Arquivo da Categoria: Conferences – Internacional

VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012

VI Encontro de Museus de países e comunidades de língua portuguesa

© Ana Carvalho

Filipe, Graça, ed. 2013. VI Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa: Atas 2012, Fundação Oriente, Setembro 2011. [Lisboa]: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM. 348 páginas. ISBN: 978-989-98396-0-1

Foram publicadas há poucos meses as actas do VI Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa que teve lugar em Lisboa em 2011. Esta iniciativa realizou-se pela primeira vez em 1987, no Brasil, sendo que o segundo encontro foi em Mafra (1989), o terceiro na Guiné-Bissau (1991), o quarto em Macau (1994) e o quinto em Maputo (2001) (cf. Elementos para a História da Comissão Portuguesa do ICOM de Natália Correia Guedes).

As actas correspondem em grande medida ao alinhamento do programa do encontro e a maioria das comunicações foram incluídas na publicação, nalguns casos figurando apenas os resumos. De qualidade muito variável, os 40 textos estão organizados em torno de quatro temas principais: “Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade”, “Museus e Desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação”, “Museus e Sustentatibilidade” e “Profissionais e sua Formação”. O texto de Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses antecede a sistematização referida.

Esta publicação confirma a pertinência da construção de linhas de entendimento e cooperação entre os países que falam a língua portuguesa, mas também é sintomática de que um longo caminho está por percorrer para o estabelecimento de redes de trabalho e sua consolidação no contexto de uma estratégia de longo prazo. Com efeito, apesar da língua ser em potencial um elemento aglutinador são necessárias medidas concretas que possam viabilizar intenções.

Prevalece a questão, poderão iniciativas como esta singrar nos seus objectivos de cooperação sem uma articulação concertada de estratégia política, cultural e científica, incluindo nomeadamente o trabalho em rede e concertado de várias instituições que já trabalham no domínio da cooperação internacional? Note-se neste âmbito o trabalho que desenvolve o Instituto de Investigação Científica Tropical e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

A publicação é gratuita, mas poderão ser cobrados portes de envio. Pode obter mais informações no seguinte email: info@icom-portugal.org

****

 Índice

5 Apresentação, Graça Filipe

11 Introdução, Luís Raposo

15 Conferência de abertura: Língua, Objecto, Museu – Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

27 Museus em países e comunidades de língua portuguesa: tradição e modernidade

29 Percurso dos museus de Angola, as perspectivas e sua contribuição no desenvolvimento do país, Paulo Valongo

31 O Cenário museal brasileiro de 2000 a 2010, Denise Grinspum

39 Museus em Cabo Verde: perspectivas e desafios, Humberto da Cruz Lima e Ana Samira Semedo Silva

41 A realidade museológica na Guiné-Bissau, Maria Eveline Diallo

43 Museus de Moçambique: na encruzilhada de tempos, tradições e práticas, Alda Maria Costa

53 Museus Portugueses. 1980-2010, Natália Correia Guedes

71 Museu Nacional de S. Tomé e Príncipe, Ernesto Lima de Carvalho

73 O Arquivo e Museu da Resistência Timorense – A sua instrução e importância na preservação e promoção da memória e identidade de um povo, Antoninho Batista Alves

79 Museus comunitários – experiências e papel renovador na museologia contemporânea, Hugues de Varine

89 Museus e desenvolvimento: parcerias e projectos de cooperação

91 Museu de Arte Cristã – parcerias e cooperação, Fr. Avinash Rebelo

93 Thesaurus de acervos científicos como instrumento de preservação do património científico: um projeto de cooperação luso-brasileira, Marcus Granato, Marta C. lourenço, Cláudia Penha dos Santos, Zenilda F. Brasil, Maria Lucia de Niemeyer M. Loureiro e Rosali Fernandez de Sousa

103 Porque “musealizar” um sector de actividade produtiva? Lições aprendidas do processo de estabelecimento do museu das pescas de Moçambique, 1982 a 2006-2010, Manuel Luís Gonçalves e Daniel Inoque

113 Sociedades indígenas do Sul da Mata Atlântica e o Museu Universitário – uma parceria estratégica, Viviane Wermelinger Guimarães e Cristina Castellano

123 Museologia, desenvolvimento e direitos humanos. Campos emergentes da investigação-ação na globalização, Pedro Pereira Leite

137 Rede MMM: cooperação entre o museu e o público, Adriana Teixeira da Costa, Ana Paula Pereira Costa, Ana Paula Gaspar Gonçalves e Helena Maria Mourão Loureiro

145 Rede museológica de Casas Históricas da CPLP, André Estrela Rodrigues de Soure Dores

151 Experiência nos museus da Ilha de Moçambique, algumas reflexões e considerações, Joana Roque Sofio, Mafalda da Nova Jorge, Silvério João Nauaito

Projecto SOS azulejo: pela salvaguarda do património azulejar português e de tradição portuguesa, Leonor Sá

171 Histórias que se escondem no mar: os museus marítimos e a arqueologia subaquática, Margarida Génio

175 A criação de redes como ferramenta estratégica de planeamento cultural em museus: campanhas coloniais no tempo do Leão de Gaza, Mariana Jacob Teixeira

185 Atanticidade e mundo lusófono. Imaginários, representações e programação nos museus açorianos, Maria Manuel Velásquez Ribeiro e Susana Goulart Costa

193 Museus e sustentabilidade

195 Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau, Chan I Un (Jessica)

207 Memória e Futuro, Alfredo Caldeira

209 O envolvimento das pessoas nos processos museais, garantia de sustentabilidade, Ana Mercedes Stoffel

219 Família Antônio de Dedé. A propósito de um estudo de caso do Programa Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN – Brasil, Daniel  Reis

231 A aplicação do marketing nos museus: o caso do Museu Ferroviário dos CFM, Elsa Dimene

237 A musealização de monumentos e o restauro arquitectónico em Moçambique, Vera Félix Mariz

247 Criação de uma rede de núcleos museológicos como exemplo da sustentabilidade de um território, João Alpuim Botelho e Olga Matos

257 A sustentabilidade de um equipameno cultural: a díficil gestão de necessidades e oportunidades, José Portugal e Pedro Quintela

267 Valorização do património cultural do Douro como recurso para o desenvolvimento de competências, Elisa Pérez Babo

269 Profissionais e sua formação

271 Formação profissional em museologia: desafios metodológicos, Maria Cristina Oliveira Bruno

273 Imperativa necessidade de formação de profissionais para o Museu da Ilha de Moçambique, Silvério João Nauaito, Mafalda da Nova Jorge e José Andrade

283 O ensino da museologia na perspectiva da sociomuseologia, Mário Moutinho e Judite Primo

289 Memorial do homem Kariri, uma experiência de inclusão social através do protagonismo juvenil, Iêdo Lopes

291 O exemplo do conservador-restaurador em Portugal, André Varela Remígio

301 A contribuição do Memorial Cristo Rei na formação do profissional do museu e na preservação, resgate e divulgação da história da Universidade Federal do Maranhão – Brasil, Clores Holanda Silva, Lúcia do Nascimento Coêlho e Natalino Salgado Filho

309 Já que falamos a mesma língua… Falemos de normalização e tecnologias de informação em museus, Maria José de Almeida

317 Aos trabalhadores de museus: programa educativo direcionado ao público interno da Pinacoteca, Gabriela Ramos Figurelli

327 Projectos de cooperação – uma rede de profissionais de Língua Portuguesa? Maria do Rosário Azevedo

333 O percurso do conservador-restaurador em Portugal, Isabel Raposo de Magalhães, António Candeias, Joana Campelo e Francisca Figueira

341 Programa do VI Encontro

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

O lugar do PCI nas políticas do património

Colóquio Internacional “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul…”
27-28 Novembro de 2012
Institut Français du Portugal, Lisboa
© Ana Carvalho

Nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 teve lugar em Lisboa um colóquio internacional dedicado às “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspetivas” (org. Universidade de Évora e Direção Geral do Património Cultural). Foi este o mote para escrever algumas linhas sobre o lugar do PCI nas políticas do património.

