Arquivo da Categoria: Intangible Cultural Heritage

Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

(Fonte: Bookdepository.com)

Alivizatou, Marilena. 2012. Intangible heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation. Walnut Creek: Institute of Archeology. Vol. 8, Critical cultural heritage series. 225 páginas. ISBN: 978-1-61132-151-7.

Falar de Património Cultural Imaterial (PCI) é hoje uma tendência internacional como resultado da elaboração da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003). No contexto dos museus, a bibliografia que problematiza este novo enfoque é visivelmente crescente, seja em Portugal (ver, Carvalho 2011 [1], entre outros), seja no contexto internacional, como comprova esta recente publicação (Agosto de 2012). A autora, Marilena Alivizatou, é uma investigadora de origem grega que colabora no Institute of Archaeology University College London (informação sobre a autora aqui). Em grande medida, o livro é o resultado da investigação que autora começou a desenvolver a partir de 2003 até ao presente, sendo parte deste trabalho referente à sua tese de doutoramento. Pode dizer-se que este livro é uma síntese desse percurso de investigação.

O que a autora se propôs a fazer foi uma análise crítica do PCI em contexto museológico tanto do ponto vista conceptual como do ponto de vista das práticas. Para o efeito, Alivizatou fez um estudo comparativo de cinco museus em distintos contextos culturais, sociais e políticos: o National Museum of New Zealand Te Papa Tongarewa (Wellington, Nova Zelândia), um museu cujas colecções recuam ao séc. XIX, mas que é criado nos anos noventa (abertura em 1998); o Vanuatu Cultural Centre (Port Vila, Vanuatu), que na origem era um pequeno museu colonial (1956) com colecções etnográficas e de história natural, e que é actualmente um centro cultural indígena; o National Museum of the American Indian (Washington e Nova Yorque, EUA), que abriu em 2004, mas cuja história remonta às primeiras décadas do séc. XX; o Horniman Museum (Londres), fundado no séc. XIX e renovado em 2002 (colecções etnográficas, espécimes de história natural, etc.); e finalmente, o polémico Musée du Quai Branly (Paris), que surgiu em 2006, reunindo as colecções etnográficas do Musée de l’Homme (cuja reabertura tem vindo a ser adiada, estando actualmente prevista para 2015) e as colecções do Musée National des Arts d’Afrique et de l’Oceanie, que encerrou para vir a dar lugar no mesmo espaço à Cité Nationale de l’Histoire de l’Immigration.

A autora tem em conta o discurso sobre PCI via UNESCO, mas assume uma postura  crítica e reflexiva quanto ao discurso oficial, apresentando uma abordagem alternativa à museologia mainstream. Trata-se de um livro de referência para todos os que se interessam pela problematização do património no mundo dos museus.

Conteúdos:

List of Illustrations, p. 9

Acknowledgments, p. 13

1. Intangible Heritage and the Museum, p. 15

2. Global Preservation and Beyond, p. 27

3. From Artefacts to Communities: Participation and Contestation at the Papa Tongarewa, p. 49

4. At the Interface of “Kastom” and Development: The Case of the Vanuatu Cultural Centre, p. 77

5. Intangible Heritage and the Living Memorial of Native Americans, p. 105

6. Reinventing the Gift at the Horniman Museum, p. 135

7. The Dialogue of Cultures, “Laicité”, and Intangible Heritage at the quai Branly, p. 159

8. Rethinking Cultural Preservation, Museum Curation, and Communities, p. 189

Notes, p. 193

Glossary, p. 199

References, p. 201

Index, p. 219

About the Author, p. 225

——————————————————————-

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri e Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora. Sobre o livro consultar o seguinte endereço: http://pcimuseus.wordpress.com/.

Património Cultural Imaterial em foco

Sampaio, Teresa. 2012. Conversas de poial: quando a memória é a várias vozes. Palmela: Câmara Municipal de Palmela. 46 p. (sem ISBN)

Esta é uma pequena publicação em suporte digital de divulgação do projecto “Conversas de poial” desenvolvido pelo Museu da Câmara Municipal de Palmela. A iniciativa teve início em 2009 no âmbito de uma exposição temporária sobre o centro histórico: «Patrimónios: Centro Histórico da vila de Palmela» (com apoios do QREN), e a primeira fase terminou este ano.

“Conversas de poial” enquadra-se numa iniciativa de valorização do Património Cultural Imaterial (PCI) das populações que habitam o centro histórico de Palmela. O objectivo foi o de “recolher e divulgar estórias que estão subjacentes aos acontecimentos que determinaram o desenvolvimento do território” de Palmela (p. 4).

