Arquivo da Categoria: Entrevistas

Museu do Sporting, um museu de emoções

Isabel Victor, Museu Sporting, Estádio de Alvalade, 24 de Maio de 2018. Foto de Ana Carvalho

Isabel Victor é desde Abril de 2017 directora do Museu Sporting, em Lisboa. Alia o profissionalismo com a paixão pelo trabalho em museus, o gosto por aprender, fazer e discutir, e a inquietude da curiosidade. Há pouco mais de um ano na direcção do museu, fomos até ao Estádio de Alvalade, onde está instalado o museu, para conhecer melhor o percurso de Isabel Victor, as suas motivações e as ideias que traz para o Museu Sporting e para este novo ciclo profissional. Por Ana Carvalho [1]

Entro no Museu Sporting antes da hora marcada e começo por deambular pela exposição permanente sem pressa, perscrutando essa montra incandescente e reluzente, pululante de troféus − um hino à vitória e às conquistas de um clube desportivo com história secular. A música de fundo faz jus ao tom celebratório do ambiente, que em loop insiste e persiste. Já no gabinete de Isabel Victor, é a mesma música que ainda se consegue escutar, ainda que filtrada pelos interstícios das paredes finas

Começamos a conversar. Profissional madura, não tem dúvidas em afirmar-se hoje como museóloga. Nessa perspectiva, o fio condutor tem sido, antes de mais: «um grande interesse pelas pessoas, pela busca permanente de conhecimento, um trabalho persistente e a vontade de inovação». Mas definitivamente, Isabel Victor não cresceu a pensar numa carreira em museus. Na adolescência, «os museus eram uma coisa muito distante das pessoas», admite. Sobre a aproximação aos museus, que aconteceu na década de 1980, em Setúbal, é um percurso que se foi fazendo, não há uma linearidade, mas sim uma «sucessão de acontecimentos e de escolhas, nem sempre um processo consciente». Com pragmatismo, atira: «fui-me encaminhando para aquilo que me suscitava mais curiosidade». 

Uma trajectória multifacetada: da sociologia à militância pela acção cultural

Recuamos então nesse percurso e nessa genealogia de interesses vários marcados pela curiosidade e pela descoberta do mundo. No liceu vinha da área das ciências. Tinha especial fascínio pela Física, «pela compreensão dos fenómenos», sublinha. Ao mesmo tempo, crescia-lhe o interesse pela Geografia: «como e porque se movimentam as pessoas, como se organizam as cidades, a forma de ocupar o espaço e de o viver» − eram questões que a interrogavam. Além disso, a História, «sempre de forma latente», e a Psicologia. As provas de aptidão para a entrada na universidade ainda foram na área da Geografia e da Matemática. Mas estávamos no pós 25 de Abril e as universidades estavam fechadas. Fala com emoção do serviço cívico estudantil, no qual participou: «veio mostrar um país diferente. Costumo dizer, foi o nosso Maio de 1968. Um tempo de descoberta, de liberdade e de discussão, a ideia de que podíamos mudar o curso das coisas, e mostrou-me outras possibilidades.» Na mesma época, fez o ano zero no ISCTE para a entrada na universidade, participando em seminários diversos com figuras ligadas ao jornalismo, à Geografia, à História e ao pensamento contemporâneo. «Foi um ano que não contou para nada, mas contou para tudo», sublinha. Isabel Victor tinha então 17 anos. Foi uma espécie de «rampa de lançamento», «deu-me estrutura de pensamento». É por essa altura que se tornou evidente que o curso de Sociologia no ISCTE era o caminho a perseguir, até então considerada pelo antigo regime como uma «área subversiva». «Era todo um conhecimento que se abriu. Comecei a entender que na Sociologia eu podia chegar a esse campo multidisciplinar que afinal eu tanto gostava.»

Ainda no segundo ano da licenciatura em Sociologia começou a estudar à noite e a fazer formação profissional na área da animação sócio-cultural. Este é outro traço que a caracteriza: «sempre gostei de fazer várias coisas» e, por outro lado, o desejo de «aplicação prática das coisas». Esta via profissionalizante mostrou-lhe a importância da acção cultural enquanto militância «para a liberdade, a democracia e para o desenvolvimento das pessoas», uma noção que já vinha de trás, de forma mais empírica, quando aos 15 anos, além de estudar, ajudava na organização de actividades de animação dos tempos livres nas escolas.

Foi como animadora sócio-cultural que teve o seu primeiro emprego em Setúbal no antigo polo do FAOJ (Fundo de Apoio aos Organismos Juvenis), hoje Instituto Português do Desporto e Juventude. Em 1982 termina a licenciatura em Sociologia e nesse mesmo ano entra para a Câmara Municipal de Setúbal como chefe de serviço de acção sócio-cultural. Sobre estes tempos recorda, o serviço funcionava como uma espécie de «saneamento básico da cultura, porque na altura era preciso fazer tudo».

E então, os museus e a Museologia

É com a colecção etnográfica de Michel Giacometti (1929-1990) que se aproxima de forma mais assertiva do mundo dos museus. Pela mão de Fernando António Baptista Pereira, à época conservador do Museu de Setúbal − Convento de Jesus, surge a possibilidade de Isabel Victor trabalhar com a colecção, então propriedade do município de Setúbal (antes a colecção era do INATEL), com vista à sua organização e criação de um futuro museu. Estávamos em 1987, e a colecção depositada numa ala do antigo hospital do Convento foi o início de vários processos, nomeadamente a organização de exposições itinerantes e uma diversidade de actividades, de onde se destaca o trabalho com públicos muito diversificados − «essa foi uma grande experiência», reconhece. Desse processo culminou em 1995 a instalação do Museu do Trabalho Michel Giacometti numa antiga fábrica de conservas da cidade. Nesse contexto, «procurámos criar uma relação com os Setubalenses, trabalhar a noção de pertença, abrindo o museu». E acrescenta: «trabalhámos as cidades dentro da cidade e a interculturalidade», «uma cidade com mais de 2000 anos de história, porto de mar, que sempre foi uma cidade de culturas». «Outro grande desígnio do museu foi ajudar as pessoas a viver umas com as outras para bem desse reconhecimento e diversidade, trabalhando em rede, com o território, em parceria com as associações, com os artistas…, e como costumo dizer, com os Setubalenses-caboverdianos, com os Setubalenses-moçambicanos, com os Setubalenses-angolanos… e com toda a diversidade de Setúbal.» Esteve à frente do Museu do Trabalho Michel Giacometti até 2010, até então na qualidade de chefe de divisão de museus da Câmara Municipal de Setúbal. Dessa experiência de terreno e de gestão (de equipas e de meios), destaca as equipas: «com quem aprendi muito». Do período em Setúbal, ressalta, ainda, a «consciência da importância decisiva da educação patrimonial e o papel pioneiro dos museus de Setúbal neste campo, iniciado há 30 anos pela mão de Ana Duarte».

A par com a experiência de terreno nos museus veio também a procura pelas ferramentas teóricas que melhor estruturassem as práticas. Neste balanço, esse é também um traço que lhe é característico, tal como faz gosto em realçar: «sempre gostei muito de estudar e aprender toda a vida». No campo da Museologia, isso é perceptível desde cedo, com a pós-graduação em Museologia Social da Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões (1992) e, mais tarde, com o mestrado em Museologia na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2005), com uma tese sobre as ferramentas da qualidade aplicadas em museus, tema-chave, aliás, ao longo da conversa com Isabel Victor.

Sobre pessoas e experiências que orientaram e influenciaram o seu pensamento (e acção), «revolucionando a forma de entender o papel dos museus, a pirâmide de valores, a sua relevância e papel social», Isabel Victor destaca Per-Uno Ägren (1930-2008) e a Museologia nórdica, nomeadamente o caso da Suécia, e o movimento da Nova Museologia, o ensino da Sociomuseologia, com Mário Moutinho, e a rede internacional de investigadores e museólogos, com ênfase para o Canadá, com Pierre Mayrand (1934-2011), e para o Brasil, com Mário Chagas.

Da administração local para a administração central

Entre 2010 e 2012 coordenou a Rede Portuguesa de Museus (RPM) ao assumir o cargo de directora do Departamento de Museus do então Instituto dos Museus e da Conservação. Sobre a primeira década de existência da RPM destaca a influência política e o papel de negociação que esta teve junto dos municípios: «os museus não teriam crescido com a organização, ordenamento e qualificação que tiveram se não fosse a Rede». E mais: «a Rede empoderou os profissionais e contribuiu para a normalização». Em jeito de balanço sobre o trabalho que desenvolveu, sublinha: «candidatei-me com elevada expectativa de poder fazer uma segunda década aproveitando o alicerce, manter o fundamental, aprofundar a questão política, mas estávamos já numa década de desconstrução». No plano da formação procurou, para além da formação de perfil mais técnico «adaptar a uma outra realidade, que partia mais da reflexão sobre boas práticas com os profissionais de museus». Essa metodologia de trabalho, em parte assente na ideia de «museu visita museu», que chegou a colocar em prática, visava «criar redes interpessoais para alimentar a criatividade e a mudança». Nesse sentido, defende: «o museu é um campo multidisciplinar, é importante exercitar essa reflexão: o que fazemos, porque fazemos e a inovação que se vai gerando, que de uma maneira geral é mal conhecida». É nessa perspectiva que afirma: «o principal da Rede é trabalhar em rede», «trabalhar de forma horizontal e de baixo para cima». Sobre a sua saída da Rede não esconde que foi um processo traumático, sobretudo pelo fim de uma equipa que levou anos a constituir-se, e que “desapareceu” de um dia para o outro. Sobre esse lastro, admite: «tenho uma profunda admiração pela equipa da Rede».

Pergunto sobre a revitalização da RPM e qual pode ser o caminho. Isabel Victor aponta, desde logo, para a necessidade de cumprimento da Lei‐Quadro dos Museus Portugueses. «A lei existe, é preciso que se consolide, que funcione», e «rever a cadeia de prioridades e o modelo de rede − de piramidal para horizontal e rizomática − com várias derivações (redes regionais, redes temáticas, etc.)». Insiste igualmente na importância de uma acção baseada em diagnósticos: «conhecer os museus, os profissionais» e «apostar na negociação política». Por outro lado, o investimento «na formação e qualificação, e pensar na credenciação como o final da linha», ou seja, «implementar um sistema de qualidade em museus, a partir do qual os museus e os profissionais possam usar essas ferramentas na gestão, nos processos, na transparência, na qualificação e na formação.»

Depois da RPM, voltou à casa-mãe, à Câmara Municipal de Setúbal, onde passou a colaborar com o Museu de Setúbal − Convento de Jesus. Nesse contexto, chegou a preparar um projecto que visava a cartografia do património (numa perspectiva participada) da cidade, entendido como ante-projecto que servisse de base para um futuro museu de cidade. Sem apoio político, a ideia não foi avante. Em 2014, acabou por sair da função pública e abraçar o trabalho independente como consultora. Começava então um novo ciclo.

Um novo ciclo, o Museu Sporting

Coordenar o Museu Sporting não foi um projecto antecipado ou planeado por Isabel Victor, mas aconteceu. Houve uma primeira aproximação informal em 2016 como consultora para fazer pareceres técnicos e, em 2017, surgiu o convite para efectivamente dirigir o museu. Encara este novo ciclo como um «extraordinário desafio». 

Sobre o perfil destes museus, é peremptória: «são museus profundamente emotivos. Aqui a emoção está no topo». E sublinha: «o Museu Sporting é um museu que faz tributo a grandes atletas e a extraordinárias histórias de vida e de superação». «Se noutros museus eu já sentia que o mais importante era o edifício humano, nestes museus ainda é mais evidente». «E onde o património imaterial é uma [dimensão] fortíssima», acrescenta. O Museu Sporting «retrata a identidade e a memória do Sporting Clube de Portugal, desde a sua fundação em 1906 até aos dias de hoje», pode ler-se na sua página institucional. Sobre a missão deste museu, Isabel Victor destaca: «é sobretudo este sentido de celebração, de congregação, é um tributo constante à história, aos atletas, à superação, ao excepcional, mas também ao sacrifício, às derrotas. Tudo isso faz parte». Reconhece que «não são museus nada neutros, mas os outros também não». Um outro aspecto inerente à missão do museu é «contribuir para uma cultura desportiva, para os valores fundamentais do desporto e do respeito pelos atletas», sublinha, em clara alusão aos últimos acontecimentos da cena desportiva.

A sorte dá muito trabalho

No trabalho mais visível do Museu Sporting somam-se já duas exposições temporárias realizadas com esta nova direcção. A primeira, Leoas, Boas de Bola (2017) correspondeu a uma necessidade evidenciada pela limitada representação de género na exposição permanente. Nesse sentido, Leoas, Boas de Bola é entendida como uma exposição disruptiva. Por um lado, «as mulheres estão cada vez mais presentes, individualmente e como equipa (ex. râguebi, futebol), mas, por outro lado, «a sua representação é muito menos expressiva do que a masculina, mesmo dentro das mesmas modalidades». Como destaca a directora, esta exposição «permitiu colocar em diálogo a geração dos anos 1990, ou seja as primeiras mulheres do futebol feminino e as actuais, o que foi uma verdadeira descoberta para estas que não sabiam que tinham existido outras». 

A segunda exposição A Sorte dá Muito Trabalho (patente ao público) é evocativa de Mário Moniz Pereira, apelidado carinhosamente de Senhor Atletismo pelo seu papel nesta modalidade e cujo lema por este apregoado dá nome à exposição. Se, por um lado, como é enfatizado, «na exposição permanente a quantidade conta» − «trata-se de mais de um século de troféus» − com as exposições temporárias há um trabalho diferente a fazer: «tentamos trabalhar os objectos, mas sobretudo a memória, o imaterial, que é uma espécie de material incandescente do edifício humano, onde os objectos servem de âncora, mas a essência é a memória e o esquecimento, que é outra face da memória».

Não ignorando o papel das exposições como interfaces fundamentais com os públicos, Isabel Victor releva todo o trabalho de bastidores menos visível que foi preciso colocar em prática, e que em muitos aspectos, confessa, neste museu foi como «começar do zero». Uma das primeiras medidas foi repensar o museu com a elaboração de um plano estratégico, que nasceu de um trabalho de equipa − que faz ponto de honra em sublinhar − no início constituída por cinco pessoas − a quem apelida carinhosamente de «os cinco violinos». Foi preciso «identificar valores, missão, a cadeia de processos e procedimentos do museu. Quem é quem, o que faz e como. Trata-se de criar respeito uns pelos outros na estrutura interna». Por outro lado, é colocar em prática o lema: «o máximo de liberdade e o máximo de responsabilidade», que assume ser eixo clarividente de acção tanto na sua vida pessoal como profissional. Por essa razão considerou fundamental começar por definir um plano estratégico, integrador de princípios da gestão da qualidade, implicando horizontes temporais claros e que garanta o compromisso do museu com a tutela e a necessária autonomia, mas também, por sua vez, a responsabilização pelos resultados. Entre as prioridades deste plano estratégico (pensado até 2022, onde se inclui o plano financeiro) está a consolidação, o fortalecimento e a capacitação da equipa, que entretanto duplicou, e colocar em funcionamento várias valências, competências e áreas de saber do museu. É neste sentido que se tem investido, nomeadamente na área das reservas, na conservação e restauro, na renovação do espólio e na gestão do inventário de coleções, na investigação e na participação em redes de trabalho e cooperação com outros museus, designadamente com os museus vizinhos (ex. Museu de Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro). A reformulação pontual da exposição permanente e a melhoria das condições de acessibilidade são aspectos igualmente previstos.

Outro projecto bandeira, e de grande aposta, é o desenvolvimento de um centro de memórias, que tem filiação em experiências anteriores da museóloga. O argumento é claro: «falta dar visibilidade às histórias de vida que estão por trás dos troféus». As sessões de recolha já tiveram início tendo por base a área do atletismo e seus atletas, e o trabalho perspectiva-se de continuidade. 

Está ainda prevista a extensão do Museu Sporting (com abertura prevista para o final de 2018) com um terceiro pólo no pavilhão João Rocha, recorrendo à linguagem do digital e das novas tecnologias.

Museu Sporting

  • Criação: 2004, 2016 (remodelação). Dois pólos: Estádio José Alvalade e Leiria
  • Tutela: privada, Sporting Club de Portugal
  • Colecções: várias (etnografia, fotografia, história, traje, filatelia, numismática) 
  • Colecção total: c. 37 334 objectos; colecção em exposição: c. 4 600 objectos
  • Área total de exposição (incluindo exp. temporárias): 1 000 m2 
  • Equipa: 10 pessoas 
  • Média de visitantes em 2017: Estádio José Alvalade − 18 899, Leiria − 14 930

****

[1] Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Museus & Pessoas”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2018. “Museus & Pessoas: Isabel Victor.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 12 (Junho): 69-77.

Voltar a colocar no mapa o Museu do Chiado

Emília Ferreira, 16 de Fevereiro de 2018, Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa. Foto de Ana Carvalho

Emília Ferreira é desde 1 de Dezembro de 2017 directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa. Alia o profissionalismo com a paixão de fazer as coisas, e a inquietude de quem tem sempre perguntas para fazer. Há pouco mais de um mês na direcção do museu, fomos até ao Chiado para conhecer melhor o percurso de Emília Ferreira, as suas motivações e as ideias que traz para este museu. Por Ana Carvalho

Estamos numa das principais áreas nevrálgicas da vida cultural da cidade de Lisboa. Entro no Museu do Chiado, uma instituição centenária ao serviço da representação da arte portuguesa do séc. XIX à contemporaneidade. Percorro o museu labiríntico, onde ainda se perscruta os vestígios do antigo Convento de São Francisco onde foi instalado, apesar da roupagem contemporânea. O passo não é demorado. À hora marcada sou recebida por Emília Ferreira, no seu gabinete, com um sorriso aberto, e sob a luz quente do final de tarde.

A pergunta sai de chofre, sem grandes preâmbulos: como se descreve? Se num primeiro instante a interrogação oferece surpresa, a resposta é segura e reflectida. A curiosidade é uma das características definidoras de Emília Ferreira, como pessoa e profissional, e o fio condutor do seu percurso. «Não vejo lógica na definição de um percurso linear e muito dirigido a um horizonte exclusivo». Sempre gostou de várias coisas diferentes. Na adolescência, por exemplo, era o desenho, a escrita e a dança: «precisava de cada uma dessas coisas para que cada uma funcionasse», sublinha. É um traço que prevalece até hoje: «tenho uma curiosidade em leque» e assume vários interesses – não no sentido do homem dos sete instrumentos – «mas preciso de relacionar muitos assuntos» para chegar à compreensão do mundo. Aos 15 anos apaixona-se pela filosofia, «precisamente porque não era uma área linear: atraiu-me o aspecto da curiosidade que enforma o exercício da filosofia». Termina a licenciatura em Filosofia (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) em 1990, mas ainda no terceiro ano do curso ingressa no mundo profissional, aos 22 anos, para dar aulas de português como língua estrangeira, descobrindo para si própria o prazer de «passar a outros o conhecimento que se tem».

Uma trajectória multifacetada

A escrita é um dos elementos estruturantes do seu percurso, em diferentes formatos e géneros – do romance aos contos, à crónica, à crítica literária, à literatura infantil e à escrita científica – tendo, aliás, recebido vários prémios literários no âmbito da sua obra ficcional.

«O espaço museu sempre me atraiu muito», admite, mas é em 1992 que aflora o mundo dos museus de forma mais específica. Isso acontece no âmbito da colecção Grandes Museus de Portugal do jornal Público, onde colaborou como redactora e investigadora. Essa experiência de contacto com a história dos museus, dos seus edifícios e colecções teve influência no momento de escolher o tema para a sua dissertação no mestrado em História da Arte Contemporânea, que concluiu em 2001, na Universidade Nova de Lisboa. A escolha recaiu sobre a história dos museus de arte no séc. XIX, com a dissertação História dos Museus Públicos de Arte no Portugal de Oitocentos: 1833-1884. Este percurso de investigação acabaria por ser aprofundado com uma tese de doutoramento em História da Arte Contemporânea na mesma Universidade (2010) sobre a Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola (Palácio Alvor, 1882), exposição da qual viria a nascer o Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia (actual Museu Nacional de Arte Antiga). O tema mereceu maior aprofundamento pela necessidade de preencher lacunas sobre o conhecimento existente até então e pelos vários mitos que recaíam sobre a exposição. Esta tese visou, assim, compreender os contextos em que se realizou a exposição, o que foi feito, como e com que conhecimentos, contribuindo globalmente para um maior entendimento da história dos museus em Portugal. Em 2017, a tese foi publicada em livro – Lisboa em Festa: A Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu, integrando o oitavo volume da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural e Caleidoscópio).

O atributo de investigadora é porventura o “chapéu” mais abrangente da actividade de Emília Ferreira. Para além do seu perfil multifacetado na qualidade de escritora, assume-se como curadora e educadora. Enquanto curadora independente (a par com funções na área educativa e na investigação) desenvolveu uma extensa actividade, inicialmente para o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (a partir de 1997), mas também na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, onde colaborou entre 2000 e 2017, sendo que em 2010 passou a ter vínculo à função pública. De um modo geral, ao longo dos últimos 20 anos, organizou várias exposições de arte contemporânea para diferentes organizações como curadora independente, onde se destacam a retrospectiva Dominguez Alvarez, 770, Rua da Vigorosa, Porto (2006) – com Ana Vasconcelos e Melo –, a exposição itinerante Rui Sanches. As Margens da Linha (2006 e 2007) e Mily Possoz, uma Gramática Modernista (2010), entre outras.

A colaboração com vários municípios, pessoas e organizações diferentes ao longo destes anos é consistente com um processo de aprendizagem que exigiu acima de tudo flexibilidade, como reconhece: «aprendi a trabalhar em redes distintas e com constrangimentos de vários tipos». Neste sentido, refere-se não apenas aos condicionalismos de ordem financeira (díspares entre as organizações com as quais trabalhou), mas também às limitações dos próprios espaços expositivos, aludindo, por exemplo, ao caso da Casa da Cerca pelas dificuldades de trabalhar em edifícios históricos adaptados, cujas características intrínsecas nem sempre se coadunam com as exigências contemporâneas de um espaço museológico. Esta experiência diversificada de contextos permitiu-lhe, ainda, não só «aprender a trabalhar com os tempos da função pública», mas também lidar com «muitas maneiras de funcionar e abordagens diferentes».

Os museus, uma questão de missão

Falamos de motivação. Pergunto sobre o que a continua a motivar no trabalho em museus. É peremptória: «as pessoas merecem o melhor de nós, é uma questão de missão». Emília Ferreira encara a função pública como algo que tem como objectivo final o público, «que canaliza para o público a devolução de serviços vários que são pagos com os impostos dos cidadãos». E acrescenta: «no caso dos museus estamos aqui para devolver com juros. Há uma responsabilidade por parte das instituições. Quando o grande público não percebe o que nós estamos a fazer, é porque nós não sabemos comunicar o que estamos a fazer – por muito que nos custe admiti-lo. Há uma série de circunstâncias às quais temos de conseguir dar a volta, uma delas é falar de forma mais clara, explicar o que andamos a fazer.»