Devo começar, em primeiro lugar, por sublinhar a importância de se promover uma reflexão crítica de perfil comparativo sobre políticas culturais, sobretudo quando o tema em debate decorre, em grande medida, de normativos internacionais que irradiam orientações que são tendencionalmente absorvidas pelos Estados nas políticas internas. Países como Portugal, França, Espanha e Itália partilham, de certo modo, uma aproximação ao património com muitas afinidades, pese embora os percursos e idiossincrasias próprias de cada Estado. Estes países assinaram a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 da UNESCO (daqui em diante Convenção de 2003)[1]. Creio que o balanço dos percursos e das experiências pode, em potencial, ter um efeito positivo sobre a avaliação das estratégias, e a possibilidade de reflectir de forma aberta sobre as potencialidades, os limites e a falibilidade das intervenções.

Organizações como a UNESCO, o ICOMOS, o Conselho da Europa, entre outras, têm assumido um papel regulador do discurso autorizado sobre património, legitimando novos usos políticos da cultura, programas e boas práticas. Com a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, em particular, a UNESCO veio assinalar mudanças na forma como os Estados deverão salvaguardar as suas tradições, sublinhando a importância de preservar a diversidade cultural de forma participativa e inclusiva. É assumida uma visão mais antropológica da cultura e um conjunto de orientações que procura remeter o lugar do Património Cultural Imaterial (daqui em diante PCI), anteriormente nas margens das preocupações políticas para uma melhor integração nas políticas culturais.

Este discurso autorizado obriga a uma tradução e a negociações várias, por um lado, na revisão das políticas nacionais, e por outro lado, na transformação do discurso institucional dos actores envolvidos, criando, por sua vez, uma comunidade de praticantes, conservacionistas e especialistas do património, que procuram dar resposta a estes novos enquadramentos (Smith 2006). É neste contexto que se compreende hoje o elevado interesse que suscita o PCI para os diversos especialistas ligados ao património nos vários quadrantes da cultura, que se confirma como sendo intergeracional e atravessando diferentes territórios disciplinares[2].

No sentido de operacionalizar a cartilha da UNESCO também se confirmam em torno da salvaguarda do PCI outras dinâmicas em Portugal. Note-se, por exemplo, a criação, em 2012, de um curso de pós-graduação sobre PCI (Universidade Lusófona) que gerou, por sua vez, a criação de uma associação e uma plataforma de divulgação via facebook (cf. https://www.facebook.com/pcimaterial).

Constata-se, por outro lado, uma certa euforia do PCI veiculada pela comunicação social a julgar pelos destaques que têm tido os anúncios de candidaturas ao “património imaterial da humanidade” de diversas tradições (ex. o Fado, o Cante Alentejano, a Dieta Mediterrânea, etc.), ou no contexto mais local, de onde emerge uma tendência crescente para a validação política de determinadas tradições (ex. tauromaquia). Embora o fenómeno não seja exclusivo à tauromaquia, verifica-se um movimento crescente de intenções (e de varias concretizações) por parte dos municípios para classificar algumas tradições, etiquetando-as como “património imaterial de interesse municipal” (ex. Alcochete, Azambuja, Monforte, Elvas, Beja, entre outros), pese embora a nível da legislação nacional não exista a possibilidade deste tipo de classificação[3]. Sintomático de um certo posicionamento político sobre a cultura tradicional, o fenómeno não se articula com estratégias de salvaguarda estruturadas.

Se atendermos aos exemplos apresentados no colóquio (França, Itália, Portugal e Espanha), pode dizer-se que os Estados têm vindo a concretizar as directivas da Convenção de 2003 com alguma celeridade. Portugal começou a trabalhar estas questões a partir de 2007 sensivelmente (via ex-Instituto dos Museus e da Conservação) e Espanha a partir de 2009, percurso que é marcado pelo encontro de Teruel, que reuniu vários especialistas e representantes das regiões espanholas no sentido de definir a política nacional a adoptar), tendo sido publicando entretanto o Plan Nacional de Salvaguarda del Património Cultural Inmaterial (através do Instituto del Patrimonio Cultural de España), à semelhança do que tem sido feito para outras áreas do património[4].

No entanto, deve ser referido que no contexto local algumas regiões espanholas haviam já introduzido o PCI nas suas políticas, seguindo os princípios da UNESCO. Esse foi o caso da região de Murcia (parceiro com a Universidade de Évora no projecto MEDINS – Identity is Future: Mediterranean Intangible Space (2006-2008)[5], que passou a incluir o PCI no plano operativo da política regional a partir de 2007 (em articulação com a publicação de nova legislação sobre esta matéria), colocando a enfase na importância do PCI como elemento de desenvolvimento social (consultar García Simo 2008). E foi o caso da Andaluzia, com o projecto de inventário e documentação – Atlas del Património Inmaterial de Andalucía (Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico), que começou a ser esboçado a partir de 2008 (cf. Carrera Diaz 2009), entre outros exemplos.

A França começou em 2006 a implementar uma estratégia para o PCI nos termos da Convenção de 2003, com a criação de uma comissão composta por representantes de várias áreas. Todavia, é a partir de 2007 que se dão os primeiros passos para a sua operacionalização. Grosso modo, esta política, levada a cabo pelo Ministério da Cultura, através da Mission Ethnologie, assenta no apoio à investigação e documentação do PCI. A este propósito foram desenvolvidas duas iniciativas, uma com base na ideia de “inventário dos inventários” (cf. Répertoire des inventaires du PCI), reunindo um conjunto de informação que remete para a diversidade de trabalhos de investigação já realizados neste âmbito em França, e na criação de um novo inventário para o património vivo (cf. Fiches de l’inventaire du patrimoine culturel immatériel ou aqui: Inventaire du Patrimoine Culturel Immatériel – Institut Occitan), construído à semelhança do inventário gizado pela Universidade de Laval, no Quebéc (coordenação de Laurier Turgeon) – l’Inventaire des Ressources Ethnologiques du Patrimoine Immatériel-IREPI (2004-2005)[6].

O que se destaca no caso francês é a sua capacidade de investimento, que parece não ter correspondência nos restantes casos. Note-se que o inventário é apoiado e alimentado através de um considerável investimento público da administração central que estabeleceu contratos de investigação com instituições que trabalham no terreno[7].

