Arquivo da Categoria: Livros

Novo livro da coleção Estudos de Museus dedicado aos imperativos da arte

Os Imperativos da Arte: Encontros com a Loucura em Portugal do séc. XX  é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Teoria da Arte, de Stefanie Gil Franco, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva e de Emerson Dionísio Gomes de Oliveira).

O lançamento é no dia 27 de Abril, pelas 18h00 e o livro será apresentado por Fernando Rosa Dias. O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural. 

Sinopse

Este livro apresenta uma história delineada a partir de uma rede de discursos tecida pelos encontros entre a psiquiatria e a arte. Mais propriamente, trata-se de localizar a formação de algumas manifestações de interesse, pela psiquiatria e pela arte, na expressão de sujeitos considerados loucos. Sabendo, sobretudo, que a loucura só pode ser instituída a partir de práticas de sentido de uns sujeitos sobre outros. Assim, aquilo que define o sujeito enquanto louco é uma conduta (científica, artística, social…) de uns sobre outros e sobre a própria noção de loucura. Isso está longe de dizer que a loucura não existe na nossa sociedade, mas, antes, de salientar que as suas definições são tomadas nas próprias relações que  a compõem. É preciso salientar que a noção abstrata de “loucura” possui muitos modos de entendimento e que está mais para um imaginário social, moral e, mesmo, poético e artístico do que para uma interpretação científica. Parte-se, portanto, do princípio de acompanhar as designações históricas de “alienação mental”, doença mental”, “saúde mental” nos seus modos particulares de funcionamento. Como interesse histórico surge o século XX em Portugal – saindo e retornando deste foco sempre que necessário –, considerando que é neste período que a loucura se institui e se institucionaliza enquanto doença mental. Isso significa dizer que durante o aproximar de um século vemos diversas narrativas sobre quem são os loucos, reverberando em diferentes compreensões sobre as suas expressões artísticas: por ora, compreendidas como a extensão de um corpo e uma mente degenerada e, por ora, como outsider art. Por fim, é preciso dizer que o principal foco de investigação são os imperativos que fazem surgir as expressões da loucura na nossa sociedade, como degeneração, como terapia, como arte ou outras infinitas possibilidades.

Sobre a autora:

Stefanie Gil Franco é nascida e criada em São Paulo. Fez a sua formação em ciências sociais e em história da arte, concluindo, em 2019, o doutoramento no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, com a tese que agora é publicada em livro. O seu interesse sobre as questões da “arte e loucura” inicia-se no ano de 2006 quando principia uma investigação sobre Arthur Bispo do Rosário, resultando no seu projeto de mestrado em Antropologia Social na Universidade de São Paulo. Como foco de interesse percorre temas relacionados à institucionalização da loucura, às práticas nosográficas da psiquiatria, assim como à promoção Stefanie Gil Francoda loucura como elemento discursivo no campo das artes. Atualmente desempenha funções como investigadora e docente.

Índice

7 | INTRODUÇÃO

19 | CAPÍTULO 1 – A ALIENAÇÃO EM PORTUGAL: NOTÍCIAS ACERCA DA DEGENERAÇÃO MENTAL E ARTÍSTICA
21 | Um povo que deseja conservar-se e progredir: os alienistas e os alienados
36 | Que degeneram certo, e se desviam: a nosografia de um poeta
44 | Por que é que estas pessoas desenham? A descoberta das expressões dos insanos
60 | Acabrunhados, psychasthenicos, elles apparecem na arte e na literatura: os estudos de Luiz Cebola e Júlio Dantas
81 Doidice ou troça? Os efeitos da teoria da degeneração na arte portuguesa

103 CAPÍTULO 2 – ISOLAR OS CORPOS. MORALIZAR AS MENTES: ALGUMAS MANIFESTAÇÕES SOBRE A CRÍTICA DE ARTE DOS INSANOS
105 A moderna nosografia psicopatológica: a invenção da crítica de arte dos insanos
128 Moralizar as mentes e higienizar o corpo: discursos da psiquiatria portuguesa entre religiosos e republicanos
137 Mil facetas dos espíritos que desvariam: como se expressam as almas delirantes?
151 Biopsiquiatria e psicanálise
159 Entre leucotomias e críticas de arte: entra em cena o Prémio Nobel
169 Varela Aldemira e Flávio de Carvalho: psicanálise e loucura na introdução de dois artistas
175 Os intermináveis anos de 1930: arte e eugenia nos estados totalitários

187 | CAPÍTULO 3 – HUMANIZAR E ADJETIVAR A LOUCURA: UM MUNDO DIVIDIDO AOS PARES
189 A hora das metáforas: o caso da pintora que assassinou o marido
197 Apontamentos sobre uma nova reforma psiquiátrica: da doença para a saúde mental
204 Do filosofar na psiquiatria: a negação do poder médico
220 Presenças contestatárias: a adjetivação da arte dos doentes mentais
231 Art brut e outsider art: novas políticas da arte
243 Interpretações conceptuais: as mitologias individuais por Harald Szeemann
247 Jaime, de apelido Fernandes Simões
258 Fecha-se um hospital, abre-se um museu: novos imperativos sobre arte, arquitetura e doença mental
268 Curadoria em arte dos “doentes” e “não doentes”: os modelos de ateliê no CHPL de hoje
280 Um caleidoscópio riquíssimo: a loucura como categoria desejante

285 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. TEMAS PARA O FUTURO
299 O que se passa com a art brut?

305 Notas
317 Fontes e bibliografia
327 Índice remissivo
331 Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à educação

 

Capa do livro onde se vê imagem a preot e branco de duas jovens de costas a pendurar imagem na parede

Museus e Escolas: As relações Pedagógicas e o papel dos Museus é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em “Artes y Educación”, de Marta Ornelas, apresentada à Faculdad de Bellas Artes, Universitat de Barcelona (orientação de Fernando Hernández-Hernández), em 2016.

