Arquivo da Categoria: Caderno de campo

Alissandra Cummins no encerramento do colóquio "Os Museus e a República"

Sessão de abertura do colóquio, 19 Maio 2010

Maria Bolaños, 19 Maio 2010

Alissandra Cummins, 20 Maio 2010

Nos dias 19 e 20 de Maio realizou-se no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) o colóquio “Os Museus e a República”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

O encontro pontuou pela qualidade dos conferencistas convidados, reunindo de forma bastante concertada investigadores, alguns, porventura, mais conhecidos da comunidade museológica portuguesa a par com outros investigadores com projectos de doutoramento em curso ou recentemente terminados. O colóquio organizou-se em torno de quatro painéis de comunicações, que no cômputo geral permitiram diversas aproximações à história dos museus na República (museus de arte e arqueologia, ciências, literatura). O programa do colóquio contemplava inicialmente um enquadramento mais internacional, com contribuições de Espanha, França e Grã-Bretanha, mas esse objectivo acabou por não ser alcançado, já que Dominique Poulot e Helen Rees Leahy não estiveram presentes. Todavia, sublinhe-se a participação de Maria Bolaños, sobejamente conhecida entre nós através de publicações como a “Historia de los museos en España” (Trea, 1997), “La memoria del mundo: Cien años de museologia 1900-2000” (Trea, 2002), entre outros.

Alissandra Cummins, Presidente do Conselho Internacional de Museus (ICOM), esteve presente no colóquio para o encerramento dos trabalhos, aproveitando para sublinhar a importância do tema escolhido este ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus, a harmonia social. A Presidente do ICOM esteve em Portugal esta semana a convite da Federação de Amigos dos Museus de Portugal.

A publicação dos textos apresentados e as conclusões deste colóquio serão certamente um contributo importante para a museologia, iniciativa que o IMC pretende levar a cabo a breve trecho, tal como foi referido no final deste encontro pelo seu director, João Carlos Brigola.

Thomas Söderqvist no Museu da Ciência da Universidade de Lisboa

Thomas Söderqvist, 10 Maio 2010
Anfiteatro Manuel Valadares
©Ana Carvalho

Uma nota especial para sublinhar a presença de Thomas Söderqvist (University of Copenhagen), em Lisboa (10/05/2010), para um seminário no Museu da Ciência da Universidade de Lisboa. O título do seminário era o seguinte: “Cultures of Meaning and Cultures of Presence: The use of material objects in the history of science, medicine and technology”. Este tema, apelativo para todos os que trabalham no âmbito da História e Filosofia da Ciência, captou também a atenção de historiadores, conservadores-restauradores, arquitectos, investigadores e estudantes, que marcaram presença neste seminário. Söderqvist apresentou uma interessante perspectiva sobre os objectos museológicos, chamando a atenção que para além de traduzir significados, os objectos podem ter outras leituras que não impliquem apenas a atribuição de funções, contextos, etc. Ou seja, advogou a importância de olhar os objectos no imediato das sensações que possam provocar, nomeadamente a interacção física que se estabelece entre os objectos e as pessoas.

Thomas Söderqvist é Historiador da Medicina, Professor da Universidade de Copenhaga e Director do Medical Museion de Copenhaga. É membro de comissões consultivas e consultor de inúmeros projectos europeus associados ao património e museus da medicina, museus universitários.

Algumas publicações:

Söderqvist, T. and Stillwell, C. The historiography of immunology is still in its infancy, Journal of the History of Biology, vol. 32: 205-215, 1999.

Söderqvist, T. and Silverstein A.M. Participation in scientific meetings: A new prosopographical approach to the disciplinary history of science: the case of immunology 1951-1972, pp. 101-31 in: E. Scanlen, R. Hill and K. Junker (eds.), Communicating science. London and New York: Routledge, 1999.

Söderqvist, T. Immunology à la Plutarch: Biographies of immunologists as an ethical genre, pp.287-301 in: A. M. Moulin and A. Cambrosio (eds.), Singular selves: Historical issues and contemporary debates in immunology. Paris: Elsevier, 2001.

Söderqvist, T. The life and work of Niels Kaj Jerne as a source of ethical reflection, Scandinavian Journal of Immunology, vol.55: 539-45, 2002.

Söderqvist, T., Neurobiographies: Writing lives in the history of neurology and the neurosciences, Journal of the History of the Neurosciences, vol.11: 38-48, 2002

Söderqvist, T. Wissenschaftsgeschichte á la Plutarch: Biographie über Wissenschaftler als tugendethische Gattung, pp 287-325 in: H. E. Bödeker (ed.), Biographie schreiben. Göttingen: Wallstein Verlag, 2003.

Söderqvist, T. Science as Autobiography: The Troubled Life of Niels Jerne. New Haven: Yale University Press, 2003. xxv+385 pp. (Japanese translation: Tokyo Igaku Shoin, 2008. xliv+444 pp.

