Arquivo da Categoria: Livros

Museu do futuro: competências digitais para a mudança e inovação em Itália

Silvaggi, Antonia, Frederica Pesce, e Romina Surace, eds. 2018. Museum of the Future: Digital Skills for Change and Innovation in Italy. Roma: Melting Pro, Mu.SA – Museum Sector Alliance. 65 páginas. ISBN: 978-88-942976-1-4, online.

Trata-se de relatório sobre a realidade museológica italiana em relação às competências digitais produzido no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (http://www.project-musa.eu), a partir das entrevistas e do focus group realizados em Itália. Com base nos resultados do mapeamento em Itália (2016-2017), o relatório organiza-se em quatro temáticas principais: 1) Widespread of digital culture; 2) Community; 3) Professions and digital skills; 4) Accessibility and security.

O projecto Mu.SA (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA
www.project-musa.eu

****

Table of contents

09| Premises

11| The context of reference

19 | The results of the Mu.SA research: the experts speak

20 | 1. Digital culture

26 | 2. Community

32 | 3. Digital professions and skills

46 | 4. Accessibility and security

53 | Postscript by Giovanna Barni

57 | List of contributions to the research

61 | Bibliography and webliography

 

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Livro propõe reflexão sobre museus e inovações

Por Ana Carvalho, recensão crítica do livro:

Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm, e Viv Golding, eds. 2017. Museums and Innovations. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing. 241 páginas, ISBN: 978-1-4438-1268-9.

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

****

Como é que os museus podem ter um impacto positivo na sociedade global? Que inovações se podem identificar actualmente em museus etnográficos e de história social? Podem ou devem os museus ter um agenciamento provocador na sociedade, através de exposições e programas públicos que instiguem debates alargados que possam servir diferentes comunidades? É a partir deste enunciado que o livro propõe uma reflexão sobre as formas de pensar e trabalhar em museus, na perspectiva de encorajar práticas museológicas mais críticas e criativas, e contextos de trabalho colaborativos.

O livro tem por base uma selecção de comunicações apresentadas na conferência anual do ICME (Comité Internacional do ICOM para Museus e Colecções de Etnografia) com o mesmo título – Museums and Innovations, que decorreu em Zagreb (Croácia), entre 14 e 16 de Outubro de 2014.

Para o livro contribuiu um total de 23 autores, entre investigadores, professores e profissionais de museus a actuar em diferentes frentes (da gestão, à documentação, à curadoria, entre outras), provenientes principalmente da área da história e da antropologia, incluindo da história da arte, com especializações em museologia e património. A diversidade da cobertura geográfica dos contributos é também digna de nota: Alemanha, Irlanda do Norte, Malta, Sérvia, Croácia, Itália, Espanha, Polónia, Finlândia, Estónia, Holanda, Rússia e Bélgica, contrariando lógicas que, porventura, estamos mais habituados a observar.

Um outro aspecto relevante é a diversidade de casos apresentados: museus de diferentes tutelas, tipologias e escalas, nomeadamente museus de universidade (ex. Universidade de Gante), museus de cidade (ex. Helsínquia, Amesterdão), museus de história, museus etnográficos, museus nacionais (ex. Estonian National Museum), museus de âmbito mais regional (ex. Valencian Museum of Ethnology) ou local (ex. Lucca Museum of the Risorgimento, Bir Mula Heritage Museum, Open Air Museum “Old Village”), experiências com exposições temporárias no espaço público (Berlim), projectos fora do contexto museal (ex. Belonging Project), incluindo análises museológicas mais panorâmicas (Moscovo, Berlim), para referir apenas alguns.

Participação, inovação e transformação são palavras-chave neste livro. Relevância é outra palavra usada em vários capítulos, corroborando a premência de articulação dos museus com a sociedade contemporânea. Aborda-se a complexidade das identidades, o papel dos museus como agentes de influência nas comunidades e nos governos, e maior activismo na defesa da justiça social, ajudando a responder a necessidades e problemas societais. Outros referentes de análise incluem as histórias “difíceis” associadas ao colonialismo, e ainda o papel central da temática das migrações. Além disso, as colecções prevalecem como elementos-chave de novas abordagens e reinterpretações, mas também o compromisso de envolver os públicos já não apenas entendidos como passivos, mas com maior agenciamento.

O livro organiza-se em seis partes: 1) Explorando Identidade e Comunidade; 2) Comunicando Património e Intangibilidade; 3) Transformações; 4) Participação e Justiça Social; 5) Desenvolvendo Novas Práticas; e 6) Novas Vozes e (Re)Interpretação. Apesar da utilidade de organizar os conteúdos, por si só estes separadores são pouco operativos, uma vez que muitos dos capítulos se encaixariam em mais do que uma das secções enunciadas.

Longe de representarem práticas mainstream, muitos dos contributos incluídos no livro reafirmam e assentam em preocupações, como as que referimos acima, que parecem apontar para tendências que têm sido evidenciadas por via de um crescendo de literatura sobre museologia e museus. New Trends in Museology (2011), Nouvelles Tendances de la Muséologie (2016) são dois exemplos, entre outras obras, que perspectivam esses caminhos. A mais-valia deste livro reside na ancoragem em práticas que, com uma certa dose de experimentalismo, procuram testar e implementar alguns dos pressupostos referidos, seja por via de uma reflexão de iniciativa externa, seja pelos próprios intervenientes nestes processos. Muitos dos casos apresentados advêm também de processos de transformação induzidos pela renovação de exposições ou de reestruturações mais alargadas das próprias organizações museais. Dar nota das opções tomadas e dos princípios que guiaram estas mudanças pode ser, na nossa perspectiva, muito enriquecedor para melhor compreender as diferentes dinâmicas e ritmos que estimulam o complexo panorama museológico internacional.

Apesar de se notarem diferentes níveis de aprofundamento teórico e prático entre os 16 capítulos, no geral oferecem uma leitura cativante. Entre estes destacamos quatro capítulos por acentuarem aspectos que, em nosso entender (e assumindo desde logo a subjectividade implícita nesta escolha por conta do nosso próprio percurso), são significativos nas práticas museológicas contemporâneas. Isto é, a transformação da forma de trabalhar das organizações museais e dos profissionais de museus em prol de modelos hipoteticamente mais eficazes e que colocam em primeiro plano os visitantes e o seu envolvimento (ex. capítulo dez e 11); O Helsinki City Museum inaugurou uma nova sede em 2016. Este é também o pano de fundo em que Jari Harju, historiadora e conservadora deste museu, dá conta ao longo do capítulo dez (The Helsinki City Museum’s New Exhibition Policy), explicando o racional e a metodologia seguida para elaborar uma nova política de exposições (2014-2018). Um dos métodos utilizados consistiu num inquérito interno envolvendo os profissionais do museu (aproximadamente 100 pessoas) de todas as áreas, na tentativa de construir uma visão partilhada e estratégica para o museu.

