Arquivo da Categoria: Conferences

Acesso Cultura debate a crise dos refugiados no sector cultural

20160216_lisboa

A crise dos refugiados está muito presente hoje na Europa, mas também nos restantes continentes. Tornou-se óbvio que a União Europeia tem dificuldades em criar consenso em relação à forma de gerir esta situação e em estruturar um plano de acção. Ao mesmo tempo, as medidas recentemente tomadas por alguns governos indicam um endurecimento das posições, que em alguns casos vem reforçar os estereótipos em relação ao “Outro” e à ameaça que ele representa para a sociedade e a cultura europeia.

Qual é o papel das instituições culturais neste contexto? A crise dos refugiados, os seus contornos, as questões que levanta para a sociedade são assuntos que dizem respeito ao sector cultural ou estão fora do seu âmbito de acção e das suas prioridades? Ao decidir envolver-se, de que forma uma instituição cultural poderá ou deverá proceder? Que cuidados deverá ter? Que objectivos?

Debate oportuno e relevante.

A entrada é livre. Decorrerá em vários locais do país, à mesma hora: das 18h30 às 20h na próxima terça-feira, 16 de fevereiro.

Em ÉVORA: LIVRARIA FONTE DE LETRAS
Hortênsia Menino, CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central; Hugo Sovelas, Propositário Azul; Zélia Parreira, Biblioteca Pública de Évora; Teresa Crespo, Museóloga (moderadora); outros convidados a confirmar

Em LISBOA: CASA FERNANDO PESSOA
Com Cristina Santinho, Investigadora CRIA/ISCTE-IUL; Isabel Galvão, Conselho Português para os Refugiados; Joana Sousa Monteiro, Museu de Lisboa; Sofia Cabrita, RefugiActo; Ana Carvalho, Museóloga (moderadora)

No PORTO, MUSEU NACIONAL SOARES DOS REIS
Com Ângelo Merayo, Conselho Português para os Refugiados; Jorge Oliveira, Espaço T- Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária; Luís Monteiro, Mestrando em Museologia, Deputado na Assembleia da República; Maria João Vasconcelos, Museu Nacional de Soares dos Reis; Joana Macedo, Professora e coordenadora de projectos de mediação e programação cultural (moderadora)

Em TAVIRA, CASA DAS ARTES
Com Ana Borges, Coreógrafa, Corpodehoje; João Ventura, Teatro Municipal de Portimão; Paula Ferreira, Biblioteca Municipal de Tavira; Tela Leão, Programadora Cultural (moderadora)

A Acesso Cultura foi criada em 2013. É uma associação sem fins lucrativos de profissionais da cultura e de pessoas interessadas na melhoria das condições de acesso – nomeadamente físico, social e intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural, em Portugal e no estrangeiro.

Museu do Neo-Realismo promove reflexão sobre museus e educação

Desafios contemporâneos educação museus

O Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, organiza uma jornada de reflexão sobre os “Desafios Contemporâneos da Educação Não formal nos Museus”, que acontece a 2 de Fevereiro (terça-feira).

Trata-se de um tema recorrente na reflexão no mundo dos museus, mas porventura a necessitar de olhares mais actualizados no contexto nacional. Como estará o panorama dos departamentos de educação e de programação dos museus portugueses com a crise que se instalou nos últimos anos? Nalguns casos, sabemos que equipas foram dispensadas ou desestruturadas com a saída de vários profissionais. Também sabemos que novos projectos tem vindo a desenvolver-se nesta área, fomentando novas dinâmicas.

De acordo com a informação veiculada pela organização do evento, esta iniciativa pretende “debater o papel da educação não formal no quadro dos programas museológicos tendo em conta a perspectiva, cada vez mais real, da transformação dos museus em agentes potenciadores de uma cidadania activa e inclusiva. Terá como objectivos principais uma reflexão sobre a formatação comum dos serviços educativos dos museus, a problematização do conceito de educação não formal no contexto museológico e a concepção de programas e projectos educativos que considerem os interesses e expectativas dos públicos e potenciem as colecções dos museus.”