Söderqvist, T. What is the use of writing lives of recent scientists? pp. 99-127 in: R. E. Doel and T. Söderqvist (eds.),The Historiography of Contemporary Science, Technology, and Medicine: Writing Recent Science. London: Routledge, 2006.

Söderqvist, T. No genre of history fell under more odium than that of biography: the delicate relations between twentieth century scientific biography and historiography of science, in: T. Söderqvist (ed.): The History and Poetics of Scientific Biography. Aldershot: Ashgate, 2007.

Söderqvist, T. Plutarchian versus Socratic scientific biography, pp. 159-162 in: J. Renn and K. Gavroglu (eds.), Positioning the History of Science, Berlin: Springer, 2007.

Söderqvist, T. and Bencard, A. Making sense or sensing the made? Research into presence.production in museums of science, technology and medicine, pp.161-173 in: S. Lindqvist et al. (eds.), Research and Museums, Stockholm: Nationalmuseum, 2008.

Söderqvist, T., Stillwell, C, and Jackson, M. Immunology, [25 pp] in: J. V. Pickstone and P. Bowler (eds.), Cambridge Encyclopaedia for the History of Science, vol.6: Biological and Biomedical Sciences, Cambridge: Cambridge University Press (in press, 2009).

Söderqvist, T., Bencard, A and Mordhorst, C. Between meaning culture and presence effects: contemporary biomedical objects as challenge to museums, Studies in History and Philosophy of Science (in press, 2009)

Fonte: Marta Lorenço MCUL

Sobre as VIII Jornadas do ICOM

VIII Jornadas do ICOM
Padrão dos Descobrimentos, 29 Março 2010
©Ana Carvalho

No passado dia 29 de Março teve lugar mais uma edição das jornadas do ICOM, que foi de encontro ao tema escolhido pelo ICOM internacional “Museus e Harmonia Social”. Este tema, suficientemente abrangente, levou os conferencistas convidados a partilhar com a assistência a sua reflexão a partir de experiências concretas, algumas perspectivadas de dentro, outras de fora (Museu da Casa Grande de Freixo de Numão, Museu da Luz, Museu de Mértola, Museu de Mação, Museu do Papel Moeda Fundação Dr. António Cupertino de Almeida, etc.). De algum modo, permanece no cerne da questão a relação dos museus com as comunidades, os desafios, mas também os limites e fronteiras da função social. A importância do trabalho em rede e o desenvolvimento local e territorial foi de certa maneira transversal nesta discussão, ainda que com diferentes nuances.

Entre as comunicações apresentadas, não poderíamos deixar de sublinhar a intervenção de Hugues de Varine, que nos desafiou a pensar e a reflectir sobre as possibilidades de intervenção dos museus, apresentando-nos diferentes experiências museológicas de várias partes do mundo (Canadá, China, Itália, Brasil, França, Portugal, etc.) e que demonstram que, efectivamente, o caminho que um museu deve seguir deverá ser em estreita ligação com cada território e em função das suas necessidades. Partindo da ideia de coesão social, Varine partilhou connosco a sua percepção sobre o que é o “Museu do Passado” e quais as características do “Novo Museu e Novos Desafios”, o “Museu componente do capital social da comunidade”, o “Museu Libertador”, o “Museu educador do turista” e finalmente, algumas ideias sobre o “Museu e o desenvolvimento sustentável e participativo”. A partir desta comunicação e da diversidade de situações apresentadas pode-se concluir que cada vez há mais tentativas, mais projectos que procuram testar e descobrir novas fronteiras para a museologia. No contexto do debate, escasso é preciso dizer, pela falta de tempo disponibilizado, Varine chamou também a atenção para a emergência de novas profissões no museu: a profissão de mediador e a de facilitador. Sobre o mediador, Varine diz ser algo muito diferente do papel de guia. Trata-se de uma profissão, que considera essencial para estabelecer a ponte entre o museu e as comunidades, uma nova disciplina que põe em primeiro lugar o conhecimento sobre as culturas dos visitantes antes de poder apresentar a cultura representada no museu, e que nasce da necessidade de criar um diálogo mental entre as diferentes partes. Por outro lado, a profissão de facilitador resulta da necessidade de ajudar a concretizar iniciativas locais, sem perder de vista a qualidade de uma iniciativa que se caracterize de baixo para cima, possibilitando, por sua vez, iniciativas de cima para baixo, mobilizando ou remobilizando a iniciativa local.

