Aquivos por Autor: Ana Carvalho

Desafios do património em destaque na revista Património

Apresentação da RP n.º 5, Conversa com José Bragança de Miranda, Clara Frayão Camacho, Álvaro Domingues, com moderação de Manuel Lacerda, 27 de Outubro de 2018, Palácio da Ajuda

Temos um novo número da Revista Património – RP, o quinto (2017-2018). A revista (desde 2013) é da responsabilidade da Direção-Geral do Património Cultural, editada em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda. É anual e impressa. O lançamento do 5.º número aconteceu no Palácio da Ajuda a 27 de Setembro de 2018.

Manuel Lacerda, director da revista, no editorial, fala de alterações globais, mudança, transformação, novas prioridades e preocupações, resiliência, desenvolvimento económico e social, inovação… Tudo isto faz parte do presente e tudo isto se relaciona com a cultura e o património cultural. Daí que o caderno principal da revista tome como fio condutor esses tantos desafios. Damos particular destaque ao artigo Graça Filipe e Clara Frayão Camacho “Que Futuros Queremos dar ao(s) Museu(s)?” pela forma assertiva em que se situa o futuro dos museus na relação com os grandes temas e tendências contemporâneas: alterações demográficas, incremento da mobilidade, evolução da tecnologia, retração das políticas públicas, paradigma da sustentabilidade e da participação.

RP 5

Índice

1| Editorial, por Manuel Lacerda

Desafios do património

6| Património e turismo: de um casamento promissor a um divórcio litigioso, por Álvaro Domingues

14| Paisagens culturais: tendências, riscos e desafios, por Nuno Ribeiro Lopes

20| Recomendação sobre a paisagem histórica urbana, por Ana Tarrafa Silva, Isabel Valverde e Ana Pereira Roders

30| Arqueologia urbana em Portugal, hoje, por Jacinta Bugalhão

40| O património digital como política do comum, por José Bragança de Miranda

48| Que futuro queremos dar ao(s) museu(s)? Por Graça Filipe e Clara Frayão Camacho

60| O associativismo na construção da salvaguarda e conservação do património cultural/natural, por João Caninas e Jorge Custódio

Pensamento

72| Plataformas museológicas, coleções virtuais, monumentos em 3D, emojis renascentistas e o mundo fabuloso do património digital, por Luís Ramos Pinto

78| A estratégia para o património cultural na Europa do século XXI. Dos princípios à realidade, por Claire Giraud-Labalte

Projetos

84| O restauro da Casa de Chá da Boa Nova, por Jorge Figueira

90| A nova exposição de pintura e escultura portuguesas do Museu Nacional de Arte Antiga, por Anísio Franco, José Alberto Seabra Carvalho e Maria João Vilhena de Carvalho

96| Escola Maria Barroso: adaptação parcial do extinto Tribunal da Boa Hora, por Ana Lúcia Barbosa

106| Salvaguarda de património paisagístico da excecionalidade à representatividade tipológica de jardins, por Mário Fortes e Deolinda Folgado

122| Projeto, património arquitetónico e regulamentação contemporânea: sobre práticas de reabilitação no edificado corrente, por Nuno Valentim Lopes

Opinião

138| O futuro da cultura, o futuro do património cultural: considerações preliminares, Pier Luigi Sacco

Sociedade

144| Rota Histórica das Linhas de Torres: génese, consolidação e desafios, por Florbela Estevão

150| O cemitério romântico: cidade dos mortos, património dos vivos, por Sílvia Leite


Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital

Conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Por Ana Carvalho
“Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital” é um comentário acerca da terceira conferência do projecto Mu.SA − Museum Sector Alliance (2016-2019) realizada a 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto. O texto foi publicado no Boletim do ICOM Portugal, n.º 12, pp. 58-60].
****

A terceira conferência do projecto Mu.SAMuseum Sector Alliance (2016-2019) [1] realizou-se no passado dia 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto (UP), organizadora do evento em colaboração com a Mapa das Ideias e com o ICOM Portugal, parceiros portugueses do projecto.

Com o título +Digital Culture: Competences for the Cultural Sector, a conferência reflectiu sobre competências e desenvolvimento profissional no contexto actual (e prospectivo) que se entende ser cada vez mais desafiante, nomeadamente na relação com o mundo digital. Neste quadro, três ordens de ideias foram interpeladas; 1) que desafios são estes que nos traz o mundo digital e que estratégias podem ser desenhadas pelos museus, e pelo sector cultural em geral, para acompanhar este desenvolvimento; 2) que perfis de profissionais e competências são expectáveis; e 3) qual pode ser o papel e contributo da formação.

programa contemplou uma diversidade de contributos, repartindo-se em torno de três sessões moderadas, respectivamente, por Alice Semedo, Manuela Pinto e Paula Menino Homem da UP. Focaram-se experiências de museus, como foi o caso do Museu de Lamego (Luís Sebastian), mas também extra-museus, como a preservação digital em arquivos (Francisco Barbedo, Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) e o tema da gamificação (Ricardo Queirós, UP).

“Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation” (por Conxa Rodà), conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Não pretendendo fazer uma síntese de todas as comunicações e tópicos discutidos (os resumos e os power-points estão disponíveis no website), destaco duas que me suscitaram maior interpelação de ideias pela estreita ligação com as conclusões alcançadas no projecto Mu.SA. Esse foi o caso da comunicação de Conxa Rodà (Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation), que é actualmente responsável pela estratégia, inovação e transformação digital do Museu Nacional d’Art de Catalunya, em Barcelona. Sobre o alcance da desejável transformação digital dos museus, e de forma muito sintética: o quê?, para quem?, para quê? e como? continuam a ser perguntas fundamentais em qualquer estratégia, nomeadamente para o digital. Como notou Rodà, pressupõe investimento na formação das equipas (literacia digital) e, sobretudo, uma mudança organizacional que seja catalisadora de mudanças internas e de aceleração (novas formas de comunicação e de perfil multidireccional).

Outra comunicação que evidencio é a de Ana Alvarez (From Web Manager to Digital Curator), que a partir da sua própria trajectória profissional mostrou a evolução das tecnologias e dos desafios com que se confrontou ao longo dos últimos 26 anos. Ou seja, desde a sua primeira experiência de trabalho em 1992 no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madrid, como assistente na recepção do museu − estávamos no tempo dos CD-ROM’s, dos primeiros websites de museus, o início da digitalização de colecções… − até ao presente, momento em que Alvarez se encontra a gerir, no mesmo museu (depois de um interregno de largos anos), o website e os projectos digitais, e prepara uma nova estratégia digital (2018-2022). Daqui se destaca a evolução gradativa (e não-linear) de um profissional de museu em função da transformação do sector, e da procura, ao longo desse percurso individual, de formação especializada na área da Museologia e dos museus, mas também fora desse contexto, indo ao encontro de uma certa “customização” formativa (formal e não formal), alicerçada na identificação de necessidades.

O programa encerrou com uma mesa-redonda sobre os quatro perfis identificados durante o projecto Mu.SA (Gestor da Estratégia Digital; Curador de Colecções Digitais; Promotor de Experiências Interactivas Digitais; e Gestor de Comunidades Online). Moderada por Panagiota Polymeropoulou, da Hellenic Open University (Grécia), a mesa-redonda contou com a participação de Conxa Rodà, Luís Sebastian, Francisco Barbedo, Ana Álvarez e Ricardo Queiroz (cf. gravação em vídeo).

Esta conferência permitiu não só aferir os resultados obtidos no projecto Mu.SA, como promover uma discussão mais alargada envolvendo especialistas externos, e favorecer o debate sobre temáticas interdependentes, como ficou patente em edições anteriores: Re-designing Museums. Digital Skills for Change and Innovation (Roma, 13 Jul. 2017) e Digital Challenges for Museum Experts (Atenas, 25 Nov. 2016).

Parceiros do projecto Mu.SA, Universidade do Porto, 2018

[1] O projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus + (Sector Skills Alliance) e tem por base um consórcio de 12 parceiros de quatro países europeus (Bélgica, Grécia, Itália e Portugal), sendo coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). Tem por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC (Massive Open Online Courses) e de um curso de especialização (ambos em fase de concepção). http://www.project-musa.eu.

