Aquivos por Autor: Ana Carvalho

CFP: Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

Imagem a cores, que inclui uma rapariga de costas para o observador, que olha para uma pintura abstracta num museu

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para contributos para número temático “Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social”, a ser publicado em 2025. O dossier é coordenado por Elisa Noronha (CITCEM, Universidade do Porto) e María del Mar Flórez Crespo (Universidad de León). 

As propostas de artigos devem ser enviadas até 16 de setembro de 2024 para revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre as normas de publicação da MIDAS: https://journals.openedition.org/midas/361

Museus de Arte Moderna/Contemporânea do Século XXI: Territórios, Políticas e Transformação Social

Nas últimas décadas, temos assistido a um impulso significativo na criação de instituições e espaços dedicados à arte moderna/contemporânea, tanto na Península Ibérica como para além destas fronteiras (Rolland e Murauskaya 2008). No que diz respeito aos museus espanhóis e portugueses, estes têm sido objeto de estudo em diferentes projetos de investigação (Lomba 2001; Layuno 2004; Barranha 2008; Grande 2009; Marzo e Mayayo 2015; Roigé 2016; Noronha 2017; Gilabert 2018) onde foi possível observar certas dinâmicas nas relações estabelecidas entre estas instituições especializadas em arte contemporânea e o contexto artístico, social ou cultural urbano.

No final do século passado, grandes cidades ibéricas, como Madrid e Barcelona, mas também outras de menor escala urbana, como Porto, Bilbau ou Valência, tornaram-se sedes de museus, sobretudo de arte moderna/contemporânea, que serviram de modelo para as novas infraestruturas construídas em Espanha e Portugal durante as primeiras décadas do século XXI. Da sua análise, derivaram estudos mais delimitados sobre o tema, principalmente dos casos paradigmáticos. Entre eles, o chamado “efeito Guggenheim” (Baudelle, Krauss e Polo 2015) é bem conhecido e tem sido um dos exemplos representativos, recentemente abordado em Espanha (Lorente e Juan 2022), que demonstrou a relação particular entre a criação de instituições museológicas e a gestação de distritos culturais.

Os museus têm sido considerados, com alguma frequência, no contexto de operações mediáticas e como agentes de revitalização económica do território, alinhando-se com a noção de “cidade criativa” proposta por teóricos como Charles Landry (2000) e Richard Florida (2009). Neste contexto, os museus e os centros culturais dedicados à arte contemporânea surgiram como elementos-chave, reflexo dessa criatividade humana e pedra angular do desenvolvimento económico e social, promovendo a renovação e a reabilitação do tecido urbano. Embora alguns casos possam ser mais bem-sucedidos do que outros, e as suas consequências mais ou menos positivas, os museus e centros culturais converteram-se numa parte, se não no epicentro, de tais campanhas de recuperação de bairros e, ao mesmo tempo, de influência na estrutura económica das cidades. Além disso, estas experiências estão também a ser realizadas em zonas periféricas para fazer face ao desafio do despovoamento, especialmente nos meios rurais.

É neste domínio que consideramos que os museus de arte moderna/contemporânea estão a demonstrar, especialmente, a sua capacidade de produzir efeitos no meio envolvente imediato, enquanto espaços de transformação, a partir do potencial criativo dos profissionais que trabalham na ou para a instituição, desenvolvendo práticas contextualizadas e situadas. Isto engloba diferentes facetas, como já demonstraram outros estudos de modelos museológicos internacionais que se desenvolveram paralelamente a esta situação, tanto numa perspetiva arquitetónica (Mack e Szeemann 1999), como na sua relação com o meio envolvente (Costanzo 2007; Gómez de la Iglesia 2007; Weibel e Buddensieg 2007; Zuliani 2009) ou na sua maior abertura ao contexto social (Domingues et al. 2003; Bonito Oliva et al. 2004). Este fenómeno não é isolado e está interligado com as mudanças na forma como os museus têm sido entendidos nas últimas décadas, que levaram à recente atualização da definição de museu pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM):

Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos e ao serviço da sociedade, que pesquisa, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Abertos ao público, acessíveis e inclusivos, os museus fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Com a participação das comunidades, os museus funcionam e comunicam de forma ética e profissional, proporcionando experiências diversas para educação, fruição, reflexão e partilha de conhecimento. (ICOM 2022)

É neste contexto dinâmico que os museus de arte moderna/contemporânea se revelam como locais de incerteza, como instituições sensíveis não só às transformações nos modos de produção artística, mas também às mudanças sociais, económicas e culturais. Têm de equilibrar as suas funções tradicionais de colecionar, preservar, interpretar ou expor com uma capacidade de adaptação às mudanças, se pretendem participar plenamente no presente, facilitando zonas de negociação. É a partir deste contexto que valorizamos o facto de poderem surgir modelos alternativos através de práticas culturais e artísticas contemporâneas.

Temas a desenvolver

Assim, consideramos necessário dar maior visibilidade a estes museus de onde emanam diferentes formas de investigar, colecionar, conservar, interpretar ou expor o património. Não esquecendo também que os museus são centros de reflexão, de troca de conhecimento, de socialização e de entretenimento, procurando ser acessíveis, inclusivos e promover a participação das comunidades.

À luz destas circunstâncias, consideramos oportuno compreender melhor o panorama dos museus de arte moderna/contemporânea nas primeiras décadas do séc. XXI, considerando o crescimento particular dos últimos 25 anos. Esse enfoque permitir-nos-á explorar a forma como estas instituições estão a influenciar a vitalidade do ecossistema cultural a partir de perspetivas disciplinares heterogéneas. Com este dossier temático, procuramos também dar maior visibilidade ao trabalho, muitas vezes subvalorizado e insuficientemente conhecido, tanto pela sociedade como pelas diferentes esferas profissionais do sistema artístico, de museus localizados fora das grandes cidades.