O capítulo 11 (Participation in the Museum: Diverse Audiences and their Motivations), da autoria de Agnes Aljas, investigadora do Estonian National Museum, centra-se numa reflexão sobre as mais de 30 iniciativas de base participativa promovidas desde 2007. A autora evidencia a diversidade de práticas participativas desenvolvidas – online e off-line, destinadas a diferentes segmentos de público e a partir formatos distintos. O museu, fundado em 1909, abriu ao público em 2016 num novo edifício. Este reenquadramento permitiu repensar a relação do museu com os públicos, recorrendo às opiniões das pessoas e às suas experiências pessoais para moldar os programas públicos desenvolvidos. Neste exercício de análise, a autora explica porque algumas das iniciativas foram bem sucedidas e outras não. O que merece realce nesta proposta de reflexão é a importância de escrutínio e avaliação que estes processos experimentais exigem no sentido de poder capitalizar a experiência adquirida de modo a ajustar práticas futuras. De uma maneira geral, apesar de as práticas participativas aplicadas em contexto museológico se identificarem como abordagens oportunas e relevantes, este é ainda um campo de difícil concretização pelas organizações no sentido de uma maior partilha de funções, poder e responsabilidades (p. 147).

O capítulo 12 (Media in Contemporary Heritage Presentation: The Case of the Amsterdam Museum) coloca a tónica na aplicação de soluções multimédia nas exposições e a problematização acerca da sua eficácia. Assinado por Elef Masson (professora assistente do departamento de Media Studies da Universidade de Amesterdão), este capítulo tem como objecto de análise a “nova” exposição permanente Amesterdam DNA (2011), na qual se recorre ao tridimensional para estabelecer uma narrativa sobre a história da cidade assente na projecção de sete filmes animados. A autora problematiza o uso do multimédia, questionando se esta utilização aportou relevância. Uma maior integração das tecnologias e do universo digital afirma-se actualmente como uma tendência no campo do património e do mundo dos museus. Os argumentos são conhecidos. Têm por base a ideia de que o universo digital e tecnológico está hoje muito mais entrosado na vida das pessoas, sobretudo dos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano aplicam já novas formas de aceder à informação. Nesta perspectiva, a oportunidade reside em acompanhar estes fenómenos, conquistar os públicos mais jovens e, por outro lado, a não ficar para trás num contexto que é cada vez mais competitivo. Outros argumentos sustentam o seu contributo para ajudar a democratizar os museus ao descentrar a tónica da autoridade, tradicionalmente remetida aos especialistas, para os visitantes, criando espaço para interpretações alternativas e mais plurais de objectos e iniciativas, ou possibilitar contextos mais favoráveis para que sejam os visitantes a dirigir a sua própria aprendizagem (pp. 163-164). Apesar da benevolência deste quadro, a autora demonstra que nem sempre estes argumentos se aplicam na prática ou é evidente o modo como algumas soluções de suporte multimédia aportam contributos úteis ou relevantes no cômputo geral (p. 164). Um dos dados que a autora apresenta não deixa de surpreender. Apesar de se assistir a uma tendência para a substituição de textos de parede privilegiando apresentações multimédia interactivas, estas aplicações não tem reduzido a quantidade de informação disponibilizada ao visitante, tal como se esperaria, mas pelo contrário têm favorecido o seu aumento (p. 170). Da análise da exposição Amesterdam DNA, Masson conclui, entre outros aspectos, que as soluções multimédia trouxeram em alguns casos complicações acrescidas, em vez de levar mais longe a optimização destes recursos (p. 164). Ainda que as conclusões deste estudo de caso não possam ser extrapoladas para todas as exposições que recorrem a soluções multimédia, é relevante como lembrete de que o recurso ao universo digital e às tecnologias tem potencialidades, mas a sua aplicação não é linear, devendo implicar uma análise reflexiva caso a caso sobre os aportes específicos de cada ferramenta.

Destacamos, ainda, o capítulo seis (Engaging with Community: Intangible Cultural Heritage and Educational and Participatory Practices in Istria) por evidenciar o trabalho que os museus podem desenvolver em torno da valorização e salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI) em contexto local e com as comunidades, colocando em perspectiva alguns programas que o Istrian Ethnographic Museum’s Centre for Intangible Culture (Pikán, na Croácia) vem desenvolvendo desde 2011. Mario Buletić (conservador do museu), entre os programas promovidos pelo museu, sublinhou o impacto de iniciativas como a realização de workshops informais direccionados a um público escolar e universitário. O que é realçado nestes workshops mediados pelo museu é a possibilidade que podem ter, como espaços informais complementares aos programas educativos formais, na desconstrução de uma noção de PCI, entendida, em muitos casos, pelas instituições como cultura tradicional estritamente ligada às zonas rurais e respectivas formas de vida (p. 82); e por outro lado, estimular uma reflexão crítica sobre o que é a cultura e o património de cada um e o respeito e tolerância pela cultura de “outros”. Esta proposta apresenta-se num quadro diferenciado e, até certo ponto, de crítica aos mecanismos de inscrição de uma determinada prática cultural nas listas internacionais reconhecidas pela UNESCO cuja atracção neste país (e em muitos outros) tem suscitado grande interesse e agenciamento, sobretudo pelos actores ligados ao turismo e à política (p. 78). Enquanto alternativa às lógicas mainstream de salvaguarda do PCI ancoradas exclusivamente na inscrição de práticas culturais em listas “representativas”, este capítulo evidencia o papel dos museus e as potencialidades de trabalhar com o PCI à escala local, apostando em projectos que primem pela inclusão, educação e participação, sublinhando ainda o papel dos mediadores, enquanto elementos-chave entre as populações, pela possibilidade de fortalecerem uma ponte entre as comunidades e os profissionais de museus na elaboração de projectos participativos.

O livro esclarece sobre tópicos que são hoje matéria de questionamento no mundo dos museus, revelando diferentes dinâmicas em curso. Por essa razão, esta colectânea pode ser de grande utilidade para os que têm particular interesse na museologia contemporânea, sejam estudantes, investigadores ou profissionais de museus.

Referências:

Mairesse, François, ed. 2016. Nouvelles Tendances de la Muséologie. Paris: La Documentation française.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje, Slovenia: Museum of Recent History Celje.

****

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

Profissionais de museus na era digital

Antonia Silvaggi e Frederica Pesce, eds. 2017. Museum Professionals in the Digital Era: Agents of Change and Innovation. Edição Mu.Sa − Museum Sector Alliance, 140 páginas, online (versão completa)

Como é que os museus têm respondido aos desafios das tecnologias e do mundo digital? Que competências digitais são necessárias para capacitar os profissionais no processo de transformação digital dos museus? Que novos perfis de trabalho se identificam nesta área? Estas foram algumas das questões colocadas a 81 especialistas (Grécia, Itália e Portugal) durante a primeira fase do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), que decorreu entre Dezembro de 2016 e Março de 2017. Esta publicação apresenta os primeiros resultados da investigação desenvolvida. O projecto Mu.Sa (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

Disponível em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2017/03/MuSA-Museum-professionals-in-the-digital-era-full-version.pdf

A musealização da arte contemporânea como proposta de reflexão

Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea (2017), da autoria de Elisa Noronha, vem engrossar as publicações de divulgação científica no campo dos estudos de museus e da museologia. Foi publicado na colecção “Teses Universitárias” (n.º 7) e resulta de uma parceria editorial entre o CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Universidade do Porto e as Edições Afrontamento. Trata-se da edição da tese de doutoramento da autora, que foi apresentada em 2013 à Universidade do Porto (cf. https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/5502), e à qual foi atribuído o prémio “2013 Teses CITCEM” que lhe permitiu a publicação; o lançamento aconteceu a 19 de Setembro de 2017 na Universidade do Porto, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

O livro foca os museus de arte contemporânea e a Museologia, abordando as seguintes questões: que museus? Como se reinventam? Como contextualizam os discursos e as práticas que os identificam? Que novos discursos são criados, que novas maneiras de coleccionar, de expor, de conservar, de mediar são desenvolvidas? São analisados em particular três casos: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (Lisboa), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (Brasil).