Comunicar de forma clara é preciso

A clareza da comunicação foi um tópico que surgiu várias vezes ao longo da conversa. Sobre os museus de arte contemporânea, em particular, Emília Ferreira é categórica: «não comunicam bem para um público alargado», salvo raras excepções. Mas explica porquê: «de um modo geral, confunde-se especialização com hermetismo no discurso». Esta é uma lição que retira da sua experiência no jornalismo. Reconhece que a clareza não é uma questão fácil, mas na sua opinião «comunicar é muito mais do que mostrar que se domina o código». Defende que é possível “aprender a ver” nos museus – referindo-se concretamente à arte contemporânea –, pois «eu própria aprendi a ver»; e adianta: «as pessoas percebem se nós quisermos chegar até elas». Cita Einstein, ao afirmar que «se não conseguimos explicar alguma coisa claramente é porque não a entendemos». Neste sentido, compreende a clareza na comunicação também como um exercício de modéstia e humildade. E vai ainda mais longe, referindo o exemplo da biologia: «uma célula que não partilha a sua informação morre». Por outro lado, não concorda que «a comunicação seja um nivelamento por baixo», e defende, por sua vez, que «a clareza não é o mesmo que simplismo».

A reflexão sobre o género nos museus: a arte de perguntar

Além de investigadora do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, Emília Ferreira colabora num projecto de investigação internacional liderado pela Universidade de Victoria (Canadá). O projecto pretende estudar as condições de visibilidade de intervenção das mulheres do ponto de vista das colecções, das educadoras nos museus, e como artistas. Trata-se de uma rede (em expansão) que integra investigadoras, mulheres artistas e educadoras de vários países e organizações universitárias (Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, Itália, Portugal). A rede é constituída essencialmente por mulheres, não de forma propositada, como esclarece Emília Ferreira, mas «porque os homens geralmente não trabalham estas questões».

O desconforto pela «permanência da vontade de exclusão» sobre o papel das mulheres que sentiu durante largos anos na academia, quer no campo da filosofia, quer na história da arte levaram-na a interrogar-se sobre os contributos das mulheres artistas na arte, como foi o caso dos estudos que fez sobre Ofélia Marques (1902-1952) e Mily Possoz (1888-1968), entre outras artistas. Por outro lado, este interesse não está desligado das suas convicções pessoais: «sou feminista, desde que me lembro».

Neste contexto, faz sentido perguntar: como é que os museus portugueses têm abordado a questão do género? Na perspectiva de Emília Ferreira o género «não tem sido tratado, tem sido aflorado. De alguma maneira até se tentou diversificar a discussão em alguns casos. Mas de um modo geral, o que me parece é que estas coisas estão muito camufladas». Referindo-se a um inquérito que distribuiu recentemente em museus, na sua maioria de arte contemporânea, sublinha: «tive essa noção com as não respostas que recebi a questões como – quantas artistas tem na colecção? Quantas exposições fez de mulheres artistas individuais? Quantas mulheres artistas participam nas colectivas? Em termos de museus, penso que tem que haver um olhar sério sobre as suas colecções, tem que haver uma interrogação. Eu gosto de continuar a fazer perguntas: porque é que não há mais mulheres nas colecções? Porque é que as que existem não estão estudadas? Porque é que continuamos a olhar para o que foi escrito sobre determinada artista e não se olha para a sua obra no conjunto?»; e atira: «é preciso começar a olhar paras as obras, os museus têm essa obrigação: olhar para as suas obras e interrogá-las». No entanto, também não ignora que para isso também contribui a existência de recursos humanos e financeiros.

Voltar a colocar o Museu do Chiado no mapa

Pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado têm passado vários directores num curto espaço de tempo. Emília Ferreira sucede a Aida Rechena (directora do museu desde 2016) após a demissão desta, e em regime de substituição. Os problemas são vários e, por sua vez, os desafios são múltiplos. Emília Ferreira reconhece que é um museu que tem tido pouca visibilidade por várias razões, entre estas a falta de verbas. Sublinha a necessidade de imprimir uma nova dinâmica no museu, «voltar a chamar a atenção para a sua existência», «atrair os públicos e os mecenas». Esta é entendida como uma prioridade.

Encontra-se em preparação a programação para 2018 e para os anos seguintes, nomeadamente a definição de uma nova política expositiva. Neste sentido, está a ser repensada a possibilidade de expor as colecções do museu de forma mais “permanente”, situação que não tem sido possível concretizar devido, por um lado, à exiguidade dos espaços e, por outro lado, à necessidade de organizar exposições temporárias. Outras questões correlacionadas prendem-se com a identificação das necessidades prementes do próprio edifício – atendendo a que faz 24 anos desde que foi objecto de renovação pelo arquitecto francês Jean-Michel Wilmotte – e, como sublinha a directora: «começar a pensar na possibilidade de o edifício ter a sua própria revolução». Refere-se neste contexto aos edifícios contíguos ao museu que ficaram disponíveis, entre os quais o do governo civil e o da polícia. «O que me foi pedido é que comece a pensar em gizar um pré-programa para se lançar o museu como uma instituição maior em termos físicos no sentido de vir a acolher uma complementação das suas colecções.» Este aspecto é central para que o museu «volte a ser o que foi a sua missão inicial – a arte contemporânea – ou seja, de modo a que não fique «fechado nos anos de 1970. Temos nas colecções obras depois de 1970, mas a integração dessas obras não tem sido continuada – temos várias lacunas. Há colecções privadas à guarda do Estado que faria todo o sentido que fossem integradas no museu». Por outro lado, a possibilidade de reformular os espaços existentes não só permitiria cumprir os requisitos «de um museu nacional, mas de arte contemporânea, que tem exigências em termos de escala que não se compadecem com áreas diminutas e de grande compartimentação inflexível». Além disso, esta poderá ser a oportunidade de rever as condições de acessibilidade física dos espaços, como realçou.

Falamos na hipótese de se concretizar o crescimento físico do museu, com os olhos postos no horizonte. Nesse sentido, sublinha: «se este museu pudesse vir a crescer para ter um espaço expositivo maior que permitisse, de facto, ter uma exposição semi-permanente que desse a conhecer a arte portuguesa de 1850 até à contemporaneidade, este seria um museu único a vários níveis. Tanto quanto eu sei não há mais nenhum museu de arte contemporânea que inclua a segunda metade do séc. XIX. Esta é uma mais-valia, uma vez que é na segunda metade do séc. XIX que se começam a definir grandes linhas que vão enformar o início do séc. XX. Essa relação que aqui podemos fazer seria preciosa».

Emília Ferreira entende que o «museu não é só um espaço para expor obras, tem que ser também um espaço em que o diálogo em torno das obras possa ser potenciado. E para isso tem que haver também lugar, espaço. Não temos ainda essa estrutura. No momento em que isso acontecer, este museu, neste sítio da cidade vai ser seguramente uma mais-valia para a nossa identidade artística».

Museu Nacional de Arte Contemporânea − Museu do Chiado

  • Fundação: 1911. Tutela: Direção-Geral do Património Cultural
  • Tipologia: arte, de 1850 à contemporaneidade
  • Colecção total: 5321 obras
  • Área total de exposição (incluindo exp. temporárias e recepção): 1101 m2 (edifício Rua Serpa Pinto) + 504 m2 (edifício Rua Capelo)
  • Equipa: c. 33 pessoas
  • Média de visitantes 2017: c. 88 158

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Museus & Pessoas”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2018. “Museus & Pessoas: Emília Ferreira.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 11 (Fev.): 52-59. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Que desafios para a integração das tecnologias e do mundo digital nos museus?

Alexandre Matos é especialista na área da documentação de colecções. Doutorou-se em Museologia com a tese SPECTRUM: Uma Norma de Gestão de Colecções Para os Museus Portugueses (2012). Na empresa Sistemas do Futuro coordena o departamento de formação e investigação, e é professor afiliado na Universidade do Porto. Faz parte da direcção do CIDOC (Comité Internacional do Conselho Internacional de Museus para a Documentação). A entrevista toma como fio condutor os desafios da aplicação das tecnologias e do mundo digital nos museus. Abandonado que está o debate que opõe meio físico vs meio digital, que desafios e oportunidades são hoje centrais para os museus? Da ausência de uma política e estratégia museológica a nível nacional comprometida com estas matérias, ao papel das tutelas, das lideranças, das estratégias de comunicação, à obsolescência tecnológica, à actualização de competências digitais e à necessidade formação… os tópicos em análise são múltiplos e transversais para a actividade dos museus.

Ana Carvalho (AC) − Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Como é que observas a relação dos museus com as novas tecnologias? Que diagnóstico podes traçar?

Alexandre Matos (AM) − Vivemos numa época de transformação em diversos sentidos, com impactos ainda pouco estudados, em diferentes áreas. E, como reflexo, sentimos essa transformação nos museus enquanto instituições. Na relação dos museus com as tecnologias (já não as chamaria de novas) consigo ver um lado extremamente positivo e um lado também muito negativo que é o da exclusão e da impreparação das instituições para esta realidade.
Pela positiva verifico com agrado a quantidade impressionante de bons projectos que aliam o que melhor existe nos museus com as tecnologias mais recentes, colocando à disposição dos públicos uma quantidade enorme de recursos para fins educativos, de investigação, de entretenimento, entre outros. Há alguns casos que poderia apontar como exemplo, mas acho que todos estão um pouco atrás do que já é disponibilizado pelo Cooper Hewitt, em Nova Iorque. Bem sei que é um museu da Smithsonian e tem recursos para o fazer. Mas se consultarem o website do museu, explorarem as colecções ou se o visitarem, e acederem à nova experiência desenhada pela equipa do museu – integrando as tecnologias sem as tornar o foco da visita, mantendo em primeiro lugar as colecções – perceberão que poucos museus nos dão a informação tão bem tratada e organizada.

Pela negativa destaco, antes de mais, a falta de estratégia para o universo digital. É comum ouvirmos que as tecnologias são algo que, mais cedo ou mais tarde, têm que ser tidas em conta nos diversos sectores dos museus. Mas avaliando o caso dos museus em Portugal, que conheço melhor, são poucos os que definem uma estratégia para a área digital, e depois agem de acordo com o que planeiam a curto ou médio prazo. Não quero com isto dizer que as tecnologias sejam um fim, antes pelo contrário, são um instrumento para cumprir a missão dos museus, mas sem estratégia definida andamos constantemente a navegar à vista, sem objectivos claros, sem propósito.

Um outro aspecto negativo, que não tem directamente relação com as tecnologias, mas está a montante, é o que observo sobre a falta de formação existente na área da cultura digital de grande parte dos profissionais de museus e do escasso tratamento que o digital tem nos cursos de formação na área. Esta falta de formação, combinada com os escassos recursos humanos nos museus, nomeadamente os municipais, é a tempestade perfeita para desperdiçarmos a oportunidade para utilizar as tecnologias em benefício dos museus, das colecções e, acima de tudo, dos visitantes.

AC − Tem havido algum investimento na gestão de colecções, nomeadamente a criação de catálogos digitais. Como tem sido esta evolução e que passos são necessários dar ainda?

AM − O investimento em gestão de colecções que tem existido ao longo das últimas décadas é, na minha opinião, manifestamente escasso para as necessidades que existem nesta área. A determinada altura, durante o período do anterior quadro de financiamento europeu e no âmbito do POC (Programa Operacional da Cultura), tivemos um conjunto de iniciativas nesta área com resultados significativos. Está, aliás, por fazer um estudo mais aprofundado sobre o impacto do POC nesta matéria e noutras. No entanto, segundo o que observamos nos dados mais recentes sobre a digitalização do património cultural e o que vou constatando nos diversos museus que visito a nível profissional, há um enorme “oceano” de objectos, de colecções, que estão nas sombras, sem registos acessíveis, sem estudo, sem informação básica recolhida, porque a maioria dos museus mantém as portas abertas com um esforço sobre-humano e não tem a capacidade de manter uma equipa dedicada ao registo, estudo, catalogação e divulgação das colecções. É este, provavelmente, o maior entrave face às potencialidades que as tecnologias permitem actualmente. Mas poderia elencar outros factores de bloqueio, como a ausência da normalização dos conteúdos, o desconhecimento das normas, a preocupação constante com ferramentas em vez de uma preocupação em solidificar conceitos a médio e longo prazo, a ausência de planificação, já para não falar da estratégia ou da partilha de recursos e resultados.

Se nos centrarmos nos catálogos digitais existentes, veremos que reflectem um esforço dos museus num determinado momento. Mas quantos desses catálogos têm tido actualizações de conteúdos e de tecnologia? Há, para além do exemplo que citei na anterior questão, inúmeras soluções tecnológicas interessantes, com custos de implementação não muito elevados, mas a sensação que tenho é que as tutelas (uma parte delas pelo menos) pensam na publicação de um catálogo digital da mesma forma que pensavam num em papel. Ou seja, publica-se num website e está resolvido o problema – e já somos digitais! A publicação de um instrumento desta natureza implica um compromisso com os públicos online dos museus que deve ser entendido pelos que têm a responsabilidade de gerir os museus.

Julgo que um dos primeiros passos a dar sobre os catálogos digitais seria fazer um estudo mais profundo sobre o ponto de situação actual em Portugal, incluindo a participação dos museus portugueses na Europeana ou em projectos como a Wikipedia ou a Wikimedia, por exemplo. Seria interessante recolher essa informação e propor passos a seguir com base em informação mais sólida.

AC − Existem vários projectos a decorrer em museus nacionais portugueses, nomeadamente com o Google Art. Que desafios estão implícitos e qual pode ser o impacto destes projectos?

AM − O Google Art, ao contrário do que acontece com a Europeana, é um serviço prestado pela Google que tem méritos e benefícios para os museus e colecções em termos de visibilidade, no entanto, julgo que os museus deverão percorrer o seu caminho preparando-se previamente para este tipo de parcerias e definindo por si próprios as plataformas onde pretendem estar. Para dar um exemplo, que nos foi mostrado por Merete Sanderhoff (Danish National Gallery) na última conferência anual da Acesso Cultura, há imagens de objectos das colecções nacionais disponíveis com marca de água nos catálogos digitais dos museus da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) que estão disponíveis em alta resolução e sem qualquer restrição no Google Art. Não parece um contra-senso? Em todo o caso, soubemos também na mesma altura, pela voz de David Santos que essa situação estava identificada e seria em breve modificada. Sabendo que a relação com marcas de grande impacto como a Google, a Microsoft ou a Apple é sempre tentadora (e pode ser muito proveitosa se bem pensada pelos museus), julgo que os museus, nomeadamente os nacionais, terão que pensar previamente a sua relação com o mundo digital.

Se pensarmos em casos de sucesso a nível internacional, sabemos que isso não acontece do dia para a noite! Não acordamos a pensar que seria bom ter uma digitalização de todas as colecções dos museus portugueses e no dia seguinte acordamos com tudo digitalizado e publicado na Internet. Desde o momento em que se define uma política de colecções que contemple uma estratégia digital e um plano de documentação, e digitalização, até ao momento da sua concretização podem decorrer anos, aliás, decorrem vários anos. Num trabalho que não é visível e é extenuante em termos de recursos humanos, técnicos e financeiros e que não tem, maioritariamente o suporte institucional que merece. Recomendo a leitura do artigo de David Santos «O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online: o Caso do Rijksmuseum» (2016) ou, de forma mais aprofundada, o caso de estudo «Democratising the Rijksmuseum» de Joris Pekel da Europeana Foundation. Aí temos a noção do trabalho efectuado durante o período em que este museu esteve fechado para poder agora apresentar estes resultados no seu catálogo digital.

Respondendo de forma mais directa à parte final da pergunta, diria que os maiores desafios, são pensar onde queremos estar daqui a 10 ou 20 anos e definir uma política de colecções e uma estratégia digital que nos possam levar a esse ponto.

AC − Os museus, assim como outras organizações de serviço público, terão de se actualizar para melhor responder a cidadãos mais proficientes no mundo digital, em termos da adequação de meios (tecnológicos, humanos e financeiros). No caso da política museológica nacional, até que ponto estão incorporadas estas preocupações?

AM − Respondo de forma provocatória: a que política museológica nacional te referes? Onde é que ela está nos últimos tempos? Eu sou da geração de profissionais de museus que começou a trabalhar nos anos 1990, ainda esta área digital era uma miragem em Portugal, mas que viveu com entusiasmo a criação de instrumentos como a Rede Portuguesa de Museus (RPM) e a aprovação de uma Lei-Quadro de Museus Portugueses (2004) que, em muitos pontos, foi inovadora. Vivi a criação do Instituto Português de Museus e confesso que na altura imaginei que teríamos os instrumentos, do ponto de vista formal, para colocar os museus no lugar onde deviam estar – como lugares de referência para o debate, educação e inovação. Mas, ao contrário do que pensava na altura, hoje temos uma DGPC que cuida de uma diversidade enorme de assuntos com menos meios, uma RPM que é um departamento dessa Direcção-Geral, numa visão absolutamente centralizadora sobre os museus e a museologia nacional, e uma Lei-Quadro que é muito facilmente esquecida pelo poder político (às diversas escalas) que faz o que bem entende no que diz respeito à criação ou apoio a museus das mais variadas tutelas. Se voltámos atrás em todas estas matérias, como podemos pensar o futuro e a integração de recursos tecnológicos, humanos e financeiros que possam lidar com as expectativas dos nossos públicos relativamente ao que é digital? É complicado. Ainda mantemos, em grande medida, os mesmos programas de formação na oferta da RPM, por exemplo. Os profissionais de museus são confrontados com estes desafios, mas não têm os instrumentos que os ajudem a enfrentar as novas questões e áreas.

Eu espero que a breve trecho haja uma tomada de consciência relativamente à política museológica nacional e que o governo, as diferentes tutelas e os diversos responsáveis do sector se sintam pressionados a dar atenção aos problemas que sentimos desde que se instalou este “esquecimento”! Também sei que o ICOM Portugal tem tomado posição e alertado para algumas situações que mencionei, mas julgo que nos cabe a todos, enquanto profissionais, ou melhor, enquanto cidadãos, pensar o que pretendemos para os museus e agir em conformidade, exigindo aos responsáveis políticos os recursos necessários para um desenvolvimento sustentável e consolidado dos museus portugueses.

Se consolidarmos estes recursos será mais simples pensar, em termos nacionais, em incorporar na política museológica nacional os instrumentos que permitirão aos museus dar uma resposta cabal aos desafios do mundo digital. Seria mais simples, por exemplo, pensar numa efectiva partilha de recursos técnicos e humanos pelos museus que integram a RPM para a digitalização das colecções, seria mais fácil desenhar programas de formação informados sobre os objectivos definidos, permitiria o desenho de projectos com um portal de pesquisa global para as colecções, arquivos e bibliotecas de museus, entre outros exemplos. No entanto, julgo que teremos que esperar mais algum tempo para merecer a atenção de quem decide!

AC − Para além da limitação de recursos que outros desafios enfrentam os museus portugueses na aplicação das tecnologias?

AM − Eu identifico à partida dois grandes desafios que estão interconectados: a análise das tendências e da obsolescência tecnológicas. Uma e outras estão interligadas e são muito importantes na análise que os especialistas precisam de fazer antes de adoptar determinada tecnologia. Vou tentar explicar com exemplos mais práticos. Imaginemos que optamos por incluir, em determinada exposição, uma mesa digital que nos permite, através de um software específico, interagir com determinados conteúdos relacionados com uma exposição. Este hardware, e muitas vezes o software, tem um período de vida curto, fruto das constantes actualizações dos sistemas operativos que os suportam, ou da inexistência de peças compatíveis para substituir alguma usada, entre outras situações. O software também necessita de actualizações e de correcções ao longo dos anos. Um e outro podem ter custos de operação elevados e uma manutenção tão específica que se torna incomportável para os museus em Portugal (imagino que muitos já terão visto exposições em que este tipo de hardware estava desligado, não?). No entanto, não vejo a preocupação com este tipo de situações reflectida em muitos dos cadernos de encargos que vou consultando.

Aliás, como a tecnologia é ubíqua, estes desafios das tendências e da obsolescência tecnológica aplicam-se a qualquer área relevante para o trabalho nos museus. Na documentação, por exemplo, sendo a área que mais domino, percebemos há muitos anos atrás que a melhor forma de combater o entusiasmo por uma nova tendência ou o perigo de falência de um sistema de informação por estar completamente ultrapassado, é através da “arma” da normalização. Ou seja, normalizamos processos, estruturas de informação, procedimentos, terminologia, recursos técnicos, etc., tendo em mente que dessa forma podemos mudar para um novo sistema de informação, substituindo um que se tornará obsoleto a breve prazo, sem correr um risco demasiado elevado.

Julgo que o mesmo poderá acontecer, certamente com outras “armas”, nas áreas da conservação, educação e divulgação nos museus. As ferramentas que utilizam devem considerar o carácter permanente deste tipo de organizações, sem deixar de considerar que os museus são, ou devem ser, lugares de discussão permanente com uma função social cada vez mais relevante, que criam produtos (visitas, exposições, metodologias de conservação, entre outros) que não devem ficar reféns de determinada tecnologia.

A partir daqui poderíamos falar em LOD (Linked Open Data) ou acesso aberto, por exemplo, como outros desafios importantes que os museus têm pela frente. Mas isso daria um dia inteiro de conversa…

AC − Meio físico vs meio digital? Parte-se do princípio que um não exclui o outro… Como se alcança esse equilíbrio?

AM − Alcança-se o equilíbrio sem perder muito tempo com a discussão sobre uma suposta aniquilação do primeiro pelo segundo que é, desde os primeiros temores sobre os museus virtuais, completamente vazia. Por muito que os desenvolvimentos tecnológicos possam alterar a nossa vida de forma significativa, como o têm feito nas últimas décadas, não me parece que os museus vejam o seu fim com a digitalização dos seus espaços e das suas colecções. É uma falácia. Aliás, sobre esta matéria e de uma forma mais geral, relacionada com o futuro da Humanidade, vários autores afirmam que é a cultura, as artes, a literatura, a filosofia, a linguística, ou seja, áreas com lugar privilegiado nos museus que nos permitirão contrabalançar a omnipresença das tecnologias nas nossas vidas. Ainda recentemente ouvi o cientista António Damásio e outros especialistas falar sobre este ponto no documentário 2077 – 10 Segundos para o Futuro, produzido de forma brilhante pela RTP.

No entanto, devemos ter o cuidado de desmistificar esta relação entre o meio físico e o meio virtual com alguns dados científicos que nos mostram a interligação entre o aumento das visitas físicas aos museus e a disponibilização da informação sobre as colecções e o museu online de determinados museus. E poderíamos levantar aqui algumas outras vantagens do virtual sobre o físico. Em termos de educação e acesso, em termos de segurança, com a criação de sistemas de informação sobre património cultural em risco e/ou roubado, ou ainda, no que diz respeito às indústrias criativas e à utilização das colecções como ponto de partida para novas criações e produtos. Há inúmeras situações onde essa vantagem é observável facilmente. Eu costumo dizer que não podemos ter todos uma primeira edição dos Lusíadas, uma carta escrita pela mão do Fernando Pessoa, uma pintura do Amadeo de Souza-Cardoso, mas se pudermos ter no ecrã uma boa digitalização dessas obras que permita a sua apreciação, que nos provoque a necessidade de ver o original, que nos emocione, teremos, como o código postal, meio caminho andado, não é? Eu vi pela primeira vez a informação sobre as exposições que a Gulbenkian e o Museu Nacional Soares dos Reis organizaram (em Lisboa e agora no Porto) sobre o Almada Negreiros na Internet, mas não deixei de ir a ambas e devo dizer que ganhei muito com isso.