O programa do evento pode ser consultado em: http://www.icom-portugal.org/multimedia/documentos/Programa.pdf 

Inscrições gratuitas, mas condicionadas à lotação do auditório; podem ser feitas na receção do Museu do Neo-Realismo pelo telefone 263.285.626 ou por correio electrónico (neorealismo@cm-vfxira.pt).

ICOM Portugal organiza conferência sobre crise económica na cultura

ICOM POrtugal 2015

É já esta sexta-feira, 30 de Outubro, em Penafiel, que irão estar a debate os desafios e as estratégias dos museus face à crise económica na cultura. A conferência é organizada pelo ICOM Portugal (comissão nacional portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) em parceria com o Museu Municipal de Penafiel. Pretende-se discutir “os problemas que os museus encontram em tempo de crise e as formas propostas ou encontradas para ultrapassar os desafios colocados actualmente pela crise económica que atravessamos”, sublinha a organização do evento.

De uma perspectiva internacional, estão presentes representantes do ICOM Alemanha e da Universidade de Barcelona para falar dos respectivos casos nacionais. De Portugal estarão representados os casos do Museu da Chapelaria (S. João da Madeira) e do Museu do Traje de São Brás de Alportel (Algarve).

A entrada é livre, mas é necessário inscrição através do email: museu.penafiel@cm-penafiel.pt

Mais informações no site do ICOM Portugal: http://www.icom-portugal.org/destaques,6,516,detalhe.aspx

Qual o lugar da cultura no séc. XXI?

CCB

Centro Cultural de Belém, 2012 © Carlitos

 

Qual o lugar da cultura no séc. XXI? Entre 15 e 16 de Abril irão decorrer uma série de conferências sobre cultura no Centro Cultural de Belém (CCB). Trata-se de uma iniciativa do governo. Segundo Jorge Barreto Xavier, Secretário de Estado da Cultura, «pretende-se contribuir para promover uma melhor identificação e proposição da presença da cultura no modelo
de desenvolvimento português e europeu no século XXI.»

No âmbito desta iniciativa irá ter lugar também a mesa-redonda “Conhecer, Explorar e Partilhar o Património Cultural (17 de Abril), entre as 9h30 e as 12h30, na Sala Almada Negreiros (CCB). Entre os convidados destacam-se Alice Semedo, António Lamas, António Mega Ferreira, Augusto Mateus, Guilherme d’Oliveira Martins, Jesus Prieto, Luís Campo e Cunha, João Paulo Sacadora (moderador), e Nuno Vassallo e Silva (boas-vindas). Inscrição através do email: dgpc@dgpc.pt

Mais informações em: http://olugardacultura.pt.

A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades

Biblioteca Museu Nacional Arte Antiga

Biblioteca MNAA © Ana Carvalho

No dia 17 de Janeiro de 2015 terá lugar no auditório da Biblioteca Nacional um encontro dedicado à reflexão sobre as ciências sociais em Portugal intitulado “A Economia Política das Ciências Sociais e das Humanidades, que “visa analisar e discutir a actual situação (…) tendo como pano de fundo a crise económica do país e da Europa […].”

São três os eixos principais para o debate: as fontes de financiamento universitário e a autonomia das agendas de investigação; as diferenças e hierarquias no interior do campo académico e a noção de comunidade científica; a crise do emprego científico e as práticas académicas de exploração laboral.

A museologia, enquanto campo de estudos no âmbito das ciências sociais, poderia incluir-se neste contexto de reflexão. No momento em que a formação pós-graduada em museologia (mestrados e doutoramentos) está em profunda transformação, quais as expectativas da evolução da museologia como campo de investigação?

