Arquivo da Categoria: Conservation

Iluminação em museus é tema de novo livro da coleção Estudos de Museus

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte é o 13.º volume publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Belas-Artes, especialidade Ciências da Arte) de Carmina Montezuma apresentada à Universidade de  Lisboa/Faculdade de Belas-Artes em 2012 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

O lançamento aconteceu no passado 13 de Novembro de 2018, no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa.


Sinopse

A luz detém potencialidades estéticas e semânticas que, devidamente estudadas e implementadas na iluminação museográfica, permitem revelar a autenticidade da obra de arte e facultar uma correta literacia artística e uma boa interpretação visual. O estudo aprofundado desta temática envolve uma abordagem interdisciplinar dos aspetos científicos mais significativos de aplicabilidade em museus, fundamentais para a compreensão da complexa inter-relação entre a luz, a visão e o objeto.

Neste livro são analisadas as mais recentes investigações científico-tecnológicas na área da neurofisiologia da visão e do respetivo processamento cerebral, teorias e modelos cognitivo-emocionais, importantes inovações luminotécnicas e uma nova área de especialização, o design de iluminação. O conhecimento sobre estas matérias é imprescindível ao museólogo e ao curador, em particular na investigação, no inventário da obra de arte e no acompanhamento das diferentes fases de conceção, montagem e manutenção da iluminação expositiva. 

O livro inclui a análise de três estudos de caso de iluminação em museus portugueses e apresenta dois instrumentos de trabalho inéditos: o quadro de classificação ótica dos principais materiais e técnicas artísticase a ficha técnica de iluminação.

Numa época vincada pela cultura visual e pela globalização do conhecimento, os museus têm procurado criar estratégias educativas, num propósito de crescente envolvimento dos públicos. A iluminação museográfica revela-se uma das soluções basilares, enquanto instrumento eficaz de sublimação estético-artística da obra de arte e um poderoso meio de captar a atenção visual e desencadear a interpretação e a comunicação entre os públicos e os museus.   

Sobre a autora:

Carmina Montezuma (n. 1970). Doutorada em Belas Artes, especialidade de Ciências da Arte, pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2012), mestre em Museologia e Património pela Universidade Nova de Lisboa (1996) e licenciada em História pela Universidade Autónoma “Luís de Camões” (1992).

Desempenha desde 2014 a função de Responsável do Museu S. João de Deus – Psiquiatria e História, pertencente à Ordem Hospitaleira de S. João de Deus. Entre 2007 e 2009, participou na organização deste Museu, inaugurado a 8 de março de 2009.

De 1993 a 2007 trabalhou em diversas instituições museológicas e educativas, das quais se destacam o Palácio Nacional da Ajuda, no âmbito do Projeto “Inventariação e Digitalização do Património Histórico-Cultural” (1999-2006); o Comissariado do Pavilhão da Santa Sé na Expo’98 (1997-1998); o Museu das Crianças (1996); e a Direção Regional de Educação de Lisboa, Ministério da Educação (1995 e 1996).

Autora e coautora de publicações, entre as quais se salientam a coautoria de fichas descritivas do catálogo do Museu S. João de Deus (Editorial Hospitalidade, 2009) e A Educação dos Príncipes no Paço da Ajuda (IPPA/PNA, 2004). Com o Guião para Professores: A Escola vai ao Museu (2001) e a Maleta Pedagógica ABCD’ARTE (1998) ganhou por duas vezes o 1º Prémio do Concurso do Instituto de Inovação Educacional do Ministério da Educação.