AC − Repensar os museus na sua relação com o mundo digital pressupõe também lideranças mais informadas e capacitadas de modo a integrar a transformação digital na missão e estratégia de cada museu. Como observas esta questão? Que passos podem ser dados?

AM − Esta é uma questão para nós que trabalhamos em museus, num museu, e que a determinada altura assumimos ou pensamos em assumir cargos que impliquem pensar e decidir o futuro. Em Portugal, fruto do esvaziamento que observamos, das competências dos cargos de direcção dos museus, ou mesmo com a extinção desses cargos, colocamos este tipo de decisões nas mãos de pessoas que poderão não ter as competências para o fazer. Um vereador da cultura, numa das centenas de câmaras municipais do país, não terá a capacidade, que um museólogo ou um conservador de museu tem, para reflectir sobre o papel que o museu deve ocupar em determinada comunidade ou território. No entanto, se reflectirmos sobre a situação ideal é necessário que quem desenha as políticas e quem as executa, tenha sempre em consideração o tempo em que vive. Se não o fizer, corre o risco de criar um museu que serve apenas uma franja muito curta de públicos, ideia que espero estar ultrapassada. Quero com isto dizer que, por mais resistências que existam – e ainda existem algumas – com o mundo digital, no museu actual a sua inclusão é uma necessidade. Não integrar essa transformação digital na missão e estratégia dos museus é descurar todos os aspectos em que as tecnologias trazem vantagens e, acima de tudo, é deixar de parte uma geração que utiliza as tecnologias diariamente para quase todas as actividades. Desde o turismo, à indústria, passando pelo comércio, pelos serviços, em qualquer escala que possamos imaginar, as tecnologias são um dado adquirido. É assim que julgo que os líderes nos museus devem contemplar a sua inclusão.

Não podemos esperar que todas as pessoas tenham o mesmo tipo de conhecimentos nesta área que lhes permita reflectir sobre esta área de uma forma global, mas há especialistas no mercado, há empresas que trabalham especificamente neste sector, há alguma formação genérica nesta área (infelizmente quase toda fora do país) que podem ajudar os museus a lidar com esta matéria. Um outro caminho a explorar seria incluir esta questão nas competências de uma RPM refundada e mais participativa, transpondo para Portugal o que a American Alliance of Museums e o Arts Council (UK) têm feito.

AC − Um dos argumentos que sustenta a necessidade dos museus abraçarem as tecnologias é a oportunidade de conquistar os públicos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano utilizam já novas formas de aceder à informação. Mas não há também o risco de um museu demasiado tecnológico excluir outros públicos que não são porventura seduzidos pelo aparato tecnológico?

AM − Esse é o equilíbrio que se mencionava atrás e que é fundamental perceber. Como disse, não se trata de uma aniquilação de um lado pelo outro, mas sim uma integração ponderada e não invasiva das tecnologias. Há formas de o fazer e há museus, como é o caso do Cooper Hewitt, que referi anteriormente, que o conseguiram com enorme sucesso. O desenho daquilo a que o museu chamou New Experience é um processo que deveria ser observado por muitos museus, e digo observado e não copiado, para que cada um fosse capaz de pensar nas melhores soluções de integração tecnológica em benefício dos seus públicos e das suas colecções. Um erro comum nestes processos é pensar que uma solução serve para qualquer circunstância e copiar algo que teve sucesso num outro local, para o nosso contexto, no entanto, as circunstâncias num e noutro lado raramente são as mesmas e os alicerces sólidos que sustentaram o sucesso noutro lado, podem não existir quando o importamos.
Aqui o conhecimento sobre os públicos dos museus e o conhecimento sobre as colecções são fundamentais para a escolha do aparato tecnológico que permite a mediação entre ambos. Esquecer um dos lados da equação museu-público-colecção é entregar a estratégia digital do museu ao acaso, ou seja, é o mesmo que não ter um rumo e objectivos definidos.

AC − A necessidade de qualificar ou actualizar os profissionais de museus no domínio das competências digitais é um outro desafio. O que pode ser feito?

AM − O que pode e está a ser feito nesta matéria é criar novas formas de aquisição destas competências pelos profissionais dos museus. O ICOM Portugal tem, aliás, nesta matéria, como noutras, um papel activo com a participação no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019) [575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA], que tem como objectivo identificar um conjunto de perfis de trabalho nos museus e criar produtos de formação, na forma de MOOC (Massive Open Online Courses), seguido de um curso de especialização, que procurarão dotar os profissionais com as competências digitais necessárias para enfrentar estes desafios. É um projecto que estou a gerir, em representação do ICOM Portugal, no qual está também envolvida a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias, que espero possa vir a marcar a diferença no contexto da formação em Portugal para o sector dos museus.

Um outro aspecto fundamental, na minha opinião, é uma maior aproximação entre os museus e as universidades para debater as necessidades dos primeiros não cobertas pela oferta das segundas. Mantemos, em muitos casos, cursos de formação na área da museologia sem grandes alterações durante anos, sem qualquer preocupação com as questões levantadas pela cultura digital, inovação e tecnologia. Alteramos quase toda a oferta formativa para cursos de pós-graduação, mestrado e doutoramento, esquecendo que uma parte significativa do trabalho nos museus é relacionada com a prática. Ou seja, precisamos de formação que ensine como limpar um objecto, a documentar uma colecção, a produzir uma exposição, a receber visitantes, a mediar o conteúdo com os públicos, entre muitos outros aspectos práticos. As anteriores pós-graduações de dois anos permitiam esse tipo de ensino mais prático que julgo ser cada vez mais necessário.

Este tipo de formação poderia também lidar com algumas competências digitais de carácter mais técnico que são fundamentais para a integração das tecnologias nos museus. Em Portugal, na área da documentação, digitalização e gestão das colecções há uma escassez enorme de recursos com as competências apropriadas para desempenhar as tarefas aí exigidas, não só pela ausência da formação, mas também porque grande parte das tutelas ainda não percebeu a mais-valia que esse trabalho de bastidores pode representar para os museus em particular e, indirectamente, para outros sectores como o turismo, por exemplo. Talvez este espaço volte a ser ocupado pelas universidades – não sei, mas sei que é o único caminho para que os profissionais, actuais e futuros, possam adquirir as competências necessárias. Neste caso, a formação em contexto de trabalho, que funciona/funcionou durante muito tempo nos museus (uma nota aqui para alertar para o perigo que os museus estão a enfrentar com a quebra deste tipo de formação), com a transmissão do conhecimento dos mais velhos para os mais novos em muitas áreas, não tem como ser efectiva, porque as gerações anteriores não têm, na sua maioria, o conjunto de competências agora necessárias.

AC − Que mudanças são expectáveis para os museus nos próximos anos com relação às tecnologias?

AM − As mudanças que iremos ter que enfrentar prendem-se com diversos tipos de tecnologias. No que diz respeito aos sistemas de informação de museus teremos que enfrentar questões relacionadas com a web semântica, com a definição de melhores normas documentais, com a alteração de modelos sustentados por bases de dados relacionais, para modelos em bases de dados documentais, ou em termos mais técnicos, bases de dados No-SQL e com as novidades tecnológicas trazidas pelo próprio desenvolvimento da Internet, dos sistemas operativos e das linguagens de programação. Mas há outras áreas, como a divulgação, por exemplo, que terão de lidar com um aumento considerável de tecnologias na área da realidade virtual, por exemplo, ou com a entrada da robótica em conjunto com sistemas (ainda muito básicos) de inteligência artificial que terão no sector cultural um meio privilegiado de experimentação e desenvolvimento. Neste sentido, também a indústria dos jogos e do entretenimento terá uma relação cada vez mais próxima com os museus e com o património cultural em geral, mas aí seremos nós os fornecedores e eles os consumidores de conteúdos e de histórias que possam diferenciar os produtos que criam.

De forma mais genérica julgo que o sector dos museus sofrerá em todo o mundo uma mudança significativa na próxima década. Em muitos casos, vemos que os museus estão a abraçar essa onda de mudança, nomeadamente os museus com mais recursos, criando as bases para uma integração com o universo digital numa posição de liderança. Mas julgo que essa mudança terá velocidades distintas, sofrerá inevitavelmente recuos que permitirão alguns avanços posteriormente, mas o universo digital ocupará a breve prazo um lugar significativo, mas não intrusivo, nos museus.

Eu confesso-me curioso pelo futuro, pouco dado a saudosismos, mas atento à qualidade da transformação, para não retrocedermos nas questões realmente importantes. Penso que as tecnologias ajudarão a criar museus mais abertos e com maior significado para os públicos. Se assim for, estaremos no bom caminho!

Referências

Santos, David. 2016. “O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online − o Caso do Rijksmuseum.” RP − Revista Património 4: 51-55.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 11.º número do Boletim do ICOM Portugal (“Entrevista com Alexandre Matos.” (conduzida por Ana Carvalho) Boletim ICOM Portugal, série III (Fev. 2018.): 22-36.

“A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso”

Projecto Museu da Migração, exposição “Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond”, instalação “The Dignity of Life” © branding by Garden

[«A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso», entrevista com Sophie Henderson conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 65-71)]

****

A migração não é um fenómeno novo, mas é um tópico de renovado interesse na actualidade, que não só é complexo como urgente. O Migration Museum Project (Reino Unido) tem vindo a trabalhar desde 2013, organizando exposições temporárias, programas e eventos sobre a emigração e imigração por todo o Reino Unido.

Sophie Henderson é directora do Museum Migration Project desde 2012, supervisionando a transição de organização voluntária para uma organização financiada. Antes disso, era advogada no Tooks Court, Chambers of Michael Mansfield QC, onde se especializou em imigração, asilo e direitos humanos. Foi também juíza do Asylum and Immigration Tribunal e defendeu recursos no Social Security and Child Support Tribunal. Email: sophie@migrationmuseum.org

****

Ana Carvalho (AC) – A migração não é um fenómeno novo, mas é um tópico de renovado interesse na actualidade, que não só é complexo como urgente. Na sua opinião, como pode um museu fazer a diferença nestas discussões?

Sophie Henderson (SH) – Pode fazer a diferença porque podemos levar a discussão sobre migração para fora do debate aceso no contexto da política e da comunicação social, onde os argumentos tendem a ser apresentados em termos muito extremados e polarizados, e onde, por vezes, há uma escassez de informações mais realistas. Se levarmos o debate para um espaço cultural mais calmo – e o mundo cultural é onde as pessoas estão habituadas a testar o que pensam sobre as coisas –, então, este é um benefício. Quando as pessoas vêem filmes, lêem livros ou visitam museus, fazem-no para ver o mundo através dos olhos de outras pessoas. Isso automaticamente faz com que questionemos as nossas próprias atitudes e a relação com as outras pessoas. Eu penso que é através do mundo da cultura que, muitas vezes, processamos as nossas respostas emocionais. Por vezes, as pessoas têm sentimentos complicados ou internamente inconsistentes sobre a migração. É o assunto de que todos falam hoje em dia – na verdade é um tema que se discute há décadas, mas agora o foco é particularmente intenso. Se pudermos ajudar a levar este debate para um espaço cultural bem informado, então penso que podemos dar um verdadeiro contributo para um debate público mais calmo e mais razoável sobre a migração.

AC – O Migration Museum Project tem vindo a trabalhar desde 2013, organizando exposições temporárias, programas e eventos sobre a emigração e imigração por todo o Reino Unido. Qual é a missão do museu?

SH – Temos agora uma sede permanente em Londres, mas a nossa aspiração é deixar uma marca a nível nacional, através de uma rede de parceiros ligados ao património e empenhados em dar visibilidade às histórias de migração que as suas colecções contêm. No passado, discutimos potenciais modelos para o Migration Museum Project, por exemplo, a possibilidade de ser uma entidade itinerante, percorrendo todo o país em contentores, ou como um centro de coordenação, a trabalhar em cooperação com outros museus para contar histórias de migração em contexto local e por todo o país. Mas, no final, sentimos que o tema da migração é tão importante e que a história do movimento de pessoas dentro e fora do país ao longo de centenas de anos é tão central para a nossa narrativa nacional que nada menos que um museu permanente dedicado à migração daria a dignidade e a proeminência que esta questão merece. Sendo Londres um dos lugares mais diversos da Grã-Bretanha, pensamos que seria a escolha mais natural para albergar o Migration Museum. Mas, reconhecendo que a história da migração na Grã-Bretanha tem sido – e ainda é – uma história de contornos nacionais e não apenas restrita a Londres, o nosso objectivo é trabalhar por todo o país, através do desenvolvimento de uma sólida rede de parcerias.

O Migration Museum Project pode contribuir para afirmar publicamente que a migração é uma parte suficientemente importante da narrativa nacional da Grã-Bretanha que merece ser apresentada numa instituição cultural própria. Na minha opinião, a temática da migração não merece nada menos do que isso. Esta é uma maneira de mostrar o que é culturalmente valorizado pela nação e de proporcionar um lugar onde as pessoas possam ser desafiadas a reflectir sobre o que realmente pensam sobre o tema da migração, porque este é um problema que realmente importa. Ao dar destaque à história da migração na Grã-Bretanha e convidando as pessoas a encontrar o seu próprio posicionamento sobre o tema – porque todos nós temos alguma ligação a histórias de migração no nosso passado, seja de imigração ou emigração -, estamos a convidar as pessoas a olhar para a história partilhada da Grã-Bretanha e para aspectos que temos em comum, ao invés de coisas que nos dividem.

Uma outra coisa importante que podemos fazer é envolver as pessoas contando histórias no museu, através da criação de conteúdos co-produzidos com as comunidades que estão representadas. Desta forma, penso que podemos juntar as pessoas e traçar temas comuns para ajudar a um melhor entendimento entre grupos e indivíduos.

AC – Em relação à exposição temporária, Call me by my Name: Stories from Calais and Beyondque esteve patente em Londres em Junho de 2016, como surgiu a ideia? Quais foram as motivações e os objectivos?

SH – Quisemos testar-nos a nós próprios abordando um tema contemporâneo particularmente premente, que era a actual “crise” dos migrantes e refugiados, com especial incidência para o campo de refugiados conhecido como a “Selva”, em Calais. A nossa curadora, Sue McAlpine, foi uma das pessoas particularmente interessadas nesse tema e esse foi também um estímulo importante. Enquanto a exposição estava patente ao público, a “Selva” estava sob constante ameaça de demolição, e era uma notícia de primeira página dos jornais. Foi um grande desafio comissariar e apresentar uma exposição sobre uma história que estava a mudar tão rapidamente.

Ao montarmos a exposição, quisemos abordar uma série de questões prementes que preocupavam as pessoas. Penso que muitas pessoas se interrogavam sobre o porquê de um campo de refugiados em Calais. E por que razão estavam lá seis mil pessoas – mais perto de Londres do que de Birmingham -, todas a tentar chegar à Grã-Bretanha, sendo que algumas delas morriam durante essa tentativa? Queríamos que as pessoas pensassem em como responder a estas questões e que considerassem quais poderiam ser as suas responsabilidades. Queríamos ir para além das manchetes dos jornais e do anonimato, e aprofundar a humanidade das histórias individuais das pessoas. Além disso, mostrar que este é um tema complicado, onde não há soluções simples, e que há uma série de opiniões legítimas. Queríamos reflectir essa variedade de vozes e não apresentar quaisquer respostas – simplesmente pedir às pessoas que reflectissem sobre quais poderiam ser as suas próprias respostas.

AC – Esta exposição utilizou diferentes meios de representação (arte, filmes, áudio, fotografia, instalações, recreações, etc.), apresentando obras de artistas emergentes e de artistas já reconhecidos, mas também a arte e os testemunhos de refugiados. Daí resultou um conjunto muito diverso em termos de recursos e de vozes.

SH – Todos os tipos de materiais foram utilizados e sentimos que foi isso que funcionou bem. Estamos muito habituados a ver imagens de refugiados em barcos sobrelotados no Mediterrâneo e agora talvez haja uma certa familiaridade ou até mesmo fadiga em relação a essas imagens. Pensámos que ao usar diferentes meios de representação seria uma maneira de apresentar as histórias e as questões de uma forma mais viva, no sentido de provocar e captar a atenção dos nossos públicos.

Por exemplo, tivemos uma instalação de coletes salva-vida (The Dignity of Life de Sarah Savage) que foram recolhidos numa praia em Kos (Grécia) e que foram deixados para trás por migrantes. Eram coletes salva-vida falsificados, cheios de material barato de embalagem, que na água arrastariam para baixo uma pessoa em vez de boiar, um tipo de coletes que é distribuído frequentemente por contrabandistas.

Também tínhamos fotografias, filmes e áudio. Havia um espaço onde se podia ouvir uma variedade de vozes, desde Nigel Farage a condutores de camiões em Calais, até aos próprios refugiados e pessoas que com eles trabalhavam. Tivemos uma fantástica exposição de arte feita no próprio campo de refugiados, incluindo pinturas e esculturas, e objectos extraordinários feitos a partir de objectos encontrados. Foram ainda expostas peças maravilhosas, muito inventivas, feitas de garrafas de plástico e copos, obras de arte inspiradoras. Também queríamos transmitir na exposição a pura energia criativa e o espírito das pessoas que se encontram no campo de refugiados. O que vemos na televisão é a lama, o frio e os incêndios, mas para além disso há música, livros e arte. Há uma vida cultural muito rica a acontecer e nós quisemos trazer esta dimensão para a exposição.

Um outro retrato muito pungente foi o de um artista refugiado de Mauritânia, chamado Alpha Diagne (posteriormente foi-lhe concedido estatuto de refugiado em França), cuja obra de arte apresentava uma legenda que dizia: “A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso”. Uma outra pintura muito comovente foi a do filho de um refugiado sírio, que desenhou o seu pai a afogar-se.

Uma outra peça marcante, logo à entrada da exposição, era uma instalação escultórica, Wanderers, pelo artista Nikolaj Bendix Skyum Larsen. A instalação era constituída por cerca de 300 figuras anónimas apresentadas num plinto e representando as “hordas” de migrantes que são tantas vezes citadas na imprensa. À medida que o visitante percorria a exposição, emergia a humanidade destas pessoas e, no final, havia uma verdadeira recreação de parte de um acampamento de refugiados, com barracas e abrigos. Era esta a trajectória da exposição.

Projecto Museu da Migração, exposição “Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond”, instalação “Wanderers” © Nikolaj Bendix Skyum Larsen

AC – O que aprenderam com esta exposição?

SH – A exposição foi muito visitada, atraindo mais de quatro mil visitantes em apenas três semanas. Por isso, percebemos que há um real interesse das pessoas em conhecerem e envolverem-se mais com temas provocadores e complicados como este, temas que podem causar eventualmente algum desconforto. Eu penso que isso acontece porque as pessoas querem realmente tentar entender as questões que envolvem a migração e quais são as suas próprias visões acerca do assunto. A maioria das pessoas não é simplesmente “pro” ou “anti” migração, mas ao invés disso tem perspectivas bastante complicadas; podem sentir que há demasiada migração, mas ao mesmo tempo sentem que a migração é, em muitos aspectos, benéfica para eles e para o país. As visões anti-migração não tornam as pessoas necessariamente fanáticas ou racistas. Por vezes, têm opiniões contraditórias dentro de si e têm dificuldade em reconciliá-las.

Uma outra coisa que aprendemos é que numa exposição como esta podemos envolver os visitantes de uma forma interactiva. Uma outra iniciativa muito apreciada foi a dos professores pop-up da Universidade de Oxford e da Open University, que estavam disponíveis na exposição para responder às perguntas dos visitantes em determinados momentos. Percebemos que há um grande potencial para colaborações académicas como esta, que podem ajudar a esclarecer aspectos da exposição por via de um conhecimento especializado, permitindo que se leve esse mesmo conhecimento para além das universidades, a públicos de arte não académicos.

Eu gostaria que pudéssemos ter prolongado a exposição por mais de três semanas! Tendo agora um espaço mais permanente, estamos a planear repor parte da exposição Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond entre Abril e Julho 2017 e, posteriormente, montar uma nova exposição sobre momentos cruciais da história da Grã-Bretanha na perspectiva da migração.

Um outro aspecto que gostaríamos de melhorar é conseguirmos levar esta exposição a públicos diferentes – muitos dos visitantes, embora fossem etnicamente diversos, e abrangendo um grande leque de idades, eram de um modo geral visitantes altamente escolarizados e já bastante envolvidos com o sector cultural. Em contrapartida, os grupos escolares que visitaram a exposição com os seus professores eram tendencialmente de meios mais desfavorecidos e com muito menos envolvimento cultural prévio do que os nossos visitantes adultos. Idealmente, gostaríamos de alargar o nosso alcance de forma a trazer um tipo diferente de público adulto. Não temos os recursos necessários para levar esta exposição para fora de Londres, mas seria realmente interessante testar o seu impacto em diferentes áreas do país, particularmente onde as atitudes em relação aos migrantes são menos compreensivas.

AC – Da sua experiência, que conselhos daria a outros profissionais que pretendam planear actividades que envolvam as questões da migração e dos refugiados nos seus museus?

SH – Eu não pressuporia saber o que outros profissionais deveriam fazer, mas, se eu tivesse algum conselho, seria simplesmente não ter medo de abordar estas questões. Parece-me que a migração é um tema sobre o qual as pessoas têm realmente interesse. Devemos reconhecer que as pessoas têm perspectivas subtis e complicadas sobre a migração e que têm um desejo real de desfazer. Eu diria, olhe para suas próprias colecções e para a sua própria instituição, veja onde existem histórias sobre migração para serem contadas – porque certamente haverão histórias sobre migração – e dê-lhes visibilidade onde seja possível. Suponho que também quererão envolver o mais possível as comunidades para contar essas histórias, de forma a que as pessoas envolvidas realmente tenham um sentimento de pertença e sintam que isto vem – pelo menos em parte – delas próprias.