Em 2010, a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) criou uma nova área para submissão de projectos de doutoramento e pós-doutoramento com a designação “Museologia, Conservação e Restauro”. A iniciativa foi criada no âmbito de um protocolo com o Instituto dos Museus e da Conservação e com o objectivo de estimular a investigação centrada nos museus e nas colecções. O painel “Muselogia, Conservação e Restauro” da FCT foi entretanto extinto. Resultado da crise? O que parecia um desenvolvimento positivo da museologia rapidamente sucumbiu no contexto da crise generalizada do financiamento à investigação. Embora continue a ser possível submeter candidaturas de projectos em museologia mediante avaliação noutros painéis disciplinares (História, História da Arte, Antropologia, etc.), esta mudança significou provavelmente um retrocesso ou uma limitação concreta na evolução da investigação em museologia, no seu crescimento e consolidação como área de estudos, mas que é também o resultado das mudanças profundas nas universidades e no sistema de financiamento.

Faz falta uma avaliação do que se passa no campo da investigação em museologia: que problemas, abordagens e perspectivas? Sobre estas questões fica um pequeno excerto de Nélia Dias que, no contexto do artigo “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” (2013), tece algumas considerações sobre esta matéria:

«[…] se no início dos anos 2000 assistia-se ainda ao boom da museologia e a um certo entusiasmo pelos museus por parte dos alunos, actualmente a museologia não ocupa em Portugal um papel central tanto em termos académicos – cadeiras de opção nas licenciaturas e mestrados na área – como no que diz respeito às publicações e investigação neste domínio. A dimensão pioneira e original que os museum studies deram para a abordagem dos museus suscitando um estímulo intelectual acabou por dar lugar a uma certa acalmia, que se traduz de uma certa forma, em abordagens mais convencionais e menos críticas em relação às práticas e aos fundamentos da museologia. Esta mudança de orientação parece-me ser sintomática da ausência de um paradigma novo na museologia; mais ainda, com a crise económica que se instalou em Portugal e suas repercussões em termos do ensino superior e nomeadamente da procura por parte dos alunos, parece-me que a situação apresenta todas as condições para se manter» (In Dias, Nélia. 2013. “A Antropologia Ainda Precisa Dos Museus?” Museologia e Interdisciplinaridade 2 (4): 82).

Recomenda-se, ainda, a leitura do artigo de Irene Vaquinhas “A Museologia Como Campo de Estudo nas Universidades Portuguesas: Esboço de Evolução, Pertinência e Atualidade” (2013),  que traça uma panorâmica sobre a formação pós-graduada em Portugal ligada aos museus e ao património. Disponível em: http://midas.revues.org/142

****

PROGRAMA

9h45 Abertura

10h-11h40 FINANCIAMENTO OU CONDICIONAMENTO DA INVESTIGAÇÃO?
Que dívida é contraída pelos cientistas sociais junto de quem financia as suas investigações? A questão ganha maior visibilidade em Portugal num quadro de retracção do financiamento estatal e de emergência de novas fontes de financiamento privado. Partindo de um olhar histórico sobre o desenvolvimento da ciência nas últimas décadas, nesta primeira mesa pretende-se problematizar a questão da determinação das agendas de pesquisa nas ciências sociais de hoje, nomeadamente discutindo a sua sujeição a interesses económicos privados e ou a políticas públicas de índole nacional ou europeu.

11h50-13h30 COMUNIDADE CIENTÍFICA OU HIERARQUIA ACADÉMICA?
Hoje boa parte dos cientistas sociais utiliza o conceito de comunidade com precaução. Neste sentido nós também perguntamos de que falamos quando falamos de comunidade científica? A identificação de uma tal comunidade torna visível uma distinção entre o campo académico e a realidade que o rodeia e revela-se pouco sensível às diferenças e desigualdades que cindem o interior do campo. Em jeito de inquérito às relações de poder na universidade, esta mesa promoverá um debate que se pretende desdobrar da crítica pedagógica à questão da democraticidade do governo universitário.