A política italiana diferencia-se dos últimos exemplos pela diversidade de situações encontradas, variável em função de cada região e pela ausência de uma política unificadora à escala nacional[8]. Os vários exemplos apresentados sobre a realidade italiana mostraram a existência de iniciativas de administração regional do tipo bottow-down e outras, como alguns exemplos de inventários participativos, que se encaixam mais no perfil bottow-up (ex. “progetti Unione Pro Loco”). O exemplo italiano é talvez o mais pragmático dos exemplos apresentados, reflectindo maior diversidade, nomeadamente na forma aplicação da noção de participação das comunidades (dos inventários suportados exclusivamente pelos especialistas aos inventários sem crivo científico, alimentados pelos detentores/praticantes do património, ou seja, verificando-se uma maior experimentação que ultrapassa a participação entendida apenas como a consulta.

De certo modo, o debate não fez jus à ambição do título da conferência “Políticas públicas para o património imaterial…”, uma vez que o leque de experiências apresentado se reportou a uma análise sobre as formas de inventariar o PCI adoptadas pelos países representados. De facto, as estratégias para o PCI têm recaído por força da “necessidade de implementar a Convenção de 2003”, e em conformidade com o artigo 12, para a criação de inventários exclusivamente, atendendo a que esta é a única medida obrigatória da aplicação da Convenção. O enfoque sobre as questões do inventário, marcantes neste colóquio em Lisboa fez lembrar o encontro “Inventer le inventaire” (Paris, 2007) no qual, de facto, o objectivo era reflectir criticamente e de modo comparativo sobre o papel dos inventários tanto do ponto de vista dos seus limites como do ponto de vista das suas potencialidades (veja-se comentário sobre esse colóquio aqui).

 Ainda que os inventários, enquanto ferramenta para a identificação do PCI, possam ser de grande utilidade e validade, quando se desenham políticas o enquadramento que se exige é mais vasto e necessariamente mais transversal. Vale a pena sublinhar, uma vez mais, que os inventários são apenas uma das medidas de salvaguarda previstas na Convenção de 2003. Com efeito, se a criação de um inventário nacional se apresentar desvinculado de uma política de salvaguarda mais abrangente corre o risco de não ter impacto sobre a preservação do património (Carvalho 2011, 99). Neste sentido, importa sublinhar a importância de outros documentos normativos, nomeadamente a Convenção Quadro do Conselho da Europa para o Património Cultural de 2005 (conhecida como Convenção de Faro) que enfatiza a importância de se desenvolverem políticas menos sectoriais para o património, ou seja uma visão mais transversal da cultura[9]. Apesar dos últimos desenvolvimentos, designadamente a criação da nova Direção Geral do Património Cultural com atribuições mais alargadas na área do património e museus, não se operaram mudanças tanto a nível das estratégias como das práticas que estimulem esta perspectiva integradora do património a que nos reportamos, o que significa que as aparentes reestruturações das instituições foram exclusivamente de ordem economicista e não foram acompanhadas de uma reflexão interna sobre os problemas da gestão do património face a novos paradigmas. É a pluridisciplinaridade ainda uma utopia para as instituições na perspectiva do reconhecimento da vocação multidisciplinar do património? Neste contexto, também não foram perceptíveis quais as perspectivas para o futuro ou a definição de estratégias concretas que articulem, por exemplo, a linha de trabalho: inventário/documentação/investigação com a promoção da diversidade cultural através do apoio aos seus protagonistas[10]. Podemos, afinal, ter políticas para a cultura sem investimento?

A palavra crise, ainda que presente nas nossas vidas de forma impositiva, é um problema que se afirma também nas políticas para o património, mas permaneceu ausente no debate (politicamente incorrecto?). Ao ler uma notícia recente sobre a impossibilidade de se voltar a apresentar os Bonecos de Santo Aleixo no Teatro Garcia de Resende devido aos recentes cortes no apoio à cultura, torna-se evidente o divórcio entre a realidade e o discurso oficial. Não estaremos a assistir a um desinvestimento no património? O que não parece claro é de que forma estão a ser equacionadas e reconfiguradas estratégias, atendendo a este novo panorama.

No que diz respeito aos inventários propriamente ditos, os casos apresentados revelaram diferentes formas de organização (ex. domínios, fichas, etc.), o que é expectável, atendendo a diferentes tradições de trabalho e às instituições envolvidas e, por outro lado, decorre também do facto da Convenção de 2003 não fazer recomendações rígidas quando à implementação dos inventários, promovendo também neste aspecto a diversidade de soluções. No caso português, o inventário nacional é um processo não isento de fricções e sobre o qual se tem gerado vários mal-entendidos. Talvez por isso se entenda que após a sua operacionalização desde há mais de um ano apenas inclua uma manifestação de PCI – a Capeia Arraiana[11]. Neste sentido, foi evidente o desencontro entre os objectivos das instituições e dos profissionais face à utilidade do inventário nacional neste formato.

A par com as preocupações com os novos inventários, permanece por resolver em Portugal a definição de uma estratégia ou plataforma que organize ou torne acessível um imenso património espalhado por diversas instituições (ex. centros de investigação, museus, arquivos, associações, etc.) que ao longo de décadas têm realizado recolhas e documentado o património imaterial. A articulação entre instituições está por fazer (e vários projectos adiados, como é o caso da criação de um arquivo nacional sonoro, entre outros), que tem também a ver, por um lado, com um problema de comunicação e de organização e, por outro lado, com a ausência de uma estratégia a longo prazo concertada com investimento público. Neste contexto, é relevante a experiência francesa com vista à criação de um catálogo colectivo online de arquivos sonoros e audiovisuais de várias instituições francesas em rede (cf. Portail du Patrimoine Collectif d’Archives Sonores et Audiovisuelles). Beneficiar de uma estrutura comum em rede que não prescinde da valência específica de cada instituição é um dos grandes méritos do projecto.

Um das contradições do colóquio teve a ver com a discussão em torno do papel dos especialistas do património e a reclamação da antropologia como o campo disciplinar autorizado para salvaguarda do PCI. Com efeito, o facto do PCI estar directamente ligado ao território disciplinar da Antropologia não oferece dúvidas, no entanto, deve ser reconhecido também o papel que outros especialistas da cultura podem ter na salvaguarda do PCI, atendendo à vocação multidisciplinar do património. Por outro lado, a mudança de paradigma presente na Convenção de 2003 sublinha uma revisão do papel dos especialistas. Este novo papel configura-se também pelo abandono de um modelo de protecção do PCI assente exclusivamente no trabalho dos especialistas e técnicos, através do estudo e documentação, para passar a privilegiar a salvaguarda do património, enquanto processo cultural, pelos detentores das práticas. Neste sentido, a Convenção de 2003 atribui aos especialistas a responsabilidade pela mediação do património[12]. Além disso, a partilha de responsabilidades do PCI entre diversos especialistas não se apresenta apenas uma tendência ou recomendação, mas também como uma necessidade operativa, uma vez que a principal área de formação dos técnicos dos municípios é a história, como confirmou Paulo Ferreira da Costa na interpretação os dados recolhidos no âmbito do inquérito “Património Imaterial em Portugal: arquivos, agentes, projectos”[13]. Note-se que a maioria dos museus existentes em Portugal é de tutela municipal, nos quais a diversidade de especialidades é denominador comum. Com efeito, a interpretação da Convenção de 2003 remete para um questionamento e uma reflexão não só do papel tradicional das instituições como dos profissionais (incluindo os antropólogos) e acima de tudo para a aplicação de práticas inclusivas e não exclusivas.