Índice

7 INTRODUÇÃO

13 CAPÍTULO 1 – O OBJETO DE ARTE, A LUZ E A VISÃO

15 O objeto artístico e a evolução histórico-social dos museus de arte            

36 A luz, a cor e a sombra face ao objeto de arte

53 O processo psicofisiológico da visão

77 CAPÍTULO 2 – A ILUMINAÇÃO DE OBJETOS DE ARTE

79 A inter-relação da luz e da sombra nos atributos da obra de arte              

97 A iluminação e os centros de composição do objeto

121 CAPÍTULO 3 – A ILUMINAÇÃO DO OBJETO E A INTERPRETAÇÃO VISUAL

123 A atenção visual do visitante

138 O contributo do design de iluminação para a interpretação visual

163 CAPÍTULO 4 – A ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA

165 Princípios, tipologias e métodos de iluminação museográfica               

185 A iluminação museográfica e a conservação preventiva

201 CAPÍTULO 5 – A FICHA TÉCNICA DE ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA

206 Identificação da peça

211 Condições de iluminação

216 Avaliação da iluminação museográfica

219 CAPÍTULO 6 – PRÁTICAS DE ILUMINAÇÃO MUSEOGRÁFICA EM MUSEUS PORTUGUESES

221 Avaliação de um questionário sobre iluminação, efetuado a 57 museus portugueses

227 Análise da aplicação da ficha técnica de iluminação em 20 obras de arte

235 Considerações sobre a reação do público à iluminação utilizada na exposição temporária Os Gregos. Tesouros do Museu Benaki, patente no Museu Calouste Gulbenkian

243 CONCLUSÃO

251 CLASSIFICAÇÃO ÓTICA DE MATERIAIS E TÉCNICAS ARTÍSTICAS          

263 Notas

271 Bibliografia

275 Índice Remissivo

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

****

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Dissertação: “Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património”

teses e dissertações

Landim, José Jorge Viriato Mendes Landim (2013). Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural, especialidade, Património Artístico e História da Arte. 

Júri: Filipe Themudo Barata (orientador), João Brigola (arguente) e Ana Cardoso Matos (Presidente Júri). Dissertação defendida a 15 de Fevereiro de 2013.

*

Resumo:

Com esta dissertação, pretende – se, em primeiro lugar, dar a conhecer Serra Malagueta enquanto Parque Natural, um meio geográfico cujo área de dois mil e seiscentos hectares e uma altitude de cerca de mil metros, tendo na sua dependência 579 habitantes, sendo, 290 masculinos e 289 femininas repartidas, aproximadamente, em 74 agregados e abarcando parte de três concelhos: Santa Catarina, Tarrafal e São Miguel, sendo este último de maior abrangência.

Trata-se de uma área que apresenta uma enorme biodiversidade, mas também possui um património cultural, material e imaterial, de relevo. É neste tipo de regiões que se coloca a premência e necessidade de uma relação sustentável entre o homem, o ambiente e o património.

Além de observar as características patrimoniais da região, importa perceber as dificuldades que se levantam a sua preservação e conservação, pelo que se destacam os fatores ou conjunto de fatores que estão intimamente ligados aos jogos de interesses, vários, e que a preservação e conservação desse património dependem da harmonização da tríade ambiente/natureza, a sociedade e o económico.

Finalmente, impõe-se a análise das questões relativas à valorização do Parque, a sua preservação e conservação numa perspetiva de integração ambiental, social e económico sustentável, estribadas num conjunto de estratégias e que poderão ajudar a gerir conflitos, garantindo, também, a valorização de Serra Malagueta enquanto Património.

*

Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Strategies for the Enhancement and Conservation of Heritage

Abstract:

This dissertation aims firstly, to inform Malagueta while Sierra Natural Park, with geographic area of two thousand six hundred acres and an altitude of a thousand meters, and its dependence on the 579 being, 290 male and 289 female split approximately in 74 households and covering part of three counties: Santa Catarina, and São Miguel Tarrafal, the latter being a larger scop inhabitants.

 This is an area that presents an enormous biodiversity but also has a cultural heritage, both tangible and intangible, of relief. It is this type of regions which arises the urgency and necessity of a sustainable relationship between man, the environment and heritage.

 Besides looking at the specs sheet of the region is important to understand the difficulties that arise preservation and conservation, by highlighting the factors or combination of factors that are closely related to games of interest, multiple, and the preservation and conservation of this assets depend on the harmonization of the triad environment / nature, society and economy.

Finally, it must be the analysis of issues related to the valuation of the Park, its preservation and conservation perspective of integration in environmental, social and economic development, supported and a set of strategies that can help manage conflicts, ensuring also the recovery Sierra Malagueta while Heritage.