15h-16h40 CRISE E FUTURO DO TRABALHO CIENTÍFICO
Desde os anos de 1990 que aumentou significativamente o número de pessoas envolvidas na investigação científica. Em função da crise económico-financeira vigente, mas também de uma concepção da produção científica de pendor elitista, de que é exemplo a recorrente agitação da bandeira da “excelência” por parte da actual direcção da FCT, aquela tendência de crescimento encontra-se em reversão. Esta reversão é facilitada pela natureza dos vínculos contratuais em que se baseou o crescimento das últimas décadas. A universidade constituiu-se como um laboratório de experiências de mobilização e exploração do trabalho que passaram pela generalização de regimes de precariedade e, mais recentemente, pela proliferação de trabalho não-remunerado. Como inverter a tendência de retracção do número de investigadores e reconstruir o sistema em bases menos precárias?

17h-18h30 DISCUSSÃO FINAL

———
Convoca este encontro um grupo de investigadores de ciências sociais e de humanidades da região de Lisboa: André Freire, António Hespanha, Bruno Peixe Dias, Carlos Bastien, Cláudia Castelo, Eduardo Ascensão, Fátima Sá e Melo Ferreira, Golgona Anghel, Gustavo Cardoso, Guya Accornero, Helena Jerónimo, Inês Galvão, Joana Cunha Leal, Joana Estorninho de Almeida, João Sedas Nunes, José Ferreira, José Luís Garcia, José Neves, José Nuno Matos, Manuela Ribeiro Sanches, Margarida Santos, Maria Coutinho, Maria Dávila, Maria Eduarda Gonçalves, Marta Macedo, Miguel Vale de Almeida, Nuno Domingos, Paula Godinho, Paulo Jorge de Sousa Pinto, Pedro Aires de Oliveira, Renato Carmo, Robert Rowland, Ruy Llera Blanes, Sérgio Campos Matos, Susana de Sousa Dias, Susana Gaudêncio.

* Cada mesa contará com duas intervenções iniciais de 20 minutos, seguidas de um comentário de 15 minutos e abrindo-se em seguida um espaço de debate entre todos os participantes no encontro. O encontro terminará com uma sessão que, partindo de uma intervenção de síntese das discussões tidas ao longo do dia, se deseja participada por todos os investigadores presentes. Os nomes dos intervenientes serão anunciados brevemente.

História da Arte, Museus, Tecnologia e Sociedade

cabe_alho_encontro_must_

Nos dias 10 e 11 de Dezembro (quarta e quinta-feira) irá realizar-se o encontro “Multidisciplinaridade e Interaçao: História da Arte, Museus, Tecnologia e Sociedade”, organizada pelo Instituto de História da Arte (IHA) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas  da Universidade de Lisboa (FCSH-UNL). Este centro tem uma linha de investigação no âmbito do estudo de museus e neste encontro poderá conhecer melhor alguns dos projectos desenvolvidos. A entrada é livre.

Mais informações em: http://institutodehistoriadaarte.wordpress.com

****

PROGRAMA

Dia 10 de Dezembro

(Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3)

16.00 – Apresentação do projeto Catálogo Raisonné Online das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian
Helena de Freitas (FCG), Leonor de Oliveira (IHA, FCSH-UNL), Joana Baião (IHA, FCSH-UNL), Lúcia Luz (FCG)

16.30 -16.45 – Pausa

16.45 – 17.30 – Conferência The Artl@s project: Digital Humanities for Art History
Béatrice Joyeux-Prunel (Professora Associada em História da Arte Contemporânea na École normale supérieure de Paris/Diretora e fundadora do projeto ARTL@S)

Dia 11 de Dezembro/MANHÃ (Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3)

9.30 – Abertura

10.00 – Unplace – Um Museu Sem Lugar
Felisa Perez (Programa Gulbenkian Próximo Futuro), Raquel Pereira (ISTUL) e Rita Xavier Monteiro (IHA,FCSH)

