Aquivos por Autor: Ana Carvalho

História do Palácio Nacional da Ajuda (1910-1981) publicada em livro na coleção Estudos de Museus

Capa onde consta imagem de sala de jantar do palácio

O Palácio Nacional da Ajuda e a sua Afirmação como Museu é o 16.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte (especialização em Museologia e Património Artístico) de Luís Filipe da Silva Soares apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2016 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento é no dia 3 de Dezembro, pelas 18h00, na Biblioteca do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa. Com apresentação de Maria de Jesus Monge.

Sinopse

O Paço Real da Ajuda, residência real e edifício ligado à representação do poder monárquico constitucional, mudou de funções depois da revolução de outubro de 1910. Passando por um processo demorado de arrolamento dos bens existentes, o agora denominado Palácio Nacional da Ajuda, passou a ter utilizações protocolares ligados à Presidência da República e foi o local escolhido para gerir um possível “garde-meuble” nacional. Contudo, o caráter de antigo paço real foi mantido, permitindo uma progressiva consciencialização da inevitável musealização do local.
Edifício central na memória da Monarquia em Portugal, encarado pela República como local apetecível para diversas funções, o Palácio Nacional da Ajuda seria utilizado pelas instituições deste regime para diversos fins. Porém, dentro de um quadro de tentativa de valorização do conjunto, também sugerido pelas diversas tentativas de conclusão do edifício, as suas características patrimoniais e museológicas marcaram sempre uma posição significativa e incontornável, afirmando-se progressivamente como museu, sendo apresentado ao visitante como Palácio-museu.
Através deste livro propomos analisar a evolução do Palácio Nacional da Ajuda, de outubro de 1910 até ao ano de 1981, dando destaque à ação das personalidades fundamentais nos primeiros anos da República (João Taborda de Magalhães e Custódio José Vieira) e analisando a atividade dos seus administradores/conservadores: Armando Porfírio Rodrigues (1911-1938), Manuel Carlos de Almeida Cayola Zagalo (1938-1964), Armindo Ayres de Carvalho (1964-1981).

Sobre o autor:

Luís Filipe da Silva Soares (Lisboa, 1974). Com licenciatura em Conservação e Restauro, especialização em Pintura de cavalete e Escultura policromada (Instituto Politécnico de Tomar), mestrado em Museologia (Universidade Nova de Lisboa) e Doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico (Universidade Nova de Lisboa), o autor, trabalhou entre 1994 e 2012 em diferentes intervenções de conservação e restauro em património cultural público e privado. Entre 2008 e 2016 colaborou com a Iterartis, Serviços para Museus e Transportes de Arte, Lda., em projetos nacionais e internacionais, de acondicionamento, embalagem, transporte e montagem e desmontagem de exposições, para diversos ateliês, galerias e centros de arte, museus e palácios. Colaborou com a Área de Conservação e Restauro e o Serviço Educativo do Museu Nacional de Etnologia e foi bolseiro de investigação no Arquivo do Palácio Nacional da Ajuda, inserido no projeto “Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal”. Desde novembro de 2016 trabalha na Conservação Preventiva do Palácio Nacional da Pena, do Chalet da Condessa d’Edla e do Palácio de Monserrate, tutelados pela Parques de Sintra – Monte da Lua, S.A. É membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – “REPUBLICANIZAÇÃO” DO PAÇO DA AJUDA – 1910 A 1938
Revolução republicana e o período de “ocupação revolucionária”
Arrolamento
Tutela
Administração do Palácio Nacional da Ajuda
Tentativas de abertura ao público

CAPÍTULO 2 – O PALÁCIO DA AJUDA A “MUSEALIZAR-SE” – 1938 A 1964
Tutela (Direção Geral da Fazenda Pública)
Administração do Palácio Nacional da Ajuda
Palácio aberto à visita

CAPÍTULO 3 – O PALÁCIO DA AJUDA “MUSEALIZADO” – 1964 A 1981
Tutela
Administração do Palácio Nacional da Ajuda
Palácio-museu

CONSIDERAÇÕES FINAIS

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular, de Alexandre Oliveira

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Em torno da definição de museu do ICOM: lições a partir de Quioto

vários desenhos esquemáticos de um museu

[Texto publicado originalmente na plataforma património.pt (com base numa parceria com a Acesso Cultura). A versão que aqui se divulga é mais alargada]

Ana Carvalho, museóloga

Porque é hoje a definição de museu tema de conversa recorrente entre a comunidade museológica e a suscitar (aparentemente) o interesse de tantos, dentro e fora da profissão? Porque precisamos de uma nova definição de museu? Serve para quê, afinal? É este um tema novo com que nos defrontamos? O que tem provocado este burburinho que tanto nos conforta ou desconforta, ao mesmo tempo nos estimula a pensar nas bases, nas premissas, nos alicerces do que fazemos e porque o fazemos?

Um pouco de contexto

Mais recentemente, também em Portugal, o interesse em debater o que é o museu tem reemergido com algum entusiasmo com a realização de vários eventos e com a circulação de artigos de opinião. Estas iniciativas estão especialmente ligadas à malograda iniciativa do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que a 7 de Setembro de 2019, no âmbito da sua 25.ª Conferência-Geral, em Quioto, no Japão, pretendia votar uma nova de definição de museu numa assembleia extraordinária. Isso de facto não veio a acontecer na sequência de várias contestações quanto à proposta apresentada. O que acabou por acontecer foi que uma esmagadora maioria (70,41%) de membros da dita assembleia-geral decidiu adiar por um ano a votação de uma nova definição. Apesar de essa possibilidade não ter sido antes (e formalmente) equacionada pelo Comité Executivo do ICOM, também me pareceu a decisão mais acertada para reorganizar ideias e repensar uma definição de museu que possa melhor servir e inspirar uma comunidade e um panorama museológico tão diverso.

Faz sentido perguntar: como se chegou até aqui?

A definição de museu tem sido um tópico importante da actividade do ICOM e revisitado de quando em quando para ajustes, desde a sua primeira formulação nos estatutos desta organização, em 1946. A última revisão do conceito de museu do ICOM data de 2007 (Viena, 22.ª Assembleia-geral) e enuncia:

O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite.[1]

A ideia de voltar a pensar a definição de museu do ICOM ressurge na anterior Conferência-Geral em Milão (2016). Em sequência disso foi criado, em 2017, um Comité Permanente (Committee for Museum Definition, Prospects and Potentials) com o objectivo de analisar o impacto das tendências societais nos museus e avaliar a relevância da actual definição. Nesse sentido, o Comité tinha a incumbência de fazer recomendações quanto a uma possível revisão da definição de museu. Na base desta iniciativa aponta-se a desadequação da actual definição de museu para fazer face aos desafios societais do séc. XXI, reconhecendo à partida o peso e impacto, directo e indirecto, desses desafios nos museus. Por outro lado, não ignorando ainda as transformações que se sucedem no mundo dos museus, que se caracteriza por um panorama complexo: na diversidade de museus, de colecções, de públicos e de territórios, assim como nos diversos contextos políticos, económicos, sociais e culturais onde se inserem.

Em síntese, o trabalho do Comité Permanente visava integrar as “tendências ambíguas e muitas vezes contraditórias e em consequência as novas condições, deveres e possibilidades que se abrem aos museus”.[2]

No âmbito das incumbências do Comité Permanente e do seu trabalho de escuta e reflexão (2017-2019), em Julho deste ano, este Comité fez chegar ao Comité Executivo do ICOM cinco propostas de definição de museu. Por sua vez, o Comité Executivo escolheu uma delas para votação na Assembleia-geral extraordinária em Quioto, que divulgou junto dos seus membros a 25 de Julho, com a seguinte configuração:

Os Museus são espaços democratizantes, inclusivos e polifónicos, orientados para o diálogo crítico sobre os passados e os futuros. Reconhecendo e lidando com os conflitos e desafios do presente, detêm, em nome da sociedade, a custódia de artefactos e espécimes, por ela preservam memórias diversas para as gerações futuras, garantindo a igualdade de direitos e de acesso ao património a todas as pessoas.

Os museus não têm fins lucrativos. São participativos e transparentes; trabalham em parceria activa com e para comunidades diversas na recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição e aprofundamento dos vários entendimentos do mundo, com o objectivo de contribuir para a dignidade humana e para a justiça social, a igualdade global e o bem-estar planetário.[3]

Na imagem vê-se uma panorâmica da assembleia-geral do Conselho Internacional de Museus, que se reuniu em Quioto no Japão a 7 de Setembro de 2019

Fig. 1 – Assembleia-geral extraordinária do ICOM, 7 de Setembro de 2019, Quioto, Japão

 

Lições a partir de Quioto

Também eu estive em Quioto, juntamente com uma vintena de outros colegas portugueses. Não fui em delegação organizada a Quioto. Submeti uma proposta de comunicação a um dos comités internacionais, que foi aceite, para apresentar e partilhar resultados de investigação. Contei com o apoio imprescindível do centro de investigação onde estou integrada, sem o qual não teria sido viável a minha participação. Sendo a minha primeira vez numa Conferência-Geral do ICOM ia com as mais altas expectativas, que na sua maioria saíram defraudadas, em parte devido à escala massiva do evento (4500 pessoas). Apesar disso, foram várias as aprendizagens, nomeadamente a possibilidade de ver mais de perto como funciona uma organização como o ICOM, a esta escala, nas suas fragilidades e potencialidades.

Mas o cerne da conferência de Quioto foi decisivamente a nova proposta de definição de museu, cujo frenesim das conversas de corredor era quase palpável. Sentia-se a agitação no ar, nos gestos, nos discursos, que foi crescendo até ao último momento com a “decisiva” votação, após várias horas de tensão e desorientação numa assembleia-geral que parecia interminável e “ingerível”. É provável que esta tenha sido a Conferência-Geral do ICOM mais agitada de sempre, segundo também me foi dado a entender por colegas mais experimentados nestas lides e imbuídos no espírito da cultura organizativa do ICOM.

Centro-me agora no “argumentário” (ainda que não de forma exaustiva) que esteve na base da contestação em Quioto quanto à dita proposta, no qual também me revejo, em grande medida.

A primeira ordem de ideias tem a ver com a forma e conteúdo. É uma proposta demasiado extensa para que as várias partes que a compõem possam ser ditas e repetidas a outros, o que se poderia implicar uma dificuldade acrescida quanto ao seu alcance, utilização e apropriação; por sua vez, inclui muitas palavras-chave ou buzzwords, cujos sentidos não são consensualizados, correndo-se o risco de aprofundar mal entendidos quanto ao seu significado e aplicação.

É de notar que muitas das posturas assumidas contra a proposta se afirmavam em acordo com a maioria dos valores patentes (ex. participação, inclusão, transparência). No entanto, também se chamava a atenção que a proposta tal como formulada estaria mais próxima de uma declaração de aspirações ou uma visão, do que de uma definição propriamente dita. Ainda assim, também se percecionou o desconforto ou receio quanto a uma posição demasiado ideológica e política dos museus na sociedade, sobretudo nas conversas mais informais.

Por outro lado, uma proposta com esta configuração corria o risco de excluir muitos museus, ainda que se reconhecesse a existência de museus que já trabalham no sentido dos valores e aspirações que a proposta defende.