O texto de Chérif Khaznadar foi clarividente no sentido de alertar sobre os usos políticos da cultura, sugerindo uma leitura da Convenção de 2003, não como sendo a única verdade, mas como um documento sobre o qual estão inerentes vários perigos e limitações, aos quais se deve estar atento e, paulatinamente, objecto de reflexão.

Como demonstrou este colóquio, as tensões (e contradições) que suscita o PCI estão longe de se se esgotar nos inventários, pelo que se revela necessária uma maior discussão à volta do tema nas suas diversas valências (problemas conceptuais, questões técnicas, critérios, instrumentalização, riscos da transformação da cultura em recurso, direitos de autor, normas europeias de qualidade, etc.). O espaço crítico para as questões do património, como reclamou João Leal pode ser o da antropologia, mas também poderá ser de outros campos ou actores, nomeadamente dos museus. Creio que os museus podem configurar potenciais lugares de experimentação, reflectindo e problematizando o PCI, sem esquecer o papel que podem ter na mediação e comunicação deste património.

Referências bibliográficas:

Bortolotto, Chiara, Annick Arnaud, and Sylvie Grenet, eds. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie Vol. 26, Ethnologie de la France Cahier. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’homme.

Carrera Díaz, Gema. 2009. Atlas del patrimonio inmaterial de Andalucía. Puntos de partoda, objetivos y critterios técnicos y metodológicos. Revista ph (71):18-41.

Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora.

García Simo, Inmaculada, ed. 2008. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.]. Disponível aqui: http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf

Hottin, Christian, coord. 2011. Le patrimoine culturel immatériel: premières expériences en France. Vol. 25, Internationale de L’immaginaire, nouvelle série: Maison des Cultures do Monte e Babel.

Smith, Laurajane. 2006. The uses of heritage. London, New York: Routledge.

Tambuzzo, Lucio. 2008. Les actions du projet MEDINS. In García Simo, Inmaculada, ed. El patrimonio cultural inmaterial. Defición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional, Murcia, 15 y 16 de febrero de 2007. Murcia: Comunidad Autónoma de la Región de Murcia [etc.], 2008. p. 41-51. Disponível aqui:  http://www.patrimur.com/archivos/actasseminariomedins.pdf


[1] França e Espanha em 2006, Itália em 2007 e Portugal em 2008. Actualmente são 148 os países que aprovaram à Convenção de 2003 (cf. http://www.unesco.org/eri/la/convention.asp?KO=17116&language=E) (consultado em dezembro 4, 2012).

[2] Este interesse ficou patente no elevado número de inscrições do colóquio e tem sido também perceptível noutros encontros promovidos pelo ex Instituto dos Museus e da Conservação em 2011 sobre a “matéria” do PCI, de que são exemplos os seguintes: “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno” (31 Janeiro 2011, Museu Nacional de Etnologia, veja-se http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3737); “Novas Perspectivas para o Inventário, Gestão e Divulgação do Património Móvel e Imaterial” (1 Junho 2011, Museu Nacional de Arte Antiga); e “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas” (12 de Dezembro de 2011, Museu Nacional de Etnologia, consultar http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/4394).

[3] Não obstante o movimento de classificação da tauromaquia geraram-se também movimentos contrários como no caso de Évora, onde a Câmara Municipal acabou por rejeitar a possibilidade de classificar a tradição, argumentando a favor dos direitos dos animais.

[4] Veja-se no site do instituto os vários planos em vigor: património industrial, conservación preventiva, paisage cultural, etc.

[5] O MEDINS um dos primeiros projectos em Portugal a implementar a narrativa da UNESCO. Realizou-se no âmbito do programa INTERREG III B MEDOCC, juntando vinte parceiros (Portugal, Itália, Espanha, Grécia, Malta, incluindo a participação de países de fora da rede europeia, nomeadamente: Tunísia, Marrocos, Argélia, Líbano e Egipto). O projecto foi coordenado pelo Assessorato dei Beni Culturali ed Ambientali e della Pubblica (Região da Sicília) e centrava-se sobretudo na formulação de inventários para o PCI, atendendo às directivas da Convenção 2003. Para maior detalhe sobre os objectivos do projecto consultar Tambuzzo (2008), e sobre a participação da Universidade de Évora veja-se o site: http://medinsuevora.wordpress.com/ (consultado em Dezembro 17, 2012).

[6] Este modelo foi, entretanto, aplicado pela Universidade de Laval noutro inventário de perfil temático no Québec – Inventaire du patrimoine religieux – IPIR (2007-2008) e, além disso, o modelo foi exportado para o Haiti,  onde actualmente se desenvolve o Inventaire du Patrimoine Imamtériel d’Haiti  (cf. http://www.ipimh.ulaval.ca/). A Universidade de Laval dá agora continuidade à valorização do património do Quebéc com um outro projecto – Encyclopédie du Patrimoine Culturel de l’Amérique Français (desde 2008), que configura uma abordagem inclusiva das várias dimensões do património (incluindo os patrimónios contemporâneos emergentes) numa só base de dados multimédia (cf. http://www.ameriquefrancaise.org/fr/#.UL9643eD83w). Este projecto tem tido considerável sucesso, não apenas como projecto de investigação, mas como instrumento de divulgação, atendendo ao número crescente de visitantes do portal.

[7] O inventário francês disponibiliza já mais de três centenas de fichas.

[8] Embora para o caso italiano não tivesse estado presente um representante do ministério da Cultura, à semelhança de Portugal, França e Espanha, Chiara Bortolotto fez o retrato da situação no país.

[9] Portugal aprovou esta Convenção em 2008.

[10] Note-se em 2007 Portugal ratificou a Convenção sobre a protecção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais de 2005, que recomenda a criação de políticas de valorização da diversidade cultural.

[11]Um dos equívocos à volta do inventário nacional é o facto do Fado, aceite pela UNESCO como património imaterial da humanidade, não se encontrar inscrito no inventário nacional, sendo que teoricamente este seria um requisito da UNESCO. Com efeito, tal como foi explicado no colóquio, o  Fado não se encontra no inventário nacional, uma vez que faz parte da base de dados “Fonogramas Históricos de Fado e outros géneros de Música Popular”, que foi considerada como um inventário no contexto da candidatura.

[12] Para uma discussão sobre o posicionamento dos antropólogos face ao PCI consultar Bortolotto, Arnaud e Grenet (2011), que clarificam três possibilidades de envolvimento dos antropólogos: observadores, mediadores ou actores.

[13] O inquérito foi distribuído em 2010 por autarquias, museus, centros de investigação e associações ligadas ao património, mas os resultados não foram ainda divulgados.