Elisa Noronha é doutora em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil) e bacharel em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil). Professora Afiliada da Universidade do Porto, colaborando na realização das actividades de ensino e investigação dos cursos de Museologia (mestrado e doutoramento) da Universidade do Porto. Investigadora do Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM). Tem desenvolvido e participado em projectos/acções de natureza científica, cultural e artística, como a organização de ciclos de estudos, ciclos de palestras, seminários, publicações e exposições. O seus interesses de investigação estão relacionados com a intersecção entre a Museologia e os Estudos Artísticos (Artes Visuais), assumindo como ponto de confluência os museus e os centros de arte contemporânea nas suas diversas dimensões (coleções, exposições, espaços, público, outros agentes), e a própria arte contemporânea como uma forma profundamente importante de pensamento e de provocação ao pensamento.

****

ÍNDICE

Introdução | 17

1. Contextos e Questões | 19

1.1. Do que se fala quando se fala em musealização | 38
1.1.1. Fala-se de um processo cultural produtor de significados partilhados, o que diz respeito a sensibilidades e desejos presentes | 38
1.1.2. Fala-se de contexto museológico e dos efeitos e registos que o particulariza e o especifica | 45
1.1.3. Fala-se de discursos e reflexividade, de envolvimento crítico e agência | 52

1.2. Um percurso pelo pensamento crítico museológico | 59
1.2.1. Sobre a emancipação da Museologia | 60
1.2.2. Sobre as quatro correntes de pensamento crítico museológico  | 65

1.3. Estratégias e Desafios Metodológicos | 75

PARTE I
2. Museus de arte contemporânea: uma proposta de abordagem | 85

2.1. Esfera I: Museu de arte contemporânea: modelos paradigmáticos ou casos inspiradores | 85
2.1.1. Musée des Artistes Vivants | 87
2.1.2. Museum of Modern Art | 92

2.2. Esfera II: Museu de arte contemporânea em suspensão | 100

2.3. Esfera III: Diálogos entre o museu e o artista | 104

PARTE II
3. Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea | 111
3.1. Contextualizações | 111
3.2. Processos | 127

4. Museu de Arte Contemporânea de Serralves | 163
4.1. Contextualizações | 163
4.2. Processos | 177

5. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo | 203
5.1. Contextualizações | 203
5.2. Processos | 223

Considerações finais | 243

Referências bibliográficas | 251
Créditos das imagens | 271

****

O livro está à venda nas livrarias comerciais (ex. Fnac, Bertrand, Bulhosa, Almedina, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado à colecção Vilhena de Escultura

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena é o décimo volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, especialidade Museologia e em Património Artístico) de Maria João Vilhena de Carvalho (conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga) apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Rafael Moreira e de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento aconteceu a 23 de Janeiro de 2018, no Museu Nacional de Arte Antiga, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

****

O comandante da marinha Ernesto Jardim de Vilhena (1876-1967) foi o mais importante colecionador de arte em Portugal na primeira metade do século XX e os núcleos da coleção, alienados após a sua morte, persistem como referências no património nacional português. Em 1969, através da aplicação de mecanismos que prefiguraram a doação em pagamento, 1500 esculturas foram doadas ao Estado pelos herdeiros e incorporadas no Museu Nacional de Arte Antiga, o que resultou na alteração da identidade da histórica coleção museológica retratada neste trabalho.

A narrativa parte da biografia cultural dos objetos artísticos para apresentar o perfil de Ernesto de Vilhena e o seu modo de colecionar, desvendando a aura que o transformou numa personagem mítica. Senhor de uma fortuna adquirida na gestão colonial, dedicou toda a energia a construir o programa científico de uma «empresa colecionista» com o objetivo de criar «um feito memorável para Portugal», imbuído do valor de «resgate» da sua história, desenvolvendo um método que o diferenciou dos outros colecionadores por refletir o seu singular entendimento da história da escultura e do património nacionais. Do território onde foi coligida, a escultura passou à Casa Vilhena e dali para o Museu Nacional de Arte Antiga, no decurso de um resgate inédito na história do património cultural português sob tutela do Estado. Com a crónica da doação dos herdeiros de Vilhena fecha-se o círculo e completa-se a ambição do colecionador, fazendo retornar as esculturas ao domínio público da arte e da história portuguesas.

Maria João Vilhena de Carvalho (Pinhel, 1968) é licenciada em História, Variante de História da Arte e Doutora em História da Arte, Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2014), é investigadora integrada do Instituto de História da Arte e colaboradora do Instituto de Estudos Medievais na mesma Universidade. Foi Bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia e investigadora do projeto «Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal» (2010-2013).

Conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga responsável pela Coleção de Escultura, desde 2000, tem comissariado e participado em exposições em Portugal e no estrangeiro e integrou a equipa que concebeu a renovada exposição permanente de Pintura e Escultura Portuguesas do MNAA (2016).

Tem-se dedicado à investigação nas áreas da museologia, museografia, inventário do património artístico, história da imagem, história da escultura, colecionismo e da biografia cultural dos objetos, contando com publicações editadas no quadro de todas estas temáticas, destacando-se a participação em O Sentido das Imagens, a autoria das Normas de Inventário. Escultura (2004), a “Contribuição para a história do Museu de Escultura em Portugal” (2012) e um alargado conjunto de textos sobre a escultura portuguesa do património nacional editados desde 1994.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

7 | CAPÍTULO I – ERNESTO JARDIM VILHENA: A FORMAÇÃO DO COLECIONADOR
9 | A Família Jardim de Vilhena
34 | Curriculum Vitae
104 | O Mwata Kumandante, senhor que escrevia a verde. A construção do império e da fortuna

137 | CAPÍTULO II – A COLEÇÃO VILHENA. ARQUITETURA DE UMA COLEÇÃO NACIONAL DE ESCULTURA
139 | O Colecionador e a Coleção
144 | Colecionar património português
175 | Coleção Vilhena: uma empresa colecionista familiar
207 | A Escultura entre os Núcleos da Coleção Vilhena
243 | Lisboa, Rua de São Bento 183-187: conservação e exposição da coleção particular
248 | O Processo da Doação Vilhena

285 | CAPÍTULO III – DO PRIVADO AO PÚBLICO. A COLEÇÃO DE ESCULTURA DE ERNESTO VILHENA NO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA 
288 | A construção da história da imagem esculpida no Museu Nacional de Arte Antiga
352 | A Coleção Vilhena no Museu Nacional de Arte Antiga
369 | Sérgio Guimarães de Andrade: o Sentido das Imagens enquanto história da escultura portuguesa do séc. XIV ao século XVIII

387 | Notas
455 | Fontes e Bibliografia
485 | Índice Remissivo
487 | Agradecimentos

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, e Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Património industrial é tema do novo livro da colecção Estudos de Museus

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial é o nono volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Maria da Luz Sampaio apresentada à Universidade de Évora em 2015 (orientação de Margaret Lopes e Ana Cardoso Matos). Em 2016, a tese foi distinguida pela APOM (Associação Portuguesa de Museologia) com o prémio de “Melhor Estudo de Museologia”.