O projecto consistiu na recolha de histórias junto dos habitantes, em diversos espaços do centro histórico, e consoante os temas lançados pela equipa do museu (ex. comércio, sociabilidade e lazer; arquitectura, habitalidade, jardins da memória, património religioso, etc.). Este projecto insere-se também na linha do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos pelo Arquivo de Fontes Orais (AFO) do museu, criado em 2003. Note-se que este foi um dos primeiros museus portugueses a criar um arquivo de história oral[1]. Ainda que o arquivo não seja acessível ao público, iniciativas como esta demonstram que este é um trabalho que se vai construindo e consolidando[2].

Após um texto de apresentação (assinado por Ana Teresa Vicente, Presidente da Câmara) e de alguma informação de contexto sobre o projecto (ex. metodologias, etc.) e sobre o papel do PCI (ex. instrumentos normativos internacionais, etc.), o enfoque principal desta publicação é o capítulo intitulado “Memórias narradas … em conversas de poial (2009-2012)”, que apresenta excertos dos testemunhos orais recolhidos e que seguem uma lógica temática. A título ilustrativo, estes testemunhos são acompanhados de fotografias também recolhidas ao longo do projecto (ainda que não se identifiquem as imagens seja do ponto de vista da proveniência como da data).

Mais do que os resultados de um projecto de investigação, este documento serve sobretudo propósitos de divulgação em jeito de homenagem a todos quantos participaram nas “Conversas de poial”.

O documento está disponível aqui:

http://www.cm-palmela.pt/NR/rdonlyres/557A681C-D043-44FA-8D57-4EA5B9BC2E2C/84584/PUBLICACAOconversaspoial.pdf


[1] Para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora. P. 143-149.

[2] Algumas recolhas realizadas pelo Museu Municipal de Palmela/AFO estão disponíveis no site: http://www.memoriamedia.net/

Olhares sobre o imaterial

Está patente ao público na Biblioteca de Alcochete a exposição “Olhares sobre o Imaterial” (até 21 de abril de 2012). A iniciativa resulta de uma parceria com a Comissão Nacional da UNESCO. Trata-se de 19 fotografias que ilustram o Património Cultural Imaterial.

No contexto desta exposição realiza-se no próximo dia 13 de abril (sexta-feira) duas palestras, uma Dra. Anna Paula Ormeche e a outra pela Dra. Clara Bertrand Cabral. As palestras têm lugar na Biblioteca Municipal de Alcochete, pelas 11h00.

“A Dra. Anna-Paula Ormeche vai contextualizar o trabalho da Unesco, das Comissões Nacionais e das redes coordenadas por estas, ao passo que a Dra. Clara Cabral vai abordar a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Uma iniciativa realizada em parceria com a Comissão Nacional da Unesco.” (fonte: site Câmara Municipal de Alcochete)

Mais informações: 212349720; biblioteca@cm-alcochete.pt

Sobre as conferencistas:

Clara Bertrand Cabral é antropóloga e Mestre em Ciências Antropológicas pela Universidade Técnica de Lisboa/ Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Actualmente é responsável pelo sector da Cultura na Comissão Nacional da UNESCO onde, entre outras actividades, acompanha a aplicação em Portugal das Convenções da UNESCO na área da Cultura. Tem realizado trabalhos de investigação nas áreas de etnografia, etnotecnologia, museologia e património. Desde 2007 tem vindo a estudar a Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial e a sua aplicação em Portugal no âmbito da preparação da dissertação de mestrado intitulada “Património Cultural Imaterial. – Proposta de uma metodologia de inventariação” (sobre a tese ver mais aqui). Publicou em 2011 o livro “Património Cultural Imaterial-Convenção da UNESCO e seus contextos” (Edições 70, nº 98 da Col. Arte & Comunicação) (Sobre o livro ver mais aqui). Além de docente, tradutora e jornalista exerceu funções no IQF – Instituto para a Qualidade na Formação como dinamizadora da Rede de Centros de Recursos em Conhecimento e coordenadora de Projectos de Intervenção Comunitária EQUAL (Adaptado de: http://www.wook.pt).

Anna-Paula Ormeche é especialista de Programa na Comissão Nacional da UNESCO e responsável pela rede portuguesa de Centros e Clubes UNESCO. Tem trabalhado também como tradutora e intérprete em empresas nacionais e estrangeiras.

Sinfonia Imaterial


© INATEL

Na passada sexta-feira, dia 24 de fev (2012)., o filme Sinfonia Imaterial (de Tiago Pereira), que se encontra em digressão desde 2011, foi apresentado no contexto da Pós-Graduação de Património Cultural Imaterial da Universidade Lusófona (Ler mais sobre o curso aqui).