*

Rezumu (em Crioulo de Cabo Verde)[1]

Ku es disertason,  kredu prinsipalmenti pa Sera Malageta, enkuantu parki natural, fika ta konxedu. Es parki natural ten 2.600 ha di aria na serka di 1.000 m di altitudi. Ta vive nel 74 familia ku un total di 579 algen undi ki 290 e matxu i 289 e femia. Sera Malageta ten padas na Konselhu di Santa Katarina, padas na di Tarafal i padas na di San Migel. Padas di San Migel e mas grandi ki kes otu 2 padas.

Nu ta atxa nes parki natural non so un enormi biodiversidadi, mas tanbe, un inpurtanti patrimoniu kultural, material i imaterial. E nes tipu di spasu ki nu ten txeu nesesidadi di un relason sustentavel entri omi, anbienti i patrimoniu.

Nu ta meste non so analiza kes karateristika patrimonial di es rejion, mas tanbe identifika kes risku na prezervason i konservason trokadu konflitus di interesi, tudu ku objetivu di tenta diskubri pontu di armonizason ki ta garanti prezervason i konservason di es triadi anbienti (natureza), komunidadi i ekonomia.

Dipos di identifika forma di armonizason di interesis konflituozu, nu meste inda identifika un konjuntu di stratejias ki ta asegura valorizason sustentavel di Sera Malageta enkuantu parki natural i patrimoniu, tudu nun anbienti di integrason anbiental, sosial i ekonomiku.

(Fonte: Informação enviada pelo autor)


[1] DECRETO-LEI nº 67/1998. “Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Crioulo Cabo-verdiano”, Boletim Oficial – 5º Suplemento, 48, 31 de Dezembro, 19-23. (Tradução feita pelo Amigo: Marciano Moreira- os nossos agradecimentos – Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera.)

 

 

 

CONF: “Conservação in-situ de âncoras, armas e navios de guerra”, 23 Set. 2011

A beneficiar do encontro do ICOM-CC realizam-se outros eventos em paralelo, como a conferência de Ian MacLeod intitulada “Conservação in-situ de âncoras, armas e navios de guerra/In-situ conservation of anchors, guns and warships”, que se realiza no Padrão dos Descobrimentos. É no dia 23 de Setembro (próxima sexta-feira), pelas 18h30. A não perder!

A entrada é livre, mas recomenda-se a confirmação de presença através do seguinte email:
padraodosdescobrimentos@egeac.pt

Mais informações: 21 30 319 50
Apoio: IGESPAR

Sobre Ian D MacLeod – Ian is the Executive Director of the Western Australian Museums in Fremantle and has been solving deterioration problems with shipwreck artefacts since 1978 when he joined the museum’s Department of Materials Conservation. He is passionately interested in the decay of glass, ceramics, wood and metals and was a Senior Fulbright Fellow in 1993 that allowed him to sneak into Canada and do his corrosion measurements on the wrecks in Tobermory Bay in Lake Huron. He has been a metals working group coordinator for ICOM-CC for several terms, a member of the ICOM-CC Directory Board for two terms and a Pre-prints committee member for several Triennial meetings. He has seen studied shipwrecks in Canada, Scotland, Finland, USA and in the Federated States of Micronesia. He is a member Royal Society of Chemistry, a Chartered Chemist, a Fellow of International Institute for Conservation of Artistic and Historic Works, a Fellow of the Royal Australian Chemical Institute, Fellow of the Australian Academy of Technological Sciences and Engineering, Fellow of the Society of Antiquaries of Scotland.

(Fonte: informação enviada pelo Instituto de História da Arte da Universidade Nova)

"Entre a Teoria e a Prática da Conservação de Superfícies Pétreas: o caso da colonização biológica", 15 Dez. 2010

No próximo dia 15 de Dezembro a Faculdade de Ciências e Tecnologia- Universidade Nova de Lisboa organiza um seminário intitulado “Entre a Teoria e a Prática da Conservação de Superfícies Pétreas: o caso da colonização biológica”.

