Arquivo da Categoria: Conferences – Internacional

Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital

Conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Por Ana Carvalho
“Competências para o Sector Cultural: Perspectivando
 os Desafios do [futuro] Digital” é um comentário acerca da terceira conferência do projecto Mu.SA − Museum Sector Alliance (2016-2019) realizada a 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto. O texto foi publicado no Boletim do ICOM Portugal, n.º 12, pp. 58-60].
****

A terceira conferência do projecto Mu.SAMuseum Sector Alliance (2016-2019) [1] realizou-se no passado dia 18 de Abril de 2018, na Universidade do Porto (UP), organizadora do evento em colaboração com a Mapa das Ideias e com o ICOM Portugal, parceiros portugueses do projecto.

Com o título +Digital Culture: Competences for the Cultural Sector, a conferência reflectiu sobre competências e desenvolvimento profissional no contexto actual (e prospectivo) que se entende ser cada vez mais desafiante, nomeadamente na relação com o mundo digital. Neste quadro, três ordens de ideias foram interpeladas; 1) que desafios são estes que nos traz o mundo digital e que estratégias podem ser desenhadas pelos museus, e pelo sector cultural em geral, para acompanhar este desenvolvimento; 2) que perfis de profissionais e competências são expectáveis; e 3) qual pode ser o papel e contributo da formação.

programa contemplou uma diversidade de contributos, repartindo-se em torno de três sessões moderadas, respectivamente, por Alice Semedo, Manuela Pinto e Paula Menino Homem da UP. Focaram-se experiências de museus, como foi o caso do Museu de Lamego (Luís Sebastian), mas também extra-museus, como a preservação digital em arquivos (Francisco Barbedo, Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) e o tema da gamificação (Ricardo Queirós, UP).

“Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation” (por Conxa Rodà), conferência “+Digital Culture: Competences for the Cultural Sector”, 18 de Abril 2018, Universidade do Porto

Não pretendendo fazer uma síntese de todas as comunicações e tópicos discutidos (os resumos e os power-points estão disponíveis no website), destaco duas que me suscitaram maior interpelação de ideias pela estreita ligação com as conclusões alcançadas no projecto Mu.SA. Esse foi o caso da comunicação de Conxa Rodà (Aptitudes and Attitudes to Surf the Digital Transformation), que é actualmente responsável pela estratégia, inovação e transformação digital do Museu Nacional d’Art de Catalunya, em Barcelona. Sobre o alcance da desejável transformação digital dos museus, e de forma muito sintética: o quê?, para quem?, para quê? e como? continuam a ser perguntas fundamentais em qualquer estratégia, nomeadamente para o digital. Como notou Rodà, pressupõe investimento na formação das equipas (literacia digital) e, sobretudo, uma mudança organizacional que seja catalisadora de mudanças internas e de aceleração (novas formas de comunicação e de perfil multidireccional).

Outra comunicação que evidencio é a de Ana Alvarez (From Web Manager to Digital Curator), que a partir da sua própria trajectória profissional mostrou a evolução das tecnologias e dos desafios com que se confrontou ao longo dos últimos 26 anos. Ou seja, desde a sua primeira experiência de trabalho em 1992 no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madrid, como assistente na recepção do museu − estávamos no tempo dos CD-ROM’s, dos primeiros websites de museus, o início da digitalização de colecções… − até ao presente, momento em que Alvarez se encontra a gerir, no mesmo museu (depois de um interregno de largos anos), o website e os projectos digitais, e prepara uma nova estratégia digital (2018-2022). Daqui se destaca a evolução gradativa (e não-linear) de um profissional de museu em função da transformação do sector, e da procura, ao longo desse percurso individual, de formação especializada na área da Museologia e dos museus, mas também fora desse contexto, indo ao encontro de uma certa “customização” formativa (formal e não formal), alicerçada na identificação de necessidades.

O programa encerrou com uma mesa-redonda sobre os quatro perfis identificados durante o projecto Mu.SA (Gestor da Estratégia Digital; Curador de Colecções Digitais; Promotor de Experiências Interactivas Digitais; e Gestor de Comunidades Online). Moderada por Panagiota Polymeropoulou, da Hellenic Open University (Grécia), a mesa-redonda contou com a participação de Conxa Rodà, Luís Sebastian, Francisco Barbedo, Ana Álvarez e Ricardo Queiroz (cf. gravação em vídeo).

Esta conferência permitiu não só aferir os resultados obtidos no projecto Mu.SA, como promover uma discussão mais alargada envolvendo especialistas externos, e favorecer o debate sobre temáticas interdependentes, como ficou patente em edições anteriores: Re-designing Museums. Digital Skills for Change and Innovation (Roma, 13 Jul. 2017) e Digital Challenges for Museum Experts (Atenas, 25 Nov. 2016).

Parceiros do projecto Mu.SA, Universidade do Porto, 2018

[1] O projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pela Comissão Europeia através do programa Erasmus + (Sector Skills Alliance) e tem por base um consórcio de 12 parceiros de quatro países europeus (Bélgica, Grécia, Itália e Portugal), sendo coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). Tem por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC (Massive Open Online Courses) e de um curso de especialização (ambos em fase de concepção). http://www.project-musa.eu.

Call for Papers: II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia

Encontra-se aberto call for papers para o II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt subordinado ao tema: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios (13-14 Dezembro 2018), que se realiza em Lisboa. Prazo limite do call for papers: 30 de Junho de 2018.

Apresentação

Depois do sucesso do encontro que decorreu em 18 de Novembro de 2017 no Museu Nacional de Escultura, em Valladolid, investigadores da área da Museologia são convidados participar no II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que terá lugar em Lisboa (Museu Nacional de Arte Antiga e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), nos dias 13 e 14 de Dezembro de 2018.

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia, que este ano se junta ao Encontro Anual do Grupo de Museum Studies (MuSt) do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, pretende estimular a partilha de projectos pessoais ou institucionais, experiências e reflexões em torno da história e dos desafios actuais da Museologia da Península Ibérica e mesmo do contexto mais alargado do mundo ibero-americano.

Chamada para comunicações

O II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia/Encontro Anual MuSt terá como mote: Os Museus e a(s) Sociedade(s): Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios.

Se a relação com a sociedade está inscrita na matriz conceptual dos museus desde as suas origens – na medida em que eles são fruto dos contextos sociais, políticos, económicos e culturais em que se integram –, ao longo do século XX surgiram novos questionamentos e práticas que vieram ampliar e enquadrar conceptualmente esta dinâmica relacional. Destaquem-se as movimentações a partir da década de 1970, período em que é criado o conceito de museu integral e em que se prevê uma Museologia aberta às múltiplas realidades sociais (Mesa-Redonda de Santiago do Chile, 1972), e em que passou a estar oficialmente inserida na definição de Museu do ICOM a formulação “o museu ao serviço da sociedade e seu desenvolvimento” (Conferência Geral do ICOM em Copenhaga, 1974).