Será lançado no próximo dia 15 de Dezembro (sexta-feira) no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Álvaro Domingues.

****

O património industrial possui um significado que vai para além do seu uso e aspeto físico, modelo ou marca. Trata-se de testemunhos de técnicas desaparecidas, de processos de trabalho, de usos e de memórias, objetos que são eles próprios documentos que permitem compreender os contextos industriais do mundo do trabalho e das suas transformações sociais. O património industrial móvel é aquele que mais facilmente é fragmentado, vandalizado, vendido ou mesmo abandonado no interior dos edifícios industriais. Ao serem retirados dos seus contextos, esquecidos e transformados em sucata, os acervos privam os edifícios de serem lidos dentro de uma lógica funcional. Uma vez esvaziados, estes perdem os seus referenciais técnicos e tornam-se comuns armazéns industriais, prontos para serem reutilizados ou transfigurados.

Esta obra apresenta uma reflexão em torno do património industrial móvel, ou seja, dos acervos compostos por maquinaria, utensílios, instrumentos de precisão, peças de reposição, manuais, catálogos e revistas técnicas, em particular as coleções técnico-industriais. O livro procura apontar caminhos metodológicos para o seu estudo e conhecimento e promover a sua valorização e salvaguarda. Pretende ir mais longe, buscando novas abordagens que colocam o objeto como ponto de partida para o estudo da cultura material e o tornam uma fonte para a história da técnica e da indústria, funcionando como um documento que se cruza com outras fontes.

Em suma, este livro pretende responder a um conjunto de questões: Qual o papel da cultura técnico-industrial nas sociedades pós-modernas? O que podemos aprender a partir dos objetos técnico-industriais nos museus? Que metodologias podemos utilizar para valorizar esta cultura material?

Maria da Luz Sampaio é licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP); Pós-graduada em Museologia Social pela Universidade Lusófona; Mestre em Estudos Locais e Regionais pela FLUP; Doutorada em História e Filosofia da Ciência, especialidade de Museologia pela Universidade de Évora.

Em 1992 participou no projeto de investigação do Inventário do Património Industrial da Cidade do Porto e em 1996 no programa museológico e na abertura do Museu da Ciência e Indústria do Porto. De 2000 a 2011 assumiu funções de Diretora do Museu da Indústria do Porto, responsável pela gestão de coleções, programação e serviços educativos.

Autora de livros e artigos sobre reconversão e musealização de edifícios industriais, programação museológica, museus e património industrial, história da técnica, da indústria e da eletricidade. É investigadora integrada no CIDEHUS – Universidade de Évora, bolseira de Pós-Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia com o projeto “História do Ensino da Engenharia em Portugal (1911-1960)” e membro do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Colabora atualmente em vários projetos no âmbito da História da Engenharia e do património técnico e industrial.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 5

CAPÍTULO I – O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL NA ATUALIDADE: EMERGÊNCIA E DESAFIOS
1. O «património» em perspetiva histórica | 20
2. Reflexões em torno das Cartas e Convenções sobre o «património cultural» | 23
3. A patrimonialização da sociedade industrial | 33
4. O «património industrial» em Portugal | 43
5. As relações entre património industrial móvel e imóvel | 47
6. A patrimonialização dos objetos técnico-industriais | 52

CAPÍTULO II – OS OBJETOS-ARTEFACTOS TÉCNICO-INDUSTRIAIS: IDENTIFICAÇÃO E MÉTODOS DE ANÁLISE
1. Os objetos da cultura material como fonte histórica | 60
2. A cultura material: o papel dos artefactos técnicos | 67
3. Leituras dos objetos técnico-industriais | 71
4. Biografia dos objetos | 76
5. Contextos de significação dos objetos | 88
6. Modelos de estudo dos objetos: de E.Mcclung a Marta Lourenço e Samuel Gessner | 94

CAPÍTULO III – REPRESENTAÇÕES DO PATRIMÓNIO INDUSTRIAL DO PORTO: COLEÇÃO E MUSEU
1. O museu como representação da sociedade industrial | 101
2. O Porto: a cidade industrial em perspetiva – séculos XIX e XX | 108
3. Desindustrialização, terciarização e deslocalização da indústria portuense | 135
4. O Inventário do Património Industrial do Porto | 139
5. O projecto do Museu da Ciência e Indústria | 141
6. A criação da AMCI – Associação para o Museu da Ciência e Indústria | 145
7. Abertura do Museu da Ciência e Indústria | 149
8. Constituição da coleção do Museu da Indústria do Porto e sua representatividade no processo de industrialização da região do Porto | 165

CAPÍTULO IV – O ARTEFACTO ‘MOTOR ELÉTRICO’: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE UM ESTUDO DE CASO
1. O motor elétrico: seleção de um metódo de análise | 192
2. Descrição do motor elétrico | 196
3. O motor elétrico na coleção do Museu da Indústria do Porto | 202
4. Análise diacrónica – os contextos histórico-científicos “do nascimento do motor elétrico até aos nossos dias” | 215
5. O motor elétrico no mercado português | 238
6. Aspetos singulares e descritivos do motor elétrico ASEA | 253
7. O motor elétrico no museu: fonte histórica e objeto museológico | 274
8. O motor elétrico: objeto promotor de uma pesquisa interdisciplinar | 282

CONCLUSÕES | 289

Fontes e Bibliografia | 296
Agradecimentos | 339

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, e Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” conta a história dos antecedentes do Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu é o oitavo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Emília Ferreira apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2010 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

Será lançado no próximo dia 21 de Novembro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de António Filipe Pimentel.

****

Durante várias décadas do século XIX, as elites portuguesas reclamaram a organização, em Lisboa, de um Museu Nacional de Belas Artes. A sua concretização teimou em tardar. Até que, em 1881, um convite para a realização de uma exposição de arte ornamental Portuguesa e Espanhola num museu de Londres levou a comissão portuguesa envolvida na organização a pensar repetir e ampliar a iniciativa em Lisboa. Sonhava-se já com a instalação subsequente do museu, mas nem por isso a exposição foi considerada como um mero degrau para esse velho sonho. Pelo contrário: todos os pormenores da sua organização foram pensados com rigor e a ambição de se fazer o melhor que se sabia.

A 12 de janeiro de 1882, o Palácio Alvor abria as portas à Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portugueza e Hespanhola. Primeira exposição em Portugal (e uma das primeiras do mundo) a contar com iluminação elétrica, catálogo com ilustrações e até um volume de fototipias da autoria de Carlos Relvas, envolveu a cidade e o país num momento de entusiasmo cultural. Inaugurada nesse frio dia de inverno, com pompa e circunstância, e contando com a presença dos reis de Portugal e de Espanha, a exposição viu ampliadas as festas às ruas de Lisboa e ao Tejo.

Os trabalhos da comissão organizadora, liderada por Delfim Guedes, proporcionaram à imprensa nacional uma apaixonada discussão sobre arte e cultura, algo inédito entre nós, e contribuíram para o conhecimento internacional da arte nacional.

Quando encerrou as suas portas ao público, em junho desse ano, a exposição tinha sido vista por várias dezenas de milhar de visitantes, transformando-se na primeira iniciativa block buster em Portugal. Dois anos depois, o Palácio Alvor abriria as suas portas ao Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia, atual Museu Nacional de Arte Antiga. É a história desse que, até prova em contrário, permanece o mais notável acontecimento cultural do século XIX no nosso país, que aqui se conta.