Da comunicação de Alice Semedo foi suficientemente sublinhada a existência de (des) harmonias no trabalho dos museus com as comunidades. Nem sempre são processos fáceis, pelo contrário, interferindo aqui muitas e diversas variáveis: a questão da (des)confiança, os limites do museu e do seu papel, confrontações de ordem política, (in)flexibilidade, vários pontos de vista, diferentes expectativas, interesses diversos dos parceiros (quando se trabalha em rede), entre outros. De facto, pensar em estratégias que envolvam as comunidades tem pouco de linear, exige disponibilidade e flexibilidade e uma constante reflexão da parte de cada museu. São necessárias, em nosso entender, mais experiências piloto e a avaliação do trabalho que vai sendo feito através de estudos de caso.

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”

Conferência “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”
Biblioteca Municipal da Nazaré, 27 Março 2010
©Ana Carvalho

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”, conferência que teve lugar na Nazaré a 27 de Março de 2010, registamos algumas notas.

A qualidade da maioria das comunicações apresentadas foi evidente e suscitou um debate, pode dizer-se apaixonado em torno do património, quase sempre marítimo, fosse na sua dimensão material ou imaterial. Nazaré está profundamente marcada por uma cultura marítima, no passado mas ainda no presente. Falou-se bastante do passado, na história, nos processos culturais e da forma como a imagem da Nazaré foi sendo instrumentalizada, sobretudo no período do Estado Novo. Uma imagem, muitas vezes estereotipada, estilizada, selectiva, que em grande medida não correspondia ao quotidiano e à diversidade de aspectos que caracterizaram ou caracterizam a cultura dos nazarenos. Outras desmistificações foram feitas sobre os marítimos, sendo sublinhados aspectos mais dolorosos relativos aos problemas destas populações como a profunda pobreza, a miséria, a iletracia, a rudeza do trabalho do mar, etc. Pertinente foi também uma chamada de atenção para os problemas que afectam hoje estas comunidades tendo em conta políticas económicas (economia do mar, mas também o turismo) agressivas, que, de algum modo, vão expelindo estas gentes para um “lugar” e futuro incerto.

Foram vários os actores locais e culturais chamados a intervir: associações (anazArt, associação Biblioteca Nazaré, Mútua de Pescadores, Liga dos Amigos da Nazaré), universidades (ISCTE, IPL, Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Coimbra, Universidade Fernando Pessoa), administração local (autarquia, biblioteca) e também o Museu. Sobre o Museu Dr. Joaquim Manso foi interessante perceber que novas dinâmicas se estão a forjar e que as comunidades ainda que, em muitos casos estejam desligadas do museu, querem apesar disso fazê-lo e têm uma palavra a dizer sobre o rumo do museu, especialmente no momento actual, em que há uma certa expectativa diante do novo projecto arquitectónico da autoria de Siza Vieira e também de alguma especulação sobre a passagem ou não do museu, tutelado até aqui pelo IMC, para a gestão da autarquia.

Esta amálgama de partilhas e diálogo foi enriquecida por uma participação expressiva da população, claramente interessada nos problemas, mostrando-se disponível em participar em projectos que possam dar mais dignidade aos patrimónios da Nazaré e dos nazarenos. Este foi, em nosso entender, um dos aspectos mais positivos deste encontro.

Sobre o seminário anual do GAM: Público sénior nos museus

Seminário do GAM, 22 Março 2010
Fundação Calouste Gulbenkian

Sobre o seminário anual do Grupo para a Acessibilidade nos Museus (GAM): “Público sénior nos museus”, que teve lugar no passado dia 22 de Março na Fundação Calouste Gulbenkian, eis algumas impressões.

– Este é um público negligenciado nos museus, seja cá, seja lá fora.

– Mas afinal, porque é que colocamos esta questão? Porque devem os museus preocupar-se mais com o público sénior. Na verdade os museus devem preocupar-se com públicos de todas as idades. Bom, mais do que isso, há um facto concreto incontestável na nossa sociedade. Temos populações cada vez mais envelhecidas. Há que criar uma oferta nos museus que vá de encontro a esta realidade, que vá de encontro às necessidades e expectativas deste público.

Alguns malentendidos ou estereótipos devem ser desfeitos:

– Não subestimar o público sénior. O público sénior tem muito para oferecer, muitas destas pessoas interessam-se pela cultura e estão disponíveis para a aprendizagem

– Não se pode olhar este público de forma uniforme, há muitas diferenças e “nuances” nesta mole de pessoas. Heterogeneidade é palavra-chave.

Que problemas enfrentam estes públicos ao entrar no museu?

Em primeiro lugar existe um problema de acessibilidade física, social e interpretativa. E, depois, é preciso reconhecer que não existe uma oferta significativa nos museus para envolver estes públicos.

O que ter em conta no trabalho dos museus com o público sénior?

– É fundamental conhecer o perfil sociológico do público sénior das comunidades onde os museus se inserem. E por outro lado, consultá-los para saber do que precisam, quais as suas expectativas.