10.30 – The Curious Curator
Sofia Romualdo (IHA,FCSH)

11.00 – Pausa

11:30 – Cuidado com a língua
Maria Vlachou (Acesso Cultura, Diretora Executiva)

12.00 – Recursos digitais ao serviço do novo projeto museológico do Quarto D. Quixote, no Palácio Nacional de Queluz
Fernando Montesinos (Parques de Sintra-Monte da Lua)

12.30 – O projeto “Warburg: Banco comparativo de Imagens”
Martinho Alves da Costa Junior (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP, Campinas/Brasil)

13.00 – Pausa para almoço

TARDE (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – UNL, Sala 82, Piso 1, Edifício B2)

14.30 – Proposta de Tecnologias da Informação e da Comunicação para a Preservação e Interpretação do Património Cultural de Macau: a Gruta de Camões como estudo de caso
Patrícia Sousa Melo (FCSH-UNL)

15.00 – Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados aplicados à Pintura Histórica Brasileira: um relato de experiência a partir do Laboratório de História da Arte da Universidade Federal de Juiz de Fora (Minas Gerais, Brasil)
João Victor Rossetti Brancato (Universidade Federal de Juiz de Fora)

15.30 – Pausa

16.00 – Projecto R
Nuno Miguel Neves (Universidade de Coimbra) Mário André Carvalhal (Universidade de Coimbra)

16.30 – Conectando acervos
Siele Cristine Barbosa (Universidade Federal de Minas Gerais/Brasil)

17.00 – Projecto Timeline ACARTE 1984-1989
Ana Bigotte Vieira (IFILNOVA e IHC – FCSH/UNL/Centro de Estudos de Teatro, UL)

17.30 – Encerramento

Comissão Científica
Raquel Henriques da Silva; Lúcia Almeida Matos, Rita Macedo, Helena Barranha e Foteini Vlachou

Comissão Organizadora
Cristina Oliveira, Joana d’Oliva Monteiro, Ughetta Molin Fop

Conferência Patrimonialização e Sustentabilidade do Património

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de http://www.fcsh.unl.pt/media/eventos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

© Susana Gaudêncio Manifesto # 7 (Época de estranheza em frente ao mundo), 2012. Água-forte s/papel. Imagem retirada de: http://www.fcsh.unl.pt/

“Patrimonialização e Sustentabilidade do Património: Reflexão e Prospectiva” é uma conferência organizada pelo Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa. Irá decorrer esta semana em Lisboa, entre os dias 27 e 29 de Novembro.

Um programa denso de três dias, que promete debates interessantes sobre património. Estarão presentes investigadores nacionais e internacionais. Entre eles, destaca-se a presença  de Jean Davalon (Universidade de Avinhão/França), que muitos conhecerão do mundo dos museus. Com um extenso currículo, Davallon é um dos fundadores e co-editor da revista francesa Publics et Musées, que em 2002 passou a designar-se por Culture et Musées. Davalon fará a conferência inaugural no primeiro dia do encontro: “À Propos des Régimes de Patrimonialisation : Enjeux et Questions”.

Sobre o racional da conferência:

“A importância e o papel do património (cultural e natural) na sociedade contemporânea tornam praticamente transversal a todas as áreas científicas a necessidade de conhecimento e de reflexão sobre questões ligadas à memória colectiva e social, à seleção de elementos do passado e sua refuncionalização no presente, à função patrimonial de certos bens e manifestações culturais em relação a comunidades de pertença, ao carácter cíclico do património, à dimensão patrimonial do desenvolvimento, enfim ao património como facto social e cultural.

Para designar o processo de constituição de património a partir de realidades e de bens culturais ou naturais, usa-se o termo patrimonialização. O verbo causativo patrimonializar refere-se à acção de identificar os valores culturais de um dado bem, de os reconhecer socialmente e assim constituir património. Deste processo resultam uma espécie de sedimentação patrimonial e necessidades de gestão das realidades contemporâneas e de uso dos bens que se pretende salvaguardar ou preservar.

