Arquivo da Categoria: Art

BI Amadeo de Souza-Cardoso

amadeo-souza-cardoso-pintura-desdobramento-interseccao.jpg

Amadeo de Souza-Cardoso
Pintura (Desdobramento-Intersecção).1914.
Óleo sobre cartão. 33 x 23 cm
Copyright © 2003 The Berardo Collection & do Artista
All Rights Reserved

Amadeo de Souza-Cardoso (n. 1887, m. 1918)

Amadeo de Souza-Cardoso nasceu em Manhufe (Amarante), e faleceu em Espinho.

Em 1906 partiu para Paris onde começou a trabalhar com desenhador e caricaturista. Conheceu Modigliani, Brancusi, Juan Gris, Max Jacob, Sónia e Robert Delaunay, entre outros.

Em 1913 participou na famosa exposição Armory Show em Nova Iorque e expôs igualmente na Galeria Der Sturm de Berlim. Regressou a Portugal quando eclodiu a primeira guerra mundial.

Entre 1915 e 16, conviveu com Sónia e Robert Delaunay que vieram viver para Portugal no período da guerra (Vila do Conde), e foi por essa altura também que entrou em contacto com Almada Negreiros e o grupo Orfeu. Em 1915 e 1916 expôs em Lisboa e Porto, causando um enorme escândalo..

A sua obra, do cubismo ao dadaísmo, futurismo, abstracção e expressionismo, foi um campo de experimentação para a compreensão das diferentes correntes. Num período de tempo muito breve, Amadeo foi o autor das propostas mais sérias que a arte moderna apresentou em Portugal.

In Colecção Berardo – Arte Moderna

Para saber mais sobre a biografia e obra de Amadeo de Souza-Cardoso, veja no site do CAMJAP

Carlos Bunga ganha prémio em Espanha

carlos-bunga-2005.jpg

Carlos Bunga, artista português, actualmente a viver em Nova Iorque, ganhou a 3ª edição do Premio de Pintura Internacional Diputación de Castellón. A este prémio terão concorrido 941 artistas de 55 países.

A obra sem título de Bunga distinguida pelo júri é uma instalação «site-specific» com 2,50×3,50 metros, onde foi utilizado cartão prensado, fita adesiva e pintura. O valor do prémio foi de 60.000 euros.

Segundo o júri do prémio, a obra de Carlos Bunga:

explora los límites del soporte y el espacio pictórico de una manera concisa, directa y elegante. En el trabajo de Carlos Bunga la pintura es un lugar donde el color, la materia (a veces pobre y efímera), el espacio, la acción y la arquitectura se encuentran, lo cual ha parecido a la mayoría de los miembros del jurado como algo perfectamente apropiado para un premio dedicado al concepto de pintura expandida.”

Um dos objectivos da criação do Premio Diputación Castellón é trazer a Castellón e a Espanha o que de mais inovador e actual da pintura contemporânea nacional e internacional.

Uma exposição com os 22 artistas seleccionados e o vencedor estará patente até 21 de Janeiro no Museo de Bellas Artes de Castellón e posteriormente em Madrid, entre Fevereiro e Março de 2007 na Fundacion Astroc.

Para saber mais:
http://www.dipcas.es
http://www.e-flux.com

Um artista em ascensão, que parece ser mais reconhecido lá fora do que em Portugal. A acompanhar…

Fundação Gulbenkian adquiriu pintura desaparecida de Amadeo Souza-Cardoso

“Avant la corrida” (1912) de Amadeo Souza-Cardoso

“Avant la corrida” (1912) de Amadeo Souza-Cardoso
Also exhibited in Chicago and Boston
Purchased from the “Armory Show” by Robert W. Chanler
Image from the original catalogue for the 1913 Armory Show
The Art Institute of Chicago,March 24-April 16, 1913 (ill. 16).

“Avant la corrida” é uma obra do pintor Amadeo Souza-Cardoso (1887-1918) da qual não se sabia o paradeiro desde 1913, altura em que foi exposta e vendida numa exposição realizada em Nova Iorque. A exposição, “International Exhibition of Modern Art” realizou-se no arsenal (“armory”) desocupado do 69º Regimento de Infantaria e ficou conhecida como “Armory Show”.