Quanto às funções museológicas, a proposta ressalva a sua continuidade (recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição) se a compararmos à definição vigente, assim como a garantia da não hierarquização de funções. No entanto, esta proposta deixa cair a educação como finalidade dos museus, pela sua omissão. Não sendo a educação uma finalidade plenamente assumida, isso poderia levar a que no futuro se descurasse esta dimensão da acção dos museus.

Outro argumento reivindicado refere-se à omissão do museu como “instituição permanente”, um aspecto que se encontra patente na corrente definição (e na nossa Lei-Quadro de Museus de 2004) e que pode ser relevante para garantir o acento na permanência e continuidade dos museus.

Várias pessoas sublinharam ainda o impacto desta proposta de definição, nomeadamente a dificuldade de a transpor para as legislações nacionais, sobretudo para os países que não dispõem de legislação dedicada aos museus. É de notar que, sendo a definição de museu do ICOM referencial para a comunidade de profissionais e museus de todo o mundo, é fonte de inspiração para muitos países. Regra geral cada país adopta um conceito próprio de museu, adaptando-o à sua realidade específica, consensualizado profissionalmente e/ou validado juridicamente, tal como aconteceu em Portugal com a definição de museu na Lei-Quadro de Museus (2004).

Em síntese, não creio que a nova proposta de conceito de museu, atendendo à sua expressiva contestação, tenha representado uma divisão entre conservadores e vanguardistas, ou uma rutura geracional. Também não me parece que tenha representado uma rejeição massiva à mudança, tendo sido reconhecida por uma grande maioria a necessidade de rever a definição.

Creio que foi sobretudo o resultado de um processo que falhou por afinal não ter conseguido gerar uma definição suficientemente assertiva e inclusiva que clarifique e nos inspire quanto às finalidades dos museus na sociedade do séc. XXI.

E sobre este ponto sublinho também a importância de que uma futura definição vá para além da identificação de funções museológicas para considerar também o acento nas finalidades – porque fazemos o que fazemos. Além disso, revejo-me na ideia de que as actividades que os museus desenvolvem, alicerçadas nas suas funções (recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição…), devem ser mais do que um fim em si mesmas, mas um meio, uma ferramenta para gerar impacto. Reflexão esta que não é ignorada na comunidade de profissionais e museus.

Na imagem aparecem as seguintes perguntas: How to be a museum in 21st century society? How to be meaningful?

Fig. 2 – How to be a museum in 21st century society? Imagem captada em exposição patente no Weltmuseum, em Viena, Novembro de 2019

 

Sobre as finalidades dos museus, ainda me revejo na definição de museu de 1998 da Associação de Museus britânica quando sublinha o museu como um “lugar de aprendizagem e de inspiração”, ainda que outras finalidades pudessem ser introduzidas para reforçar os compromissos dos museus na sociedade do séc. XXI. E talvez neste ponto resida o desconforto, fazermos mais com as ferramentas que temos (recolha, conservação, investigação, interpretação, exposição…), mas com muitas interrogações quanto à forma de o fazer. Sendo certo que muitas destas funções não estão a ser plenamente cumpridas num universo de museus muito desigual, o que também é problemático.

No rescaldo de Quioto: que impactos?

 Apesar de não se ter chegado a uma nova definição de museu em Quioto, não se ignora o seu impacto. A cobertura mediática à volta do tema na imprensa permitiu desencadear um processo de debate, que extrapolou em grande medida a esfera do ICOM. O que entendemos por museu, o que deve ser o museu é algo evolutivo, até porque à medida que a sociedade muda também os museus e os seus profissionais são interpelados a mudar. Ainda que a mudança seja lenta, ela ocorre, e ocorre sobretudo nas nossas mentes enquanto profissionais comprometidos, no nosso processo de amadurecimento e de questionamento. Em certa medida, o ICOM também terá contribuído para isso, dando o mote para a reflexão. Assim, ao contrário de algumas intervenções em Quioto que expressaram o receio de que revelar posturas divisivas no seio do ICOM poderia levar a uma má imagem ou má publicidade, penso que é salutar que uma organização desta envergadura comporte diferenças de opinião e de visão quanto ao que deve ser um museu. É na partilha de diferentes perspectivas e nesse diálogo que vamos crescendo e evoluindo.

Uma definição de museu, como a que propõe o ICOM, não é vinculativa do ponto de vista da letra da lei, não temos forçosamente de a seguir. Para isso temos a nível nacional a legislação de museus de cada país, quando existe, como acontece em Portugal (se é aplicada já é outra questão). Mas penso que o ICOM tem um agenciamento relevante, na potencialidade de gerar discussão, inspirar, recentrar o debate…; pode ainda ser útil como referência internacional[4], e subsequentemente, na possibilidade de pressão e negociação junto dos decisores políticos em contextos nacionais, por exemplo na defesa de legislação específica no país ou da sua aplicação ou revisão de aspectos ainda não contemplados ou que carecem de ser desenvolvidos. Creio que pode ser também um instrumento de pressão na defesa do desenvolvimento dos museus e de uma política museológica.

Pós-Quioto?

 A decisão sobre a votação de uma nova proposta ficou suspensa por um ano. Não há ainda orientações do Conselho Executivo do ICOM sobre como se desenrolará este processo. Como será atendida a reivindicação dos comités nacionais e internacionais sobre um maior envolvimento no processo de definição do conceito de museu? E que vias de participação mais directas serão possíveis aos membros ordinários nesta fase?[5] Esta será também uma questão a aprofundar, já que o processo foi em parte contestado por não incluir de forma mais directa o contributo dos comités nacionais e internacionais. O ICOFOM (dedicado à museologia), por exemplo, foi um dos poucos comités internacionais a argumentar a necessidade de mais tempo para discutir com os seus membros a proposta de definição de museu.

E talvez tenha sido este também um dos pontos críticos ou falhados deste processo a nível interno. Por um lado, o processo de auscultação do Comité Permanente à comunidade de profissionais foi importante. Refiro-me às 37 mesas-redondas (com o apoio voluntário de comités nacionais), realizadas em várias partes do mundo (num total de 868 participantes, entre 2017 e 2018), permitindo obter diferentes perspectivas sobre o trabalho dos museus e a sua relação com os desafios societais contemporâneos. E ainda o envio de propostas de definição de museu, aberto a todos os profissionais e não profissionais, através da criação em 2019 de um micro-site no site do ICOM, que recebeu um total 269 sugestões, representativas de 69 países e 25 línguas.

Por outro lado, creio que falhou neste processo, por parte do Comité Executivo do ICOM, a criação de um espaço adicional que permitisse uma maior intervenção dos comités nacionais e internacionais (e em estreita articulação e participação dos membros), atendendo à estrutura hierarquizada em que habitualmente funciona o ICOM. Penso que de Quioto também podem ser inferidas lições quanto à necessidade de repensar processos e formas de participação no seio desta organização.

Por ora, esperamos do ICOM mais desenvolvimentos, que certamente estarão em cima da mesa. Enquanto isso, aproveitemos a oportunidade para continuar a aprofundar ideias sobre o que é o museu e que finalidades se impõem na sociedade do séc. XXI.

Sugestões de leitura:

ICOM new definition: articles and comments: https://padlet.com/am_marras/dqpp3zws7opm

Notas

[1] Tradução com base no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/recursos/definicoes/ (acesso a 18-11-2019).

[2] https://icom.museum/en/activities/standards-guidelines/museum-definition/ (acesso a 17-11-2019).

[3] Tradução com base no site do ICOM Portugal:  http://icom-portugal.org/2019/08/16/nova-definicao-de-museu/ (acesso a 18-11-2019).

[4] Actualmente o ICOM é constituído por 44,686 membros de 138 países e territórios, incluindo 118 comités nacionais e 32 comités internacionais: https://icom.museum/en/about-us/missions-and-objectives/ (acesso a 18-11-2019).

[5] É de realçar a organização dos Encontros de Outono do ICOM Portugal (11 Nov. 2019, no Palácio Nacional da Ajuda) subordinados ao tema “Afinal, o que é o Museu”, que permitiu a participação dos membros na reflexão sobre a definição de museu, e cujas conclusões dos respectivos grupos de trabalho serão reencaminhadas para o ICOM central.

Museus e sociedade digital: que desafios em Portugal?

na imagem vê-se uma mesa digital

À medida que sociedade se torna cada vez mais dependente das tecnologias, também as consequências para o sector de museus se tornam evidentes. As possibilidades de aplicação das tecnologias atravessam todas as áreas de actuação dos museus (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos), desde o trabalho de bastidores ao acolhimento e relação com os públicos, e neste sentido, os desafios são multidimensionais. As mudanças perspectivam-se a diferentes níveis e a ritmos variáveis, admitindo, desde logo, a complexidade e as assimetrias do panorama museológico.

Neste artigo analisamos a situação actual dos museus portugueses face aos desafios da era digital, atendendo à investigação realizada no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019). Tendo por base a realização de entrevistas e de um focus group, assim como revisão bibliográfica sobre o tema, a nossa análise salienta dois aspectos. Por um lado, a relevância da capacitação e do desenvolvimento profissional ao nível das competências digitais como dimensão central a considerar na adaptação dos museus à era digital. Por outro lado, e de forma interdependente, a necessidade de uma política museológica que promova orientações e, subsequentemente, os recursos necessários: humanos, financeiros e infraestruturas, atendendo a uma abordagem concertada e integrada. 

Pode ler o artigo na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/26032

O artigo, escrito por mim e pelo Alexandre Matos, foi publicado no 2.º número da Revista de Museus (Nov. 2019), publicação da responsabilidade editorial da Direção-Geral do Património Cultural.

Museus e sociedade digital em destaque no segundo número da Revista de Museus

Já se encontra disponível um novo número da Revista de Museus, que foi apresentado a 14 de Novembro no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, por Emília Ferreira, directora do museu.

Trata-se do segundo número da Revista de Museus, uma revista editada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). O primeiro número, em 2018, rompeu com o hiato de 7 anos desde que a revista Museologia.pt cessou (então da tutela do antigo Instituto dos Museus e da Conservação), para voltar a afirmar a importância de ter uma revista institucional dedicada inteiramente aos museus e à sua reflexão.

Na direcção da revista está David Santos, que é também subdirector-geral da DGPC. Clara Frayão Camacho assegura a coordenação científica e Fátima Faria Roque a coordenação editorial. A revista inclui ainda um Conselho Editorial constituído por Adelaide Duarte, Graça Filipe, José Soares Neves, Manuel Bairrão Oleiro, Marta Lourenço, Rita Macedo e Rui Parreira.

A Revista de Museus é anual, impressa e os números são temáticos. Se o primeiro número focou a relação entre os museus e o turismo (Dez. 2018) para este segundo número a escolha recaiu sobre museus e sociedade digital, uma temática que mais recentemente parece suscitar especial interesse, quer no campo das publicações, quer na realização de debates e conferências.

Sobre os objectivos deste segundo número, o director da revista, David Santos, sublinha que se “procura […] dar expressão às interações verificadas nestes últimos vinte anos entre o virtual, as suas potencialidades, ameaças e desafios, e o real que identifica o esplendor do património museológico, ou seja as suas coleções e a sua fruição pública” (p. 5).