Para além das emoções que o filme suscita dá-nos a conhecer a imensa diversidade do nosso património, que se revela em muitos casos surpreendente. Não pretendendo um levantamento exaustivo de todo o património oral e musical, o filme permite perceber que este é um campo de infinita descoberta e que questiona muitas ideias preconcebidas sobre o nosso património. Por outro lado, o filme deixa transparecer que em muitos casos as ligações dos jovens às tradições ainda prevalece, contrariando a ideia generalizada de uma ruptura entre a tradição e a modernidade. As recolhas realizadas no âmbito deste filme deixam um lastro de curiosidade, uma espécie de convite a conhecer um Portugal claramente diverso e que não está valorizado. Para além disso, o filme parece confirmar também a ideia de que o Património Cultural Imaterial é de facto uma fonte de inspiração para a construção do presente e de novas identidades num mundo em transformação.

Sobre o filme:

“Um registo das práticas musicais de tradição oral portuguesa, que estão vivas e que prevalecem nas várias regiões de Portugal continental e ilhas; os ritmos mais raros e relevantes, o desempenho das vozes e talentos amadores num concerto único.”

“Sem voz-off ou entrevistas, o filme documenta o património oral e musical, recolhendo as práticas existentes de norte a sul do país incluindo ilhas, descobrindo a riqueza rítmica de cada paisagem sonora e explorando a ideia de um Portugal culturalmente diversificado.”

O filme foi encomendado pela Fundação INATEL (ONG reconhecida pela UNESCO como perita no âmbito da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial).

Mais informações:
http://www.inatel.pt/content.aspx?menuid=642
patrimonioimaterial@inatel.pt

Fonte: Folheto promocional do Filme, Fundação INATEL

Colóquio sobre o Inventário do Património Imaterial

No próximo dia 12 de Dezembro realiza-se o colóquio “Inventário Nacional do Património Imaterial: Desafios e Perspectivas”. Merece particular destaque a mesa-redonda que inclui os participantes da Comissão para o PCI.

A organização é do departamento do PCI do IMC. A entrada é livre e sujeita à capacidade do auditório do Museu Nacional de Etnologia.

Sobre o colóquio:

A concretização deste primeiro processo de registo no Inventário Nacional assume um particular significado no recente trajecto de salvaguarda e valorização do património imaterial em Portugal, sendo expressão simultânea: do trabalho desenvolvido pelo Instituto dos Museus e da Conservação como organismo de referência para esta área desde 2007; do trabalho desenvolvido pela Comissão para o Património Cultural Imaterial, desde a sua entrada em funções em inícios de 2011; do cumprimento, por parte do Estado Português, de uma das suas obrigações fundamentais decorrente da ratificação da “Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial” (UNESCO, 2003), relativa à criação de inventários do PCI.

(Fonte: site do IMC)

Mais sobre o programa no site do IMC: http://www.imc-ip.pt/

Livro “Património Cultural Imaterial”

Foi lançado, no passado dia 29 de Setembro, o livro “Património Cultural Imaterial-Convenção da UNESCO e seus contextos” de Clara Cabral (Edições 70, nº 98 da Col. Arte & Comunicação).

Sobre o livro:

A ratificação por Portugal, em 2008, da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem suscitado grande curiosidade quanto à sua natureza, características e valor para a sociedade.

O que é o património cultural imaterial? Porque é importante a sua salvaguarda?

Qual a utilidade de um instrumento normativo internacional?

Estas são algumas das questões analisadas no presente livro, onde se dá a conhecer a Convenção da UNESCO de forma simples e objectiva para que todos possam colaborar eficazmente na salvaguarda do nosso extenso e riquíssimo património intangível.

(Fonte: Edições 70)

Conteúdos:

Prefácio
Introdução
1. Apontamentos sobre património e cultura
1.1. Essência e desígnios do património cultural
1.2. Questões culturais na sociedade global
1.3.Direitos culturais colectivos
1.3.1. Populações indígenas
1.3.2. Minorias
1.3.3. Grupos de migrantes
1.4. Folclore e cultura popular
2. Convenção do Património Cultural Imaterial
2.1. Criação da Convenção de 2003
2.2. Relação com a Convenção do Património Mundial
2.3. Órgãos e mecanismos da Convenção
3. Salvaguarda como processo participativo
3.1. Identificação, documentação e pesquisa
3.1.1. Inventários
3.1.2. Inventariação
3.2. Viabilização a longo prazo
4. Listas da Convenção
4.1. Lista Representativa
4.2. Lista de Salvaguarda Urgente
4.3. Programas, Projectos e Actividades
5. Impactos sobre as comunidades e grupos
5.1. Propriedade Intelectual
5.2. Turismo
5.3. Desenvolvimento sustentável
6. Aplicação da Convenção em Portugal
6.1. Contexto normativo
6.2. Entidades responsáveis e agentes no terreno
7. Notas finais
Bibliografia
Anexos
Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial
Directivas Operacionais para a Aplicação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (excertos)
Lei n.º 107/2001 de 8 de Setembro (excertos)
Decreto-Lei n.º 139/2009 de 15 de Junho
Portaria n.º 196/2010 de 9 de Abril

(fonte: informação enviada pela autora)

O livro pode ser adquirido aqui:
http://www.almedina.net/

ou aqui:
http://www.edicoes70.pt/site/node/440

CONF: "Les mesures de soutien au patrimoine immatériel: gouvernements, institutions et municipalités"

Les mesures de soutien au patrimoine immatériel: gouvernements, institutions et municipalités
14-17 avril 2011 | Hôtel Château Laurier
Ville de Québec (QC) Canada

A conferência conta com uma participação portuguesa, Cristina Baptista (membro do conselho administrativo da Fundação INATEL).