Local: Auditório, Pav. de Biblioteca

Comissão organizadora:
Maria Amélia Dionísio (Centro de Petrologia e Geoquímica do IST)
Maria Filomena Macedo (Unidade de Investigação Vidro e Cerâmica para as Artes (VICARTE)

Objectivos:
O Seminário “Entre a Teoria e a Prática da Conservação de Superfícies Pétreas: o caso da colonização biológica”, enquadra-se numa das linhas de I&D dos Centros CEPGIST e VICARTE – associada ao estudo do efeito da interacção do Património Cultural Construído em Pedra, com os Factores de Alteração Ambientais.

O Seminário será realizado no âmbito doe uma Acção Integrada Luso–Espanhola (2010), que conta com o apoio da Fundação das Universidades Portuguesas (FUP) e do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), entitulada “Estudo da biorreceptividade primária de rochas calcárias e graníticas”.

Este Seminário tem por objectivo trocar experiências e debater os problemas relacionados com a colonização biológica.

Inscrições:
A participação no Seminário é gratuita, devendo os interessados proceder a uma pré-inscrição, por e-mail, até ao dia 10 Dezembro de 2010 (amelia.dionisio@ist.utl.pt)

PROGRAMA:
14:00h – Recepção aos participantes no Seminário.
14:15h – Apresentação introdutória da Acção Integrada Luso-Espanhola, pela Doutora Maria Filomena Macedo, Investigadora Responsável pela parte portuguesa da Acção.
14:25h – Palestra proferida pela Doutora Beatriz Prieto (Universidade de Santiago de Compostela, Espanha)
15:00h – Palestra proferida pela Doutora Ana Zélia Miller (Centro de Petrologia e Geoquímica do Instituto Superior Técnico)
15:30h – Pausa para café.
16:00h – Palestra proferida pela Doutora Patricia Sanmartín (Universidade de Santiago de Compostela, Espanha)
16:30h –Palestra proferida pela Dra Teresa Silveira (CaCO3- Conservação de Património Artístico, Lda)
17:00h – Período de debate.

RESUMO DAS PALESTRAS

1– Bioterioração e bioreceptividade de rochas graníticas
Beatriz Prieto
Dpto. Edafologia e Quimica Agrícola. Universidade Santiago de Compostela
Os materiais utilizados na construcção do Património Histórico e Artístico estão sujeitos ao stress ambiental que com o tempo modifica as suas propriedades e afecta a sua conservação. Esse stress ambiental é o resultado de um complexo conjunto de procesos físicos, químicos e biológicos, entre os quais a água e os organismos vivos têm um papel preponderante. No que diz respeito à ação de organismos vivos sobre os materiais, esta não depende apenas do tipo de organismo envolvidos, mas também do material colonizado. Apresenta-se aqui o caso de deterioração sofrida pelas rochas graníticas como resultado da sua interacção com os agentes bióticos e a importância que tem a sua bioreceptividade ou susceptibilidade a serem colonizadas, na seleção dos materiais a ser utilizados na construção e /ou restauro do Património Histórico e Artístico.

2 – Biodeterioração de calcários portugueses por microorganismos
Ana Zélia Miller
Centro de Petrologia e Geoquímica do Instituto Superior Técnico
O estudo da alteração e alterabilidade das rochas aplicadas em património cultural construído, tem recebido particular atenção por parte da comunidade científica devido à acelerada taxa de decaimento que se tem vindo a verificar.
A biodeterioração de monumentos e edifícios históricos, esculturas em pedra e qualquer artefacto pétreo, causada por microrganismos é uma das grandes preocupações dos conservadores e um dos problemas mais complexos da área da conservação e restauro em todo o mundo. Em Portugal a experiência existente e os trabalhos publicados neste domínio são extremamente escassos, demonstrando a necessidade urgente em incrementar o conhecimento nacional nesta área. O Centro de Petrologia e Geoquímica do Instituto Superior Técnico, em colaboração com o Departamento de Conservação e Restauro da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, têm vindo a desenvolver alguns estudos referentes ao desenvolvimento e colonização por microrganismos de calcários ornamentais portugueses. Apresentam-se aqui alguns casos de estudo.