A revista inclui 23 contributos, entre artigos e ensaios. Globalmente, vai do geral ao particular. Identifica-se um bloco de artigos mais focado nos desafios das tecnologias aplicadas aos museus, mapeando e reflectindo sobre problemáticas interligadas. Entre estas, o digital como ferramenta ao serviço da missão dos museus, do acesso e da comunicação e não a mera utilização da tecnologia pela tecnologia, a problemática do direito de autor versus políticas de acesso aberto às imagens das coleções, a necessidade de maior valorização da comunicação na estratégia dos museus, a escassa visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea, os desafios da conservação de obras criadas com recurso às tecnologias, a actualidade e evolução da aplicação da realidade aumentada nos museus, a teorização em torno do cibermuseu, do ciberespaço e da “noologia”, entre outras.

Um outro bloco de textos dá maior enfoque a experiências particularizadas a partir de museus, como é o caso do Museu do Fado, do Museu de Lagos (Núcleo da Rota da Escravatura), do Museu Nacional de Arqueologia, do Museu do Dinheiro, entre outros.

Outros textos incidem sobre o projecto “Portugal: Arte e Património” (google arts & culture project), no qual participaram vários museus nacionais ou sobre o projecto – Registo de Museus Iberoamericanos, que consiste numa base de dados de museus acessível em formato digital sobre o universo de museus ibero-americanos. A fechar a revista, refira-se também um texto sobre os desafios do digital (acesso aberto, interoperabilidade, etc.) a partir da experiência do projecto Europeana e da sua visão.

A Revista inclui ainda uma secção intitulada “Olhares”, em que dá espaço a outras perspectivas, neste caso um ensaio intimista do escritor Afonso Cruz.

Quanto à forma, a Revista demarca-se da sua antecessora museologia.pt, em particular no que diz respeito à (sobre)valorização estética, observável na centralidade que as imagens ocupam ao longo de toda a publicação (264 páginas) e na sua abundância, chegando a impor-se de forma preponderante em relação aos conteúdos. Diria que podemos observar numa só revista a existência de duas, uma na forma de catálogo de imagens sedutoras e apelativas, uma espécie de montra de imagens de objectos de museu e uma outra estruturada em textos, cuja articulação nem sempre poderá ser evidente.

A importância e predomínio da estética e do lúdico é, aliás, um traço plenamente assumido e assinalado pelo director da revista no editorial do primeiro número. Nas suas palavras “É também para celebrar essa capacidade e resiliência que esta publicação anual pretende afirmar o princípio da análise museológica, sabendo contudo afirmar-se ainda enquanto objeto de sedução estética. Por isso, vinculamos ao exercício crítico e reflexivo, a ludicidade de uma revista que ousa apresentar-se também como objeto colecionável, pelas razões essenciais que levam os seres humanos a cultivarem o que pretendem preservar para memória futura” (p. 5).

De facto, as imagens são impactantes e de qualidade, grande parte delas imagens de objectos das coleções dos museus nacionais. E, não raras vezes sugerem interpelação, suscitam maior contexto e aprofundamento. O facto de muitas das imagens, na maior parte das vezes, não terem relação articulada com os artigos pode trazer, no entanto, um elemento adicional de desorientação no contexto da leitura. E a interrogação: até que ponto é funcional e favorável a desconexão entre o que é escrito e o que se vê e, por outro lado, a ausência de maior contexto para as imagens que são apresentadas que possa estabelecer um maior entendimento, que vá para além do efeito estético e contemplativo que possa gerar.

A partilha de ideias, de conhecimento e de experiências é fundamental para o desenvolvimento dos museus. A existência de uma revista como esta é um passo importante nesse sentido. No entanto, não se ignora a premência de fazer com que essa partilha esteja ao alcance do maior número de leitores possível. Diria que um próximo passo poderá ser esse, o da aposta no acesso aberto, aliás, em plena sintonia com os desafios enunciados ao longo deste número, não estivéssemos nós na “era do acesso”.

****

ÍNDICE

4 | David Santos, Museus na “era do acesso” [editorial]

1. Tema: Museus e Sociedade Digital

8 | Ana Carvalho e Alexandre Matos, Museus e sociedade digital: realidades e desafios em Portugal

24 | Patrícia Remelgado, Museologia e comunicação

42 | Maria Vlachou, Tecnologia pela tecnologia? O digital ao serviço do acesso e da comunicação nos museus

62 | Fátima Faria Roque, Museus do outro lado do espelho: for the times they are a-changin

82 | Luís Raposo, Museu com digital ou… museu digital, eis a questão

94 | Helena Barranha, Fora do algoritmo: A relativa (in)visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea

2. Museus

112 | António Cerveira Pinto, Uma fábula com aparência de ensaio

118 | Diana Marques, A realidade aumentada no panorama museológico atual

128 | Sara Pereira, Um museu sem paredes

142| Elena Morán e Pedro Pereira, O núcleo Rota da Escravatura do Museu de Lagos

156 | Emília Ferreira, O museu: organismo vivo e emotivo

168 | Carla Barroso, Documentação e inventariação de coleções arqueológicas do Museu Nacional de Arqueologia: Um diagnóstico recente

176 | Daniela Viela, Da pessoa ao virtual no Museu do Dinheiro

194 | Teresa Nobre, Direito de autor e acesso ao património cultural: a nova legislação europeia

3. Coleções

200 | David Santos, Real versus virtual. Opção ou complementaridade?

208 | Luís Ramos Pinto, Os bilhões de píxeis por detrás do projeto “Portugal: Arte e Património”

210 | Rita Macedo e Hélia Marçal, Conservação ou gestão de mudança? Time-based media no museu

4. Olhares

226 | Afonso Cruz, Museus de Dresner

5. Mundo

235 | Bernard Deloche, Cybermusée et société

246 | Teresa Mourão e Natalia Huerta, Registo de Museus Iberoamericanos

254 | Harry Verwayen e Beth Daley, Museums in the Mirror World – preparing for the next stage of our digital transformation

262 | Abstracts

****

A Revista de Museus encontra-se disponível para venda na loja dos museus (preço de referência: 20 euros), mas também nas principais livrarias. E ainda na loja online da DGPC: http://bit.ly/2KjvHSK

Museu de Arte Popular é tema de novo título da coleção Estudos de Museus

 

Capa do livro onde se mostra uma imagem a preto e branco do Museu de Arte Popular

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular é o 15.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Antropologia) de Alexandre Oliveira apresentada ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa em 2018 (orientação de Joaquim Pais de Brito).

O lançamento é no dia 16 de Outubro, pelas 18h30, no Museu de Arte Popular, em Lisboa. Com apresentação de Cláudia Pereira.

Sinopse

Este livro é um contributo para o conhecimento do Museu de Arte Popular, tentando entendê-lo desde o surgimento da ideia da sua criação até ao momento presente. Pretende-se compreender os contextos que estiveram na origem da sua conceção dentro do quadro das políticas de propaganda associadas à arte e cultura popular de António Ferro e do Estado Novo, à sua construção e à sua existência prolongada pelo tempo até ao momento presente de reabertura. Depois de toda a controvérsia em torno do destino do Museu de Arte Popular, uma conclusão é de que, apesar das muitas propostas para o seu futuro, manteve-se um desconhecimento do seu passado. Este livro é sobretudo uma etnografia histórica que pretende contribuir para o conhecimento sobre o Museu de Arte Popular e assim também para o enriquecimento do debate sobre o seu futuro.

Sobre o autor:

Alexandre Oliveira (Lisboa, 1978). Mestre e doutor em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi bolseiro de doutoramento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Colaborou durante 18 anos com o Museu Nacional de Etnologia onde estudou coleções e acervos documentais, organizou arquivos, montou exposições, orientou estágios e exerceu ainda funções de vigilante/rececionista. A sua tese de mestrado focou-se nos estudos antropológicos sobre Timor e na sua relação com as coleções etnográficas existentes no país. Foi também responsável pela seleção das peças e pelos textos do núcleo timorense da exposição permanente do Museu do Oriente. Fez parte da equipa que procedeu ao inventário e transporte da coleção do Museu de Arte Popular para o Museu de Etnologia. É, desde 2019, técnico superior da Direção-Geral do Património Cultural no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico – Forte de Sacavém.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – ORIGENS DO MUSEU

António Ferro
O Secretariado da Propaganda Nacional

CAPÍTULO 2 – AS INICIATIVAS FOLCLORISTAS E ETNOGRÁFICAS DO SECRETARIADO

A etnografia ao serviço da propaganda: a Exposição de Genebra
A Exposição de Arte Popular em Lisboa
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris
Em busca do povo, as iniciativas folcloristas do Secretariado
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Nova Iorque
O Centro Regional da Exposição do Mundo Português
A nação de Ferro entre a propaganda e o espírito

CAPÍTULO 3 – A CONSTRUÇÃO DO MUSEU

Primeiras obras e um plano de organização
Exposições e diplomacia do Secretariado em tempo de guerra
A instalação do Museu de Arte Popular
O Museu inaugurado

CAPÍTULO 4 – UM MUSEU À BEIRA TEJO

Os anos de Francisco Lage (1948-1957)
Os anos de Manuel de Melo Correia e Madalena Cagigal e Silva (1957-1968)
Os anos de Maria Helena Coimbra (1969-1979)
Os anos de Elisabeth Cabral (1980-2007)
Encerramento e reabertura (2007-2019)

CONCLUSÃO

Cronologia
Notas
Fontes e Bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

A imagem inclui capa do livro e mensagem convite para lançamento do livro

Novo número da revista MIDAS online

Imagem da capa: “Spice Sculpture (Curry)” (2009) de João Pedro Vale © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos e 5 recensões críticas. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1498

****

MIDAS 10 – “Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva
 
Artigos
 
Elisabete J. Santos Pereira e Maria de Fátima Nunes 
A (in)visibilidade de um objeto romano do Museu Nacional de Arqueologia. Leituras de história da ciência
 
Maria Aparecida de Menezes Borrego
Perspectivas sobre a representação das monções no Museu Paulista e no Museu Republicano de Itu
 
María Marta Reca, Ana Inés Canzani e María Cecilia Luz Domínguez
Colecciones etnográficas y sus potencialidades educativas: una experiencia de activación patrimonial
 
Ivo Renato Giroto
Arquitetura de museus no Brasil contemporâneo: diálogos entre tempos e lugares
 
Recensões críticas
 
Graça Filipe
François Mairesse (ed.) – Nouvelles Tendances de la Muséologie
 
Viviane Panelli Sarraf
Patrícia Roque Martins  – Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte
 
Paulo Oliveira Ramos
Emília Ferreira – Lisboa em Festa: A Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu
 
Ana Paula Pires
Maria da Luz Sampaio – Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial
 
Maria Manuela Restivo
Anthony Shelton e Nicola Levell – Do Carnaval à Luta Livre: Máscaras e Devoções Mexicanas [exposição]

 

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada, em 2011, por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

Os profissionais de museus no mundo digital

A imagem tem como pano de fundo uma exposição, e em primeiro plano uma criança usando um ipad

Hello, Robot, no MAAT (Foto: Ana Carvalho)

Os Profissionais de Museus no Mundo digital: Contributos do Projecto Mu.SA

Ana Carvalho e Alexandre Matos

Nota: artigo publicado no Boletim ICOM Portugal, n.º 13, Maio 2019, pp. 57-67

O mundo digital está para ficar. Não é um tema novo. A sociedade caminha nesse sentido, não restam dúvidas, basta observarmos as tantas mudanças que se vão operando na nossa vida quotidiana enquanto cidadãos e na relação crescente com as ferramentas que nos oferecem as tecnologias digitais. Até certo ponto, a questão que fica em aberto é a imprevisibilidade do seu alcance no futuro.