Curso online e gratuito “Essential Digital Skills for Museum Professionals”: inscrições abertas

“Essential Digital Skills for Museum Professionals” é um “Massive Online Open Course” (MOOC) dirigido a profissionais de museus, estudantes, voluntários e desempregados, que desejam trabalhar no sector dos museus. O objectivo do curso é potenciar as competências digitais dos participantes e possibilitar a sua aplicação no seu trabalho diário. É online e gratuito.

As inscrições estão abertas até 30 de Setembro aqui: https://tinyurl.com/yacvttjh

Este curso é uma iniciativa do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019), que tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia). 575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA. www.project-musa.eu

Mais informações sobre o curso “Essential Digital Skills for Museum Professionals” no site do ICOM Portugal: https://bit.ly/2LuQsgq

Museu do Sporting, um museu de emoções

Isabel Victor, Museu Sporting, Estádio de Alvalade, 24 de Maio de 2018. Foto de Ana Carvalho

Isabel Victor é desde Abril de 2017 directora do Museu Sporting, em Lisboa. Alia o profissionalismo com a paixão pelo trabalho em museus, o gosto por aprender, fazer e discutir, e a inquietude da curiosidade. Há pouco mais de um ano na direcção do museu, fomos até ao Estádio de Alvalade, onde está instalado o museu, para conhecer melhor o percurso de Isabel Victor, as suas motivações e as ideias que traz para o Museu Sporting e para este novo ciclo profissional. Por Ana Carvalho [1]

Entro no Museu Sporting antes da hora marcada e começo por deambular pela exposição permanente sem pressa, perscrutando essa montra incandescente e reluzente, pululante de troféus − um hino à vitória e às conquistas de um clube desportivo com história secular. A música de fundo faz jus ao tom celebratório do ambiente, que em loop insiste e persiste. Já no gabinete de Isabel Victor, é a mesma música que ainda se consegue escutar, ainda que filtrada pelos interstícios das paredes finas

Começamos a conversar. Profissional madura, não tem dúvidas em afirmar-se hoje como museóloga. Nessa perspectiva, o fio condutor tem sido, antes de mais: «um grande interesse pelas pessoas, pela busca permanente de conhecimento, um trabalho persistente e a vontade de inovação». Mas definitivamente, Isabel Victor não cresceu a pensar numa carreira em museus. Na adolescência, «os museus eram uma coisa muito distante das pessoas», admite. Sobre a aproximação aos museus, que aconteceu na década de 1980, em Setúbal, é um percurso que se foi fazendo, não há uma linearidade, mas sim uma «sucessão de acontecimentos e de escolhas, nem sempre um processo consciente». Com pragmatismo, atira: «fui-me encaminhando para aquilo que me suscitava mais curiosidade». 

Uma trajectória multifacetada: da sociologia à militância pela acção cultural

Recuamos então nesse percurso e nessa genealogia de interesses vários marcados pela curiosidade e pela descoberta do mundo. No liceu vinha da área das ciências. Tinha especial fascínio pela Física, «pela compreensão dos fenómenos», sublinha. Ao mesmo tempo, crescia-lhe o interesse pela Geografia: «como e porque se movimentam as pessoas, como se organizam as cidades, a forma de ocupar o espaço e de o viver» − eram questões que a interrogavam. Além disso, a História, «sempre de forma latente», e a Psicologia. As provas de aptidão para a entrada na universidade ainda foram na área da Geografia e da Matemática. Mas estávamos no pós 25 de Abril e as universidades estavam fechadas. Fala com emoção do serviço cívico estudantil, no qual participou: «veio mostrar um país diferente. Costumo dizer, foi o nosso Maio de 1968. Um tempo de descoberta, de liberdade e de discussão, a ideia de que podíamos mudar o curso das coisas, e mostrou-me outras possibilidades.» Na mesma época, fez o ano zero no ISCTE para a entrada na universidade, participando em seminários diversos com figuras ligadas ao jornalismo, à Geografia, à História e ao pensamento contemporâneo. «Foi um ano que não contou para nada, mas contou para tudo», sublinha. Isabel Victor tinha então 17 anos. Foi uma espécie de «rampa de lançamento», «deu-me estrutura de pensamento». É por essa altura que se tornou evidente que o curso de Sociologia no ISCTE era o caminho a perseguir, até então considerada pelo antigo regime como uma «área subversiva». «Era todo um conhecimento que se abriu. Comecei a entender que na Sociologia eu podia chegar a esse campo multidisciplinar que afinal eu tanto gostava.»

Ainda no segundo ano da licenciatura em Sociologia começou a estudar à noite e a fazer formação profissional na área da animação sócio-cultural. Este é outro traço que a caracteriza: «sempre gostei de fazer várias coisas» e, por outro lado, o desejo de «aplicação prática das coisas». Esta via profissionalizante mostrou-lhe a importância da acção cultural enquanto militância «para a liberdade, a democracia e para o desenvolvimento das pessoas», uma noção que já vinha de trás, de forma mais empírica, quando aos 15 anos, além de estudar, ajudava na organização de actividades de animação dos tempos livres nas escolas.

Foi como animadora sócio-cultural que teve o seu primeiro emprego em Setúbal no antigo polo do FAOJ (Fundo de Apoio aos Organismos Juvenis), hoje Instituto Português do Desporto e Juventude. Em 1982 termina a licenciatura em Sociologia e nesse mesmo ano entra para a Câmara Municipal de Setúbal como chefe de serviço de acção sócio-cultural. Sobre estes tempos recorda, o serviço funcionava como uma espécie de «saneamento básico da cultura, porque na altura era preciso fazer tudo».

E então, os museus e a Museologia

É com a colecção etnográfica de Michel Giacometti (1929-1990) que se aproxima de forma mais assertiva do mundo dos museus. Pela mão de Fernando António Baptista Pereira, à época conservador do Museu de Setúbal − Convento de Jesus, surge a possibilidade de Isabel Victor trabalhar com a colecção, então propriedade do município de Setúbal (antes a colecção era do INATEL), com vista à sua organização e criação de um futuro museu. Estávamos em 1987, e a colecção depositada numa ala do antigo hospital do Convento foi o início de vários processos, nomeadamente a organização de exposições itinerantes e uma diversidade de actividades, de onde se destaca o trabalho com públicos muito diversificados − «essa foi uma grande experiência», reconhece. Desse processo culminou em 1995 a instalação do Museu do Trabalho Michel Giacometti numa antiga fábrica de conservas da cidade. Nesse contexto, «procurámos criar uma relação com os Setubalenses, trabalhar a noção de pertença, abrindo o museu». E acrescenta: «trabalhámos as cidades dentro da cidade e a interculturalidade», «uma cidade com mais de 2000 anos de história, porto de mar, que sempre foi uma cidade de culturas». «Outro grande desígnio do museu foi ajudar as pessoas a viver umas com as outras para bem desse reconhecimento e diversidade, trabalhando em rede, com o território, em parceria com as associações, com os artistas…, e como costumo dizer, com os Setubalenses-caboverdianos, com os Setubalenses-moçambicanos, com os Setubalenses-angolanos… e com toda a diversidade de Setúbal.» Esteve à frente do Museu do Trabalho Michel Giacometti até 2010, até então na qualidade de chefe de divisão de museus da Câmara Municipal de Setúbal. Dessa experiência de terreno e de gestão (de equipas e de meios), destaca as equipas: «com quem aprendi muito». Do período em Setúbal, ressalta, ainda, a «consciência da importância decisiva da educação patrimonial e o papel pioneiro dos museus de Setúbal neste campo, iniciado há 30 anos pela mão de Ana Duarte».

A par com a experiência de terreno nos museus veio também a procura pelas ferramentas teóricas que melhor estruturassem as práticas. Neste balanço, esse é também um traço que lhe é característico, tal como faz gosto em realçar: «sempre gostei muito de estudar e aprender toda a vida». No campo da Museologia, isso é perceptível desde cedo, com a pós-graduação em Museologia Social da Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões (1992) e, mais tarde, com o mestrado em Museologia na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2005), com uma tese sobre as ferramentas da qualidade aplicadas em museus, tema-chave, aliás, ao longo da conversa com Isabel Victor.