3–Técnicas colorimétricas aplicadas à deteccão precoce da colonização biológica
Patricia Sanmartín
Dpto. Edafologia e Quimica Agrícola. Universidade Santiago de Compostela
Biofilmes epilíticos e fototróficos, que se desenvolvem em superfícies graníticas, favorecidas por um ambiente temperado húmido, podem ser detectados por técnicas colorimétricas em estágios iniciais do seu desenvolvimento, ou seja,antes de serem perceptíveis ao olho humano. Com base nesse antecedente, tem-se vindo a desenvolover um amplo estudo de aplicabilidade e metodologia de técnicas de medição de cor por contacto, assim como de detecção remota da colonização incipiente na rocha granítica. O estabelecimento de dois protocolos de medição de cor pora rochas graníticas e cianobactérias foi o ponto de partida, que teve a sua continuidade na resposta colorimétrica dos biofilmes a diferentes condições de luz e nutrientes, bem como à aplicação de biocidas. Na área da detecção remota efectuou-se pela primeira vez a calibração de uma câmera digital para uso como colorímetro em superfícies granitícas susceptíveis de serem colonizadas. Isso permitiu desenvolver um método não destrutivo para monitorização e controle/prevenção de biofilmes sobre a rocha.

4 – A aplicação de biocida em pedras graníticas e calcárias – casos práticos
Teresa Silveira
CaCO3, Conservação de Património Artístico, Lda
A importância da monitorização dos monumentos após a sua intervenção, bem como os estudos que se lhe devem seguir, nomeadamente sobre o comportamento da aplicação de produtos químicos na pedra, é de sobremaneira um tema pouco tratado.
A aplicação de produtos biocidas com o intuito de erradicar/ enfraquecer/ retardar a actividade biológica é certamente um dos temas importantes que afectam directamente a nossa intervenção no Património.
Pretende-se apresentar exemplos de aplicação de biocidas em diferentes tipos litológicos, o seu comportamento, a sua durabilidade e características apresentadas por diferentes produtos à venda no mercado através do olhar do restaurador e da sua percepção desses factores, em obra

Tese de Mestrado: "Um segredo bem guardado: leques mandarim – caracterização material e conservação"

Um segredo bem guardado: leques mandarim – caracterização material e conservação
Autora: Andreia Peres
Dissertação de Mestrado em Conservação e Restauro apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
Ano: 2009

Isabel Raposo de Magalhães no Conselho Geral do ICCROM

Em baixo, divulgamos nota de imprensa do Instituto dos Museus e da Conservação a propósito da eleição de Isabel Raposo de Magalhães para o Conselho Geral do ICCROM.

A Subdirectora do IMC – Instituto dos Museus e Conservação, Dra. Isabel Raposo de Magalhães, foi hoje eleita para o Conselho Geral do ICCROM – Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauro de Bens Culturais.

O ICCROM celebra este ano o seu 50º aniversário e está a realizar em Roma a sua 26ª Assembleia – Geral. Em agenda, estão a análise dos relatórios de execução do programa 2008-2009 e a discussão do programa para os próximos dois anos, além da eleição de novos membros do Conselho Geral para o qual foram escolhidos representantes de 13 países de entre 18 candidaturas nominais que incluíam Portugal.

Apesar de participar nas reuniões como país membro da organização, Portugal não estava representado há vários anos entre os 25 membros do Conselho Geral do ICCROM cujos mandatos vigoram por dois anos.

Para a sua eleição, Isabel Raposo de Magalhães acredita ter sido fundamental o apoio de muitos países europeus e de Angola e Brasil, além da China e do Japão, assente em larga medida em contactos entretanto estabelecidos no âmbito da preparação do Encontro Lisboa 2011 do ICOM-CC – Comité de Conservação do Conselho Internacional dos Museus.