O tema proposto para este Fórum permite múltiplas abordagens temáticas e a cobertura de uma cronologia ampla. Pretende-se, então, reunir comunicações que abordem questões relacionadas com os museus e o seu papel e impacto na sociedade em diversas escalas e dimensões, conciliando abordagens de grande amplitude territorial e administrativa (e.g. de base nacional e regional), até aos microterritórios e articulando o global e o local, ao longo da história e na contemporaneidade.

Linhas de trabalho

De entre os vários tópicos passíveis de serem alvo de reflexão e debate neste encontro, incluem-se:

– Evolução e coexistência de modelos de aproximação à sociedade: o museu “clássico”, o museu “virtual”, o museu “global” – que discursos e narrativas? Que modalidades de aproximações ao público e à sociedade?

– Os contextos político-administrativos: o desenho de políticas museológicas, as estruturas organizativas e os modelos de gestão – que relação e impacto no desempenho dos museus e na participação social?

–  A arquitetura de museus e o seu impacto urbanístico e social.

– Os museus como instituições de poder e diplomacia e a importância das ações individuais ou coletivas das personalidades que gerem os organismos museológicos e patrimoniais.

– A aplicação das funções museológicas e a sua relação com os públicos.

– A relação com a tecnologia e as mudanças na mediação e perceção do património.

Estas questões devem ser abordadas não só a partir do ponto de vista das instituições museológicas mas, também, a partir da própria sociedade: que reciprocidades nestas interrelações, da sociedade para o museu?

Todos os tópicos podem ser abordados através da apresentação de casos de estudo ou de reflexões mais generalistas, no âmbito de investigações e projetos em curso.

Este Encontro pretende fazer eco de uma renovação disciplinar ativa e com interesses científicos diversos, pelo que a sua delimitação temática é bastante flexível. As diretrizes incluídas no título – teorias, contextos, histórias, experiências, desafios – aludem a campos de análise amplos e a um corpo teórico multidisciplinar que integra: a história institucional, as relações com o mercado de bens culturais, a prática museográfica, as políticas de público, interpretação de coleções, discurso cultural, arquitetura de museus, o colecionismo ou os estudos de Museologia no presente.

Destinatários

Este Fórum dirige-se a investigadores em fase de formação avançada: Mestrandos, Doutorandos e Doutorados em início da sua trajetória académica.

São convidados a contribuir com comunicações os vários membros da comunidade académica dos países ibéricos, bem como investigadores de outros países que estejam trabalhar sobre temas relacionados com a história e a realidade da Museologia portuguesa, espanhola e ibero-americana.

Submissão de propostas de comunicação

Os investigadores que pretendam apresentar uma comunicação deverão apresentar um documento pdf com indicação do título e resumo (máx. 700 palavras), assim como um curriculum vitae resumido (máx. 300 palavras). O documento deverá ser enviado até ao dia 30 de junho de 2018 para o seguinte endereço eletrónico: forum.iberico@gmail.com.

A aceitação ou não das propostas será comunicada por correio eletrónico até 15 de setembro de 2018. Após essa data, será estruturado o programa definitivo do encontro.

As propostas selecionadas serão apresentadas em forma de comunicação, que não excederá os 15 minutos. Será disponibilizado o seguinte equipamento de apoio às apresentações: computador, projetor, microfone.

As línguas de trabalho serão o português e o espanhol.

Comissão Científica

Portugal
Raquel Henriques da Silva (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Joana Baião (IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)
Lúcia Almeida Matos (IHA; Universidade do Porto)
José Alberto Ribeiro (ICOM-Portugal)
Clara Frayão Camacho (DGPC; IHA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa)

 Espanha
Javier Arnaldo (Universidad Complutense de Madrid)
María Bolaños (Museo Nacional de Escultura)
Jesús Pedro Lorente (Universidad de Zaragoza)
Luis Grau Lobo (ICOM-España)

Comissão Executiva
Joana Baião (IHA, FCSH-UNL)
Ana Paula Louro (IHA, FCSH-UNL)
Ana Gil (Museo Nacional de Escultura)

Organização
Instituto de História da Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Apoios
ICOM PORTUGAL
DGPC/Ano Europeu do Património Cultural
Museu Nacional de Arte Antiga

Descarregue:

Call for Papers: Cultural Mapping: Linking Heritage (Tangible and Intangible)

Encontra-se aberto call for papers para o congresso internacional Cultural Mapping: Linking Heritage (Tangible and Intangible) and Creative Tourism (29-30 Novembro 2018), que se realiza na Universidade de Évora. Prazo limite do call for papers: 15 de Julho de 2018.

Website do congresso: https://ichculturalmapping.weebly.com

Sobre o congresso:

The need to identify and inventory cultural heritage accompanies the notion and evolution of cultural heritage itself. In 2003, the UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage recognized also the need of giving awareness to a living heritage, in constant modification, which is part of the identity of groups and communities and is transmitted from generation to generation. Significant emphasis is put on the importance of identifying intangible heritage through collaborative practices involving the communities. One of the most visible impacts has been the launch of several “participative” processes of mapping intangible heritage in the last ten years. There are no fixed formulas or ready-made solutions, and the process of mapping intangible heritage is taking many different ways and formats, from official lists to national registrars, to geographic and thematic inventories, databases, PDF format, websites, etc. They also vary in terms of contents depth and the level of involvement of communities in such collaborative processes.

Cultural mapping has been identified, included by UNESCO, as a significant tool to grasp the intangible and cultural diversity at large. Also known as cultural resource mapping, can be understood more than a research technique or tool to map tangible and intangible cultural assets, landscapes and peoples in territories. It has the power to promote the debate on spaces and places. It can be used to draw attention to significant resources and point out rising issues and possible engaging solutions that involve local communities though participatory, co-creation approaches. As a policy making tool, cultural mapping contents can be used to enhance place profiles and regeneration of cultural quarters and heritage sites. As an output, it can also become a tool which leads to new tourism development approaches, such as creative tourism.

The congress aims to provide a better understanding of how cultural mapping can propose actions that enhance the awareness of cultural identities, debate its implications for local development, community engagement and policymaking, including sustainable and creative tourism practices, and foster debate over its long-term results.