Algumas das peças da exposição Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond foram criadas pelos próprios refugiados do campo de Calais, mas o resto da exposição, em grande parte, não o foi. Se levássemos esta exposição para fora de Londres, seria óptimo poder produzir mais conteúdos em co-criação, porque isso traz vida à narrativa. Por exemplo, poderíamos adicionar uma galeria no final da exposição dedicada à “viagem” pós-chegada, momento em que o migrante chega ao Reino Unido e requer asilo. A nossa exposição cobriu, em certa medida, as “viagens” extraordinárias que muitos refugiados e requerentes de asilo realizaram – por vezes através do Sara, depois através do Mediterrâneo e pela Europa, depois de Calais para a Grã-Bretanha. Mas depois disso, uma outra “viagem” muito longa começa frequentemente com o pedido de regularização do estatuto de requerente de asilo no Reino Unido. Isso pode levar muitos meses ou mesmo anos para ser concluído – essa é uma parte da história que frequentemente não é contada. No futuro, gostaríamos de abordar isso, contando essa parte da história em parceria com os requerentes de asilo que já chegaram ao Reino Unido, através da criação de obras de arte ou de outros meios.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Enciclopédia dos Migrantes: o lado intimista e individual das histórias sobre migração

Enciclopedia dos Migrantes. Foto Bertrand Cousseau – L ́âge de la Tortue

[«Enciclopédia dos Migrantes: O Lado Intimista e Individual das Histórias sobre Migração», entrevista com Filipa Bolotinha conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 18-24)]

****

A Enciclopédia dos Migrantes é um projecto internacional (2014-2017) apoiado pelo programa Erasmus+. Tem por base uma rede de cidades parceiras da costa atlântica (Brest, Rennes, Nantes, Gijón, Porto, Lisboa, Cádis e Gibraltar), mobilizando oito parceiros com diferentes perfis (associações, universidades, museus, etc.) em França, Espanha, Portugal e Gibraltar. O projecto é coordenado pela organização francesa L’âge de la Tortue, que realiza trabalho no âmbito das artes visuais. É uma iniciativa de carácter artístico e experimental, concebida originalmente por Paloma Fernández Sobrinho, com vista à produção de uma enciclopédia em papel e em versão digital com cerca de 400 testemunhos de migrantes. O formato da Enciclopédia (um livro monumental, em vários volumes e com encadernação em pele) foi pensado na óptica de divulgar um saber não científico, mas proveniente de experiências de vida, com toda a subjectividade que isso envolve. O princípio foi o de reunir diversos testemunhos de migrantes que fossem a fonte de um novo saber, com base no íntimo e no individual.

Filipa Bolotinha é a coordenadora do projecto “Enciclopédia dos Migrantes”. Reside na Mouraria, em Lisboa. Nasceu em 1975 e é natural de Portimão. Licenciada em Economia pela Universidade Nova de Lisboa, é actualmente uma das coordenadoras da associação Renovar a Mouraria, sendo responsável pela área de Desenvolvimento Local e Empreendedorismo Social. Depois de dez anos a trabalhar em Marketing e Gestão comercial na área cultural encontrou, em 2010, na associação Renovar a Mouraria mais do que um desafio profissional, um projecto de vida. Email: filipa.bolotinha@renovaramouraria.pt

****

Ana Carvalho (AC) – Como surgiu o projecto Enciclopédia dos Migrantes e com que objectivos?

Filipa Bolotinha (FB) – A Enciclopédia dos Migrantes é um projecto internacional (2014-2017) apoiado pelo programa Erasmus+. Tem por base uma rede de cidades parceiras da costa atlântica (Brest, Rennes, Nantes, Gijón, Porto, Lisboa, Cádis e Gibraltar), mobilizando oito parceiros com diferentes perfis (associações, universidades, museus, etc.) em França, Espanha, Portugal e Gibraltar. O projecto é coordenado pela organização francesa L’âge de la Tortue, que realiza trabalho no âmbito das artes visuais. É uma iniciativa de carácter artístico e experimental, concebida originalmente por Paloma Fernández Sobrinho, com vista à produção de uma enciclopédia em papel e em versão digital com cerca de 400 testemunhos de migrantes.

O formato da Enciclopédia (um livro monumental, em vários volumes e com encadernação em pele) foi pensado na óptica de divulgar um saber não científico, mas proveniente de experiências de vida, com toda a subjectividade que isso envolve. O princípio foi o de reunir diversos testemunhos de migrantes que fossem a fonte de um novo saber, com base no íntimo e no individual. Em 2017, publicar um conteúdo sensível sob a forma de uma enciclopédia, através de um empreendimento popular e contributivo, é um acto artístico e político.

No geral, a produção da Enciclopédia dos Migrantes envolveu 700 pessoas, 103 países representados, 74 línguas maternas e foi publicada em quatro línguas: francês, espanhol, português e inglês.

AC – A Associação Renovar a Mouraria participa neste projecto como parceiro na cidade de Lisboa, devido ao trabalho que já realizava com migrantes. Que projectos têm realizado neste âmbito?

FB – Renovar a Mouraria é uma associação sem fins lucrativos que foi criada em 2008 com o objectivo de revitalizar o bairro histórico da Mouraria (Lisboa), a nível social, cultural, económico e turístico. A Associação é responsável por uma programação cultural variada, que vai desde concertos de música do mundo, passando por jantares de gastronomia do mundo confeccionados por amigos e vizinhos – os jantares atravessados – e ciclos de cinema sobre temáticas relacionadas com as migrações e com as diferenças culturais – o Mouradoc; para além disso, tem promovido projectos multidisciplinares que contribuem para a promoção da interculturalidade, para o combate de estereótipos, contribuindo para a integração das comunidades migrantes. Entre os projectos que desenvolvemos, destaca-se o jornal Rosa Maria, publicação comunitária e de distribuição gratuita, que pretende ser um reflexo do bairro, e o Migrantour – Rotas Urbanas Interculturais, que convida os visitantes a conhecerem a Mouraria multicultural, através do olhar de um guia local, ele próprio migrante, que partilha na primeira pessoa a sua perspectiva sobre o bairro.

Enciclopedia dos Migrantes. Foto Bertrand Cousseau – L ́âge de la Tortue

AC – No caso da Enciclopédia dos Migrantes os testemunhos de migrantes têm a particularidade de assumir um formato específico. Cada protagonista escreveu uma carta íntima e pessoal dirigida a alguém que deixou no país de origem. De certa forma, entra-se na esfera pessoal, introspectiva e expositiva da vida destas pessoas. Como foi desenvolvido o processo de recolha?

FB – A Associação foi responsável pela recolha de 50 testemunhos de migrantes que vivem em Lisboa. Desde o primeiro momento e em todas as cidades parceiras, a intenção foi ter uma amostra o mais diversificada possível, tanto em termos de nacionalidades, como em termos de proveniências, nível de qualificações, idade, profissão e motivações para a migração. Em Lisboa, dos testemunhos recolhidos resultou um conjunto equilibrado em termos de género, com 25 nacionalidades representadas, com um intervalo etário dos 25 aos 69 anos (sendo a faixa entre os 30 e os 45 a predominante) e muito diverso em termos de profissões, de níveis de escolaridade e de estratos sociais.

O processo de recolha teve a duração de três meses e foi conduzido por um interlocutor no terreno e por dois fotógrafos profissionais, método que foi aplicado por todos os parceiros do projecto. Esta recolha exigiu vários contactos com base numa abordagem informal de modo a que os participantes se sentissem confortáveis e confiantes, tanto para a partilha da sua história pessoal, espelhada na carta que escreveram, como para a realização da fotografia que acompanha a carta. O local onde decorreram os encontros e as fotografias foram sempre escolhidos por cada participante.

AC – Como foram as reacções dos participantes?

FB – A taxa de resposta ao convite para participar foi bastante positiva e elevada. Todos os participantes sentiram orgulho quando perceberam que queríamos ouvir a sua história e que esta poderia contribuir para mudar a forma como a generalidade das pessoas vê a imigração.

Só através de uma relação de confiança, de proximidade e de envolvimento com os participantes foi possível obter cartas como as que constituem a enciclopédia, cartas nas quais são feitas confissões, reconciliações e onde, por vezes, se revelam mágoas. Outras são cartas de saudade e de esperança, de balanço de uma vida, de partilha, de amizade e de amor. A dimensão intimista e diversificada do teor destas cartas pode ser exemplificado nos seguintes excertos:

“Tens visto os outros? Às vezes pergunto-me, será que sou mesmo eu? Lembras-te quando éramos crianças, com todos aqueles nossos sonhos? Parecem-me impossíveis de realizar, sobretudo para mim. Tu pelo menos estás a viver o teu sonho, casar, ter uma família, ter filhos e uma mulher que amas. Isso é muito bom, pedir mais para quê” (excerto da carta de Lumbala Kimbuku, do Congo)

“Eu, ‘binacional’, eterno 5.a coluna, tenho mais do que um sonho, tenho um projecto para 2017… Proponho a criação de uma república binacional. Uma república onde os cidadãos com dupla nacionalidade sejam basicamente cidadãos como os outros. Além disso, na ‘minha’ república, os tri-nacionais, os quadri-nacionais, e até mesmo os penta-nacionais seriam convidados a serem tão iguais quanto todos os outros. Eles são poucos, eu sei, mas isso não seria razão para não o fazer.

Nesta ‘minha’ república, irei ainda mais longe e atrevo-me a convidar todos os ‘mono-nacionais’, os que possuem apenas uma nacionalidade, os pobres! Afinal, a culpa não é deles, é apenas da sua genealogia.” (excerto da carta de Mourad Ghanem que assina assim: Argelino, Francês, Espanhol, Português, na alma, na carreira e nas lutas, Mourad Ghanem continua a actuar no terreno).

AC – Paloma Fernández Sobrino, criadora e directora artística do projecto, disse que não se pretendeu fazer um retrato miserabilista da imigração, que se tratou de um projecto artístico com um projecto social implícito. Como é que estas duas dimensões se cruzaram?

FB – Paloma Fernández Sobrino é também migrante e contribuiu para a Enciclopédia. Muito embora Sobrino não corresponda ao estereótipo do migrante económico, assume a sua condição de imigrante ao viver as dificuldades de estar longe do seu país de origem e da sua família, e de viver num país com uma cultura diferente. No fundo é esta a premissa da Enciclopédia: ser um retrato real dos movimentos migratórios que constituem a Europa e não um retrato da migração económica com todas as ideias pré-concebidas que lhe estão associadas. Trata-se de um projecto social porque tem vários impactos, tais como: a alteração de mentalidades, a promoção da multiculturalidade e o reforço da identidade e da auto-estima dos participantes. Neste projecto a abordagem artística esteve aliada à temática social, da mesma forma que a dimensão íntima e individual esteve ligada ao conhecimento colectivo de dimensão sociológica e histórica.

AC – Em jeito de balanço, o que aprendeu com este projecto?

FB – Correndo o risco de usar um lugar comum, a Enciclopédia dos Migrantes foi uma lição de vida e, acima de tudo, de resiliência. É um projecto que demonstra que a implementação, quando bem feita, pode permitir a descoberta de impactos que não estão directamente relacionados com o objectivo inicial, mas que podem ampliar os resultados previstos. Por exemplo, no processo de recolha dos testemunhos sentimos que a participação dos migrantes lhes permitiu ter disponibilidade para um momento de reflexão, de balanço e de análise da sua vida e até de reconciliação com o seu passado. Sentir que podemos ser o motor para a resolução de um antigo conflito de família ou a desculpa para se voltar a escrever a alguém que se deixou num mundo que já não parece o nosso e que temos medo de revisitar pelos sentimentos controversos que nos proporciona é muito gratificante e empoderador.

Acima de tudo aprendemos que os factores que nos movem, enquanto seres humanos, são os mesmos – amor, família, aceitação, segurança e saúde –, independentemente do local de nascimento, do contexto social e cultural que nos rodeia, do nosso estrato económico ou social, ou qualquer outro factor de diferenciação. Este projecto veio confirmar o sentido do nosso trabalho, aquilo em que acreditamos, ou seja, a motivação e a premissa de que podemos contribuir para a construção de um mundo melhor, onde todos temos de facto as mesmas oportunidades e onde reconhecemos no “Outro” um ser humano igual a nós.

Ficámos com a percepção clara que a Enciclopédia dos Migrantes constitui um documento que ajuda a compreender as migrações na Europa e pode, efectivamente, contribuir para o reconhecimento do importante papel dos movimentos migratórios e das comunidades migrantes na construção da Europa onde vivemos.

Ainda não foi possível aferir o acolhimento da Enciclopédia por parte do público, no entanto, consideramos que a recolha dos testemunhos e das fotografias permitiu às organizações envolvidas reforçarem a sua relação com as comunidades migrantes locais com as quais já trabalhavam em outros âmbitos (ex. ensino da língua nacional a migrantes, apoio jurídico e social, eventos culturais, etc.). De certa forma, permitiu-nos uma maior compreensão desta realidade, a criação de novas pontes e de novas abordagens de intervenção.

Regressando à pergunta, o processo tem corrido muito bem, o que se deve também à escolha de uma metodologia de trabalho que foi desenhada de forma participativa e multidisciplinar. A relação com os parceiros e a ligação entre as cidades também tem sido um ponto positivo do projecto, bem como a capacidade de despertar nos participantes a consciência de que podem ser o veículo principal da sua própria causa, encontrarem em si e na sua história a relevância capaz de criar impacto no “Outro” e abalar a sua confortável posição de cidadão nascido no lado “certo” da Europa. Os participantes não se limitaram a partilhar a sua história, mas têm estado presentes em vários momentos do projecto, nomeadamente nas sessões que foram sendo dinamizadas em torno das temáticas ligadas às migrações (sessões de apresentação do projecto, leitura de cartas, etc.).

Um outro aspecto importante a sublinhar é a interligação entre a dimensão artística e a intervenção social em cooperação com a investigação. Não só foram incluídos na Enciclopédia 16 textos de investigadores na área das migrações e das ciências linguísticas, como estes investigadores estiveram presentes e activos, quer como membros de um grupo de reflexão, quer como parceiros durante as várias fases do projecto (implementação, coordenação e avaliação).

AC – A partir desta experiência, que conselhos daria a outros profissionais que pretendam envolver-se mais com o tema da migração e criar iniciativas culturais nesta área?

FB – Apenas um conselho, baseado unicamente na nossa experiência: para que os projectos sejam geradores de impactos reais nas comunidades que pretendemos abordar, a proximidade e a construção de relações são dimensões obrigatórias. Muitas vezes, nos projectos de intervenção social e cultural algumas ideias pré-concebidas levam-nos a assumir que sabemos quais são as necessidades do público-alvo e as melhores soluções a implementar. Quando trabalhamos no terreno, em diferentes locais e com diferentes pessoas, percebemos que isto não é bem assim. É preciso saber ouvir o “Outro”, desenvolver metodologias de trabalho que permitam aferir as reais necessidades sentidas e trabalhar directamente com os participantes na procura das melhores estratégias de intervenção.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Traduzindo a “hiperdivercidade” para o museu

Authentic Rotterdam Heritage 0001, adoptado pelo Museu Roterdão, propriedade de Kamen Vladimirov, 2016. Foto: Salih Kilic

[«Traduzindo a “Hiperdivercidade” para o Museu», entrevista com Nicole van Dijk conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 58-64)]

****

O Museum Rotterdam passou de um museu histórico tradicional (fundado em 1905 como Museum of Antiquities) a museu da cidade de Roterdão, no qual a interacção e a participação se tornaram dimensões centrais do trabalho desenvolvido e onde as histórias sobre o património histórico e contemporâneo são contadas e partilhadas. O museu reabriu em 2016 num novo local no centro de Roterdão, elegendo como foco principal das suas estratégias a cidade transnacional contemporânea e a sua diversidade.

Nicole van Dijk é curadora e coordena os programas de investigação e desenvolvimento do Museum Rotterdam. Em 2016, coordenou a exposição de abertura no novo edifício do museu no centro de Roterdão – Rotterdammers and their City. É responsável pela investigação de carácter participativo e por projectos comunitários. A sua prática é guiada pelas colecções do museu, combinando-a com a experiência contemporânea de viver na cidade. Isso cria uma fusão de colecções e de abordagens participativas nos programas e na governança, que ajuda a moldar o papel do museu no século XXI. Actualmente, colabora também com museus na Bélgica e no Reino Unido em projectos participativos. Estudou no Arts School e tem Mestrado em Antropologia Cultural. Email: n.vandijk@museu-mrotterdam.nl

****

Ana Carvalho (AC) – O Museum Rotterdam passou de um museu histórico tradicional (fundado em 1905 como Museum of Antiquities) a museu da cidade de Roterdão, no qual a interacção e a participação se tornaram dimensões centrais do trabalho desenvolvido e onde as histórias sobre o património histórico e contemporâneo são contadas e partilhadas. O museu reabriu em 2016 num novo local no centro de Roterdão, elegendo como foco principal das suas estratégias a cidade transnacional contemporânea e a sua diversidade. Em que termos é aqui entendida a diversidade cultural?

Nicole van Dijk (ND) – Temo-nos inspirado muito no que o Professor Steven Vertovec tem defendido sobre “hiper-diversidade” (Super-diversity and its Implications, 2007) e no que está a ser desenvolvido em várias universidades. “Super-diversidade” ou “hiper-diversidade” significa que a diversidade não é apenas causada por diferentes origens culturais e étnicas. A diversidade é também o resultado de outros factores, tais como: diferentes idades, religiões, géneros, estilos de vida, etc. Assim, a diversidade não é só étnica; é muito mais do que isso.

AC – A Nicole disse publicamente que “a diversidade urbana é um ponto forte e pode ser usado para criar cidades mais coesas, criativas e produtivas”. Como é que isto se pode traduzir na prática de um museu?

ND – Nas exposições do museu centramo-nos em diferentes temas que acreditamos serem importantes ou um desafio para a cidade, no presente e no futuro, bem como em temas enraizados na nossa história (por exemplo, Care in the City; Arrival City; City of Diverse Cultures; Innovative City, e Sustainable City). Por exemplo, o tema Care in the City tem sido um dos focos do nosso trabalho no museu: como é que cuidamos das pessoas idosas ou das crianças? Como cuidamos das pessoas com problemas de saúde? Na nossa colecção temos vários objectos que contam esta história, por exemplo, as estátuas que representam a entrada de mulheres em idade avançada em casas assistencialistas (até à década de 1930, existiam casas assistencialistas concebidas especialmente para cuidar dos idosos, que eram na sua maioria financiadas pela Igreja). Nas décadas de 1950 e 1960, surgiu o sistema social que deu às pessoas a possibilidade financeira de cuidarem de si próprias em idade avançada. Mas, agora, estamos a ser desafiados por problemas como a solidão. As pessoas vivem sozinhas nas suas casas e ninguém se relaciona com elas. Como é que a cidade e os seus habitantes lidam com esta questão?

O museu tem-se focado nestes temas olhando para histórias muito pessoais na cidade. Por exemplo, como é que uma mulher de origem antilhana, no sul de Roterdão, lida com a prestação de cuidados em idade avançada? Essa mulher tem uma maneira diferente de cuidar das pessoas mais velhas, muito mais informal e inclusiva. Cuida naturalmente das pessoas que vivem em seu redor e que sofrem de solidão e organiza todo o tipo de actividades para elas. Portanto, esta é outra maneira de gerir estes problemas que constituem um desafio colectivo. O museu concentra-se em todas estas práticas diárias de pessoas com diferentes origens e abordagens.

AC – Metade da população de Roterdão é estrangeira. O Museum Rotterdam reconhece o perfil transnacional da cidade, tendo desenvolvido vários projectos que envolvem os migrantes e dando visibilidade às suas histórias. Pode dar-nos alguns exemplos dessas iniciativas?

ND – O museu centra-se principalmente na forma como as pessoas vivem em conjunto na cidade neste momento, com todas as suas diferenças – algumas causadas pela migração, mas também por diferentes estilos de vida. Não nos estamos a focar apenas num grupo, mas na forma como todos esses diferentes grupos estão a viver juntos.

Por exemplo, tivemos um projecto – Caring in the West – numa rua de comércio de grande diversidade em Roterdão. Nesse contexto, fizemos alguma investigação juntamente com estudantes universitários da área social. Desse projecto resultou a exposição Caring in the West, que foi montada nessa rua de comércio e que incorporou as diferentes histórias de como as pessoas cuidam umas das outras, com todas as suas diferenças, e de como fazer da rua um lugar melhor para todos.

Em 2010, iniciámos um projecto com a comunidade búlgara. Víamos os carros e as carrinhas provenientes da Polónia e da Bulgária e de outros países da Europa Central – o museu não tinha conseguido manter um bom registo do fluxo de trabalhadores migrantes da Turquia e de Marrocos nos anos 1960 e 1970 – e quisemos acompanhar este movimento. Assim, iniciámos um projecto no estaleiro de uma obra e montámos uma cantina. Todos os dias almoçávamos com a comunidade búlgara de trabalhadores e aprendemos sobre a sua história, as suas razões para migrar e sobre as suas vidas. Percebemos que eles não sabiam muito sobre Roterdão, por isso contámos-lhes a história da cidade através de uma pequena exposição na cantina. Aí conhecemos Kamen Vladimirov, que está hoje representado na actual exposição do museu – Rotterdammers and their City. Ele é um homem especial, que organiza todo o tipo de coisas para a comunidade búlgara e também para outros migrantes, ajudando-os com a habitação ou com a língua. Temos seguido a sua vida desde há seis-sete anos e criámos uma boa relação com ele.

É assim que trabalhamos: construímos uma relação de longo prazo com um grande número de pessoas-chave nas comunidades de Roterdão. Ao desenvolvermos essas relações e ao vermos como as pessoas vivem, podemos também aprender mais sobre o impacto que a migração tem nas suas vidas, nas comunidades e na cidade.

Para a exposição de abertura no nosso novo museu, Rotterdammers and their City, honramos essas pessoas que estão associadas a temas que consideramos importantes para a cidade. Para cada tema procurámos uma história personalizada ligada aos projectos que desenvolvemos no passado, e identificámos cinco pessoas que humanizam esses temas: Kamen Vladimirov (cidade de chegada), Joyce de Lima (cuidados), Marco van Noord (inovação), Max de Korte (sustentabilidade) e Zeynep Altay (cidade transnacional), que estão actualmente representados na exposição através de grandes estátuas em tamanho real, concebidas através das mais recentes técnicas de impressão em 3D.

Trabalhámos juntamente com estas cinco pessoas num processo de co-criação. Perguntámos a cada uma como queriam ser representadas no museu e de que forma queriam trabalhar nisso. Kamen, por exemplo, escolheu abordar a sua viagem entre a Bulgária e Roterdão. Juntos desenvolvemos a ideia de fazer um filme dessa viagem. Kamen fez alguns cursos sobre produção de vídeo e, acompanhado de dois amigos, fez a viagem e o filme. A viagem foi feita na sua carrinha Volkswagen, que ele tantas vezes conduziu entre os dois países. Na exposição, são apresentados a carrinha e o filme junto à sua estátua. Seguimos o mesmo método com os outros participantes, alcançando no final cinco resultados diferentes.

Estamos a desenvolver um método para captar todo o tipo de histórias e temas importantes na cidade através do teatro. O primeiro passo é a recolha de histórias. O museu não é o único que está a recolher histórias em Roterdão, há todo o tipo de organizações a fazer isso, e estamos a tentar trabalhar juntos.