Sobre pessoas e experiências que orientaram e influenciaram o seu pensamento (e acção), «revolucionando a forma de entender o papel dos museus, a pirâmide de valores, a sua relevância e papel social», Isabel Victor destaca Per-Uno Ägren (1930-2008) e a Museologia nórdica, nomeadamente o caso da Suécia, e o movimento da Nova Museologia, o ensino da Sociomuseologia, com Mário Moutinho, e a rede internacional de investigadores e museólogos, com ênfase para o Canadá, com Pierre Mayrand (1934-2011), e para o Brasil, com Mário Chagas.

Da administração local para a administração central

Entre 2010 e 2012 coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM) ao assumir o cargo de directora do Departamento de Museus do então Instituto dos Museus e da Conservação. Sobre a primeira década de existência da RPM destaca a influência política e o papel de negociação que esta teve junto dos municípios: «os museus não teriam crescido com a organização, ordenamento e qualificação que tiveram se não fosse a Rede». E mais: «a Rede empoderou os profissionais e contribuiu para a normalização». Em jeito de balanço sobre o trabalho que desenvolveu, sublinha: «candidatei-me com elevada expectativa de poder fazer uma segunda década aproveitando o alicerce, manter o fundamental, aprofundar a questão política, mas estávamos já numa década de desconstrução». No plano da formação procurou, para além da formação de perfil mais técnico «adaptar a uma outra realidade, que partia mais da reflexão sobre boas práticas com os profissionais de museus». Essa metodologia de trabalho, em parte assente na ideia de «museu visita museu», que chegou a colocar em prática, visava «criar redes interpessoais para alimentar a criatividade e a mudança». Nesse sentido, defende: «o museu é um campo multidisciplinar, é importante exercitar essa reflexão: o que fazemos, porque fazemos e a inovação que se vai gerando, que de uma maneira geral é mal conhecida». É nessa perspectiva que afirma: «o principal da Rede é trabalhar em rede», «trabalhar de forma horizontal e de baixo para cima». Sobre a sua saída da Rede não esconde que foi um processo traumático, sobretudo pelo fim de uma equipa que levou anos a constituir-se, e que “desapareceu” de um dia para o outro. Sobre esse lastro, admite: «tenho uma profunda admiração pela equipa da Rede».

Pergunto sobre a revitalização da RPM e qual pode ser o caminho. Isabel Victor aponta, desde logo, para a necessidade de cumprimento da Lei‐Quadro dos Museus Portugueses. «A lei existe, é preciso que se consolide, que funcione», e «rever a cadeia de prioridades e o modelo de rede − de piramidal para horizontal e rizomática − com várias derivações (redes regionais, redes temáticas, etc.)». Insiste igualmente na importância de uma acção baseada em diagnósticos: «conhecer os museus, os profissionais» e «apostar na negociação política». Por outro lado, o investimento «na formação e qualificação, e pensar na credenciação como o final da linha», ou seja, «implementar um sistema de qualidade em museus, a partir do qual os museus e os profissionais possam usar essas ferramentas na gestão, nos processos, na transparência, na qualificação e na formação.»

Depois da RPM, voltou à casa-mãe, à Câmara Municipal de Setúbal, onde passou a colaborar com o Museu de Setúbal − Convento de Jesus. Nesse contexto, chegou a preparar um projecto que visava a cartografia do património (numa perspectiva participada) da cidade, entendido como ante-projecto que servisse de base para um futuro museu de cidade. Sem apoio político, a ideia não foi avante. Em 2014, acabou por sair da função pública e abraçar o trabalho independente como consultora. Começava então um novo ciclo.

Um novo ciclo, o Museu Sporting

Coordenar o Museu Sporting não foi um projecto antecipado ou planeado por Isabel Victor, mas aconteceu. Houve uma primeira aproximação informal em 2016 como consultora para fazer pareceres técnicos e, em 2017, surgiu o convite para efectivamente dirigir o museu. Encara este novo ciclo como um «extraordinário desafio». 

Sobre o perfil destes museus, é peremptória: «são museus profundamente emotivos. Aqui a emoção está no topo». E sublinha: «o Museu Sporting é um museu que faz tributo a grandes atletas e a extraordinárias histórias de vida e de superação». «Se noutros museus eu já sentia que o mais importante era o edifício humano, nestes museus ainda é mais evidente». «E onde o património imaterial é uma [dimensão] fortíssima», acrescenta. O Museu Sporting «retrata a identidade e a memória do Sporting Clube de Portugal, desde a sua fundação em 1906 até aos dias de hoje», pode ler-se na sua página institucional. Sobre a missão deste museu, Isabel Victor destaca: «é sobretudo este sentido de celebração, de congregação, é um tributo constante à história, aos atletas, à superação, ao excepcional, mas também ao sacrifício, às derrotas. Tudo isso faz parte». Reconhece que «não são museus nada neutros, mas os outros também não». Um outro aspecto inerente à missão do museu é «contribuir para uma cultura desportiva, para os valores fundamentais do desporto e do respeito pelos atletas», sublinha, em clara alusão aos últimos acontecimentos da cena desportiva.

A sorte dá muito trabalho

No trabalho mais visível do Museu Sporting somam-se já duas exposições temporárias realizadas com esta nova direcção. A primeira, Leoas, Boas de Bola (2017) correspondeu a uma necessidade evidenciada pela limitada representação de género na exposição permanente. Nesse sentido, Leoas, Boas de Bola é entendida como uma exposição disruptiva. Por um lado, «as mulheres estão cada vez mais presentes, individualmente e como equipa (ex. râguebi, futebol), mas, por outro lado, «a sua representação é muito menos expressiva do que a masculina, mesmo dentro das mesmas modalidades». Como destaca a directora, esta exposição «permitiu colocar em diálogo a geração dos anos 1990, ou seja as primeiras mulheres do futebol feminino e as actuais, o que foi uma verdadeira descoberta para estas que não sabiam que tinham existido outras». 

A segunda exposição A Sorte dá Muito Trabalho (patente ao público) é evocativa de Mário Moniz Pereira, apelidado carinhosamente de Senhor Atletismo pelo seu papel nesta modalidade e cujo lema por este apregoado dá nome à exposição. Se, por um lado, como é enfatizado, «na exposição permanente a quantidade conta» − «trata-se de mais de um século de troféus» − com as exposições temporárias há um trabalho diferente a fazer: «tentamos trabalhar os objectos, mas sobretudo a memória, o imaterial, que é uma espécie de material incandescente do edifício humano, onde os objectos servem de âncora, mas a essência é a memória e o esquecimento, que é outra face da memória».

Não ignorando o papel das exposições como interfaces fundamentais com os públicos, Isabel Victor releva todo o trabalho de bastidores menos visível que foi preciso colocar em prática, e que em muitos aspectos, confessa, neste museu foi como «começar do zero». Uma das primeiras medidas foi repensar o museu com a elaboração de um plano estratégico, que nasceu de um trabalho de equipa − que faz ponto de honra em sublinhar − no início constituída por cinco pessoas − a quem apelida carinhosamente de «os cinco violinos». Foi preciso «identificar valores, missão, a cadeia de processos e procedimentos do museu. Quem é quem, o que faz e como. Trata-se de criar respeito uns pelos outros na estrutura interna». Por outro lado, é colocar em prática o lema: «o máximo de liberdade e o máximo de responsabilidade», que assume ser eixo clarividente de acção tanto na sua vida pessoal como profissional. Por essa razão considerou fundamental começar por definir um plano estratégico, integrador de princípios da gestão da qualidade, implicando horizontes temporais claros e que garanta o compromisso do museu com a tutela e a necessária autonomia, mas também, por sua vez, a responsabilização pelos resultados. Entre as prioridades deste plano estratégico (pensado até 2022, onde se inclui o plano financeiro) está a consolidação, o fortalecimento e a capacitação da equipa, que entretanto duplicou, e colocar em funcionamento várias valências, competências e áreas de saber do museu. É neste sentido que se tem investido, nomeadamente na área das reservas, na conservação e restauro, na renovação do espólio e na gestão do inventário de coleções, na investigação e na participação em redes de trabalho e cooperação com outros museus, designadamente com os museus vizinhos (ex. Museu de Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro). A reformulação pontual da exposição permanente e a melhoria das condições de acessibilidade são aspectos igualmente previstos.