Políticas públicas para o Património Imaterial

Acontece nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 o colóquio internacional sobre “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspectivas”, no Institut Français du Portugal (Lisboa). O colóquio conta com o apoio da Direcção-Geral do Património Cultural, Instituto Francês e da Universidade de Évora, através do CIDEHUS (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades).

Uma perspectiva comparativa das políticas culturais sobre património imaterial será certamente uma plataforma interessante de reflexão. Chérif Khaznadar, Sylvie Grenet, Chiara Bortolotto, José Luís Mingote Calderón e María Pía Timón Tiemblo são alguns dos investigadores estrangeiros confirmados.

A inscrição é gratuita.

Programa

Ficha de Inscrição

Sobre o encontro:

“Partindo dos esforços desenvolvidos em Portugal, França, Espanha e Itália, o Colóquio tem como objetivo principal a reflexão sobre os processos de desenho de políticas públicas na Europa do Sul para fins da implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), com especial enfoque sobre a constituição de inventários como medidas fundamentais para a salvaguarda do PCI.

Confrontando as principais estratégias desenvolvidas em cada um dos países, assim como os percursos históricos de que resultaram essas mesmas estratégias, o Colóquio pretende refletir, por um lado, sobre os papéis aí reservados para as entidades governamentais (de âmbito nacional, regional e local), as entidades de carácter científico e cultural (museus, universidades, centros de pesquisa, associações) e os detentores do PCI (“comunidades, grupos, indivíduos”).

Por outro lado, tendo em conta o papel desempenhado pela Antropologia, não apenas no estudo dos factos de cultura desde recentemente objetificados como “PCI”, mas também no próprio processo de elaboração da Convenção da UNESCO, o Colóquio pretende refletir sobre o papel e o envolvimento da disciplina na definição e implementação daquelas políticas e estratégias, identificando as oportunidades, os resultados e, também, os problemas metodológicos, epistemológicos e/ou políticos que daí podem decorrer.

Por fim, o Colóquio propõe-se interrogar as diferenças e afinidades entre as políticas culturais dos países da Europa do Sul, na perspectiva do papel desempenhado pelo património como factor de construção e reconstrução de identidades na Europa.” (Fonte: programa do colóquio)

 

Museus da cidade hoje. Novas Perspectivas?

Realiza-se já amanhã (10 de Julho), em Lisboa, um workshop que coloca em destaque a problemática dos museus de cidade. O evento, de carácter internacional junta especialistas de outros países no decorrer de um projecto europeu, e vem sublinhar a importância dos museus de cidade no panorama museológico.

No caso de Lisboa, esta é uma discussão em aberto, uma vez que a par com o estudo que está a ser desenvolvido sobre um modelo de gestão a implementar nos museus da cidade de Lisboa (museu da cidade, museu teatro romano, museu Bordalo Pinheiro e restantes museus sob a gestão da EGEAC), se estuda também a possibilidade de repensar o museu da cidade na sua globalidade, seja do ponto de vista programático e expositivo, da missão, dos valores. Aliás, notícia publicada recentemente no jornal Publico (26-06-2012) dava conta da intenção da autarquia de Lisboa em contratar alguém de fora dos museus para redefinir o papel do museu da cidade. Este workshop será certamente uma contribuição para esta reflexão.

Consulte: Programa: Lisbon International Workshop

Sobre o evento divulga-se o seguinte:

No âmbito do projeto “Cooperação Tripartida para o Desenvolvimento da Museologia de Cidade” promovido pelo Arquivo e Museu Ahmet Piriştina (APIKAM), da cidade de Esmirna, em colaboração com o Museu da Cidadede de Lisboa e o Museu do Património Industrial de Bolonha, a CML organiza dia 10 de Julho o workshop “Museus de Cidade Hoje. Novas Perspectivas”, a ter lugar no Auditório do MUDE.

 Este é o primeiro Workshop realizado em Portugal sobre museus de cidade.

Para além dos três parceiros deste projeto,  o workshop contará com a participação de responsáveis do Museu de Amesterdão, do novo Museu de Bolonha e do Museu de Londres, bem como dos dirigentes de museus da cidade de Almada, de Aveiro e de Coimbra.

O projeto, subsidiado pelo Ministério da Cultura e Turismo da República da Turquia e pela União Europeia, tem como principal objetivo a promoção do diálogo intercultural entre os Estados membros da União Europeia e a Turquia, através da museologia de cidade, desenvolvendo ações de cooperação entre museus de cidade europeus e turcos.

 A entrada é livre, mediante inscrição.

(press-release Museu da Cidade)

Workshop: Techniques, Patrimoine, Territoires de l’Industrie: Histoire, Valorisation, Didactique

4ème Workshop International TPTI: Techniques, Patrimoine, Territoires de l’Industrie: Histoire, Valorisation, Didactique

PARIS, 6 juillet 2012
Patrimoines de l’ingénierie
Organisateurs : Master Erasmus Mundus TPTI

Contact : Anne-Sophie Rieth (tptiscientifique@gmail.com, 01.44.78.33.73)
Lieu : Salle 1 – Centre Panthéon – 12, Place du Panthéon – 75005 PARIS

Poderá acompanhar o workshop à distância a partir do seguinte endereço (diffusion en directe):  http://epi.univ-paris1.fr/16536285/0/fiche___pagelibre/&RH=n1sitesEPI%5b1%5b1

Programme:

9h45 – Accueil des participants
10h – Présentation et inauguration de la journée
Président de l’Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne
Directeur de l’UFR 09 de l’Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne
Anne-Françoise Garçon (Coordinatrice Master Erasmus Mundus TPTI, Université Paris
1 Panthéon-Sorbonne)
Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora) : Présentation du thème du workshop 10h 15 – Session 1

Président de séance : Jean-Louis Bordes (Centrale Histoire)

Dmitri Gouzevitch (CEMRCEE -, EHESS) et Irina Gouzevitech (CMH – EHESS)
Le barrage pour protéger Saint-Pétersbourg contre les inondations, ou l’expertise
polytechnicienne au service de la Couronne russe : une histoire en deux temps (1824, milieu des années 1980)
Guido Zucconi (Univertà luav di Venezia)
Le patrimoine portuaire. Le cas des villes méditerranéennes
Reine Flora Saoundé (Master Erasmus Mundus TPTI),
Infrastructures ferroviaires, paysages ferroviaires : une mémoire ? un patrimoine ?

11h15 – Pause

11h30 – Session 2
Président de séance : Anne-Françoise Garçon (Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne)
Magda de Avelar Pinheiro (ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa)
Le patrimoine ferroviaire : entre le passé et le futur
Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia- Cátedra Demetrio Ribes)
Paisaje e ingeniería en España : del monumento a la red
Daniela Uresty Vargas, (Master Erasmus Mundus TPTI), L’enseignement technique et
industriel au Mexique, le cas de l’Ecole Nationale des Arts et Métiers (1868-1916)

12h15 – 13h – Session 3
Président de séance : Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora)
Jean-Louis Kerouanton (Université de Nantes), Les grandes formes de constructions
navales de Saint-Nazaire et La Ciotat : histoires parallèles ?
Pascal Désabres (Université Paris IV)
La construction du Métro de Paris : un chef d’oeuvre d’ingénieur ?