Por exemplo, podem ser histórias sobre migração, mas também histórias sobre as vivências no bairro, onde existem todos os tipos de problemas urbanos. Através do teatro, procuramos interagir com outros grupos. Trazemos objectos relacionados com a peça e com essas histórias e incorporamo-las no museu, ligando-as às histórias colectivas que temos sobre a cidade. Voluntários treinados por companhias de teatro nossas parceiras contam as histórias recolhidas. Estas histórias são depois partilhadas com os visitantes no museu. Descobrimos que uma história escrita numa legenda no museu não tem um grande impacto, na maioria das vezes os visitantes não a lêem; por isso, estamos a “traduzir” as histórias para os visitantes, interagindo com eles e registando as suas reacções. A ideia principal é trazer as histórias aos visitantes de uma forma mais viva do que simplesmente através de um objecto ou de uma legenda.

Estamos também a desenvolver uma nova forma de incorporação de objectos através de um projecto chamado Colecção Activa. A maneira tradicional de coleccionar objectos numa cidade, tirando-os do seu local de origem e guardando-os nas reservas do museu, torna-os inactivos, não estão a ser usados, são apenas descritos e mantidos num contexto científico. Percebemos que há muitos objectos, pessoas e actividades que representam a história da vida quotidiana nas comunidades. Não podemos retirar esses objectos das comunidades, mas podemos “segui-los”; perceber porque é que esses objectos são importantes para as comunidades e como estão a ser usados. Nesse sentido, iniciámos o que designamos por Colecção Activa, o que significa atribuir a um objecto uma espécie de marca ou selo Património Autêntico de Roterdão, e seguimos os objectos periodicamente. Esta é uma maneira de manter um registo das histórias da cidade e de as recolher, mas também dá reconhecimento às comunidades. Fazemos isso com objectos e com pessoas. Mais tarde, esta informação é incorporada nas exposições e os contadores de histórias falam sobre estes processos e objectos.

Por exemplo, a carrinha de Kamen é um objecto nesta colecção que incorpora a história da migração na Europa. Os critérios que usamos neste processo de colecção activa são simples: recolhemos objectos que ligam pessoas ou comunidades umas às outras ou à cidade. A crescente diversidade de Roterdão levou a que colocássemos a tónica neste contexto. As ligações e as redes ganham um poder de resiliência. Queremos seguir essas ligações. Ao contarmos as histórias ligadas a esta colecção e ao fazermos novas ligações, queremos ajudar a tornar a cidade mais resiliente e mais envolvida.

Museu Roterdão, exposição Rotterdammers and their City, 2016. Foto: Museum Rotterdam

AC – O Museu de Roterdão preocupa-se com o registo e avaliação do impacto dos seus projectos. Na sua opinião, o que funcionou bem e o que correu menos bem em projectos com migrantes ou refugiados?

ND – Por vezes, as vozes das pessoas não são ouvidas o suficiente, não tanto quanto gostaríamos. O museu como organização pode ser demasiado conservador e demasiado dominante. Às vezes, sentimos que não é apropriado lidar com todos os desafios contemporâneos que enfrentamos.

Por outro lado, é uma maneira – e vemos muito isso – das pessoas se sentirem honradas, seguras ou reconhecidas no que diz respeito às suas necessidades e ao seu lugar na cidade. Por um lado, o museu não é suficientemente flexível, mas, por outro, tem o estatuto de uma instituição que conta a verdade, que é de importância e que tem voz nos debates públicos. Nesse sentido, o museu é uma instituição importante porque pode fazer ouvir as histórias e ligá-las à História. Além disso, ganhar a confiança das pessoas e convencê-las a acompanhar-nos num projecto é um grande desafio.

Trabalhadores búlgaros no Museum Lunchcanteen, 2012-2013. Foto: Museum Rotterdam

AC – O que diria a outros profissionais de museus que pretendam criar os seus próprios projectos e programas envolvendo migrantes e refugiados?

ND – Uma das lições aprendidas é manter os projectos abertos e procurar entender as necessidades dos grupos com os quais estamos a trabalhar. Como profissionais de museus, o nosso foco pode estar, por exemplo, na recolha de histórias, de fotografias ou de objectos, mas isso pode estar para além do que as pessoas precisam para si próprias. Nesse sentido, deve existir sempre uma ligação entre o que se pretende alcançar como profissional de museu e o que as pessoas com quem estamos a trabalhar querem alcançar. Isso pode ser muito diferente. Muitas vezes isto é difícil e o resultado do projecto poderá não ser “aquela” exposição que se tinha inicialmente planeado. É sempre um pouco confuso, mas temos que contar com isso quando trabalhamos com todos os tipos de pessoas que não são profissionais de museu, mas têm as suas próprias necessidades no processo.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Pensar estrategicamente a inclusão nos museus

Museu de Liverpool, exposição “Easter Rising” © National Museums Liverpool

[«Pensar Estrategicamente a Inclusão nos Museus», entrevista com David Fleming conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 50-57)]

****

A inclusão tem sido uma palavra-chave na National Museums Liverpool (NML) – oito museus ao todo – e está bem sublinhada na missão da organização: “Ser o maior exemplo a nível mundial de um serviço de museu inclusivo”.

David Fleming tornou-se director da National Museums Liverpool (NML) em 2001, momento a partir do qual o número de visitantes da NML não deixou de aumentar, passando de 700 000 para mais de 3 milhões por ano. Foi o responsável pela criação de dois museus de grande influência, o Museum of Liverpool (2011) e o International Slavery Museum (2007). David é Presidente da Museums Association no Reino Unido, membro do Comissão de Ética do ICOM, Coordenador da Social Justice Alliance of Museums (SJAM), Membro do Conselho Consultivo do Museum Slaskie (Katowice, Polónia) e Presidente da Federation of International Human Rights Museums (FIHRM). Tem escrito extensivamente e tem leccionado por todo o mundo sobre gestão e liderança, museus de história da cidade, inclusão social, direitos humanos e políticas, e ética em museus. Email: david.fleming@liverpoolmuseums.org.uk

****

Ana Carvalho (AC) – A inclusão tem sido uma palavra-chave na National Museums Liverpool (NML) – oito museus ao todo – e está bem sublinhada na vossa missão: “Ser o maior exemplo a nível mundial de um serviço de museu inclusivo”. O que entendem por inclusão? Como é que os museus conseguem fazer isso? E em que medida isso se relaciona com a diversidade cultural, as questões da migração ou dos refugiados em termos de abordagem?

David Fleming (DF) – Principalmente, procuramos garantir que pessoas de todas as origens e com várias experiências de vida possam ter acesso aos nossos museus, programas e projectos, da forma que querem. Também significa que procuramos assegurar que os nossos museus façam um esforço específico e concertado para incluir pessoas e histórias de pessoas que têm sido frequentemente excluídas da história e da oferta cultural. É uma declaração de intenções e, dessa forma, ajuda-nos enquanto serviço de museu a fazer escolhas sobre o que queremos, com base em princípios de justiça social.

No que diz respeito aos museus como parte da vida cultural de uma sociedade, podemos ser uma plataforma que permita que as pessoas se tornem visíveis, não escondidas, podemos encorajar a empatia, o respeito e a compreensão, podemos ser uma plataforma positiva, podemos apoiar, fazer campanha e ser participantes/colaboradores activos. Os museus são lugares que podem permitir que muitas vozes sejam ouvidas. Todo este trabalho se resume a que as equipas que trabalham nos museus estejam alinhadas no quadro de uma missão forte e de políticas interligadas. Sermos activos em matéria de inclusão significa estarmos voltados para o exterior, cientes das desigualdades sociais e globais, bem como das suas causas, e vermos a vida contemporânea e o futuro como sendo influenciados pelo passado. Sermos activos em matéria de inclusão é uma questão de mentalidade e de determinação e significa trabalhar duramente para incluir. Incentivar a participação leva tempo (por isso, a estratégia, o alinhamento dos recursos e o trabalho contínuo de comunicação e de desenvolvimento das equipas, assim como a sua maneira de trabalhar, são todos aspectos importantes).

Os museus empenhados na inclusão pensarão no contexto mais alargado de qualquer assunto ou tema com que lidam. Terão que olhar para o passado de forma renovada, trabalhando com pessoas cujas histórias têm sido muitas vezes excluídas da narrativa principal, olhando para assuntos desconfortáveis (ou controversos ou contraditórios) de uma forma honesta e aberta. Mas trabalhar com pessoas/comunidades cultural- mente diversas, com a migração e com os refugiados nem sempre tem a ver apenas com um museu a fazer campanha e a ser uma plataforma para o debate; tem também a ver com o museu como lugar “seguro”. Criar oportunidades dentro dos museus – para exposições de escala variável, espaço para eventos/educação ou outros programas – tem também a ver com dar oportunidades e visibilidade.

Em termos de abordagem, trata-se de garantir que um museu pensa sobre a humanidade e os direitos humanos, e como estas questões se relacionam com o nosso mundo contemporâneo. Assim, ser claramente anti-racista é vital, assim tal como explicar o passado imperial da Grã-Bretanha e a longa história de diversas comunidades/diásporas globais, e o continuum das histórias de migração.

AC – Os NML têm uma Política de Igualdade, Diversidade e Deficiência, actualmente sob revisão, e tinha anteriormente uma Política de Igualdade e Diversidade (desde 2006). Porque é que é ainda relevante fazer uma declaração pública sobre estas questões? E o que aprenderam com a primeira política implementada, que está agora incorporada na nova?

DF – É essencial que tenhamos um quadro de políticas que funcionem como um guia para nós mesmos, para os nossos apoiantes e para os nossos potenciais apoiantes. Esta declaração sobre inclusão, que tem de abraçar a lei e as políticas públicas, serve também para nos empurrar ainda mais em termos das nossas intenções quanto à inclusão. Desde que a política actual foi publicada, o Reino Unido actua com base na Lei de Igualdade de 2010, o que significa que temos que fazer mais, especialmente no campo das pessoas com “características protegidas”. Esta lei é sobretudo sobre a forma como funcionamos enquanto empregadores, e a diversidade cultural dos trabalhadores dos NML precisa de mais trabalho para garantir uma melhor representação e apoio a esses funcionários. As equipas continuam a ser uma área de desenvolvimento. Devido à nossa declaração sobre inclusão, levamos as questões éticas nos museus muito a sério, o que significa que o nosso trabalho sobre ética também tem que ser aplicado.

AC – No plano estratégico dos NML (2016-2019), um dos objectivos para os próximos anos é aumentar a diversidade das equipas dos museus. Em que termos é que a noção de “diversidade” está a ser aplicada?

DF – Acreditamos que precisamos de debater isto internamente e, no mínimo, deve ser sobre pessoas com “características protegidas”, como sugerimos antes. Precisamos de olhar para a forma como nos relacionamos em relação a este assunto com a Liverpool City Region (LCR) e também a nível nacional. No mínimo, o nosso trabalho deve assegurar que somos representativos da sociedade mais alargada e da LCR. Para fazer isso, precisamos de recrutar externamente de forma activa e positiva. O recrutamento estritamente interno, devido aos cortes no financiamento, está a reduzir a nossa diversidade.

Tem também a ver com liderança, modelos, formação/desenvolvimento e apoios. Na questão da liderança e dos modelos, talvez precisemos de ser honestos e olhar para fora do sector dos museus. Precisamos de formar as equipas de museus em “preconceitos inconscientes” e compreender a diversidade (histórica e contemporânea) desta região. Precisamos também de considerar os índices de privação, de pobreza e de falta de acesso, que continuam a fazer desta área urbana um lugar para viver que apresenta muitos desafios para muitas pessoas.

AC – Os NML têm desenvolvido vários projectos de longo prazo ligados à migração e aos refugiados. Pode contar-nos um pouco mais sobre alguns desses projectos e programas?

DF – Posso dar alguns exemplos a partir de três dos nossos museus: o Museum of Liverpool (MoL), o International Slavery Museum (ISM) e o Merseyside Maritime Museum (MMM).

No MoL temos investido na incorporação activa de colecções durante todo o processo de desenvolvimento do museu e desde a sua abertura, em 2011. Um exemplo disso são dois projectos que contribuíram, em termos de conteúdos, para a exposição Liverpool, Shanghai and China na nossa sala Global City. Num desses projectos, trabalhámos com pessoas da comunidade chinesa de Liverpool que experienciaram a migração forçada ou a “repatriação” dos seus pais marinheiros após o fim da Segunda Guerra Mundial, no contexto da realização do filme Where has my Father Gone? Num segundo projecto, trabalhámos com três famílias da comunidade chinesa de Liverpool, através da pesquisa sobre as suas histórias de família, para criar uma árvore genealógica de grande escala para a exposição. Começámos a trabalhar com cinco famílias e três delas ficaram no projecto e foram corajosas o suficiente para partilhar connosco as suas descobertas. Uma grande contribuição foi feita através da recolha de histórias orais para a colecção Liverpool Voices. O actual Plano de Desenvolvimento de Colecções do MoL continua a centrar-se na incorporação activa, tendo-se tornado mais representativo culturalmente, especialmente no que diz respeito às diversas comunidades.

Museu de Liverpool, sala “Global City” © National Museums Liverpool

Em termos de co-produção, desenvolvemos e continuamos a desenvolver exposições através da participação – exemplos disso encontram-se no programa continuado Our City, Our Stories. Um exemplo recente relaciona-se com a história da Irlanda e da migração para Liverpool com a exposição 1916 Easter Rising: The Liverpool Connection, em 2016. Esta parceria com o Easter Rising Commemoration Committee analisou esta história contestada.

Museu de Liverpool, projecto “Galkoff’s and the Secret Life of Pembroke Place” © National Museums Liverpool

 

Actualmente, no MoL, estamos a trabalhar num projecto de grande escala – Galkoff’s and the Secret Life of Pembroke Place – com a Liverpool School of Tropical Medicine e muitas outras partes interessadas de diferentes grupos, escolas e organizações comunitárias que representam a comunidade judaica de Liverpool. Estão a trabalhar connosco no sentido de olhar para a história desta área da cidade para onde muitos judeus migraram e se estabeleceram na viragem do século XX.

No ISM organizámos a exposição Brutal Exposure: The Congo, em 2015. Tratou-se de uma exposição fotográfica que analisou o tratamento daqueles que foram forçados a “trabalhar” no Congo Belga há mais de um século. A comunidade congolesa de Liverpool queria que a exposição mostrasse essa verdade horrífica, mas acabou por ser muito doloroso para eles. O museu trabalha com muitos parceiros e um deles é a City Hearts. A City Hearts apoia pessoas que foram traficadas para o Reino Unido e organiza actividades de sensibilização e eventos. O ISM é usado como um lugar seguro para as pessoas se encontrarem e terem acesso a apoios. Alguns dos conteúdos do ISM relacionam-se com a comunidade negra de Liverpool, ao representar três famílias, contanto a sua história no contexto do comércio transatlântico de escravos. Desde que o museu abriu em 2007, um dos membros de uma das famílias continua a ser voluntário, realizando todas as semanas visitas guiadas.

Museu Internacional da Escravatura, cartaz da exposição “Brutal Exposure – The Congo” © National Museums Liverpool

No MMM fizemos investigação e uma exposição sobre a migração de crianças – On Their Own: Britain’s Child Migrants em 2014-2015; temos em curso o Plano de Desenvolvimento de Colecções, que, no caso da renovação das Sea Galleries – com abertura prevista para o final de 2018 –, olha em especial para os marinheiros de ascendência culturalmente diversa. O trabalho actual inclui o projecto Black Saltque se debruça sobre o trabalho e o papel dos marinheiros de ascendência africana, para criar uma exposição no Outono de 2017.

Para além dos planos de incorporação activa, da investigação e das exposições desenvolvidas com parceiros e comunidades, o ISM e o MoL são ambos “centros de denúncia de crimes de ódio” (trabalhando com a Polícia de Merseyside). Além disso, estamos a usar as nossas salas de exposição para cursos de inglês como segunda língua (ESOL). Os cursos ESOL estão disponíveis para qualquer pessoa que não tenha as competências ou a confiança necessárias para se envolver na sociedade.

AC – O que é que aprenderam através dos vossos projectos e programas na NML relacionados com questões de migração e dos refugiados?

DF – Da nossa experiência, ficam algumas ideias-chave:

  • É importante ter bons níveis de participação em projectos específicos;
  • É difícil avaliar o impacto a longo prazo;
  • É difícil encontrar cultura material para ilustrar todas as histórias, mas temos melhorado a representação cultural das colecções de história no caso do MoL, do ISM e do MMM;
  • Por vezes, os projectos e os seus resultados tiveram que se alterar em resposta ao que as pessoas queriam e ao que estava disponível;
  • Qualquer trabalho é intensivo; precisa de muitos apoios, mas muitas vezes subestimamos a situação, porque é mais difícil e muito exigente em termos de tempo em comparação com os projectos em que apenas se utiliza o material dos próprios museus;
  • Precisamos de desenvolver oportunidades para que as pessoas se mantenham em contacto numa base contínua;
  • Por vezes, um verdadeiro desafio consiste em manter as relações quando um membro da equipa deixa o museu; por muito que queiramos que o relacionamento seja com a organização, no final é o contacto de pessoa para pessoa que faz com que as coisas funcionem/aconteçam;
  • É um “longo jogo”, onde a construção de confiança e de respeito é fundamental, e isso precisa de tempo e de recursos.

AC – Que conselhos daria a outros profissionais que pretendam envolver-se mais com o tema da migração e dos refugiados? Que cuidados devem ter?

DF – Muito do que estamos a partilhar não está escrito, mas, na nossa opinião, aqui estão alguns conselhos com base em anos de trabalho sobre as mais variadas formas de participação:

  • Primeiro: ouvir;
  • Preparar-se – compreender as histórias globais da diáspora; reconhecer as histórias controversas e contestadas;
  • Ser claro sobre o que está a oferecer; isso é vital para gerir expectativas;
  • Não se comprometer em demasia;
  • Estar aberto e preparado para mudar (o resultado final não é certo no início e tivemos muitas vezes dificuldades em lidar com os habituais “procedimentos de museu”);
  • Planear de modo a que o trabalho esteja incorporado no museu e não precise de recursos adicionais (e, portanto, incertos) de financiamento;
  • Investir no desenvolvimento dos membros da equipa – nesta matéria temos de ser emocionalmente resilientes;
  • Estar virado para o exterior e ter exemplos de trabalho similar para partilhar;
  • Não ter medo de ser honesto e aberto (especialmente sobre o trabalho feito antes). Os museus, tal como os líderes modernos, precisam de ser autênticos e de ser capazes de partilhar vulnerabilidades;
  • Começar com pequenos passos e depois desenvolver;
  • Partilhar qualquer estratégia ou quadro de referência;
  • Este é um trabalho vital, por isso, não se deve dar ouvidos àqueles
    que comentam sobre o uso de recursos para trabalhar com pequenos grupos de pessoas; não sabemos o impacto que um museu pode ter. Os museus fazem uma contribuição para “a liderança no pensamento”;
  • Cooperar com organizações que tenham interesses semelhantes; juntos, os museus são mais fortes e precisam de aprender também;
  • Focar-se nas histórias, no interesse humano, na humanidade e nos direitos humanos, e usar a cultura material e a voz humana para interpretar ou criar experiências memoráveis.
 ****
Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

RefugiActo: a voz e o eco dos refugiados através do teatro

RefugiActo, Dia Mundial do Refugiado, 2014. Foto: PMR Photography

[«RefugiActo: A Voz e o Eco dos Refugiados Através do Teatro», entrevista com Isabel Galvão e Sofia Cabrita conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 42-49)]

O RefugiActo surgiu em 2004 no contexto das aulas de língua portuguesa no Conselho Português para os Refugiados (CPR). É um grupo de teatro amador, onde se partilham emoções, saberes e experiências, e por onde têm passado pessoas de muitas origens diferentes (Afeganistão, Albânia, Arménia, Bielorrússia, Caxemira, Colômbia, Costa de Marfim, Etiópia, Gana, Geórgia, Guiné Bissau, Guiné Conacri, Irão, Iraque, Kosovo, Palestina, Mianmar, Nigéria, Portugal, Ruanda, Rússia, Sri Lanka, entre outros).

Isabel Galvão é professora de Português. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Ingleses e Franceses, com formação de professores de Português Língua Estrangeira. Trabalha no Conselho Português para os Refugiados – CPR, desde 1997, como Professora de Português, utilizando e desenvolvendo metodologias de ensino-aprendizagem dirigidas às necessidades específicas dos refugiados, incluindo a criação e a adequação de materiais didácticos, e a realização de actividades socioculturais. Fundadora e dinamizadora do RefugiActo. Coordenou o projecto PARTIS – Refúgio e Teatro: Dormem Mil Gestos nos Meus Dedos, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Email: isabel. galvao@cpr.pt

Sofia Cabrita é actriz e encenadora. Pós-graduada em Comunicação e Artes pela Universidade Nova de Lisboa, formada pelas escolas de Teatro do Gesto Estudis de Teatre (Barcelona) e Kíklos- Scuola Internazionale di Creazione Teatrale (Pádua) e Licenciada em Formação de Actores pela Escola Superior de Teatro e Cinema (1999). Fundadora e responsável artística da Casear Criação – um colectivo de pesquisa e criação nas áreas do gesto, objectos performativos e máscaras. Tem estado ligada a vários projectos de formação sobre práticas artísticas, especialmente na Fundação Calouste Gulbenkian, onde é também mediadora artística no Museu. Colabora com o RefugiActo desde 2008, e foi a responsável artística do projecto PARTIS – Refúgio e Teatro: Dormem Mil Gestos nos Meus Dedos. Email: sofiacabrita@yahoo.es

****

Ana Carvalho (AC) – Sobre o projecto RefugiActo, como surgiu, quais as motivações e objectivos?

Isabel Galvão (IG) – O RefugiActo surgiu em 2004 no contexto das aulas de língua portuguesa no Conselho Português para os Refugiados (CPR). É um grupo de teatro amador, onde se partilham emoções, saberes e experiências, e por onde têm passado pessoas de muitas origens diferentes (Afeganistão, Albânia, Arménia, Bielorrússia, Caxemira, Colômbia, Costa de Marfim, Etiópia, Gana, Geórgia, Guiné Bissau, Guiné Conacri, Irão, Iraque, Kosovo, Palestina, Mianmar, Nigéria, Portugal, Ruanda, Rússia, Sri Lanka, entre outros).

As aulas de português no CPR começaram em 1997. Acreditamos que a língua é muito mais do que vocabulário e gramática, encerra história, tradições e diferentes códigos sociais, culturais e comportamentais. Desde então, fomos adaptando as metodologias tendo em conta as necessidades dos refugiados e organizando também actividades socioculturais, cujo objectivo é facilitar o diálogo intercultural e cruzar diferentes expressões culturais e saberes.

Nas aulas partilhavam-se muitas peripécias e vivências. A ideia de as teatralizar surgiu concretamente em meados de 2004 com vista à sua apresentação numa festa de fim do ano. Começámos com pequenos sketches, num registo irónico e cómico, sobre situações da sua experiência enquanto requerentes de asilo e o seu acolhimento em Portugal; brincava-se com os mal-entendidos e os constrangimentos inerentes a um Centro de Acolhimento, com as condições de aprendizagem e as dificuldades da língua portuguesa, com alguns aspectos do processo de integração, satirizando, por exemplo, o mau atendimento no Centro de Saúde, os obstáculos para obtenção da documentação, o trabalho ilegal, a dificuldade em arrendar uma casa, etc.