Outro projecto bandeira, e de grande aposta, é o desenvolvimento de um centro de memórias, que tem filiação em experiências anteriores da museóloga. O argumento é claro: «falta dar visibilidade às histórias de vida que estão por trás dos troféus». As sessões de recolha já tiveram início tendo por base a área do atletismo e seus atletas, e o trabalho perspectiva-se de continuidade. 

Está ainda prevista a extensão do Museu Sporting (com abertura prevista para o final de 2018) com um terceiro pólo no pavilhão João Rocha, recorrendo à linguagem do digital e das novas tecnologias.

Museu Sporting

  • Criação: 2004, 2016 (remodelação). Dois pólos: Estádio José Alvalade e Leiria
  • Tutela: privada, Sporting Club de Portugal
  • Colecções: várias (etnografia, fotografia, história, traje, filatelia, numismática) 
  • Colecção total: c. 37 334 objectos; colecção em exposição: c. 4 600 objectos
  • Área total de exposição (incluindo exp. temporárias): 1 000 m2 
  • Equipa: 10 pessoas 
  • Média de visitantes em 2017: Estádio José Alvalade − 18 899, Leiria − 14 930

****

[1] Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Museus & Pessoas”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2018. “Museus & Pessoas: Isabel Victor.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 12 (Junho): 69-77.

Museu do futuro: competências digitais para a mudança e inovação em Itália

Silvaggi, Antonia, Frederica Pesce, e Romina Surace, eds. 2018. Museum of the Future: Digital Skills for Change and Innovation in Italy. Roma: Melting Pro, Mu.SA – Museum Sector Alliance. 65 páginas. ISBN: 978-88-942976-1-4, online.

Trata-se de relatório sobre a realidade museológica italiana em relação às competências digitais produzido no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (http://www.project-musa.eu), a partir das entrevistas e do focus group realizados em Itália. Com base nos resultados do mapeamento em Itália (2016-2017), o relatório organiza-se em quatro temáticas principais: 1) Widespread of digital culture; 2) Community; 3) Professions and digital skills; 4) Accessibility and security.

O projecto Mu.SA (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA
www.project-musa.eu

****

Table of contents

09| Premises

11| The context of reference

19 | The results of the Mu.SA research: the experts speak

20 | 1. Digital culture

26 | 2. Community

32 | 3. Digital professions and skills

46 | 4. Accessibility and security

53 | Postscript by Giovanna Barni

57 | List of contributions to the research

61 | Bibliography and webliography

 

Profissionais de Museus, Novas Competências? Tema em destaque no Boletim do ICOM Portugal

0 12.º número da 3.ª série do Boletim do ICOM Portugal é dedicado ao tema “Profissionais de Museus, Novas Competências” em sintonia com as propostas temáticas do Ano Europeu do Património Cultural: Heritage-related skills: better education and training for traditional and new professions [Innovation], com uma reflexão a partir dos museus.

Reflectindo sobre o trabalho e as profissões em museus num mundo em mudança, que competências são hoje necessárias e expectáveis? Podemos falar de competências ditas “tradicionais”, ainda que conscientes de que também estas estarão em constante desenvolvimento, mas também de competências que evidenciam outras necessidades resultantes de processos de mudança no campo social e das tecnologias, por exemplo. Como é que a oferta forma- tiva, formal e não formal, tem respondido a estas mudanças? Que relação entre a oferta formativa, as necessidades do sector e a empregabilidade? Que diagnóstico podemos observar? Que desafios e perspectivas se identificam? Foi com estas perguntas em mente que este número foi desenhado.

O artigo (Em Foco) de Graça Filipe, ligada à docência universitária na área da Museologia, enquadra alguns dos pontos enunciados. Como sublinha a autora, «com a evolução da oferta formativa e o investimento feito nela pelas universidades, constata-se que não só não foram definidas reais vias profissionalizantes para um delineável sector de património e museus, como não se verifica uma articulação estrutural e equilibrada entre o aumento e a especialização da formação, o mercado de trabalho e a profissionalização de novos trabalhadores especializados» (p. 13).

Na secção Perspectivas, outros tópicos são desenvolvidos por Inês Bettencourt da Câmara e por Maria Vlachou, respectivamente, ambas com experiência de terreno no âmbito da oferta formativa não formal.

Finalmente, uma entrevista com Paula Menino Homem, directora do curso de mestrado em Museologia da Universidade do Porto, na qual se reflecte, de forma alargada, sobre a oferta formativa a partir da perspectiva e do caminho trilhado por esta Universidade.

Em Museus & Pessoas é dado destaque ao perfil de Isabel Victor, actualmente na direcção do Museu Sporting.

O boletim inclui ainda, como habitual, um conjunto significativo de textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/2018/07/03/boletim-icom-portugal-serie-iii-n-o-12-jun-2018/

****
Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 12, Junho 2018
“Profissionais de Museus, Novas Competências?”

03 | Editorial, por Ana Carvalho
06 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro
09 | Breves
12 | Em Foco: Breves Reflexões sobre o Ensino e a Formação 
em Museologia, o Papel da 
Museologia no Trabalho de Museu e os Novos Profissionais de Museu, por Graça Filipe
Perspectivas
22 | Profissionais de Museus: Novas Competências? (I), por Inês Bettencourt da Câmara
25 | Profissionais de Museus: Novas Competências? (II), por Maria Vlachou
29 | Entrevista com Paula Menino Homem, por Ana Carvalho
Conferências: balanços
46 | Museologia e Arquitectura: Que Relação para o Futuro? Por Aida Rechena e Manuel Furtado Mendes
49 | Comunicar em Museus, das Ferramentas às Competências, por Susana Medina
52 | Museus Hiperconectados: O Caso das Casas-Museu, por Ana Margarida Araújo Camacho
55 | Museus Hiperconectados: Novos Desafios e Perspectivas, por Maria Miguel Lucas
58 | Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital, por Ana Carvalho
61 | Acção Cultural em Museus: O Que Significa? Por Ana Sofia Nunes
64 | Inovação nos Museus Europeus, por José Gameiro
67 | Dia Internacional dos Museus no Japão, por José Alberto Ribeiro
69 | Museus & Pessoas: Isabel Victor, por Ana Carvalho
Opinião dos Membros
78 | Em 2018, o Valor do Património Cultural para a Sociedade, por Maria da Luz Nolasco C.
Publicações
80 | Sugestões de leitura
81 | Novas edições
Agenda
85 | Conferências, encontros, debates
89 | Formação
90 | Chamada para propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Livro propõe reflexão sobre museus e inovações

Por Ana Carvalho, recensão crítica do livro:

Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm, e Viv Golding, eds. 2017. Museums and Innovations. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing. 241 páginas, ISBN: 978-1-4438-1268-9.

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

****

Como é que os museus podem ter um impacto positivo na sociedade global? Que inovações se podem identificar actualmente em museus etnográficos e de história social? Podem ou devem os museus ter um agenciamento provocador na sociedade, através de exposições e programas públicos que instiguem debates alargados que possam servir diferentes comunidades? É a partir deste enunciado que o livro propõe uma reflexão sobre as formas de pensar e trabalhar em museus, na perspectiva de encorajar práticas museológicas mais críticas e criativas, e contextos de trabalho colaborativos.

O livro tem por base uma selecção de comunicações apresentadas na conferência anual do ICME (Comité Internacional do ICOM para Museus e Colecções de Etnografia) com o mesmo título – Museums and Innovations, que decorreu em Zagreb (Croácia), entre 14 e 16 de Outubro de 2014.