Simpósio Conservação e Restauro de Talha e Escultura, 26-17 Nov. 2009

Simpósio - FICHA DE INSCRIÇÃO

A Universidade Portucalense Infante D. Henrique, através da sua Licenciatura em Conservação e Restauro do Património, organiza
nos próximos dias de 26 e 27 do mês de Novembro de 2009, um Simpósio subordinado ao tema “Conservação e Restauro de Talha e Escultura – Preservar o Passado, Garantir o Futuro”.

Para saber mais consulte o site www.upt.pt (em destaques), ou através do Centro de Conservação e Restauro da UPT – 225572706, bem como pelos emails: ccr@upt.pt ou mfms@upt.pt

As inscrições podem ser realizadas on-line no site da UPT (www.upt.pt – ver destaques) ou por correio através do envio da ficha de inscrição anexa para:

Centro de Conservação e Restauro da Universidade Portucalense
A/C Profa. Doutora Fátima Matos Silva
Rua Dr. António Bernardino de Almeida, n.º 541/619 | 4200-072 PORTO

Workshop "Conservação de Património e Museus no Contexto Autárquico", 24 Nov. 2009

Cartaz Cons e Rest Pat Contexto Autarquico web

Workshop Conservação de Património e Museus no Contexto Autárquico
Ecomuseu Municipal do Seixal, 24 de Novembro de 2009

O Workshop ‘Conservação de Património e Museus no Contexto Autárquico’ pretende dar lugar a uma reflexão crítica e uma partilha de experiências sobre o vasto campo de responsabilidades e de actuação das autarquias no que concerne a conservação do património cultural, móvel e imóvel.

Em tal quadro de análise, qual o papel dos museus, uma vez que é frequente atribuir-lhes competências e objectivos para que não têm nem recursos, nem planos de acção, nem profissionais habilitados ou com formações actualizadas? Qual a importância da investigação, face aos requisitos, funções e potencialidades da conservação do património? Que parcerias são necessárias e possíveis, no actual contexto institucional e científico, para o desenvolvimento da conservação e do papel das autarquias neste campo?

Defendendo e acreditando na implementação de novas/inovadoras/melhores formas de actuação nas autarquias, pretende-se apresentar e discutir uma proposta de estratégia integrada e integradora de gestão de competências e recursos no sentido de promover boas e dinâmicas práticas de protecção sustentada do património, num âmbito de decisão local, tendo uma visão global do património e da sua conservação.

Realizada no Dia Nacional da Cultura Científica, esta iniciativa pretende ainda chamar a atenção para a necessidade de articular as estratégias de desenvolvimento da conservação e a investigação necessária ao aprofundamento e à eficácia das duas práticas.

Local:
Ecomuseu Municipal do Seixal
Núcleo do Moinho de Maré de Corroios
Rua do Rouxinol, Corroios

Máximo 25 participantes.
Inscrições até 9 de Novembro

Inscrições, submissão de comunicações e programa preliminar: www.icom-portugal.org

Informações:
info@icom-portugal.org
ecomuseu@cm-seixal.pt

Organização: Ecomuseu Municipal do Seixal e ICOM-PT

Palestra "A conservação de fotografias em espólios de arquitectura: as colecções de Manuel Laginha e Frederico George", 28 Out. 2009

O Departamento de Informação, Biblioteca e Arquivos do IHRU – Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana vem por este meio convidá-lo a assistir à Palestra SIPA “A conservação de fotografias em espólios de arquitectura: as colecções de Manuel Laginha e Frederico George”, a proferir por Élia Roldão e Ana Coelho, no Forte de Sacavém, dia 28 de Outubro, quarta-feira, pelas 15:00 horas. A entrada é livre.

Mais informação:
http://www.portaldahabitacao.pt/pt/portal/lista_noticias.jsp

"La restauración en el siglo XXI. Función, estética e imagen", 24-27 Nov. 2009

Nos dias 24, 25, 26, e 27 de Novembro de 2009 terá lugar em Cáceres um congresso subordinado ao tema – “La restauración en el siglo XXI. Función, estética e imagen”.