A temática da patrimonialização e da sustentabilidade do património, material e imaterial, natural e cultural, complexa e vasta, é ampliada pela diversidade de configurações históricas e pela reconhecida ambiguidade dos termos que convoca.

Este encontro organiza-se para estimular uma reflexão multidisciplinar e pretende dar lugar a comunicações produzidas quer no âmbito da história, da história de arte, da antropologia, da arqueologia, da sociologia, da geografia, entre outras ciências sociais, quer no âmbito das ciências naturais e de outros domínios científicos e tecnológicos, relacionados com estudos de património e com a museologia, que dêem a conhecer e contribuam para compreender e para actuar nos processos de patrimonialização e/ou de uso, transmissão e gestão sustentável de patrimónios.”

Comissão organizadora: Graça Filipe, Fernanda Rollo, Paula Godinho, Raquel Henriques da Silva e José Picas do Vale

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas|Universidade Nova de Lisboa Edifício ID|4º piso|salas multiusos 2 e 3 Avenida de Berna 26-C|1069-061 Lisboa – Portugal| Informações: patrisuspatri@gmail.com

Mais em: http://www.fcsh.unl.pt/submissao-de-artigos-cientificos/patrimonializacao-e-sustentabilidade-do-patrimonio-reflexao-e-prospectiva

O Património Industrial: Territórios, Paisagens, Arquitecturas

Colóquio património industrial

 

No próximo dia 17 de Novembro (segunda-feira) terá lugar na Biblioteca Nacional (Lisboa) um colóquio sobre património industrial. O evento é organizado pela Universidade de Évora através de dois dos seus centros de investigação, o Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) e do Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA). A entrada é livre.

Comissão Organizadora: Ana Cardoso de Matos (Universidade de Évora – CIDEHUS), João Soares (Universidade de Évora – CHAIA/Doutoramento de Arquitetura), Raffaella Maddaluno (Universidade de Évora – CIDEHUS) e Jorge Croce Rivera (Universidade de Évora – CHAIA).

“O património industrial representa o testemunho de actividades que tiveram, e que ainda têm, profundas consequências históricas. As razões que justificam a protecção do património industrial decorrem essencialmente do valor universal das suas características mas também da singularidade de quaisquer sítios excepcionais.

Hoje as memórias “industriais” estão espalhadas por espaços amplos e estudar e perceber esta geografia construída não é uma tarefa fácil. O respeito e a protecção deste cenário histórico industrial não fazem facilmente parte da consciência colectiva, mas sobretudo não é fácil entender o conceito de que a preservação do artefacto construído não pode ser separada do conhecimento e protecção da paisagem em que se instala.

Quem interage com os temas da “herança industrial” tem como objetivo investigar, valorizar um panorama de arquitecturas, documentos, arquivos que têm caracterizado as atividades de produção ao longo dos séculos. Cooperação, comparação e intervenção são as palavras-chave da abordagem a este tipo de património que exige um trabalho multidisciplinar para uma investigação multivalente e que permita recompor a totalidade metodológica que as questões do património industrial exigem.

O presente colóquio insere-se nesta prespectiva desta cooperação multidisciplinar que historiadores e arquitectos da Universidade de Évora têm procurado desenvolver através de iniciativas conjuntas, para as quais têm contado também com a colaboração de investigadores de outras instituições.”