Mais informações:
http://patrimoine-immateriel.qc.ca/%20colloque

Concurso para o Património Cultural Imaterial

“Vive o PCI – Património Cultural Imaterial” é o tema de um concurso de fotografia e vídeo promovido pela Direcção Regional de Cultura do Algarve em colaboração com a Fnac Algarveshopping.

O concurso decorre entre 01 Fevereiro e 30 de Julho de 2011.

Veja aqui para saber como participar!

Site do concurso:
www.vivepci.com

Mais informações:
Direcção Regional de Cultura do Algarve
Rua Francisco Horta n.º 9, 1º D
Apartado 492
8000-345 Faro

Tel.: 289 896 070 ▪ 289 803 633 ▪ 289 803 901 ▪ 913 731 309 ▪ 961 560 782

E-mails: comunicacao@cultalg.pt; tmorais.estagio@cultalg.pt

A categoria de Património Cultural Imaterial – abreviadamente PCI – é a expressão de um recente alargamento da velha noção de património etnográfico, institucionalizado internacionalmente pela UNESCO na convenção de 17 de Outubro de 2003 e ratificado por Portugal em Março de 2008.

Neste universo integram-se práticas, representações e expressões tradicionais que se manifestam oralmente, através de manifestações artísticas e de carácter performativo, de práticas sociais, rituais e festividades, concepções conhecimentos e práticas relacionados com a natureza e o universo, bem como os conhecimentos e competências técnicas tradicionais, bens materiais e espaços que lhes estão associados, que as comunidades reconhecem como parte integrante da sua herança cultural, no quadro de uma titularidade colectiva e de uma efectiva transmissão entre gerações.

Sendo objecto de uma constante recriação – e daí também a sua fragilidade enquanto património, porque exposto à transformação dos sistemas de produção, da sociedade e dos saberes – o Património Cultural Imaterial proporciona um sentimento de identidade e de continuidade aos grupos e comunidades, um nexo de trajectória com espessura temporal, com passado e futuro e em que o presente é gerador de felicidade, compatível com os direitos humanos tal como estes são internacionalmente aceites.

Pela sua natureza específica, este património só pode ser preservado se for sentido como uma necessidade vital de afirmação do indivíduo, de asserção do colectivo, no respeito pela diversidade e por aquilo que nos aproxima enquanto pessoas.

Para salvaguardar o PCI é necessário atrever-se a ser diferente: e a maneira mais eficaz de o ser é manter a tradição. Vivendo-a.

Direcção Regional de Cultural do Algarve

Colóquio Património Imaterial em Portugal, 31 Jan. 2011

No próximo dia 31 de Janeiro (segunda-feira) terá lugar o colóquio “Património Imaterial em Portugal: dos enquadramentos globais às actuações no terreno. Realiza-se no auditório do Museu Nacional de Etnologia e é organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

Programa

Call for papers: International Journal of Intangible Heritage, até 15 Dez. 2010

PLEASE ANSWER TO: ijih.editor@gmail.com

*International Journal of Intangible Heritage *

*Call for papers*

*International Journal of Intangible Heritage* seeks to be an inter communicative and interdisciplinary channel for scholarly research on intangible heritage around the world with respect to its preservation, transmission and promotion. With critical academic articles, provocative viewpoints and reviews, the *IJIH*, a peer-reviewed academic journal tries to enrich discourses on intangible heritage that reflects the connections between intangible heritage and people.

*International Journal of Intangible Heritage* is an annual-basis publication officially supported by the International Council of Museums (ICOM) with its publication secretariat office in the Cultural Exchange and Education Division, the National Folk Museum of Korea

*Deadline for the IJIH Vol.6*: *Dec. 15th. 2010*

*Editor-in-Chief*: Professor Amareswar Galla (E-mail: *a.galla@yahoo.com.au*)

*Publication Secretariat* ijih.editor@gmail.com

※ Prospective authors are requested to submit *the submission
form*attached with her/his article.