The congress will be structured in two days. One is dedicated to the challenges of mapping ICH through conventional and alternative approaches. Besides a better dissemination of information resources available through databases online about intangible heritage: what is their impact? Who is using them, how, and for what purposes? Are they an end in itself or are they catalysing other initiatives? The second day is dedicated to the use of cultural mapping in tourism planning. The aim is to discuss the present state of the art of cultural mapping and its role in tourism development and heritage management practices. ​

The Congress is organised by CIDEHUS – Interdisciplinary Centre for History, Culture and Societies and the UNESCO Chair “Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora in collaboration with the Centre for Social Studies (University of Coimbra) within the framework of the project “CREATOUR – Creative Tourism Destination Development in Small Cities and Rural Areas Research Project”. The Congress also endorses the European Year of Cultural Heritage 2018, and the goals of the UN’s 2030 Agenda for Sustainable Development.

Call for Papers

All interested academics, researchers, PhD students and practitioners are invited to submit proposals (papers or posters) in Portuguese or English. Two main approaches are preferably suggested:

– Mapping intangible heritage on the web. We welcome proposals that explore the theoretical and methodological approaches, emphasising issues and challenges faced, including community engagement and the impact of such projects in policymaking and society.

– Using cultural mapping in tourism planning. We welcome proposals that explore the following topics:
•    Cultural mapping in the framework of UN’s 2030 Agenda for Sustainable Development
•    Participative cultural mapping approaches
•    Intangible and emotional mapping
•    Cultural mapping in rural areas
•    Augmented reality and mapping
•    Qualitative GIS

Guidelines for submissions

Deadline: 30th of June 2018
Information required for submissions:

  • Name
  • Email address
  • Place of employment/study
  • Brief resume of no more than 150 words (biographical notice, main publications or achievements)
  • Type of proposal: Paper/Poster. Papers are standard 20-minutes presentations. Posters (max. 1,70 m high and 0,70 cm large) will be on display for two days during the congress. Poster sessions will be scheduled according to 5-minute presentations per poster
  • Title of your paper/poster
  • Abstract of no more than 500 words (for papers and posters). Abstracts should present the topic or main argument and demonstrate scientific quality through references to a theoretical framework, the methodologies, and outline main contributions to knowledge. A list of bibliographic references (no more than 15) should also be added. The instructions from Emerald for writing a structured abstract can be useful: https://pdfs.semanticscholar.org/194f/91e45c1784f379c91788a748459157e57304.pdf

For submissions please write to: cultural.mapping@uevora.pt

Publication
A Book of abstracts will be produced. Additionally, all authors are invited to submit full papers by revising their presentations following conference discussions. Full papers will be selected based in a rigorous peer review process to be included in a publication planned for 2019.

For more information see the congress website, here.

Caixas de tesouros. Congresso Internacional sobre o museu ecléctico

Acontece nos próximos dias 24 e 25 de Maio de 2018 o congresso internacional sobre o museu eclético. Terá lugar no Museu Nacional de Soares dos Reis.

Em 2018, passando 170 anos sobre a morte de João Allen, é necessário estabelecer relações com instituições congéneres coevas internacionais, inserindo assim este capítulo da história dos museus portugueses numa perspectiva comparativa.
Neste contexto, em 24 e 25 de Maio de 2018, será realizado no Porto um Congresso Internacional que pretende tomar o pulso de estudos sobre instituições museais, desde o conceito de museu do século XVIII, até às instituições contemporâneas do Museu Allen, considerando um arco cronológico que vai de Setecentos até meados de Oitocentos, a época
por excelência do museu ecléctico.
O Porto foi o grande centro de cultura artística e museal português das primeiras décadas de Oitocentos. Nesse espaço, distingue-se a figura incontornável do cidadão português de origem britânica, João Allen (Viana do Minho, 1 de Maio de 1781-Porto, 19 de Maio de 1848). Homem de educação cosmopolita, viajante infatigável e coleccionador de espírito enciclopedista ou eclético, João Allen abrirá no Porto o Museu Allen, em 1836, o primeiro museu português dotado de edifício criado de raiz, pelas mãos de um particular, para albergar as suas colecções e patenteá-las ao público.

Inscrições, programa e mais informações em: https://caixasdetesouroscongresso2018.weebly.com

Conferência internacional sobre competências digitais para o sector cultural

No próximo dia 18 de Abril, vai decorrer, no Anfiteatro Nobre da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, o Encontro Internacional +Digital Future: Competences for the Cultural Sector, no âmbito to Projeto Mu.SA – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) no qual o ICOM Portugal é um dos parceiros portugueses juntamente com a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias.

A transformação digital afecta, como nunca, as instituições culturais e os museus, em particular. Diante desta mudança em larga escala, os museus procuram discutir e reflectir de forma profunda e interdisciplinar, a forma de adaptação a esta nova realidade que lhes permita uma evolução mantendo o seu papel fundamental no desenvolvimento, sustentabilidade e qualidade de vida que procuramos para a sociedade contemporânea. Neste sentido, pretende-se que a discussão neste encontro se centre nas competências exigidas ao museu, e aos seus profissionais, para realizar com sucesso essa adaptação e evolução.

O projecto Mu.SA procura identificar as competências digitais e debelar a sua ausência nos museus, dando aos seus profissionais um conjunto de instrumentos, na forma de cursos online, formação especializada e em contexto de trabalho, que lhes permitam adquirir tais competências e prestar, no contexto digital, melhores serviços aos públicos destas instituições. Para discutir a forma de criação destas ferramentas, as metodologias a seguir e os modelos que permitirão a aquisição de competências digitais e transferíveis, os parceiros do projecto Mu.SA têm procurado ouvir a comunidade científica e profissional ligada aos museus, com o objectivo de responder assertivamente às necessidades do sector.

Este encontro conta com a presença de Conxa Rodà (Museu Nacional d’Art de Catalunya), Ana Álvarez Lacambra (Museo Thyssen-Bornemisza), Francisco Barbedo (Directorate General of Book, Archives and Libraries – DGLAB, Portugal), Luís Sebastian (Museu de Lamego), Panagiota Polymeropoulou (Hellenic Open University, Grécia) e Ricardo Queirós (Instituto Politécnico do Porto) que contribuirão para uma visão ampla sobre o actual momento na área da cultura digital a nível nacional e internacional.

O encontro é organizado pela Universidade do Porto (Departamento de Ciências e Técnicas do Património) da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, no âmbito das actividades do projecto Mu.Sa. A realização deste evento enquadra-se ainda na programação do Ano Europeu do Património Cultural (Património: Onde o Passado Encontra o Futuro) e na comemoração do Dia Internacional dos Sítios e Monumentos (Património para as Gerações).