Sendo hoje tema de reflexão no campo dos museus, a evolução das tecnologias está entre os factores que afectarão a performance dos museus no futuro, a par com as alterações demográficas, o incremento da mobilidade, a retracção das políticas públicas, assim como o paradigma da sustentabilidade e da participação (Filipe e Camacho 2018). A necessidade de adaptação dos museus atendendo às transformações societais, nomeadamente na relação com o mundo digital, é já um dos aspectos integrados em vários estudos com vista a moldar estratégias museológicas nacionais. Esse é o caso de vários documentos, nomeadamente a Agenda 2026: Study on the Future of the Dutch Museum Sector (Meijer, Weide e Krabshuis 2010), o Rapport de la Mission Musées do XXIe Siècle (Eidelman 2017). Refira-se ainda para o caso do Reino Unido, o relatório Culture is Digital (Department for Digital, Culture, Media & Sport 2018), entre outros. Neste contexto subentende-se o potencial das ferramentas digitais não como um fim em si mesmo, mas como um dos meios (potencialmente) disponíveis para que os museus alcancem a sua missão e objectivos estratégicos.

Perspectivando a possibilidade dos museus incorporarem novas formas de comunicação do mundo digital que estimulem a partilha de conhecimentos sobre as suas colecções (e património) com vista a estabelecer ligações relevantes com os diferentes públicos, a questão que prevalece é como concretizar a transformação digital nos museus e até que ponto. Nesta matéria, um dos aspectos fundamentais para sustentar a adaptação dos museus a este nível consiste na actualização e capacitação dos profissionais de museus em termos de literacia e confiança digital, e no incremento de competências nesta área (Murphy 2014; Carvalho e Matos 2018; Parry et al. 2018). Esta é também a premissa subjacente à criação e desenvolvimento do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019).

Serve este breve artigo para contextualizar o trabalho desenvolvido até ao momento no âmbito do Mu.SA e um resumido balanço acerca dos resultados concretizados, perspectivando ainda as próximas etapas.

Projecto Mu.SA: enquadramento e objectivos

O projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) tem por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC (Massive Open Online Courses) e de um curso de especialização.

Trata-se de um projecto financiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus + (Sector Skills Alliance) e tem por base um consórcio de 11 parceiros com base em três países europeus (Portugal, Grécia e Itália), incluindo uma organização cultural sedeada na Bélgica. A coordenação do projecto é da responsabilidade da Hellenic Open University, na Grécia. Em Portugal, o consórcio junta três parceiros: o ICOM Portugal[1], a Mapa das Ideias e a Universidade do Porto. Globalmente, o consórcio reúne uma variedade de organizações que desenvolvem actividade no sector da cultura, da educação e dos museus.[2]

O que foi feito: alguns resultados

A primeira fase do projecto consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das tecnologias e do mundo digital, identificando perfis emergentes e competências, tendo por base uma análise de três contextos nacionais: Portugal, Grécia e Itália. A mesma metodologia foi seguida nos três países, entre Dezembro de 2016 e Março de 2017, através de vários métodos qualitativos e quantitativos: entrevistas (78 no total)[3], três focus groups[4], inquéritos por questionário, além de pesquisa e revisão bibliográfica.

A partir das entrevistas e dos focus groups pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das tecnologias e do mundo digital nas várias áreas de trabalho (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). No caso português a investigação revelou uma experiência muito fragmentada quanto à adaptação dos museus portugueses ao mundo digital e identificou ainda um conjunto de desafios interdependentes a ultrapassar (Carvalho e Matos 2018).[5] Entre estes, a necessidade de maior capacitação dos profissionais de museus no domínio das competências digitais, quer por via da formação formal, quer através da formação não formal, ao longo da vida. O desenvolvimento profissional requer, assim, um investimento assertivo e continuado. Por outro lado, identificou-se a necessidade de colmatar lacunas na estrutura organizativa dos museus de forma a apoiar a maturidade e o desenvolvimento digital. Outro desafio centra-se na ausência de recursos financeiros, assim como na necessidade de melhorar as condições técnicas e tecnológicas ao nível das infraestruturas existentes. Globalmente, tal como sugerem as conclusões deste estudo, o desenvolvimento de uma política museológica consentânea com os desafios elencados, a par com lideranças proactivas revela-se fundamental para estabelecer objectivos nesta área e orientações estratégicas. Além disso, acresce uma avaliação monitorizada, quer do esforço necessário, quer dos meios disponíveis, de modo a sustentar maiores desenvolvimentos (Carvalho e Matos 2018).

A investigação visou, ainda, identificar perfis profissionais emergentes, assim como as competências digitais e transferíveis (hard skillssoft skills)[6] que lhes estão associadas. Neste ponto confrontaram-se os resultados obtidos no projecto eCultSkills (2013-2015), projecto que antecedeu o Mu.SA, e que havia mapeado no contexto europeu cinco perfis profissionais emergentes no âmbito do digital para a área da cultura.[7] O objectivo consistiu em verificar a relevância e a actualidade destes perfis no contexto dos museus, a partir de três estudos de caso: Portugal, Grécia e Itália. Os resultados permitiram aferir quatro perfis profissionais emergentes no sector dos museus, com a seguinte ordem de prioridade: “Gestor da Estratégia Digital”; “Curador de Colecções Digitais; “Promotor de Experiências Digitais Interactivas”; e “Gestor de Comunidades Online”. A cada perfil está associada uma descrição em termos da sua abrangência, incumbências e responsabilidades, assim como os requisitos (qualificações académicas, conhecimento, competências digitais e transferíveis (soft skills), e respectiva função em relação à estrutura organizativa dos museus).[8] Igualmente partilhado entre os perfis, refira-se o conhecimento aprofundado sobre o funcionamento dos museus e a incorporação das funções e competências atribuídas a cada perfil no contexto do trabalho de equipa (Silvaggi 2017).

Competências digitais essenciais: um curso piloto

A segunda fase do projecto implicou a criação de um programa de formação, adoptando o formato de MOOC: um curso online, de acesso livre e sem pré-requisitos de participação, somente um registo na plataforma criada pela Hellenic Open University (Grécia).[9]

Intitulado Essential Digital Skills for Museum Professionals, este curso foi pensado como uma introdução às competências digitais e transferíveis necessárias para melhor capacitar os profissionais face aos desafios da transformação digital nos museus. 

O curso foi desenhado tendo em conta os resultados da primeira fase do projecto. Além disso, seguiu os standards de vários instrumentos europeus (e não só) para que os resultados possam servir de referência comum no futuro, nomeadamente o European e-Competence Framework (e-CF)[10], o European Digital Competence Framework (DigComp)[11] e o P21 Framework – 21st Century Skills[12] (Estados Unidos). Daqui resultou uma combinação de 22 competências que foram incorporadas na estrutura do MOOC, correspondendo à criação de 22 módulos (cf. tabela 1), subsequentemente organizados em várias unidades de formação. 

Tabela 1 – Estrutura do MOOC em torno de 22 competências/módulos

Week Competence Type
W1.1 IS and business strategy alignment e-CF
W1.2 Browsing, searching and filtering data, information and digital content DigComp
W1.3 Managing data, information and digital content DigComp
W2.1 Business Plan Development e-CF
W2.2 Evaluating data, information and digital content DigComp
W2.3 Identifying needs and technological responses DigComp
W3.1 Technology trend monitoring e-CF
W3.2 Netiquette DigComp
W3.3 Leadership and change facilitator  21st – Transferrable
W4.1 Innovating e-CF
W4.2 Innovating and creatively using technology DigComp
W4.3 Creative thinking skills  21st – Transferrable
W5.1 Needs identification  e-CF
W5.2 Developing digital content DigComp
W5.3 Collaborating through digital technologies DigComp
W6.1 Forecast development e-CF
W6.2 Team working 21st – Transferrable
W7.1 Relationship management e-CF
W7.2 Protecting personal data and privacy DigComp
W8.1 ICT quality management e-CF
W8.2 Communication skills  21st – Transferrable
W8.3 Time management 21st – Transferrable

Os módulos criados abordaram não só competências digitais (ex. “gestão de dados, informação e conteúdos digitais”; “desenvolvimento de conteúdos digitais”) como competências transferíveis (ex. comunicação, liderança, trabalho de equipa). Ao ICOM Portugal, um dos parceiros envolvidos na produção de conteúdos para o curso, foi atribuída a responsabilidade de criar um módulo sobre pensamento criativo, uma das competências transferíveis elencadas.[13]

Fig. 1 – Entrada de diário (journal writing), 2018. © Iris Marques (estudante museologia/Universidade do Porto). Um dos exemplos referidos no módulo sobre pensamento criativo, no âmbito da unidade temática: “Estratégias e Ferramentas para Estimular o Pensamento Criativo nas Práticas Museológicas” do MOOC Essential Digital Skills for Museum Professionals

O MOOC decorreu entre 7 de Janeiro e 8 de Março de 2019. Teve a duração de oito semanas, requerendo para os respectivos formandos um investimento total de 80 h de formação e estudo. Cada módulo incluiu apresentações, vídeos, pequenos artigos, entre outros materiais de estudo, assim como fóruns de discussão e o acompanhamento tutorial por módulo. Em cada módulo foram criados quizes, de acordo com os objectivos de aprendizagem estabelecidos, permitindo aferir o conhecimento adquirido pelos formandos. Note-se que a conclusão do curso contempla a atribuição de certificado, desde que 80% do MOOC seja completado. 

Os conteúdos do curso foram produzidos em inglês, embora os vídeos e as apresentações tenham incluído legendas em português, italiano e grego. É expectável que em futuras edições do curso todos os conteúdos sejam traduzidos para as respectivas línguas dos parceiros do projecto.

A temática do curso parece ter suscitado um interesse significativo, atendendo ao elevado número de inscrições: 5200. Os dados relativos às inscrições revelam a seguinte configuração geográfica: 35% de Itália, 22% da Grécia, 11% de Portugal, incluindo 32% de inscritos provenientes de outros países. Está ainda por apurar o número exacto de formandos que terminaram o curso, uma vez que à data em que escrevemos este texto, o curso ainda se encontra aberto para aqueles que se inscreveram, de modo a permitir a sua conclusão, reconhecendo a exigente carga horária do curso.

Está também em curso uma avaliação do MOOC realizado, de modo a fazer um balanço da sua eficácia e promover eventuais ajustes e melhorias em próximas edições.

Próxima etapa: curso de especialização

A segunda fase do projecto inclui ainda um curso de especialização, actualmente em preparação, que será tematicamente organizado em torno dos quatro perfis identificados na primeira fase: “Gestor da Estratégia Digital”; “Curador de Colecções Digitais; “Promotor de Experiências Digitais Interactivas”; e “Gestor de Comunidades Online”.

O curso de especialização é subsequente do MOOC, ou seja, os formandos que completem com êxito a primeira fase de formação (MOOC) são elegíveis para participar na segunda etapa de formação – o curso de especialização (mínimo 25-30 formandos por cada país participante no projecto), mas para o qual acrescem critérios de selecção mais estritos (a estabelecer). 