PROGRAMA

10.00h-10.10h

Património industrial e o projeto em arquitetura

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

João Soares (UÉ/CHAIA/Doutoramento em Arquitetura)

10.10h-10.25h

Património industrial, território e paisagem no sul de Portugal

Ana Cardoso de Matos (UÉ/CIDEHUS)

10.25h-10.50h

A paisagem construída da Arquitetura industrial: exemplos de uma nova metodologia interdisciplinar de investigação

Raffaella Maddalluno (UÉ/CIDEHUS)

10.50h-11.20h | Discussão

11.20h-11.45h | Coffee break

11.45h-12.10h

Fábricas habitadas: As “Colònies têxtils de Catalunya”

José Manuel Carvalho (UÉ/CHAIA)

12.10h-12.35h

La roconstruzione della “Fabrica de moagem de Caramujo” e l´introduzione del cemento armato (brevetto Hennebique) in Portogallo

Mariangela Licordare (UÉ/CIDEHUS)

12.35h-13. 50h | Discussão

13. 05h-14.30h | Almoço livre

14.30h-14.55h

Património Industrial – Reapropriação sem perca de sentido(s)

Miguel Ângelo da Silva (ULL-FAA/CITAD)

14.55h-15.20h

Espaços de produção, técnicas e tecnologias no sector da Moagem no Porto (1890-1920)

Maria da Luz Sampaio (UÉ/CIDEHUS)

15.20h-15.45h

Património da memória: a moagem de Aljezur um lugar a preservar

Maria João Pereira Neto (FA/CIAUD-UL)

15.45h-16.15h | Discussão

16.15h-16.45h | Coffee break

16.45h-17.15h

Os espaços da produção de cortiça na Fábrica Robinson: da rolha ao parquet

Rui Lourenço (Fundação Robinson)

17.15h-17.35h

REpensar = Reutilizar: O abandono como oportunidade. A Fábrica Robinson

Joana Vilhena (UÉ/CHAIA)

17.35h-18.00h

Casa dos cubos – um caso de estudo

Nuno Griff (UÉ/CHAIA)

18.00h | Discussão

 

Museus e Gestão: Novas Pontes para a Sociedade

Cartaz onde se vê duas pontes de Portimão

«Museus e Gestão: Novas Pontes para a Sociedade» é o tema do próximo encontro organizado pelo ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus). Este será o primeiro evento organizado pelos novos corpos gerentes eleitos em Março deste ano. Terá lugar no Museu de Portimão no dia 31 de Outubro de 2014.

«Serão apresentadas diferentes abordagens e os resultados obtidos, assim como casos portugueses com propostas positivas sobre o papel dos museus e dos seus profissionais, na ligação com as comunidades, o turismo cultural, as empresas, entidades locais, intermunicipais e universitárias, em articulação através de redes, parcerias e outros sistemas de partilha de recursos.»

Estão confirmadas as presenças de Wim De Vos (Conselho Executivo do ICOM), Clara Frayão Camacho (Museóloga, Assessora da DGPC), Susana Soto (Directora do Museu San Telmo, San Sebastian) e Karmele Barandiaran (Área de Desenvolvimento e Públicos, Museu S. Telmo), José Pedro Sousa Dias (Director dos Museus da Universidade de Lisboa), José Gameiro (Director do Museu de Portimão) e Paulo Costa Pinto (Gestor de Projectos Cultura e Turismo da Comunidade Intermunicipal do AVE).

A entrada é livre, mas é necessário fazer inscrição prévia através do email: icom_encontro2014@cm-portimao.pt

Informação mais detalhada na página do ICOM Portugal: http://bit.ly/1xtmEP7

(Fonte: ICOM Portugal)

Conferência Museum Mediators, Algarve 16-17 Setembro 2014

logótipo da empresa Mapa das ideiasA conferência final do projecto Museum Mediators vai ser realizado no Algarve, no Museu do Trajo de São Brás de Alportel, nos dias 16 e 17 de setembro de 2014.

A Mapa das Ideias coordenou um Projecto Europeu de Transferência de Inovação (Leonardo da Vinci Multilateral Projects “Transfer of Innovation”). O projecto consistiu na criação de curso que oferece uma base de formação e de identidade profissional para os educadores e mediadores de museus. O curso foi construído a partir de estudos comparativos entre diferentes sistemas de serviços educativos na Europa, com contributos dos parceiros dos países envolvidos no projecto: Itália, Espanha, Dinamarca, Estónia e Portugal. O projecto teve início a 15 de Outubro de 2012 e termina em Outubro deste ano. Encontra mais informação no site Museum Mediators.