Para os refugiados, estar em grupo e teatralizar histórias do quotidiano ou situações dramáticas em que todos participavam era um modo de criar uma rede de apoio, de se fazerem ouvir, de aprenderem a língua, de conhecerem o “Outro”. Esses meses de criação, de adaptação dos textos e de ensaio foram de tal forma marcantes e positivos para os alunos que ninguém queria interromper as sessões de teatro. E assim se foi tornando claro para todos que o teatro podia, de facto, dar a conhecer um outro lado da causa dos refugiados e ser uma voz activa, interventiva e transformadora.

Nos primeiros anos deste projecto contámos com a ajuda e o empenho de muitas pessoas, desde logo de quem participou nas peças, mas também de voluntários, de familiares e de amigos, do CPR que disponibilizou as instalações e deu o apoio logístico, bem como de diversos profissionais das artes performativas.

Sofia Cabrita (SC) – Acreditamos que aliar a aprendizagem da língua ao teatro tem estimulado a expressividade e a criatividade, a comunicação através da palavra e do corpo, o autoconhecimento, o conhecimento do “Outro” e do mundo, o diálogo e o relacionamento entre as pessoas, além de melhorar a confiança e a autonomia de cada um. Através do RefugiActo, os refugiados podem expressar a sua voz, ter um papel activo e sensibilizar a sociedade portuguesa para esta realidade.

Em 2014 o RefugiActo passou a integrar o projecto Refúgio e Teatro: Dormem Mil Gestos nos Meus Dedos, com o apoio do programa PARTIS (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) da Fundação Calouste Gulbenkian. O projecto divide-se em duas partes. Uma primeira parte inclui sessões de expressão dramática regulares e abertas a todos (uma a duas vezes por semana no auditório do Centro de Acolhimento para Refugiados – CAR, na Bobadela, em Loures), que complementam a aprendizagem da língua portuguesa (as sessões são pensadas em conjunto pela artista responsável e pela professora de Português Língua Estrangeira). A segunda parte tem como objectivo criar e montar uma peça de teatro de média duração.

O RefugiActo foi sempre um grupo aberto à entrada de novos elementos, contudo, entre 2014 e 2016, período que correspondeu à duração do projecto PARTIS, só puderam entrar pessoas que já tivessem estado com alguma regularidade e duração nas sessões de expressão dramática e que tivessem a sua situação de visto mais avançada. Esta situação permitiu uma maior estabilidade do grupo e uma maior garantia de um trabalho acompanhado.

O grupo sempre teve muitas solicitações para apresentar os espectáculos (quase sempre de curta duração e com poucas exigências técnicas), por todo o país e em diferentes situações. Durante estes três anos, embora tivéssemos tentado reduzir o número de apresentações de modo a podermos focar-nos mais no processo de criação, houve um enorme crescimento da atenção mediática sobre os refugiados e também um aumento significativo de pedidos de asilo em Portugal. O CAR ficou acima das suas possibilidades, bem como todo o CPR e esta situação veio modificar algumas linhas do projecto, obrigando-nos a uma grande adaptação. Por outro lado, tornou ainda mais evidente a necessidade e a urgência do teatro como uma prática artística para a inclusão social.

AC – O que têm aprendido com este projecto?

SC – Temos aprendido que fazer teatro é difícil se não te propuseres a um trabalho intenso sobre ti próprio; e esse trabalho exige tanto de ti como dos outros, e requer um grande apoio, coragem e disponibilidade. A visão que é “vendida” é muito mais leve, assente sobre os jogos e o prazer de estar em cena nos tempos livres, os aplausos e o que se pode aprender através destas coisas. Mas trata-se mais de dar do que de receber e é preciso criar nas pessoas e nas instituições promotoras e financiadores a noção de que para se tornar uma prática de sucesso há requisitos a serem cumpridos e que estes nem sempre correspondem aos resultados idealiza- dos, exigidos ou esperados.

Por outro lado, temos aprendido que a arte une as pessoas de uma maneira única, cria empatia, laços, entendimento e gera um conhecimento humano, social e cultural que de outro modo seria impossível alcançar. E isto é essencial quando falamos da relação entre refugiados e as sociedades de acolhimento.

IG – Enquanto fundadora e dinamizadora do grupo, senti sempre que se desenvolvia uma dinâmica muito peculiar, em parte devido às diferentes culturas que integravam o grupo, surgindo muitas ideias que debatíamos e nos enriqueciam. Mas para transformar essas ideias em teatro faltava-nos inicialmente a orientação e o acompanhamento profissional. Sempre cultivámos o desejo de fazer melhor e a consciência de que precisávamos de ferramentas para potenciar e valorizar o desempenho do grupo. Nesse sentido, fizemos formações, tivemos ajudas pontuais, e procurámos partilhar essas aprendizagens com outros elementos que iam entrando no grupo.

A direcção artística continuada ao longo de três anos foi fundamental para ajudar a sistematizar este trabalho com características tão singulares. Desde logo, na compreensão do teatro e das disciplinas que o integram, alargando conhecimentos e léxico teatral, melhorando a forma de trabalhar em grupo, aperfeiçoando e desenvolvendo a consciência corporal, a capacidade crítica e a autocrítica, na necessidade de planear e organizar, no conhecimento dos aspectos técnicos para a produção de uma peça e no processo de criação e interpretação de uma dramaturgia. Descobriram-se novas formas de trabalho, mais focadas e mais centradas num caminho a percorrer, dirigidas por quem sabe como percorrê-lo e tem qualidades humanas e artísticas para lidar com um grupo de não artistas, de diferentes origens.

Ao longo deste percurso, o RefugiActo criou uma peça, Fragmentos, com uma duração mais longa e com maior qualidade artística, e tem hoje um maior suporte técnico para enfrentar novos desafios.

AC – Na vossa opinião, de que maneira a participação dos refugiados no RefugiActo tem tido impacto nas suas próprias vidas?

IG e SC – Algumas afirmações de refugiados que têm participado no projecto ajudam a perceber esse impacto:

“Para mim, é um grupo que quer mostrar a todos os refugiados e imigrantes que estão em Portugal que a vida continua e pode ser melhor.” (Ajet Bunjaku, Kosovo)

“É a minha família! Mas além disso é o refúgio num mundo onde há paz, liberdade e arco-íris.” (Yana Schmid, Bielorrússia)

“Desde que cheguei a Portugal, a primeira vez que sorri foi no teatro.” (Felix Aganze, República Democrática do Congo)

AC – Como é que os espectáculos do RefugiActo têm feito a diferença junto do público?

SC – O teatro tem um efeito muito maior sobre as pessoas do que qualquer nota informativa, comunicação ou imagem. O teatro é feito de, por e para seres humanos aqui e agora, acontece num presente irrepetível e único. Tudo isso gera empatia e as emoções unem as pessoas. É o que acontece cada vez que apresentamos uma peça com o RefugiActo. No palco não estão pessoas fragilizadas por uma situação desumana que as ultrapassa, estão, pelo contrário, pessoas fortes, a fazerem um trabalho de actor, a conseguirem a nossa atenção, a falar em português, portadoras de uma história que nos faz viajar a países maravilhosos, a apresentar uma criação sua, em grupo. Tudo isto lembra o público que, afinal, os refugiados são pessoas cheias de coragem, de cultura, que nos lembram e ensinam que há que ter esperança na vida! E, depois, trazem-nos as montanhas do Irão, a neve da Rússia, o fou fou da Costa do Marfim… Estas viagens só as podemos fazer através dos seus olhos, estas viagens são também a nossa história.

IG – A reacção empática do público e os muitos convites que se têm sucedido mostram que as apresentações do RefugiActo têm um efeito sobre o público, pelo facto de se encontrar perante um refugiado que se exprime em português, que diz poesia portuguesa, que conta a sua história na primeira pessoa, que partilha e questiona. O público identifica-se, surpreende-se, dá-se conta de quão estranhos podem ser certos hábitos nossos e alarga o conhecimento sobre outras culturas que vivem ao nosso lado.

AC – Sentem mudanças na percepção das instituições promotoras e financiadoras quanto à relevância deste tipo de iniciativas?

IG e SC – A Fundação Calouste Gulbenkian e o júri do PARTIS, em 2013 ainda, perceberam que os refugiados (grupo pequeno na altura) eram, infelizmente, um grupo com tendência a crescer e a necessitar de atenção nestas questões. Hoje, no fim do projecto no âmbito do PARTIS e depois de grandes alterações, a Fundação continua a mostrar-se disponível para que o CPR mantenha as práticas artísticas no processo de inclusão. Assistimos actualmente à possibilidade de apresentar candidaturas a nível europeu para obter financiamento e a criarem-se eventos ligados às práticas artísticas para a inclusão, o que antes não acontecia. Nos países vizinhos, onde o número de pedidos de asilo e de refugiados sempre foi muito mais alto do que em Portugal, existem muitos projectos artísticos. Porém, o caso do RefugiActo é excepcional, já que o grupo existe há 11 anos, quase sempre em autogestão e nasceu de uma vontade e necessidade internas, sem a intervenção de um artista.

AC – Que balanço é possível fazer?

IG e SC – Com este projecto ficou claro que a arte é uma área que junta as pessoas e as une através da partilha, que as ajuda a reflectir, que lhes dá uma outra perspectiva sobre os seus problemas e que influencia positivamente a auto-estima, a disposição emocional e que activa a criatividade. Contudo, ao longo deste processo surgiram muitas vezes dúvidas sobre a melhor maneira de implementar algumas acções: devemos insistir numa monitorização e numa avaliação mais coordenada com os profissionais da área social do CPR? Como avaliar ou medir os resultados? Devemos ser mais exigentes em termos de compromisso artístico? Como gerir o cansaço inerente a um trabalho de criação artística? O que é mais importante (para as várias partes): o processo ou o resultado?

Apesar das dúvidas, o balanço é largamente positivo. Conseguimos esclarecer qual o objectivo maior do grupo, separar, onde se tornou necessário, a vida pessoal da cena, ter uma visão mais clara sobre as necessidades de uma criação artística, melhorar muito as performances individuais e reconhecer o potencial de cada elemento. O RefugiActo cresceu muito, como grupo e como fazedores de arte, preparando-se para continuar a ser a voz e o eco dos refugiados através do teatro. “Sentir por outro para ajudar outro a sentir” tornou-se um mote.

AC – Quais as principais dificuldades sentidas em termos da operacionalização do projecto?

IG e SC – As dificuldades tem a ver quase sempre com os imprevistos: o enorme aumento das chegadas ao CAR, as diferentes nacionalidades e variados níveis de conhecimento da língua portuguesa, as rejeições e os entraves no processo de asilo em Portugal, e as mudanças repentinas nas vidas dos participantes estão entre as principais dificuldades. Algumas destas dificuldades são muito difíceis de ultrapassar, mas temos tentado manter o projecto flexível o suficiente para continuar a dar resposta a todos os interessados. No caso do RefugiActo aceitamos que, por vezes, não é possível realizar tudo aquilo que pretendemos. Passados todos estes anos de RefugiActo e estes três últimos de projecto PARTIS, fica assente que no CPR haverá sempre lugar de destaque para as práticas artísticas e que estas devem fazer parte do seu plano de actividades. Entre tantas solicitações urgentes no CPR, conseguir manter o teatro só é possível dando-lhe destaque, voz, espaço e tempo. Pensamos ter conseguido isso através do RefugiActo.

AC – A partir desta experiência, que conselhos dariam a outros profissionais que pretendam envolver-se com o tema dos refugiados através da cultura?

IG e SC – As iniciativas culturais podem ser pontuais e/ou regulares, o importante é contextualizar devidamente os intervenientes (participantes e promotores), oferecer experiências de qualidade (concebidas e dirigidas por profissionais da área) e delinear objectivos gerais e específicos pensados tendo em conta as necessidades dos participantes. A criação de parcerias com instituições culturais de vários tipos é essencial, envolvendo comunidade e refugiados, bem como os técnicos e os profissionais das várias áreas de atendimento e inclusão (apoio jurídico, apoio social, apoio ao emprego, aprendizagem da língua portuguesa, etc.). A nosso ver, é também importante referir que as práticas artísticas para a inclusão devem constituir uma “interacção” e não uma “apropriação” da parte dos artistas para a sua criação individual (esta será porventura uma outra área a explorar, igualmente válida, mas consideramos que é uma outra coisa).

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Museu de Lisboa: uma remodelação que está para continuar

Joana Sousa Monteiro, Palácio Pimenta, Lisboa, 2017. Foto de Ana Carvalho

Os museus são a sua paixão maior. Muitos terão acompanhado o trabalho de Joana Sousa Monteiro na Rede Portuguesa de Museus, onde colaborou durante dez anos. É desde 2010 consultora da Câmara Municipal de Lisboa e, em 2015, assumiu a direcção do Museu de Lisboa, momento que marca uma nova fase do Museu, que se reestruturou e se reinventou com um novo conceito. Foi este o mote que nos levou a conhecer melhor o percurso desta museóloga, as suas motivações, 
e o trabalho que se desenvolve e se perspectiva no Museu de Lisboa. Por Ana Carvalho

Encontramo-nos no sótão do Palácio Pimenta (Campo Grande), onde estão instalados os serviços centrais do Museu de Lisboa, com janela aberta para o jardim e tendo como pano de fundo a paisagem sonora da cidade.

Quando lhe pergunto como se descreve, a resposta é rápida. Assume-se acima de tudo como museóloga. Alguns traços têm-na acompanhado ao longo da sua vida profissional: o interesse pela gestão de projectos, pela coordenação e pelo trabalho em equipa, o interesse pelo lado criativo de participar no nascimento das ideias, seu desenvolvimento e aplicação. E acrescenta: «gosto muito também de programar exposições e de as acompanhar».

«Não imaginava ser directora deste Museu, mas aconteceu», confessa. Trabalhar em museus também não era um sonho que acalentasse desde criança. Podia ter sido médica ou economista, «tive muitas dúvidas no que fazer, porque gostava de muitas coisas e fiz muitas coisas diferentes como hobbies» (ligados à música e à dança). Ainda hoje é um traço que a define: «sou capaz de me apaixonar por coisas diferentes com muita facilidade».

Formou-se em História da Arte e aí os museus já estavam presentes, mas foi no confronto com o trabalho de terreno que se tornou claro que esse era o caminho a seguir. A sua participação, ainda como estagiária, na montagem do Museu do Chiado, estávamos em 1994, seria o seu “baptismo de fogo”, onde ajudou em várias frentes de trabalho nos bastidores do museu então em “construção”. Logo depois seria determinante o curso de verão de Museologia organizado pelo Conselho Internacional de Museus que fez na República Checa durante dois meses, que como ela própria refere foi uma «experiência imersiva extraordinária». Aliás, a ligação ao ICOM manter-se-ia ao longo da sua carreira profissional, activismo que a levou ao cargo de secretária do ICOM Portugal, em 2014, e à presidência do CAMOC (Comité Internacional do ICOM para as Colecções e Actividades dos Museus de Cidade), em 2016.

Além da formação pós-graduada em Museologia (2000), Joana Sousa Monteiro especializou-se também em Gestão Cultural (2010), que teve um papel complementar e fundamental para trabalhar num campo como o da economia e gestão de museus, que sublinha: «está em constante mudança».

Passados mais de 20 anos de trabalho, a pergunta impõe-se, o que leva um profissional a manter-se motivado, atendendo aos muitos momentos de desalento, às dificuldades próprias do sector, aos entraves e aos falhanços que surgem inevitavelmente e, nalguns casos, arbitrariamente? Peremptória, realça que «o balanço é sempre maior para o lado positivo. É uma profissão em que me sinto sempre com a possibilidade de aprender. Essa é a vantagem de se trabalhar nos museus em geral». Por outro lado, sublinha o potencial da criatividade que pode existir nos museus se o contexto for suficientemente favorável, «é isso que me fascina» atira. Acrescenta: «há também um sentido de genuíno serviço público, de ter a obrigação, neste caso através do património ou da arte, e da educação ao serviço dos museus, de poder, de algum modo, ajudar a que as pessoas se possam sentir melhor com o que aprenderam e que possam descobrir em si próprias coisas que não sabiam que tinham».

Para aqueles que pretendam seguir esta carreira, adverte: «primeiro que tudo é preciso ter a certeza que se adora esta área – não basta gostar – e depois alimentar a persistência, não desistir às primeiras falhas e aos primeiros tempos, que podem ser mais difíceis. É um trabalho continuamente fascinante e que merece todos os esforços (e não são poucos) que temos de fazer para o cumprir.»

Mapear os Lisboetas é um dos objectivos do Museu de Lisboa

O processo recua a 2013, mas é em 2015 que se concretizam mudanças mais evidentes, a começar pela mudança do nome: de Museu da Cidade para Museu de Lisboa, que preconiza também um novo conceito. Se antes existia um museu de história, o museu passou a afirmar-se como sendo de cidade, ou seja, com maiores responsabilidades na «representação do contexto geográfico, social, político e mental da cidade. Não se trata apenas da história da cidade, mas também do presente, dando pistas para o futuro». Significa que «muda o radar para as escolhas de programação, de exposições, de actividades comunitárias (linha de trabalho que estamos a fazer nascer), de parcerias. Estamos a começar novos projectos no sentido de contribuir para o conhecimento – e depois a representação – do mapeamento dos lisboetas de hoje. É um dos nossos objectivos.»

Não há uma lista fechada de temas e projectos de investigação a desenvolver no futuro, mas sim um fio condutor que alimenta a intenção de «promover olhares diferentes sobre Lisboa…» (como foi o caso da exposição A Luz de Lisboa – 2015-2016 ou a actual exposição Debaixo dos Nossos Pés – Pavimentos Históricos de Lisboa), ou seja, «dar a ver outras cidades dentro da cidade», tentando «equilibrar temáticas diferentes» (passado e contemporaneidade) e «ir ao encontro dos valores identitários de quem cá vive».

A relação com a dimensão imaterial da cidade de Lisboa

A criação de museus de cidade é uma tendência internacional que tem revelado na Europa, e fora dela, vários sinais de inovação, criatividade e de grande reinvenção. Trata-se de uma tipologia relativamente recente (aproximadamente 25 anos) e é um conceito distinto do que comummente designamos por “museu municipal”. É uma tendência que está para ficar, como nos explica Joana. «Os museus de cidade estão a acompanhar o fenómeno das megalópolis, ou seja, a concentração mundial cada vez maior das pessoas em cidades. A rápida mudança é um assunto problemático para a nossa memória visual, afectiva, sensorial, para a identidade que temos relacionada com o lugar.» E, por outro lado, «há o elemento das migrações, das saídas e das entradas, sendo que no caso de Lisboa é mais significativo o das entradas para a mudança da paisagem a vários níveis.» Por todas estas razões, o Museu de Lisboa começou a desenvolver vários projectos, entre eles um que se relaciona com as hortas urbanas e outro com os tronos de Santo António, cruzando estes tópicos com as questões da migração na contemporaneidade.

Uma reestruturação orgânica e administrativa

O Museu de Lisboa não se reformulou apenas no campo das ideias, mas também se reestruturou em termos orgânicos, sendo reforçada a sua organização em cinco núcleos espalhados pela cidade (na sua maioria pré-existentes): o do Palácio Pimenta, núcleo-sede, o de Santo António, o do Teatro Romano, a Casa dos Bicos (piso térreo) – que apresenta uma exposição de longa duração com base na apresentação de objectos resultantes de uma campanha arqueológica, e o Torreão Poente na Praça do Comércio dedicado a exposições temporárias de média duração.

Os principais núcleos: Palácio Pimenta, Santo António e Teatro Romano têm autonomia de programação, assegurada pela coordenação directa de Paulo Almeida Fernandes, Pedro Teotónio Pereira e Lídia Fernandes, respectivamente, que, por sua vez, se articulam com a direcção do Museu, encabeçada por Joana Sousa Monteiro. Todos os serviços estão centralizados no Palácio Pimenta, à excepção da investigação e documentação que é inerente a cada núcleo. Sobre este modelo, Joana explica: «trabalhamos muito numa lógica de complementaridade, vamos trabalhando para a cidade, sendo que a unidade é uma unidade grande com várias realidades lá dentro, mas sempre sobre Lisboa».

Em Julho de 2016 o Museu de Lisboa passou também para a alçada da EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, empresa pública da Câmara Municipal de Lisboa), entidade que já detinha a gestão de outros museus municipais em Lisboa. Sobre esta mudança, Joana faz notar que não houve alterações significativas em termos orçamentais, mas trouxe benefícios importantes, nomeadamente uma maior flexibilidade de gestão, uma estrutura mais pequena e vantagens no que diz respeito à programação pela permeabilidade de contacto com outras actividades que a EGEAC promove e a respectiva integração das actividades do Museu na programação geral desta entidade.

Tempo de fazer balanços

Dois anos passados a assegurar a direcção do Museu de Lisboa, o balanço afirma-se positivo em várias vertentes, «o que só tem sido possível graças à excelente equipa com que temos a sorte de poder contar», como destaca Joana: remodelação de dois dos antigos núcleos aumento do número de visitantes, incluindo no Palácio Pimenta, diversificação da oferta educativa, diversidade e intensificação da oferta de exposições temporárias, e aumento significativo do número de parcerias com entidades externas.

Uma remodelação que está para continuar

Para além da programação expositiva, que já está fechada até 2019, há um conjunto de prioridades que serão concretizadas nos próximos anos, entre as quais estão as obras em dois dos núcleos do Museu de Lisboa: no Palácio Pimenta e no Torreão Poente.

No Palácio Pimenta as obras já se iniciaram com a pintura de fachadas e passaram para o interior do piso térreo do edifício no sentido de preparar o espaço para a instalação da nova museografia deste núcleo, já definida e assinada ainda pelo antigo director do Museu, António Miranda. Também a instalação da nova museografia se fará faseadamente por pisos.

O Torreão Poente entrará para obras em 2018 para reabilitação e adaptação do edifício a museu. Pretende-se duplicar a área expositiva, incluir espaços de acolhimento ao visitante, abrir o terraço ao público e instalar uma livraria dedicada a Lisboa. No último piso passarão também a funcionar alguns serviços do Museu de Lisboa.

Museu de Lisboa

  • Tutela: Câmara Municipal de Lisboa
  • Museu multidisciplinar, colecções de diferentes tipologias e de várias épocas
  • Estrutura polinucleada: Museu de Lisboa (Palácio Pimenta, Santo António,
    Teatro Romano, Casa dos Bicos e Torreão Poente)
  • Colecção total: cerca de 70 000 objectos
  • Equipa: 50 pessoas
  • Média de visitantes 2016: 130 000

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Museus & Pessoas”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Museus & Pessoas: Joana Sousa Monteiro.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 9 (Junho): 46-51. http://hdl.handle.net/10174/21144.

Representar a escravatura nos museus portugueses: que balanço?