Emília Ferreira (Lisboa, 1963) é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Historiadora de Arte e autora de ficção, é investigadora integrada do Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa), na linha Museum Studies, e investigadora associada aos projetos Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC) Connections Grant – “Gender Justice, Adult Education and Curatorial Dreaming: A Workshop and Exhibition” (University of Victoria, British Columbia, Canadá) e SSHRC Insight Grant – (En)Gendering New Narratives, Representations and Pedagogies: A Feminist Study of Adult Education and Exhibitory Praxis in Public Museums in Canada, Europe and the USA (University of Victoria, British Columbia, Canadá).

Curadora de exposições de artes plásticas e educadora, é colaboradora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1997, e membro da equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, desde 2000.

Desenvolve investigação sobre museologia, museografia e cultura, o ensino artístico, os museus e as artes, na época contemporânea, questões de género; expressões e diversidade do desenho na arte contemporânea, curadoria e educação pela arte.

Tem organizado e participado em conferências e colóquios em Portugal e no estrangeiro e publicado artigos nas diversas áreas de interesse. Publicou várias dezenas de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas, nacionais e estrangeiros. Tem-se dedicado também à divulgação de temas culturais para o grande público, destacando-se o recente trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, e Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

****

ÍNDICE

Introdução

Capítulo I – Londres, 1881. Conhecer e reconhecer as artes ornamentais peninsulares e antecedentes de uma exposição

Capítulo II – A Península Ibérica em Londres. Bastidores e imagem de uma exposição

Capítulo III – A preparação da Exposição de Lisboa. Portugal em vias de se apresentar “desassombradamennte perante a Europa”

Capítulo IV – Sobe o pano. Lisboa em festa

Capítulo V – Antes de fechar as portas

Conclusão

Bibliografia

Índice remissivo

Agradecimentos

 

Novo título da coleção “Estudos de Museus” é dedicado à acessibilidade e inclusão

 

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte é o sétimo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Patrícia Roque Martins apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2014 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

Será lançado no próximo dia 12 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Fernando António Baptista Pereira.

Na Europa do século XXI, a inclusão das pessoas com deficiência na sociedade constitui um dos assuntos da atualidade. Participação social, igualdade de oportunidades e ações anti-discriminação são as principais orientações que incorporam o discurso político para o desenvolvimento de ambientes sem barreiras. O modelo social da deficiência é o marco teórico que tem reconfigurado a perspetiva da deficiência e assinalado o impacto da sociedade e dos diversos agentes na qualidade de vida das pessoas com deficiência. Que função têm os museus no processo global da inclusão? Como podem os museus garantir o acesso físico, informativo e educativo? Que práticas em museus podem levar à transformação social?

Este livro explora a função dos museus na inclusão social das pessoas com deficiência, abordando vias possíveis de interação com estes públicos. São apresentados diferentes níveis de acesso que integram as circunstâncias implicadas no relacionamento entre museus e pessoas com deficiência. São dados a conhecer programas inclusivos desenvolvidos em museus com coleções de artes plásticas no contexto internacional, nomeadamente em Londres, Nova Iorque e São Paulo. São também assinaladas algumas iniciativas promovidas em Portugal.

A partir de três estudos de caso, desenvolvidos pela autora no Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador e Coleção Moderna com grupos de pessoas com deficiência intelectual, pessoas com deficiência visual e pessoas da comunidade Surda, é evidenciado o potencial dos museus e da arte para gerar novas compreensões da deficiência na sociedade. Os testemunhos pessoais das pessoas envolvidas evocam novas vias de aproximação entre as coleções dos museus de arte e as pessoas com deficiência, reconhecendo a sua capacidade para influir no desenvolvimento de novas identidades sociais.

Patrícia Roque Martins (n. 1979) é doutorada em Belas-Artes (2015), mestre em Museologia e Museografia (2008) e licenciada em História, variante de Historia da Arte pela Universidade de Lisboa (2001). Atualmente é investigadora do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde desenvolve o projeto de pós-doutoramento “A Representação da Deficiência na Coleções da DGPC: discurso, identidades e sentido de pertença”, com uma Bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com o acolhimento da Universidade do Porto e da Direção-Geral do Património Cultural. Colaborou com a Casa-Museu Anastácio Gonçalves e com o Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador na produção e concetualização de materiais educativos para pessoas com deficiência visual (2012). Foi membro fundador da Acesso Cultura (2013). Organizou o Encontro Internacional “A Representação da Deficiência em Museus, Imaginários e Identidades” (2017). Tem desenvolvido atividades de formação profissional sobre as acessibilidades e a deficiência para profissionais de museus e estudantes de museologia. Tem participado em conferências, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados seis volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas e Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

7 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: QUE RELAÇÕES E IMPACTOS

19 |CAPÍTULO 1 – A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: PARA UMA ABORDAGEM SOCIAL DA DIVERSIDADE
21| Perspetivas da deficiência/incapacidade no contexto internacional
34 | Deficiência ou incapacidade? Repensar o significado da deficiência
42 | Perspetivas da deficiência/incapacidade em Portugal                        
56 | A representação cultural da deficiência/incapacidade na sociedade

81 | CAPÍTULO 2 – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE SOB O SIGNO SOCIAL
83 | O museu pós-moderno: novas funções e perspetivas sociais da museologia
111 | Acessibilidades em museus
121 | Acessibilidade física
131 | Acessibilidade da informação
153 | Acessibilidade das atitudes
168 | “Programas de Acesso” para públicos com deficiência/incapacitados. Práticas internacionais
191 | Os museus e os acessos dos públicos com deficiência/incapacitados em Portugal

209 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO: ESTRATÉGIAS INCLUSIVAS APLICADAS NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN-COLEÇÃO FUNDADOR E COLEÇÃO MODERNA

211 | CAPÍTULO 1 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. “ESTOU A ADORAR A MINHA VIDA!”
213 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência intelectual. Proposta de um percurso e instrumentos multissensoriais de acesso
227 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com as pessoas com deficiência intelectual e seus resultados

261 | CAPÍTULO 2 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. “[IR AO MUSEU] FEZ-ME LEMBRAR QUANDO AINDA VIA…”
263 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência visual. Proposta de um percurso e recursos de acesso
280 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida
com pessoas com deficiência visual e seus resultados

307 | CAPÍTULO 3 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS SURDAS. “ACHAM QUE EU SOU DEFICIENTE?”
309 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e as pessoas da comunidade Surda. Proposta de um percurso mediado por uma pessoa Surda
                                                            317 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com pessoas Surdas e seus resultados

333 | CONCLUSÕES

344 | Notas
350 | Siglas
351 | Bibliografia
358 | Índice remissivo
366 | Agradecimentos

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados cinco volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Desafios à participação no campo dos museus e do património

visitantes Museu Soares dos Reis

© Ana Carvalho

Se, no campo da democratização política se assiste a uma tendência que atesta a necessidade de se pensarem novas formas de governação, o mesmo se pode dizer para o campo dos museus e do património. Comecemos pelos museus. A promoção da participação entendida como forma de alcançar um maior envolvimento de pessoas, grupos e comunidades nos museus enquadra-se num contexto mais alargado de democratização do acesso à cultura e de um entendimento sobre o papel social dos museus e da sua relevância na sociedade.