O curso de especialização terá uma duração de aproximadamente seis meses e um perfil modular, e compreende uma componente teórica e prática. Mantém-se o formato deensino à distância, através de uma plataforma digital (Moodle), disponibilizando conteúdos online e recursos educativos, incluindo ainda sessões presenciais, actividades de auto-estudo e uma experiência de trabalho efectiva em museu (aproximadamente dez semanas). No contexto português, o ICOM Portugal terá um papel fundamental como elo de ligação aos museus onde se realizará a experiência de trabalho em contexto de museu. Do ponto de vista da criação de conteúdos para o curso de especialização, estão igualmente atribuídas responsabilidades ao ICOM Portugal, nomeadamente a produção de seis módulos, estruturados em torno de uma competência digital (Managing digital identity) e cinco competências transferíveis (Analyse and synthesize informationResilienceInterpersonal skillsInfluence/persuasion skills; e Integrity/ethical).

Notas finais

Ao terminarmos este balanço destacamos que, no âmbito do projecto, têm sido organizados diversos eventos públicos nos três países, envolvendo vários especialistas na discussão sobre a temática central do Mu.SA. Nas três principais conferências já realizadas, foram debatidos os seguintes tópicos: Digital Challenges for Museum Experts (Atenas, 25 Novembro 2016), Re-designing Museums. Digital Skills for Change and Innovation (Roma, 13 Julho 2017) e +Digital Future: Competences for the Cultural Sector (Porto, 18 Abril 2018). 

Está prevista uma conferência final de conclusão do projecto (2020), sistematizando os principais resultados do projecto. Todos os relatórios, artigos e outras publicações produzidos no contexto do projecto podem ser consultados através do seu website oficial, ou por via das redes sociais.[14]

Referências

Carvalho, Ana, Alexandre Matos, e Manuel Morais Sarmento Pizarro. 2018. “Competências para a Transformação Digital nos Museus: O Projecto Mu.SA.” MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares9. https://doi.org/10.4000/midas.1463

Carvalho, Ana, e Alexandre Matos. 2018. “Museum Professionals in a Digital World: Insights from a Case Study in Portugal.” Museum International (Special Issue: Museums in a Digital World), 70 (277–278): 34–47. http://hdl.handle.net/10174/24003

Department for Digital, Culture, Media & Sport. 2018. Culture is Digital. [London]: Department for Digital, Culture, Media & Sport.

Eidelman, Jacqueline, ed. 2017. Rapport de la Mission Musées do XXIe Siècle. Vol. I. [Paris]: Ministère de la Culture et de la Communication, Direction Générale des Patrimoines.

Filipe, Graça, e Clara Frayão Camacho. 2018. “Que Futuro Queremos dar aos(s) Museu(s)?” RP – Revista Património5: 50-59.

Meijer, Max, Siebe Weide, e Marieke Krabshuis. 2010. Agenda 2026: Study on the Future of the Dutch Museum Sector. Amesterdam: Netherlands Museums Association. 

Murphy, Oonagh. 2014. “Increasing the Digital Literacy of Museum Professionals: Digital Innovation and the Museum Sector in Northern Ireland.” Thesis submitted for a Degree of Doctor of Philosophy, University of Ulster.

Parry, Ross, Doris Ruth Eikhof, Sally-Anne Barnes, e Erika Kispeter. 2018. Mapping the Museum Digital Skills Ecosystem: Phase One Report. University of Leicester. 

Silvaggi, Antonia, ed. 2017. Museum Professionals in the Digital Era: Agents of Change and Innovation (Full Version Report). [s.l.]: Mu.SA – Museum Sector Alliance.

Sturabotti, Domenico, e Romina Surace, eds. 2016. Museum of the Future: Insights and Reflections from 10 International Museums. Roma: Symbola Foundation, Mu.SA project.

Notas


[1] Para o desenvolvimento das actividades atribuídas ao ICOM Portugal no âmbito do projecto Mu.SA colaboram: Alexandre Matos (gestor do projecto), Ana Carvalho (investigadora principal), Manuel Morais Sarmento Pizarro (investigador júnior), Olinda Carvalho (administrativa), entre outras colaborações pontuais.

[2] O consórcio tem a seguinte composição: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), Symbola – Foundation for Italian Qualities (Itália), Institute of Vocational Training – AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia, Culture Action Europe (Bélgica) e da parte de Portugal os parceiros já referidos: ICOM Portugal, Mapa das Ideias e Universidade do Porto.

[3] Adicionalmente, foram entrevistados 12 profissionais de reconhecidos museus no panorama internacional, daí resultando a publicação Museum of the Future: Insights and Reflections from 10 International Museums (Sturabotti e Surace 2017).

[4] Em Portugal, o focus group decorreu a 22 de Julho de 2017, uma iniciativa organizada pelo ICOM Portugal em parceria com a Mapa das Ideias.

[5] Para uma análise comparativa dos três estudos de caso consulte-se Silvaggi (2017) e, ainda, Carvalho, Matos e Pizarro (2018).

[6] Tomando como referência a definição apresentada pelo Dicionário online da Cambridge, por competências transferíveis referimo-nos àquelas competências que são transversais a diferentes profissões ou carreiras. As competências transferíveis podem ser agrupadas em soft skillshard skills. As soft skills dizem respeito a competências comportamentais de um profissional. Por exemplo, a liderança é considerada uma soft skill, assim como a comunicação e o pensamento criativoAs hard skills estão mais ligadas a competências de ordem técnica. Por exemplo, a proficiência na utilização de uma aplicação do MS Office pode ser apontada como uma hard skill. Todavia, no contexto do projecto Mu.SA, a análise relativamente às competências transferíveis dirigiu-se sobretudo às soft skills.

[7] “Consultor Cultural para as TIC”; “Guia Cultural de TIC”; “Gestor de Activos Culturais Digitais”; “Gestor de Experiência Cultural Interactiva”; e “Gestor de Comunidade Cultural Online”.

[8] Uma apresentação e descrição detalhada dos quatro perfis está disponível em Silvaggi (2017).

[9] A plataforma tem por base o Moodle, um sistema online vocacionado para o ensino à distância muito usado nas universidades. Acesso ao MOOC: https://mooc.cti.gr/musa.html?fbclid=IwAR2GnuqnUplRCkuZocr7dc-fw4kZoA9x07W2z1i-PaVwFjE6mMJQ1nmVw5s

[10] http://www.ecompetences.eu

[11] https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomp/digital-competence-framework

[12] https://remakelearning.org/blog/2016/04/29/demystifying-learning-frameworks-the-p21-framework/

[13] Na concepção deste módulo participaram: Ana Carvalho (conteúdos), Manuel Morais Sarmento Pizarro (apoio power-points e preparação de textos para locução), Rafaela Covas (locução), José Barbieri (gravação áudio), Alexandre Matos (tradução legendas para português). Revisão técnica: Panagiota Polymeropoulou (Hellenic Open University) e revisão científica: Eleni Damianou (Institute of Vocational Training – AKMI). Adaptação e efeitos visuais:Elisabeth Pirounia (Hellenic Open University). Cedência de imagens: Ana Carvalho, Inês Ferreira, Iris Marques e Barbara Andrez. Tutoria e gestão do fórum de discussão: Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro.

[14] Website: http://www.project-musa.eu e página de Facebook: https://www.facebook.com/MuseumSectorAlliance.

História dos Museus e história da museologia é o tema do III Fórum Ibérico de estudos museológicos

Sala XXII. Gabinete de numismática do Museo Arqueológico Nacional (c.1906). Fototipia de Hauser y Menet. MAN

O III Fórum Ibérico de estudos museológicos terá lugar em Madrid no Museu Arqueológico Nacional entre 18 e 19 de Outubro de 2019. Tem como tema a história dos museus e a história da museologia.

Chamada para comunicações: até 26 de Agosto

Requisitos: proposta de título e resumo (máx. 700 palavras), breve curriculum vitae (máx. 300 palavras)

Envio para: tercer.foro.museo@gmail.com

Antecedentes e objetivos

No outono de 2017 decorreu no Museu Nacional de Escultura de Valladolid o I Fórum Ibérico dedicado a estudos de museologia, com extraordinários resultados académicos, confirmados pelos contributos para as atas, já publicadas. Um ano depois foi convocado um II Fórum no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, iniciativa cujo sucesso consolidou o interesse destes encontros internacionais dedicados aos estudos de museus na comunidade ibérica e ibero-americana. A colaboração entre grupos universitários de investigação, museus e instituições tornou possível a criação de uma rede de intercâmbios na qual se alicerçam os Fóruns Ibéricos de Investigação em Museologia, cuja terceira edição terá lugar este ano no Museu Arqueológico Nacional de Madrid.

Estes encontros têm como objetivo a partilha de conhecimentos num campo de estudos em plena renovação – como é o da museologia – e dirigem-se ao conjunto dos investigadores, pretendendo especialmente atrair a investigação mais jovem que está neste momento a desenvolver os seus estudos em doutoramentos e pós-doutoramentos, para a qual se procura fortalecer redes de comunicação disciplinar nas línguas ibéricas. A delimitação temática dos dois primeiros Fóruns foi intencionalmente flexível e relativa para promover a convergência de uma ampla comunidade de estudiosos; o próximo encontro académico pretende porém precisar os seus conteúdos de acordo com linhas de trabalho mais concretas.

Linhas de trabalho

As diretrizes temáticas do encontro concretizam-se no título História dos museus. História da museologia. O empenho de muitas instituições museísticas em instituir a memória da sua própria história através de publicações e exposições, inclusivamente destinadas a um vasto público, constitui um fenómeno relativamente novo, tanto quanto se depreende da sua generalização. O encontro propõe-se acompanhar essa crescente inquietude científica. A história institucional, a história das coleções, da museografia e, obviamente, da museologia encontram-se entre os temas anunciados no título ao qual se subordina este III Fórum Ibérico, cuja função principal reside em promover a convergência de estudos museológicos no entorno cultural diversificado e partilhado em que nos situamos. Uma teoria do museu fundamentada no estudo de exemplos específicos das suas transformações históricas está no horizonte dos contributos apresentados.

O programa definitivo e a ordem dos painéis de comunicação serão estabelecidos de acordo com as afinidades temáticas entre as propostas selecionadas, nas quais serão especialmente valorizados o rigor e a originalidade das abordagens.

Destinatários

Profissionais de museus e membros da comunidade académica que se ocupam da história e da realidade da museologia hispano-lusa e ibero-americana estão convidados a apresentar comunicações neste Fórum. Esperamos sobretudo a apresentação de propostas por parte de universitários em fase de formação avançada na investigação museológica (teses de mestrado ou de doutoramento), assim como de doutorados no início da sua trajetória académica. Serão igualmente bem-vindas as propostas de profissionais e académicos com uma experiência mais vasta.

Condições de apresentação das comunicações

Aqueles que pretendam apresentar uma comunicação deverão enviar o título proposto e um resumo dos conteúdos (num máximo de 700 palavras), assim como um breve curriculum vitae (num máximo de 300 palavras), em documento pdf antes de 26 de agosto de 2019 para o seguinte endereço de correio eletrónico: tercer.foro.museo@gmail.com

A aceitação ou não das propostas será comunicada por correio eletrónico no prazo de vinte dias. A partir dessa data e uma vez selecionadas as comunicações estabelecer-se-á o programa em coordenação com os oradores. No dia 1 de outubro será publicado o programa definitivo, mas prevê-se que haja um programa provisório definido já a 20 de setembro, para dar início à fase de inscrições.