Para o livro contribuiu um total de 23 autores, entre investigadores, professores e profissionais de museus a actuar em diferentes frentes (da gestão, à documentação, à curadoria, entre outras), provenientes principalmente da área da história e da antropologia, incluindo da história da arte, com especializações em museologia e património. A diversidade da cobertura geográfica dos contributos é também digna de nota: Alemanha, Irlanda do Norte, Malta, Sérvia, Croácia, Itália, Espanha, Polónia, Finlândia, Estónia, Holanda, Rússia e Bélgica, contrariando lógicas que, porventura, estamos mais habituados a observar.

Um outro aspecto relevante é a diversidade de casos apresentados: museus de diferentes tutelas, tipologias e escalas, nomeadamente museus de universidade (ex. Universidade de Gante), museus de cidade (ex. Helsínquia, Amesterdão), museus de história, museus etnográficos, museus nacionais (ex. Estonian National Museum), museus de âmbito mais regional (ex. Valencian Museum of Ethnology) ou local (ex. Lucca Museum of the Risorgimento, Bir Mula Heritage Museum, Open Air Museum “Old Village”), experiências com exposições temporárias no espaço público (Berlim), projectos fora do contexto museal (ex. Belonging Project), incluindo análises museológicas mais panorâmicas (Moscovo, Berlim), para referir apenas alguns.

Participação, inovação e transformação são palavras-chave neste livro. Relevância é outra palavra usada em vários capítulos, corroborando a premência de articulação dos museus com a sociedade contemporânea. Aborda-se a complexidade das identidades, o papel dos museus como agentes de influência nas comunidades e nos governos, e maior activismo na defesa da justiça social, ajudando a responder a necessidades e problemas societais. Outros referentes de análise incluem as histórias “difíceis” associadas ao colonialismo, e ainda o papel central da temática das migrações. Além disso, as colecções prevalecem como elementos-chave de novas abordagens e reinterpretações, mas também o compromisso de envolver os públicos já não apenas entendidos como passivos, mas com maior agenciamento.

O livro organiza-se em seis partes: 1) Explorando Identidade e Comunidade; 2) Comunicando Património e Intangibilidade; 3) Transformações; 4) Participação e Justiça Social; 5) Desenvolvendo Novas Práticas; e 6) Novas Vozes e (Re)Interpretação. Apesar da utilidade de organizar os conteúdos, por si só estes separadores são pouco operativos, uma vez que muitos dos capítulos se encaixariam em mais do que uma das secções enunciadas.

Longe de representarem práticas mainstream, muitos dos contributos incluídos no livro reafirmam e assentam em preocupações, como as que referimos acima, que parecem apontar para tendências que têm sido evidenciadas por via de um crescendo de literatura sobre museologia e museus. New Trends in Museology (2011), Nouvelles Tendances de la Muséologie (2016) são dois exemplos, entre outras obras, que perspectivam esses caminhos. A mais-valia deste livro reside na ancoragem em práticas que, com uma certa dose de experimentalismo, procuram testar e implementar alguns dos pressupostos referidos, seja por via de uma reflexão de iniciativa externa, seja pelos próprios intervenientes nestes processos. Muitos dos casos apresentados advêm também de processos de transformação induzidos pela renovação de exposições ou de reestruturações mais alargadas das próprias organizações museais. Dar nota das opções tomadas e dos princípios que guiaram estas mudanças pode ser, na nossa perspectiva, muito enriquecedor para melhor compreender as diferentes dinâmicas e ritmos que estimulam o complexo panorama museológico internacional.

Apesar de se notarem diferentes níveis de aprofundamento teórico e prático entre os 16 capítulos, no geral oferecem uma leitura cativante. Entre estes destacamos quatro capítulos por acentuarem aspectos que, em nosso entender (e assumindo desde logo a subjectividade implícita nesta escolha por conta do nosso próprio percurso), são significativos nas práticas museológicas contemporâneas. Isto é, a transformação da forma de trabalhar das organizações museais e dos profissionais de museus em prol de modelos hipoteticamente mais eficazes e que colocam em primeiro plano os visitantes e o seu envolvimento (ex. capítulo dez e 11); O Helsinki City Museum inaugurou uma nova sede em 2016. Este é também o pano de fundo em que Jari Harju, historiadora e conservadora deste museu, dá conta ao longo do capítulo dez (The Helsinki City Museum’s New Exhibition Policy), explicando o racional e a metodologia seguida para elaborar uma nova política de exposições (2014-2018). Um dos métodos utilizados consistiu num inquérito interno envolvendo os profissionais do museu (aproximadamente 100 pessoas) de todas as áreas, na tentativa de construir uma visão partilhada e estratégica para o museu.

O capítulo 11 (Participation in the Museum: Diverse Audiences and their Motivations), da autoria de Agnes Aljas, investigadora do Estonian National Museum, centra-se numa reflexão sobre as mais de 30 iniciativas de base participativa promovidas desde 2007. A autora evidencia a diversidade de práticas participativas desenvolvidas – online e off-line, destinadas a diferentes segmentos de público e a partir formatos distintos. O museu, fundado em 1909, abriu ao público em 2016 num novo edifício. Este reenquadramento permitiu repensar a relação do museu com os públicos, recorrendo às opiniões das pessoas e às suas experiências pessoais para moldar os programas públicos desenvolvidos. Neste exercício de análise, a autora explica porque algumas das iniciativas foram bem sucedidas e outras não. O que merece realce nesta proposta de reflexão é a importância de escrutínio e avaliação que estes processos experimentais exigem no sentido de poder capitalizar a experiência adquirida de modo a ajustar práticas futuras. De uma maneira geral, apesar de as práticas participativas aplicadas em contexto museológico se identificarem como abordagens oportunas e relevantes, este é ainda um campo de difícil concretização pelas organizações no sentido de uma maior partilha de funções, poder e responsabilidades (p. 147).

O capítulo 12 (Media in Contemporary Heritage Presentation: The Case of the Amsterdam Museum) coloca a tónica na aplicação de soluções multimédia nas exposições e a problematização acerca da sua eficácia. Assinado por Elef Masson (professora assistente do departamento de Media Studies da Universidade de Amesterdão), este capítulo tem como objecto de análise a “nova” exposição permanente Amesterdam DNA (2011), na qual se recorre ao tridimensional para estabelecer uma narrativa sobre a história da cidade assente na projecção de sete filmes animados. A autora problematiza o uso do multimédia, questionando se esta utilização aportou relevância. Uma maior integração das tecnologias e do universo digital afirma-se actualmente como uma tendência no campo do património e do mundo dos museus. Os argumentos são conhecidos. Têm por base a ideia de que o universo digital e tecnológico está hoje muito mais entrosado na vida das pessoas, sobretudo dos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano aplicam já novas formas de aceder à informação. Nesta perspectiva, a oportunidade reside em acompanhar estes fenómenos, conquistar os públicos mais jovens e, por outro lado, a não ficar para trás num contexto que é cada vez mais competitivo. Outros argumentos sustentam o seu contributo para ajudar a democratizar os museus ao descentrar a tónica da autoridade, tradicionalmente remetida aos especialistas, para os visitantes, criando espaço para interpretações alternativas e mais plurais de objectos e iniciativas, ou possibilitar contextos mais favoráveis para que sejam os visitantes a dirigir a sua própria aprendizagem (pp. 163-164). Apesar da benevolência deste quadro, a autora demonstra que nem sempre estes argumentos se aplicam na prática ou é evidente o modo como algumas soluções de suporte multimédia aportam contributos úteis ou relevantes no cômputo geral (p. 164). Um dos dados que a autora apresenta não deixa de surpreender. Apesar de se assistir a uma tendência para a substituição de textos de parede privilegiando apresentações multimédia interactivas, estas aplicações não tem reduzido a quantidade de informação disponibilizada ao visitante, tal como se esperaria, mas pelo contrário têm favorecido o seu aumento (p. 170). Da análise da exposição Amesterdam DNA, Masson conclui, entre outros aspectos, que as soluções multimédia trouxeram em alguns casos complicações acrescidas, em vez de levar mais longe a optimização destes recursos (p. 164). Ainda que as conclusões deste estudo de caso não possam ser extrapoladas para todas as exposições que recorrem a soluções multimédia, é relevante como lembrete de que o recurso ao universo digital e às tecnologias tem potencialidades, mas a sua aplicação não é linear, devendo implicar uma análise reflexiva caso a caso sobre os aportes específicos de cada ferramenta.