Assim, interessam-nos estudos que abordem estas questões em museus de arte moderna/contemporânea com coleção própria e vocação museológica, independentemente da sua localização, privilegiando propostas com uma abordagem comparativa entre diferentes exemplos à escala internacional, com especial consideração pelos museus espanhóis e portugueses. Valorizamos a análise de modelos que marcaram tendências ou criaram um cânone, incluindo contra-modelos ou exemplos inovadores. São também bem-vindos estudos de caso significativos pelas suas boas práticas, estudos comparativos sobre as questões enunciadas, incluindo os elaborados na perspetiva do género, das comunidades LGTBIQ e de grupos minoritários, com base nas seguintes linhas temáticas:

  • O impacto urbano e territorial do museu, estudo dos aspetos arquitetónicos, incluindo a localização ao ar livre ou ambiente natural;
  • Modelos de gestão, política de coleções e/ou exposições, nomeadamente a construção de outras narrativas e imaginários ligados ao território;
  • Agência e responsabilidade social, seu valor e impacto positivo na comunidade, educação e ação cultural, educomunicação, políticas de acesso e/ou inclusão através de práticas artísticas contemporâneas.

Com base nas ideias enunciadas, podem ser desenvolvidas novas investigações originais e necessárias para documentar e analisar a situação a partir de múltiplos pontos de vista, incentivando o debate sobre a evolução histórica do atual contexto museológico ligado à arte contemporânea.

Organizadoras

Elisa Noronha
Investigadora Auxiliar Contratada no Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM) da Universidade do Porto (Portugal). Professora Auxiliar Convidada na área da Museologia na mesma Universidade. Doutora em Museologia pela Universidade de Porto. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses atuais de investigação centram-se na relação entre arte contemporânea, património e envolvimento comunitário; e as suas implicações nas narrativas e discursos museológicos. Desenvolve também um trabalho mais autoral, que se concretiza com a curadoria de exposições e outras produções artísticas/culturais.

María del Mar Flórez Crespo
Professora Contratada no Departamento de Patrimonio Artístico y Documental da Universidad de León (Espanha). Doutora em História da Arte pela Universidad de León. Membro do projeto de I+D+i “Museos de Arte Contemporáneo en España: su Engarce Territorial e Internacional” financiado pelo Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha (2023-2026). Os seus interesses de investigação incluem a proteção do património cultural, a museologia, os estudos de cultura visual e a inovação educativa e pedagógica.

Referências

Barranha, Helena. 2008. “Arquitectura de Museus de Arte Contemporânea em Portugal: Da Intervenção Urbana ao Desenho do Espaço Expositivo.” Tese de doutoramento em Arquitetura, Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

Baudell, Guy, Gerhard Krauss e Jean-François Polo, eds. 2015. Musées d’art et Développement Territorial. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Bonito Oliva, Paolo Balmas Achille e Luigi Centola. 2004. Musei che Reclamano Attenzione. I fuochi dello sguardo. Roma: Gangemi Editore.

Costanzo, Michele. 2007. Museo Fuori dal Museo. Nuovi Luoghi e Nuovi Spazi per l’Arte Contemporánea. Milán: FrancoAngeli.

Domingues, Álvaro, Isabel Silva, João Teixeira Lopes e Alice Semedo, orgs. 2003. A Cultura em Acção. Impactos Sociais e Território. Porto: Ediçoes Afrontamento.

Florida, Richard. 2009. Who’s your City? How the Creative Economy is Making Where to Live the most Important Decision of your Life. New York: Basic Books.

Gilabert González, Luz María. 2018. “Génesis y Evolución del Sistema Español de Museos y la Red de Museos de España (1987-2011).” Revista de Museología 71 (8): 18-29.

Gómez de La Iglesia, Roberto, ed. 2007. Los Nuevos Centros Culturales en Europa. Vitoria-Gasteiz: Editorial Xabide.

Grande, Nuno. 2009. “Arquitecturas da Cultura: Política, Debate, Espaço – Génese dos Grandes Equipamentos Culturais da Contemporaneidade Portuguesa.” Tese de doutoramento em Arquitectura (Teoria e História da Arquitectura), Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

ICOM. 2022. “Definição: Museu.” ICOM (Conselho Internacional de Museus). Tradução portuguesa do ICOM Brasil, ICOM Portugal. https://icom-portugal.org/recursos/definicoes/

Landry, Charles. 2000. The Creative City. A Toolkit for Urban Innovation. London: Earthscan.

Layuno Rosas, María Ángeles. 2004. Museos de Arte Contemporáneo en España. Del “palacio de las artes” a la Arquitectura como Arte. Gijón: Trea.

Lomba Serrano, Concepción. 2001. “En el Comienzo del Milenio: Los Museos y Centros de Arte Contemporáneo en España.” En El Arte Español del Siglo XX. Su Perspectiva al Final del Milenio, coord. Miguel Cabañas, 497-509. Madrid: CSIC.

Lorente, Jesús Pedro e Natalia Juan García, coords. 2022. “El Efecto Guggenheim, en su 25 Aniversario.” Espacio Tiempo y Forma, serie VII, Historia del Arte 10: 249-254.

Lorente, Jesús Pedro. 1998. “Los Nuevos Museos de Arte Moderno y Contemporáneo bajo el Franquismo.” Artigrama. Revista del Depto. de Historia del Arte de la Univ. de Zaragoza 13: 295-313.

Mack, Gerhard e Harald Szeemann. 1999. Art Museums into the 21st Century. Basilea-Boston-Berlín: Birkhauser.

Marzo, Jorge Luis e Patricia Mayayo. 2015. Arte en España, 1939-2015: Ideas, Prácticas, Políticas. Madrid: Cátedra.

Noronha, Elisa. 2017. Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea. Porto: Edições Afrontamento.

Roigé, Xavier. 2016. “Museos, Identidades Territoriales y Evolución de las Políticas Culturales en España.” En Treinta años de Políticas Culturales en España. Participación Cultural, Gobernanza Territorial e Industrias Culturales, coord. Joaquim Rius y Juan Arturo Rubio, 265-283. Valencia: Universitat de València.

Rolland, Anne-Solène y Hanna Murauskaya, eds. 2008. De Nouveaux Modèles de Musées? Formes et Enjeux de Créations et Rénovations de Musées en Europe, XIXe-XXIe Siècles. Paris: L’Harmattan.