– É preciso mapear, perceber o trabalho desenvolvido por outras instituições e trabalhar com elas, nomeadamente na área da saúde. “Networking” é palavra-chave neste domínio.
– Como disse a Maria Vlachou, os museus não devem assumir papéis que não são os seus, daí a necessidade de trabalhar com quem sabe mais sobre o trabalho social com estas comunidades. Neste contexto, é também preciso conhecer as boas práticas.

– A formação é também um aspecto fundamental neste trabalho, temos que estar treinados para lidar com estas populações.

– Criar uma oferta nos museus para este público pode significar um leque alargado de actividades nos museus, desde logo as visitas guiadas, mas também cursos, workshops, conferências, entre outras. Por outro lado, o voluntariado assume-se claramente como um instrumento importante para captar este público para colaborar com os museus.

Sobre a questão da acessibilidade sugere-se a consulta do blogue de Pedro Homem de Gouveia, conferencista neste seminário: http://acessibilidade-portugal.blogspot.com/

Hugues de Varine

Para quem não conhece Hugues de Varine e a sua importância como museólogo de influência na museologia portuguesa ficam aqui algumas notas.

Hugues de Varine trabalhou de forma próxima com Georges-Henri Rivière, tendo-lhe sucedido em 1964 como director do Conselho Internacional de Museus (ICOM). Esteve ligado a um grande conjunto de práticas museológicas marcadas pela intervenção comunitária onde se destaca, pela repercussão posterior, o Ecomuseu de “Le Creusot” (1971-75). Colaborou em intervenções de âmbito regional e local em França, Brasil, Canadá, Portugal, Suécia, Noruega e Espanha. A partir dos anos oitenta liderou e participou em iniciativas de intervenção social visando o desenvolvimento local.

A sua ligação a Portugal intensificou-se no período de 1982 e 1984, quando presidiu ao Instituto Franco-Português (IFP) em Lisboa. Contudo, a sua obra já era antes disso conhecida de alguns museólogos portugueses. No âmbito da museologia o acontecimento mais significativo, durante a sua permanência no país, foi a “Semana de Reflexão sobre Museus e Património Cultural Regional”, organizada pelo Instituto Português do Património Cultural (IPPC) e pelo IFP. Em grande medida, a influência que Hugues de Varine teve na museologia local portuguesa fez-se sentir muito através de contactos estabelecidos com os museólogos responsáveis por projectos emergentes e intercâmbios entre França e Portugal, assim como o apoio a diversas visitas de estudo que profissionais portugueses fizeram a vários museus e ecomuseus franceses, tal como a visita da APOM a museus da Bretanha e o apoio à organização do “Atelier Internacional Nova Museologia – Museus Locais, em Lisboa (1985).

Mais recentemente, Hugues de Varine tem vindo a Portugal para participar em diversos encontros, entre as quais destacamos “Ecomuseus que perspectivas, em Portugal, na Europa” (Seixal, 2004) e “Núcleos museológicos: que sustentabilidade?” (Faro, 2008).

(Adaptado de CAMACHO, Clara – “Renovação museológica e génese dos museus municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90.” Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1999. Dissertação de Mestrado.)

No website dinamizado por Hugues de Varine “Comunidades e Desenvolvimento” pode encontrar artigos deste autor: http://www.interactions-online.com/

Sobre jornada de trabalho "Património Cultural Imaterial"

Jornada de trabalho “Património Cultural Imaterial” – moderação: Ana Carvalho & Lorena Querol. Da esquerda para a direita vê-se: Paulo Ferreira da Costa, Lorena Querol, Ana Carvalho e Paulo Lima. Fundação Manuel Viegas Guerreiro. 8 Março 2010

No dia 8 de Março de 2010 realizou-se uma jornada de trabalho subordinada ao Património Cultural Imaterial (PCI) no âmbito da iniciativa “Técnicos dos Museus Encontram-se”, que a Rede de Museus do Algarve (RMA) promove. Estes encontros são espaços de diálogo destinados a potenciar a partilha de experiências entre os profissionais dos museus da RMA. Esta jornada de trabalho teve, porém um enquadramento particular, na medida em que trouxe contribuições de fora da RMA, ao contrário do que tem vindo a ser feito, de âmbito mais técnico e interno. Foi neste contexto, que fui convidada a participar, na qualidade de moderadora, representando, de algum modo a perspectiva da investigação.

A razão deste encontro prendeu-se com a necessidade de se reflectir sobre estratégias para a salvaguarda do PCI nos museus. O PCI é um tema que começa a ser uma preocupação trilhada por cada vez mais museus, um pouco na senda da adopção da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003) da UNESCO, ratificada por Portugal em Março de 2008. Também o Conselho Internacional de Museus (ICOM) atribui competências aos museus na salvaguarda do PCI, tal como é patente em documentos de referência como a “Carta de Shanghai” (2002) e a “Declaração de Seoul” (2004). E por outro lado, note-se a mudança evidente de paradigma, quando em 2007 a definição de museu proposta pelo ICOM passaria a substituir “testemunhos materiais” por “património material e imaterial”. Pode dizer-se que este enquadramento internacional lança o repto aos actores culturais e aos museus em particular.

