Afinal, o que é um museu?

A plataforma Gerador, plataforma portuguesa independente de jornalismo, cultura e educação, fez uma reportagem (30-12-22) sobre a nova definição de museu do Conselho Internacional dos Museus (ICOM). Contou com a minha participação. A reportagem, “Afinal, o que é um museu?”, assinada pela jornalista Isabel Patrício, está disponível na íntegra em:

Afinal, o que é um museu? Nova definição “reforça serviço à sociedade”

Partilho aqui a minha opinião, mais desenvolvida, a partir das perguntas lançadas pela jornalista Isabel Patrocínio.

Com 92% dos votos, o ICOM aprovou uma nova definição de museu [em agosto de 2022]. Antes de mais, entende que era ou não necessária esta mudança?

Ana Carvalho – Os museus são parte da sociedade e como tal não estão imunes às mudanças que acontecem. A própria definição de museu convoca a isso, quando afirma que os museus estão “ao serviço da sociedade”. Estar ao serviço da sociedade significa que os museus devem interrogar-se, de forma contínua, sobre as respostas que podem dar face aos desafios actuais da sociedade. Foi a partir desta premissa que em 2016 o Conselho Internacional de Museus (ICOM) decidiu voltar a discutir uma possível redefinição do que significa “museu”, uma vez que a última revisão datava de 2007.

É preciso dizer que este é um tópico recorrente na história do ICOM, ou seja, repensar e ajustar a definição de museu tem vindo a acontecer ao longo do tempo, desde a primeira formulação dos estatutos do ICOM em 1946. Na minha opinião, é um exercício saudável que deve fazer parte da discussão, de uma forma regular. Obriga ao questionamento, sobre o que somos, sobre o que fazemos e porque o fazemos.

O que destacaria do que se altera com esta nova definição?

Ana Carvalho – Destacaria a introdução, pela primeira vez, da ideia de acessibilidade e de inclusão, agora consideradas como parte integrante do que é ser museu, a promoção da diversidade e da sustentabilidade, e a participação. Todas estas noções estão aliás interligadas e são hoje plenamente reconhecidas como aspectos fundamentais na teoria e na prática dos museus (ou pelo menos numa boa parte de museus, uma vez que o panorama museológico é muito díspar).

Persistem avaliações díspares da nova definição. Que posição assume? Entende que é adequada?

Ana Carvalho – Na minha opinião não é desadequada. Depois de em 2019 se ter chegado a uma proposta (não votada, mas que foi expressivamente contestada em Quioto na Conferência-Geral) que rompia em grande medida com a estrutura da definição que até então tinha prevalecido, penso que agora se deram dois passos atrás, o que é compreensível, procurando uma proposta de definição mais operativa e mais consensualizada, e que foi buscar grande parte da estrutura tradicional da definição anterior, ainda que trazendo também alguma “novidade”.

No entanto, um aspecto que considero menos produtivo foi a eliminação da expressão “desenvolvimento” da definição de museu. Ou seja, se na definição anterior prevalecia a ideia de que os museus estavam “ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento”, na nova versão caiu a palavra desenvolvimento. Na minha opinião o “desenvolvimento” da sociedade é uma finalidade importante para os museus. Por outro lado, na nova definição, a introdução da “sustentabilidade” como propósito dos museus pode implicar essa ideia de desenvolvimento, aliás um desenvolvimento sustentável.

Em termos práticos, que reflexos poderá ter a mudança desta definição?

Ana Carvalho – A definição de museu do ICOM tem sido ao longo dos tempos um referencial, atendendo à notoriedade e prestígio do ICOM, que agrega a maior comunidade de profissionais e de museus do mundo. É a definição de museu mais difundida internacionalmente. Por essas razões, é com frequência fonte de inspiração, por exemplo, para pensar ou repensar as legislações nacionais. Regra geral cada país adopta um conceito próprio de museu, adaptando-o à sua realidade específica, consensualizado profissionalmente e/ou validado juridicamente, tal como aconteceu em Portugal com a definição de museu na nossa Lei-Quadro de Museus (2004).

Por outro lado, no âmbito da comunidade de profissionais, ter uma nova definição de museu pode ser não só inspiracional, mas também um instrumento de trabalho, no sentido em que ajuda a ter uma linguagem comum. Não menos importante, ter uma definição de museu com a assinatura e reputação do ICOM, pode ser uma ferramenta importante para os profissionais de museu chamarem a atenção das tutelas para o que o museu pode ser e não pode ser.

Por exemplo, fala-se pela primeira vez em inclusividade, diversidade, sustentabilidade, ética, profissionalismo, participação das comunidades e partilha de conhecimento. Esta nova definição tenderá a promover tudo isto ou, pelo contrário, a definição é o espelho do que já existe na prática?

Ana Carvalho – As duas coisas. Esta nova definição, creio, que pode ajudar a chamar a atenção para temáticas que agora ganham mais destaque por esta via, como a acessibilidade, a inclusão, a diversidade, a diversidade, a sustentabilidade, a participação. Mas, todos estes tópicos já espelham a prática (e a teoria de museus). Por exemplo, já se fala de inclusão social nos museus, pelo menos desde os anos 1990. No entanto, não podemos esquecer que o mundo dos museus é muito desigual e diverso, e onde convivem diferentes velocidades. Para muitos museus e contextos, ter estas temáticas espelhadas na definição pode ajudar a coloca-las em acção.

Que papel tem, na sua opinião, os museus na sociedade portuguesa?

Ana Carvalho – Na minha opinião, os museus devem contribuir para o desenvolvimento da sociedade, gerando mudanças positivas e impactos vários (educativo, social, económico, cultural) a partir das suas coleções e da sua programação.

 

Sugestões de leitura:

Carvalho, Ana. 2019. “Em torno da definição de museu do ICOM: lições a partir de Quioto.” https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/8987  


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.