O lançamento do livro é no dia 20 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro apresenta uma investigação que versa sobre diversos modos de relação entre jovens do 3º ciclo da escolaridade obrigatória e museus de arte contemporânea. Através de quatro estudos de casos (Museu Berardo, Casa das Histórias Paula Rego e Museu Nacional de Arte Contemporânea), foi possível verificar que os jovens reclamam por práticas mais participativas do que aquelas que tradicionalmente a escola e os museus lhes oferecem. O cumprimento do currículo e as imposições programáticas dos museus constituem constrangimentos à criação de relações pedagógicas entre museus e escolas. Além disso, a legitimidade para ensinar está ainda muito centrada na figura docente ou de quem dinamiza as visitas nos museus, enquanto aos estudantes é atribuído um papel essencialmente subordinado. É a escola que aprende com o museu, sendo muito raramente criadas oportunidades para que o museu aprenda também com a escola. Contudo, a forma como as professoras e as educadoras de museu encaram o conhecimento, a aprendizagem e a arte contemporânea é determinante para o modo como os estudantes aprendem. Se aos jovens for dado um espaço participativo e de autoria na relação com o museu, isso permitirá a criação de propostas alternativas às macronarrativas, sejam estas provenientes dos museus ou mesmo da própria escola tradicional que perpetua a ordem social. No caso da investigação que aqui se expõe, foram as propostas alternativas concebidas pelos jovens que lhes proporcionaram a realização de aprendizagens dotadas de sentido.

Sobre a autora:

Marta Ornelas é doutorada em Artes e Educação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Barcelona, mestre em Museologia e Património pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Professora no ensino básico e secundário, desde 1998, e no ensino superior (2002 e 2016), é formadora de professoras e membro da direção da APECV – Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual. É investigadora do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas Artes. Tem organizado encontros científicos em instituições de referência. Tem publicado artigos e apresentado comunicações em congressos sobre a temática educativa e o acesso do público escolar à arte. Tem sido convidada para integrar conselhos científicos de revistas e de congressos. Em 2018 fundou a Arte Central, um projeto que nasceu para levar a educação artística a todas as pessoas e cresceu a instigar a relação entre as escolas e as instituições culturais, sob uma perspetiva construtivista e de luta contra a discriminação e a desigualdade. A Arte Central é membro da InSEA – International Society for Education Through Art – e da WAAE – World Alliance for Arts Education.

Índice

NTRODUÇÃO
PARTE I – PERSPETIVAS TEÓRICAS E CONCEITOS-CHAVE
Perguntas de investigação
Referências teóricas que marcam a investigação
Abordagem aos museus e aos seus discursos
Perspetivas pedagógicas (nas escolas e nos museus)
Modos de entender a relação entre escolas e museus
Conceitos-chave da investigação

PARTE II – ABORDAGEM METODOLÓGICA
Investigação qualitativa
Estudo de casos
Questões éticas
Reflexividade

PARTE III – ESTUDO DE CASOS
Estudo de caso 1: A primeira vez num museu de arte contemporânea
Estudo de caso 2: Trabalhar e aprender com técnica, rigor e disciplina
Estudo de caso 3: Jovens viajados e críticos
Estudo de caso 4: Implicar os interesses dos alunos num trabalho artístico

PARTE IV – PROCESSO DE ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS
O incidente significativo
Segmentação e codificação das evidências
Primeira abordagem derivada da segmentação e codificação das evidências

PARTE V – CONCLUSÕES
Semelhanças entre os casos estudados
Possibilidades de resposta às perguntas de investigação
POST SCRIPTUM
Uma proposta educativa emergente da investigação

Notas
Fontes e bibliografia
Agradecimentos

 

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado ao Museu Nacional de Arte Contemporânea

capa do livro que tem imagem a preto e branco do espaço exterior do Museu Nacional de Arte Contemporânea

Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico, de Isabel Falcão, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento é no dia 13 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Diogo de Macedo (1889-1959) assume a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) em 1 de julho de 1944, sendo, nos 33 anos de existência do museu, o primeiro escultor a ocupar este cargo. A sua atividade desenvolve-se entre 1944 e 1959, articulando e contextualizando a intervenção no museu com as suas convicções culturais e estéticas, evidenciadas numa intensa atividade como crítico e historiador da arte. Com este estudo pretende-se interpretar o projeto delineado pelo escultor Diogo de Macedo para o MNAC, analisando o seu pioneirismo, destacando os aspetos mais inovadores, e registando, simultaneamente, as fragilidades e fracassos da sua ação. Uma ação centrada na valorização do espaço expositivo, no estudo e divulgação das coleções e na constituição de um acervo representativo da arte contemporânea. Esta função é compreendida em necessária articulação, e contextualização, com o percurso biográfico de Macedo, com a sua obra escultórica e com a sua atividade de crítico, ensaísta e historiador. Pretende-se, ainda, demonstrar que Diogo de Macedo cria um programa museológico para o museu, com um projeto específico que relaciona investigação científica sobre a coleção e divulgação da arte, com o desígnio da construção de uma identidade institucional e científica para o MNAC, no panorama da cultura portuguesa da primeira metade do século XX.

Sobre a autora:

Isabel Falcão (1966) é membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa), grupo de investigação MuSt-Museum Studies, e coordenadora científica do projeto “História das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian – Catálogo Digital”, uma parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto de História da Arte (FCSH-NOVA). Doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico (2019), com orientação científica de Raquel Henriques da Silva, e cuja investigação esteve na base do presente livro. Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Pós-Graduação em Museologia (2008). Mestrado em História da Arte Contemporânea (1997). Licenciatura em História – variante em História da Arte (1989). Tem colaborado com diversas instituições em projetos relacionados com a história da arte portuguesa, estudo de coleções e comissariado de exposições temporárias, sendo autora de diversos artigos e publicações. Desenvolve investigação sobre arte portuguesa dos séculos XIX e XX.

Índice

7 | INTRODUÇÃO
13 | PARTE I – EM TORNO DO MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (MNAC)
15 | CAPÍTULO 1 – Os condicionalismos do MNAC no convento de S. Francisco
43 | PARTE II – DIOGO DE MACEDO (1889-1959). UM ESTETA 
45 | CAPÍTULO 2 – A escultura e a concretização de um ideário
81 | CAPÍTULO 3 – Em torno do pensamento teórico e historiográfico de Diogo de Macedo
123 | PARTE III – DIOGO DE MACEDO E A DIREÇÃO DO MNAC
125 | CAPÍTULO 4 – Diogo de Macedo, o novo diretor do MNAC (1944-1959)
131 | CAPÍTULO 5 – O projeto de Diogo de Macedo para o MNAC
175 | PARTE IV – A INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL DE DIOGO DE MACEDO NO EXTERIOR
176 | CAPÍTULO 6 – Participações oficiais durante o período de direção do MNAC (1944-1959)
193 | CONSIDERAÇÕES FINAIS
207 | Notas
239 | Fontes e bibliografia
257 | Índice Remissivo 
259 | Diogo de Macedo (cronologia)

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado à transformação da arte funcional em objeto museal

Transformar Arte Funcional em Objeto Museal é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em Arte e Design de Sofia Ponte apresentada à Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em 2016 (orientação de Lúcia Almeida Matos).