A história mais recente dos museus tem sido marcada por uma mudança de paradigma que assinala a transformação de uma instituição considerada elitista e exclusiva para uma instituição ao serviço de diferentes públicos e/ou comunidades (Anderson 2004). Actualmente, são vários os exemplos de museus que desenvolvem práticas numa perspectiva socialmente responsável e activa no contexto em que se inserem, assumindo o compromisso de se tornarem mais acessíveis, inclusivos e participativos em resposta às necessidades e interesses de um leque diverso de públicos.

De onde vem, no caso dos museus, a “vaga participativa”? Na história da museologia, os antecedentes quanto à emergência da participação e envolvimento de grupos e comunidades recua à década de 1970. O protagonismo de movimentos como a nova museologia, liderado por profissionais de museus, desafiou os museus à auto-reflexão, a intervir mais na sociedade e a repensar fronteiras de actuação. Com origem em França, e depois com projecção internacional, o então movimento para uma nova museologia surgiu na defesa do papel social dos museus, da interdisciplinaridade, da valorização do património ao serviço do desenvolvimento local, implicando por sua vez o envolvimento dos grupos e/ou comunidades (Desvallées e Mairesse 2013). Foi nesse contexto que se emblematizaram museus e experiências em diferentes geografias, como por exemplo: o Museu de Anacostia, em Washington (1967), a Casa del Museo, no México (1973), o Ecomuseu do Creusot, em França (1972), o Ecomuseu de Haute-Beauce, no Quebeque (1978), entre outros. Nestas experiências reclamava-se uma alternativa ao museu tradicional, que se considerava estar demasiado centrado nas colecções e, de certo modo, de costas voltadas para a sociedade. Não se pode esquecer que este movimento foi coincidente com um período de crise, de forte contestação e consciência social no sentido de uma maior democratização da cultura, com repercussões nas décadas seguintes. Como esclarece Lorente (2003), a ideia de uma nova museologia não era casuística, atendendo a que surgiam outros movimentos contemporâneos como a nouvelle histoire de Braudel, o nouveau roman de Alain Robbe-Griller, e a nouvelle vague no cinema de Godard e Truffaut, no contexto da procura de novos modelos políticos, sociais e culturais. Com efeito, também se sentiu a influência deste e de outros movimentos de ideias que renovaram a museologia portuguesa nas décadas de 1970, 1980 e 1990 (cf. Camacho 1999; Filipe 2000). Note-se que em Portugal, em alguns círculos de profissionais, ainda hoje se reivindicam os princípios que estiveram na génese da nova museologia embora usando outras expressões e sentidos adaptados à realidade actual (Carvalho 2015).

participacao

© Ana Carvalho

Actualmente, a participação configura um aspecto promissor nas práticas museológicas, sendo considerada uma das grandes tendências no mundo dos museus (Mensch e Meijer-van Mensch 2011). Entendemos que o interesse que suscita tem ultrapassado em larga medida as experiências no domínio da nova museologia, no sentido da sua aplicação restrita a ecomuseus, museus de sociedade ou museus de comunidade. Neste sentido, a participação como processo poderá potencialmente ser aplicada a qualquer escala e tipologia de museu (Simon 2010). Isso fica claramente demonstrado com a aprovação da nova Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade (UNESCO 2015). Este documento de abrangência internacional não só advoga a participação e o envolvimento de diferentes grupos e/ou comunidades no desenvolvimento das principais funções museológicas (preservação, investigação, educação e comunicação), como apela à criação de políticas inclusivas de captação e formação de novos públicos.

Esta reconfiguração das práticas museológicas aponta também para uma mudança de paradigma que pressupõe um papel distinto para os públicos. Se envolvidos num processo de participação, os públicos deixam de ser entendidos apenas como visitantes, enquanto consumidores passivos, para passarem a ser percepcionados como co-criadores, o que significa que poderão assumir o papel de protagonistas no processo de criação, decisão e disseminação de novos discursos e práticas museológicas (Kreps 2009). Neste contexto, significa a passagem de um modelo assente no desenvolvimento do acesso, a partir do qual se promove a acessibilidade a um público mais alargado até aí excluído do usufruto de um património comum, para um modelo assente na inclusão cultural que reconhece aos indivíduos um papel na negociação e produção de conhecimentos (Bodo 2009). Trata-se da transformação do propósito da actividade museológica, de algo que é planeado “para” um determinado público, grupo ou comunidade, para algo que é planeado “com”. Pretende-se, portanto, a partilha da autoridade e da responsabilidade.

grupo-visitantes-museu-acropole

© Ana Carvalho

A tendência para um maior envolvimento de públicos e/ou comunidades nas actividades museológicas pode tomar várias formas, seguir diferentes modelos e alcançar níveis de aprofundamento diversos. Pode aplicar-se a áreas de maior visibilidade da programação museológica (exposições), a áreas mais reservadas (colecções, documentação), à gestão de espaços, ou prolongar-se para a internet e para as redes sociais.

São várias as razões que levam os museus a estabelecer parcerias com outros actores e a envolver diferentes públicos e/ou comunidades nas várias frentes de trabalho. Desde logo, a importância de se manterem relevantes, de se afirmarem ao serviço da sociedade, de encontrarem a sua sustentabilidade social, económica e cultural.

Por outro lado, a constatação de que o discurso museológico não se resume a uma só voz, neutra e autoritária. Um discurso multivocal que introduza diferentes leituras, perspectivas e interpretações é em teoria mais próximo da realidade que se pretende representar, logo do visitante, diríamos nós. Verifica-se, assim, uma maior valorização dos saberes que estão fora do museu, residem nas pessoas, nos grupos e nas comunidades. Não significa que se deixe de valorizar o rigor do conhecimento científico, mas reconhece-se o valor de outros saberes empíricos para o enriquecimento do discurso, reconhece-se a sua complementaridade. Porém, não se trata apenas de uma questão de representação, mas também de melhor envolver, cativar. Não será ao acaso o facto de os museus começarem a apostar cada vez mais numa dimensão mais emotiva, que fica patente na construção de narrativas que incluem formatos mais biográficos, através do vídeo e de outros registos menos formais (Pearce 2013), mostrando a importância da individualização e de uma abordagem mais afectiva.

visitantes-patrimonio

© Ana Carvalho

No campo das políticas do património, passos significativos têm sido dados no sentido de reconhecer a preservação do património cultural como um processo de responsabilidade partilhada, concertada e participada por um leque diverso de parceiros. Neste leque incluem-se as instituições ligadas ao património, mas também as ONG, o sector privado, os grupos e as comunidades, entre outros. No panorama internacional podem ser referidos pelo menos dois documentos que dão corpo a esta tendência e que foram desde logo ratificados e aprovados pelo Estado português. É o caso da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, da UNESCO, e a Convenção-Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade, de 2005. A Convenção de 2003, em particular, tem tido um impacto significativo ao chamar a atenção para o envolvimento das comunidades e grupos nos processos de salvaguarda do património cultural imaterial. O desenvolvimento dos chamados inventários participativos tem sido, porventura, uma das consequências mais evidentes desta Convenção, ainda que por “participação” se subentenda, em muitos casos, apenas a mera consulta aos grupos e/ou comunidades, sem explorar níveis mais aprofundados de colaboração. Significa que se avançou na direcção de um novo modelo de gestão do património, mas a sua implementação constitui para muitos dos envolvidos uma novidade, sejam especialistas ou não-especialistas, o que traz uma complexidade acrescida do ponto de vista da sua exequibilidade nos moldes a que se propõe. Não obstante, em ambas as Convenções referidas não é perceptível uma definição do conceito de participação e em que moldes se pode concretizar. A ausência deste aprofundamento leva, na nossa opinião, a apropriações muito díspares e a mal entendidos acerca do envolvimento de grupos e/ou comunidades nestes processos.