Weibel, Peter e Andrea Buddensieg, eds. 2007. Contemporary Art and the Museum. A Global Perspective. Karlsruhe: ZKM.

Zuliani, Stefania. 2009. Effetto Museo: Arte, Critica, Educazione. Milán-Turín: Bruno Mondadori.

Chamada para contributos: VIII Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

A 8.ª edição do Fórum Ibérico de Estudos Museológicos realiza-se a 7 e 8 de novembro na Universidade de Coimbra e dedica-se ao tema “Museologia e Ética: Práticas Atuais e Novos Dilemas”. Tem chamada aberta para contributos até 31 de Maio de 2024.

CALL FOR PAPERS
Considerando o papel central e a transversalidade da ética — como debate e como ação — no contexto dos museus, aceitam-se propostas com abordagens à investigação e às práticas atuais tendo em conta aspetos da deontologia e dos novos dilemas éticos dos museus no panorama ibero-americano. Encorajam-se apresentações que promovam novas perspetivas, bem como a intersecção de diferentes quadros interdisciplinares e áreas de estudo entre museólogos e investigadores em diferentes etapas das suas carreiras académicas e profissionais.

Convidam-se académicos, investigadores e profissionais da área dos museus a apresentar propostas de comunicação de 15 minutos, em formato presencial, em português ou espanhol. Em alternativa poderão também ser submetidas propostas de poster digital (três diapositivos, com duração de 5 minutos), também em português e espanhol.

Retomando os eixos da responsabilidade dos museus perante as comunidades, do cumprimento do papel educativo e da salvaguarda das coleções através da conservação, sugere-se um conjunto de tópicos no domínio alargado da ética e dos museus, embora não exaustivo:

– Cidadania, comunidades e ativismo
– Acessibilidade e políticas de inclusão
– Representações e memórias identitárias
– Objetos, coleções e patrimónios sensíveis
– Políticas pós-coloniais, restituição ou curadoria partilhada
– Sociedade e transformação digital
– Novas tecnologias de educação e mediação
– Educação em museus e desenvolvimento sustentável
– Sensibilização social, ambiental e cultural
– Avaliação do impacto das práticas museais
– Ética de investigação e de exposição
– Catalogação e acesso às coleções
– Técnicas e procedimentos éticos de conservação
– Gestão de reservas e equipamentos de conservação

Envio de propostas de comunicação:
As propostas de ambos os formatos, comunicação ou poster digital, devem incluir título e resumo (até 500 palavras), bem como nota biográfica do/a autor/a (até 150 palavras) e o tópico a que responde. O resumo deve apresentar o tema e o principal argumento, demonstrar qualidade científica, fazendo referência ao seu enquadramento teórico, metodologias e principais contributos. Uma breve lista de referências bibliográficas (até 10) deve ser também apresentada.

Aceitam-se comunicações em português e espanhol.

Modelo da proposta
As propostas devem ser enviadas para forumiberico8@gmail.com até 31 de maio.

Organização:

Patrícia Roque Martins | IHA – Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa / IN2PAST

Pedro Casaleiro; Fábio Monteiro e Mariana Brum | CQC – Centro de Química de Coimbra, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Mais informações: https://testesitebeta.my.canva.site/viiiforumiberico#in%C3%ADcio

Projeto InMAP aprovado para financiamento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia

O projeto “InMAP – Memórias e Arquivos: Mapear o (In)tangível” (2024-2025) é um dos projectos aprovados para financiamento pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da 1.ª edição do Science4Policy 2023 (S4P-23) – Concurso de Estudos de Ciência para as Políticas Públicas.

Liderado por Ana Carvalho, investigadora Auxiliar (CEEC/FCT) no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas por instituições ligadas ao património (e.g., museus, bibliotecas, arquivos, universidades, associações). Para além de uma caracterização destes arquivos de memória recente, é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. O diagnóstico e a identificação das necessidades e desafios deste panorama irá permitir o desenvolvimento de orientações no campo das políticas públicas.

O projeto terá a duração de um ano e um orçamento de cerca de 50 000 euros. A equipa nuclear é constituída por Ana Carvalho (IR), Paulo Batista (Co-IR), Armando quintas, Dália Guerreiro e Fernando Gameiro. O projeto inclui a participação de duas instituições colaborativas: o Património Cultural, I.P (ex-Direção-Geral do Património Cultural), através de Ana Saraiva, e o Observatório Português das Actividades Culturais, através de José Soares Neves, e ainda de um consultor: Alexandre Matos (Sistemas do Futuro/Universidade do Porto). O projeto InMAP terá também o apoio da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora.

O Concurso Science4Policy foi lançado em 2023 pela FCT, em colaboração com o Centro de Competências de Planeamento, de Políticas e de Prospetiva da Administração Pública (PlanAPP), com o objetivo estimular a produção de conhecimento científico para apoio à decisão e definição de políticas públicas.

Nesta primeira edição do Concurso Science4Policy foram identificadas 22 linhas temáticas a partir de uma consulta à Rede de Serviços de Planeamento e Prospetiva da Administração Pública (REPLAN). O projeto InMAP concorreu à linha “As Pessoas Primeiro / Património e Memória – Arquivos nacionais”.

Nesta edição do Concurso Science4Policy foram selecionadas para financiamento, a nível nacional, 18 candidaturas (num universo de 71 candidaturas), o que corresponde a uma taxa de aprovação na ordem dos 25%.

Mais informação: https://www.fct.pt/concursos/science4policy-2023-s4p-23-concurso-de-estudos-de-ciencia-para-as-politicas-publicas

***

Resumo:

Nas últimas décadas, observa-se um número crescente de novos arquivos criados por instituições de memória (museus, bibliotecas e arquivos) e outras organizações públicas ligadas ao património (universidades, escolas, associações, entre outras). Identificam-se pelo menos dois aspetos (interligados) que terão contribuído para este estado da arte: 1) o desenvolvimento da história oral reforçou a necessidade de documentar as memórias de pessoas, comunidades e participantes em eventos passados; 2) o impacto da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, de 2003, apelou à necessidade de registar e documentar práticas tradicionais, i.e., o Património Cultural Imaterial (PCI) para um futuro sustentável; 3) a necessidade de enriquecer e complementar os arquivos oficiais com as experiências e a participação das comunidades. Muitos destes arquivos de memória recente contêm registos de gravações de som e vídeo, fotografias ou outros documentos relacionados com a preservação da memória e com a documentação do PCI, quer em formato analógico quer em formato digital. 