For further information and inquiries, please refer to the official webpage of IJIH: www.ijih.org

*How to write papers for International Journal of Intangible Heritage* **

*Scope *

Prospective authors may submit academic and research papers, columns, and short articles of 2000 words or reviews of 1,000 words on intangible heritage for publication in the journal.

*Format*

Manuscripts should adhere to the following criteria:

*(1) Format *

Whatever word processing system is used to produce the manuscript, the final file should be saved and submitted in unjustified text alignment such as a Rich Text Format(RTF) file, without other formatting such as MS word.

*(2) Length *

Articles should be between 4000 and 6000 words long, excluding notes, bibliography and captions to illustrations. We aim for roughly 800 words for the page.

* To publish a longer article having more words, please consult with the Editorial Board by email to the Editor-in-Chief (*a.galla@yahoo.com.au*).

*(3) Typing *

The preferred font is either 12-point Times New Roman or 11-point Arial.
Authors should not use different fonts and different sizes of type.

*(4) Margin *

Margins should be at least one inch wide on all sides. Please do not justify the right margin. Left justification only.

*(5) Automatic utilities such as bullet points, endnotes,etc.*

Automatic utilities such as bullet points, endnotes,etc. may be lost when the file is transferred to printer’s typesetting. Please type these in by hand or, in the case of endnotes, put them in a separate file.

*(6) Photographs and Images *

– Wherever possible photographs or other illustrations should be submitted in digital form in either JPEG, EPS or TIFF formats. A satisfactory digital photography is likely to be at least 1MB file.

– Scanned images must be prepared at a resolution of not less than 300 dpi.

– Photographs taken by digital cameras should preferably be taken at a 2048X1536 pixels setting, using ‘Fine’ if possible.

– Each image should be saved and attached to the email message submitted with the manuscript as a separate file. These should not be embedded.
Captions etc. (these should include any necessary acknowledgement of copyright) should be sent as a separate file.

– It is the authors’ responsibility to obtain necessary permission for use of copyright materials. All such material should be acknowledged in accordance with the terms of any copyright permission.

*(7) Title Page*

The title page should adhere to the following criteria:

– Full Title: this should be specific and concise indicating the subject and scope of the paper submitted.

– Sub-title: the subtitles for page headers should contain no more than 50 characters (including spaces).

– The name of the author: this should appear with details of the author’s nationality and the name of the organisation to which they are affiliated.

-Abstract: authors are requested to submit an abstract of approximately 200 words outlining the content of their paper.

*(8) Citations*

Endnotes should be indicated in the text in normal type in the form of (1)
(2) (3). List each note at the end of the article followed by a bibliography. Authors are requested not to use their word-processing system’s Endnote/Footnote system as these are generally not compatible with printers’ typesetting systems.

*(9) Bibliography and references*

In matters of style, IJIH generally follows the rules set out in the Chicago Manual of Style (Chicago: University of Chicago Press, the 15th Edition, 2003).

Electronic Sources (Web, CD etc.): It is suggested that authors refer to the pages or CD titles (or the nearest equivalent) with the full web address (or CD publisher and catalogue number) and the date consulted.

Please refer to
http://www.chicagomanualofstyle.org/tools_citationguide.html for details.

Tese de Mestrado: "Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação"

Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação
Autora: Clara Maria Ferreira Bertrand Cabral
Orientação: Maria Celeste Gomes Rogado Quintino
Dissertação apresentada ao Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas/Universidade Técnica de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em Ciências Antropológicas (pré-Bolonha)
Ano: 2009. Tese defendida a 26 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Maria Celeste Gomes Rogado Quintino (Presidente), Maria Elsa Marques Peralta da Silva, Maria de Fátima Calça Amante

Resumo: O tema desta dissertação de mestrado em Ciências Antropológicas aborda o problema da inventariação do património imaterial tal como configurado na Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial e explora um conjunto de questões centrais na antropologia que permitem pensar a aplicação da Convenção no estudo e inventário das manifestações em contexto português.

Os objectivos da pesquisa sustentam-se em dois eixos de análise que se inter-relacionam e se apoiam em recursos conceptuais e analíticos sugeridos pela revisão da literatura. Num primeiro eixo, procura-se conhecer o “contexto de aplicação”, focando a atenção nos aspectos do património cultural imaterial e do inventário configurados nos textos decorrentes da Convenção e nos normativos portugueses regulamentares. Esta análise convoca um conjunto de contributos teóricos da antropologia.

Num segundo eixo, procura-se compreender os processos implicados na definição de metodologias de inventariação, especificando procedimentos e recomendações que contribuem para a resolução do problema do inventário do património cultural imaterial e desenhando os instrumentos de recolha de dados etnográficos e de inventariação. A metodologia e instrumentos de inventariação propostos foram aplicados em contexto de trabalho de campo a uma manifestação do património cultural imaterial local, a produção de olaria pedrada em Nisa.