A entrada é livre, mas é necessário inscrição (até 15 de Abril de 2018).

Encontra mais informações no website oficial do Encontro: https://digitalfuturemusa.wixsite.com/digitalfuturemusa

Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação – Projecto Mu.Sa

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Por Ana Carvalho

Damos nota neste texto sobre a conferência realizada no âmbito dos trabalhos que decorrem do projecto Mu.SaMuseum Sector Alliance (2016-2019) no qual o ICOM Portugal é parceiro.[1] O projecto tem como objetivo criar um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus, através de sistemas de formação em e-learning, onde se inclui a concepção de um MOOC (Massive Open Online Courses). A conferência Re-designing Museus. Digital Skills for Change and Innovation (13 de Julho) realizou-se no seguimento de dois dias de reuniões internas do projecto e visou apresentar publicamente o projecto e os resultados da investigação já obtidos, mas também prolongar a discussão com outros profissionais do sector, cimentando ou contraponto ideias sobre esta matéria. O evento teve lugar em Roma, na Link Open University, um dos parceiros do projecto.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

A conferência estruturou-se em três momentos distintos. O primeiro consistiu na apresentação do projecto por Achilles Kameas (Hellenic Open University), coordenador do Mu.Sa, sobre os objectivos e resultados alcançados até ao momento. A segunda intervenção coube a Antonia Silvaggi (MeltingPro Learning), coordenadora do trabalho desenvolvido na primeira fase do projecto, que consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das novas tecnologias no contexto português, grego e italiano. Neste sentido, pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das novas tecnologias e do digital nas várias áreas de actuação (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). Uma outra dimensão analisada nos três países foi o mapeamento da formação formal e não formal na área da Museologia e em que medida se tem (ou não) introduzido as novas tecnologias e o digital nos curricula académicos e nos planos de formação profissional. No contexto desta conferência, Antonia Silvaggi, focou-se na apresentação de uma síntese de dez aspectos (Digital Transformation Decalogue) identificados a partir da investigação desenvolvida, e entendidos como elementos-chave que podem contribuir para a transformação digital nos museus. São os seguintes: 1) desenvolver uma liderança forte que suporte uma mudança de mentalidades no repensar da passagem de processos já existentes para o digital; 2) promover a confiança digital em todos os membros da equipa do museu; 3) apoiar o desenvolvimento profissional de forma continuada em relação às novas tecnologias; 4) conhecer as necessidades dos públicos para implementar experiências significativas; 5) desenvolver as soft skills mas também as competências digitais; 6) aprender com os pares e com os públicos; 7) apoiar a digitalização das colecções e dos arquivos; 8) mudar no sentido de abordagens mais abertas; 9) proporcionar um ambiente seguro onde se pode experimentar enquanto processo de erro e tentativa; 10) melhorar as colaborações internas e externas.

O segundo momento do encontro centrou-se em dois estudos de caso distintos, com a intervenção dos responsáveis pelos departamentos de novas tecnologias do Victoria & Albert Museum (Londres) − por Duncan Gough −, e do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (Milão) − por Paolo Cavalotti.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Seguiu-se o terceiro momento do encontro com uma mesa-redonda composta por oito especialistas − alguns participantes no projecto, como foi o caso de Alexandre Matos (ICOM Portugal), e outros externos ao projecto − sendo moderada pela jornalista Valentina Tanni (Artribune).[2] Várias questões foram levantadas. Destacamos algumas. Sobressaiu uma perspectiva optimista e benevolente quanto ao papel das tecnologias e da expectativa de que através destas se pode melhorar a comunicação dos museus no sentido de oferecer um serviço mais eficaz e que vá de encontro às necessidades dos visitantes. Transformação e agilidade foram palavras-chave referidas amiúde. Embora se reconheça que os museus não são indiferentes aos desafios das novas tecnologias (ex. digitalização de colecções, entre outros), é necessário contrariar o passo lento dos museus para se tornarem mais ágeis face à mudança. Como? Através de políticas mais pro-activas (e lideranças atentas), recursos (financeiros e humanos) e a capacitação contínua dos profissionais de museus.

Notas

[1] O projeto Mu.Sa − Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pelo programa Erasmus + e é coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). O consórcio conta com três parceiros portugueses: o ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a empresa Mapa das Ideias, e ainda oito parceiros de Itália, Grécia e Bélgica: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), National Organisation for the Certification of Qualifications and Vocational Guidance (Grécia), Symbola -Foundation for Italian Qualities (Itália), The Institute of Vocational Training AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia e Culture Action Europe (Bélgica). http://www.project-musa.eu

[2] Leia-se o pequeno artigo da Artribune a propósito desta conferência: http://www.artribune.com

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Conferências: comentários”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (Out.): 37-39. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso?

museus-comunidades-e-turismo

As próximas Jornadas de Outono do ICOM Portugal são subordinadas ao tema “Museus, Comunidade e Turismo, Um Triângulo Virtuoso”. Pretende-se abordar as relações, entre benefícios e desvantagens, estabelecidas entre os museus e as comunidades onde estão inseridos, tendo em conta as novas realidades ligadas aos fluxos turísticos. Sendo certo que cada caso é um caso, será possível estabelecer alguns pontos comuns que ajudem à melhor percepção do papel e dos contributos que os museus podem dar à causa das economias locais, regionais e nacionais. Este encontro visa obter bons contributos para melhor se perceber o papel que os museus atualmente podem jogar no seio das comunidades que servem.

A conferência contará com a participação de diversos especialistas como François Mairesse, Teresa Morales, José Gameiro, Karen Brown, Joana Monteiro, Peter Davis e será concluído com uma mesa redonda em que participarão os presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo, do ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e do ICOM Espanha, Luís Grau Lobo.