Assim, reconhece-se à partida que o PCI é também um campo de actuação dos museus, mas entre as intenções e as práticas permanecem muitas dúvidas sobre como agir sobre este património tão complexo. Como podem os museus abordar e responsabilizar-se mais pelo PCI? Foi a partir destas inquietações que o Museu Municipal de Loulé e a Direcção Regional de Cultura do Algarve organizaram este encontro no contexto da RMA.

Tendo em conta que Portugal tem um enquadramento relativamente recente sobre uma política cultural para a salvaguarda do PCI e que se reflecte em termos de legislação e tutela, a contribuição de Paulo Ferreira da Costa centrou-se no plano normativo nacional e na forma como o Instituto dos Museus e da Conservação, organismo com competências atribuídas em matéria de salvaguarda do PCI, perspectiva a implementação da Convenção 2003 em Portugal. Este contexto revelou-se fundamental, primeiramente porque é recente e ainda desconhecido para muitos museus e por outro lado, ainda está a ser definido, o que permite abrir a reflexão sobre um caminho que pauta pela possibilidade de muitas abordagens.

As Direcções Regionais de Cultura (DRC) têm desde 2007 também um papel importante relativamente ao PCI, articulando a estratégia definida pelo IMC no território, nomeadamente ao nível da inventariação. Todavia, em linhas gerais pode dizer-se que as discrepâncias na forma de actuação das DRC são evidentes. O trabalho desenvolvido pela DRC do Alentejo, que tomou a dianteira na formulação de um programa de salvaguarda do PCI nesta região é, de certo modo, uma proposta inovadora e que revela um entendimento mais pragmático e diferenciado da forma como se deve entender uma abordagem ao PCI. Paulo Lima pontuou por um discurso menos formal, deixando antever que abordar o PCI não é isento de incertezas e muitas angústias, um processo que se tem caracterizado por avanços mas também por vários recuos.

Ao longo da tarde, os profissionais dos museus da RMA tiveram a palavra. Em mesa-redonda e a partir dos reptos lançados da parte da manhã, os técnicos partilharam as iniciativas que já decorrem no âmbito do PCI. Metodologias, dificuldades, dúvidas, necessidades, inquietações e interrogações foram alguns dos aspectos abordados.

Nos museus de Lagos, Loulé, Portimão, Olhão, Faro, Alcoutim, S. Brás de Alportel, Vila Real de Santo António e Tavira decorrem ou decorreram já experiências pontuais em torno do PCI, que pontuam pela diversidade, tanto ao nível da profundidade como do tipo de abordagem. Todavia, em grande medida, alguns dos projectos enunciados centraram-se na contextualização e documentação das colecções existentes a partir dos testemunhos orais das comunidades. Os sistemas de inventário, nalguns casos não existem (inclusive para as colecções do museu), noutros estão definidos os softwares para o imaterial (em dois casos), mas estão por implementar. De uma forma muito transversal, as dificuldades identificadas foram as seguintes: recursos humanos e financeiros, mais formação específica em questões técnicas e tecnológicas e a ausência de estratégias que estabeleçam formas de colaboração continuadas com as comunidades.

Os inventários foram um tema recorrente, mas o debate também suscitou questões mais alargadas, sobre o direito de intervenção e interferência dos museus e dos profissionais neste domínio, sobre quem em última instância valida o que é e o que não é PCI? E, afinal, o que é o PCI? Por outro lado, falamos dos tradicionais terrenos antropológicos ou falamos de novos terrenos? Será que faz sentido este enfoque para o PCI, sob pena de que desapareça, quando em ritmo igualmente acelerado se produzem novas culturas, novos significados?

Algumas das questões levantadas não têm resposta fácil, muitas delas não têm uma única resposta, mas significam que os museus são também terreno fértil para a discussão e campo de paradoxos. O que hoje é entendido como património poderá amanhã não o ser, se extremarmos posições.

Mas em jeito de conclusão, pode dizer-se que os museus não estão alheios à importância do PCI e começam a dar pequenos passos nesta matéria. Não obstante as dificuldades inerentes a uma abordagem ao PCI e às formas de valorização, é possível verificar que existe muita vontade em conhecer melhor e identificar o PCI.

Actuar sobre este património exige reflexão e é a partir de pequenas experiências que podemos fazer balanços e tirar daí partido para nos lançarmos em novas aventuras. Este é um caminho que se faz actuando e experimentando. A frase “Don’t run, walk!”, parece ajustar-se bem neste contexto.

Para intervir é preciso conhecer. Como disse Lorena Querol, um inventário não é um fim, mas um caminho!

