevalecem em cada museu (que competências e recursos existem – ou não – e necessitam de ser fortalecidos? Que competências precisam de ser incorporadas?) e que impedem que estes possam desenvolver uma actividade no espaço digital, de forma mais estruturada e consequente com a sua missão e objetivos. Esta crise pôs a descoberto muitas das desigualdades entre os museus, acentuando, porventura, a percepção mais imediata das suas fragilidades e carências. Como sugerem os já citados relatórios da UNESCO e da NEMO, os museus menos equipados (ex. recursos humanos e financeiros, infraestruturas, competências) tiveram menor capacidade de reação e de actuação. Quanto à realidade portuguesa, e no cenário pré-crise, já sabíamos que as respostas dos museus eram, de um modo geral, insuficientes e frequentemente pouco estruturadas, exigindo conhecimentos e recursos que não existem ou são claramente limitados.

Da experiência acumulada dos últimos meses, com a constatação de grandes fluxos de informação e saturação de conteúdos digitais, parece-nos também importante refletir sobre a avaliação do seu impacto – como se traduziu a eficácia das actividades online? Corresponderam aos objectivos traçados? O que funcionou e o que não funcionou? A avaliação da actividade online, tal como a avaliação de práticas museológicas em contexto físico é crucial para informar e moldar as decisões estratégicas.

Se, por um lado, há uma maior percepção da expansão do digital no trabalho dos museus, há por outro lado, necessidade de desconstruir mal-entendidos. Com frequência se faz uma correspondência directa entre digital e acesso. No entanto, a experiência dos últimos meses também tem mostrado que no espaço digital se continuam a perpetuar barreiras de acesso. Nem sempre os conteúdos produzidos, assim como as plataformas (ex. websites, entre outros) cumprem critérios de acessibilidade. Penso, por exemplo, nos públicos ou utilizadores com necessidades especiais ou com baixa literacia digital, e na ausência de uma maior atenção para a produção de conteúdos mais inclusivos (ex. falta de legendagem, audiodescrição, língua gestual, etc.). O exemplo da plataforma Zoom, que recentemente fez ajustes no sentido de introduzir novas opções que garantam a possibilidade de língua gestual, é revelador da necessidade constante de continuar a fazer e a repensar o caminho, de forma mais consciente e proactiva, de modo a reforçar as condições de acesso, nomeadamente em contexto digital.

Nesta fase de sobrecarga e saturação do digital, também estamos mais conscientes das suas limitações. O digital não substitui o valor do contacto físico, isso parece ainda mais claro. Mas isso não significa que possamos negar ou prescindir das possibilidades que o digital introduz. Como em tudo na vida, é necessário encontrar um equilíbrio, sendo que as tecnologias não são em si boas ou más, depende do uso que lhes dermos. No caso dos museus essa é uma abordagem que deve ser estratégica, até porque os recursos são escassos e finitos.

Muito do que estamos a referir não é novo. A crise pandémica parece ter colocado a descoberto problemas já existentes. No âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), entre 2016 e 2020, no qual participámos, muitas destas questões foram abordadas.

A demanda de transformação para corresponder às expectativas dos novos tempos traz uma complexidade acrescida, o que implica uma reflexão informada e crítica sobre o lugar a dar às tecnologias e o seu enquadramento na missão e estratégia de cada museu e dos seus recursos. Não há uma receita. Tão pouco se trata de perseguir a introdução de tecnologias como um fim em sim mesmo, mas perspectivar as tecnologias, na miríade de formatos e linguagens que vão aparecendo, como possibilidades para que os museus possam expandir a sua relação e comunicação com os públicos, cativar e criar mais espaços de envolvimento e participação. Dependendo dos objectivos e dos efeitos que se pretendam, trata-se de escolher as ferramentas e os formatos que melhor se adequem, nalguns casos as opções passam pelo digital, noutros pelos meios mais tradicionais, noutros ainda, por ambos. A escolha não terá que passar por escolher um formato em detrimento do outro, mas por ampliar as opções que melhor possam assegurar a missão dos museus. Não vemos as tecnologias como ameaça à experiência física, ou como substituto, nem tão pouco como uma dicotomia. Embora também não ignoremos os muitos riscos que atravessam o espaço digital. Por exemplo, sobre as redes sociais, o documentário “The Social Dilemma” (2020) mostra bem algumas das preocupações às quais não devemos estar alheios como cidadãos activos e informados.

Se a possibilidade de incrementar meios e recursos para robustecer os serviços dos museus são elementos importantes para alavancar a transformação digital, não menos essencial é a promoção do recrutamento e da capacitação de profissionais com novos conhecimentos, especialização e competências. A capacitação é, em nosso entender, uma via privilegiada para instigar a mudança, no sentido de uma atitude mais informada, crítica e criativa, que possa estimular um pensamento mais estratégico sobre o digital. Foi de acordo com esta última premissa que se desenvolveu o projecto Mu.SA a que já aludimos. O reforço da literacia digital, através da capacitação e do desenvolvimento profissional foram o fio condutor deste projecto. Com este propósito criaram-se espaços de aprendizagem, por via de cursos online e em contexto de trabalho de museu. Produziram-se vários módulos de formação, entretanto disponíveis em acesso aberto (http://www.project-musa.eu/results/oers/), que não obstante abordem as competências digitais permitiram ainda convocar um outro conjunto competências associadas, as chamadas soft skills, permitindo uma maior fertilização de ideias e desfazer a dicotomia físico vs digital. Ou seja, a reflexão sobre tópicos da esfera do digital, como a gestão de dados, de informação e o desenvolvimento de conteúdos digitais, a monitorização de tendências tecnológicas, a avaliação de dados, ou a protecção de dados e privacidade, para referir alguns exemplos, foi ampliada e complementada com conteúdos centrados nas soft skills, como por exemplo a criatividade, as questões éticas, a comunicação, a liderança, o trabalho de equipa, a escuta activa, o storytelling, entre outras. Neste contexto ensaiámos, assim, uma possibilidade de aposta na formação contínua, no investimento em novos conhecimentos, especialização e competências. O bom acolhimento dos cursos promovidos no âmbito do projecto Mu.SA junto de profissionais de museus também é revelador do desejo de mudança num quadro de uma reflexão mais informada e crítica que a transformação digital requer. Acreditamos que o caminho passa por construir uma comunidade de prática, de reflexão e de partilha, para a qual esperamos que o projecto Mu.SA, num primeiro momento, possa ter contribuído e desencadeado.

 

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Colaborou no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Cofundou a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares. Autora do blogue No Mundo dos Museus.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.