Estas jornadas realizam-se no dia 29 de Outubro no Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu. A entrada é livre, mas está sujeita a inscrição através do email: paulacardoso@mgv.dgpc.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/destaques,6,565,detalhe.aspx

****

PROGRAMA

9h00 > 9h30
Receção aos participantes

9h30
Sessão de Abertura
Direção Geral do Património Cultural
Presidente da Câmara Municipal de Viseu
Presidentes do ICOM Europa, Espanha e Portugal

10h15
Touriste, mon ami?
por François Mairesse (Comunicação Inaugural)
Presidente do ICOFOM, Comité Internacional para a Museologia

11h30
Questioning the Virtuous Triangle
por Teresa Morales
Instituto Nacional de Antropologia e História do México

12h00
Entre Turismo e Comunidade que lugar para os Museus? O Caso do Museu de Portimão
por José Gameiro
Diretor Científico do Museu de Portimão

12h30
Debate

13h00
Almoço Livre

15h00
Eco- and Community Museums and Tourism in Scotland and Costa Rica
por Karen Brown
Universidade de St Andrews, Escócia, Reino Unido

15h30
Museus municipais e turismo – o caso do Museu de Lisboa no contexto de uma cidade em crescimento turístico
por Joana Monteiro
Diretora do Museu de Lisboa, Museóloga

16h30
Marketing territory – Ecomuseums, tourism and the local economy
por Peter Davis
Universidade de Newcastle Inglaterra, Reino Unido

17h30
Mesa Redonda/Sessão de Encerramento
Presidentes do ICOM Europa, Luís Raposo; ICOM Portugal, José Alberto Ribeiro e ICOM Espanha, Luís Grau Lobo

19h00
Inauguração da exposição temporária:
Além de Grão Vasco. Pintura entre o Mondego e o Douro, do Renascimento à Contra Reforma
Comissários: José Alberto Seabra e Joaquim Caetano (MNAA)

20h00
Dão de Honra

Presidente do Conselho Internacional de Museus de visita a Lisboa

EMEE

Realiza-se no próximo dia 22 de Fevereiro (segunda-feira) a conferência Museums: One Object, Many Visions, organizada pelo Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa) no âmbito do projecto internacional EuroVision – Museum Exbiting Europe (EMEE). O projecto teve início em 2012 e encerra em Outubro deste ano. O Museu Nacional de Arqueologia, parceiro português do projecto, assinala a sua contribuição com uma conferência e uma exposição: Um Objecto, Muitas Visões.

O projecto Eurovision, suportado por fundos europeus no âmbito do programa Cultura 2007-2013, explora as questões da multiculturalidade e a reflexão em torno das identidades nacionais a partir dos museus de história de âmbito nacional e regional (cf. http://www.museums-exhibiting-europe.de). A par da conferência realizar-se-á a 5.º reunião dos parceiros do projecto (23-26 de Fevereiro), que marca o início da última fase do projecto. O projecto conta com parceiros da Alemanha (líder do projecto), da Áustria, de Itália, de França, da Eslovénia, da Bulgária e de Portugal.

A conferência Museums: One Object, Many Visions, que conta com o apoio do ICOM Portugal, trás a Lisboa vários conferencistas estrangeiros. Entre eles destaca-se o presidente do ICOM central, o alemão Hans-Martin Hinz, que vem a Portugal, pela primeira vez, em visita oficial (sobre Hinz veja-se a entrevista). Hinz é também um dos consultores do projecto Eurovision.

A conferência termina com a Inauguração da exposição do projecto Eurovision: Europe Through our Objects: One Object, Many Visions (consulte-se o catálogo). A exposição resulta de um concurso para jovens cenógrafos e é parte da contribuição portuguesa para o “Laboratório Eurovision”. Estes laboratórios permitem testar os resultados do projecto. No comunicado de imprensa do projecto lê-se «pretende-se desenvolver abordagens múltiplas para a Europeização de museus nacionais e regionais» e «novas formas de representação, de cenografia e possibilidades para participar, ajudar os visitantes a descobrir perspectivas europeias e transnacionais».

Inscrições gratuitas, mas limitadas aos lugares disponíveis. Para fazer inscrição é necessário contactar Mário Nuno Antas, organizador da conferência e coordenador do projecto no Museu Nacional de Arqueologia, através do email emeeportugal@gmail.com.

****

Programa

09.30 Recepção dos participantes
10.00 Sessão de abertura
João Soares, Ministro da Cultura
Paula Silva, directora da Drecção-Geral do Património Cultural
José Alberto Ribeiro, presidente do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu National de Arqueologia

Sessão 1
Moderador: José Alberto Ribeiro, ICOM Portugal
10.15 The value role of museums, Hans Martin Hinz, presidente do ICOM central
11.00 European museums in the 21st century, Luís Raposo, membro da direcção do ICOM Europa
11.30 Coffee Break

Sessão 2
Moderatora: Joana Sousa Monteiro, secretária do ICOM Portugal
11.40 EMEE project: one object, many visions, Susanne Popp, coordenadora do projecto Eurovision, Universidade de Augsburg, Alemanha
12.30 Education for global citizenship and museum collections, Joaquim Jorge, técnico da Câmara Municipal de Loures
13.00 Almoço

Sessão 3
Moderadora Clara Frayão Camacho, presidente da assembleia-geral do ICOM Portugal
14.15 The role of education in museums, Emma Nardi, presidente do ICOM CECA (CECA (Comité Internacional para a Educação e Acção Cultural)
15.00 The educational value of museums, David Vuillaume, presidente da Nemo (Network of European Museum Organisations)
15.45 One object, many approaches… new trends in museum education, Mário Nuno Antas, técnico do Museu Nacional de Arqueologia
16.15   Coffee Break

Sessão 4
Moderador: José Gameiro, membro da direcção do ICOM Portugal
16.30 Synesthetic translation of perspectives, or how to make the object talk, Uwe Bruckner, fundador do Atelier Brückner GmbH (Alemanha)
17.15 Young Scenographers contest. Around the Bell-Beaker: Archaeology revisited within Design Studies approach at FBAUL, Isabel Dâmaso, Mariano Piçarra, Tiago Jordão e Leonardo Rossetti (Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa)
17.40 Comentário final, Dália Paulo, membro da direcção do ICOM Portugal

17.45 Sessão de encerramento
José Alberto Ribeiro, president do ICOM Portugal
António Carvalho, director do Museu Nacional de Arqueologia
Delegado do Ministério da Cultura (a confirmar)
18.00 Inauguração da exposição do projecto EMEE: Europe through our objects: one object, many visions

Congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums!

LightsOnLogo

O congresso internacional Lights On… Cultural Heritage and Museums! irá realizar-se na Universidade do Porto entre 20 e 22 de Julho de 2015. Organização da Universidade do Porto.

****

Facing serious times of change, museums and other cultural institutions, discuss and reflect, in a deeply and interdisciplinary way, about their role in resilience, sustainability and quality of life of the twenty-first century society.

The XXI century is seen as the Century of Light, as light and light-based technologies are recognized as major economic drivers with the potential to revolutionize it. In that sense, UNESCO proclaimed 2015 the International Year of Light (IYL2015, AIL2015), also “Noting that 2015 coincides with the anniversaries of a series of important milestones in the history of the science of light, including the works on optics by Ibn Al-Haytham in 1015, the notion of light as a wave proposed by Fresnel in 1815, the electromagnetic theory of light propagation proposed by Maxwell in 1865, Einstein’s theory of the photoelectric effect in 1905 and of the embedding of light in cosmology through general relativity in 1915, the discovery of the cosmic microwave background by Penzias and Wilson and Kao’s achievements concerning the transmission of light in fibres for optical communication, both in 1965” (United Nations, A/RES/68/221, 2014).