O lançamento é no dia 6 de Abril, pelas 18h00, via Facebook da Direção-Geral do Património Cultural. A sessão inclui intervenções de Lúcia Almeida Matos, Rita Jerónimo (Direção-Geral do Património Cultural) e Jorge Ferreira (Caleidoscópio). O lançamento será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Este livro estuda a exposição de obras de Arte Funcional em museus de arte. Arte Funcional é um segmento de arte contemporânea, relacionado com a Arte Pública recente, constituído por obras que se materializam através de uma inconfundível articulação entre as suas dimensões conceptual, social e funcional. Preenchendo uma lacuna no estudo das estratégias de exposição deste tipo de obras e através de uma análise da sua transformação em objeto museal, esta investigação toma para análise três obras e a sua respetiva vida social — The Homeless Vehicle (1988) de Krzysztof Wodiczko, paraSite (1998-) de Michael Rakowitz e Victory Gardens+ (2007) de Amy Franceschini.
O leque diversificado de situações expositivas identificadas permitiu verificar que uma exposição põe em marcha ações de recontextualização que levam à transformação conceptual e material das obras em questão. Propõe-se que a natureza híbrida e complexa da Arte Funcional tende a desafiar as condutas de exposição praticadas nos museus de arte, porque o conceito de objeto museal relativo à Arte Funcional é instável. Verificou-se que este processo tem contribuído, e simultaneamente beneficiado, da “desmodernização” do contexto museal, um fenómeno recente mas com fervorosos seguidores, que tem potenciado uma atividade curadorial cada vez mais reflexiva.

Sobre a autora:

Sofia Ponte é natural de Lisboa. Doutora em Arte e Design pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e mestre em Visual Studies pela School of Architecture and Planning do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Membro integrado do Instituto de Design, Media e Cultura (ID+). Foi professora auxiliar convidada na FBAUP entre 2011 e 2020. Atualmente é professora auxiliar no IADE – Universidade Europeia.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – QUANDO A ARTE CONTEMPORÂNEA É ARTE FUNCIONAL
Variantes do Conceito de Arte Pública
O Crescimento da Estética da Participação Social
Dilemas Relativos à Esfera Social
Heranças da Arte Conceptual
Discussão do Conceito Funcional

CAPÍTULO 2 – ARTE FUNCIONAL – SELEÇÃO DOS CASOS DE ESTUDO
Enquadramento Metodológico
Campo Empírico

CAPÍTULO 3 – QUANDO A ARTE FUNCIONAL SE TORNA OBJETO MUSEAL
Musealizar Arte Contemporânea
A Musealização do Ponto de Vista dos “Céticos dos Museus”
Da Obra de Arte Instável ao Objeto Museal Instável
A Exposição de Arte Funcional
Recentes Desafios da Atividade Curadorial
A “Desmodernização” do Contexto Museal

CAPÍTULO 4 – TRAJETÓRIAS DA ARTE FUNCIONAL
Arte Funcional em Coleções de Arte
A Exposição da Coleção do Baltimore Museum of Art
Arte Funcional em Exposições Temporárias
O Pioneirismo de Krzysztof Wodiczko e The Homeless Vehicle em Exposição
As Diversas Versões Museais de paraSite
As Iterações de Victory Gardens 2007+ A Plan for Subsidized Urban Gardens

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Contributos da Investigação
Limitações e Dificuldades da Investigação
Investigação Futura

Notas
Siglas, acrónimos e abreviaturas
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Publicado livro sobre o projecto Mu.SA – The Future of Museum Professionals in the Digital Era

O livro “The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA“, da responsabilidade editorial de Achilles Kameas and Panagiota Polymeropoulou (Hellenic Open University), é um dos resultados finais do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020). Inclui 12 artigos dos parceiros deste consórcio internacional (Portugal, Itália e Grécia), nomeadamente da Hellenic Open University, AKMI S.A, ICOM Hellenic National Committee, ICOM Portugal e Melting Pro Learning.

A investigação desenvolvida no âmbito do projecto Mu.SA (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) consistiu em reflectir sobre o papel dos museus na sociedade digital, considerando as necessidades e os desafios da transformação digital no contexto dos museus. A investigação foi desenvolvida a partir de uma análise comparativa em três países do Sul da Europa: Portugal, Grécia e Itália, e no contexto de um consórcio internacional, liderado pela Hellenic Open University (Grécia), com financiamento europeu (Erasmus +, Sector Skills Alliance). 

O projecto Mu.SA teve por objectivo criar ferramentas educativas com vista ao desenvolvimento das competências digitais dos profissionais de museus, através do ensino à distância, nomeadamente por via de um MOOC – um curso online, de acesso livre e sem pré-requisitos de participação. Intitulado “Essential Digital Skills for Museum Professionals”, este curso, realizado em 2019, foi pensado como uma introdução às competências digitais e transferíveis necessárias para melhor capacitar os profissionais face aos desafios da trans- formação digital nos museus. Foi seguido de um curso de especialização (6 meses), com um perfil modular, e compreendendo uma componente teórica e prática. Manteve-se o formato de ensino à distância, através de uma plataforma digital (Moodle), disponibilizando conteúdos online e recursos educativos, incluindo ainda sessões presenciais, actividades de auto-estudo e uma experiência de trabalho efectiva em museu (aproximadamente dez semanas). Alguns destes recursos educativos continuam disponíveis no website do projecto Mu.SA: http://www.project-musa.eu/results/oers/.