participacao

© Ana Carvalho

Sobre a existência de diferentes modelos de participação, quer falemos de museus ou de património, vale a pena referir a proposta de Galla (2008), que identifica três modelos. O primeiro modelo, “Participação como consulta”, porventura o mais utilizado pelos museus e pelas instituições ligadas ao património, consiste em atribuir aos grupos e/ou comunidades visadas o papel de informantes. No segundo modelo, “Participação como parceria estratégica”, os grupos e/ou comunidades colaboram em co-autoria com os profissionais na definição e na execução dos projectos, e o terceiro modelo, “Participação como capacitação das comunidades”, assumidamente mais inclusivo, pretende que sejam os grupos e/ou comunidades que, mediante um processo de capacitação, tomem a iniciativa, o controlo e a execução dos projectos.

Embora se considere a participação uma tendência, como já referimos, também é importante sublinhar que está longe de ser uma prática mainstream no mundo dos museus e no campo do património. Apesar dos argumentos favoráveis explicitados, é acima de tudo uma linha de acção promissora, que procura sair do campo da experimentação, mas ainda assim com um impacto residual quanto à forma como as organizações trabalham (Lynch 2015).

Em Portugal faltam-nos dados para melhor compreender o alcance de algumas das iniciativas que vão sendo desenvolvidas neste contexto, em parte devido à falta de uma avaliação mais sistemática e reflexiva acerca dos projectos. No Reino Unido, por exemplo, um estudo realizado a partir de um grupo de museus com experiência em projectos participativos também veio confirmar a ausência de processos auto-reflexivos (e que incluíssem todos os parceiros) que permitam a capitalização efectiva dos aspectos positivos e menos positivos na definição de programas subsequentes (Lynch 2015).

Entrando mais detalhadamente nas barreiras que têm contribuído para relegar os projectos participativos para um papel marginal nas práticas museológicas, socorremo-nos de algumas das conclusões a que chegou o programa Our Museum: Communities and Museums as Active Partners (Reino Unido). Este programa (2012-2016) tem apoiado o desenvolvimento de iniciativas em oito museus ingleses de perfil diverso com vista a um maior enfoque no envolvimento activo de pessoas de fora destes museus na formulação e execução de actividades, tendo implícito um processo de partilha de decisão e de poder entre os envolvidos. Este programa reconhece à partida que um dos problemas consiste no confinamento dos projectos participativos a situações de natureza pontual e a financiamentos de curta duração, e como tal levando a um impacto reduzido nas organizações. Todavia, a resposta encontrada pelo Our Museum no sentido de tornar a participação um elemento estratégico das organizações reside na implementação de iniciativas que visam mudar a forma como os museus e os profissionais operam. É a partir desta premissa que no âmbito deste programa se identificaram seis barreiras a ultrapassar (Bienkowsky 2014). Uma das barreiras situa-se ao nível das lideranças, patente na ausência de um compromisso mais activo por parte de directores de museu e do pessoal sénior.

Outra barreira refere-se ao conflito de agendas aparentemente contraditórias, ou seja, a percepção de que uma estratégia que tem por objectivo gerar receitas através do aumento do número de visitantes não é compatível com uma estratégia que aposte no envolvimento e participação de grupos e/ou comunidades.

Acresce a atribuição restrita da responsabilidade do trabalho com grupos e/ou comunidades a só uma pessoa, cargo ou departamento, em detrimento de uma abordagem que implique a responsabilidade partilhada, ou seja, o envolvimento do museu como um todo.

Identificou-se também que do ponto de vista da escolha dos parceiros, os museus tendem a relacionar-se com aquelas organizações que consideram “seguras”, isto é, aquelas que não obriguem a sair da sua zona de conforto, o que nem sempre corresponde à realidade do meio social e associativo envolvente, quase sempre mais diverso.

A resistência dos profissionais de museus ao trabalho com grupos e/ou comunidades, quer de forma mais consciente ou inconsciente, foi outra das dificuldades encontradas, tendo sido apontado também a falta de competências para lidar com diferentes grupos e/ou comunidades.

Uma última barreira prende-se com a constatação de uma postura mais passiva por parte dos museus que decorre, por um lado, da actual situação conjuntural de maiores dificuldades financeiras, e que é alimentada também por outros receios ligados ao estatuto profissional e às competências. Concluiu-se que estes factores somados impedem uma maior capacidade dos museus em arriscar.

As conclusões a que chegou no contexto do programa Our Museum mostram claramente um ponto de viragem inovador na forma de olhar a questão. Sendo a participação desejável, esta implica necessariamente uma transformação das organizações e uma actualização das competências dos profissionais. As limitações elencadas podem, assim, oferecer aos museus um ponto de partida para reequacionar estratégias de actuação futuras. Ao cruzarmos o percurso da participação no contexto do aprimoramento dos instrumentos políticos de governação com a partilha de autoridade no campo dos museus e do património, foi possível demonstrar a transversalidade que o tema suscita sobre o papel da cidadania na construção da sociedade contemporânea.

Referências

Anderson, Gail, ed. 2004. Reinventing the Museum: Historical and Contemporary Perspectives on the Paradigm Shift. Lanham: AltaMira Press.

Bienkowsky, Piotr. 2014. Communities and Museums as Active Partners: Emerging Learning from the “Our Museum” Initiative. [London]: Paul Hamlyn Foundation.

Bodo, Simona. 2009. “Introduction to Pilot Projects.” In Museums as Places for Intercultural Dialogue: Selected Practices from Europe, editado por Kirsten Gibbs, Margherita Sani, e Simona Bodo, 26–30. Dublin: MAP for ID Group.

Camacho, Clara Frayão. 1999. “Renovação Museológica e Génese dos Museus Municipais da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90.” Dissertação de mestrado em Museologia e Património, Universidade Nova de Lisboa.

Carvalho, Ana. 2015. “Decifrando Conceitos em Museologia: Entrevista com Mário Caneva Moutinho.” Museologia & Interdisciplinaridade 4 (8): 252–69. http://hdl.handle.net/10174/16523

Conselho da Europa. 2005. Convenção-Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade. Faro: Conselho da Europa.

Desvallées, André, e François Mairesse, eds. 2013. Conceitos-Chave de Museologia. Tradução de Bruno Brulon Soares e Marilia Xavier Cury. São Paulo: Armand Colin e Conselho Internacional de Museus (ICOM).

Filipe, Graça. 2000. “O Ecomuseu Municipal do Seixal no Movimento Renovador da Museologia Contemporânea em Portugal (1979-1999).” Dissertação de mestrado em Museologia e Património, Universidade Nova de Lisboa.

Galla, Amareswar. 2008. “The First Voice in Heritage Conservation.” International Journal of Intangible Heritage 3: 10–25.

Kreps, Christina. 2009. “Foreword.” In Museums as Places for Intercultural Dialogue: Selected Practices from Europe, editado por Simona Bodo, Kirsten Gibbs, e Margherita Sani, 4–5. Dublin: MAP for ID Group.