No entanto, atualmente, em Portugal, não existe um inventário à escala nacional sobre estes arquivos dispersos e informação sistematizada que possa informar sobre a sua caraterização, desenvolvimento e impacto nas comunidades e na sociedade. Para além de uma caraterização destes arquivos de memória recente (dimensão dos recursos; capacidade de infraestruturas e competências; inventário, sistema de informação, gestão e catalogação; acesso aberto), é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. Em resposta a estes desafios, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas, considerando uma amostra de âmbito nacional e incidindo sobre um conjunto de instituições diversas (e.g., museus, bibliotecas e arquivos, universidades, associações). 

Este estudo combinará um conjunto de instrumentos de análise, que incluem um inquérito, trabalho de campo (entrevistas e grupos focais) e revisão da literatura. A investigação será útil para responder a vários objetivos. Em primeiro lugar, apresentará um diagnóstico da situação atual, identificando necessidades e desafios, e informará o desenvolvimento de planos para mitigar esses problemas. Desta forma, o projeto produzirá um documento final (policy brief) que incluirá também uma proposta de orientações para um quadro legislativo que tenha em conta as especificidades destes arquivos. Em segundo lugar, os resultados darão forma à conceção de um conjunto de ferramentas de preservação digital para ajudar a orientar os profissionais no desenvolvimento da sua estratégia, especialmente tendo em conta as instituições de memória de menor escala em áreas mais remotas. Por último, a investigação ajudará a sensibilizar para a valorização e importância destes recursos e contribuirá para a salvaguarda deste património. 

Abstract:

In the last decades, there is a growing number of new archives created by memory institutions (museums, libraries and archives) and other public heritage organisations (universities, schools, community associations, among others). At least two intertwined aspects have contributed to this state of the art: 1) oral history development has reinforced the need to document the memories of people, communities, and participants in past events; 2) the impact of the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, urged for the need to record traditional silks and practices, e.g., Intangible Cultural Heritage (ICH) for a sustainable future; 3) the need to enrich and complement official archives with community experiences and participation. Many of these recent memory archives contain collections of sound and video recordings, photographs or other documentary materials related to memory preservation and to ICH documentation, either in analogue or in digital form. 

However, at present, in Portugal, there is no national-wide inventory of these scattered archives and systematized information that can inform about their characterization, development and impact in communities and society. Besides a characterisation of these recent memory archives (resources dimension; infrastructure & skills capacity; inventory, management system & cataloging; open access), it is essential to understand the scale and extent of barriers to preservation and access. In response to these challenges, the project will map, collect and analyze information about the situation of memory archives that have been created in the last two decades, considering a national-wide sample and focusing on a set of diverse institutions (e.g., museums, libraries and archives, universities, community associations). 

The study will combine a set of analysis tools, which include a survey, fieldwork (in-depth interviews and focus groups) and literature review. The research will be valuable for several purposes. First, it will present a diagnosis of the current situation, identifying needs and challenges, and inform the development of plans to mitigate those problems. In this way, the project will deliver a final policy brief that will also include a proposal of guidelines for a legislative framework considering these archives specificities. Second, the findings will shape the design of a digital preservation toolkit to help guide professionals in developing their strategy, especially considering smaller memory institutions in more remote areas. Finally, the research will help to raise awareness of the value of these unique resources and encourage safeguarding this heritage. 

CFP: Políticas e agendas de investigação para o património e para a sustentabilidade

Encontra-se aberta chamada para contributos para a Conferência Internacional “Europe and the Changing Mediterranean: Policies and Research Agendas for Culture, Heritage, and Sustainability”, que se irá realizar nos dias 28 e 29 de novembro de 2024, na Universidade de Évora.

Prazo limite para envio de propostas de comunicação: 30 de abril de 2024

Aceitam-se propostas sobre os seguintes tópicos:

– Políticas europeias para a cultura, património cultural e sustentabilidade
– Novas agendas europeias de investigação para a região mediterrânica nos domínios da cultura, do património e da sustentabilidade
– O papel da cultura no projeto de integração europeia e nas relações com o Mediterrâneo
– Valores europeus, migração, multiculturalismo e diversidade cultural
– Estratégias, iniciativas e projectos de salvaguarda do património cultural e natural na região mediterrânica (incluindo o património cultural imaterial)
– Digitalização do património cultural e transformação digital das instituições do património na região euro-mediterrânica
– Os desafios das paisagens culturais no Mediterrâneo
– Estratégias e políticas para o desenvolvimento sustentável no Mediterrâneo
– Desafios societais no Sul da Europa e no Mediterrâneo
– Turismo sustentável na região mediterrânica
– Instituições e iniciativas de cooperação na região mediterrânica
– Adaptação às alterações climáticas e globais no Mediterrâneo
– Política externa da UE num Mediterrâneo em mudança

As propostas devem centrar-se ou estar diretamente ligadas a questões de cultura e património cultural (incluindo o património cultural imaterial e os museus), bem como centrar-se na região euro-mediterrânica.

Esta Conferência insere-se no âmbito do projeto internacional MEDHEUS – Mediterranean Cultural Heritage in EU Policies (2022-2025).

Encontra mais informações em: https://www.medheus.uevora.pt/index.php/international-conference/

Chamada para artigos número “Varia” – Revista MIDAS

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para contributos para número “Varia” (não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2024. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) no formato de artigos (até 6 000 palavras) e notações (artigos breves, até 3 000 palavras).

Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

As propostas devem ser enviadas até 5 de abril de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Novo livro da Coleção Estudos de Museus estuda o papel do som nas exposições

A imagem tem uma orelha em primeiro plano de onde sai uma onda de som

O Som como Meio de Comunicação nas Exposições (2023) é o 26.º título da Coleção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Musicologia/Etnomusicologia, de Alcina Cortez, apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2020. A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, alargando os horizontes das investigações na área dos museus e da museologia.

O lançamento acontece no próximo dia 2 de fevereiro (sexta-feira) de 2024, pelas 18h00 horas, no Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa. O livro será apresentado por Edward Ayres de Abreu, diretor do Museu Nacional da Música.

Sinopse

O século xx foi palco de vários fenómenos que conduziram a um interesse crescente, da parte dos museus, pela potencialidade comunicativa do som e à realização de exposições em que o som é o elemento central. O aparecimento das tecnologias de registo sonoro constitui um dos momentos mais importantes neste processo: o facto de permitirem que o som se estabeleça enquanto objeto físico potenciou o aparecimento de novos entendimentos e concetualizações em torno do som. O conhecimento desenvolvido pelos estudos musicais foi igualmente preponderante neste processo: tendo demonstrado o valor cultural, social, político, económico e ético do som, a etnomusicologia e os estudos do som em particular vieram estimular a vontade dos curadores em utilizar o som como material para trabalhar noções de identidade, subjetividade e comunhão. Também a crescente preocupação, da parte tanto dos estudos de museus como da prática museológica, com o público visitante acelerou o interesse dos curadores pelo som como material para construir exposições. É ainda de destacar o papel desempenhado pelo desenvolvimento de tecnologias áudio, digitais e multissensoriais (realidade virtual, realidade aumentada e realidade mista), que proporcionaram formas de lidar, nas galerias, com a imaterialidade do som e, simultaneamente, fomentaram interações museológicas de base experiencial.

De âmbito claramente multidisciplinar, englobando a etnomusicologia, os estudos do som, os estudos de museus e a semiótica social, este livro propõe pela primeira vez uma estrutura classificativa das práticas multimodais de base sonora em museus. Partindo da análise de 69 exposições que tiveram lugar nos últimos dez anos, na Europa e nos Estados Unidos da América, a autora desenvolve concetualmente cinco categorias de prática multimodal de base sonora— som como “lição”; som como artefacto; som como ambiance/banda sonora; som como arte; e som como modo de curadoria partilhada.

Na segunda parte do livro, a autora examina o potencial comunicativo do som em exposições museológicas através do estudo de caso de arte sonora The Visitors (2012), de Ragnar Kjartansson, que veio demonstrar que o som e o espaço, quando em articulação, permitem trabalhar noções de identidade, subjetividade e comunhão.

O Som como Meio de Comunicação nas Exposições em Museus visa contribuir para o desenvolvimento e o estabelecimento das práticas multimodais de base sonora em museus, quer enquanto campo de investigação multidisciplinar e coeso, quer enquanto forma de potenciar uma mudança sensorial na prática museológica.

Sobre a autora

Alcina Cortez é Curadora e Produtora de exposições desde 1996, foi Diretora de Visitas do Pavilhão do Futuro na Expo’98 e Produtora Executiva de Exposições no Serviço de Ciência da Fundação Calouste Gulbenkian (2001-2011). Estudou piano, violoncelo e composição no Instituto Gregoriano de Lisboa. Formou-se em Musicologia (1992) e fez cursos de pós-graduação em Estudos de Música Popular (2012) e em Acústica e Estudos do Som (2019). Obteve o grau de mestre em Etnomusicologia/Estudos de Museus (2014) e concluiu o doutoramento (2022), também em Etnomusicologia/Estudos de Museus, com a tese Communicating Through Sound in Museum Exhibitions: Unravelling a Field of Practice, sob a orientação de Salwa Castelo-Branco e Jennifer Walklate. Investigadora no Instituto de Etnomusicologia, Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa tem-se especializado no estudo do potencial comunicativo (representacional, emocional, sensorial e estético) do som enquanto elemento integrante de exposições museológicas. A sua investigação tem-se traduzido na publicação de diversos artigos em revistas, como a Curator, Popular Music e Sound Studies. É autora do blogue objectsofsound.com selecionado para integrar a publicação The Blog Book da MuseumsETC.

Índice

9 Prefácio
13 Primeiro Capítulo – Contributos para a exposição de som em museus
18 Formulação do problema
18 Enquadramento teórico
37 Metodologia e ferramentas analíticas
53 Segundo capítulo – Caracterizando a prática de expor som em museus: cinco categorias:
59 Som como “Lição”
74 Som como artefacto
93 Som como ambiance/banda sonora
98 Som como arte
105 Som como modo de curadoria partilhada
108 Observações finais
11 Terceiro capítulo – The Visitors, de Ragnar Kjartansson: um estudo de caso de arte sonora
114 Fontes
121 The Visitors do ponto de vista da significação
157 Observações finais
159 Quarto capítulo – Práticas de escuta em museus: um caminho
175 Notas e bibliografia
193 Agradecimentos

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um conselho editorial constituído por Alice Semedo, Ana Carvalho, Fernando António Baptista Pereira,  Marta C. Lourenço, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras e de coordenação científica).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Publicado novo número da Revista de História da Arte

Capa: Martim Ramos – from ‘a darker, better place’, 2023

A Revista de História da Arte (RHA) publicou o seu 16.º numero (“Re-turns: On Future Art Histories”) em Dezembro de 2023, com a coordenação dos Investigadores Basia Sliwinska e Afonso Dias Ramos. Este é um número de relançamento após uma reestruturação da Revista.

O evento de lançamento vai ter lugar no dia 29 de janeiro, pelas 18h30, no Colégio Almada Negreiros – anfiteatro CAN 217. Vai contar com a presença de Basia Sliwinska e Afonso Dias Ramos, que farão uma apresentação dos conteúdos da Revista, seguida de uma breve conversa sobre a reestruturação da RHA e quais as suas direções futuras.

A Revista de História da Arte (RHA) é publicada pelo Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa) desde 2005. Em acesso aberto e com revisão por pares, a RHA publica artigos que reflictam criticamente sobre as condições históricas e actuais da prática e da teoria da arte no contexto global, com particular incidência nas narrativas e discursos portugueses e nas suas ressonâncias e articulações globais.