Conf: "A Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios", 27 Mar. 2010

A HERANÇA NAZARENA: ao encontro dos patrimónios

Data do evento: 27 de Março de 2010
Local: Auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré
Organização: Liga dos Amigos da Nazaré

PROGRAMA

As questões relacionadas com o Património tem vindo a assumir um papel de destaque, que se reflecte nas iniciativas promovidas e/ou apoiadas pelos órgãos do Estado, reconhecendo-se assim, que a qualidade de vida, bem como o desenvolvimento social e cultural das populações, depende da relação e valorização dos seus bens patrimoniais. Para alem destas mais valias sociais, o Património revela‐se cada vez mais como um importante gerador de riqueza, tal como foi concluído num estudo recente (“Cultura, Conhecimento e Desenvolvimento Económico e Social”; Augusto Mateus, 2009), já que o turismo cultural, está associado a uma maior informação e interesse, sendo por isso mais rentável que outro tipo de turismo. Contudo, para que possa haver uma optimização destas mais‐valias, é necessário repensar e requalificar o património numa perspectiva de continuidade e de integração da mudança, evitando separar o Passado do Futuro. Este processo deverá ser acompanhado de um investimento nos equipamentos culturais, da mobilização de corpos técnicos qualificados e do envolvimento das populações, para que desta forma se possa promover a entrada das regiões com potencial turístico, nos circuitos culturais internacionais. Tendo por base estas linhas mestras, e os seus princípios estatutários, a Liga dos Amigos da Nazaré, promove a conferencia “A herança nazarena: ao encontro dos patrimónios”, que terá lugar no dia 27 de Marco no auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré.

A escolha da palavra “herança” é simbólica e foi buscar a sua inspiração ao conceito de “Living Heritage” proposto pela UNESCO. Pretende‐se assim, introduzir o sentido de continuidade, que deve estar associado ao Património. “Heranca” remete para a ideia de algo que vem do Passado para se manifestar no Presente, devendo por isso ser preservado e gerido para que possa ser usufruído no Futuro. Já o plural dado a palavra “património” esta relacionado com a amplitude conceptual que esta noção encerra. A ideia é realçar que na realidade não existe “um Património”, mas sim vários. Tendo em conta as características da Nazaré, optou‐se por apresentar para debate, questões relacionadas como Patrimonio imaterial e artístico, marítimo e arquitectónico, na medida em que congregam elementos importantes da vivência nazarena, sobre os quais importa reflectir.

A organização dos conteúdos temáticos, tem subjacente uma lógica de “materialização” do património, já que se parte da apresentação de conceitos e exemplos do “Patrimonio imaterial e artístico”, passando pela questão do “Patrimonio marítimo” que reúne elementos de essência imaterial e material, para finalizar com a temática do “Patrimonio arquitectónico” que será o corpo metafórico desta materialização.

Os objectivos desta iniciativa passam pela identificação e formas de valorização dos patrimónios da Nazaré, procurando envolver a população, de modo a que os cidadãos possam assumir de modo informado e consciente, um papel activo na salvaguarda
dos bens que constituem a identidade nazarena. A lógica de continuidade que subjaz a esta iniciativa, torna imperativa a participação das gerações mais novas, por esse motivo, foi intenção da Liga dos Amigos da Nazaré, envolver individualidades e associações que de alguma forma podem contribuir para assegurar a dinamização de iniciativas futuras de cariz idêntico. Assim, assume‐se que esta conferência deverá ser entendida como um ponto de partida para outras da mesma natureza.

Inscrições:
Inscrições pelo e‐mail: liganazare@gmail.com

(A entrada e gratuita mas limitada ao numero de lugares disponíveis.)

Parcerias:
Câmara Municipal da Nazaré;
Jornal Região da Nazaré;
Restaurante Adega Oceano;

Com a colaboração de:
anazArt – Associacão Nazarena de Artes Plásticas;
Unimos – Associacão Tecnológica;
Museu Dr. Joaquim Manso;

Mais informações:
Liga dos Amigos da Nazaré: http://www.lanazare.blogspot.com/

e‐mail: liganazare@gmail.com

Localização da conferência:
Auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré
Morada: Av. Grupo Desportivo “Os Nazarenos”
2450‐291 Nazaré

Sobre jornada de trabalho "Património Cultural Imaterial"

Jornada de trabalho “Património Cultural Imaterial” – moderação: Ana Carvalho & Lorena Querol. Da esquerda para a direita vê-se: Paulo Ferreira da Costa, Lorena Querol, Ana Carvalho e Paulo Lima. Fundação Manuel Viegas Guerreiro. 8 Março 2010

No dia 8 de Março de 2010 realizou-se uma jornada de trabalho subordinada ao Património Cultural Imaterial (PCI) no âmbito da iniciativa “Técnicos dos Museus Encontram-se”, que a Rede de Museus do Algarve (RMA) promove. Estes encontros são espaços de diálogo destinados a potenciar a partilha de experiências entre os profissionais dos museus da RMA. Esta jornada de trabalho teve, porém um enquadramento particular, na medida em que trouxe contribuições de fora da RMA, ao contrário do que tem vindo a ser feito, de âmbito mais técnico e interno. Foi neste contexto, que fui convidada a participar, na qualidade de moderadora, representando, de algum modo a perspectiva da investigação.