Lynch, Bernadette. 2015. “Our Museum”: A Five-Year Perspective from a Critical Friend. [London]: Paul Hamlyn Foundation.

Lorente, Jesús-Pedro. 2003. “La ‘Nueva Museología’ ha Muerto, Viva la ‘Museología Crítica’!” In Museología Crítica y Arte Contemporáneo, editado por Jesús-Pedro Lorente, e David Almazán, 13–25. Zaragoza: Prensas Universitarias de Zaragoza.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje: Museum of Recent History Celje.

Pearce, Susan. 2013. “Afterword: A View from the Bridge in Conversation with Susan Pearce.” In Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration, editado por Viv Golding, e Wayne Modest, 275–284. London: Bloomsbury.

Simon, Nina. 2010. The Participatory Museum. Santa Cruz, Calif.: Museum 2.0.

UNESCO. 2003. Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Paris: UNESCO.

UNESCO. 2015. Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. Paris: UNESCO.

****

Este texto é uma versão mais reduzida de:

Carvalho, Ana, e Roberto Falanga. 2016. “Da Democratização das Formas de Governação na Política à Partilha de Autoridade no Campo dos Museus e do Património.” In Participação: Partilhando a Responsabilidade, coordenado por Ana Carvalho, 29–44. Lisboa: Acesso Cultura. http://hdl.handle.net/10174/18658.

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

Novo volume da colecção Estudos de Museus é dedicado aos museus e à diversidade cultural

“Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos” é o quarto volume a ser lançado no âmbito da colecção “Estudos de Museus”, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Ana Carvalho apresentada à Universidade de Évora em 2015.

Será lançado no próximo dia 20 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional de Etnologia, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de José Manuel Sobral (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa).

“Na Europa a realidade sociodemográfica das cidades tem vindo a mudar substancialmente nas últimas décadas devido à intensificação dos fluxos migratórios e dos efeitos da globalização. Hoje os espaços urbanos são cada vez mais multiculturais, evidenciando diferentes expressões culturais, mas também tensões várias. Como podem os museus contribuir para a discussão sobre diversidade cultural e migração? Que políticas museológicas desenvolvem em torno da diversidade cultural e do diálogo intercultural? Que contributos e iniciativas promovem?

Este livro explora as relações que os museus estabelecem com comunidades e grupos associados à imigração, a partir de três estudos de caso: o Museum of World Culture (Suécia), o World Museum Liverpool (Reino Unido) e o Museu Nacional de Etnologia (Portugal). A autora analisa as estratégias desenvolvidas com as comunidades e grupos numa dupla perspectiva, por um lado, enquanto participantes na construção de narrativas contemporâneas sobre património cultural (material e imaterial) e identidade e, por outro lado, enquanto públicos locais no contexto de estratégias de captação de públicos diversos. Uma abordagem histórica dos percursos e contextos institucionais de cada um dos museus revelou as suas especificidades e diferenças, enquanto o balanço comparativo perspectivou problemas e motivações partilhados.

Os museus etnográficos estão entre os museus que mais desafios têm enfrentado nas últimas décadas e onde o tema da diversidade cultural interpela de forma transversal as várias frentes de actuação – desde as colecções, à documentação e investigação, às exposições, ao envolvimento de públicos e comunidades, à deontologia, à gestão e ao financiamento. Como demonstra esta obra, a contemporaneidade convoca mudanças significativas na forma como os museus se organizam e no fortalecimento da sua função social.”

Ana Carvalho é doutorada em História e Filosofia da Ciência – especialização em Museologia – e Mestre em Museologia pela Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016).

É autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, juntamente com Alice Semedo, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva.

Actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, com uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), e membro da equipa da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da mesma Universidade. A autora investiga as implicações das orientações da UNESCO para o Património Cultural Imaterial no contexto das políticas nacionais e locais, em particular a partir da perspectiva dos museus.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados três volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho e Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por um representante da Caleidoscópio e da Direção-geral do Património Cultural e por académicos de várias universidades portuguesas.

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial. Poderá ser adquirido online via Wook: https://www.wook.pt/livro/museus-e-diversidade-cultural–ana-carvalho/18868052 ou Bertrand: http://www.bertrand.pt/ficha/museus-e-diversidade-cultural-?id=18868052

****

ÍNDICE

Introdução

Museus, multiculturalismo, interculturalidade e diversidade cultural
Do multiculturalismo à interculturalidade
Diversidade cultural, acessibilidade e participação
Museus e imigração
Práticas museológicas e diversidade cultural: um balanço

Colecções etnográficas e diversidade cultural
De curiosidades a objectos etnográficos
Museus etnográficos na Europa pós-colonial

Museum of World Culture
Um novo museu para Gotemburgo
Fim de um ciclo
Um museu de outro tipo
Estratégias para a diversidade
Públicos: Mais e diversos
Exibindo a diversidade através da multivocalidade
Imigração: Tópico da cultura do mundo
Mudança Social
Participação local: uma rede de embaixadores
Colecções e imigrantes
Património imaterial: memória e identidades
Um museu em transição

World Museum Liverpool
Liverpool, desenvolvimento e museus
World Museum Liverpool, um museu multidisciplinar
Diversidade na agenda nacional: investimento e instrumentalização
Diversidade: da periferia para o coração dos museus

Museu nacional de Etnologia
De Museu de Etnologia do Ultramar a Museu Nacional de Etnologia
Uma exposição permanente: O Museu, Muitas Coisas
Abordagens à diversidade cultural no panorama museológico nacional
Diversidade cultural: O outro aqui tão perto

Diversidade cultural, da representação a novos públicos: resultados e conclusões

Siglas e Acrónimos
Fontes e Bibliografia
Agradecimentos
Notas
Índice remissivo

Como tornar um museu mais participativo: o exemplo britânico

no longer us and them

 No Longer Us and Them (Abril, 2016) apresenta os principais resultados do projecto britânico Our Museum: Communities and Museums as Active Partners (2012−2015). “Our Museum” juntou sete museus de diferentes tipologias e geografias com um objectivo comum: iniciar um processo de mudança organizacional que permitisse que as práticas participativas se tornassem parte integrante da vida desses museus, que fossem sustentáveis e que as comunidades fossem envolvidas no processo de decisão, não apenas em exposições e eventos, mas em todos os aspectos do trabalho em museus.

Em 2011, um estudo prévio (Whose Cake is it Anyway?) havia concluído que apesar dos desenvolvimentos nesta área, o envolvimento das comunidades e a participação nos museus do Reino Unido era ainda uma actividade periférica e as comunidades tidas como beneficiárias passivas em vez de parceiros activos. Partindo destas constatações, “Our Museum” propôs integrar a participação nos museus através de uma abordagem integrada que implicasse uma mudança organizacional e também alterações no modo como os profissionais trabalham. No essencial, o projecto pretendeu atribuir às comunidades um agenciamento efectivo, ou seja, a possibilidade de participarem e colaborarem de forma regular no diálogo e no processo de decisão.

Nesta publicação encontramos a síntese das aprendizagens do projecto. Apresentada de forma simples e clara, a publicação tem uma componente muito prática, indicando exemplos de como tornar um museu participativo numa perspectiva integrada e de longo termo. Este é provavelmente o projecto mais interessante dos últimos tempos, colocando o enfoque no envolvimento dos grupos e comunidades nos museus.

Leia ainda neste blogue a entrevista (em português) com Piotr Bienkowski, director do projecto “Our Museum”: https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/7137