A RHA conta com a coordenação de Basia Sliwinska (Editora-chefe) e de Afonso Dias Ramos (Editor Associado), e de uma comissão editorial composta por: Ana Carvalho, Catarina Rosendo, Gaia Giuliani, Luísa Trindade, Mariana Pinto dos Santos, Sílvia Ferreira, Susana S. Martins e Susana Varela Flor. Mais informação aqui: https://rha.fcsh.unl.pt/index.php/rha/about/editorialTeam

O novo número “Re-turns: On Future Art Histories” está disponível em acesso aberto em: https://rha.fcsh.unl.pt/index.php/rha/issue/view/ReturnsOnFutureArtHistories

****

“Re-turns: On Future Art Histories”, RHA, n.º 16 (Dez., 2023)

Conteúdos:

7 Editorial Introduction, Re-turns: On Future Art Histories, Basia Sliwinska e Afonso Dias Ramos

11 Afterlives: On the Art Periodical’s Return through Anthologies and Special Issues, Camilla Salvaneschi

39 Beyond the Material: A Case Study of the Yaawo Beaded Hair Combs for Repatriating Agency, Beatriz Madaleno Alves

65 Final(?) DISPOSITION (Restless Objects):  A Ride from the Storage to the Palace,
Hagar Ophir

77 The Bird’s Eye. From up Above or From Down Below: Changing Perspectives on Aerial Photography of Indigenous Lands in the Brazilian Amazon, Marcella Legrand Marer

103 a darker, better place, Martim Ramos

 117 The Vulnerable Body in the Archive: Matriculating Oral Herstories of Art with (Self)care, Zofia Reznik

143 Curating as Care in Performance and Live Art: A Case Study of Lithuanian and Sámi Art, Marija Griniuk

169 Contributors

Abordar a sustentabilidade nos museus e no património: o papel das políticas públicas

A imagem apresenta 3 post-its de cor rosa, verde e amarelo com o desenho de um edifício/museu. Imagem de Ana Carvalho

O artigo “Addressing Sustainability in Portuguese Museums and Heritage: The Role of Cultural Policies” (Ana Carvalho e Clara Frayão Camacho), publicado na revista Heritage, está disponível na íntegra em: https://doi.org/10.3390/heritage6120407

Resumo:

O Grupo de Projeto Museus do Futuro (2019-2021), uma iniciativa do Ministério da Cultura português, foi criado para propor recomendações de política pública para os museus, palácios e monumentos nacionais no horizonte temporal 2030, considerando a sustentabilidade, a acessibilidade, a inovação e a relevância dos museus e do património na sociedade. Este artigo discute os resultados do projeto, nomeadamente as propostas que evidenciam uma abordagem centrada na sustentabilidade dos museus, palácios e monumentos nacionais, destacando em particular o papel da gestão de coleções, da participação e da mediação. Com base na investigação empírica realizada são discutidas recomendações concretas, destinadas tanto para os decisores políticos como para as instituições museológicas e patrimoniais. O estudo defende que as políticas públicas devem colocar a sustentabilidade no centro da sua estratégia, a fim impulsionarem e implementarem práticas de desenvolvimento sustentável no sector dos museus e do património. Além disso, num contexto de recuperação pós-pandemia e de emergência climática, é ainda mais premente que as políticas públicas apoiem os museus e as instituições patrimoniais e lhes garantam as condições e os recursos para poderem avançar de forma mais integrada, contribuindo assim para um futuro mais sustentável.

Abstract:

The Future Museums Project Group was created under the Portuguese Ministry of Culture with the mission of proposing recommendations for a 10-year public policy for museums, palaces, and monuments, considering sustainability, accessibility, and innovation issues and their relevance in society. Against this background, museums were understood as agents of change with a role to play in achieving a more sustainable future, and culture as a fundamental pillar for democracy and sustainable development. This study discusses the findings of the project, focusing on three features that highlight the approach adopted to sustainability, which included collections management, participation, and mediation. Drawn from empirical research, a series of concrete recommendations, both for policy makers and museums, are discussed. The study concludes by arguing that cultural policies must place sustainability at the core of their strategy in order to function as a framework to drive and implement sustainable development practices in museums and heritage. Furthermore, within the scope of post-pandemic recovery plans, climate emergency, and the energy crisis, it is even more pressing that cultural policies provide support for museums and heritage and ensure that they have the conditions and resources to be able to move forward in a more integrated manner, thus contributing to a sustainable future.

***

Carvalho, Ana, e Clara Frayão Camacho. 2023. “Addressing Sustainability in Portuguese Museums and Heritage: The Role of Cultural Policies.” Heritage, Special Issue Museums for Heritage Preservation and Communication—2nd Edition), 6 (12): 7742–54. ISSN: 2571-9408. https://doi.org/10.3390/heritage6120407

Coleção Estudos de Museus publica livro sobre jogos com realidade aumentada nos museus

Jogos com Realidade Aumentada nos Museus (2023) é o 24.º título da Coleção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Media Digitais, de Maria Van Zeller, apresentada à Universidade do Porto em 2022. O lançamento aconteceu a 19 de julho de 2023. A Coleção Estudos de Museus prossegue, assim, com novas edições, continuando a alargar os horizontes das investigações na área dos museus e da museologia.