13h00- 14h30 – Déjeuner

14h45 – Session 4
Président de séance : Giovanni Luigi Fontana (Université de Padoue)
Jean-François Belhoste (EPHE-Paris)
Usines construites par les ingénieurs de l’Ecole Centrale depuis les années 1830
Vincent Joineau (Université Bordeaux III)
Regards croisés sur la pensée de l’ingénieur: l’exemple de l’usine métallurgique de Fumel
(47) entre 1905 et 1910
Maddalena Chimisso, (Master Erasmus Mundus TPTI),
Les ingénieurs d’État : formation et pratique entre la France et les États italiens.

15h45 – Session 5
Président de séance : Serge Benoit (Université d’Evry)
Dominique Barjot (Université Paris IV)
Histoire et mémoire : la business history appliquée, à partir de l’exemple de Vinci et
d’autres grands groupes de BTP
Claudio Modena (Université de Padua)
Seismic safety of the architectural heritage. The masonry bridges of the Italian national
railway network
Julian Sobrino (Universidad de Sevilla)
Revisión crítica de las estrategias de gestión para el patrimonio industrial en este nuevo
siglo

16h45 Conclusions
Abdelhamid Barkaoui (Université de Sfax)

______________

Master Erasmus Mundus TPTI (Université de Padua, Université de Évora et Université Paris)

EMAC 2012

Comunicação de Michael Dixon (National History Museum, Reino Unido), EMAC 2 junho 2012, Museu Nacional de Arqueologia © Foto Ana Carvalho

Terminou no passado dia 2 de junho (sábado) uma jornada de vários dias da Musem Advisors Conference – EMAC 2012. A primeira nota sobre este evento é no sentido de reconhecer o excelente trabalho da organização conjunta entre a empresa “Mapa das Ideias” (que ganhou o prémio da APOM 2011 para melhor serviço de educação e mediação – Museu Nacional do Traje) e os Museus Municipais de Loures, trazendo para Portugal um evento europeu que reuniu profissionais de vários países. Todo o esforço realizado é notável e comprova que apesar da conjuntura actual é possível desenvolver iniciativas de base colaborativa que podem fazer a diferença, sobretudo pela possiblidade do confronto entre diferentes experiências e perspectivas sobre aqueles que poderão ser considerados os “hot topics” da cena museológica europeia.

Futuro Museu do Dinheiro, Banco de Portugal, Praça do Município, Lisboa © Foto Ana Carvalho, 2012

Diante do mote deste encontro, “The crisis as a challenge: to do more and better”, os “hot topics” abordados foram vários e fortemente associados aos problemas económicos que atravessamos, sendo particularmente evidente nos discursos dos participantes portugueses, holandeses, espanhóis e italianos. Das várias questões levantadas durante este encontro, e atendendo à realidade portuguesa, ficaram algumas inquietações:

A organização da EMAC levou-nos a diferentes cenários museológicos, uma vez que ao longo de 5 dias as conferências realizaram-se em diversos espaços e museus de Lisboa e arredores, permitindo o confronto com diferentes ambiências que, por um lado, nos recordaram da riqueza e diversidade do nosso património e do desenvolvimento a nível de infraestruturas que se operou no sector museológico nas últimas décadas. Mas por outro lado, a percepção de que coexistem realidades muito díspares no panorama museológico português (e a diferentes níveis), que são hoje, mais do que nunca sintomáticas de um política cultural assimétrica. Note-se, por exemplo o caso do recente projecto do museu do dinheiro (tutela do Banco de Portugal), que levanta muitas questões de incoerência e dissonância se atendermos ao enquadramento económico e social nacional e, por outro lado, relativamente a uma desejável política cultural assente numa estratégia alargada e concertada para o tecido museológico português.

Lembrando uma questão levantada por Michael Dixon (Director Natural History Museum, Reino Unido) e pensando na realidade portuguesa, até que ponto a comunidade de profissionais de museus tem sabido apresentar argumentos suficientemente fundamentados para defender a necessidade de assegurar a sua existência e actividade dos museus? E, por outro lado, que estratégias estão a ser equacionadas pelos diversos museus portugueses para responder aos desafios actuais? Entre a aplicação de uma política em Portugal pouco favorável à sobrevivência dos museus e a necessidade de se reflectir internamente (entre os profissionais do sector) sobre o presente e futuro dos museus, parece subsistir uma certa passividade (a par com muitos descontentamentos), mas que acaba por se arrastar em função das decisões políticas.  Afinal, que museus queremos, que museologia ?

Ficou patente que em Portugal há temas que precisam de ser profundamente discutidos e cujas problemáticas são partilhadas pela maioria dos museus, ou seja, modelos de gestão e financiamento, novos paradigmas como a participação (seja a nível das colecções, exposições e dos programas públicos), as novas tecnologias, o equilíbrio entre as funções museológicas, entre outros. O trabalho desenvolvido na Irlanda e de que Marie Bourke (National Gallery of Ireland) nos falou, nomeadamente a organização de eventos como o simpósio “Future Forecasting: the challenges facing museums and cultural institutions” (2011) e a mesa redonda “The challenges facing museums onsite and online in the 21st century” (2012), são exemplificativos da importância de introduzir a reflexão e o debate no momento actual, de forma a podermos repensar estratégias e antecipar os problemas.

Para a equipa que organizou a EMAC 2012: Inês Bettencourt da Câmara, Joaquim Jorge, Cristina Reboredo, Maria João Nunes e Ana Fernambuco, os meus sinceros parabéns!!!!!

European Museum Advisors Conference 2012 (1)

EMAC 2012, Museu de Sacavém
© Foto Ana Carvalho

A conferência internacional “European Museum Advisors” começou na terça-feira, dia 29 de Maio (até dia 2, sábado). Esta é a 9.ª edição do evento que se realiza de dois em dois anos em contexto europeu e que celebra 20 an0s de existência. Este ano coube a Portugal ser o país anfitrião, pela mão de Inês Bettencourt da Câmara (Mapa das Ideias) e Joaquim Jorge (Museus Municipais de Loures), e o apoio de várias instituições portuguesas (ver programa).

O tema deste encontro não poderia vir mais a propósito: “The crisis as a challenge: to do more and better”. Esta premissa marcou o tom de muitas das intervenções que procuraram de forma optimista responder a este apelo.

Na realidade, há muito tempo que em vários museus portugueses se trabalha com orçamentos inexistentes, ainda que a realidade que enfrentamos hoje se agrave também por uma certa incapacidade de reacção e desmotivação generalizada. As apreensões, tensões e fricções identificadas ultimamente no sector profissional dos museus, em grande parte causadas pelo anúncio de uma reestruturação do sector cultural a nível da administração central e regional (entendida por muitos como arbitrária, e ao sabor do argumento “crise”), têm despertado muitas emoções, mas pouca mobilização dos vários agentes/actores (não falo apenas dos profissionais de museus e respectivas organizações, mas também das universidades) interessados na definição de uma política museológica e patrimonial sustentável. Falta uma reflexão conjunta sobre o rumo da museologia portuguesa, estruturada a partir de temáticas concretas, que possa fazer face a este diagnóstico de asfixia orçamental.