****

Índice

 ix | Introduction, Achilles Kameas e Panagiota Polymeropoulou

1 | Chapter 1: Greek Museums in the Digital Age: Training Needs of Museum Professionals in the Framework of the Mu.SA Project, Artemis Stamatelou

7 | Chapter 2: The Training Needs of Museum Professionals in the Digital Field in Italy, Antonia Silvaggi, Romina Surace, Federica Pesce, Margherita Sani

13 | Chapter 3: Digital Competences Needs and Training in the Portuguese Museum Sector, Ana Carvalho e Alexandre Matos

21 | Chapter 4: Mu.SA: The Emerging VET Curricula, Spiros A.p. Borotis, Panagiota Polymeropoulou, Christos Pierrakeas, Konstantinos Giannakopoulos e Achilles Kameas

29 | Chapter 5: A Methodology for Realizing VET Curricula: The Mu.SA Case, Christos Pierrakeas, Panagiota Polymeropoulou, Spiros A.p. Borotis e Achilles Kameas

37 | Chapter 6: Insights from Piloting a Community Builder MOOC to Help Museum Professionals Facing 21st Century Challenges, Paula Menino Homem

45 | Chapter 7: Evaluation of the Mu.SA MOOC Course, Massimiliano Dibitonto, Katarzyna Leszczynska e Elisa Cruciani

51 | Chapter 8: Piloting the Specialization Courses of the Mu.SA project: Shifting Towards the Museum of the Future, Eleni Damianou e Giannis Panopoulos

55 | Chapter 9: Evaluation of the Mu.SA Blended Course, Massimiliano Dibitonto, Katarzyna Leszczynska e Elisa Cruciani

63 | Chapter 10: An Agenda for Digital Culture, Ivo Oosterbeek, Maria João Nunes, Ilídio Louro, Ana Fernambuco e Inês Câmara

69 | Chapter 11: Museums for Social Inclusion: Exploring Current Trends in Greek Museums, Artemis Stamatelou

73 | Chapter 12: The Future of Museums and Digital Transformation Challenges, Ana Carvalho e Alexandre Matos

81 | Conclusions

****

Kameas, Achilles, e Panagiota Polymeropoulou, eds. 2020. The Future of Museum Professionals in the Digital Era – The Success Story of Mu.SA. Athens: Hellenic Open University Press. 83 páginas. ISBN: 978-618-84272-9-7. http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2021/03/Mu.SA-e-book.pdf

Edição digital do Relatório final do Grupo de Projecto Museus no Futuro

Estão disponíveis as edições digitais* do Relatório Final e do Sumário Executivo (português e inglês) do Grupo de Projeto Museus no Futuro.

No seguimento do projeto criado por Resolução de Conselho de Ministros em fevereiro de 2019, o Grupo Museus no Futuro apresentou em novembro de 2020 os resultados do seu mandato à Ministra da Cultura. Na sequência de um processo de auscultação dos diretores dos Museus, Palácios e Monumentos da Direcção-Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura e de subsequente discussão pública, os documentos finais contêm 50 recomendações que podem ser vertidas em medidas de política pública para este universo. As recomendações estão organizadas em torno de 5 eixos temáticos: Gestão de Museus; Redes e Parcerias; Transformação Digital; Gestão de Coleções; e Públicos e Mediação.

*Camacho, Clara Frayão, ed. 2021. Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final. Direção-Geral do Património Cultural. Lisboa. 118 p. ISBN: 978-972-776-578-2. http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf

Nova publicação dedicada à Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial

Na imagem vê-se uma peça de olaria

Está disponível uma nova publicação dedicada à “Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial”. É da responsabilidade editorial de Alice Semedo, Alexandre Matos e Elizabete Mendonça, sendo uma edição da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (NUGEP/UNIRIO) em parceria com o Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM) da Universidade do Porto.

Segundo os editores, pretende-se com esta publicação “refletir sobre um tema que carece ainda de exploração: a relação entre o Museu e o PCI no que diz respeito à Gestão Integrada do Património no âmbito das políticas públicas. Esta discussão revela-se fundamental porque, apesar dos problemas relativos à gestão de coleções em museus permearem os atuais debates sobre Musealização e Políticas Culturais para a área de Museus, as reflexões ainda se encontram, na sua maioria, focadas nas «coleções materiais» (ou na materialidade das coleções e subjacente dicotomia material/imaterial) das quais os museus são efetivamente responsáveis legais. Todavia, neste contexto, no seu conjunto, os autores dos textos demonstram bem a necessidade e relevância de tornar mais presente este tema nas discussões […] Esta lacuna torna-se ainda mais evidente quando se pensa na gestão integrada do património e na proposição de ações conjugadas nas áreas de políticas culturais que relacionem os segmentos de museus e o património imaterial, no que diz respeito aos procedimentos de documentação” (p. 7-8).

A publicação encontra-se disponível em acesso aberto aqui: http://hdl.handle.net/10174/27017

 

Índice

6| Introdução: Reflexão sobre Gestão Integrada do Património e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em museus portugueses, Elizabete de Castro Mendonça, Alice Lucas Semedo e Alexandre Manuel Ribeiro Matos

13| Reflexões sobre património cultural imaterial e museus: das políticas às práticas, Ana Carvalho

44 | A legislação portuguesa sobre património imaterial, o papel das comunidades e a gestão integrada dos museus: caminhos divergentes? Filipe Themudo Barata

60 | Saber fazer louça preta de Bisalhães é Património Cultural Imaterial, João Ribeiro da Silva

81 | Teatro Dom Roberto: problematizações em torno da sua salvaguarda, Marta Guerreiro

108 | A festa em honra da Nossa Senhora da Penha de França: caminhos para uma abordagem integrada ao património Vista Alegre, Filipa Quatorze

129 | Apontamentos a propósito de uma entrevista a Francisco Pedro Iria, Miguel Rego

152 | Apêndice: Programa do Workshop «Gestão Integrada do Património em Museus e Salvaguarda do Património Cultural Imaterial»

153 | Notas biográficas

Museu de Arte Popular é tema de novo título da coleção Estudos de Museus

 

Capa do livro onde se mostra uma imagem a preto e branco do Museu de Arte Popular

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular é o 15.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Antropologia) de Alexandre Oliveira apresentada ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa em 2018 (orientação de Joaquim Pais de Brito).