Such revolution happens and has significant impact on cultural heritage and museums. Aware of the process, this congress joins the international initiatives on the IYL2015, and adopts the concept of light in its broader meaning, that is, not only the form of energy associated with the visible portion of the electromagnetic spectrum, but also all other invisible radiation such as X-rays, ultraviolet, infrared, among many. It aims to raise and enhance awareness for its potential and crucial role in cultural heritage and in inclusive museums.

Assuming a multi and interdisciplinary character, we are sure that it will strengthen the cooperation bonds between professional, scientific and educational communities and provide a platform for sharing experiences and knowledge about important scientific and technological advances in the field, featuring Thematic Sessions, with Plenary Lectures and Oral Presentations, Poster Session and Workshops. The official language will be English and the focus will be on the following topics:

1. Science of vision. The perception of colour as a function of illumination
2. Lighting systems in museums / historical buildings / monuments. Requirements and scientific and technological developments
3. Built environment. Solutions. Energy resources and sustainability
4. Study and safeguard of heritage associated with the production of energy and electric lighting
5. Scientific examination of heritage and analytical applications using different radiation. Research on
i. Materials, technologies, functions and producers
ii. Alteration processes and diagnosis
6. Technologies of communication and mediation
7. Curative conservation and restoration
8. Integrated risk management. Preventive conservation

****

Mais informações em: https://lightsonchm.wordpress.com

Encontro Ibero-Americano de Museus e a Declaração de Lisboa

Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

Nos dias 13, 14 e 15 de outubro decorreu em Lisboa, no Museu Nacional de Etnologia, o 8.º Encontro Ibero-Americano de Museus, promovido pelo Programa Ibermuseus e pela Direção-Geral do Património Cultural.

Subordinado ao tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”, o Encontro reuniu representantes de 17 países do universo ibero-americano que apresentaram reflexões e experiências nacionais, enquadradas por conferências de personalidades portuguesas que introduziram os painéis programáticos. Estes foram estruturados em torno de quatro temáticas principais: cooperação e redes; cidadania; era digital; políticas públicas e crise. A introdução a este último painel foi efetuada por uma representante da Network of European Museum Organizations (NEMO), assim estabelecendo uma articulação com organizações museológicas do espaço europeu.

As apresentações e os debates revelaram preocupações em torno da sustentabilidade das instituições museológicas, da evolução digital e da passagem à sociedade do conhecimento, das estratégias utilizadas pelos museus na busca de parcerias e cooperações e da institucionalização e formalização do sector.

Se bem que as realidades em presença fossem muito diversificadas, importa realçar o trabalho de investigação, recolha de dados e edição que o próprio Programa Ibermuseus tem vindo a realizar e de que constitui um feliz exemplo a recente edição do Panorama dos Museus na Ibero-América, pelo Observatório Ibero-Americano de Museus.

No final do Encontro foi celebrada a Declaração de Lisboa. O documento representa o compromisso dos países presentes, no sentido do aprofundamento de ações conjuntas de cooperação horizontal, do fomento da comunicação e do acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de políticas públicas para os museus e da ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus. A Declaração de Lisboa está disponível em http://www.patrimoniocultural.pt/static/data/docs/2014/10/16/Declaracao_de_LisboaDEF.pdf e transcreve-se em baixo:

****

Declaração de Lisboa

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus: caminhos de futuro para os museus ibero-americanos: tendências e desafios na diversidade.

Lisboa, Portugal, Museu Nacional de Etnologia

13, 14 e 15 de outubro de 2014

Os representantes dos países ibero-americanos participantes do VIII Encontro Ibero-Americano de Museus, reunidos sob o tema “Caminhos de futuro para os museus: tendências e desafios na diversidade”,

RECONHECENDO

a relevância dos princípios enunciados na Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (UNESCO, 2005) para a orientação de políticas públicas no campo do patrimônio cultural;

as referências dispostas na Carta Cultural Ibero-Americana (2006), que reconhecem a Ibero-América como um complexo sistema composto por um patrimônio cultural tangível e intangível comum, diverso e excepcional, cuja promoção e proteção são indispensáveis;

os valores e princípios emanados da Declaração de Salvador, aprovada durante a celebração do I Encontro Ibero-Americano de Museus, Salvador de Bahia, Brasil, 2007, que orientam as políticas públicas para a área dos museus e da museologia, bem como a compreensão dos museus como ferramentas de desenvolvimento integral;

a importância dos encontros dos representantes de museus da Ibero-América como espaço de intercâmbio, formação de redes, troca de experiências e saberes e como espaço para reflexão e o fortalecimento das políticas públicas para os museus da região;

a necessidade de aprofundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos em ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus;

a necessidade do debate sobre ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos que promovam a cooperação, a colaboração, a inclusão social e digital e a sustentabilidade,

DECLARAM SER METAS PRIORITÁRIAS

Cooperação, parcerias e redes 

O compromisso em aprofundar ações conjuntas no campo museológico, mediante um modelo de cooperação horizontal, de intercâmbio de saberes e experiências, e com respeito às diversidades culturais.

A consolidação de iniciativas de cooperação interinstitucional, intersetorial e internacional.

A adoção de politicas publicas integradas para promover mecanismos de sustentabilidade social para os museus.

Cidadania, acesso e participação 

O fomento de canais de comunicação e acesso para potencializar a participação cidadã na gestão de politicas publicas para os museus.

O reconhecimento do papel dos museus para a inclusão social e a construção da cidadania, o que favorece o pleno exercício dos direitos culturais.

Era digital 

A promoção do trabalho dos museus em redes baseadas em tecnologias digitais e o reconhecimento do valor das redes na construção, difusão, interpretação, uso e multiplicação do conhecimento como uma outra via para a sustentabilidade social dos museus.

Enfrentando as crises: políticas públicas para os museus

A construção de estratégias de gestão criativas e proactivas para o enfrentamento de diferentes contextos de mudanças e detecção de novas oportunidades. A realização de estudos para o conhecimento das perspectivas e tendências para os museus na Ibero-América, que permitam identificar formas de sustentabilidade. A ênfase nas políticas públicas em todo o contexto ibero-americano para a institucionalização do campo dos museus.