Destacamos, ainda, o capítulo seis (Engaging with Community: Intangible Cultural Heritage and Educational and Participatory Practices in Istria) por evidenciar o trabalho que os museus podem desenvolver em torno da valorização e salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI) em contexto local e com as comunidades, colocando em perspectiva alguns programas que o Istrian Ethnographic Museum’s Centre for Intangible Culture (Pikán, na Croácia) vem desenvolvendo desde 2011. Mario Buletić (conservador do museu), entre os programas promovidos pelo museu, sublinhou o impacto de iniciativas como a realização de workshops informais direccionados a um público escolar e universitário. O que é realçado nestes workshops mediados pelo museu é a possibilidade que podem ter, como espaços informais complementares aos programas educativos formais, na desconstrução de uma noção de PCI, entendida, em muitos casos, pelas instituições como cultura tradicional estritamente ligada às zonas rurais e respectivas formas de vida (p. 82); e por outro lado, estimular uma reflexão crítica sobre o que é a cultura e o património de cada um e o respeito e tolerância pela cultura de “outros”. Esta proposta apresenta-se num quadro diferenciado e, até certo ponto, de crítica aos mecanismos de inscrição de uma determinada prática cultural nas listas internacionais reconhecidas pela UNESCO cuja atracção neste país (e em muitos outros) tem suscitado grande interesse e agenciamento, sobretudo pelos actores ligados ao turismo e à política (p. 78). Enquanto alternativa às lógicas mainstream de salvaguarda do PCI ancoradas exclusivamente na inscrição de práticas culturais em listas “representativas”, este capítulo evidencia o papel dos museus e as potencialidades de trabalhar com o PCI à escala local, apostando em projectos que primem pela inclusão, educação e participação, sublinhando ainda o papel dos mediadores, enquanto elementos-chave entre as populações, pela possibilidade de fortalecerem uma ponte entre as comunidades e os profissionais de museus na elaboração de projectos participativos.

O livro esclarece sobre tópicos que são hoje matéria de questionamento no mundo dos museus, revelando diferentes dinâmicas em curso. Por essa razão, esta colectânea pode ser de grande utilidade para os que têm particular interesse na museologia contemporânea, sejam estudantes, investigadores ou profissionais de museus.

Referências:

Mairesse, François, ed. 2016. Nouvelles Tendances de la Muséologie. Paris: La Documentation française.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje, Slovenia: Museum of Recent History Celje.

****

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

Call for Papers: II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia

Encontra-se aberto call for papers para o II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt subordinado ao tema: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios (13-14 Dezembro 2018), que se realiza em Lisboa. Prazo limite do call for papers: 30 de Junho de 2018.

Apresentação

Depois do sucesso do encontro que decorreu em 18 de Novembro de 2017 no Museu Nacional de Escultura, em Valladolid, investigadores da área da Museologia são convidados participar no II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que terá lugar em Lisboa (Museu Nacional de Arte Antiga e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), nos dias 13 e 14 de Dezembro de 2018.

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que este ano se junta ao Encontro Anual do Grupo de Museum Studies (MuSt) do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, pretende estimular a partilha de projectos pessoais ou institucionais, experiências e reflexões em torno da história e dos desafios actuais da Museologia da Península Ibérica e mesmo do contexto mais alargado do mundo ibero-americano.

Chamada para comunicações

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt terá como mote: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios.

Se a relação com a sociedade está inscrita na matriz conceptual dos museus desde as suas origens – na medida em que eles são fruto dos contextos sociais, políticos, económicos e culturais em que se integram –, ao longo do século XX surgiram novos questionamentos e práticas que vieram ampliar e enquadrar conceptualmente esta dinâmica relacional. Destaquem-se as movimentações a partir da década de 1970, período em que é criado o conceito de museu integral e em que se prevê uma Museologia aberta às múltiplas realidades sociais (Mesa-Redonda de Santiago do Chile, 1972), e em que passou a estar oficialmente inserida na definição de Museu do ICOM a formulação “o museu ao serviço da sociedade e seu desenvolvimento” (Conferência Geral do ICOM em Copenhaga, 1974).

O tema proposto para este Fórum permite múltiplas abordagens temáticas e a cobertura de uma cronologia ampla. Pretende-se, então, reunir comunicações que abordem questões relacionadas com os museus e o seu papel e impacto na sociedade em diversas escalas e dimensões, conciliando abordagens de grande amplitude territorial e administrativa (e.g. de base nacional e regional), até aos microterritórios e articulando o global e o local, ao longo da história e na contemporaneidade.

Linhas de trabalho

De entre os vários tópicos passíveis de serem alvo de reflexão e debate neste encontro, incluem-se:

– Evolução e coexistência de modelos de aproximação à sociedade: o museu “clássico”, o museu “virtual”, o museu “global” – que discursos e narrativas? Que modalidades de aproximações ao público e à sociedade?

– Os contextos político-administrativos: o desenho de políticas museológicas, as estruturas organizativas e os modelos de gestão – que relação e impacto no desempenho dos museus e na participação social?

–  A arquitetura de museus e o seu impacto urbanístico e social.

– Os museus como instituições de poder e diplomacia e a importância das ações individuais ou coletivas das personalidades que gerem os organismos museológicos e patrimoniais.

– A aplicação das funções museológicas e a sua relação com os públicos.

– A relação com a tecnologia e as mudanças na mediação e perceção do património.

Estas questões devem ser abordadas não só a partir do ponto de vista das instituições museológicas mas, também, a partir da própria sociedade: que reciprocidades nestas interrelações, da sociedade para o museu?

Todos os tópicos podem ser abordados através da apresentação de casos de estudo ou de reflexões mais generalistas, no âmbito de investigações e projetos em curso.

Este Encontro pretende fazer eco de uma renovação disciplinar ativa e com interesses científicos diversos, pelo que a sua delimitação temática é bastante flexível. As diretrizes incluídas no título – teorias, contextos, histórias, experiências, desafios – aludem a campos de análise amplos e a um corpo teórico multidisciplinar que integra: a história institucional, as relações com o mercado de bens culturais, a prática museográfica, as políticas de público, interpretação de coleções, discurso cultural, arquitetura de museus, o colecionismo ou os estudos de Museologia no presente.

Destinatários

Este Fórum dirige-se a investigadores em fase de formação avançada: Mestrandos, Doutorandos e Doutorados em início da sua trajetória académica.

São convidados a contribuir com comunicações os vários membros da comunidade académica dos países ibéricos, bem como investigadores de outros países que estejam trabalhar sobre temas relacionados com a história e a realidade da Museologia portuguesa, espanhola e ibero-americana.

Submissão de propostas de comunicação

Os investigadores que pretendam apresentar uma comunicação deverão apresentar um documento pdf com indicação do título e resumo (máx. 700 palavras), assim como um curriculum vitae resumido (máx. 300 palavras). O documento deverá ser enviado até ao dia 30 de junho de 2018 para o seguinte endereço eletrónico: forum.iberico@gmail.com.

A aceitação ou não das propostas será comunicada por correio eletrónico até 15 de setembro de 2018. Após essa data, será estruturado o programa definitivo do encontro.

As propostas selecionadas serão apresentadas em forma de comunicação, que não excederá os 15 minutos. Será disponibilizado o seguinte equipamento de apoio às apresentações: computador, projetor, microfone.

As línguas de trabalho serão o português e o espanhol.