Mais informações e inscrições aqui.

****

Programa, São Brás de Alportel, 16-17 de Setembro

Tuesday, September 16th

16.00-17.00
Participants’ registration and welcome
—– With a selection of wine and appetizers

17.00-18.00
Museum Visit

18.00-19.00
Conference Opening
Welcome speech from the Museum
Welcome speech from the Museum Mediators Project Team
Handbook presentation
Website presentation

19.00-20.00
European Network of Museum Mediators and Think Tank
Inês Câmara | Cristina Da Milano | Niels Righolt

20.30
Dinner at the Museum

Wednesday, September 17th
9.00-10.00

Participants’ registration
10.00-11.00

Museum Mediators Europe: discussing the process
Carla Padró | Alice Semedo | Dália Paulo

11.00-11.20
—— Coffee Break

11.20-13.30
What Museums for Who with What? About our SMART museums

13.30-15.00
Lunch

15.00-17.00
Workshops

METHOD | How to build and manage projects. The not to do and to do lists!
Joaquim Jorge

DIGITAL | Digital storytelling and its potential for audience engagement.
Cristina Da Milano and Niels Righolt

VISION | Sharing experiences through Museums Exhibiting Europe.
Mário Antas e Maria João Nunes

ROLES | New professional roles for the Culture and Museum fields.
Ana Fernambuco e Inês Câmara

17.00 -17.30
——– Coffee Break

17.30-19.00
Discussion

19.00-19.30
Closing session
Joaquim Jorge | Inês Câmara | Emanuel Sancho

Conferência da Acesso Cultura em Outubro

Cartaz da conferência

 

“De que forma devemos olhar para a Arquitectura? Os seus ‘produtos’ são obras a ser contempladas e admiradas ou também obras que são usadas por pessoas? Estética e usabilidade são incompatíveis? Devemos aceitar que possam ser criadas, em certos casos, barreiras ou é sempre possível desenvolver soluções que libertam as pessoas e que permitem plena fruição? De que forma se pode passar da teoria à prática?”

Encontra mais informação no website da Acesso Cultura: http://bit.ly/UcI7PY

VIII Encontro Ibero-Americano de Museus

cartaz do encontro iberoamericano

Estão abertas as inscrições para o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus que irá realizar nos dias 13, 14 e 15 de Outubro de 2014 no Museu Nacional de Etnologia. A organização é da DGPC e IBERMUSEU

Os objectivos do encontro são: profundar o conhecimento mútuo das realidades museológicas dos países ibero-americanos; proporcionar ocasiões de reflexão em torno do estado da questão das políticas públicas para museus; apresentar e debater ideias e linhas de futuro para a evolução dos museus ibero-americanos; servir de plataforma entre a Ibero-América, a Europa e o espaço da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa), tirando partido da circunstância de Portugal ser o país anfitrião.

O Programa Ibermuseus é uma iniciativa de cooperação dos 22 países ibero-americanos, com vista ao fomento e à articulação de políticas públicas na área de museus. Portugal é um dos países membros deste programa, fazendo parte do grupo de 11 países que integram o respetivo Comité Intergovernamental.

Entre as iniciativas anuais deste programa, contam-se os Encontros Ibero-Americanos de Museus, realizados desde 2007 sobre diversas temáticas em diferentes países. Considerando o interesse estratégico da participação portuguesa nesta cooperação internacional e perspetivando a potenciação desta iniciativa para a comunidade museológica nacional, realiza-se em Lisboa o VIII Encontro Ibero-Americano de Museus.

Programa (português)

Programa (espanhol)

Boletim electrónico de inscrição

Ficha de inscrição

(Fonte: DGPC)