AGRADECEM

A presença e as valiosas contribuições dos especialistas convidados: Sr. Antonio Pinto Ribeiro, Programador-Geral do Próximo Futuro – Fundação Calouste Gulbenkian, Sra. Clara Frayão Camacho, Museóloga, Direção-Geral do Património Cultural (Portugal), Sr. Augusto Santos Silva, Professor Catedrático da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Sra. Inês Fialho Brandão, Museóloga, Doutoranda na National University of Ireland, Sra. Sofia Tsilidou, Membro da Direção da Network of European Museum Organizations e Assessora da Direção-Geral de Museus, Exposições e Programas Educativos do Ministério da Cultura da Grécia.

A organização, a Direção-Geral do Património Cultural de Portugal, e o apoio do Museu Nacional de Etnologia pela hospitalidade durante os dias do VIII Encontro.

Lisboa, Portugal, 15 de outubro de 2014.

Conferência Museum Mediators, Algarve 16-17 Setembro 2014

logótipo da empresa Mapa das ideiasA conferência final do projecto Museum Mediators vai ser realizado no Algarve, no Museu do Trajo de São Brás de Alportel, nos dias 16 e 17 de setembro de 2014.

A Mapa das Ideias coordenou um Projecto Europeu de Transferência de Inovação (Leonardo da Vinci Multilateral Projects “Transfer of Innovation”). O projecto consistiu na criação de curso que oferece uma base de formação e de identidade profissional para os educadores e mediadores de museus. O curso foi construído a partir de estudos comparativos entre diferentes sistemas de serviços educativos na Europa, com contributos dos parceiros dos países envolvidos no projecto: Itália, Espanha, Dinamarca, Estónia e Portugal. O projecto teve início a 15 de Outubro de 2012 e termina em Outubro deste ano. Encontra mais informação no site Museum Mediators.

Mais informações e inscrições aqui.

****

Programa, São Brás de Alportel, 16-17 de Setembro

Tuesday, September 16th

16.00-17.00
Participants’ registration and welcome
—– With a selection of wine and appetizers

17.00-18.00
Museum Visit

18.00-19.00
Conference Opening
Welcome speech from the Museum
Welcome speech from the Museum Mediators Project Team
Handbook presentation
Website presentation

19.00-20.00
European Network of Museum Mediators and Think Tank
Inês Câmara | Cristina Da Milano | Niels Righolt

20.30
Dinner at the Museum

Wednesday, September 17th
9.00-10.00

Participants’ registration
10.00-11.00

Museum Mediators Europe: discussing the process
Carla Padró | Alice Semedo | Dália Paulo

11.00-11.20
—— Coffee Break

11.20-13.30
What Museums for Who with What? About our SMART museums

13.30-15.00
Lunch

15.00-17.00
Workshops

METHOD | How to build and manage projects. The not to do and to do lists!
Joaquim Jorge

DIGITAL | Digital storytelling and its potential for audience engagement.
Cristina Da Milano and Niels Righolt

VISION | Sharing experiences through Museums Exhibiting Europe.
Mário Antas e Maria João Nunes

ROLES | New professional roles for the Culture and Museum fields.
Ana Fernambuco e Inês Câmara

17.00 -17.30
——– Coffee Break

17.30-19.00
Discussion

19.00-19.30
Closing session
Joaquim Jorge | Inês Câmara | Emanuel Sancho

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus

cartaz do encontro iberoamericano

Estão abertas as inscrições para o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus que irá realizar nos dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2014 no Museu Nacional de Etnologia. A organização é da DGPC e IBERMUSEU

Os objectivos do encontro são: profundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos; proporcionar ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus; apresentar e debater ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos; servir de plataforma entre a Ibero-América, a Europa e o espaço da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), tirando partido da circunstância de Portugal ser o país anfitrião.

O Programa Ibermuseus é uma iniciativa de cooperação dos 22 países ibero-americanos, com vista ao fomento e à articulação de políticas públicas na área de museus. Portugal é um dos países membros deste programa, fazendo parte do grupo de 11 países que integram o respetivo Comité Intergovernamental.

Entre as iniciativas anuais deste programa, contam-se os Encontros Ibero-Americanos de Museus, realizados desde 2007 sobre diversas temáticas em diferentes países. Considerando o interesse estratégico da participação portuguesa nesta cooperação internacional e perspetivando a potenciação desta iniciativa para a comunidade museológica nacional, realiza-se em Lisboa o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus.

Programa (português)

Programa (espanhol)

Boletim electrónico de inscrição

Ficha de inscrição

(Fonte: DGPC)

Call for papers: Processos de musealização

Imagem onde se vê um retrato de família exposto numa vitrine

Museu Emigração Açoriana 2013 © Ana Carvalho

Entre 5 e 7 de Novembro de 2014 terá lugar um seminário de investigação de carácter internacional dedicado aos processos de musealização organizado pela Universidade do Porto (Doutoramento em Museologia). O call for papers termina a 30 de Junho. Encontra mais informação no site da conferência: 

http://processosdemuseali.wix.com/conferenciaflup2014

****

Apresentação

O Seminário Internacional de Investigação “Processos de Musealização” é organizado no âmbito da Unidade Curricular Estudos de Museus e Curadoria do 3.º Ciclo de Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, desenvolvendo diferentes linhas de investigação deste Doutoramento: Museus, Coleções e Património; Museus, Património e Conservação Preventiva; Museus, Espaço e Comunicação; Museus e Curadoria.

Como em ocasiões anteriores, este Seminário Internacional pretende afirmar-se como um encontro de investigação multidisciplinar, procurando participações de diferentes áreas e tradições disciplinares e metodológicas, contribuindo, desta forma, para a construção de territórios e práticas de investigação contaminadas. Os estudos teóricos que relacionem criticamente o campo da teoria com as práticas são especialmente bem-vindos.

As diferentes dimensões dos processos de musealização vêm sendo cada vez mais compreendidas enquanto aspetos centrais para pensar os museus como artefactos sociais e produtores de conhecimento. O Seminário pretende ser um espaço para discutir os processos de musealização, explorando os desenvolvimentos teóricos do pensamento museológico contemporâneo e destacando como a sua materialização acontece nas suas práticas.

Objetivos

Este Seminário de Investigação tem como principal objetivo o aprofundamento da reflexão e das práticas de investigação no campo da museologia, envolvendo diferentes saberes e diferentes olhares, participando ativamente na construção de uma comunidade de prática que apoie a discussão e o desenvolvimento de projetos de investigação comuns. Durante o Seminário poderá:

  • conhecer estudantes e investigadores de outros programas de doutoramento e países;
  • familiarizar-se com o estudo e investigação desenvolvida na UP (currículo, corpo docente, equipamentos, possibilidades de trabalho de investigação, informação em primeira mão sobre possibilidades de intercâmbio de estudantes, organização estudantil local e nacional, etc.);
  • informar-se sobre programas e eventos relacionados com museologia que decorrem atualmente no Porto e em Portugal;
  • promover inter-relações internas e externas entre as diferentes universidades envolvidas;
  • networking com instituições-chave.