O lançamento é no dia 16 de Outubro, pelas 18h30, no Museu de Arte Popular, em Lisboa. Com apresentação de Cláudia Pereira.

Sinopse

Este livro é um contributo para o conhecimento do Museu de Arte Popular, tentando entendê-lo desde o surgimento da ideia da sua criação até ao momento presente. Pretende-se compreender os contextos que estiveram na origem da sua conceção dentro do quadro das políticas de propaganda associadas à arte e cultura popular de António Ferro e do Estado Novo, à sua construção e à sua existência prolongada pelo tempo até ao momento presente de reabertura. Depois de toda a controvérsia em torno do destino do Museu de Arte Popular, uma conclusão é de que, apesar das muitas propostas para o seu futuro, manteve-se um desconhecimento do seu passado. Este livro é sobretudo uma etnografia histórica que pretende contribuir para o conhecimento sobre o Museu de Arte Popular e assim também para o enriquecimento do debate sobre o seu futuro.

Sobre o autor:

Alexandre Oliveira (Lisboa, 1978). Mestre e doutor em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi bolseiro de doutoramento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Colaborou durante 18 anos com o Museu Nacional de Etnologia onde estudou coleções e acervos documentais, organizou arquivos, montou exposições, orientou estágios e exerceu ainda funções de vigilante/rececionista. A sua tese de mestrado focou-se nos estudos antropológicos sobre Timor e na sua relação com as coleções etnográficas existentes no país. Foi também responsável pela seleção das peças e pelos textos do núcleo timorense da exposição permanente do Museu do Oriente. Fez parte da equipa que procedeu ao inventário e transporte da coleção do Museu de Arte Popular para o Museu de Etnologia. É, desde 2019, técnico superior da Direção-Geral do Património Cultural no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico – Forte de Sacavém.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – ORIGENS DO MUSEU

António Ferro
O Secretariado da Propaganda Nacional

CAPÍTULO 2 – AS INICIATIVAS FOLCLORISTAS E ETNOGRÁFICAS DO SECRETARIADO

A etnografia ao serviço da propaganda: a Exposição de Genebra
A Exposição de Arte Popular em Lisboa
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris
Em busca do povo, as iniciativas folcloristas do Secretariado
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Nova Iorque
O Centro Regional da Exposição do Mundo Português
A nação de Ferro entre a propaganda e o espírito

CAPÍTULO 3 – A CONSTRUÇÃO DO MUSEU

Primeiras obras e um plano de organização
Exposições e diplomacia do Secretariado em tempo de guerra
A instalação do Museu de Arte Popular
O Museu inaugurado

CAPÍTULO 4 – UM MUSEU À BEIRA TEJO

Os anos de Francisco Lage (1948-1957)
Os anos de Manuel de Melo Correia e Madalena Cagigal e Silva (1957-1968)
Os anos de Maria Helena Coimbra (1969-1979)
Os anos de Elisabeth Cabral (1980-2007)
Encerramento e reabertura (2007-2019)

CONCLUSÃO

Cronologia
Notas
Fontes e Bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

A imagem inclui capa do livro e mensagem convite para lançamento do livro

Museu do futuro: competências digitais para a mudança e inovação em Itália

Silvaggi, Antonia, Frederica Pesce, e Romina Surace, eds. 2018. Museum of the Future: Digital Skills for Change and Innovation in Italy. Roma: Melting Pro, Mu.SA – Museum Sector Alliance. 65 páginas. ISBN: 978-88-942976-1-4, online.

Trata-se de relatório sobre a realidade museológica italiana em relação às competências digitais produzido no âmbito do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (http://www.project-musa.eu), a partir das entrevistas e do focus group realizados em Itália. Com base nos resultados do mapeamento em Itália (2016-2017), o relatório organiza-se em quatro temáticas principais: 1) Widespread of digital culture; 2) Community; 3) Professions and digital skills; 4) Accessibility and security.

O projecto Mu.SA (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA
www.project-musa.eu

****

Table of contents

09| Premises

11| The context of reference

19 | The results of the Mu.SA research: the experts speak

20 | 1. Digital culture

26 | 2. Community

32 | 3. Digital professions and skills

46 | 4. Accessibility and security

53 | Postscript by Giovanna Barni

57 | List of contributions to the research

61 | Bibliography and webliography

 

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Livro propõe reflexão sobre museus e inovações

Por Ana Carvalho, recensão crítica do livro:

Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm, e Viv Golding, eds. 2017. Museums and Innovations. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing. 241 páginas, ISBN: 978-1-4438-1268-9.

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

****

Como é que os museus podem ter um impacto positivo na sociedade global? Que inovações se podem identificar actualmente em museus etnográficos e de história social? Podem ou devem os museus ter um agenciamento provocador na sociedade, através de exposições e programas públicos que instiguem debates alargados que possam servir diferentes comunidades? É a partir deste enunciado que o livro propõe uma reflexão sobre as formas de pensar e trabalhar em museus, na perspectiva de encorajar práticas museológicas mais críticas e criativas, e contextos de trabalho colaborativos.

O livro tem por base uma selecção de comunicações apresentadas na conferência anual do ICME (Comité Internacional do ICOM para Museus e Colecções de Etnografia) com o mesmo título – Museums and Innovations, que decorreu em Zagreb (Croácia), entre 14 e 16 de Outubro de 2014.

Para o livro contribuiu um total de 23 autores, entre investigadores, professores e profissionais de museus a actuar em diferentes frentes (da gestão, à documentação, à curadoria, entre outras), provenientes principalmente da área da história e da antropologia, incluindo da história da arte, com especializações em museologia e património. A diversidade da cobertura geográfica dos contributos é também digna de nota: Alemanha, Irlanda do Norte, Malta, Sérvia, Croácia, Itália, Espanha, Polónia, Finlândia, Estónia, Holanda, Rússia e Bélgica, contrariando lógicas que, porventura, estamos mais habituados a observar.

Um outro aspecto relevante é a diversidade de casos apresentados: museus de diferentes tutelas, tipologias e escalas, nomeadamente museus de universidade (ex. Universidade de Gante), museus de cidade (ex. Helsínquia, Amesterdão), museus de história, museus etnográficos, museus nacionais (ex. Estonian National Museum), museus de âmbito mais regional (ex. Valencian Museum of Ethnology) ou local (ex. Lucca Museum of the Risorgimento, Bir Mula Heritage Museum, Open Air Museum “Old Village”), experiências com exposições temporárias no espaço público (Berlim), projectos fora do contexto museal (ex. Belonging Project), incluindo análises museológicas mais panorâmicas (Moscovo, Berlim), para referir apenas alguns.