A razão deste encontro prendeu-se com a necessidade de se reflectir sobre estratégias para a salvaguarda do PCI nos museus. O PCI é um tema que começa a ser uma preocupação trilhada por cada vez mais museus, um pouco na senda da adopção da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003) da UNESCO, ratificada por Portugal em Março de 2008. Também o Conselho Internacional de Museus (ICOM) atribui competências aos museus na salvaguarda do PCI, tal como é patente em documentos de referência como a “Carta de Shanghai” (2002) e a “Declaração de Seoul” (2004). E por outro lado, note-se a mudança evidente de paradigma, quando em 2007 a definição de museu proposta pelo ICOM passaria a substituir “testemunhos materiais” por “património material e imaterial”. Pode dizer-se que este enquadramento internacional lança o repto aos actores culturais e aos museus em particular.

Assim, reconhece-se à partida que o PCI é também um campo de actuação dos museus, mas entre as intenções e as práticas permanecem muitas dúvidas sobre como agir sobre este património tão complexo. Como podem os museus abordar e responsabilizar-se mais pelo PCI? Foi a partir destas inquietações que o Museu Municipal de Loulé e a Direcção Regional de Cultura do Algarve organizaram este encontro no contexto da RMA.

Tendo em conta que Portugal tem um enquadramento relativamente recente sobre uma política cultural para a salvaguarda do PCI e que se reflecte em termos de legislação e tutela, a contribuição de Paulo Ferreira da Costa centrou-se no plano normativo nacional e na forma como o Instituto dos Museus e da Conservação, organismo com competências atribuídas em matéria de salvaguarda do PCI, perspectiva a implementação da Convenção 2003 em Portugal. Este contexto revelou-se fundamental, primeiramente porque é recente e ainda desconhecido para muitos museus e por outro lado, ainda está a ser definido, o que permite abrir a reflexão sobre um caminho que pauta pela possibilidade de muitas abordagens.

As Direcções Regionais de Cultura (DRC) têm desde 2007 também um papel importante relativamente ao PCI, articulando a estratégia definida pelo IMC no território, nomeadamente ao nível da inventariação. Todavia, em linhas gerais pode dizer-se que as discrepâncias na forma de actuação das DRC são evidentes. O trabalho desenvolvido pela DRC do Alentejo, que tomou a dianteira na formulação de um programa de salvaguarda do PCI nesta região é, de certo modo, uma proposta inovadora e que revela um entendimento mais pragmático e diferenciado da forma como se deve entender uma abordagem ao PCI. Paulo Lima pontuou por um discurso menos formal, deixando antever que abordar o PCI não é isento de incertezas e muitas angústias, um processo que se tem caracterizado por avanços mas também por vários recuos.

Ao longo da tarde, os profissionais dos museus da RMA tiveram a palavra. Em mesa-redonda e a partir dos reptos lançados da parte da manhã, os técnicos partilharam as iniciativas que já decorrem no âmbito do PCI. Metodologias, dificuldades, dúvidas, necessidades, inquietações e interrogações foram alguns dos aspectos abordados.

Nos museus de Lagos, Loulé, Portimão, Olhão, Faro, Alcoutim, S. Brás de Alportel, Vila Real de Santo António e Tavira decorrem ou decorreram já experiências pontuais em torno do PCI, que pontuam pela diversidade, tanto ao nível da profundidade como do tipo de abordagem. Todavia, em grande medida, alguns dos projectos enunciados centraram-se na contextualização e documentação das colecções existentes a partir dos testemunhos orais das comunidades. Os sistemas de inventário, nalguns casos não existem (inclusive para as colecções do museu), noutros estão definidos os softwares para o imaterial (em dois casos), mas estão por implementar. De uma forma muito transversal, as dificuldades identificadas foram as seguintes: recursos humanos e financeiros, mais formação específica em questões técnicas e tecnológicas e a ausência de estratégias que estabeleçam formas de colaboração continuadas com as comunidades.

Os inventários foram um tema recorrente, mas o debate também suscitou questões mais alargadas, sobre o direito de intervenção e interferência dos museus e dos profissionais neste domínio, sobre quem em última instância valida o que é e o que não é PCI? E, afinal, o que é o PCI? Por outro lado, falamos dos tradicionais terrenos antropológicos ou falamos de novos terrenos? Será que faz sentido este enfoque para o PCI, sob pena de que desapareça, quando em ritmo igualmente acelerado se produzem novas culturas, novos significados?