Sinopse

Nesta era digital, os museus procuram nas tecnologias emergentes as soluções mais adequadas para apoiar a experiência dos visitantes. Para apoiar essa abordagem, este estudo baseia-se em métodos de investigação ao nível do design de experiências. Esta investigação foca-se na identificação das novas tendências em tecnologia que potenciem maior atenção dos visitantes aos museus. Mais concretamente, propõe-se o desenvolvimento de aplicações baseadas na localização, com realidade aumentada e jogos, para promover novas experiências em espaços museológicos. O objetivo deste estudo é o de encontrar os princípios orientadores para que museólogos e designers possam desenvolver propostas mais eficazes, na promoção do envolvimento do Museu com o público, através de soluções que potenciem o envolvimento deste com os objetos museológicos. Foi realizado um estudo online sobre a perceção do público sobre a utilização destas tecnologias nos museus baseado no Modelo de Aceitação Tecnológico (TAM) e num Modelo de Design de Experiências que incorpora as mecânicas e tipo de público a que se destinam. Esta investigação baseou-se no estudo de casos para desenvolver a teoria, pelo que os resultados são provenientes de quatro casos de estudo realizados no Museu de História Natural da Universidade do Porto e no Museu da Farmácia do Porto. Foram utilizados métodos de cocriação e realizados testes com utilizadores, com recurso a questionários e entrevistas. Os resultados alcançados nesta investigação revelaram que os jogos pervasivos têm grande potencial de atração de novos públicos aos museus. Pelo que se pretende dá um contributo nas temáticas do conhecimento do público e da experiência dos visitantes com metodologias de apoio ao processo de criação e implementação de aplicações móveis nos museus, integrando jogos pervasivos.

Sobre a autora

Maria Van Zeller (Porto, 1977) é Investigadora doutorada em Medias Digitais do INESC TEC no centro HumanISE, com foco na área da Interacção Humano-Computador (HCI) com recurso a metodologias relacionadas com a aprendizagem imersiva e design participativo. Professora convidada da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto no departamento de Informática, com responsabilidades de orientação de mestrados e júri em provas académicas e profissionais. É coordenadora de um projeto europeu na área da Literacia digital, programa Erasmus+. Fez o seu percurso académico na Universidade do Porto, é licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes e Mestrado em Multimédia na Faculdade de Engenharia, com a tese relacionada com as coleções online e redes sociais em Museus (2010). Na sua investigação de doutoramento desenvolveu um modelo para a utilização das tecnologias digitais para criar experiências imersivas em museus, em co-criação com as equipes dos museus e com recurso a atividades gamificadas. Foi responsável pelo departamento Multimédia na empresa Sistemas do Futuro – Multimédia, Gestão e Arte, de 2003 a 2022, com funções de design, gestão e coordenação de recursos humanos de projetos nacionais e internacionais. Recebeu prémios internacionais e nacionais e tem diversas participações académicas em conferências.

Índice

7 INTRODUÇÃO

7 Contexto

11 Problema, questões e objetivos da investigação

13 Enquadramento metodológico

18 Relevância

20 Estrutura

23 ESTADO DA ARTE

25 O papel dos museus na era digital

30 Aplicações móveis como guias de apoio à localização

33 Realidade aumentada e realidade virtual: relação entre o mundo físico e o digital

42 Colaboração, ludificação e criatividade

47 O design de jogos e a experiência do utilizador

61 METODOLOGIA

64 Fase 1. Análise

64 Fase 2. Desenvolvimento de proposta

66 Fase 3. Ciclos iterativos

68 Fase 4. Reflexão

69 MODELO DE ACEITAÇÃO DA TECNOLOGIA E MODELO DE DESIGN DE EXPERIÊNCIAS

71 Contextualização do estudo

73 Instrumentos de pesquisa

77 Análise de dados

99 Síntese da análise

102 Considerações

103 DESIGN, PROTOTIPAGEM E IMPLEMENTAÇÃO

107 Caso de estudo 1 – Experiência lúdica no exterior do museu

115 Caso de estudo 2 – Experiência lúdica no interior do museu

158 Caso de estudo 3 – Experiência lúdica no espaço interior e exterior do museu

174 Caso de estudo 4 – Experiência lúdica inclusiva

191 FRAMEWORK PLAY THE MUSEUM – PRINCÍPIOS PARA JOGAR O MUSEU

194 Envolvimento dos visitantes com o espaço museológico

197 Envolvimento dos visitantes com o objeto

200 Envolvimento dos visitantes com a matéria científica

201 Princípios para Jogar o Museu

203 Operacionalização da avaliação

206 Síntese

209 CONCLUSÕES

211 Resultados da investigação

219 Contribuições

220 Limitações

222 Trabalho futuro

225 Considerações finais

229 Questionário: Grau de Aceitação do uso de AR

242 Análise de dados do questionário

243 Templates dos Jogos

245 NOTAS

253 REFERÊNCIAS

261 ÍNDICE REMISSIVO

263 AGRADECIMENTOS

****

A Coleção Estudos de Museus foi criada em 2015 pela Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Ana Carvalho, Marta C. Lourenço e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Publicado novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

“Cartazes para o Museu do Homem do Nordeste”, 2013, de Jonathas de Andrade
© Aurélien Mole. Conceção da capa: Elisa Noronha

Já se encontra disponível em acesso aberto um novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares: https://doi.org/10.4000/midas.4518

Este número “Varia” (17) é coordenado por Ana Carvalho (Universidade de Évora, CIDEHUS), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora, CHAIA), Pedro Casaleiro (Universidade de Coimbra) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa, IHA).

****

MIDAS 17

Editorial
Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Macarena Cuenca-Amigo, Eloísa Pérez Santos e María Jesús Monteagudo
A satisfactory visitor experience: dimensions and contextual components of Spanish museums

Leonardo Gonçalves Ferreira e Letícia Julião
Um poeta em exposição: os públicos e a expografia do museu dedicado a Augusto dos Anjos

Fabiana Dicuonzo
The liminal museum. An investigation of the socio-educational processes starting from architecture

Irene Sánchez Izquierdo
Museos y territorio en la frontera hispano-portuguesa: patrimonios para el futuro en el noreste transmontano

Ariadna Ruiz Gómez
Los debates del concepto de “museo” del Consejo Internacional de Museos en clave luso e hispanoparlante

Notações

Henrique Couto e Maria Teresa Crespo
Retrieving history: the liquid-preserved collection of the Museu do Mar – Rei D. Carlos

Cláudia Furtado
Experimente (delicadamente)! Considerações sobre a exposição de instrumentos musicais

Entrevista

Educação patrimonial: criar e conceptualizar vínculos. Uma entrevista com Olaia Fontal
Por Elisa Noronha e Patrícia Roque Martins

Recensões críticas

Giulia Lamoni
Tudo o que eu quero. Artistas Portuguesas de 1900 a 2020 [Exposição e catálogo]

Bruna Toledo Gomes
Joshua Adair e Amy Levin, ed. – Museums, Sexuality, and Gender Activism

Revista MIDAS: chamada para a organização de números de temáticos

Foto: Ana Carvalho

A Revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta de propostas para a organização de números temáticos sobre temas originais e inovadores no âmbito da teoria da museologia e das suas práticas, a publicar em 2025.