Por outro lado, os museus não devem responsabilizar-se por todo este património, dada a vastidão do tema. Exigem-se novas formas de colaboração, através da criação de redes e parcerias, nas quais os museus podem ter um papel importante, mas não deverão ser os únicos agentes (escolas, associações, comunidades, universidades, etc.).

Para além disso, nem todo o património precisa de ser salvaguardado, sendo necessário mapear prioridades e dialogar com as comunidades para se perceber o que querem preservar ou não.

A RMA é uma rede informal criada a 16 de Outubro de 2007 e hoje constituída por 14 museus da região do Algarve*. Liberdade de adesão, cooperação em rede, serviço público e ética profissional, informação e comunicação, formação, inovação e programação museológica são alguns dos princípios de actuação desta rede, um projecto inovador em Portugal.

*Museu Marítimo Almirante Ramalho Ortigão, Museu Municipal de Portimão, Museu Municipal de Tavira, Museu Municipal de Faro, Museu do Trajo, Museu Municipal de Dr. José Formosinho, Museu Municipal de Lagoa, Museu Municipal de Arqueologia de Silves, Núcleos Museológicos de Alcoutim, Núcleo Museológico da Indústria Conserveira de Vila real de Santo António, Museu Municipal de Olhão e Museu do Mar e da Terra da Carrapateira.

Sobre o seminário: "Normalização em Museus: O quê?!"


Museu da Ciência da Universidade de Lisboa
Auditório Manuel de Valadares, 4 Março 2010
©Ana Carvalho

“Normalização em Museus: O quê?!” foi o tema do seminário de cultura material, organizado pelo Museu de Ciência da Universidade de Lisboa e que se realizou ontem (4 de Março de 2009) no Museu da Ciência da Universidade de Lisboa.

A comunicação de Alexandre Matos, que pontuou pelo profissionalismo, como já vem sendo habitual, deu-nos a conhecer um pouco mais sobre o seu projecto de investigação de doutoramento (bolseiro da FCT).

O tema da comunicação centrava-se no papel da normalização nos museus e sobre como este tema tem vindo a ser tratado em Portugal. Apresentou-nos o estado da arte sobre esta questão, comparando com outros casos, nomeadamente o espanhol e o inglês. Por outro lado, chamou-nos a atenção para a forma como deve ser encarada esta questão, sublinhando três importantes eixos da normalização: Estruturas de dados, Procedimentos e Terminologia, áreas que devem ser entendidas em estrita colaboração e comunicação.

Sublinhada a importância e a necessidade de se reflectir mais em Portugal sobre estas questões, Alexandre Matos irá aventurar-se por um projecto de normalização, que nos deixa expectantes quanto aos resultados, que certamente irão contribuir para uma compreensão mais alargada e para a evolução científica desta área em Portugal. No Mundo dos Museus deseja-lhe os maiores sucessos!

O Alexandre brindou-nos ainda com uma novidade. É que o blogue Mouseion (http://newmouseion.wordpress.com/) vai mudar de “casa”, isto é, vai migrar para um novo site que ele oportunamente divulgará.

Sobre a jornada de trabalho "categorização de casas-museu"

Jornada de Trabalho “Categorização de Casas-Museu”
Paço dos Duques de Bragança (Guimarães)
1 de Fev. 2010

Sobre a jornada de trabalho “Categorização das Casas-Museu”, que se realizou no passado dia 1 de Fevereiro de 2010, algumas notas.

António Ponte, director do Paço dos Duques de Bragança e anfitrião deste encontro começou por dar as boas-vindas a todos os participantes. Seguiu-se Maria de Jesus Monge, que contextualizou esta iniciativa, enquadrando o trabalho que o DEMHIST, comité do ICOM para as casas-museu e casas históricas tem desenvolvido desde a sua génese até hoje, decorridos cerca de 10 anos de actividade.

Este comité tem trabalhado muito sobre o conceito de casa-museu e as especificidades desta tipologia no universo museológico, que é francamente diverso e assimétrico, seja à escala nacional ou internacional.

Mais do que nunca, é importante questionar e reflectir sobre quais são hoje os desafios das casas-museu, desde a missão, a sua pertinência até à sua sustentabilidade. Maria de Jesus Monge fez uma breve retrospectiva sobre as primeiras tentativas de definir as casas-museu até ao projecto internacional de categorização das casas-museu do DEMHIST.

Este projecto baseia-se num inquérito, criado pela italiana Rosana Pavoni que pretende aferir um conjunto válido de categorias. Neste inquérito participaram poucas instituições portuguesas, daí a necessidade de se reflectir sobre este instrumento de trabalho e a sua aplicabilidade à realidade portuguesa.