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Prof. Amareswar Galla e Joaquim Jorge
© Foto Ana Carvalho

No entanto, pode dizer-se que o primeiro dia de debate promovido pela conferência “European Museum Advisors” demonstrou a importância de partilhar experiências de trabalho que sugerem caminhos alternativos para superar a conjuntura em que se vive. Sem pretender resumir o primeiro dia deste encontro, confirmadamente rico e diverso nas perspectivas apresentadas, destaco apenas alguns momentos que na minha perspectiva fizeram a diferença (e que é certamente um olhar muito pessoal…). Primeiramente, a comunicação do Prof. Amareswar Galla (International Institute for the Inclusive Museum), que falou de multiculturalismo, políticas de integração e políticas de assimilação na Europa, diálogo intergeracional e diálogo intercultural, novos paradigmas, social media, a potencialidade das colecções, envolvimento e inclusão. Uma das mensagens deixadas pelo Prof. Amareswar foi o enfoque da criatividade como ingrediente imprescindível para relativizarmos a “crise” e a importância das nações desenvolverem políticas inclusivas ao contrário do que parece ser o caminho trilhado…

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Joana Sousa Monteiro
© Foto Ana Carvalho

Joana Sousa Monteiro (Câmara Municipal de Lisboa) apresentou a experiência de dois anos de trabalho em torno da reformulação da rede de museus municipais de Lisboa. Desta apresentação foi perceptível um percurso de investigação sério e reflexivo. O discurso pontuou pela assertividade e por uma atitude perseverante no sentido de alcançar práticas de gestão mais coerentes e eficientes.

Um outro momento profundamente inspirador foi a apresentação de Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) que deu conta de um trabalho (“Network of School Archaeological Clubs”) assente na cooperação entre museu e escolas. A dedicação e empenho profissional foi um elemento-chave neste processo/projecto. Este projecto ganhou recentemente o prémio CECA para as melhores práticas educativas (CECA Best Practice Award).

EMAC 2012, Museu de Sacavém. Da esq. para a direita: Sofia Borges, Wolfgang Täebler (moderador) e Patricia Remelgado
© Foto Ana Carvalho

O projecto “Trienal Movimento Desenho 2012” destacou-se pela originalidade da abordagem. Assente na criação de redes informais e na cooperação, as autoras do projecto tem procurado reunir pessoas e instituições interessadas na importância e valorização do desenho (nas suas diversas vertentes) com o objectivo de se organizar um evento nacional, cuja 1.ª edição terá lugar este ano (15 de outubro a 15 de dezembro). A dedicação dos profissionais que fazem parte da comissão organizativa deste evento foi também um ingrediente fundamental para tornar possível um projecto sem orçamento.

CONF: Inclusión e interculturalidad. Las nuevas misiones de los museos, IV Mouseion

Entre 20 e 22 de abril de 2012 irá ter lugar o IV encontro transfronteiriço de museologia MOUSEION, em Alcántara (Espanha). Este ano o tema é: Inclusão e interculturalidade: as novas missões dos museus. O IV encontro Mouseion é promovido pela “Plataforma Transfronteiriça de Colaboração, uma rede de museus da euroregião Eurace (Alentejo, Centro, Extremadura)”.

Pode encontrar mais informação sobre outros encontros do Mouseion aqui e um comentário sobre o último encontro aqui.

Sobre o programa ver: http://issuu.com/museodecaceres/docs/trifoliopt_final

Mais informações:

http://museodecaceres.blogspot.com.es/2012/03/iv-encuentro-mouseion.html

Espaços e Actores da Ciência em Portugal (XVIII-XX), 24 e 25 fev. 2012

No âmbito das suas actividades, o HetSci* realiza, nos dias 24 e 25 de Fevereiro de 2012, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, um Encontro Internacional, subordinado ao tema Espaços e Actores da Ciência em Portugal (XVIII-XX).

Margaret Lopes, João Brigola, Luís Ceríaco, Elisabete Pereira, Patrícia Costa, Daniel Marques, entre outros, falam de MUSEUS no âmbito da da História da Ciência.

Local: Lisboa, FCSH/UNL – Edifício ID, Sala Multiusos 2, (Piso 4)
Organização: Instituto de História Contemporânea (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Universidade Nova de Lisboa) e Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (Universidade de Évora).

*HetSci- O HetSci reúne investigadores do Instituto de História Contemporânea (FCSH/UNL) e do Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (UE) com o objectivo de desenvolver a investigação em História da Ciência em Portugal, no período entre os séculos XVIII e XX.

Mais informações em:
http://www.hetsci.org/
http://espacoseactoresciencia.blogspot.com/

Local Vocabularies of Heritage

Local Vocabularies of “heritage”
Universidade de Évora, 10 Fev. 2012
Da esquerda para a direita: Al Karjousli Soufian, Eduardo Jorge Esperança, Julie Perrin e Anais Leblon
© Ana Carvalho

Teve lugar a semana passada o congresso internacional “Local Vocabularies of «heritage»”, Variations, Negogiations, Transformations” (8-10 Fev. 2012) na Universidade de Évora. Apesar de a minha percepção sobre o congresso ser subjectiva, pelas razões óbvias, não posso deixar de sublinhar a qualidade do trabalho feito pela organização (em especial do Cyril Isnart), a qualidade das intervenções e de todos os que foram participando ao longo destes três dias, através das questões apontadas e do espírito de reflexão e crítica que foi uma constante neste encontro. Para mim, a motivação em participar nestes encontros reside nesta possibilidade de troca e partilha e no questionamento que oferece, nem que seja para nos interrogarmos não só sobre o que outros investigadores fazem, mas como no nosso próprio trabalho. Por outro lado, este encontro foi particularmente interessante pela possibilidade de contactar com investigadores, que nalguns casos, já me eram familiares através de leituras várias e que tenho citado ao longo do meu trabalho: Chiara Bortolotto, Silvie Grenet e Laurier Turgeon, mas também muitos outros (ver programa do evento)

No geral, os trabalhos apresentados foram diversos, sendo inúmeras as questões levantadas: a problematização dos processos de patrimonialização, seja ao nível das dinâmicas, as tensões entre a tradição vs modernidade, os agentes, os instrumentos normativos internacionais (UNESCO), recursos vs sustentabilidade, a normalização dos processos e os conflitos inerentes, a turistificação do património, o papel do turismo experiencial, os museus e o PCI. Para além disso: o património visível e o invisível (ex. património negativo) e os processos que evidenciam aspectos, mas que ocultam outros; as diversas dimensões do património (material, imaterial, natural, cultural, etc.) e a necessidade de maior flexibilidade tanto a nível de conceitos como dos processos de salvaguarda; a relação ou tensão entre local e global; a relação da patrimonialização com o território; as abordagens ao património (funcionalista, crítica sociológica, nominalista); o património e a inclusão social; questões epistemológicas e disciplinares: a necessidade de repensar a antropologia e a discussão teórica; a complexidade da abordagem ao património (o paradoxo de trabalhar com base em categorias; diferentes vocabulários, vocabulários locais e globais, traduções) e a necessidade de observar tantos os conteúdos como os processos; Todavia, ficaram no ar várias perguntas: Estamos diante de uma nova sacralidade? Vamos salvar o património: Salvar ou destruir? Salvar ou fixar? O que salvar e porquê? (entre outras)

Os papers serão publicados a breve trecho.