 

António Pinto Ribeiro é investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Além das lides académicas tem estado ligado à programação em várias instituições culturais portuguesas, de onde se destaca a Culturgest e a Fundação Calouste Gulbenkian. Também é conhecido pelos seus ensaios sobre cultura, nos quais se incluem por vezes os museus. Num dos seus últimos textos publicados Podemos Descolonizar os Museus?, começa por escrever: «os museus ou são pós-coloniais ou não são nada», aguçando o apetite. Mas é sobretudo na qualidade de comissário-geral de “Passado e Presente − Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017” e do movimento que gerou recentemente nos museus em torno da representação da escravatura que surgiu a ideia desta entrevista. Afinal, não é a escravatura um tópico que se situa na esfera do indizível nos museus?

Ana Carvalho (AC) − No âmbito da programação de “Passado e Presente − Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017” 42 museus, arquivos e bibliotecas de Lisboa expõem mais de 200 objectos e documentos ligados à escravatura em vários locais, incluindo ainda a criação do website testemunhosdaescravatura.pt. Como é que surgiu a ideia desta iniciativa e o que o motivou?

António Pinto Ribeiro (APR) − No processo de pesquisa e de estudo que conduziu à programação começou por se fazer um levantamento das memórias e da presença afro-descendente e do que é tido como universo latino-americano em Portugal. Quis-se assim atingir dois objectivos: não conceber um programa baseado numa mera importação de exposições, espectáculos e concertos e, ao mesmo tempo, contribuir para uma revisão das narrativas relativas a estas memórias em Portugal. Assim, e entre outros projectos como mapas toponímicos tendo origem nas Américas ou em África ou de origem afro-descendente, criou-se este circuito de exposições de escalas muito diversas a partir dos acervos dos museus, bibliotecas, escolas, associações e outras organizações culturais que a este projecto aderiram.
A expectativa ou as expectativas é que os habitantes de Lisboa e os seus visitantes se confrontem com um passado, revejam com a ajuda de historiadores, sociólogos e artistas o passado histórico, sendo neste caso um passado onde têm agora visibilidade os que em outros tempos foram os vencidos e os subalternos.

Coleiras de escravos, séc. XVIII. Museu Nacional de Arqueologia, 2017

AC − No caso do Museu Nacional de Arqueologia há objectos ligados à escravatura que são expostos pela primeira vez (exposição Um Museu. Tantas Colecções). Por exemplo, duas coleiras de escravos do século XVIII, que se encontravam “perdidas” no museu, foram encontradas num processo iniciado no seguimento de um artigo no semanário Expresso que se referia à sua existência. O “achado” é oportuno e bem-vindo, mas parece haver aqui um lado casuístico. A representação da escravatura nos museus portugueses tem sido um assunto pouco explorado. Que explicação encontra para isso?

APR − A escravatura tem sido um assunto muito pouco explorado, é muitas vezes tratado, mesmo no espaço académico como um tabu, e se recentemente tem havido alguma nova produção histórica ou algum debate muito se deve a personalidades que num percurso muito solitário vão tentando fazer trabalho científico de pesquisa e produzindo algumas obras. Recordo a este propósito os trabalhos dos professores Francisco Bettencourt, que convidámos (na sequência da publicação da sua obra sobre o racismo) a realizar a exposição Racismo e Cidadania (Padrão dos Descobrimentos), e Miguel Bandeira Júnior que tem produzido importante reflexão sobre o tema. E ainda os trabalhos de Isabel Castro Henriques sobre estudos africanos e escravatura. Curiosamente são autores que circulam muito nas redes académicas internacionais.

Creio que parte deste desconhecimento sobre o tema se deve ainda a um branqueamento segundo o qual o colonialismo português seria brando, e a lusofonia, uma das formas mais cínicas de colonialismo ainda impera no espaço académico e na comunicação social.

Exposição Racismo e Cidadania, Padrão dos Descobrimentos, 2017

AC − Entre o repto lançado aos museus para representar a escravatura e a sua concretização através de várias exposições, que balanço pode ser feito em termos de objectivos e de expectativas?

APR − A resposta foi positiva havendo necessariamente uma enorme diversidade de investimento quer pessoal, quer de meios, quer ainda de comunicação. Há excelentes exemplos e creio que até ao final deste ano ainda se poderá assistir a projectos muito interessantes.

A forma como o projecto foi delineado – que é a constituição de roteiros que podem ser utilizados e percorridos conforme os interesses iniciais dos visitantes – permite uma acumulação de conhecimentos e de reflexão crítica que, espero, continue para lá do ano da Capital.

AC − Apesar da importância de colocar em evidência a escravatura no âmbito da programação de “Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017”, o seu impacto tem um registo de curto e médio prazo. Como poderia esta questão ser perspectivada a longo prazo nos museus? De que maneira esta programação poderia ter continuidade?

APR − Eu tenho a expectativa que esta experiência tenha iniciado um debate mais continuado, que os museus possam dedicar ao tema e aos subtemas que dele decorrem outras exposições, que as escolas que visitam as exposições levem para as suas turmas este debate, que os objectos expostos sirvam de “prova” para uma consciencialização da responsabilidade que Portugal teve no tráfico dos escravos, que se entenda que a Europa das Luzes se fundou a partir dos recursos obtidos pelo trabalho da escravatura e que, finalmente, a memória dos escravos, muitos dos quais têm nome e imagem possa ser resgatada.

AC − Disse na comunicação social que «A escravatura existe ainda hoje e é um problema grave. O racismo também é um problema daí derivado e são necessárias formas de o entender e combater». No caso dos museus a responsabilidade poderá ser não só a reinterpretação do passado, mas também trazer estas questões para o presente nas suas formas e repercussões contemporâneas. Na sua opinião, esta é também a função dos museus?

APR − Sim, é uma função prioritária dos museus na medida em que os museus são instrumentos de produção de conhecimentos verdadeiros embora necessariamente de natureza epocal. Os verdadeiros museus são os lugares onde o passado é permanente actualizado. A não ser assim, seriam apenas caixões.

AC − São vários os museus e profissionais que reivindicam o argumento de que se devem manter neutrais em relação ao presente. Na sua opinião, quais são os riscos desta pretensa neutralidade?

APR − Não há Ciência nem História neutra. A Ciência e a História implicam sempre escolhas, são determinadas por políticas de educação, de investigação e editoriais, que conduzem ou pelo menos intervêm nos processos e nos tempos de investigação e de construção das narrativas. Toda a narrativa histórica olha os factos e interpreta-os a partir de um ponto de vista, o ponto de vista do animal político como o disse há muito Aristóteles. Tenho para mim que os que mais negam a neutralidade na História são habitualmente os que desejam que o seu ponto de vista seja o predominante, com vocação hegemónica, portanto.

AC − Da sua experiência, que museus o têm inspirado no sentido de abordarem a escravatura ou outros tópicos difíceis, contestados ou dolorosos da História de forma desassombrada e proactiva?

APR − Creio que o Museu da Escravatura na Cidade do Cabo (África do Sul) é um excelente exemplo, mas penso que os museus da memória com uma projecção mais interventiva correspondem ao que seria neste momento o perfil mais adequado para expor as memórias da escravatura e do seu fim.

Referências

Ribeiro, António Pinto. 2016. “Podemos Descolonizar os Museus?” In Geometrias da Memória: Configurações Pós-Coloniais, organizado por António Sousa Ribeiro e Margarida Calafate Ribeiro, 95-111. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 9.º número do Boletim do ICOM Portugal (Carvalho, Ana. 2017. “Entrevista com António Pinto Ribeiro.” Boletim ICOM Portugal, série III (Junho): 35-39.

Novo boletim do ICOM Portugal dedicado ao indizível nos museus

 

O 9.º número do Boletim do ICOM Portugal (agora com um novo projecto gráfico, mais claro e apelativo) é sobre o tema do Dia Internacional de Museus de 2017: Museus e Histórias Controversas: Dizer o Indizível em Museus. De que falamos quando falamos em histórias controversas, contestadas ou dolorosas? Qual o papel dos museus neste contexto? Lidar com estas questões para quê? Como? Terão todos os museus histórias controversas, difíceis ou conflituosas para contar? Porque é que os museus não abraçam mais estas questões? (Ou será que abraçam?) Nesta edição não se tem a pretensão de explorar a multiplicidade de aspectos que a temática suscita, mas ainda assim pretende-se contribuir para a sua discussão, que, porventura, não se esgotou na organização de actividades para o 18 de Maio e estará muito provavelmente para ficar.

O Museu do Aljube (Em Foco), que é apresentado por Luís Farinha, é um exemplo evidente de uma memória dolorosa para muitos presos políticos durante a transição da ditadura para a República e sobre a qual é preciso dialogar e reflectir, em particular com as novas gerações, porventura menos familiarizadas com este período conturbado da nossa História.

Em Perspectivas, incluem-se dois olhares distintos, mas que reivindicam para o campo dos museus a assunção da responsabilidade em contar histórias controversas e difíceis. Parafraseando Joaquim Jorge, se os museus não servirem para confrontar a nossa visão ou para apresentar um ponto de vista que nos desafie, então servem para quê?

A escravatura não é totalmente ignorada pelos museus, note-se a criação do Núcleo Museológico Rota da Escravatura (Lagos), em 2016, mas globalmente é um tópico pouco explorado. Na entrevista com António Pinto Ribeiro pode-se conhecer melhor a motivação e os objectivos da iniciativa que desafiou os museus de Lisboa a exporem objectos sobre a escravatura no âmbito da programação de “Passado e Presente – Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017”.

Joana Sousa Monteiro, directora do Museu de Lisboa desde 2015, é personalidade de destaque da secção Museus & Pessoas. Este texto dá conta do percurso desta museóloga e a sua visão para este Museu.

Neste boletim leia ainda a sentida e profunda homenagem de Luís Raposo a Adília Antunes (In Memoriam).

Por ocasião do 18 de Maio, o ICOM Portugal apresentou uma reflexão sobre o futuro dos museus, identificando problemas e apontando eixos de actuação, linhas orientadoras e propostas para uma política museológica nacional através do documento Contributos para uma Urgente e Necessária Política Museológica Nacional, conforme pode ser lido na íntegra neste boletim na secção Extra: Política Museológica.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

06 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

09 | Breves

12 | Extra: Contributos para uma urgente e necessária Política Museológica Nacional, ICOM Portugal

23 | Em Foco: Museu do Aljube, Resistência e Liberdade: Musealização de uma «Herança Difícil», por Luís Farinha

29 | Perspectivas

29 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Miguel Rego

32 | Dizer o Indizível. Como é que os Museus Podem Fazer a Diferença? (I), por Joaquim Jorge

35 | Entrevista com António Pinto Ribeiro, por Ana Carvalho

40 | In Memoriam: Adília Antunes (1962-2017), por Luís Raposo

43 | Conferências: comentários

43 | Construir o Futuro, Compreender o Passado, por José do Vale

46 | Museus & Pessoas: Joana Sousa Monteiro, por Ana Carvalho

52 | Publicações

52 | Sugestões de leitura

53 | Novas edições 2017

57 | Agenda

57 | Conferências, encontros, debates

59 | Formação

60 | Chamada de propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

A Ética nas Políticas Públicas do Património Cultural Imaterial: Entrevista com Marc Jacobs

Marc Jacobs, em visita à Universidade de Évora (Colégio do Espírito Santo), 13 de Julho de 2016. Fotografia de Ana Carvalho

Divulgamos a entrevista com o investigador belga Marc Jacobs, que teve lugar na Universidade de Évora a 13 de Julho de 2016 e foi conduzida por Ana Carvalho[1] e Filipe Themudo Barata[2].

Resumo: Desde que foi adoptada (2003), a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO continua a suscitar interrogações e a constituir um campo de negociação quanto à sua implementação nas políticas públicas do património cultural dos países que ratificaram o documento. As questões éticas estão actualmente no centro da discussão com a recente adopção de 12 princípios éticos que pretendem guiar as estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Nesta entrevista com Marc Jacobs, realizada durante a sua visita à Universidade de Évora (Portugal), reflectimos sobre o impacto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial nas políticas nacionais, os seus problemas e oportunidades. Marc Jacobs (1963) é Professor de Estudos Críticos de Patrimônio na Vrije Universiteit Brussel. É desde 2008 diretor da Faro (Flemish Interface Centre for Cultural Heritage), uma organização belga para o setor do patrimônio cultural (material e imaterial). É desde 2014 o coordenador da UNESCO Chair em Critical Heritage Studies na Vrije Universiteit Brussel. Participou na qualidade de representante da Bélgica na redação da Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) e em vários grupos de trabalho durante o primeiro Comité Intergovernamental da Convenção (2006-2008).

Abstract: Since its adoption, UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage has evoked interrogations and constituted a field of negotiation, concerning its implementation in the cultural heritage public policies of the countries that ratified the document. Ethical issues are now at the center of discussions, after UNESCO adopted 12 ethical principles to guide strategies for the safeguarding of intangible cultural heritage. We took the opportunity of Marc Jacobs’ visit to the University of Évora (Portugal) to do this interview and discuss the impact of UNESCO’s Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (2003) in national policies, its problems and opportunities. Marc Jacobs (1963) is the director of FARO: Flemish Interface for Cultural Heritage (www.faronet.be) and holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage (www.vub.ac.be). He holds a MA in History from the University of Ghent (1985) and a PhD in History from the VUB (1998). Jacobs has been involved in drafting, elaborating, implementing, and analysing the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage since 2002. He was a member of the Belgian delegation to the Intergovernmental Committee of that Convention, from 2006 to 2008, and from 2012 to 2016. Marc Jacobs is a Professor of Critical Heritage Studies at Vrije Universiteit Brussel. Since 2008, he has been the Director of the Flemish Interface for cultural heritage (FARO), an accredited organization specialized in the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. He participated as Belgium’s representative in drafting the Intangible Heritage Convention, in many expert groups and in the first Intergovernmental Committee of the Convention (2006-2008).

****

Ana Carvalho – When did you start collaborating more closely with UNESCO and the Convention for the Safeguarding of Intangible Heritage (2003)?

Marc Jacobs – It began in 2001, when the discussions in UNESCO started about making the Convention, and they were looking for experts from several countries. There was a first meeting organized by Chérif Khaznadar – he was in the French UNESCO Commission – and he wanted to assemble a number of people from the Netherlands, Belgium, and France. At that time I had left the University, I had just done my PhD, and I had become director of the Flemish Centre for Popular Culture. They were looking for somebody who knew something about this strange thing called Intangible Cultural Heritage. I was there together with my French-speaking colleague Jean-Pierre Ducastelle, who is the chairperson of the Walloon organization for popular culture. From that time on, we kept on going to every expert meeting that was organized. The Flemish government and the administration, any time they had to reflect about Intangible Cultural Heritage, they sent me together with my French-speaking colleague, we had a lot of freedom to speak and to participate as experts in the discussions. They let us work in all those negotiations leading up to the Convention in 2003. In Belgium, we really stalked politicians and policy makers to quickly ratify the Convention. After that we kept going to the Intergovernmental Committee of the Convention. And especially after 2008, the policy makers started seeing the potential of the Convention, and then more diplomats and people from the administration joined our Belgian team. But, especially in the first years, we had a lot of liberty to defend the “expert” point of view; and this was supported ever since. This was interesting because we saw a lot of other delegations that, from the start, included consisted primarily of diplomats and politicians, and they were often very restricted in what they said; we could respond more quickly.

In 2003 I worked in that Flemish Centre for Popular Culture and the first thing I did when I become director was to put “popular culture” between inverted commas, because it was a politically dangerous concept – folk culture. Especially for extremist parties, this was a very hot topic. So, we had to make it more complex and make it vaguer so it could not just be used as an easy essentialist notion by populists. That’s why I really like the concept of Intangible Cultural Heritage, because populists cannot really use it, it is so intangible and vague. Eventually “Intangible Cultural Heritage” replaced the concept of “popular culture”. “Intangible Cultural Heritage” being a more neutral term, it is something that from a scholarly point of view, and from a political point of view, I really like.

Filipe Themudo Barata – We have had the Convention for 13 years now. In your opinion, what has been done right and wrong?

Marc Jacobs – I think it made sense, it still makes sense. Something I learned is that there is not something monolithic like UNESCO, but that it is an assemblage, that many different actors are co-responsible for what they are doing. In that complex setting, you can have a kind of red line and defend it, and I am quite convinced of the principles and a way that I think is consistent. If you stick to that, you can have a lot of impact and influence, and that’s what I’ve been trying to do right from the beginning: to have a kind of – you can call it my own – agenda, which is compatible with the agenda of the Flemish policy makers, luckily, to look for consistency and coherence in your points of view: to really go for recognition of those non-elite forms of culture, which were called popular culture, that they should deserve a place and should be recognized. But also that the concept of heritage is more than monuments and landscape. That safeguarding can be interesting. And I noticed the concept of Intangible Culture Heritage/Patrimoine Culturel Immatériel – or however you translate it – is a concept that works for policy makers, it works in society, people take the concept seriously and want to think about it. So, that’s one of the things that happened.

What I like about the Convention is article 15, mentioning communities, groups, and individuals, without having a definition of any of these, especially communities and groups. That is very flexible and open, and it is empowering communities and groups. And another point, which I find is extremely important, is that it opens a possibility to organise transfers from rich countries to developing countries, to organise capacity building and transfer of funds.

Also, something that is happening now with the Convention is that there is a lot of money in the Intangible Heritage Fund. One of the things which I, and therefore Belgium, could help influence by participating in many meetings, is that, in addition to making lists and all those other non-interesting things, at least these capacity-building programs are organized and money is flowing in that direction. Especially in Flanders, we managed to help develop a policy around safeguarding Intangible Cultural Heritage. But at the same time, ratifying the Convention helped to convince our government to invest in a UNESCO Trust Fund, and they basically donated, during the last five years 600,000 euros to invest in Southern African countries. For me, that already legitimizes all the energy that has been put into the Convention. At least, I am glad about that.

Filipe Themudo Barata – But if you could change something, what would you change in the 2003 Convention?

Marc Jacobs – In the Convention I would get rid of article 16, the Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity (hereafter referred to as the Representative List). That’s a problem.[3] What a lot of actors, countries and experts wanted was a kind of alternative to the UNESCO World Heritage List, which was also part of the Masterpieces program. What I have been doing right from the start is trying to question the notions of masterpieces and world heritage, and to promote a register of good practices of safeguarding. There were many debates between 2001 and 2003, and afterwards. It was clear that a lot of powerful actors wanted a kind of world heritage light, but many specialists counterbalanced this view. This resulted in the Representative List: nobody really knows what “representative” means. The Representative List functions for drawing attention, but not so good for the safeguarding. I don’t believe in it because case studies about the masterpieces program demonstrate that proclaiming something as a masterpiece or putting something on the Representative List has a negative effect in many cases. If you really go and look, it has not helped the local communities. But apparently, it is something you need to do to convince the press, the media, and others.

Ana Carvalho – And you can’t go back, can you?

Marc Jacobs – No. I have a twofold strategy. On the one hand, the Representative List is there. Right from the start, I said we should have a Wikipedia kind of solution, feeding and overflooding the whole system by entering thousands and thousands of phenomena, which through a peer-review process can yield a kind of encyclopaedia. There’s been a kind of discussion or game as to what criteria should be used for the Representative List, and a lot of people wanted the kind of world heritage light list: they wanted to have easy criteria to put items on that list but still enjoy all the advantages of world heritage status. And every time they wanted to make really easy criteria, then Belgium intervened and said – well, let’s go for Wikipedia instead, and let everybody join, but the group did not want to go that far. So, I will keep on repeating – let’s go for a Wikipedia list. There was a lot of resistance, but if you hear the new secretary of the Convention, Tim Curtis[4], he too is already sometimes evoking Wikipedia as a possible alternative in the future.

Ana Carvalho – Scotland initially had a project like Wikipedia, and then changed to another kind of platform.

Marc Jacobs – In Scotland it was Napier University: they had funding for a year, they haven’t been able to fully develop it, and do not forget, the UK has not ratified the Convention. But now Finland has launched a Wiki as their official inventory. So, I think that it is possible. I am in favor of a Representative Wiki. But if there is no Wikipedia, then, from my point of view, we should follow the rules we make together, make an agreement on the criteria. Belgium, and I am partially responsible for this, takes a very tough position, pleading for consistency: the same rules for everyone. If for instance an evaluation body concludes that that a nomination file of an element of Intangible Cultural Heritage does not satisfy the criteria, then we should not put it on the list; that is fair. But this has become a minority position among the 24 countries at present (2016) in the Intergovernmental Committee. You have to follow the criteria. 

Ana Carvalho – One of the aspects we are seeing in Portugal is some confusion about which Intangible Cultural Heritage can be representative, because the criteria for inscription on the lists are quite vague. How are the elements on the Representative List being selected in Belgium[5]?

Marc Jacobs – Belgium is a complex case because we have different Communities. Each is fully autonomous and competent, and functions at the level of a nation state. We have Flanders, the Walloon part, the German-speaking part, and Brussels. Each has its own list, and each has their own strategy for implementing the 2003 Convention.

And we have different policies. Our Walloon colleagues have legislation on masterpieces, so they were very active in the period of the masterpieces program but now they have to change their legislation.

Flanders has submitted several elements to the Representative List, but now our preference is to submit files for the Register of Best Safeguarding Practices.

Beer culture in Belgium. Imagem retirada daqui

The German-speaking part has its own strategy. There is a file coming now on Belgium beer, that is, the art and culture of producing and consuming beer in Belgium. The file was originally sponsored by the Belgian brewers’ association.[6] It was introduced in, via and by the German speaking community, which is a relatively small community – 60,000 people – but autonomous.

So, we have four different strategies, as Brussels is also starting with a policy.

In the beginning (2009), it was rather easy: there were no upper limits. It was easy to submit a file then, now it is much more difficult.

There is an inventory at the Flemish level, established via a specific procedure; twice every year there is a call – who wants to present something for that list in Flanders? But if you want to apply as a community or a person, you have to connect with an official active heritage organisation – this could be a center of expertise, or a museum, or an archive. You have to team up with them and present a safeguarding plan for the next five years. And when you submit something on that list – which is now a database –, you have to submit that file with a safeguarding plan. An underlying goal is to create an inventory of safeguarding plans that are updated every five years.

Ana Carvalho – Are the safeguarding plans a set of intentions, or do they have to be already implemented?

Marc Jacobs – They have to report every year on what they have done. But until now, that’s the same in UNESCO, there are no sanctions for not submitting a report, there is a kind of moral obligation. It is easy to put something on the list, if you write a nice file and describe it, but it is a hard job to report on safeguarding results every year. But there are several interesting examples, where a very active heritage community seems to function. So, in the Flemish inventory you see the active networks emerging, and that’s what policy makers want to do.

Ana Carvalho – And where do you get the resources to draw up these safeguarding plans?

Marc Jacobs – Sometimes it is our local government that sponsors them. In the case of the Belgian beer it was the brewers, they have a lot of money. But often, when they team up with the subsidized and officially recognised heritage institutions, a lot of the work and follow-up is done there, through those brokers and mediators. In some museums, it is part of their job to take care of tangible and intangible heritage, and through that system of linking up with heritage institutions, you see outside people coming to the museum and requesting to help them.

Ana Carvalho – Who are these organizations recognised by?