Como Elsa Rodrigues referiu, até ao momento, o DEMHIST criou um conjunto de 11 categorias, traduzidas para o português nos seguintes termos:

– Casas de Personalidades
– Casas de Coleccionadores
– Casas de Beleza
– Casas de Eventos Históricos
– Casa de Sociedade Local
– Casas Ancestrais
– Casas de Poder
– Casas Clericais
– Casas Modestas
– Casas para Museus
– Salas de Época

Da discussão surgiram algumas conclusões:

Algumas das categorias não se ajustam à realidade portuguesa. Por outro lado, foi sugerido que não fossem criadas demasiadas categorias. No que diz respeito ao caso português seria benéfico se se aferisse com mais aprofundamento qual o tecido museológico em termos de casas-museu existentes e criar uma lista com o apoio da Rede Portuguesa de Museus e Instituto dos Museus e da Conservação.

Foi proposto um novo encontro em Lisboa, sendo a Casa-Museu Anastácio Gonçalves a instituição de acolhimento, para a partir da lista referida se reflectir sobre uma possível categorização. Para além disso, referiu-se a importância de dar maior visibilidade às casas-museu através da publicação de artigos relacionados com esta temática numa revista já existente.

Finalmente, foi sugerida a criação de um blogue, como espaço de encontro dos profissionais que trabalham nesta área e como plataforma de discussão, tendo António Ponte assumido a responsabilidade de criar o site.

Sobre o Seminário "Serviços educativos em espaços culturais"

Sessão de abertura do seminário “Serviços Educativos em Espaços Culturais”
Centro Cultural de Lagos
26 de Janeiro de 2010

Quando pensei escrever algumas linhas sobre este encontro, deparei-me com esta dificuldade. Como dar conta de um encontro tão rico no que diz respeito à partilha de experiências e pontos de vista, ainda que muitas vezes diferentes, mas muito estimulantes. De qualquer forma, gostaria de sublinhar alguns aspectos.

Uma das questões lançadas para o debate e reflexão foi a diversidade de designações existentes para o trabalho da educação nos museus. De facto, como se observou ao longo dos três dias, foram várias as terminologias utilizadas pelos participantes, seja ao nível da designação funcional dentro do museu ou entidade cultural, seja a um nível mais abrangente de caracterização deste trabalho ou de termos relacionados:

Serviço educativo/serviço educativo e de divulgação/projecto educativo/departamento de educação/extensão cultural/ plano de acção educativa/política educativa/oficinas/projecto cultural/programa educativo/oferta educativa

Susana Gomes da Silva sugeriu a adopção da designação “Educação museal”, em substituição da palavra “serviço educativo”, muito na linha anglo-saxónica que utiliza a expressão “Museum Education”.

Sobre o que se projecta como sendo o papel e as características da educação museal foram sendo referidas ao longo deste encontro algumas ideias-chave:

Os serviços educativos vão para além do trabalho com as escolas e das visitas guiadas; os serviços educativos não pretendem substituir o papel da escola, o museu pode e deve ser um espaço para a educação não formal; Para além disso, a educação museal pode significar: campo de experimentação; espaço de negociação e comunicação; espaço de criatividade e inovação; espaço de conexão e intersecção do lazer e da educação; proporcionar prazer e sentido lúdico; espaço que promove a diversidade cultural e uma abordagem plural; espaço para a participação das pessoas; espaço de intervenção social; espaços de mediação e construção partilhada de saberes e experiências; mediação que vai para além da transmissão e que promove a construção de conhecimentos; espaço de relevância; espaço dinamizador; espaço para dar lugar a experiências significativas; deve promover iniciativas relevantes; proporcionar qualidade da experiência; espaço para a educação artística; espaço para a activação das memórias e promoção de diálogos; incluir projectos de proximidade; programar com as crianças; estabelecer pontes com as comunidades; os serviços educativos devem trabalhar com públicos dos 0 aos 99 anos; é essencial acreditar no trabalho educativo que se faz, saber afirmá-lo, conhecer aprofundadamente o objecto de estudo do trabalho educativo (ex. colecção, artista), conhecer os públicos, nomeadamente as suas motivações e as suas realidades sócio-culturais e por sua vez escolher a programação em função das suas necessidades; premissas para o trabalho educativo: o território como ponto de partida e da comunidade local ao alargamento; é preciso partilhar com os públicos os objectivos e a missão do trabalho educativo; a importância da definição da missão de cada serviço educativo; espaço para pensar, fazer e participar, ou seja todas as formas de aprender são essenciais para as competências da vida, o trabalho educativo nos museus deve reflectir esta filosofia; todos têm talentos, competências e cabe ao educador identificar estas valências e neste sentido o serviço educativo pode ser um espaço para encontrar esses talentos; espaço para construir, descobrir, aprender e criar; trabalhar/colaborar com outras instituições no espaço físico do museu (interior e exterior) e também fora do museu; é preciso mudar o conceito de educação no museu, no sentido em que se reclama que a educação deve ir para além da tradução do olhar; é preciso não infantilizar os públicos; é necessário elaborar estratégias a longo prazo que tenham em conta as especificidades de cada museu, respectivo enquadramento no meio e comunidade onde se insere e, assim, definir uma metodologia adequada; é necessário avaliar o impacto das estratégias desenvolvidas; todos os programas e projectos desenvolvidos e experimentados devem ser objecto de avaliação; é necessário estabelecer critérios de avaliação e publicar os resultados obtidos; implementar a seguinte filosofia: “concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças”;