Participação, inovação e transformação são palavras-chave neste livro. Relevância é outra palavra usada em vários capítulos, corroborando a premência de articulação dos museus com a sociedade contemporânea. Aborda-se a complexidade das identidades, o papel dos museus como agentes de influência nas comunidades e nos governos, e maior activismo na defesa da justiça social, ajudando a responder a necessidades e problemas societais. Outros referentes de análise incluem as histórias “difíceis” associadas ao colonialismo, e ainda o papel central da temática das migrações. Além disso, as colecções prevalecem como elementos-chave de novas abordagens e reinterpretações, mas também o compromisso de envolver os públicos já não apenas entendidos como passivos, mas com maior agenciamento.

O livro organiza-se em seis partes: 1) Explorando Identidade e Comunidade; 2) Comunicando Património e Intangibilidade; 3) Transformações; 4) Participação e Justiça Social; 5) Desenvolvendo Novas Práticas; e 6) Novas Vozes e (Re)Interpretação. Apesar da utilidade de organizar os conteúdos, por si só estes separadores são pouco operativos, uma vez que muitos dos capítulos se encaixariam em mais do que uma das secções enunciadas.

Longe de representarem práticas mainstream, muitos dos contributos incluídos no livro reafirmam e assentam em preocupações, como as que referimos acima, que parecem apontar para tendências que têm sido evidenciadas por via de um crescendo de literatura sobre museologia e museus. New Trends in Museology (2011), Nouvelles Tendances de la Muséologie (2016) são dois exemplos, entre outras obras, que perspectivam esses caminhos. A mais-valia deste livro reside na ancoragem em práticas que, com uma certa dose de experimentalismo, procuram testar e implementar alguns dos pressupostos referidos, seja por via de uma reflexão de iniciativa externa, seja pelos próprios intervenientes nestes processos. Muitos dos casos apresentados advêm também de processos de transformação induzidos pela renovação de exposições ou de reestruturações mais alargadas das próprias organizações museais. Dar nota das opções tomadas e dos princípios que guiaram estas mudanças pode ser, na nossa perspectiva, muito enriquecedor para melhor compreender as diferentes dinâmicas e ritmos que estimulam o complexo panorama museológico internacional.

Apesar de se notarem diferentes níveis de aprofundamento teórico e prático entre os 16 capítulos, no geral oferecem uma leitura cativante. Entre estes destacamos quatro capítulos por acentuarem aspectos que, em nosso entender (e assumindo desde logo a subjectividade implícita nesta escolha por conta do nosso próprio percurso), são significativos nas práticas museológicas contemporâneas. Isto é, a transformação da forma de trabalhar das organizações museais e dos profissionais de museus em prol de modelos hipoteticamente mais eficazes e que colocam em primeiro plano os visitantes e o seu envolvimento (ex. capítulo dez e 11); O Helsinki City Museum inaugurou uma nova sede em 2016. Este é também o pano de fundo em que Jari Harju, historiadora e conservadora deste museu, dá conta ao longo do capítulo dez (The Helsinki City Museum’s New Exhibition Policy), explicando o racional e a metodologia seguida para elaborar uma nova política de exposições (2014-2018). Um dos métodos utilizados consistiu num inquérito interno envolvendo os profissionais do museu (aproximadamente 100 pessoas) de todas as áreas, na tentativa de construir uma visão partilhada e estratégica para o museu.

O capítulo 11 (Participation in the Museum: Diverse Audiences and their Motivations), da autoria de Agnes Aljas, investigadora do Estonian National Museum, centra-se numa reflexão sobre as mais de 30 iniciativas de base participativa promovidas desde 2007. A autora evidencia a diversidade de práticas participativas desenvolvidas – online e off-line, destinadas a diferentes segmentos de público e a partir formatos distintos. O museu, fundado em 1909, abriu ao público em 2016 num novo edifício. Este reenquadramento permitiu repensar a relação do museu com os públicos, recorrendo às opiniões das pessoas e às suas experiências pessoais para moldar os programas públicos desenvolvidos. Neste exercício de análise, a autora explica porque algumas das iniciativas foram bem sucedidas e outras não. O que merece realce nesta proposta de reflexão é a importância de escrutínio e avaliação que estes processos experimentais exigem no sentido de poder capitalizar a experiência adquirida de modo a ajustar práticas futuras. De uma maneira geral, apesar de as práticas participativas aplicadas em contexto museológico se identificarem como abordagens oportunas e relevantes, este é ainda um campo de difícil concretização pelas organizações no sentido de uma maior partilha de funções, poder e responsabilidades (p. 147).

O capítulo 12 (Media in Contemporary Heritage Presentation: The Case of the Amsterdam Museum) coloca a tónica na aplicação de soluções multimédia nas exposições e a problematização acerca da sua eficácia. Assinado por Elef Masson (professora assistente do departamento de Media Studies da Universidade de Amesterdão), este capítulo tem como objecto de análise a “nova” exposição permanente Amesterdam DNA (2011), na qual se recorre ao tridimensional para estabelecer uma narrativa sobre a história da cidade assente na projecção de sete filmes animados. A autora problematiza o uso do multimédia, questionando se esta utilização aportou relevância. Uma maior integração das tecnologias e do universo digital afirma-se actualmente como uma tendência no campo do património e do mundo dos museus. Os argumentos são conhecidos. Têm por base a ideia de que o universo digital e tecnológico está hoje muito mais entrosado na vida das pessoas, sobretudo dos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano aplicam já novas formas de aceder à informação. Nesta perspectiva, a oportunidade reside em acompanhar estes fenómenos, conquistar os públicos mais jovens e, por outro lado, a não ficar para trás num contexto que é cada vez mais competitivo. Outros argumentos sustentam o seu contributo para ajudar a democratizar os museus ao descentrar a tónica da autoridade, tradicionalmente remetida aos especialistas, para os visitantes, criando espaço para interpretações alternativas e mais plurais de objectos e iniciativas, ou possibilitar contextos mais favoráveis para que sejam os visitantes a dirigir a sua própria aprendizagem (pp. 163-164). Apesar da benevolência deste quadro, a autora demonstra que nem sempre estes argumentos se aplicam na prática ou é evidente o modo como algumas soluções de suporte multimédia aportam contributos úteis ou relevantes no cômputo geral (p. 164). Um dos dados que a autora apresenta não deixa de surpreender. Apesar de se assistir a uma tendência para a substituição de textos de parede privilegiando apresentações multimédia interactivas, estas aplicações não tem reduzido a quantidade de informação disponibilizada ao visitante, tal como se esperaria, mas pelo contrário têm favorecido o seu aumento (p. 170). Da análise da exposição Amesterdam DNA, Masson conclui, entre outros aspectos, que as soluções multimédia trouxeram em alguns casos complicações acrescidas, em vez de levar mais longe a optimização destes recursos (p. 164). Ainda que as conclusões deste estudo de caso não possam ser extrapoladas para todas as exposições que recorrem a soluções multimédia, é relevante como lembrete de que o recurso ao universo digital e às tecnologias tem potencialidades, mas a sua aplicação não é linear, devendo implicar uma análise reflexiva caso a caso sobre os aportes específicos de cada ferramenta.