Algumas das questões levantadas não têm resposta fácil, muitas delas não têm uma única resposta, mas significam que os museus são também terreno fértil para a discussão e campo de paradoxos. O que hoje é entendido como património poderá amanhã não o ser, se extremarmos posições.

Mas em jeito de conclusão, pode dizer-se que os museus não estão alheios à importância do PCI e começam a dar pequenos passos nesta matéria. Não obstante as dificuldades inerentes a uma abordagem ao PCI e às formas de valorização, é possível verificar que existe muita vontade em conhecer melhor e identificar o PCI.

Actuar sobre este património exige reflexão e é a partir de pequenas experiências que podemos fazer balanços e tirar daí partido para nos lançarmos em novas aventuras. Este é um caminho que se faz actuando e experimentando. A frase “Don’t run, walk!”, parece ajustar-se bem neste contexto.

Para intervir é preciso conhecer. Como disse Lorena Querol, um inventário não é um fim, mas um caminho!

Por outro lado, os museus não devem responsabilizar-se por todo este património, dada a vastidão do tema. Exigem-se novas formas de colaboração, através da criação de redes e parcerias, nas quais os museus podem ter um papel importante, mas não deverão ser os únicos agentes (escolas, associações, comunidades, universidades, etc.).

Para além disso, nem todo o património precisa de ser salvaguardado, sendo necessário mapear prioridades e dialogar com as comunidades para se perceber o que querem preservar ou não.

A RMA é uma rede informal criada a 16 de Outubro de 2007 e hoje constituída por 14 museus da região do Algarve*. Liberdade de adesão, cooperação em rede, serviço público e ética profissional, informação e comunicação, formação, inovação e programação museológica são alguns dos princípios de actuação desta rede, um projecto inovador em Portugal.

*Museu Marítimo Almirante Ramalho Ortigão, Museu Municipal de Portimão, Museu Municipal de Tavira, Museu Municipal de Faro, Museu do Trajo, Museu Municipal de Dr. José Formosinho, Museu Municipal de Lagoa, Museu Municipal de Arqueologia de Silves, Núcleos Museológicos de Alcoutim, Núcleo Museológico da Indústria Conserveira de Vila real de Santo António, Museu Municipal de Olhão e Museu do Mar e da Terra da Carrapateira.

Jornada de Trabalho «Património Cultural Imaterial», 8 Março 2010

No âmbito das actividades da Rede de Museus do Algarve, no dia 8 de Março de 2010, está previsto um encontro subordinado ao Património Cultural Imaterial, um tema que começa a ser uma preocupação trilhada por cada vez mais museus em Portugal, um pouco na senda da adopção da Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) da UNESCO, ratificada por Portugal em Março de 2008.

Os “Técnicos dos Museus Encontram-se” são espaços de diálogo que potenciam a partilha de experiências entre os profissionais dos museus. A escolha deste tema revela que cada vez mais os museus procuram responder aos desafios do séc. XXI, que implicam maior representatividade, inclusão e participação das comunidades e um olhar atento ao (s) património (s), entendido de uma forma integrada e alargada (móvel, imóvel, material, imaterial, natural e cultural).

A Rede de Museus do Algarve (RMA) é uma rede informal de 14 museus da região do Algarve, constituída a 16 de Outubro de 2007. Liberdade de adesão, cooperação em rede, serviço público e ética profissional, informação e comunicação, formação, inovação e programação museológica são alguns dos princípios de actuação desta rede, um projecto inédito em Portugal e certamente inspirador para muitos daqueles que sonham um futuro melhor para os nossos museus.

Jornada de Trabalho «Património Cultural Imaterial»
8 de Março de 2010
Local: Fundação M. Viegas Guerreiro, Querença

Programa

10h00 Abertura dos trabalhos (CM Loulé e DRCAlgarve)
10h15 Intervenção de Paulo Ferreira da Costa (IMC, IP)
11h15 Intervalo para café
11h30 Intervenção de Paulo Lima (DRCAlentejo)
12h30 Debate – moderação: Ana Alexandra Carvalho (bolseira FCT/ Univ. Évora) & Lorena Querol (bolseira FCT/ Univ. Lusófona)
13h30 Almoço
15h00 Mesa-Redonda para apresentação de trabalhos em curso e discussão de procedimentos (Técnicos dos Museus da RMA)
17h00 Encerramento dos trabalhos (CM Loulé e DRCAlgarve)

Destinatários: Técnicos de Museus que desenvolvam trabalho na área e colaboradores externos dos Museus

Inscrições: ana.sousa@cm-loule.pt
Data limite de inscrição: 5 Março 2010