Em nome das artes ou em nome dos públicos?

Em nome das artes ou em nome dos públicos é o título de uma conferência internacional no âmbito dos museus e da educação, uma das áreas com mais dinamismo na cena museológica portuguesa na actualidade. O evento é organizado pela Culturgest (Lisboa) e realiza-se a 13, 14 e 15 de Dezembro de 2011 (terça, quarta e quinta-feira).

Os oradores convidados são figuras conhecidas do panorama nacional, mas o programa conta também com algumas personalidades bem conhecidas internacionalmente. John Falk é uma delas. Quem nunca ouviu falar dos livros de Falk: “Museum Experience” (1992) (com Lynn D. Dierking) ou “Learning from museums: visitor experiences and the making of meaning” (2000) (também com Lynn D. Dierking)? O programa é certamente promissor!

Sobre a conferência:

De que modo os museus e os centros culturais estão a lidar com as exigências e as necessidades dos seus públicos? A emancipação dos públicos é verdadeiramente promovida ou é sobre a falta dela que se constrói a mediação cultural na actualidade? Que grau de partilha e de participação é solicitado aos públicos dos museus? É a interpretação do público uma forma de completar o objecto artístico? E onde começa a prática artística com comunidades e termina a mediação cultural? É o mediador cultural um agente isento e transparente ou a sua presença condiciona a interpretação dos objectos? Partilha com os seus públicos dúvidas honestas ou, na maior parte das vezes, já tem as respostas?

Sem deixar de indagar mas sem respostas à vista, convidámos artistas, filósofos, críticos e profissionais de museus de diferentes países para, em conjunto com o público, reflectirem sobre a importância e a validade da mediação cultural nos espaços museológicos da actualidade. Para mote de discussão de cada dia elegemos os conceitos de equipa, ética e erro.

Às equipas nos museus devemos o reconhecimento de serem a alma comunicante da maior parte das instituições. À ética devemos a reflexão constante sobre as formas de captação e comunicação com os públicos. Ao erro devemos o privilégio da aprendizagem e do crescimento constantes.
E porque acreditamos na riqueza da comunicação sem rede, optámos por correr o risco de apresentar três dias preenchidos com debates abertos ao público, mesas redondas com um só porta-voz, speed meetings e workshops orientados por artistas.

Pode encontrar mais informações no site da Culturgest (programa, inscrição):
http://www.culturgest.pt/actual/30-emnomedasartes.html

JALA MAKHZOUMI na Universidade de Évora

No seguimento do “post” anterior, Jala Makhzoumi, arquitecta paisagista, professora (Landscape Design and Ecosystem Management) na American University de Beirute, no Líbano estará hoje em Évora para um seminário de investigação. “Rural landscape heritage in an urbanizing Arab World?” é o título da comunicação que Jala Makhzoumi vai fazer. Paulo Simões Rodrigues vai moderar a sessão.

Paisagens e património destruídos por actos de violência, deliberada ou não, assombram as nossas memórias, recentes e antigas, em todo o globo. O homem investe na reconstrução, procura reinventar as paisagens destruídas. Explorando a relação entre a paisagem e a condição humana, confrontaremos o nosso olhar europeu com outros modos de olhar e de fazer paisagem, em contextos de guerra recentes, fortemente marcados pelo êxodo rural e por uma urbanização galopante.

17 horas
(sala 242, Colégio Espírito Santo, UE)

Hoje em directo: Symposium “Future Forecasting: The challenges facing Museums & Cultural Institutions

Decorre neste momento o “Symposium “Future Forecasting: The challenges facing Museums & Cultural Institutions”, a partir de Dublin, na Irlanda (3 Novembro 2011), na National Gallery of Ireland. O evento pode ser seguido em directo através do seguinte site: http://bit.ly/natgallerysymposium2011, o que demonstra o grande potencial das tecnologias. O tema da conferência não podia ser mais actual, qual o papel do museu do séc. XXI diante das transformações económicas e políticas que hoje atravessamos.

O programa das conferências pode conhecer-se aqui: http://www.lemproject.eu/in-focus/events/future-forecasting-the-challenges-facing-museums-cultural-institutions

SIAM – Seminário de Iberoamericano de Investigação em Museologia

Abertura do SIAM, 27 Outubro 2011
Salón de actos, Universidad Autónoma de Madrid

Sessão de posters
28 de Outubro de 2011


Encerramento SIAM
Teresa Sheiner (ICOFOM) e Armando Coelho Ferreira da Silva (Universidade do Porto)
29 de Outubro de 2011
Salón de actos, Universidad Autónoma de Madrid

A 3.ª edição do SIAM – Seminário de Investigação em Museologia teve lugar em Madrid, na Universidad Autónoma, nos passados dias 27, 28 e 29 de Outubro de 2011.

Note-se que o 1.º SIAM foi uma iniciativa da Universidade do Porto (2009) com o objetivo de “criar um espaço académico e científico de excelência para a apresentação de investigações relacionadas com o mundo dos museus e suas práticas” (museologia.porto). A primeira edição conduziu a uma segunda convocatória que decorreu em Buenos Aires (2010) com organização do ICOFOM.

Em Madrid foi anunciado que o próximo encontro terá lugar em Paraty, no Brasil, nos dias 5, 6 e 7 de Novembro de 2012.

De uma forma geral, o SIAM, em Madrid, revelou-se muito positivo, que se reflectiu não só pelo número de apresentações que foi consideravelmente elevado (com base no call for papers), como pela possibilidade de encontro e troca de experiências entre profissionais espanhóis, brasileiros e portugueses.

O modelo adoptado é porventura menos familiar aos portugueses, ou seja, a organização de sessões temáticas a decorrer em simultâneo, mas responde à necessidade de agrupar as diferentes propostas de apresentação a partir da sua especificidade. Este modelo parece também ser um indicador da diversidade de áreas que se desenvolvem no contexto da museologia como se pôde ver neste encontro (ex. museus e arqueologia, novos museus de etnologia, museus de história, museus e inclusão social, museus e colecções científicas, história dos museus, museus de arte contemporânea, museus e património, públicos, arquitectura de museus, museus e educação, documentação, museologia e género, novas tecnologias, museologia e direitos humanos, projectos de museus, discurso e metadiscurso museológico, acessibilidade, turismo, comunicação e marketing, gestão de colecções, conservação preventiva e redes de museus).

Apesar da necessidade de apurar questões de organização e de selecção dos trabalhos, pode dizer-se que esta foi uma iniciativa muito positiva. Em 2013, o SIAM deverá voltar a realizar-se em terras portuguesas.

Este SIAM introduziu uma novidade, algumas apresentações foram premiadas. Este foi o caso de Joana Sousa Monteiro, com a apresentação “Museus Municipais de Lisboa: perplexidades, dúvidas e possíveis caminhos para um novo modelo de gestão”. Também foram premiadas outras apresentações e posters, que serão certamente divulgadas no site do SIAM (http://www.siam2011.eu/).