As comunicações selecionadas serão apresentadas numa intervenção oral que não poderá exceder os doze minutos. Computador, projetor e ecrã estarão disponíveis para aqueles que os necessitem.

Está prevista a publicação das comunicações apresentadas.

As línguas veiculares para as apresentações e debates serão o castelhano e o português, embora os textos a publicar possam ser entregues noutras línguas, em concordância com as regras de extensão e edição que vierem a ser definidas.

Distinções

O Comité científico premiará através da pertinente acreditação uma ou várias comunicações orais que se tenham destacado pela especial qualidade do seu conteúdo, em conformidade com a sua eloquência e formalização, e de acordo com a sua adequação ao tempo disponível.

Inscrição e matrícula

O prazo de inscrição terá início a 16 de setembro. Terão preferência os participantes que apresentem comunicações. Para o resto dos assistentes, respeitar-se-á a ordem de inscrição segundo a chegada das solicitações até ao limite da capacidade.

Taxa de inscrição: 20 euros.

A formalização da inscrição e o pagamento da respetiva taxa deverá realizar- se, tanto para participantes como para assistentes, dentro do prazo assinalado e de acordo com o seguinte procedimento:

1. Solicitação de inscrição mediante correio eletrónico enviado para o seguinte endereço: cursos.museoescultura@cultura.gob.es

2. Uma vez aceite a inscrição, deverá proceder-se ao pagamento da taxa conforme as instruções e informação recebidas pelos solicitantes.

A inscrição dá direito a assistir a todas as sessões. Os interessados poderão requerer um certificado de assistência após a realização do Fórum. Está também previsto um serviço gratuito de café no intervalo a meio da manhã.

Datas

Entrega de propostas: 3 de junho a 26 de agosto

Confirmação de aceitação: 16 de setembro

Publicação do programa do encontro: 1 de outubro

Prazo de inscrição: 16 de setembro a 14 de outubro

Evento: 18 e 19 de outubro

Organizam

Grupo de Investigación S U+M A [Universidad+Museo], UCM

Museo Arqueológico Nacional. Ministerio de Cultura y Deporte. Gobierno de España

Grupo de Investigación OAAEP, Universidad de Zaragoza

Museo Nacional de Escultura. Ministerio de Cultura y Deporte. Gobierno de España

Instituto da História da Arte, Universidade Nova de Lisboa

Colaboram

Faculdade de Belas Artes, Universidade do Porto

Asociación de Amigos del Museo Nacional de Escultura

Direçao-Geral do Património Cultural. Gobierno de Portugal.

ICOM-España

ICOM-Portugal

Comité executivo

Javier Arnaldo

Joana Baião

Ana Gil

Alicia Herrero Delavenay

Jesús Pedro Lorente

Carmen Marcos

Comité científico

Lúcia Almeida Matos (UP)

Javier Arnaldo (UCM)

Joana Baião (UNL)

María Bolaños (MNE)

Clara Camacho (DGPC)

Modesta Di Paola (UCM)

Luis Grau (ICOM España)

Raquel Henriques da Silva (UNL)

Alicia Herrero Delavenay (MNAD)

Jesús Pedro Lorente (UniZar)

José Ribeiro (ICOM Portugal)


Realidade aumentada em foco em novo título da Coleção Estudos de Museus

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores é o 14.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Media Digitais, especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos) de Diana Marques apresentada à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em 2017 (orientação de José Azevedo e co-orientação de Robert Costello).

O lançamento é no dia 4 de Junho, pelas 18h00, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (Sala Vandelli), em Lisboa. Com apresentação de José Azevedo.

Sinopse

Na época actual, a tecnologia é uma constante que estimula a renovação permanente da informação, constituindo um desafio para as instituições culturais, de modo a assegurarem que as suas ofertas correspondem às expectativas dos visitantes e simultaneamente respeitam os valores e as colecções que as definem.
Este livro aborda a necessidade de o museu contemporâneo compreender os seus públicos, quais as suas preferências e como reagem a experiências mediadas pela tecnologia. Concentra-se na tecnologia de Realidade Aumentada, desenvolvida para dispositivos móveis a utilizar em exposições de museu antiquadas como uma forma de melhorar as experiências dos visitantes.
O estudo decorreu no Bone Hall, uma exposição de esqueletos no Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsonian (Estados Unidos da América), que não sofria alterações desde os anos 1960 e tinha deixado de corresponder às expectativas dos visitantes que procuravam mais envolvimento e interatividade.
Com o objectivo de revitalizar o Bone Hall foi desenvolvida uma aplicação móvel denominada Skin & Bones. Para estudar os efeitos da aplicação na experiência dos visitantes utilizaram-se métodos tradicionais no estudo de visitantes e também métodos menos convencionais inspirados na área da Experiência do Utilizador.

Sobre a autora:

Diana Marques. Doutorada em Media Digitais na especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (programa doutoral UT Austin|Portugal). Licenciada em Biologia Aplicada aos Recursos Animais Terrestres pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2002) e com um Certificado Graduado em Ilustração Científica pela Universidade da Califórnia em Santa Cruz (2004). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (Certificado Graduado) e da Fundação para a Ciência e Tecnologia (Doutoramento). Foi Professora Assistente do Mestrado em Desenho da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa e Professora Convidada do Mestrado em Ilustração Científica do Instituto Superior de Educação e Ciências e do Mestrado em Ilustração Científica da Universidade de Aveiro. Fez parte do quadro dirigente de associações profissionais internacionais na área da ilustração científica, como a Guild of Natural Science Illustrators e a Association Européenne des Illustrateurs Médicaux et Scientifiques. Mantém desde 2004 uma carreira como profissional independente na área da comunicação visual de ciência, produzindo ilustrações, animações, infografias e outros conteúdos multimédia para museus, institutos de investigação e editoras, em Portugal e no estrangeiro.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – REVISÃO DA LITERATURA
Experiência do visitante
Museus e tecnologia
A realidade aumentada nos museus

CAPÍTULO 2 – DESIGN DE INVESTIGAÇÃO
Questões de investigação e enquadramento teórico
Contexto de investigação
Aplicação móvel skin & bones
Metodologia de investigação

CAPÍTULO 3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO
Descrição da amostra
Realidade aumentada e experiência do visitante
Revitalização de exposições desatualizadas através de tecnologia
Modelo de produção
Preocupações e desafios

CONCLUSÃO

Questionário
Notas
Bibliografia
Índice Remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Governo cria Grupo de Projecto “Museus no Futuro” para pensar e preparar a estratégia de adaptação dos museus portugueses às transformações presentes e futuras

Fachada do Palácio Nacional da Ajuda

O grupo de projeto para os “Museus no Futuro” foi criado através da resolução do Conselho de Ministros n.º 35/2019, de 18 de fevereiro (http://bit.ly/2LrQXZR), com a missão de identificar, conceber e propor medidas que contribuam para a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus sob dependência da Direção-Geral Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura.

De acordo com a referida resolução de Conselho de Ministros, compete ao grupo de projecto:

a) Conceber e propor os instrumentos necessários à implementação de modelos de gestão, que promovam a sustentabilidade económica, financeira e social dos museus, identificando os meios de operacionalização, os recursos necessários e os agentes competentes para o efeito;

b) Propor medidas que permitam estimular o trabalho em rede, reforçar e alargar parcerias e projetos conjuntos, difundir o conhecimento e as boas práticas de cooperação e de comunicação entre entidades de índole museológica, de modo a fomentar e a agilizar novas dinâmicas programáticas, designadamente no âmbito da Rede Portuguesa de Museus;

c) Sugerir medidas de reforço da colaboração dos museus com entidades públicas e privadas nos domínios do conhecimento, da investigação científica, da salvaguarda e divulgação dos acervos;

d) Conceber e propor modelos inovadores de mediação cultural, que estimulem novas experiências e projetos, designadamente através do recurso às novas tecnologias;

e) Definir e propor oferta diferenciada que responda às necessidades dos diversos públicos, conduzindo a um maior envolvimento e à participação ativa de novos públicos, nomeadamente grupos vulneráveis, população migrante e minorias étnicas;

f) Propor políticas de promoção da circulação de acervos e de gestão das coleções, incluindo estratégias de incorporação e formas responsáveis de desincorporação;

g) Apresentar medidas que contribuam para uma maior eficácia do funcionamento das reservas e da circulação das exposições temporárias;

h) Propor medidas que tenham em vista a promoção e o reforço da visibilidade dos museus e das suas atividades de programação, nomeadamente através da criação de roteiros culturais no País;

i) Identificar e propor atividades de índole comercial, que envolvam a partilha de responsabilidades e de risco com empresas ou outros agentes da sociedade civil, no espaço dos museus, sem comprometer as respetivas finalidades;

j) Mapear necessidades futuras de recursos humanos, em particular no que se refere às áreas de formação e especialização necessárias face às transformações digitais, sociais e económicas;

k) Identificar programas de formação para os profissionais dos museus, de modo a integrarem projetos de aprendizagem em instituições museológicas no estrangeiro;

l) Avaliar o conjunto de incentivos existente no âmbito do mecenato cultural vocacionado para os museus e propor estratégias que permitam o respetivo reforço ou estímulo;

m) Apresentar estratégias de captação de financiamento de acordo com as linhas disponíveis em fundos públicos, nacionais, europeus e internacionais, que possam ser aplicados na prossecução dos objetivos programáticos dos museus;

n) Propor ações especialmente dirigidas aos públicos infantil e juvenil, nomeadamente através do incremento da relação entre as escolas, as estruturas juvenis e os museus.

Para efeitos da prossecução da sua missão, o grupo de projeto deve:

a) Organizar fóruns temáticos no âmbito das áreas a que se referem as alíneas b) a f) do n.º 5, podendo convidar representantes de serviços e organismos públicos, bem como entidades privadas e personalidades de reconhecido mérito, nacionais ou estrangeiras;

b) Promover o diálogo com os cidadãos, sobretudo os visitantes frequentes, garantindo a sua participação na definição de medidas a apresentar ao Governo, nomeadamente através da realização de inquéritos, sondagens e encontros participativos, podendo, para o efeito, solicitar a colaboração de entidades para tal vocacionadas, designadamente instituições do ensino superior.

A constituição do grupo de projecto “Museus no Futuro” foi divulgada oficialmente através do Despacho n.º 4527/2019, de 3 de Maio (http://bit.ly/2LrqNpR). É composto por personalidades da área da cultura e representantes de vários ministérios/áreas.