Sobre alguns dos problemas identificados na educação museal, eis as ideias-chave:

Em Portugal não há um campo de estudo organizado em torno da educação museal; é área de trabalho com assimetrias graves à escala nacional; nem todos os museus têm um serviço educativo ou departamento para desenvolver trabalho nesta área; não se formulam teorias nem se definem objectivos a longo prazo; a educação nos museus é ainda considerada por muitos como a “tradução” do discurso apresentado na colecção do museu; há um problema que se vê repetido constantemente, que é o de transpor para um museu um projecto que já foi bem sucedido noutro museu sem olhar a especificidades próprias de cada museu; tensão entre a curadoria, a escolha das exposições e o serviço ou departamento de educação; situação laboral pouco estável; falta de reconhecimento profissional: não há uma associação; muitos dos profissionais activos nesta área não têm na sua formação de base estudos na área da educação; não existe formação especializada em serviços educativos; ausência de avaliação dos projectos educativos;

Sobre o educador de museus, houve quem fizesse referência à proposta de María Acaso López-Bosch (Universidad Complutense de Madrid), apresentada aqui muito sumariamente:

– Monitor: transmite informação
– Educador: além de transmitir, interage com o visitante e constrói pensamento estético

Ideias para o futuro:

Precisamos de gente mais especializada, mais informada; é necessário maior proximidade e envolvimento entre a academia e a prática nas questões da formação. Foi lançada a ideia de criar uma rede informal de profissionais, potenciando a troca de saberes e experiências, nomeadamente a discussão através da organização de mesas de trabalho sobre os problemas que afectam esta área. Uma rede onde os profissionais se possam conhecer e encontrar, um terreno fértil onde possam brotar novas experiências…

Sobre os conferencistas e os resumos das comunicações pode encontrar mais informação no site da AGECAL: http://www.agecal.pt/

Sobre o "I Seminário de Sociomuseologia"

I Seminário de Sociomuseologia
23 Janeiro 2010, Universidade Lusofona

No passado dia 23 tivemos a oportunidade de assistir a um dos painéis do I Seminário de Investigação em Sociomuseologia na Universidade Lusófona, que divulgámos num “post” anterior. Recorde-se, o objectivo deste seminário foi a “apresentação e discussão, em contexto académico, dos dados obtidos pelos diferentes projectos de investigação em Sociomuseologia que estão a ser desenvolvidos pelos (as) doutorandos (as), no âmbito da Linha Principal de Investigação em Sociomuseologia”.

Esta iniciativa representa, em nosso entender, um importante instrumento para a divulgação da investigação científica em museologia. A museologia, tal como foi referido neste seminário, é um campo do saber em construção, mas que se vai consolidando à medida em que vão surgindo projectos de investigação nesta área, seja de mestrado ou doutoramento.

Do painel a que assistimos, destacamos a comunicação da Aida Rechena, actual directora do Museu de Francisco Tavares Proença Júnior (Castelo Branco), que se encontra a estudar as questões de género na museologia portuguesa, sobretudo a partir de alguns estudos de caso (Museu do Fado, Museu do Teatro, Museu do Brinquedo, Museu do Trabalho Michel Giacometti, Museu de Portimão). Aida Rechena, no âmbito do seu mestrado em museologia havia estudado os “Processos Museológicos Locais. Panorama Museológico da Beira Interior Sul”.

Ana Bonito, responsável pelo serviço educativo no museu da Madeira, encontra-se a desenvolver um projecto de investigação na área educativa com aplicação aos museus madeirenses.

E finalmente, Gabriela Cavaco, directora do serviço educativo do Museu de Ciência, escolheu como tema para o seu projecto de doutoramento a “Museologia e Representação Social”, aplicada ao Museu da Ciência da Universidade de Lisboa, em parte na continuidade da linha de investigação desenvolvida na dissertação do mestrado em museologia “O Museu enquanto espaço de aprendizagem e lazer – representações sociais das crianças”.

Embora em fases distintas de desenvolvimento dos seus projectos de investigação, as investigadoras partilharam com a audiência os seus objectivos, as expectativas, entre recuos e avanços, a par com as dificuldades encontradas, bem como as metodologias utilizadas. E foi no diálogo profícuo com a audiência que a discussão se sucedeu e onde as investigadoras foram respondendo às (muitas) questões que foram sendo colocadas.