Comissão Científica

Portugal
Raquel Henriques da Silva (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Joana Baião (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Lúcia Almeida Matos (IHA; Universidade do Porto)
José Alberto Ribeiro (ICOM-Portugal)
Clara Frayão Camacho (DGPC; IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)

 Espanha
Javier Arnaldo (Universidad Complutense de Madrid)
María Bolaños (Museo Nacional de Escultura)
Jesús Pedro Lorente (Universidad de Zaragoza)
Luis Grau Lobo (ICOM-España)

Comissão Executiva
Joana Baião (IHA, FCSH-UNL)
Ana Paula Louro (IHA, FCSH-UNL)
Ana Gil (Museo Nacional de Escultura)

Organização
Instituto de História da Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Apoios
ICOM PORTUGAL
DGPC/Ano Europeu do Património Cultural
Museu Nacional de Arte Antiga

Descarregue:

Call for Papers: Cultural Mapping: Linking Heritage (Tangible and Intangible)

Encontra-se aberto call for papers para o congresso internacional Cultural Mapping: Linking Heritage (Tangible and Intangible) and Creative Tourism (29-30 Novembro 2018), que se realiza na Universidade de Évora. Prazo limite do call for papers: 15 de Julho de 2018.

Website do congresso: https://ichculturalmapping.weebly.com

Sobre o congresso:

The need to identify and inventory cultural heritage accompanies the notion and evolution of cultural heritage itself. In 2003, the UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage recognized also the need of giving awareness to a living heritage, in constant modification, which is part of the identity of groups and communities and is transmitted from generation to generation. Significant emphasis is put on the importance of identifying intangible heritage through collaborative practices involving the communities. One of the most visible impacts has been the launch of several “participative” processes of mapping intangible heritage in the last ten years. There are no fixed formulas or ready-made solutions, and the process of mapping intangible heritage is taking many different ways and formats, from official lists to national registrars, to geographic and thematic inventories, databases, PDF format, websites, etc. They also vary in terms of contents depth and the level of involvement of communities in such collaborative processes.

Cultural mapping has been identified, included by UNESCO, as a significant tool to grasp the intangible and cultural diversity at large. Also known as cultural resource mapping, can be understood more than a research technique or tool to map tangible and intangible cultural assets, landscapes and peoples in territories. It has the power to promote the debate on spaces and places. It can be used to draw attention to significant resources and point out rising issues and possible engaging solutions that involve local communities though participatory, co-creation approaches. As a policy making tool, cultural mapping contents can be used to enhance place profiles and regeneration of cultural quarters and heritage sites. As an output, it can also become a tool which leads to new tourism development approaches, such as creative tourism.

The congress aims to provide a better understanding of how cultural mapping can propose actions that enhance the awareness of cultural identities, debate its implications for local development, community engagement and policymaking, including sustainable and creative tourism practices, and foster debate over its long-term results.

The congress will be structured in two days. One is dedicated to the challenges of mapping ICH through conventional and alternative approaches. Besides a better dissemination of information resources available through databases online about intangible heritage: what is their impact? Who is using them, how, and for what purposes? Are they an end in itself or are they catalysing other initiatives? The second day is dedicated to the use of cultural mapping in tourism planning. The aim is to discuss the present state of the art of cultural mapping and its role in tourism development and heritage management practices. ​

The Congress is organised by CIDEHUS – Interdisciplinary Centre for History, Culture and Societies and the UNESCO Chair “Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora in collaboration with the Centre for Social Studies (University of Coimbra) within the framework of the project “CREATOUR – Creative Tourism Destination Development in Small Cities and Rural Areas Research Project”. The Congress also endorses the European Year of Cultural Heritage 2018, and the goals of the UN’s 2030 Agenda for Sustainable Development.

Call for Papers

All interested academics, researchers, PhD students and practitioners are invited to submit proposals (papers or posters) in Portuguese or English. Two main approaches are preferably suggested:

– Mapping intangible heritage on the web. We welcome proposals that explore the theoretical and methodological approaches, emphasising issues and challenges faced, including community engagement and the impact of such projects in policymaking and society.

– Using cultural mapping in tourism planning. We welcome proposals that explore the following topics:
•    Cultural mapping in the framework of UN’s 2030 Agenda for Sustainable Development
•    Participative cultural mapping approaches
•    Intangible and emotional mapping
•    Cultural mapping in rural areas
•    Augmented reality and mapping
•    Qualitative GIS

Guidelines for submissions

Deadline: 30th of June 2018
Information required for submissions:

  • Name
  • Email address
  • Place of employment/study
  • Brief resume of no more than 150 words (biographical notice, main publications or achievements)
  • Type of proposal: Paper/Poster. Papers are standard 20-minutes presentations. Posters (max. 1,70 m high and 0,70 cm large) will be on display for two days during the congress. Poster sessions will be scheduled according to 5-minute presentations per poster
  • Title of your paper/poster
  • Abstract of no more than 500 words (for papers and posters). Abstracts should present the topic or main argument and demonstrate scientific quality through references to a theoretical framework, the methodologies, and outline main contributions to knowledge. A list of bibliographic references (no more than 15) should also be added. The instructions from Emerald for writing a structured abstract can be useful: https://pdfs.semanticscholar.org/194f/91e45c1784f379c91788a748459157e57304.pdf

For submissions please write to: cultural.mapping@uevora.pt

Publication
A Book of abstracts will be produced. Additionally, all authors are invited to submit full papers by revising their presentations following conference discussions. Full papers will be selected based in a rigorous peer review process to be included in a publication planned for 2019.

For more information see the congress website, here.

9.º número da revista MIDAS online

Imagem da capa: “Panorama” (2001) de Carla Zaccagnini. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos, 3 artigos breves e 4 recensões críticas de livros. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1319

****

MIDAS 09 – Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Ana Rita Costa
Análise da utilização de coleções digitais: o caso do Museu Nacional de Machado de Castro

Simão Mateus e Cristiana Vieira
Life canvas: biological illustration as biographical evidence of illustrators’ and researchers’ careers

Ana Mehnert Pascoal
Breve reflexão sobre o património artístico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Olaia Fontal Merillas, Inmaculada Sánchez-Macías e Jesús Cepeda Ortega
Personas y patrimonios: análisis del contenido de textos que abordan los vínculos identitarios

Notações

Conceição Serôdio
Contributos para uma gestão integrada dos acervos nos museus portugueses

Joana d’Oliva Monteiro e Emília Ferreira
Dicionário biográfico de museólogos: contributos para a história dos museus e da museologia portuguesa

Ana Carvalho, Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro
Competências para a transformação digital nos museus: o projecto Mu.Sa 

Recensões críticas

Cesar Agenor Fernandes da Silva
Rodrigo Christofoletti, org. – Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power

Inês Lourenço
Ana Carvalho– Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos

Joana d’Oliva Monteiro
Duarte Manuel Freitas –Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965)

Ana Carvalho
Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm e Viv Golding, eds. – Museums and Innovations

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada, em 2011, por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

(Museu José Malhoa, 2016, foto de Ana Carvalho)

Artigo de opinião publicado no jornal Público (18 de Maio de 2018), de Ana Carvalho (Universidade de Évora) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa). Transcreve-se:

****

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional, mas não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Face ao vazio de respostas do actual Governo, faz sentido perguntar: onde estão os princípios, os compromissos e os actos? Para onde caminhamos, afinal?

18 de Maio de 2018

Os museus estão em festa neste fim-de-semana, proporcionando programas diversificados a todos os tipos de visitantes. Fazem das tripas corações imaginosos porque estes dias celebratórios esgotam as equipas que, quase todas, vivem à beira do ataque de nervos. Há muitas razões para isso mas, em hierarquia esquemática, o primeiro lugar pertence à carência de recursos humanos. Este é um problema que se inscreve no caos que caracteriza a função pública portuguesa, sendo particularmente grave no caso dos 23 museus, palácios e monumentos que estão sob a tutela da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Em 2015, um estudo realizado pela própria DGPC permite verificar o envelhecimento das equipas: 58% do pessoal tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre os 25 e os 34 anos. Além disso, é expectável que 120 se aposentem até 2020. Além de poucos, os mais novos técnicos superiores dos museus (conservadores, museólogos, educadores, restauradores, comunicadores, gestores) não entraram nas suas equipas por concursos externos porque, nesta área, os últimos concursos foram realizados pelo então Instituto Português de Museus antes do final do século XX, há cerca de 20 anos! Depois disso, o pessoal dos museus nacionais circula, sendo que, para a maioria, o início desse rodopiar tem origem nas autarquias, única porta ainda semiaberta para se entrar na função pública. Depois transita-se da gestão autárquica para a administração central e entre os vários serviços desta. Ao contrário de professores, médicos e enfermeiros, há pelo menos duas gerações de gente com excelente formação que se preparou para trabalhar nesta área e a quem são feitos acenos convidativos, seguidos de envergonhados despejos. Os de fora, “sem vínculo”, chegam para os primeiros estágios, ainda durante as licenciaturas; apaixonam-se por uma profissão que lhes parece de sonho; os melhores e mais determinados voltam depois para fazerem dissertações de mestrado, prepararem doutoramentos, desenvolverem projectos de investigação, ou a custo zero, ou com pagamentos raquíticos por tarefa, ou, maioritariamente, como bolseiros de doutoramento e pós-doutoramento.