Da área da cultura, o grupo é constituído por:

a) Clara Frayão Camacho, técnica superior na Direcção-Geral do Património Cultural, coordenadora do Grupo de Projecto;

b) Raquel Henriques da Silva, docente na Universidade Nova de Lisboa;

c) Ana Carvalho, investigadora na Universidade de Évora [CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades];

d) José Varejão, docente na Universidade do Porto;

e) Sara Barriga Brighenti, subcomissária do Plano Nacional das Artes e coordenadora do Museu do Dinheiro do Banco de Portugal;

f) Rita Jerónimo, adjunta do Gabinete da Ministra da Cultura;

g) Serão futuramente designados: em representação dos museus na dependência da Direcção-Geral do Património Cultural e das Direcções Regionais de Cultura, duas personalidades a indicar pelo órgão que exerça funções consultivas no âmbito do regime de autonomia de gestão dos museus, monumentos e palácios;

O grupo inclui ainda os seguintes representantes:

1.2 — Da área dos Negócios Estrangeiros: Bruno Marcelo Regalado Julião, Adjunto do Gabinete do Ministro dos Negócios Estrangeiros;

1.3 — Da área da Defesa Nacional: Leonel Moura, artista e curador;

1.4 — Da área da Economia: Teresa Ferreira, Diretora de Departamento no Turismo de Portugal, I. P.;

1.5 — Da área da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: Rosalia Vargas, Presidente da Ciência Viva — Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, e Diretora do Pavilhão do Conhecimento — Centro Ciência Viva;

1.6 — Da área da Educação: João Brigola, docente e investigador na Universidade de Évora;

1.7 — Em representação da Presidência da República: Elsa Alípio, técnica superior do quadro de pessoal da Secretaria-Geral da Presidência da República [Museu da Presidência da República];

Dicionário de biografias: um contributo para a história dos museus e da museologia em Portugal

Ferreira, Emília, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, eds. Dicionário Quem é na Museologia Portuguesa. Lisboa: Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/NOVA. 320 páginas, e‐issn: 978‐989‐54405‐0‐4. Disponível em: http://bit.ly/2OFmHZv

Foi apresentado a 28 de Março, no Palácio Nacional da Ajuda, o Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa. O primeiro volume do Dicionário, agora publicado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960 (está em preparação a edição de mais um volume). Este primeiro volume incorpora 93 entradas e conta com a colaboração de 54 autores, entre profissionais e investigadores.

Trata-se de um projecto que tive o privilégio de ir acompanhando ao longo destes dois anos, de forma mais directa e indirecta, enquanto membro da comissão científica. Independentemente disso, trata-se, efectivamente, de um projecto de divulgação científica com o mérito de colocar em evidência a história da museologia, através das pessoas que a cada época moldaram e influenciaram a constituição de colecções e museus. Nesse sentido, o projecto comunga de vários aspectos que considero positivos:

É um Dicionário que dá visibilidade a personalidades ligadas não só aos museus de arte (porventura o universo mais conhecido), mas a todas as tipologias de museus. Além disso, retrata figuras ligadas não só aos museus nacionais, mas também aos museus regionais e locais. Dois aspectos que caracterizam o Dicionário e que me parecem essenciais para ajudar a compreender a multifacetada história dos museus e da museologia em Portugal, que necessita de mais estudos e contributos como este para que as grandes narrativas sejam mais inclusivas e completas, incorporando realidades menos estudadas e conhecidas, como é o caso dos panoramas de pendor mais regional e local.

Outro aspecto fundamental é o facto de ser um projecto colaborativo. Teve por base uma chamada pública dirigida à comunidade profissional e académica convidando ao envio de propostas de entradas para o Dicionário. Dessa chamada pública resultou um número muito significativo de propostas de profissionais e investigadores de diferentes centros de investigação, o que mostra bem o interesse mas também a oportunidade do projecto. Produzem-se hoje mais dissertações académicas, mas a informação, apesar de cada vez mais acessível, está muitas vezes, espartilhada em repositórios. E nesse sentido, o Dicionário ao colocar sobre a mesma grelha de análise uma variedade de figuras biografadas potencia uma leitura de conjunto. Os museus e a museologia, numa perspectiva história (e não só) tem sido objecto de interesse da investigação e vai-se estruturando. Em temos de publicações, isso pode ser notado, por exemplo, com o aparecimento da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural), em 2015 (não obstante ser um projecto mais antigo), que conta até ao momento com 13 volumes.

O facto do Dicionário ter por base um processo de revisão científica é outra dimensão positiva. Todas as entradas passaram por um processo de arbitragem por pares apoiado na comissão científica do projecto. É uma boa prática científica e que na maior parte dos casos potencia um melhor resultado final. Ainda que assim seja, não se ignoram as complexidades da sua aplicação e o fluxo acrescido de trabalho que está necessariamente envolvido estes processos.

Acresce a revisão editorial patente neste processo, que não é despiciente no caso, contribuindo para a coerência global do que se evidencia. Outra característica é a valorização de cada entrada com ilustrações, que não só estimulam esteticamente, como são fontes documentais relevantes em si mesmas. E aqui destaca-se também a coerência editorial que o processo exigiu.

O Dicionário também tem a particularidade de se afirmar como um projecto em curso, e como tal permitindo a actualização das entradas já realizadas, em função de novos desenvolvimentos da investigação, assim como será alargado a outros volumes com mais entradas. Por essa razão não deve ser entendido como um mapeamento exaustivo e conclusivo. Há pelo menos uma próxima tranche de entradas em preparação coincidente com o mesmo período (do séc. XVIII à década de 60 do séc. XX). O que é porventura menos claro é a operacionalidade da plataforma digital que irá albergar no futuro este conjunto de informação, uma vez que se optou nesta fase pelo formato de publicação digital na forma de PDF, e neste sentido, a sua articulação operativa.

Talvez seja cedo para uma avaliação de conjunto, que fará sentido numa fase mais adiantada e consolidada do projecto. Por ora, configura certamente uma boa aposta na divulgação do conhecimento sobre a história dos museus e da museologia, através do género biográfico de todos quantos têm contribuído ao longo da história para a sua formação e desenvolvimento. Tem o potencial de gerar uma panorâmica mais completa sobre essa história e porventura a percepção e a interligação sobre o que se conhece sobre as redes de conhecimento e de actores que moldam a história dos museus, das suas colecções e da museologia, de um modo mais alargado. Um possível Dicionário focado nas biografias dos museus poderia ser uma eventual ramificação do actual Dicionário de biografias de personalidades, duas dimensões que se complementariam. 

****

O Dicionário é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Contributos para a museologia portuguesa: um novo dicionário online sobre museólogos, do século XVIII ao séc. XX

O lançamento do Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa” acontece no próximo dia 28 de Março, pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, na Sala D. João VI. A apresentação conta com a participação de Ana Carvalho em conversa com Raquel Henriques da Silva, mentora do projecto, e ainda com Hugo Xavier e Elisabete Pereira, dois dos autores que colaboraram no primeiro volume do Dicionário.

O Dicionário é um projecto editorial em formato digital (website disponível a partir de 28 de Março) que tem como objectivo fundamental facultar uma visão abrangente, um conhecimento preciso e uma valorização actualizada das personalidades ligadas à museologia portuguesa, actuantes em diferentes tipologias científicas. Visa, ainda, contribuir para uma maior compreensão da história dos museus e da museologia portuguesa.

O primeiro volume do Dicionário, agora editado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960. Está em preparação a edição de mais um volume.

O projecto é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Jornadas de Primavera do ICOM Portugal destacam o papel dos museus como plataformas culturais

Palácio da Ajuda, Lisboa

Na próxima segunda-feira, 11 de Março realizam-se as Jornadas de Primavera do ICOM Portugal subordinadas ao tema “Os Museus como Plataformas Culturais – Museus e Cidadania”, em sintonia com o tema do Dia Internacional de Museus para 2019 (Museums as Cultural Hubs: The Future of Tradition).

11 de Março, Palácio da Ajuda
A partir das 9h30
Entrada livre, mas sujeita a inscrição prévia: info@icom-portugal.org

PROGRAMA

9.15 – Receção dos participantes
9.30 – Sessão de abertura – José Alberto Ribeiro, Presidente do ICOM Portugal
9.45 – Dália Paulo e Ana Rosa Sousa, Museu Municipal de Loulé – O Museu na Cidade
10.45 – João Mendes Rosa, Museu da Guarda – O Museu da Guarda: da arqueologia às vanguardas da cultura (2016-2018)
DEBATE
11.00 – Pausa para café
11h20 – José Soares Neves e Jorge Santos, ISCTE – Apresentação do projeto de inquérito aos membros do ICOM para uma caraterização da classe profissional
12.00 – Alexandre Matos e Ana Carvalho – Projeto Mu.Sa – ponto de situação
12h40 – Isabel Raposo de Magalhães, ICCROM-UNESCO, Manual ICCROM/UNESCO sobre evacuação de obras de arte
DEBATE

ALMOÇO LIVRE
15h00 – Assembleia Geral do ICOM Portugal – Sessão Ordinária

Mais informações no site do ICOM Portugal

Número especial da “Museum International” dedicado aos museus no mundo digital

Vê-se a capa do número

A revista Museum International acaba de publicar um número especial dedicado aos museus no mundo digital (n.º 277–278). Este número procura reflectir sobre o modo como os museus têm respondido aos desafios colocados pelo mundo digital. São exploradas várias perspectivas sobre o tema, compreendendo 12 artigos e uma recensão crítica.

O número inclui dois artigos portugueses. Um artigo assinado por Ana Carvalho e Alexandre Matos sobre os resultados de investigação da primeira fase do projecto Mu.SA – Museum  Sector Alliance relativamente ao caso português: Museum Professionals in a Digital World: Insights from a Case Study in Portugal). E ainda um artigo de Helena Barranha (Derivative Narratives: The Multiple Lives of a Masterpiece on the Internet) sobre o potencial criativo das colecções de arte em acesso aberto a partir do estudo de caso da obra The Portrait of Giovanna Tornabuoni (séc. XV) do pintor renascentista italiano Domenico Ghirlandaio, pertencente à colecção do Museo Nacional Thyssen‐Bornemisza, em Madrid. 

O número está disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/toc/14680033/2018/70/1-2 (mas apenas os resumos; os membros do ICOM têm acesso integral)

****

A Museum International (ISSN: 277–278) é uma revista académica (com arbitragem por pares) que promove a partilha de conhecimento sobre museus e património no campo internacional.

A revista é publicada desde 1948 pela UNESCO (designando-se então por Museum) e, desde 1992 em parceria com a editora Wiley-Blackwell. Em 2013, a responsabilidade editorial passou para o Conselho Internacional de Museus (ICOM) e manteve-se a co-publicação com a Wiley-Blackwell. O primeiro número editado pelo ICOM é de 2014 e foi sobre a paisagem museológica brasileira (253-256). A revista tem desde 2017 um novo grafismo e uma nova comissão editorial. A gestão editorial é assegurada por Aedín Mac Devitt.

A Museum International publica dois números temáticos por ano, em papel e em suporte digital.