Destacamos, ainda, o capítulo seis (Engaging with Community: Intangible Cultural Heritage and Educational and Participatory Practices in Istria) por evidenciar o trabalho que os museus podem desenvolver em torno da valorização e salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI) em contexto local e com as comunidades, colocando em perspectiva alguns programas que o Istrian Ethnographic Museum’s Centre for Intangible Culture (Pikán, na Croácia) vem desenvolvendo desde 2011. Mario Buletić (conservador do museu), entre os programas promovidos pelo museu, sublinhou o impacto de iniciativas como a realização de workshops informais direccionados a um público escolar e universitário. O que é realçado nestes workshops mediados pelo museu é a possibilidade que podem ter, como espaços informais complementares aos programas educativos formais, na desconstrução de uma noção de PCI, entendida, em muitos casos, pelas instituições como cultura tradicional estritamente ligada às zonas rurais e respectivas formas de vida (p. 82); e por outro lado, estimular uma reflexão crítica sobre o que é a cultura e o património de cada um e o respeito e tolerância pela cultura de “outros”. Esta proposta apresenta-se num quadro diferenciado e, até certo ponto, de crítica aos mecanismos de inscrição de uma determinada prática cultural nas listas internacionais reconhecidas pela UNESCO cuja atracção neste país (e em muitos outros) tem suscitado grande interesse e agenciamento, sobretudo pelos actores ligados ao turismo e à política (p. 78). Enquanto alternativa às lógicas mainstream de salvaguarda do PCI ancoradas exclusivamente na inscrição de práticas culturais em listas “representativas”, este capítulo evidencia o papel dos museus e as potencialidades de trabalhar com o PCI à escala local, apostando em projectos que primem pela inclusão, educação e participação, sublinhando ainda o papel dos mediadores, enquanto elementos-chave entre as populações, pela possibilidade de fortalecerem uma ponte entre as comunidades e os profissionais de museus na elaboração de projectos participativos.

O livro esclarece sobre tópicos que são hoje matéria de questionamento no mundo dos museus, revelando diferentes dinâmicas em curso. Por essa razão, esta colectânea pode ser de grande utilidade para os que têm particular interesse na museologia contemporânea, sejam estudantes, investigadores ou profissionais de museus.

Referências:

Mairesse, François, ed. 2016. Nouvelles Tendances de la Muséologie. Paris: La Documentation française.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje, Slovenia: Museum of Recent History Celje.

****

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

Profissionais de museus na era digital

Antonia Silvaggi e Frederica Pesce, eds. 2017. Museum Professionals in the Digital Era: Agents of Change and Innovation. Edição Mu.Sa − Museum Sector Alliance, 140 páginas, online (versão completa)

Como é que os museus têm respondido aos desafios das tecnologias e do mundo digital? Que competências digitais são necessárias para capacitar os profissionais no processo de transformação digital dos museus? Que novos perfis de trabalho se identificam nesta área? Estas foram algumas das questões colocadas a 81 especialistas (Grécia, Itália e Portugal) durante a primeira fase do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), que decorreu entre Dezembro de 2016 e Março de 2017. Esta publicação apresenta os primeiros resultados da investigação desenvolvida. O projecto Mu.Sa (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

Disponível em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2017/03/MuSA-Museum-professionals-in-the-digital-era-full-version.pdf

A musealização da arte contemporânea como proposta de reflexão

Discursos e Reflexividade: Um Estudo sobre a Musealização da Arte Contemporânea (2017), da autoria de Elisa Noronha, vem engrossar as publicações de divulgação científica no campo dos estudos de museus e da museologia. Foi publicado na colecção “Teses Universitárias” (n.º 7) e resulta de uma parceria editorial entre o CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Universidade do Porto e as Edições Afrontamento. Trata-se da edição da tese de doutoramento da autora, que foi apresentada em 2013 à Universidade do Porto (cf. https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/5502), e à qual foi atribuído o prémio “2013 Teses CITCEM” que lhe permitiu a publicação; o lançamento aconteceu a 19 de Setembro de 2017 na Universidade do Porto, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

O livro foca os museus de arte contemporânea e a Museologia, abordando as seguintes questões: que museus? Como se reinventam? Como contextualizam os discursos e as práticas que os identificam? Que novos discursos são criados, que novas maneiras de coleccionar, de expor, de conservar, de mediar são desenvolvidas? São analisados em particular três casos: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea (Lisboa), o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Porto) e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (Brasil).

Elisa Noronha é doutora em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Mestre em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil) e bacharel em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Brasil). Professora Afiliada da Universidade do Porto, colaborando na realização das actividades de ensino e investigação dos cursos de Museologia (mestrado e doutoramento) da Universidade do Porto. Investigadora do Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» (CITCEM). Tem desenvolvido e participado em projectos/acções de natureza científica, cultural e artística, como a organização de ciclos de estudos, ciclos de palestras, seminários, publicações e exposições. O seus interesses de investigação estão relacionados com a intersecção entre a Museologia e os Estudos Artísticos (Artes Visuais), assumindo como ponto de confluência os museus e os centros de arte contemporânea nas suas diversas dimensões (coleções, exposições, espaços, público, outros agentes), e a própria arte contemporânea como uma forma profundamente importante de pensamento e de provocação ao pensamento.