Marc Jacobs – In practice, they are in most cases recognised by a local government or by the Flemish government.

Filipe Themudo Barata – So, to be included in the regional list you have to present a safeguarding plan and inscribe it on a database.

Marc Jacobs – We have two deadlines every year – May and September –, you have to fill out a form (4-5 pages: who you are, contact persons, what it is about, describe it, and what the safeguarding plan is). It is very easy. At the beginning, we started with just a list with a name of the phenomenon and place, but now the system is more developed. The procedure is as follows: the file is sent to a commission which includes experts, representatives of communities or groups with Intangible Cultural Heritage already on the list, and volunteers. They examine it and give feedback, and then they send it to the Ministry of Culture, that can officialize the decision of that commission. Then, it is put on the inventory or the list. It is sent to an NGO called Tapis Plein (Bruges), which is responsible for developing that database. Originally it was the government, but they outsourced it. They actively document changes and interesting examples. The government intervenes to officialize the inscription on the inventory but for the rest dynamics of civil society should function. For resources, we have project funding. Once you are on that list, it is much easier to get project funding. That is an incentive, but you have to do really interesting things to obtain funds. It is a mechanism designed to have many institutions (heritage organisations) involved and working, and they put pressure on each other to do a better job.

Filipe Themudo Barata – Do you think this is a fair system, at least?

Marc Jacobs – I think so.

Filipe Themudo Barata – Do you think that outside Europe it is possible to organise a system like that?

Marc Jacobs – I think you can organise it like that, and the key is updating. Is it good to inscribe an element on a list, if nobody asks questions about what happens afterwards? Recently, in the meeting in Paris (Sixth session of the General Assembly of the States Parties to the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, 30 May to 1 June), and in the Windhoek meeting (Nov-Dec. 2015), for instance, a lot of emphasis was put on updating. Because in the List of Intangible Cultural Heritage in Need of Urgent Safeguarding List, there was a file from Vietnam that wanted to be removed. The argument was that after four years of urgent safeguarding, it was time to move the file to the Representative List. They requested to set up a procedure. But there are no mechanisms to check this. There are also the periodic reports; a lot of countries are very hesitant to submit those reports. It is a kind of moral pressure on the country, but UNESCO is moving toward a new submission mode for the Lists. They could make a rule saying that, to obtain money, first you have to submit the periodic report.

The “Maître d’art” Pierre Meyer, turner of figures on ivory, with an apprentice. © Alexis Lecomte, Ministère de la Culture – France. Imagem retirada daqui.

Filipe Themudo Barata – What is your opinion on the UNESCO programme Human Living Treasures?

Marc Jacobs – This programme was originally sponsored mainly by South Korea and Japan. There is a very interesting article by Noriko Aikawa-Faure (2014), who is one of the protagonists behind the Convention, and who is a consultant. At this moment, she is making a very critical analysis of how this programme is used in South Korea and Japan. She cautions not to blindly follow these examples. But in a lot of countries they are examining how to do something with the notion of recognition, the apprenticeship system, and so on. I think it is a valuable formula. In Flanders, in Belgium, we managed to convince the Ministry of Culture to try to examine and set up a similar system. In September 2015, there was a big meeting organised by the French UNESCO Commission about this living human treasures programme – how it can be implemented and improved. I think there is some potential there.

The original programme sponsored by Japan and South Korea backfired, because it became a system of recognition with the main effect that the price of products by those masters skyrocketed. It became a very exclusive programme, not primarily about transmission but about exclusiveness. A lot of countries are struggling with it. It is an interesting programme, it should not be just passively accepted but something could be done about it. There is potential, and that’s one of the challenges for the coming years, especially cultivating the connections with economy, tourism, and education. There is a lot of potential there for crafts and arts. I believe in it, but I haven’t seen a very convincing formula developed anywhere yet.

Ana Carvalho – France has the Les Maîtres d’Art (since 1994), for instance.

Marc Jacobs – There is a PhD thesis of Francesca Cominelli (2013) that analysed that programme, discovering flaws. The programme is not always used in the spirit of the Convention. Something else should be developed, I think.

Ana Carvalho – In 2015, UNESCO adopted 12 ethical principles regarding the safeguarding of Intangible Cultural Heritage. What was the motivation behind this initiative? Aren’t there ethics codes already, for each field of research? Anthropology has one, museums have another, and so on. What’s your view on this issue?

Marc Jacobs – Doing something about ethics was a question launched by a lot of countries, Belgium among them, and I was one of the people asking for that. If you look at the Museum Code of Ethics of ICOM, it is a rather unbalanced code of ethics that is not very useful for dealing with Intangible Cultural Heritage. From the anthropological point of view, I like the notion of brokerage and mediation very much. And there is no universally applicable code of ethics – anthropologists are just one of the actors.

The basic idea was to examine whether it would be sensible to make a kind of global code of ethics. Upon reflection, it was said that it was not a good idea, because it is impossible to apply something to the whole world. The solution was to adopt two options. On the one hand, there was the solution of the “12 principles”: basically that’s an exercise in rephrasing or formulating the spirit of the Convention, what the Convention is about, in different words. If you look at the 12 principles, these are very general ideas, but the main characteristic is that, if you put them all together, they occupy only a (few) page(s), which you can translate and distribute all over the world. The document of the 12 principles has a chance of being seen by many eyes and of explaining what the Convention is all about – and that’s already sufficient.

There are some new concepts that have been introduced, one could even say, smuggled, or injected into the 12 principles, which are interesting and new, because they add something to the vocabulary. One of the things is that, instead of “prior and informed consent” there is now “prior and sustained informed consent” (principle n.º 4). This sensitizes for feedback and follow up. Prior and informed consent is one of the criteria for the Representative List – and for the other list too. But by using the word “sustained”, one could, for instance, emphasize that every five years you have to check whether there is still consent within the community.

Ana Carvalho – But that can still be manipulated.

Marc Jacobs – Yes, but at least the word “sustained” is there to be activated, to be mobilized, so there can be a periodic check or follow-up of the consent.

There is another concept – “access and benefit sharing” – which is important in the Diversity Convention, that was introduced or smuggled into one of the 12 principles, opening new doors. It is also there in the UNESCO official document, so it can be used, just like in the texts of the Convention on Biodiversity. And next to promoting the 12 Principles, UNESCO will set up a database on their website with all kinds of ethics tools, e.g. forms and professional codes. UNESCO has to involve accredited NGOs in building up that database. That’s another example of innovation.

Ana Carvalho – The notion of “community” has created several misunderstandings. If I understood well, you prefer the notion of “heritage community” in the Faro Convention (Council of Europe, 2005), which says: “a heritage community consists of people who value specific aspects of cultural heritage which they wish, within the framework of public action, to sustain and transmit to future generations”. Could you explain your perspective regarding this notion?

Marc Jacobs – On the one hand, it is also a very open and constructivist definition. If you see how heritage community is defined in the Faro Convention, you don’t have to be the owner of the heritage, so it can be anyone that has a special interest in it and wants to go for public action around that heritage. On the other hand, I see “heritage community” as a network of actors around heritage – and these could be private persons, they could be museums or other organisations. Basically, we are thinking in terms of networks and not just in terms of a village community, a small, supposedly closed or homogeneous group. By using the word “network”, you can move it to include also experts, centres of expertise and so on. That is how it is used in decrees in Flanders.

Ana Carvalho – So, Belgium uses and adapts the concept but hasn’t ratified the Faro Convention.

Marc Jacobs – Absolutely. Our legislation contains the definition of “heritage community” that we copied from the Faro Convention, but we adapted the definition by adding “organisations”. Personally, I think that by having persons and organizations we can get that network idea – the word “organisation” was smuggled or injected or grafted into that definition. By adding this you can have a whole network structure, and it completely changes the way we can work with this. The advantage of the Convention of Faro is that it is the only European Convention that actually recognizes Intangible Cultural Heritage. So, it is our Trojan horse in the heritage field in Europe, to have Intangible Cultural Heritage included. I like most of what is written in the Convention of Faro, I only have problems with the notion of European heritage as an essence, I don’t believe in that construction.

Filipe Themudo Barata – Which construction do you believe in?

Marc Jacobs – If there are actors with enough energy and plans to call something “heritage” and develop a heritage program, then it is heritage. If you freeze or reify it, if you essentialise it, then it becomes very dangerous. That is also how I think about popular culture. In a network, you have to make it so that no one can possess it, so that it is all over the place: a lot of energy but nobody can control it. It is always a process of finding consensus or a power play, but at least it is something that can change over and over again. That’s what heritage, or a tradition, is. That’s why I like the 2003 Convention – what communities, groups and individuals think is their heritage and the way they manage to convince other people. It is a very relativistic approach.

Ana Carvalho – You are the holder of the UNESCO Chair in Critical Heritage Studies and the Safeguarding of Intangible Cultural Heritage at Vrije Universiteit Brussel. What are your main goals for the near future?

Marc Jacobs – On the one hand, I want to work on the topic of sustainable development, the new chapter VI in the operational directives of the 2003 Convention on sustainable development and hence about 2030 Agenda of the UN. For instance, the role that safeguarding Intangible Cultural Heritage can play for peace processes – let’s take this seriously and find ways to make it work to reflect on how this could happen. And also, I want to organise a number of seminars, meetings, and publications around this.

On the other hand, in Belgium, or in Flanders, I want to develop more research and help a number of people who are starting their PhDs, to build up some research capacity in order to help reflection.

Another goal is to find some international networks of exchange and do projects together. In the coming years, there are several new chairs that are already emerging, one in Turkey, one in Latvia (Anita Vaivade, she is a very strong legal scholar but with great ambition and I really believe in what she is doing). In the Netherlands there will be perhaps one, and there are several others. If these plans work out, we will have about ten chairs, and it will be a good way to work together. I also think connections can be made with the UNESCO Secretariat, to see what can be done together. For instance, the UNESCO Secretariat wants to set up a worldwide monitoring programme on the impact of the Convention. They want to develop a kind of monitoring system over national committees – they will implement this programme in the coming years. I think the Chairs could play a role in this case, to actually follow it up or make it happen. There are several possibilities, and it is always a challenge to see how independent your work can be, and how critically you can work from the UNESCO point of view. I was actively involved in the intergovernmental committee of the Convention until last June. From now on I will just be observing, and that’s something I look forward to.

Referências

AIKAWA-FAURE, Noriko. Excellence and Authenticity: ‘Living National (Human) Treasures’ in Japan and Korea. International Journal of Intangible Heritage, n.º 9, p. 38–51, 2014.

COMINELLI, Francesca. L’économie du Patrimoine Culturel Immatériel: Savoir-faire et Métiers d’Art en France. Thèse de doctorat en Sciences Economiques, Université Panthéon-Sorbonne (Paris), 2013.

Notas

[1] Post-doctoral researcher at the Interdisciplinary Centre for History, Cultures and Societies (CIDEHUS) of the University of Évora (Portugal) and member of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora. Holds a PhD in History and Philosophy of Science, specialization in Museology (2015) and a master degree in Museology. Her research focuses on museums and cultural heritage (tangible and intangible) and national public policies in Intangible Cultural Heritage.

[2] Full Professor at the University of Évora (Portugal) since 2004, where he teaches several disciplines and seminars connected with History (especially Medieval), Heritage and Museology. He is the holder of the UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage of the University of Évora.

[3] There are now (July 2016) 337 elements inscribed in the Representative List and 43 elements inscribed in the Urgent Safeguard List. And the Register of Best Safeguarding Practices has only 12 projects.

[4] Tim Curtis started as secretary in beginning of 2016. He has PhD in Cultural Anthropology and has worked for UNESCO since 2000. Curtis has more than 11 years in the field, first at UNESCO Office in Dar-es-Salaam (Tanzania) and then as head of UNESCO’s Cultural Unit in Bangkok (Thailand). He succeeded Cécile Duvelle who was secretary between 2008 and 2015.

[5] Belgium has now (July 2016) 10 elements inscribed in the Representative List and two projects on the Register of Best Safeguarding Practices.

[6] The file for the beer culture in Belgium as an element of Intangible Culture Heritage is at the moment (July 2016) under process by UNESCO for the Representative List.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 16.º número da revista Memória em Rede:

Carvalho, Ana, e Filipe Themudo Barata. 2017. “Ethics in Intangible Cultural Heritage Public Policies: Interview with Marc Jacobs.” Revista Memória em Rede 9 (16): 165–80. https://periodicos.ufpel.edu.br]

Que políticas museológicas para Portugal? Entrevista com David Santos

Imagem de rosto de David Santos

Fotografia de David Santos com base em imagem de Arlindo Homem.

David Santos é cara conhecida de muitos de nós, tendo feito notícia a sua demissão do Museu do Chiado em Julho de 2015, cargo que ocupava desde 2013. Foi ainda director do Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira). É Historiador de arte e curador de arte moderna e contemporânea, sendo doutorado em Arte Contemporânea pela Universidade de Coimbra, mestre em História Política e Social, pela Universidade Lusófona, pós-graduado em História da Arte e licenciado em História, na variante de História de Arte, pela Universidade Nova de Lisboa. Mas é como subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades atribuídas na área dos museus, cargo que ocupa desde Fevereiro de 2016, que nos concedeu esta entrevista.

Ainda sem uma estratégia tornada pública que estabeleça orientações e metas para a política museológica a ser seguida, David Santos destaca, no entanto, uma das prioridades da DGPC para o campo dos museus e do património: uma “verdadeira” democratização do acesso. Como? No investimento na comunicação das colecções através do digital, na valorização das actividades por via de maior divulgação, nomeadamente publicidade, no estímulo às parcerias e na procura de mais apoios mecenáticos. É de realçar um dado positivo para 2017: a possibilidade de entrarem 37 assistentes técnicos para os museus, palácios e monumentos tutelados pela DGPC, com a abertura prevista de novos concursos públicos.

****

Ana Carvalho – Foi nomeado subdirector-geral da DGPC em Fevereiro de 2016. Quais são as funções e atribuições do cargo?

David Santos – Em termos gerais e sucintos, diria que como subdirector-geral do Património Cultural com a área dos Museus, Palácios e Monumentos, exerço funções de coordenação da programação geral dessas instituições, procurando atender a todas as ligações entre as suas direcções intermédias e a gestão central da DGPC e do Ministério da Cultura.

Ana Carvalho – Que balanço é possível fazer destes dez meses de trabalho?

David Santos – O balanço é bastante positivo, apesar de ter consciência do muito que falta fazer e do pouco tempo que esta direcção teve para avançar com uma estratégia própria. Em termos individuais, nestes primeiros meses de acção e desempenho directivo procurei contribuir para a criação de condições que garantissem a execução dos programas dos nossos museus, palácios e monumentos (MPM), contornando algumas dificuldades e apostando numa mais eficaz divulgação de alguns dos seus momentos mais decisivos (desde a Noite Europeia dos Museus, que observou um aumento extraordinário de público, a grandes exposições e eventos ao longo do ano até à reabertura do Museu de Arte Popular). Mas, nesta altura, o mais importante é sublinhar a entrega inexcedível das equipas dos MPM, dos directores aos vigilantes, que contribuíram de modo decisivo para esta dinâmica cultural, confirmando, uma vez mais, que, apesar das dificuldades que o sector atravessa devido a restrições orçamentais, é possível continuar a realizar um trabalho de referência. Essa dedicação por parte de todos os profissionais, a quem gostaria de manifestar aqui o meu reconhecimento, é um dos principais factores que têm influenciado o crescente número de visitantes nos nossos MPM. No caso dos museus, esse crescimento resulta sobretudo da qualidade das colecções e do programa de exposições temporárias, que reflecte a conciliação da investigação científica com a dinâmica de interesse público. A este respeito, poderei dar como exemplo mais recente, o êxito da exposição Amadeo Souza Cardoso. Porto/ Lisboa. 2016-1916 que levou ao Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, mais de 40 mil visitantes e que agora inaugura no Museu do Chiado, prevendo-se igual sucesso. De resto, o crescimento do número de visitantes nos MPM registou em 2016 um aumento de 15,5% em relação ao ano anterior, num total de 4 milhões e 680 mil pessoas. Por isso, tendo em conta o tempo que levo no exercício de funções e tudo aquilo que conseguimos fazer e projectar, só posso considerar como positivo o balanço destes meses de trabalho, lembrando por fim, a dinâmica profissional que resultou da realização em Lisboa, nos dias 13, 14 e 15 de Dezembro último, do IV Encontro de Directores de Museus de Portugal e Espanha, no auditório do novo Museu dos Coches. Uma iniciativa que se impunha há muito e que esta direcção fez questão de concretizar ainda em 2016.

Ana Carvalho – Quais os objectivos da política museológica da DGPC a curto e médio prazo?

David Santos – Consignado no decreto-lei 115 de 2012, a DGPC tem por missão assegurar a gestão, salvaguarda, valorização, conservação e restauro dos bens que integram o património cultural imóvel, móvel e imaterial do nosso país, bem como desenvolver e executar a política museológica nacional. Por isso, cabe a esta Direcção-Geral definir uma estratégia de afirmação dos museus, estabelecer as suas prioridades e implementar um programa geral, atendendo sempre às especificidades de cada uma das instituições por nós tutelada.

O objectivo imediato da actual direcção é promover os museus, palácios e monumentos tendo em conta a valorização das suas colecções e uma maior divulgação dos seus “tesouros nacionais”, por forma a potenciar o valor cultural e patrimonial desse legado. Depois da recente reabertura do Museu de Arte Popular, esta direcção pretende criar condições para uma maior consolidação institucional dos nossos museus, articulando o apoio orçamental aos programas de actividades e uma maior participação na melhoria e enriquecimento das colecções, isto é, do nosso património museológico.

Ana Carvalho – Quais são as principais as prioridades e quais os grandes desafios?

David Santos – O grande desafio, e nessa medida, a principal prioridade será criar as condições para uma verdadeira democratização do acesso ao nosso património cultural, quer através de campanhas de aproximação e de participação real, por um lado, quer, por outro, mediante o investimento qualitativo da comunicação online em torno das colecções e do património, promovendo assim uma maior participação virtual, com o objectivo de chamar mais os portugueses a uma cidadania de participação cultural, entendida essencialmente como factor de identidade e de partilha. Para isso, esta direcção está empenhada numa crescente valorização do plano de actividades ao apostar no desenvolvimento consequente da sua maior divulgação, mediatização e publicidade (estratégia que teve já em 2016 alguns avanços com campanhas na televisão, rádio e imprensa), bem como no aprofundamento de uma política de protocolos de mecenato para cada um dos “serviços dependentes” (museus, palácios e monumentos) e outras parcerias com o claro objectivo de incrementar uma profícua participação de outros sectores da sociedade na vida dessas instituições de referência nacional. Deste modo, a divulgação, o apoio mecenático e as parcerias deverão apoiar de modo directo a qualificação dos serviços e do programa dos museus, palácios e monumentos, obedecendo de modo inequívoco a critérios de excelência como veículo de reconhecimento da dimensão nacional desses equipamentos que potenciam a distinção identitária do país e a sua valorização cultural, turística e económica.

Estou certo de que o desenvolvimento de um mais forte processo de consciencialização e promoção do valor específico deste património cultural poderá contribuir para uma maior participação na nossa vida colectiva e, dessa forma, para um melhor exercício da nossa cidadania.

Ana Carvalho – As conclusões de um grupo de trabalho da DGPC noticiava a 7 de Janeiro de 2016 pelo jornal Público algumas conclusões. Entre elas «a menorização da Rede Portuguesa de Museus e dos recursos que lhe estão afectos». Que passos têm sido dados para colmatar esta situação e o que se perspectiva no futuro?

David Santos – Em relação à Rede Portuguesa de Museus (RPM), relembro que o actual quadro institucional português na área da cultura não comporta a existência de uma Estrutura de Projecto RPM e respectiva equipa alargada, tal como foi concebida a Rede aquando da sua criação no ano 2000. No actual contexto orgânico, a DGPC tem procurado executar as respectivas atribuições através de acções desenvolvidas pelo Departamento de Museus, Conservação e Credenciação, das quais destaco o programa de formação anual RPM, que desde 2014 contou com 18 acções de formação sobre temáticas nucleares da actividade museológica e foi frequentado por mais de 400 profissionais de museus; a instrução de candidaturas à credenciação de museus, mais de 30 processos instruídos desde 2013 que resultaram já na integração de dez novos museus na RPM; a articulação, a promoção e a divulgação dos museus que integram a Rede, através da página do Facebook da RPM, do website da DGPC e da plataforma internacional “Registo Ibero-americano de Museus” (Ibermuseus); a prestação de apoio técnico e consultoria especializada a museus da RPM ou em fase de credenciação, quando justificável em articulação com as Direcções Regionais de Cultura, bem como a emissão de pareceres sobre projectos de museus RPM a candidatar a apoios financeiros ou a implementação, em 2016, de uma acção de monitorização dos museus RPM.

Considero que a DGPC tem contribuído para o cumprimento dos objectivos previstos no artigo 103 da Lei-Quadro dos Museus Portugueses – especificamente no que se refere à valorização e à qualificação da realidade museológica nacional; à cooperação institucional e articulação entre museus, à racionalização dos investimentos públicos em museus, bem como à difusão da informação relativa aos museus, à promoção do rigor e do profissionalismo das práticas museológicas e das técnicas museográficas e ao fomento da articulação entre museus. Reconheço que seria desejável que a acção da DGPC neste plano tivesse ainda maior alcance, sendo que esta Direcção-geral prossegue o seu firme compromisso com a RPM, procurando avançar paulatinamente na consolidação dos eixos de actuação já iniciados, não deixando de recordar que o nosso país vive ainda um contexto marcado por adversidades de ordem económica e orçamental.

Ana Carvalho – O mesmo relatório da DGPC sublinhou o envelhecimento das pessoas que trabalham nesta organização e em serviços dependentes: 58% tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre os 25 e os 34 anos. Sendo expectável que até 2020 120 efectivos se aposentem. Abrangendo esta realidade os museus nacionais, o que está previsto para combater esta situação?

David Santos – O panorama descrito nesse relatório plasma uma realidade que é transversal a todo o serviço público estatal e, nessa medida, os serviços centrais da DGPC e os serviços dependentes, isto é, os museus, palácios e monumentos por nós tutelados ressentem-se igualmente de uma situação que tem já muitos anos, mas que neste momento, e a cada ano, se torna mais visível. A resolução, pelo menos parcial, desse problema terá de ser igualmente desenhada a um nível geral, sendo certo que este ano de 2017 vamos ter, conforme anunciado pelo Sr. Ministro da Cultura, e entretanto já publicados em Diário da República os primeiros concursos, um reforço de pessoal de cerca de 37 novos profissionais, ao nível de assistentes técnicos para os museus, palácios e monumentos. Apesar de não resolver todos os problemas dos nossos espaços ao nível das áreas de vigilância e de recepção, permitirá, contudo, uma maior margem de manobra e gestão de serviço em várias das nossas instituições.

****

Esta entrevista foi originalmente publicada em:

Carvalho, Ana. 2017. “Entrevista com David Santos” Boletim ICOM Portugal 8 (Janeiro): 17-20. http://hdl.handle.net/10174/20115