La creciente valoración social del Patrimonio Cultural que se ha experimentado en los últimos tiempos ha traído consigo un notable incremento de intervenciones de conservación y restauración. Sin embargo, este aumento no se ha visto acompañado de una revisión del marco teórico que, construido a mediados del siglo pasado por Cesare Brandi y la “restauración crítica”, ha guiado, con mayor o menor coherencia, la práctica de la restauración hasta nuestros días.

El concepto más amplio de Patrimonio que tenemos en la actualidad, con la incorporación de nuevas categorías de bienes, pone de relieve la necesidad de revisar los fundamentos teóricos que subyacen en todas estas operaciones de puesta en valor de la imagen del Bien Cultural .

El objetivo del IV Congreso del GEIIC es promover la reflexión y la crítica en torno a los conceptos teóricos que marcan actualmente los criterios de conservación y restauración, analizar la evolución experimentada desde el siglo pasado y conocer nuevas orientaciones y propuestas. Entre ellas son de especial interés aquellas intervenciones en las que hay que tomar una decisión crítica basada en el reconocimiento y la recuperación de sus valores culturales, sean estéticos, históricos o funcionales, y adoptar soluciones visuales argumentadas.

Este congreso, de carácter internacional, se convoca como un espacio de reflexión que trasciende nuestras fronteras, poniendo especial énfasis para integrar en él a conferenciantes y ponentes de otros países como Portugal, Italia e Iberoamérica.

(in http://4congreso.ge-iic.com/)

Pode encontrar informações relativamente ao programa e inscrições n seguinte endereço:
http://4congreso.ge-iic.com/

"Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador…", 19 Março 09

A Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de
Portugal (ARP) está a organizar um curso sobre “Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador em sede de IRS, IRC e IVA”, a realizar-se no dia 19 de Março de 2009, em Lisboa.

O curso tem como objectivo principal dotar os conservadores-restauradores de conhecimentos de natureza fiscal. Pelo momento que atravessamos, estes conhecimentos tornam-se essenciais para qualquer profissional, seja qual for a sua experiência e situação fiscal. Os conservadores-restauradores recém-formados estão naturalmente mais expostos e menos apoiados, mas os conservadores-restauradores não devem descartar a oportunidade de adquirir mais conhecimentos para optimizar a sua acção, tanto a nível profissional
como pessoal.

Embora esta acção de formação dirija-se especialmente a conservadores-restauradores e estudantes de Conservação e Restauro, a maioria das informações são de carácter geral e por isso úteis a qualquer profissional em qualquer situação fiscal.

O curso realizar-se-á em pleno prazo de entrega da declaração do IRS (10 de Março a 15 de Abril ou 16 de Abril a 25 de Maio) de modo a poder usufruir de todas as informações recolhidas ainda este ano.

A inscrição deverá ser efectuada por e-mail (cursos@arp.org.pt) e o pagamento preferencialmente por transferência bancária para o NIB da ARP: 0007.0013.00324150018.94.

Fonte: ARP

Seminário Intensivo sobre Planos de Conservação Preventiva

Seminário Intensivo sobre Planos de Conservação Preventiva

Dia 29 de Novembro e 6 de Dezembro
(Sábado, das 10h às 17h)
Formador:Nuno Moreira
Duração: 12 Horas
Valor Inscrição: 95€
Local: Instalações da Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa – ESTAL

Plano do Curso e Ficha de Inscrição disponíveis em www.iipatrimonio.org – na secção Formação

Mais Info:
Gabinete de Formação Instituto Ibérico do Património
Contacto: Tel. 210967349 | Tlm. 911989127
E-mail: geral@iipatrimonio.org
Site: www.iipatrimonio.org
Morada: Rua das Fontainhas, 51-sala 2.28 – Parque Industrial da Venda-Nova – 2700-391 Amadora