****

ÍNDICE

Introdução | 17

1. Contextos e Questões | 19

1.1. Do que se fala quando se fala em musealização | 38
1.1.1. Fala-se de um processo cultural produtor de significados partilhados, o que diz respeito a sensibilidades e desejos presentes | 38
1.1.2. Fala-se de contexto museológico e dos efeitos e registos que o particulariza e o especifica | 45
1.1.3. Fala-se de discursos e reflexividade, de envolvimento crítico e agência | 52

1.2. Um percurso pelo pensamento crítico museológico | 59
1.2.1. Sobre a emancipação da Museologia | 60
1.2.2. Sobre as quatro correntes de pensamento crítico museológico  | 65

1.3. Estratégias e Desafios Metodológicos | 75

PARTE I
2. Museus de arte contemporânea: uma proposta de abordagem | 85

2.1. Esfera I: Museu de arte contemporânea: modelos paradigmáticos ou casos inspiradores | 85
2.1.1. Musée des Artistes Vivants | 87
2.1.2. Museum of Modern Art | 92

2.2. Esfera II: Museu de arte contemporânea em suspensão | 100

2.3. Esfera III: Diálogos entre o museu e o artista | 104

PARTE II
3. Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea | 111
3.1. Contextualizações | 111
3.2. Processos | 127

4. Museu de Arte Contemporânea de Serralves | 163
4.1. Contextualizações | 163
4.2. Processos | 177

5. Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo | 203
5.1. Contextualizações | 203
5.2. Processos | 223

Considerações finais | 243

Referências bibliográficas | 251
Créditos das imagens | 271

****

O livro está à venda nas livrarias comerciais (ex. Fnac, Bertrand, Bulhosa, Almedina, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado à colecção Vilhena de Escultura

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena é o décimo volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, especialidade Museologia e em Património Artístico) de Maria João Vilhena de Carvalho (conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga) apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Rafael Moreira e de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento aconteceu a 23 de Janeiro de 2018, no Museu Nacional de Arte Antiga, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

****

O comandante da marinha Ernesto Jardim de Vilhena (1876-1967) foi o mais importante colecionador de arte em Portugal na primeira metade do século XX e os núcleos da coleção, alienados após a sua morte, persistem como referências no património nacional português. Em 1969, através da aplicação de mecanismos que prefiguraram a doação em pagamento, 1500 esculturas foram doadas ao Estado pelos herdeiros e incorporadas no Museu Nacional de Arte Antiga, o que resultou na alteração da identidade da histórica coleção museológica retratada neste trabalho.

A narrativa parte da biografia cultural dos objetos artísticos para apresentar o perfil de Ernesto de Vilhena e o seu modo de colecionar, desvendando a aura que o transformou numa personagem mítica. Senhor de uma fortuna adquirida na gestão colonial, dedicou toda a energia a construir o programa científico de uma «empresa colecionista» com o objetivo de criar «um feito memorável para Portugal», imbuído do valor de «resgate» da sua história, desenvolvendo um método que o diferenciou dos outros colecionadores por refletir o seu singular entendimento da história da escultura e do património nacionais. Do território onde foi coligida, a escultura passou à Casa Vilhena e dali para o Museu Nacional de Arte Antiga, no decurso de um resgate inédito na história do património cultural português sob tutela do Estado. Com a crónica da doação dos herdeiros de Vilhena fecha-se o círculo e completa-se a ambição do colecionador, fazendo retornar as esculturas ao domínio público da arte e da história portuguesas.

Maria João Vilhena de Carvalho (Pinhel, 1968) é licenciada em História, Variante de História da Arte e Doutora em História da Arte, Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2014), é investigadora integrada do Instituto de História da Arte e colaboradora do Instituto de Estudos Medievais na mesma Universidade. Foi Bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia e investigadora do projeto «Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal» (2010-2013).

Conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga responsável pela Coleção de Escultura, desde 2000, tem comissariado e participado em exposições em Portugal e no estrangeiro e integrou a equipa que concebeu a renovada exposição permanente de Pintura e Escultura Portuguesas do MNAA (2016).

Tem-se dedicado à investigação nas áreas da museologia, museografia, inventário do património artístico, história da imagem, história da escultura, colecionismo e da biografia cultural dos objetos, contando com publicações editadas no quadro de todas estas temáticas, destacando-se a participação em O Sentido das Imagens, a autoria das Normas de Inventário. Escultura (2004), a “Contribuição para a história do Museu de Escultura em Portugal” (2012) e um alargado conjunto de textos sobre a escultura portuguesa do património nacional editados desde 1994.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

7 | CAPÍTULO I – ERNESTO JARDIM VILHENA: A FORMAÇÃO DO COLECIONADOR
9 | A Família Jardim de Vilhena
34 | Curriculum Vitae
104 | O Mwata Kumandante, senhor que escrevia a verde. A construção do império e da fortuna

137 | CAPÍTULO II – A COLEÇÃO VILHENA. ARQUITETURA DE UMA COLEÇÃO NACIONAL DE ESCULTURA
139 | O Colecionador e a Coleção
144 | Colecionar património português
175 | Coleção Vilhena: uma empresa colecionista familiar
207 | A Escultura entre os Núcleos da Coleção Vilhena
243 | Lisboa, Rua de São Bento 183-187: conservação e exposição da coleção particular
248 | O Processo da Doação Vilhena

285 | CAPÍTULO III – DO PRIVADO AO PÚBLICO. A COLEÇÃO DE ESCULTURA DE ERNESTO VILHENA NO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA 
288 | A construção da história da imagem esculpida no Museu Nacional de Arte Antiga
352 | A Coleção Vilhena no Museu Nacional de Arte Antiga
369 | Sérgio Guimarães de Andrade: o Sentido das Imagens enquanto história da escultura portuguesa do séc. XIV ao século XVIII

387 | Notas
455 | Fontes e Bibliografia
485 | Índice Remissivo
487 | Agradecimentos

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, e Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)