****

Museum International, special issue: Museums in a Digital World, Vol. 70, n.º 277–278, 2018 (26 December)

ÍNDICE

3 | Editorial, by Aedín Mac Devitt

THE OBJECT, THE MUSEUM AND THE MUSEUM PROFESSION

8 | The Work of Art in the Age of Digital Reproduction, by Werner Schweibenz

22 | Derivative Narratives: The Multiple Lives of a Masterpiece on the Internet, by Helena Barranha

34 | Museum Professionals in a Digital World: Insights from a Case Study in Portugal, by Ana Carvalho and Alexandre Matos

48 | Capacity Building and Knowledge Exchange of Digital Technologies in Cultural Heritage Institutions, by Mona Hess, Amandine Colson and John Hindmarch

62 | Coworking Spaces, Accelerators and Incubators: Emerging Forms of Museum Practice in an Increasingly Digital World, by Oonagh Murphy

DIGITAL STRATEGIES FOR A CHANGING SECTOR

78 | Web Strategy in Museums: An Italian Survey Stimulates New Visions, by Sarah Dominique Orlandi, Gianfranco Calandra, Vincenza Ferrara, Anna Maria Marras, Sara Radice, Enrico Bertacchini Valentino Nizzo and Tiziana Maffei

90 | The Process Is Part of the Solution: Insights from the German Collaborative Project museum4punkt0, by Katrin Glinka

104 | The Destruction and Creation of a Cityscape in the Digital Age: Hiroshima Peace Memorial Museum, by Julie Higashi

114 | Digital Technology: The Panacea to Improve Visitor Experience and Audience Growth? By Davison Chiwara and Njabulo Chipangura

THE VISITOR EXPERIENCE AND CO‐CREATION

126 | Digital Pathways in Community Museums, by Catherine Anne Cassidy, Adeola Fabola, Alan Miller, Karin Weil, Simón Urbina, Mário Antas and Alissandra Cummins

140 | Heritage Communities, Participation and Co‐creation of Cultural Values: The #iziTRAVELSicilia Project, by Elisa Bonacini

154 | TripAdvisor Reviews of London Museums: A New Approach to Understanding Visitors, by Victoria D. Alexander, Grant Blank and Scott A. Hale

166 | The ‘Guggentube’ Phenomenon: Breaking the Boundaries of a ‘Digital Museum’ Space, by Natalia Grincheva

BOOK REVIEW

176 | Book Review, by Danielle O’Donovan and Tom Lonergan

178 | Museum International issues

Museus e estereótipos

Formação “Museums and Stereotypes”. Créditos: Elisabetta Brian

Participei, entre 25 e 28 de Outubro, na formação Museums and Stereotypes (International Training School), em Turim, Itália.[1]

Foram quatro dias de formação em vários museus de Turim. O tema: museus e estereótipos. O curso pretendeu explorar estratégias e práticas que contribuam para a desconstrução de estereótipos no sentido de tornar os profissionais dos museus mais conscientes das suas responsabilidades. 

Podemos conscientemente afirmar que enquanto profissionais e indivíduos somos livres de estereótipos e preconceitos? E os museus, o que têm a ver com isso? Museums are, of course, one of many settings in which stereotypical representations of social groups may be encountered, reinforced and reproduced but also, potentially, resisted and challenged(Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, p. 38). Esta frase de Richard Sandell é relevante, não apenas por chamar a atenção de que os museus não são lugares isentos de estereótipos, quer falemos no passado, quer falemos no presente, mas por também atribuir aos museus a capacidade e a possibilidade de desconstrução desses estereótipos. É esta dupla perspectiva que importa reconhecer e trabalhar sobre. 

Iniciativa “Gender Matters”, Gothenburg City Museum, 2011

Falar sobre estereótipos no contexto dos museus é falar do quê exactamente? Entre os estereótipos debatidos, nomeadamente nesta formação, estão aqueles associados à imigração, ao género e onde se incluem as identidades LGBTQ, à deficiência, às questões étnicas, à religião, entre vários outros.

A mudança é gerada pela desconstrução e pelo questionamento, diria interno, a partir de dentro, por cada um de nós, dos estereótipos que conseguimos reconhecer e de outros que estão presentes mas tão pouco os identificamos claramente. Foi esse o desafio que me levou a Turim, assim como a vários colegas de diferentes proveniências (Grécia, Itália, Irão, Holanda, Canadá, etc.) para quatro dias (25-28 Outubro) de intenso debate e reflexão com o objectivo de sair da zona de conforto, e descobrir os nossos pontos cegos em relação aos museus e às nossas práticas. Pela mesma razão, e em jeito de ressalva, participei pouco tempo antes na conferência anual da Acesso Cultura – E Este Património? A Presença LGBTQI+ no Ano Europeu do Património Cultural – um encontro que foi clarividente no sentido de perceber o quanto desconhecemos estes temas e a premência dos profissionais de museus se envolverem mais. Como se lê no texto de introdução da conferência: «Quando não vemos alguém, essa pessoa não existe para nós, com todas as consequências que esta ignorância traz para a inclusão social e para a decorrente valorização da nossa sociedade».

A formação sobre museus e estereótipos foi organizada por Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli da associação ABCittà(sede em Milão), juntamente com João Rosa da 4iS– Plataforma para a Inovação Social, uma organização ligada à Universidade de Aveiro; decorreu em três museus e espaços distintos da cidade de Turim: o Museo Egizio, que reúne uma das mais importantes colecções de arqueologia do Egipto na Europa, o Museo Lombroso, um museu universitário dedicado à figura de Cesare Lombroso, fundador da antropologia criminal em Itália, e o Polo del 900, um centro cultural (e arquivo) com dois anos de existência que explora temáticas ligadas à cidadania, democracia, direitos humanos, entre outros tópicos da actualidade.

O programa consistiu na apresentação e discussão de experiências ligadas aos museus onde decorria a formação. Esse foi o caso do Museo Egizio, um museu que tem desenvolvido vários programas com e para grupos ligados à imigração, tendo havido oportunidade de contextualizar os desafios desta acção, não se escondendo as adversidades advindas do actual hostil clima político vivido na região e que tem levado inclusive à contestação pública das actividades do museu por parte de grupos políticos mais extremados que se posicionam contra a imigração. Imigração foi, aliás um tópico bastante desenvolvido em várias comunicações no âmbito da desconstrução e combate de estereótipos e preconceitos. A comunicação de Daniel de Torres (consultor no programa das Cidades Interculturais do Conselho da Europa) – “How to Dismantle Stereotypes and Prejudices: Some Lessons Learned from the Antirumour Strategy that can be Useful for Museums” – é um desses exemplos, entre outros.

Entre os tópicos explorados, destaco ainda o do género e das identidades LGBTQ. Neste contexto, Nicole Moolhousen (investigadora e consultora na área do património) apresentou várias experiências desenvolvidas no Reino Unido: “Who Am I?” (Science Museum); iniciativas promovidas pelo Victoria & Albert Museum e pelo British Museum, entre outros exemplos da Holanda, Suécia, Alemanha, Brasil, Índia, África do Sul, incluindo Itália.

Outro projecto apresentado foi o da “Biblioteca Vivente”. Promovido pela associação ABCittà, centra-se na narração de histórias com o objectivo de promover o diálogo e combater os preconceitos.

Para além das comunicações mais convencionais, o programa incluiu workshops para discussão informal em grupo a partir de exercícios orientados, como por exemplo: Museums and Stereotypes: An International Conceptual FrameworkWhich Risks for Political Correctness?; A Learning Kit Against Stereotypes; entre outros.

Facilitadoras do workshop: Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli. Créditos: Elisabetta Brian

O programa combinou ainda visitas organizadas a vários museus, onde destaco em particular a visita ao Museo Diffuso della Resistenzapelo seu director, Guido Vaglio.

Foram dias inspiradores, mas seria pretensioso afirmar que esta formação respondeu a todas as perguntas que levava. Pelo contrário, levou a mais interrogações e inquietações. Um colega de formação, no contexto de uma discussão sobre como a comunicação em museus é muitas vezes exclusiva e sobre a forma de ultrapassar as barreiras interrogava – mas até onde vamos parar? Pensei para mim própria: até onde for preciso. Enquanto vários “outros” se sentirem excluídos, este é um compromisso do qual não devemos abdicar não só como exercício de reflexão, mas sobretudo para repensar as nossas acções. 

Os museus são em si um meio que comunica de múltiplas formas. Combater  os estereótipos é, por isso, uma questão transversal: desde a forma como se recebe os visitantes na recepção, à forma como se pensa o acesso (das barreiras físicas, às sociais e intelectuais), ao modo como se constrói ou se revisita uma narrativa (quem está representado e como, o que é dito e o que se omite), à linguagem usada. Diz respeito à missão dos museus, deve ser uma preocupação das lideranças e das equipas, tem a ver com estratégia.

O programa, formadores e demais informações sobre o curso estão disponíveis em: https://museumsandstereotypes.org. Deixo algumas referências partilhadas pela organização do curso:

BIBLIOGRAFIA

Joan H. Baldwin and Anne W. Ackerson, Women in the Museums: Lesson from the Workplace, Routledge 2017.

Banaji, M. R., & Greenwald, A. A. (2013). Blindspot: Hidden Biases of Good People. New York, NY: Bantam Books.

Anna Chiara Cimoli, From Representation to Participation: The Voice of the Immigrants in Italian Migration Museums, in “The Journal of the Inclusive Museum”, Vol. 6, n. 3, maggio 2014, pp. 111-121.

Anna Chiara Cimoli, Identity, Complexity, Immigration. Staging the Present in Italian Migration Museums, in Museums, Migration and Identity in Europe. Peoples, Places and Identities, Christopher Whitehead, Rhiannon Mason e Susannah Eckersley (eds.), Farnham, Ashgate 2015, pp.  285-315.

Hill Collins P., Bilge S., Intersectionality, Polity Publisher, 2016.

Frantz Fanon, Black Skin White Masks, London: Pluto Press, 1967.

Guerrilla Girls, The Hysterical Herstory of Hysteria and How It Was Cured: From Ancient Times Until Now, Michèle Didier Editions, 2016.

Sally Hines, Is Gender Fluid?: A Primer for the 21st Century, Thames & Hudson, 2018.

John Berger, Ways of Seeing, Penguin Book, 1972.

Amy K. Levin, Gender, Sexuality and Museums, Routledge Reader, 2010.

Amy Lonetree, Decolonizing Museums: Representing Native America in National and Tribal Museums, University of North Carolina Press, 2012.

Amin Maalouf, In the Name of Identity: Violence and the Need to Belong, 1998.

Kylie Message, Museums and Racism, Routledge 2018.

Richard Sandell, Museums, Moralities and Human rights, Routledge 2016.

Richard Sandell and Eithne Nightingale (eds.), Museums, Equality and Social Justice, Routledge, 2012.

Richard Sandell (ed.), Re-presenting Disability, Routledge, 2010.

Richard Sandell (ed.), Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, Routledge, 2007.

Richard Sandell (ed.), Museums, Society, Inequality, Routledge, 2002.

LINKS


ABCittà’s Living Library

ABCittà’s anti-stereotype kit (em italiano)

“Abitare il museo” (Livro da ABCittà sobre o projecto Mudec Pop, em italiano)

“Che cosa vedi?”, a peer education kit (em italiano)

“Words matter” (Tropenmuseum, Amsterdam)

“Cards against creativity” (“Cards against humanity” in museum version)

Harvard’s Implicit Association Test (IAT)

Antirumours strategy 2018 handbook (De Torres Barderi D., Antirumours Handbook, 2018)

Look different


OUTROS RECURSOS ONLINE

Museums and migration

Maria Vlachou and Ana Carvalho, The inclusion of migrants and refugees: the role of cultural organizations

Resources designed by the Tanenbaum Centre for Interreligious Dialogue

LGBTQ Alliance: Welcome guide

American Association of Museums DEAI: Facing Change. Full Report 2018

Museum Association, UK: Culture Change, Dynamism and Diversity

Rainbow Network: Practical Tools for Intersectional Workshops

Museums, Libraries and Archives, UK: Disability checklist

Cleveland Art Museum: For the Benefit of All. Diversity, Equity and Inclusion Plan


[1] Para participar nesta formação tive o apoio de uma bolsa da Acesso Cultura.