Temáticas

a) Processos de musealização e práticas de mediação:
Objectos performativos
Memória e construção de significados
Afetividade e storytelling
Criticidades
Criatividade
Públicos da cultura
Democracia cultural
Interpretação

b) Processos de musealização, coleções e património
Poéticas de colecionar
Práticas de desmaterialização
Paisagens biográficas
Processos de documentação
Digitalização
Storytelling e documentação
Reutilização da informação (COPE)
Museologias Participativas
Museus e Políticas Identitárias
Museus e Desenvolvimento Sustentável
Interpretação/Mediação de Recurso Culturais
Exposição como Subtexto
Interpretação Póscolonial

c) Processos de musealização e curadoria
Teoria e história das exposições
Documentação de exposições
Modelos e estratégias expositivas
Exposições e comunicação
Exposição como medium e lugar de criação artística

d) Processos de musealização e conservação preventiva
História e teoria da conservação preventiva
Vulnerabilidades
Modelos e práticas de avaliação de risco
Alteração/dano/perda
Caraterização e documentação
Previsão e profilaxia
Comunicação
Responsabilidade partilhada/redes colaborativas/sinergias
Valor
Resiliência

Museus e comunidades

Museum of Trade and Tourism, Hungria © Ana Carvalho

Museum of Trade and Tourism, Hungria © Ana Carvalho

Termina hoje (20 de Maio), em Budapeste (Hungria) o segundo dia da conferência final do projecto europeu CETAID (Community Exhibitions as Tools for Adults’ Individual Development). O projecto financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida/Parcerias de Aprendizagem GRUNDTVIG, conta com os seguintes parceiros: Múzeumok és Látogatók Alapítvány (Foundation for Museums and Visitors), Historic Royal PalacesTyne and Wear Archives and MuseumsIstituto Luigi Sturzo; e a Associação portuguesa Histórias para Pensar (HPP). A conferência “Museums and their Communities” terá lugar no Museum of Trade and Tourism e noutros museus da cidade.

Sobre o projecto leia neste blogue: Participação no coração dos museus: o projecto CETAID.

****

Programa

Monday, May 19, 2014
Hungarian Museum of Trade and Tourism Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:00-9:30 Opening – Welcome by Imre Kiss, Director, Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:30-10:00 Keynote address: “Museums and communities: is this relationship an object of desire?” by

Dr. Beáta Gurmai, Ministry of Human Resources  & Ana Carvalho, University of Evora

10:00-11:15 Case studies I. (Memories and stories) and Discussion

Facilitator: Julia Kulich, Hungarian Museum of Trade and Tourism

  • Museums objects as memory triggers for people with Dementia – Kath Boodhai, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • City of memories – Lajos Lakner, Déri Múzeum, Debrecen
  • Saving memories 1.0 – 2.0 (Székesfehérvár from 2011 to 2014) – Erzsébet Szűcs, City Gallery, Székesfehérvár
  • How to transform our life into a learning environment? The KValues Project and the use of the  Digital Storytelling methodology for the self  evaluation of key competencies – Antonia Liguori and Barbara Tieri, Istituto Luigi Sturzo

Break 11:15-11:45   

11:45-13:10 Case Studies II. (Including the community in exhibitions) and DiscussionFacilitator: Edit Bárd, Duna Museum

  • Those 1940s! – Andrea Pásztor, Janus Pannonius Museum, Pécs
  • People and Palaces – Diana England, Stitches in Time
  • The Sikh Fortress Turban – Laura Phillips, British Museum
  • West End Stories: The Museum & Community – an exhibition of Stories from the West End of Newcastle – Michael McHugh, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • Return the Collections – to the Museum. Participative Strategies and Immigrant Communities – Gábor Ébli, Moholy-Nagy University of Art and Design, Budapest

13:10-14:30    Lunch

15.00 – 16.00 Néprajzi Múzeum Community projects:

  • Artefact selfie: strictly permitted! – Gabriella Vörös curator, Néprajzi Múzeum, Budapest
  • X-factor in the museum – Emese Joó museum educator, Néprajzi Múzeum, Budapest
  • Adopt an object! – György Szeljak curator, Néprajzi Múzeum, Budapest

16.00 – 17.00 Tour of the Tollvarázs/ Magic of Feathers Exhibition

Tuesday, May 20, 2014

Hungarian Museum of Trade and Tourism

9:00-9:30 Keynote address “Museums and communities: this is to last for a lifetime” by Maria Vlachou, Association Histórias para Pensar and Tamás Vásárhelyi, Hungarian Natural History Museum/Eötvös Lóránd University

9:30-10:45 Case studies III. (Connecting to collections) and Discussion

Facilitator: Anikó Korenchy-Misz, Foundation for Museums and Visitors, Hungary

  • Volunteer curators in the museum – Jenő Molnár, Laczkó Dezső Múzem, Veszprém
  • Dot-to-Dot: using community development approaches in museum outreach and community engagement work, Zoe Brown and Nuala Morse, Tyne and Wear Museums and Archaives
  • Palace Explorers: Encouraging intergenerational learning in children and adults, Nikki Lindsey, Historic Royal Palaces
  • Beyond Assumptions – Communities & Stereotypes – Sian Hunter Dodsworth,

British Museum and Maria Bojanowska- Partnership UK

10:45-11:15 Break

11:5-13:00 Case studies IV. (Learning communities, learning museums) and Discussion

Facilitator: Tamás Vásárhelyi, Hungarian Natural History Museum /Eötvös Lóránd                University

  • The influence of School Community Service in community building and development – Márton Bodó, Hungarian Institute for Educational Research and Development
  • Communities as teachers and learners: community engagement at London Metropolitan Archives – Marta Lomza, London Metropolitan Archives
  • Weaving Europe: Artefacts, Values & Exchanges (WEAVE) – Sara Borrelli, Explora The Children’s Museum of Rome
  • Learning partnership in the field of literary heritage – Gabriella Gulyas, Petőfi Literary Museums

13:00-14:30 Lunch
14:30-15:00 Travel to the Ludwig Museum
15:00-16:30 Presentations of the community projects and guided tour of the museum
16:30-17:00 Closing and evaluation of conference/ News of the final publication

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro