Museu do Oriente abre já amanhã

O Museu do Oriente abrirá as suas portas já amanhã.

O historiador de arte Fernando António Baptista Pereira, responsável pelo percurso e arranjo museográfico da colecção permanente refere sobre a exposição permanente: Desenvolvida “como uma narrativa”, “proporá duas leituras cruzadas”, a primeira das quais visando a presença portuguesa na Ásia, núcleo correspondente, em larga medida, às aquisições que a Fundação Oriente foi fazendo ao longo dos anos.

A segunda dessas leituras terá por base uma panorâmica das culturas orientais, por via da Colecção Kwok On, de artes performativas e tradicionais, sendo a Ásia entendida aqui num sentido lato, num arco que vai da Turquia ao Japão. Dada a sua extensão – mais de 13 mil peças, muitas das quais exigindo cuidados especiais de conservação -, este núcleo rodará, recorde-se, de 18 em 18 meses, com novos temas e novas peças, sendo Deuses da Ásia a temática inaugural. Centrada na Colecção Kwok On será também a primeira mostra temporária do museu: Máscaras da Ásia.

Será justamente este diálogo, lembrou Fernando António Baptista Pereira, que fará deste não apenas “um museu único no seu género entre nós”, mas raro também no contexto internacional. Para lá da “memória que convocará”, o Museu do Oriente terá também os olhos postos no presente, por via da programação do seu serviço educativo e da sua programação de conferências e espectáculos, com particular destaque para o cinema e para a música. Trimurti, peça musical que o pianista Mário Laginha criou expressamente para assinalar o momento, marcará a abertura do museu (dias 9 a 12), tendo a seu lado, em palco, músicos do Vietname, Índia e Japão.

(…) como lembrou Baptista Pereira, o Museu do Oriente “abrirá as suas portas ao público com quatro catálogos” em simultâneo, resultantes do “esforço enorme de estudo da colecção”. Um deles, de carácter generalista, sai com chancela tripartida da Fundação BNP Paribas, de Paris, Fundação Oriente e Réunion des Musées Nationaux, de França.

Um outro catálogo, de perfil monográfico, será dedicado à trajectória do edifício, agora sede do museu: os antigos armazéns frigoríficos do Porto de Lisboa, peça singular da arquitectura industrial dos anos 40.

Fonte: DN

Leia o artigo na íntegra aqui: http://dn.sapo.pt/


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.