As equipas residentes, em primeiro lugar os directores, apostam neles, ensinam-lhes o que sabem, aprendem com eles e, desesperadamente, vêem-nos partir quando a bolsa termina ou a tarefa não é renovada. Vêm outros, iniciando a mesma via-sacra que dura há décadas e não pára de crescer. Não há racionalidade, não há continuidade, não há rentabilidade. Há sim a imensa responsabilidade de todos os governos de não deixar profissionalizar gerações sucessivas. É razão para perguntar, que presente angustiante é este, que futuro estamos a imaginar?

Quase dois anos depois da entrada em funções deste Governo, não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional e o incremento do turismo tem trazido mais visitantes para os museus, gerando mais receitas. No ano de 2017, os museus, palácios e monumentos sob a tutela da DGPC tiveram um total de 5.060.780 visitantes, o que significa um crescimento de 8% relativamente a 2016. Mais, atendendo aos últimos seis anos (2012-2017), o crescimento é de 60%. Estes dados foram recolhidos no PÚBLICO (12 de Janeiro de 2018) porque as estatísticas oficiais, divulgadas no site da DGPC, apenas estão disponíveis até ao ano de 2016, o que, só por si, dá a ver as inaceitáveis falhas de comunicação que permanecem, metáfora, entre tantas outras, das incapacidades herdadas e cultivadas deste serviço do Estado.

Numa perspectiva externa, estas estatísticas podem alegrar políticos e gerar uma percepção de “desenvolvimento” positivo dos museus. Mas aqueles auspiciosos números não se traduzem em medidas efectivas que combatam as carências do sector, permitindo o seu desenvolvimento real. No entanto, significam um exponencial acréscimo de receitas, sobretudo de bilheteira, antes inimaginável. O dinheiro vivo que todos os dias pinga abundantemente nas caixas dos principais monumentos e de alguns museus transita integralmente, como se sabe, para a administração central, o que os mantém numa opressiva e vergonhosa indigência. Falámos das carências de meios humanos, mas outra dimensão do problema, certamente a montante desta, é a ausência de autonomia de gestão dos museus e monumentos, mas também da sua tutela que alimenta os cofres do Estado (de Centeno?) sem retorno minimamente adequado.

Esta situação esquizofrénica está identificada no programa do actual Governo que, entre as medidas para o sector, prevê a flexibilização dos seus modelos de gestão e que pelo menos alguns deles possam beneficiar de maior autonomia de gestão. No entanto, no recente comunicado do ICOM Portugal, no seguimento de uma audiência com o ministro da Cultura (cf. http://icom-portugal.org/2018/04/18/comunicado-icom-dia-internacional-de-monumentos-e-sitios/), esta questão é remetida para o vazio. O ministro fala de “maior autonomia na gestão científica e cultural”, o que é no mínimo estapafúrdio. É mesmo o que resta aos museus e que nunca poderá ser objecto de decisão ministerial: a sua autonomia “científica e cultural”. Mas para a cumprir, os museus, palácios e monumentos precisam que, segundo célebre enunciado, os deixem trabalhar. O que se pretende apenas é que garantam, a estes serviços, os meios mínimos, em pessoal e orçamento, que um Estado democrático tem o indeclinável dever de garantir, acrescidos, em cada um deles, com uma percentagem expressiva das suas receitas.

Um terceiro eixo de urgência de mudança foi também identificado no programa do actual Governo: a revitalização da Rede Portuguesa de Museus (RPM). Criada por Manuel Maria Carrilho em 2000, como estrutura de projecto no primeiro governo de António Guterres, a RPM é um sistema organizado de museus credenciados (149 museus), instrumento fundamental para a execução da política museológica de acordo com a Lei-Quadro dos Museus Portugueses (2004), apostado na qualificação dos museus de acordo com critérios de qualidade.

Em 2011, a RPM foi barbaramente desmantelada, vítima de não políticas, reduzidas a práticas administrativas de aplicação de cortes cegos. A RPM não desapareceu, embora se tenha tornado nos últimos anos praticamente invisível e com resultados meramente residuais. Também a esta questão o ministro responde nada, ignorando quanto, com poucos meios (a concretizar na reposição do programa ProMuseus), seria possível retomar uma política de partilha e de reforço, capaz de potenciar o trabalho excepcional que alguns municípios têm implementado neste sector, embora sujeitos a excessivas oscilações dependentes de baixas políticas. A verdade é que, para requalificar o interior de Portugal, não basta combater incêndios e implementar eventuais indústrias. A cultura, nomeadamente a que os museus movimentam, é, cada vez mais, uma das instâncias mais férteis, democráticas e prospectivas de construção de um futuro que potencie as heranças como suporte de vida mais justa e mais democrática.

Os tópicos aqui referidos são breves marcações que cabem num artigo de jornal. Entre as depauperadas equipas dos museus, há gente de qualidade superior que trabalha a ritmos inimagináveis, só como a gente apaixonada da cultura consegue trabalhar, entre o vício, a convicção e a inevitabilidade. Habituados a lidar com a História e a confrontá-la com exigentes convicções do presente, sabemos que os ministros passam, os governos também e que os patrimónios que conservamos, estudamos e pomos à disposição de todos, ficarão.

Mas esta certeza não basta. Em Dia Internacional dos Museus, exigimos que o Governo assuma que o seu programa para os museus está mesmo no caixote do lixo. Quais são então os princípios, os compromissos e os actos?

Ana Carvalho, Investigadora de pós-doutoramento do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora

Raquel Henriques da Silva, Coordenadora do Mestrado em Museologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa

****

O artigo está disponível aqui: https://www.publico.pt/2018/05/18/culturaipsilon/opiniao/18-de-maio-dia-internacional-dos-museus-o-dever-da-indignacao-1830159

Caixas de tesouros. Congresso Internacional sobre o museu ecléctico

Acontece nos próximos dias 24 e 25 de Maio de 2018 o congresso internacional sobre o museu eclético. Terá lugar no Museu Nacional de Soares dos Reis.

Em 2018, passando 170 anos sobre a morte de João Allen, é necessário estabelecer relações com instituições congéneres coevas internacionais, inserindo assim este capítulo da história dos museus portugueses numa perspectiva comparativa.
Neste contexto, em 24 e 25 de Maio de 2018, será realizado no Porto um Congresso Internacional que pretende tomar o pulso de estudos sobre instituições museais, desde o conceito de museu do século XVIII, até às instituições contemporâneas do Museu Allen, considerando um arco cronológico que vai de Setecentos até meados de Oitocentos, a época
por excelência do museu ecléctico.
O Porto foi o grande centro de cultura artística e museal português das primeiras décadas de Oitocentos. Nesse espaço, distingue-se a figura incontornável do cidadão português de origem britânica, João Allen (Viana do Minho, 1 de Maio de 1781-Porto, 19 de Maio de 1848). Homem de educação cosmopolita, viajante infatigável e coleccionador de espírito enciclopedista ou eclético, João Allen abrirá no Porto o Museu Allen, em 1836, o primeiro museu português dotado de edifício criado de raiz, pelas mãos de um particular, para albergar as suas colecções e patenteá-las ao público.

Inscrições, programa e mais informações em: https://caixasdetesouroscongresso2018.weebly.com