A proposta deve incluir: título; texto de apresentação (até 2500 palavras) sobre o contexto, os objetivos e os contributos do número temático; lista das referências bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); títulos e resumos dos artigos; nota biográfica de cada autor/a (até 150 palavras) e de cada organizador/a.

As propostas devem ser enviadas até 15 de fevereiro de 2024 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre o envio, seleção e avaliação das propostas: https://journals.openedition.org/midas/178

Novo número da revista MIDAS: “Museologia: Encontros e Diálogos Ibéricos”

Capa da revista, em que em baixo se identifica uma imagem a preto e branco e que consiste numa estrada onde 5 camiões seguem carregando 5 letras que formam a palavra "museu"

“Museu”, 1999 © Luis Asín. Arquivo Mansilla + Tuñón Arquitectos. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

Foi publicado o mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, o dossier temático “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos”, coordenado por Ana Carvalho e Susana. S. Martins. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/3700

****

MIDAS 16: | “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos

Coord. de Ana Carvalho e Susana S. Martins

Editorial | Diálogos e encontros ibéricos sobre museologia.
Notas para um campo em construção

Artigos

Raquel Henriques da Silva
Memória e mitos. O touro na obra de Jorge Vieira. A exposição como campo alargado

María Bolaños
La mirada de Georges Salles

Ana Cristina Martins
A importância de estagiar em Madrid: uma nova visão sobre os museus de arqueologia em Portugal (anos 50 do séc. XX)

Filipa Coimbra
Por um “arquivo vivo”: uma abordagem decolonial à coleção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian

João Luís Fernandes
A coleção Marciano Azuaga: Gaia e Porto na segunda metade do século XIX e primeira década do século XX

Joana Miguel Almeida
Memórias e experiências para além da exposição: (re)visitar o passado no Museu do Aljube

Sara Castellano Sansón
Los museos de La Raya y sus proyectos educativos: una herramienta de diplomacia cultural

Inês Silvestre
O Centro de Arte Contemporânea e o Museu Nacional de Soares dos Reis. Análise de uma parceria institucional

Notações

Gemma Domènech i Casadevall
El impacto de la Guerra Civil española en la configuración de los museos. El caso del Museu d’Art de Girona

Diana Zárate-Zúñiga, Lourdes Prados Torreira e Francesca Romagnoli
El proyecto de investigación VEMOS: una propuesta para visibilizar a los grupos marginados en los museos arqueológicos

Ensaios

Marta Branco Guerreiro
Escrito na areia: notas para um arquivo da participação

Recensões críticas

Graça Filipe
Dóris Santos – Arte, Museus e Memória – A Imagem Marítima da Nazaré

Sara Albuquerque
Luís Ceríaco – Zoologia e Museus de História Natural em Portugal (Séculos XVIII-XIX)

Rita Salgueiro
The Perpetuation of Site-Specific Installation Artworks in Museums: Staging Contemporary Art

Helena Barranha
Visionárias [Exposição]

Ana Lúcia Luz
Topomorphias [Exposição]

Gonçalo de Amaro Carvalho
Naturaleza Observada. Arte y Patrimonio e Trabajos de Campo – Field Works [Exposições]

Workshop “Património cultural imaterial, museus e sociedade digital: políticas europeias na região mediterrânica”

Estão abertas as inscrições para o segundo workshop temático do projeto MEDHEUS – Mediterranean Cultural Heritage in EU Policies sobre “Património Cultural Imaterial, Museus e Sociedade Digital: políticas europeias na região mediterrânica”, na Universidade de Évora, em formato presencial.

Formadora: Ana Carvalho (CIDEHUS e Cátedra UNESCO em Património Imaterial – Universidade de Évora)

15 de Setembro
Módulo 1 – Património Cultural Imaterial e Museus: políticas europeias e estudos de caso na região mediterrânica, 14h-17h, Universidade de Évora

22 de Setembro
Módulo 2 – Museus e Sociedade Digital: realidades e desafios na região Mediterrânica, 14h-17h, Universidade de Évora

As inscrições estão abertas até 8 de setembro. São gratuitas mas imitadas a 15 formandos. Faça a sua inscrição através do formulário: https://forms.gle/Zme52Z1KAPdP66nx7

Para mais informações sobre o programa e os conteúdos, consulte o website do projeto MEDHEUS: https://www.medheus.uevora.pt/index.php/thematic-workshops/

Concurso aberto para bolsa de doutoramento em história e filosofia da ciência na Universidade de Évora

imagem que representa os claustros do edifício central da Universidade de Évora, antigo colégio de jesuítas

Imagem de Ana Carvalho

Está aberto concurso para uma bolsa de doutoramento na área da História e Filosofia da Ciência, no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Neste âmbito podem incluir-se estudos de investigação incidentes sobre museus e coleções.

A bolsa financia um máximo de 4 anos e tem o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ao abrigo do Protocolo de Colaboração para Financiamento do Plano Plurianual de Bolsas de Investigação para Estudantes de Doutoramento, celebrado entre a FCT e a Unidade de I&D CIDEHUS.

Prazo para envio de candidatura: 18 de setembro de 2023

Mais informação: https://www.uevora.pt/investigar/Oportunidades-de-Investigacao/concursos-bolsas-id?item=38173

Chamada de artigos para a revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

Imagem de Ana Carvalho. FCG

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para número “Varia” (não temático) a publicar em 2024. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras
– recensões críticas de livros e de exposições, até 1 500 palavras
– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos selecionados seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 31 de outubro de 2023 para: revistamidas@gmail.com