Projecto SOS Azulejo

O projecto “SOS Azulejo”, iniciativa do museu de Polícia Judiciária, tem como objectivo travar a destruição do património azulejar português, sobretudo por furto, mas também por vandalismo e incúria.
A par de uma estratégia de Prevenção Criminal, o “SOS Azulejo” opta por um alargamento multidisciplinar na abordagem à problemática da salvaguarda que engloba também a vertente da Conservação Preventiva. Para que este projecto consiga atingir as suas metas surgiu a parceria entre várias entidades, nomeadamente o Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais (ISPJCC), o Instituto Politécnico de Tomar (IPT), o Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR), a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP).
No âmbito deste projecto encontram-se previstas diversas acções de divulgação, nomeadamente através do site www.sosazulejo.com, onde se encontram conteúdos que incluem imagens de azulejos furtados e procurados pela polícia, spots televisivos com conselhos de prevenção criminal e de conservação, uma brochura com conselhos de prevenção criminal e de conservação para o público em geral, um Manual de Conservação e Restauro de Azulejos Históricos e Artísticos, diversos seminários, exposições, workshops e acções de Formação, acções de encorajamento e incentivo às Câmaras Municipais para a inventariação dos seus patrimónios azulejares e ainda várias actividades pedagógicas, culturais e lúdicas para a salvaguarda do património azulejar.

Mais informações:
http://www.sosazulejo.com/

CONF: A Arte Efémera e a Conservação, 6-7 Nov. 2008

A Fundação Oriente, o Instituto dos Museus e da Conservação, o Museu Colecção Berardo e a Universidade Nova de Lisboa estão a organizar um Encontro Internacional intitulado “A Arte Efémera e a Conservação. O paradigma da arte contemporânea e dos bens etnográficos”, que terá lugar nos dias 6 e 7 de Novembro de 2008 no auditório do Museu do Oriente, em Lisboa.

Pretende-se neste Encontro a abordagem de questões filosóficas e discussão de conceitos, bem como a apresentação de ‘case studies’ referentes a intervenções em arte contemporânea e bens etnográficos.

Na arte contemporânea a esperança de vida da obra de arte encurta-se radicalmente a partir do início do século XX, com a utilização de materiais de todos os tipos.
Os artistas são seduzidos pelas suas capacidades expressivas e potencialidades comunicativas e já não pela sua garantia de durabilidade. Os bens etnográficos, com funções rituais ou simbólicas, colocam o problema desde o início das primeiras colecções. Contudo, em ambos os casos, a fragilidade das obras ou mesmo a sua pretendida efemeridade conflituam com a actual vontade de tudo preservar, característica dos tempos que vivemos. Os problemas práticos e éticos que daí resultam para o museólogo, o conservador-restaurador ou o historiador de arte constituem um enorme
manancial de reflexão.

Neste encontro procuraremos reflectir e debater sobre os valores que dificilmente se equilibram na tarefa da preservação, de que são exemplo os valores materiais versus valores conceptuais, rituais ou estéticos. As questões da originalidade e autenticidade em relação com o valor histórico, cultural, a intenção do criador, a intangibilidade, a função social, entre outros. Haverá também espaço para pensar sobre processos alternativos de conservação e o perfil dos profissionais empenhados numa salvaguarda que ultrapassa o domínio da materialidade, que inclui novos meios, implica criatividade e especial atenção não apenas aos objectos, mas também às comunidades e contextos envolvidos.

Programa e Ficha de Inscrição

Comissão Científica:
Isabel Raposo Magalhães (Instituto dos Museus e da Conservação)
Jean François Chougnet (Museu Colecção Berardo)
Joaquim Pais de Brito (Museu Nacional de Etnologia)
Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa, FCSH)
Rita Macedo (Universidade Nova de Lisboa, FCT)

Data limite para as inscrições:
29 Outubro de 2008
Preço da inscrição:
60 € com 50 % desconto para estudantes

Línguas de trabalho:
Português e inglês (tradução simultânea disponível)

Organização:
Fundação Oriente, Instituto dos Museus e da Conservação, Museu Colecção Berardo e Universidade Nova de Lisboa

Mais informações:
Fundação Oriente Museu
Produção de Eventos Culturais
Direcção de Cultura e Relações Internacionais
Av de Brasília Doca de Alcântara Norte
1350-362 LISBOA
Tel.(351) 213585200 Fax:(351) 213527042
www.museudooriente.pt