Para Helena de Freitas, comissária da exposição “Amadeo de Souza-Carsozo – Diálogo de Vanguardas”, “trata-se de uma obra magnífica, na linha do cubismo elegante e caligráfico do artista, que teve muito êxito no Armory Show, quando esteve exposta”.

Já há algum tempo que se procurava localizar esta obra. Através da publicação de um anúncio no site do Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão foi possível reencontrar a obra. Encontrava-se na posse de um coleccionador americano.

“A história, aliás, é muito curiosa”, conta a comissária. “O proprietário desconhecia o autor da pintura, mas a sua qualidade despertou a atenção de uma historiadora sua amiga, que através da assinatura, chegou ao site, onde se deparou com a fotografia da obra desaparecida”.

Esta obra foi adquirida pela Fundação Gulbenkian e submetida a um cuidadoso restauro. Depois de 93 anos sem ser exposta publicamente, integra a actual exposição sobre Souza-Cardoso n0 edifício sede da Gulbenkian, piso 0 e 1.

Fonte: Newsletrer Fundação Gulbenkian, Nov./Dez. 2006

Auto-retratos de Rembrandt

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=VKc-EDHwGN8]

Este video dá-nos a conhecer alguns dos muitos auto-retratos que Rembrandt pintou e desenhou ao longo da sua vida. Segundo consta, Rembrandt pintou mais auto-retratos do que qualquer outro artista da sua época.
A música de fundo é de Vivaldi.

Rembrandt Hermans van Rijn (1606-1669) nasceu em Leiden e destacou-se como pintor e gravador. Ficou na história como um dos pintores holandeses mais famosos do séc. XVII.

"A Ronda da Noite" de Rembrandt



The Company of Frans Banning Cocq and Willem van Ruytenburch, conhecida como ‘Night Watch’
1642
Rembrandt Harmensz. van Rijn
Oil on canvas
363 x 437 cm

A propósito da leitura de “A Ronda da Noite”, o livro mais recente de Agustina Bessa Luís, dedicamos um post sobre a pintura com o mesmo nome. O livro tem na capa a reprodução da pintura de Rembrandt e ao longo da história a pintura tem lugar cativo.

Esta pintura foi realizada para a companhia dos arcabuzeiros, destinada à grande sala do quartel da Guarda Civil. O protagonista da cena – em primeiro plano, vestido de preto – é Frans Banning Cocq (1605-1655), personagem muito conhecida em Amesterdão, a quem foi concedida a honra de comandar uma campanha da Guarda Civil, retratada no quadro.

Vêem-se retratadas 28 personagens, para além das três crianças e de um cão. Reconhece-se a identidade de 18 personagens, enquanto, por outro lado, as figuras refulgentes das meninas em dourado são bastante enigmáticas.

Os contrastes muito fortes de luzes e sombras conferem ao conjunto um carácter extremamente dinâmico, realçado pelo movimento inerente à composição, na qual existe uma série de eixos diagonais.


Fonte: Museu de Rijks, colecção Museus do Mundo

Museu de Rijks, Amesterdão – Holanda

[slideshow 288230376152062334]

O Museu de Rijks é considerado um dos mais importantes do mundo. Reúne a colecção mais significativa dos Países Baixos.

Uma das atracções principais deste museu é a pintura holandesa do séc. XVII, representada por artistas como Rembrandt, Johannes Vermeer, entre muitos outros.

É neste museu que se encontra a tão conhecida obra “A Ronda da Noite” de Rembrandt Harmensz. van Rijn.

Uma visita é obrigatória!

O sorriso de Mona Lisa…

O sorriso enigmático da Mona Lisa não pára de nos supreender…

Um grupo de investigadores utilizou uma recente tecnologia que permitiu identificar um véu por cima do vestido, até aqui oculto sob uma camada de verniz. Segundo consta, este véu transparente seria tipicamente usado em Itália no início do séc. XVI por mulheres grávidas ou que acabavam de dar à luz.

Links para artigos: