Arquivo da Categoria: Museology Thesis

A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal

Tropenmuseum - história natural

Ceríaco, Luís. 2014. A Evolução da Zoologia e dos Museus de História Natural em Portugal. Tese de doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. Tese defendida a 20 de Outubro. Júri: José Alberto Machado, Fátima Nunes, Pedro Sousa Dias, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Luís António Vicente, Paulo Oliveira e Luís Alfredo Baratas Díaz.

Resumo:

Os estudos zoológicos modernos e o estabelecimento de coleções de história natural no país remontam à segunda metade do século XVIII e mantiveram-se ao longo do século XIX e XX até aos dias de hoje. O seu desenvolvimento terá sido influenciado por circunstâncias políticas, económicas e sociais, que ora os estimularam, ora os retraíram. No entanto, desde a fundação de Real Gabinete de História Natural da Ajuda por Domingos Vandelli e da adoção do sistema lineano, à fama internacional da secção Zoológica do Museu Nacional de Lisboa dirigida por Barbosa du Bocage, o país manteve-se sempre a par das ideias e teorias modernas, adotando práticas comuns e contribuindo direta ou indiretamente para o conhecimento da fauna principalmente de origem ibérica, africana e brasileira. As coleções para além de resultado direto do esforço colecionista, e base material para a investigação de então, mantêm-se ainda hoje como um importante património histórico-científico a preservar.

The Evolution of Zoology and Natural History museums in Portugal

Abstract:

Modern zoological studies and the establishment of natural history collections in Portugal date back to the second half of the eighteenth century, and have run through the nineteenth and twentieth centuries to the present day. Their development has been influenced by political, economical and social circumstances, that either stimulated them or not. However, since the foundation of the Ajuda Royal Cabinet of Natural History by Domingos Vandelli, to the international prestige of the National Museum of Lisbon Zoological Section directed by Barbosa du Bocage, the country has remained abreast of the modern theories and ideas, adopting common practices and directly or indirectly contributing to the knowledge of Iberian, Brazilian and African faunas. Further from being the result of collecting efforts and being the material base to past investigations, the collections remain today as an important historical and scientific heritage to be preserved.

Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974)

imagem em que se vê uma mesa de trabalho com vários objectos e prateleiras

Espaço Museológico de Mineralogia e Geologia do Instituto Superior de Engenharia do Porto  © Patrícia Costa, 2012

Costa, Patrícia. 2014. Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974). Tese de doutoramento em Geologia, Especialidade de História e Metodologia das Ciências Geológicas, apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; disponível: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/23768

Destacamos a tese de Patricia Costa, uma tese no âmbito da história e que inclui um enfoque sobre as colecções do Instituto Superior de Engenharia do Porto. Como sublinha a autora: […] «com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.»

Resumo:

A dissertação aqui apresentada debruça-se sobre a temática do ensino da Mineralogia, da Geologia, da Metalurgia e da Arte de Minas no Instituto Industrial do Porto, desde 1964 até 1974, nas suas várias vertentes: cursos, professores, disciplinas (ensino teórico e prático) e coleções museológicas.

Com esta investigação procuramos analisar o desenvolvimento do estudo destas áreas do saber na Escola do Porto e o seu eventual contributo para o progresso científico e tecnológico em domínios aplicados à indústria, incluindo a extrativa e a de transformação de matérias-primas de origem geológica.

O ensino industrial em Portugal foi sofrendo diversas alterações estruturais e programáticas, que acompanharam sucessivas políticas decretadas pela tutela, mas também os avanços científicos e tecnológicos que se foram registando nesta área, durante mais de 160 anos. Após um tímido dealbar do desenvolvimento industrial e do ensino prático e aplicado, fomentados pela visão reformista do Marquês de Pombal, figura chave da tutela entre 1750 e 1777, os governantes da primeira metade do séc. XIX não souberam dirigir de forma eficaz o seu esforço, chegando o País a meados de oitocentos sem uma indústria modernizada e a laborar em pleno e sem operários qualificados para tal. Sucessivos períodos de conflito e de forte instabilidade política também a isso ajudaram.

Com a criação do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria em 30 de Agosto de 1852, no âmbito da Regeneração, iniciou-se novo período de desenvolvimento significativo da economia nacional, tendo como grande interveniente Fontes Pereira de Melo. Anteriormente, com as reformas que se seguiram ao advento definitivo do Liberalismo, já haviam sido criadas algumas escolas vocacionadas para fornecer uma formação profissionalizante.

Foi, porém, em finais de 1852 que ocorreu o verdadeiro arranque do ensino industrial em Portugal. Conhecedores da realidade industrial nacional e, em especial, da cidade do Porto, os dirigentes da Associação Industrial Portuense anteciparam-se ao governo e criaram a sua própria escola industrial, denominada Escola Industrial Portuense, em Novembro de 1852. Contudo, a intervenção estatal não tardou, oficializando o ensino industrial com o Decreto de 30 de Dezembro de 1852, através do qual se criaram o Instituto Industrial de Lisboa e a Escola Industrial do Porto.

A primeira reforma globalizante do ensino industrial, em 1864, marcou uma viragem importante neste nível de instrução. A escola do Porto passou a denominar-se de Instituto Industrial, tal como a de Lisboa, sendo introduzidas novas áreas do saber nos currículos (disciplinas de Mineralogia, de Geologia, de Metalurgia e de Arte de Minas), novos cursos (Condutores de Minas, professado em três anos, 1ª classe, e quatro anos, 2ª classe) e estabelecimentos auxiliares de ensino (laboratórios e gabinetes). A formação dos alunos passou a ser composta por uma vertente teórica complementada por uma outra com caráter prático e experimental. No período estudado, foram vários os docentes responsáveis por estas disciplinas. Distinguimos António Ferreira Girão, Manuel Rodrigues Miranda Júnior, José Diogo Arroyo, Roberto Bellarmino do Rosário Frias, Celestino Maia ou Artur Mendes da Costa, como alguns dos mais importantes dinamizadores destas áreas na Escola, durante o período em estudo. As cadeiras sofreram várias reformas e alterações consoante o desenvolvimento tomado pelo ensino industrial e as próprias necessidades da indústria contemporânea. Obviamente que estes fatores influenciaram os conteúdos programáticos das mesmas, alterando, igualmente, a sua denominação ao longo dos tempos. Inicialmente a cadeira da área apenas contemplava a Arte de minas, a Docimasia e a Metalurgia.

Com a reforma de 1886 introduziram-se conteúdos de Mineralogia e Geologia nos planos de curso, mantendo um trajeto separado até 1974. Os manuais recomendados também foram fonte de referência para entendermos as teorias adotadas e a influência exercida pela escola francesa e suas traduções. A prática estava associada aos gabinetes e laboratórios onde eram realizadas experiências e outros trabalhos, não esquecendo as visitas de estudo efetuadas com objetivo dos alunos tomarem conhecimento da realidade industrial da época. O primeiro estabelecimento auxiliar de ensino a ser criado para estas áreas foi o Gabinete de Mineralogia, seguindo-se o Gabinete de Arte de Minas, o Laboratório Metalúrgico e o Gabinete de História Natural. Para uma aprendizagem mais eficaz, o ensino prático era ministrado com base em espécimes, modelos, instrumentos, quadros parietais e mapas, adquiridos maioritariamente no estrangeiro, em casas comerciais especializadas de renome internacional como Les Fils de Émile Deyrolle (Paris), F. Krantz (Bona), Theodor Gerdorf (Freiberg) ou J. Digeon (Paris), permitindo traçar a história da aprendizagem e da didática das Ciências Geológicas e das Engenharias de Minas e Metalúrgica associadas à história do ensino industrial em Portugal.

Em suma, a presença deste tipo de coleções denota um conhecimento científico elevado e uma partilha de ideias e técnicas, o que permitiu a um País como Portugal desenvolver o ensino industrial tendo como referência os países tecnicamente mais desenvolvidos como Inglaterra, França ou Alemanha.

A criação do ensino industrial em Portugal constituiu, assim, um importante passo no desenvolvimento do País, numa época em que a indústria e as vias de comunicação estavam em pleno crescimento e, com uma maior facilidade de deslocação, a partilha de conhecimentos se tornava inevitável. Desde modo, e já com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.

Credenciação, Sistemas e Redes Nacionais de Museus

Imagem da defesa

Defesa doutoramento Clara Frayão Camacho, 8 Julho 2014, Universidade de Évora © Ana Carvalho

Camacho, Clara Frayão. 2014. Credenciação, Sistemas e Redes Nacionais de Museus: Uma Panorâmica Europeia Contemporânea. Tese de doutoramento em História, Universidade de Évora.

Júri: Augusto Santos Silva (Universidade do Porto); Maria Bolaños (Museu Escultura de Valadollid); Fernando António Baptista Pereira (FBArtes/Universidade de Lisboa); Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora) e orientadores: João Brigola (Universidade de Évora) e Raquel Henriques da Silva (FCSH/UNL); tese defendida a 8 de Julho de 2014. Disponível na íntegra no repositório da Universidade de Évora: http://hdl.handle.net/10174/11718

Resumo:

Ao longo das últimas décadas, a criação de medidas dirigidas à melhoria dos museus tem sido constante, entre as quais sobressai a credenciação de museus e a organização destas instituições em sistemas e em redes, realidades que só pontualmente têm sido alvo da investigação académica.

Esta tese explora as relações entre a credenciação, os sistemas e as redes de museus num conjunto de países europeus no arco cronológico compreendido entre 1985 e 2010. A primeira data foi definida em função da criação do Sistema Espanhol de Museus e dos trabalhos preparatórios do esquema britânico de credenciação, coincidindo a segunda com o arranque da investigação. Escolhidos em função de critérios geográficos, históricos e museológicos, os países estudados foram os seguintes: Espanha, França, Irlanda, Itália, Letónia, Países Baixos, Polónia, Portugal e Reino Unido.

A investigação teve como principal objetivo contribuir para a identificação, a caracterização, a sistematização e o aprofundamento do conhecimento sobre estes temas na Europa. Assumindo uma natureza exploratória, efetuou-se o levantamento dos sistemas de credenciação e dos sistemas e redes nacionais de museus dos países selecionados; identificou-se e sistematizou-se os processos de criação e o seu historial; caracterizou-se as linhas de ação, o funcionamento e a gestão; comparou-se objetivos, medidas e resultados. A concretização destes propósitos foi viabilizada pelo uso conjugado de metodologias de investigação próprias da História e de outras Ciências Sociais, designadamente a pesquisa documental e o trabalho de campo, incluindo visitas aos países estudados e a realização de entrevistas.

A abordagem histórica evidenciou o balanço entre as influências externas e internas na origem dos sistemas de credenciação, sendo as últimas determinantes na individualização de cada um. A difusão da credenciação no espaço europeu ocorreu em processos múltiplos de contaminação, se bem que as influências do modelo britânico tenham sido preponderantes. A perspetiva temporal evidenciou ainda a coexistência de ciclos longos de gestação da credenciação e processos de curta duração noutros contextos nacionais. De forma generalizada, observou-se entroncamento da credenciação, dos sistemas e das redes de museus na oficialização ou na expansão das respetivas políticas públicas.

A comparação demonstrou a existência de semelhanças institucionais, funcionais, patrimoniais e sociais, a despeito da variabilidade dos conceitos de museu e dos contextos administrativos. O exercício comparativo pôs em causa a perspetiva dicotómica do ICOM quanto à divisão entre países que se regem por sistemas de credenciação e por leis de museus, evidenciando sistemas híbridos que assentam formalmente em legislação mas integram padrões e requisitos idênticos às diretrizes dos sistemas sem força de lei. Quanto às relações entre credenciação, sistemas e redes de museus, a investigação mostrou que, no universo estudado, apenas na Letónia, na França e em Portugal o conjunto de museus credenciados coincide oficialmente com a principal rede nacional de museus, verificando-se na maioria dos restantes países a formação de redes temáticas e/ou geográficas infranacionais.

(Fonte: Clara Frayão Camacho)

Museus do norte e turismo cultural

Ponte, António. 2014. O Contributo dos Museus do Norte de Portugal para uma Dinamização do Turismo Cultural. Tese de doutoramento em Museologia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tese defendida a 17 de fevereiro de 2014.

António Ponte, actualmente à frente da Direcção Regional de Cultura do Norte, é o autor de um estudo sobre turismo e museus. O seu enfoque centra-se nos museus a norte. Reconhecendo a necessidade de uma maior articulação entre o sector do turismo e os museus, António Ponte, sublinha: «Se o turismo deverá conhecer as unidades museológicas que poderão enriquecer e valorizar a atividade, também os museus deverão encetar um processo de adaptação das suas estruturas, no sentido de se afirmarem como uma verdadeira oferta no domínio do turismo.» (p. 328). Leia mais sobre as conclusões deste estudo no repositório da Universidade do Porto.

****

Resumo:

Desde sempre os museus estiveram ligados ao ato de viajar. Se num primeiro momento, as viagens permitiram a constituição de grandes coleções, hoje, as viagens representam um dos principais mercados das instituições museológicas.

Os museus procuram desenvolver-se, organizar atividades e promover-se nos novos suportes comunicacionais digitais, potenciando a sua divulgação universal.

O turismo e o turismo cultural têm vindo a afirmar-se como uma das principais atividades económicas, nomeadamente nos locais onde o setor produtivo tradicional começa a entrar em decadência absoluta.

Os projetos culturais têm-se transformado em atividores de regeneração urbana sendo possível observar-se hoje grandes dinâmicas turístico-culturais a partir de museus, unidades patrimoniais e megaeventos, que têm suscitado o interesse por locais como Londres, Barcelona, Paris, entre muitos outros.

A região Norte de Portugal tem observado, nos últimos anos, fruto de circunstâncias diversas, um aumento do número de turistas, todavia, este movimento não se reflete em toda a dimensão territorial, mas, antes, em pontos muito circunscritos, como a cidade do Porto, o Douro, Braga e Guimarães.

Com um potencial ímpar ao nível das estruturas patrimoniais, museus e monumentos, a região Norte necessita equacionar um novo modelo de desenvolvimento turístico, alavancando o desenvolvimento regional integral a partir da valorização e promoção das unidades patrimoniais existentes.

Sendo os museus, na sua maioria, de pequena ou muito pequena dimensão, é necessário equacionar novos modelos de gestão, onde o estabelecimento de parcerias, a fusão de museus e uma gestão articulada com outros bens será essencial para que o património cumpra a sua verdadeira função, deixando de ser considerado acessório para assumir o seu papel de atividade e âncora do desenvolvimento da região.

Abstract:

Museums have since always been linked to the act of travelling. If at first, the travels permitted the creation of large collections, today they represent one of the main markets of museum institutions.

The museums seek to evolve, organising activities and promoting themselves on the new digital media communication, enhancing universal dissemination. Tourism and cultural tourism have been asserting themselves as one of the main economic activities, namely in places where the traditional productive sector begins to enter absolute decadence.

The cultural projects have been transformed into activators of urban regeneration whereby today it is possible to observe large cultural and touristic dynamism, from museums, property units and mega events, which have sparked interest for locations such as London, Barcelona, Paris, among many others.

The Northern region of Portugal has experienced in recent years, and due to various circumstances, an increase in the number of tourists, however, this movement is not reflected in the entire territorial dimension, instead, in very circumscribed spots such as the city of Porto, the Douro, Braga and Guimarães.

With the huge potential of the structural heritage, museums and monuments, the Northern region needs to equate a new model of tourism development, leveraging its development through the appreciation and promotion of the existing patrimony units.

As the museums are mostly of small or very small dimension, it is necessary to equate new management models, where establishing partnerships, merging of museums and articulate management of other assets, will be essential to ensure heritage fulfils its true function, thus assuming an active role and anchor in the region’s development, and no longer being considered a mere accessory.

Museus de Arqueologia e práticas educativas

Museu do Vale do Côa  © Ana Carvalho, 2012

Museu do Vale do Côa © Ana Carvalho, 2012

Antas, Mário. 2014. A Comunicação Educativa como Factor de (re)valorização do Património Arqueológico: Boas Práticas em Museus de Arqueologia Portugueses. Tese em museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Mário Antas (Museu Nacional de Arqueologia) na sua tese de doutoramento fez uma análise comparativa de boas práticas no âmbito educativo em sete museus de arqueologia: Museu Nacional de Arqueologia, no Museu Monográfico de Conímbriga, no Museu do Vale do Côa, no Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, no Museu da Associação dos Arqueólogos Portugueses e no Museu Geológico. A tese está acessível aqui.

****

Resumo:

No presente trabalho de investigação procuramos analisar a comunicação educativa como factor de (re)valorização do património arqueológico através de exemplos de boas práticas em museus de arqueologia portugueses.

No enquadramento teórico e metodológico aplicado à tese, descrevemos a arquitectura conceptual e os conceitos estruturantes (comunicação, educação, comunicação educativa e boas práticas educativas em museus, revalorização do património arqueológico e museus de arqueologia). Criámos um novo modelo de estudo, que denominados de museologia arqueológica participativa, baseado na sociomuseologia e nos princípios da musealização da arqueologia e da transversalidade do Património arqueológico.

A museologia arqueológica participativa visa a construção de estratégias de comunicação e de ambientes de aprendizagem expressas em acções comunicativas e educativas no sentido de tornar os visitantes participativos, através da mediação, da museografia e dos recursos museográficos. Assim, o objectivo final passa por tornar o museu num centro de aprendizagem e participativo onde os visitantes possam fazer os seus próprios caminhos de aprendizagem e de produção de conhecimento.

Elaboramos uma análise reflexiva sobre história dos Museus de Arqueologia. Analisamos a evolução de conceitos e tipologias dos museus de arqueologia. Identificamos vários tipos de espaços museológicos de arqueologia e procedemos ao seu recenseamento até 2013.

A nível das estratégicas de comunicação educativa, efectuamos uma investigação comparativa entre as estratégias de comunicação educativa presenciais e a distância utilizadas nos museus de arqueologia.

Por último, identificámos e procedemos a uma análise comparativa de boas práticas de comunicação educativa em museus arqueológicos portugueses. Assim, para além da mais-valia dessas boas práticas, apontamos o caminho para que as mesmas se articulem em rede. Só assim, as boas práticas podem passar da excepção para a regra e contribuírem de uma forma assertiva para a (re)valorização do património arqueológico envolvendo os visitantes e respectivas comunidades, ou seja, devolvendo o património participado como memória colectiva à própria sociedade.

Ensaios e Práticas em Museologia 03

Ensaios e Práticas em Museologia

© Filipe Couto e Sandra Senra

Semedo, Alice, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, e Sandra Senra, ed. 2013. Ensaios e Práticas em Museologia. Vol. 3. Porto: Universidade do Porto/Faculdade de Letras/Departamento de Ciências e Técnicas do Património. 159 páginas, ISBN: 978-972-8932-82-4. URL: ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/11607.pdf.

Dando continuidade a uma linha editorial iniciada em 2011, acaba de publicar-se o terceiro número de “Ensaios e Práticas em Museologia”, uma edição da Universidade do Porto. Trata-se de uma colectânea de 10 artigos de alunos de mestrado desta universidade. Os temas são os mais diversos, espelhando também os olhares múltiplos que a museologia pode convocar. Esta publicação não só consolida o percurso de formação em museologia iniciado no Porto, como promove a capacitação dos alunos através da divulgação dos seus estudos e sua iniciação em formatos ditos científicos. Os alunos não só participaram com artigos, como também a alguns deles se deve o arranjo gráfico e a co-edição.

Os três números estão disponíveis para descarregar livremente aqui: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id03id1356&sum=sim

****

Conteúdos:

Apresentação
Alice Semedo, Filipe Couto, Paulo Rodrigues, Sandra Senra

Novos desafios, novas conquistas: renovação do Serviço Educativo do Museu Marítimo de Ílhavo
Ana Nunes

Gestão e qualidade em museus
Daniela Ferreira

O Museu como fator de desenvolvimento regional: o impacto económico do museu
Emanuel Guimarães

Exposição
Filipe Couto

Biografia(s) da coleção de vidro do Museu Nacional de Machado de Castro ou Sobre o Claro-Escuro das Coisas
Helena Pereira

Reflexos do Mestrado em Museologia: 10 iniciativas culturais no Museu Municipal de Arouca
João Duarte

Entre oportunidade e novidade: Manuel Coelho Baptista de Lima e o património açoriano
Maria Ribeiro

A mina [ainda] trabalha
Pedro Araújo

O Museu d’Art Contemporani de Barcelona e o seu Projeto 2.0
Sandra Senra

Na rota de Domingos Rebelo
Telma Silva

Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local

Monchique © Patrícia Batista

Fóia – Monchique © Patrícia Batista

Batista, Patrícia (Junho 2013) – Monchique – Identidade e Património: estratégias para o desenvolvimento local. Trabalho de projecto em museologia submetido no âmbito do curso de museologia da Universidade de Évora. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente), Filipe Themudo Barata (orientador) e José Manuel Mascarenhas (arguente).

Patrícia Batista (Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira), autora deste estudo, apresenta como projecto a possibilidade de se criar em Monchique um ecomuseu que possa contribuir para o desenvolvimento local. A provar que os ecomuseus permanecem ainda com fulgor como propostas possíveis de dinamização do património. Pode consultar outros trabalhos de Patrícia Batista aqui.

****

Resumo:

A partir de uma abordagem territorial, ancorada em conceitos da nova museologia e da ecomuseologia, e recorrendo à comparação com algumas experiências museológicas de reconhecimento nacional e internacional, apresenta-se uma das leituras possíveis do património de Monchique através de um novo olhar sobre o mesmo, no qual o património cultural desempenha um importante contributo para o desenvolvimento local.

A intervenção proposta consiste na criação de um ecomuseu neste território, que contribua para o desenvolvimento integrado da sua comunidade, através do reconhecimento e valorização do seu património. Toda a proposta de acção do ecomuseu centra-se na mediação entre a comunidade e o seu património. O ecomuseu será o reflexo dessas escolhas e tomadas de decisão, enquanto parte integrante do processo social do meio em que se insere.

****

Monchique – Identity and Heritage: Strategies for local development

Abstract:

From a territorial approach, anchored in modern museology and ecomuseology concepts and through comparison both national and international museological experiences, I present one of the possible actions by adopting a new approach and looking at Monchique heritage from a new perspective in which the cultural heritage plays a important role in the development of the local environment.

The proposed intervention consists of the creation of an ecomuseum in the local environment that contributes to the integrated development of the community through recognition and appreciation of their heritage. All of the proposed ecomuseum actions will focus on the interaction between the community and its heritage. The ecomuseum will reflect these choices and decision making, as part of the process of the social environment in which it operates.

Fonte: Informação enviada pela autora

As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Museu Nacional de Etnologia # 2013 © Ana Carvalho

Botas, Ana (2013). As Máscaras Bigajó do Museu Nacional de Etnologia. Questões em torno da informatização do inventário de coleções. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova. Trabalho de projecto em museologia. Júri: Joaquim Pais de Brito (orientador), Raquel Henriques da Silva (co-orientadora), Alice Semedo (aguente), entre outros. Tese defendida a 15 de Julho de 2013.

****

Resumo: Este trabalho de projeto pretende ser um exercício de reflexão em torno da documentação de coleções etnográficas a partir das questões que se levantam na informatização do inventário museológico das máscaras bijagó (Guiné-Bissau) do acervo do Museu Nacional de Etnologia (MNE). A sua maior parte foi adquirida por Victor Bandeira em finais dos anos de 1960 e início de 1970 no Arquipélago dos Bijagós, juntando-se a estas outras adquiridas por quem cujo percurso também se cruzou com a história do museu e constituição das suas coleções.

Do ponto de vista antropológico aquelas são testemunhos dos processos de construção de identidade entre os Bijagós e inscrevem nos seus portadores, no caso dos homens, a figuração da sua posição social na hierarquia da aldeia; no caso das mulheres, uma ligação privilegiada ao mundo espiritual. As performances em que participam e nas quais se combinam dança, música e canto são a face mais visível de um princípio reconhecido por todos como garante do equilíbrio coletivo.

A reduzida informação das fichas de inventário destes objetos contrasta com a que a instituição promoveu e detém, através das exposições que realizou, dos catálogos que publicou, da documentação fotográfica e iconográfica que foi reunindo; e com o conhecimento já produzido por investigadores, alguns deles considerando os próprios objetos desta coleção.

A relevância destes decorre da informação que dispomos sobre eles, nomeadamente do conhecimento do seu contexto de uso e das circunstâncias da sua aquisição, pelo que este trabalho propõe o tratamento integrado de toda a informação disponível e de outra surgida durante o processo de pesquisa, com vista à sua associação ao inventário. Este é também um exercício de reflexão sobre as inevitáveis limitações dos sistemas de documentação museológicos e condicionantes humanas e técnicas que eles comportam, tendo como premissa que quanto mais alargada for a informação, mais diversificadas poderão ser as perspetivas de conhecimento que estes sistemas poderão apoiar e suscitar.

****

Bijagó masks of the Museu Nacional de Etnologia. Issues around the informatization of the inventory of museum collections.

Abstract: This research project aims to be an exercise of reflection on the documentation of ethnographic collections after the issues raised by the informatization of the Bijagó masks (Guinea-Bissau) of the collection of the Museu Nacional de Etnologia (MNE). Most of it was acquired by Victor Bandeira in the late 1960s and early 1970s in the Bijagó archipelago, along with others acquired by people whose paths also crossed the history of this museum and the shaping of its collections.

From the anthropological point of view these masks are testimonies of the processes of identity construction among the Bijagós and inscribe in their bearers, in the case of men, the figuration of their position in the social hierarchy of the village; in the case of women, their privileged connection to the spiritual world. The performances in which they take part combining dance, music and singing are the most visible part of a principle recognized by all as the guarantee of the collective balance.

The limited information from the inventory cards contrasts with what the museum has produced and promoted, through exhibitions, catalogs, photographic and iconographic documentation, and with the knowledge produced by researchers, some of them considering the very objects of this collection.

The objects relevance results from the information we have about them, including their function in the original context and the circumstances of its acquisition, so this project proposes the combined treatment of all available data and of other emerged during the research process, seeking its integration in the inventory. This is also an opportunity to think about the inevitable limitations of the museum registration systems and the human and technical constraints they have, with the premise that the more wide the information may be, the more diverse will be the knowledge perspectives it may support and raise.

(Fonte: informação enviada pelo autora)

Museologia segundo Rivière

Georges Henri Riviere

“Georges Henri Rivière sur les toits du Trocadéro en démolition”, 2e quart 20e siècle, Ph.1986.11.157, Collection Leroux et autres © MUCEM – Musée des Civilizations de la Europe et de la Méditerranée, Marselha

de la Rocha Mille, Raymond. 2011. Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière. Doctoral thesis, Department of Cultural Policy and Management, City University London, London. Disponível na íntegra aqui: http://openaccess.city.ac.uk/2154/ 

O francês Georges Henri Rivière (1897-1985) tornou-se uma figura mítica da museologia. As suas contribuições no âmbito da antropologia francesa e dos museus são um facto inegável. Esteve ligado ao Museu de Etnografia do Trocadéro (desde 1928) e depois ao Museu do Homem. É também o mentor do Museu Nacional das Artes e Tradições Populares (Paris), que  começou a ser pensado nos anos 30 e reclamava a ideia de museu laboratório, um museu fortemente ancorado na documentação e investigação no terreno a par com a actividade museológica. Foi o director do Conselho Internacional de Museus entre 1948-1965 e consultor de vários projectos museológicos. O seu papel para a definição do “ecomuseu” é também um marco na história da museologia (veja-se aqui as gravações de Rivière sobre a definição de ecomuseu nos anos 70 e 80).

O reconhecimento da sua importância para a museologia comprova-se pelos vários estudos já realizados. O mais recente é uma tese de doutoramento inglesa, que analisa a sua trajectória e o impacto que teve para a museologia.

Sobre a relação de Rivière com Portugal veja-se, por exemplo,  a pesquisa de Sofia Lapa (2009; 2011) que dá conta da participação de Riviére, como consultor, na definição do programa museológico do Museu Calouste Gulbenkian a partir de finais de 1958. No anos 70, Rivière volta a Portugal a convite da Secretaria de Estado do Ambiente, também na qualidade de consultor, mas no contexto da possibilidade de se criar uma rede de ecomuseus nos Parques Naturais (cf. Camacho 1999, 125-132).

****

Referências e leituras adicionais:

Camacho, Clara. 1999. “Renovação Museológica e Génese Dos Museus Municipais Da Área Metropolitana de Lisboa: 1974-90”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

Gorgus, Nina. 2003. Le Magicien Des Vitrines: Le Muséologue Georges Henri Rivière. Paris: Editions de la Maison des Sciences de L’Homme.

La Muséologie selon Georges Henri Rivière: cours de muséologie: textes et témoignages. 1989. Paris: Dunod.

Lapa, Sofia. 2009. “Para Que (nos) Serve o Museu? A Génese Do Museu Calouste Gulbenkian”. Dissertação de Mestrado em Museologia, Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Lapa, Sofia. 2011. “Georges-Henri Rivière Na Génese Do Museu Calouste Gulbenkian. Contributos para o Estudo da Colaboração entre o Museólogo Francês e a Fundação Calouste Gulbenkian.” Revista de História Da Arte (8): 89–109. Resumo disponível aqui.

****

Museums without walls: the museology of Georges Henri Rivière

Conteúdos:

Chapter 1: Introduction
Chapter 2: Who was Georges Henri Rivière?
Chapter 3: Rivière’s conception of popular culture
Chapter 4: International museological environment
Chapter 5: International Modernization of museums
Chapter 6: The myth of primitivism as project of cultural regeneration
Chapter 7: The museography of the Rivet-Rivière Musée-Laboratoire
Chapter 8: Museology without walls: exhibitions and holidays for all
Chapter 9: From open-air museums to ecomuseology
Chapter 10: Ecomuseums and new museology movements
Chapter 11: The curse of the house of Rivière
Chapter 12: Final fulfillment of Rivière’s museology
Chapter 13: Conclusions
Appendix I: Text of Georges Henri Rivière’s’ recent interdisciplinary experiences in France in museums, parks and ecomuseums’ at the Smithsonian Institute, 10 October 1978, Unpublished video tape
Appendix II: The proposed 6 volume UNESCO treatise of museology

“Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória”

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

Barroseiro, Sofia (Junho 2013). Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória. Um olhar desde Arraiolos. Universidade de Évora, dissertação de mestrado em Museologia. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente); Filipe Themudo Barata (orientador); e Cyril Isnart (arguente). Defesa a 11 de de Junho de 2013.

****

Tesouros Humanos Vivos e a patrimonialização da memória. Um olhar desde Arraiolos 

(Resumo)

Um dos grandes desafios colocados ao mundo moderno é a necessidade e urgência da proteção do património cultural imaterial dos povos e das comunidades, que tende a desaparecer.

Todos estarão de acordo do trabalho que é necessário realizar: pesquisar, identificar, inventariar e preservar o nosso património imaterial com o objetivo de organizar um sistema coerente que salvaguarde, entre muitos outros aspetos, aqueles que possuem em si os saberes, as tradições e os conhecimentos de inegável valor histórico, social e artístico.

Daqui decorre a importância do programa dos Tesouros Humanos Vivos. Em primeiro lugar apoiar e incentivar o estabelecimento de sistemas nacionais de Tesouros Humanos Vivos, o qual passa pela preservação dos conhecimentos e técnicas necessárias para a identificação e recreação de elementos do património cultural imaterial. Esta iniciativa baseia-se na identificação e no apoio aos participantes de expressões culturais, assegurando a salvaguarda destas tradições através da transmissão de geração em geração.

Todavia, durante o levantamento dos Tesouros Humanos Vivos (partindo do estudo de caso do concelho de Arraiolos) são inúmeras as dificuldades relativamente à validação da informação por eles produzida e acerca da forma de proteger e recuperar os valores patrimoniais inerentes. E as dificuldades continuam se pensarmos no que fazer a todo o material recolhido, seja do ponto de vista institucional, seja nos problemas de acesso a essa informação, cuja validação é, tantas vezes problemática.

A presente reflexão pretende dar um contribuir positivo no sentido de dar resposta a questões como as seguintes: “como preservar o Património, segundo que procedimentos?”, sempre acompanhada da inevitável questão “porquê e para quem lhe dar valor?”.

*****

Living Human Treasures or when memory became heritage. A glimpse from Arraiolos

(Abstract)

What cultural heritage concerns one of the most important issues it’s the need to preserve and protect the intangible heritage threatened to disappearance.

Specialists agree upon what must be done: research, identified, inventorying and preserve intangible heritage in the framework of a global and consistent system that save those who have the know how, traditions and just knowledge of a important historical, social and artistic value.

That’s why is so important the Living Human Treasures Program. First, because it can support and promote an intangible heritage national system network, based upon the identification and the cultural expression memories, so that they can be preserved and transmitted through generations. Along the field work, using Arraiolos as a case study, it has been quite clear the difficulties about data validation, the way to organized these data from an institutional point of view and how to promote the acess to this interesting information.

That the aim of our intervention; our main questions could be the following: how to preserve this heritage and which should be the correct proceedings? Also why to do this and whom should evaluted it?

We Like MACBA

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Senra, Sandra (Janeiro 2013). We Like MACBA: o Museu D’Art Contemporani de Barcelona e o paradigma das ferramentas web 2.0 utilizadas em benefício do compromisso cívico. Universidade do Porto. Dissertação de mestrado em museologia. Orientação: Alice Semedo. Disponível na íntegra aqui: http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/66350

Eis um trabalho académico que reflecte sobre as redes sociais e os museus, tomando como estudo de caso o Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. A autora chega à conclusão que embora o museu em análise opte por um discurso e práticas favoráveis à utilização das redes sociais, os resultados em termos da participação das comunidades ficam aquém das expectativas. Sandra Senra explica porquê. Leia-se aqui.

***

Resumo

: Este
 estudo
 tem
 como
 objetivo
 refletir
 sobre
 o
 paradigma
 das
 instituições
 museológicas
 que
 desempenham
 o
 seu
 papel
 social
 junto
 das
 comunidades,
 através
 das
 ferramentas
 da
Web
2.0,
atualmente
consideradas
canais
privilegiados
de
comunicação.
 Estas
 questões
 foram
 enquadradas
 num
 estudo
 de
 caso,
 concretamente
 sobre
 o
 Museu
 d’Art
 Contemporani
 de
 Barcelona
 (MACBA),
 uma
 vez
 que
 esta
 Instituição
 Catalã
 de
 referência
 renovou
 o
 seu
 website
 em
 janeiro
 de
 2012
 e
 concebeu
 dois
 espaços
 para
 os
 seus
 públicos
 online,
 Comunidades
e
Recorridos,
 de
 modo
 a
 potenciar
 as
 suas
 ferramentas
 2.0
 e
 fomentar
a
participação
dos
seus
usuários.

Resumen
: Este
 estudio
 tiene
 como
 objetivo
 reflejar
 sobre
 el
 paradigma
 de
 las
 instituciones
 museológicas
 que
 desempeñan
 su
 papel
 social
 junto
 de
 las
 comunidades
 por
 medio
 de
 las
 herramientas
Web
2.0,

actualmente
consideradas
canales
privilegiados
de
comunicación.

 Estas
 cuestiones
 fueran
 encuadradas
 en
 un
 estudio
 de
 caso,
 concretamente
 sobre
 el
 Museu
 d’Art
 Contemporani
 de
 Barcelona
 (MACBA),
 ya
 que
 esta
 institución
 Catalana
 de
 referencia
 ha
 renovado
 su
 website
 en
 enero
 de
 2012
 y
 ha
 concebido
 dos
 espacios
 para
 sus
 públicos
 en
 línea,
 
 Comunidades
 y
 Recorridos,
 de
 modo
 a
 potenciar
 sus
 herramientas
 2.0
 y
 fomentar
la
participación
de
sus
usuarios.
 

Abstract
: This
 study
 intended
 to
 reflect
 about
 the
 paradigm
 of
 museums
 institutions
 that
 fulfill
 their
 social
 role
 with
 the
 communities
 through
 the
 use
 of
 Web
 2.0
 tools,
 currently
 seen
 as
 privileged
channels
of
communication.
These
 questions
 were
 framed
 in
 a
 case
 study,
 specifically
 on
 the
 Museu
 d’Art
 Contemporani
 de
 Barcelona
 (MACBA),
 since
 this
 Catalan
 reference
 institution
 renewed
 is
 website
 in
 January
 2012,
 in
 order
 to
 boost
 their
 2.0
 tools
 and
 design
 two
 spaces
 for
 the
 online
 publics,
 Comunidades
 and
 Recorridos,
 in
 order
 to
 boost
 their
 2.0
 tools
 and
 encouraging
the
participation
of
their
users.
 

 [Informação retirada da dissertação]

Tese de doutoramento “Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea”

teses e dissertações

© Ana Carvalho

Noronha, Elisa (2013). Discursos e reflexividade: um estudo sobre a musealização da arte contemporânea. Tese de doutoramento em Museologia, Universidade do Porto. Júri: Alice Semedo (orientadora), Raquel Henriques da Silva (arguente), Maria Bolaños (arguente) e Rui Homem (Presidente). Tese defendida a 31 de Maio de 2013.

****

Resumo: Esta dissertação desenvolve um estudo sobre o museu de arte contemporânea, mais especificamente sobre a musealização da arte contemporânea, abordando a musealização como um processo discursivo e reflexivo de (auto)afirmação e reinvenção do museu; processo este construído em diálogo entre o museu e o seu próprio objeto, i.e., a arte contemporânea que, seja pelas características de seus materiais e processos, seja pela sua pluralidade de momentos e práticas, tensiona e problematiza funções e conceitos sistematicamente estabelecidos ao longo da história desta instituição, desafiando o museu de arte contemporânea a desenvolver novas formas de expor, de colecionar, de conservar, a criar novos conceitos e categorias, a estabelecer outros tipos de mediações, de contato com o seu público, enfim, a confrontar-se com a sua própria genealogia, com seus próprios limites e suas representações.

Assente na metodologia dos Estudos de Caso, esta dissertação analisa três museus situados em Portugal e no Brasil: o Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea, em Lisboa, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, em São Paulo. Atenta às particularidades de cada caso, esta análise centra-se nos modos como estes museus se organizam e se identificam enquanto museus de arte contemporânea através da contextualização dos paradigmas, das determinações, das funções que os justificam e fundamentam, e dos processos desenvolvidos para a musealização da arte contemporânea: quais são seus modelos paradigmáticos? Qual o período abrangido pelas suas coleções? Como suas coleções são expostas? Como definem a arte contemporânea? Como os artistas são envolvidos e participam nos processos museológicos? Estas são algumas das questões que esta análise procura responder, inserindo-se na discussão sobre a identidade dos museus e refletindo criticamente sobre as ideias atuais e subjacentes do que vem a ser um museu de arte contemporânea quando uma determinada instituição se manifesta como tal.

****

Abstract: This dissertation develops a study on the Contemporary Art Museum, more specifically on the ‘musealization’ of the contemporary art, by approaching musealization as a discursive and reflexive process of (self)affirmation and the reinvention of the museum; being this process constructed from the dialogue between the museum and its own object, i.e., the contemporary art which, by the characteristics of its materials and processes and by the plurality of moments and practices, it tensions and problematizes functions and concepts systematically established within the history and legacy of this institution, which challenges the contemporary art museum to develop new ways of exhibiting, of collecting, of conserving, of creating new concepts and categories, of establishing other types of mediation, of touching its audience, and finally, of confronting its own genealogy, with its own limits and representations.

Strong in the methodology are the Case Studies as this dissertation analyses three museums located in Portugal and Brazil: the Chiado Museum – National Museum of Contemporary Art, situated in Lisbon/Portugal, the Serralves Museum of Contemporary Art, situated in Porto city/ Portugal, and the Museum of Contemporary Art of the University of Sao Paulo, situated in Sao Paulo/Brazil. While looking at the peculiarities of each case, this analysis focuses on the approaches in which these museums organize and identify themselves as contemporary art museums through the contextualization of paradigms, of targets and goals, of the functions that will form and justify, and of the processes developed for the musealization of the contemporary art: what are their paradigmatic models? Which periods goes across their collections? How are their collections exhibited? How do they define contemporary art? How are artists getting involved and active in the museological processes? These are a few questions in which this thesis looks for answers, inserted in the discussion on museums identity while critically reflecting current and subjacent ideas of what could be a contemporary art museum when such institution manifests itself as such.

****

Resumen: En esta disertación se desarrolla un estudio sobre el museo de arte contemporáneo, más específicamente sobre la musealización del arte contemporáneo, abordando la musealización como un proceso discursivo y reflexivo de (auto) afirmación y reinvención del museo; proceso este construido en diálogo entre el museo y su propio objeto, es decir, el arte contemporáneo que, ya sea por las características de sus materiales y procesos, ya sea por su pluralidad de momentos y prácticas, tensa y problematiza funciones y conceptos sistemáticamente establecidos a lo largo de la historia de esta institución, desafiando al museo de arte contemporáneo a desarrollar nuevas formas de exponer, de coleccionar, de conservar, a crear nuevos conceptos y categorías, a establecer otros tipos de mediaciones, de contacto con su público, en fin, a enfrentarse con su propia genealogía, con sus propios límites y sus representaciones.

Basada en la metodología de Estudios de Casos, esta disertación analiza tres museos situados en Portugal y en Brasil: el Museo de Chiado-Museo Nacional de Arte Contemporáneo, en Lisboa, el Museo de Arte Contemporáneo de Serralves, en la ciudad de Oporto, y el Museo de Arte Contemporáneo de la Universidad de São Paulo, en São Paulo. Atenta a las peculiaridades de cada caso, este análisis se centra en las formas en que estos museos se organizan y se identifican como museos de arte contemporáneo a través de la contextualización de los paradigmas, de las determinaciones, de las funciones que los justifican y fundamentan y de los procesos desarrollados para la musealización del arte contemporáneo: ¿cuáles son sus modelos paradigmáticos?, ¿cuál es el período que abarca sus colecciones?, ¿cómo definen el arte contemporáneo?, ¿cómo los artistas se involucran y participan en los procesos museológicos? Estas son algunas de las cuestiones que este análisis quiere responder, insertándose en el debate sobre la identidad de los museos y reflexionando críticamente sobre las ideas actuales y subyacentes de lo que viene a ser un museo de arte contemporáneo cuando una determinada institución se manifiesta como tal.

Projecto tese: “Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits”

teses e dissertações

Marques, Diana (2013). Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits [títuto provisório]. Defesa da proposta de projecto de doutoramento em Media Digitais. Faculdade de Engenharia da Universidade da Universidade do Porto. (Obs. A entrega e defesa da tese deverá acontecer no final de 2014/2015).

Orientadores: José Azevedo (FLUP), Robert Costello (Smithsonian’s National Museum of Natural History.

Júri da proposta: José Azevedo, Robert Costello, Pedro Casaleiro

Abstract:

“The main research goal driving the study is to contribute to the existing literature and knowledge on the use of mobile augmented reality technology to enhance visitor experiences within museum exhibits. Augmented Reality is a recent subject of curiosity and experimentation from the museum community and considered a tool for museum innovation, grounded in strong visual stimuli and promising an advanced natural interaction between visitors, collection objects and their data.

In particular the work will attempt to understand how digital augmentation of a Victorian-­‐age collection of skeletons in a natural history museum, regarded for its historical and biological value but no longer corresponding to modern visitors’ expectations for interactivity and interpretation, may facilitate engagement and satisfaction levels and influence conceptual and cognitive gains. This research study postulates that by combining the experiential and interpretive aspects of the exhibit experience through augmented reality, the visitor experience will be affected positively.”

Diana Marques (Digital Media Doctoral Fellow) trabalha há alguns anos em ilustração e animação científica. Acompanhe o trabalho dela aqui: http://www.dianamarques.com

Dissertação: “Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património”

teses e dissertações

Landim, José Jorge Viriato Mendes Landim (2013). Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Estratégias de Conservação e Valorização do Património. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural, especialidade, Património Artístico e História da Arte. 

Júri: Filipe Themudo Barata (orientador), João Brigola (arguente) e Ana Cardoso Matos (Presidente Júri). Dissertação defendida a 15 de Fevereiro de 2013.

*

Resumo:

Com esta dissertação, pretende – se, em primeiro lugar, dar a conhecer Serra Malagueta enquanto Parque Natural, um meio geográfico cujo área de dois mil e seiscentos hectares e uma altitude de cerca de mil metros, tendo na sua dependência 579 habitantes, sendo, 290 masculinos e 289 femininas repartidas, aproximadamente, em 74 agregados e abarcando parte de três concelhos: Santa Catarina, Tarrafal e São Miguel, sendo este último de maior abrangência.

Trata-se de uma área que apresenta uma enorme biodiversidade, mas também possui um património cultural, material e imaterial, de relevo. É neste tipo de regiões que se coloca a premência e necessidade de uma relação sustentável entre o homem, o ambiente e o património.

Além de observar as características patrimoniais da região, importa perceber as dificuldades que se levantam a sua preservação e conservação, pelo que se destacam os fatores ou conjunto de fatores que estão intimamente ligados aos jogos de interesses, vários, e que a preservação e conservação desse património dependem da harmonização da tríade ambiente/natureza, a sociedade e o económico.

Finalmente, impõe-se a análise das questões relativas à valorização do Parque, a sua preservação e conservação numa perspetiva de integração ambiental, social e económico sustentável, estribadas num conjunto de estratégias e que poderão ajudar a gerir conflitos, garantindo, também, a valorização de Serra Malagueta enquanto Património.

*

Serra Malagueta (Santiago de Cabo Verde): Strategies for the Enhancement and Conservation of Heritage

Abstract:

This dissertation aims firstly, to inform Malagueta while Sierra Natural Park, with geographic area of two thousand six hundred acres and an altitude of a thousand meters, and its dependence on the 579 being, 290 male and 289 female split approximately in 74 households and covering part of three counties: Santa Catarina, and São Miguel Tarrafal, the latter being a larger scop inhabitants.

 This is an area that presents an enormous biodiversity but also has a cultural heritage, both tangible and intangible, of relief. It is this type of regions which arises the urgency and necessity of a sustainable relationship between man, the environment and heritage.

 Besides looking at the specs sheet of the region is important to understand the difficulties that arise preservation and conservation, by highlighting the factors or combination of factors that are closely related to games of interest, multiple, and the preservation and conservation of this assets depend on the harmonization of the triad environment / nature, society and economy.

Finally, it must be the analysis of issues related to the valuation of the Park, its preservation and conservation perspective of integration in environmental, social and economic development, supported and a set of strategies that can help manage conflicts, ensuring also the recovery Sierra Malagueta while Heritage.

*

Rezumu (em Crioulo de Cabo Verde)[1]

Ku es disertason,  kredu prinsipalmenti pa Sera Malageta, enkuantu parki natural, fika ta konxedu. Es parki natural ten 2.600 ha di aria na serka di 1.000 m di altitudi. Ta vive nel 74 familia ku un total di 579 algen undi ki 290 e matxu i 289 e femia. Sera Malageta ten padas na Konselhu di Santa Katarina, padas na di Tarafal i padas na di San Migel. Padas di San Migel e mas grandi ki kes otu 2 padas.

Nu ta atxa nes parki natural non so un enormi biodiversidadi, mas tanbe, un inpurtanti patrimoniu kultural, material i imaterial. E nes tipu di spasu ki nu ten txeu nesesidadi di un relason sustentavel entri omi, anbienti i patrimoniu.

Nu ta meste non so analiza kes karateristika patrimonial di es rejion, mas tanbe identifika kes risku na prezervason i konservason trokadu konflitus di interesi, tudu ku objetivu di tenta diskubri pontu di armonizason ki ta garanti prezervason i konservason di es triadi anbienti (natureza), komunidadi i ekonomia.

Dipos di identifika forma di armonizason di interesis konflituozu, nu meste inda identifika un konjuntu di stratejias ki ta asegura valorizason sustentavel di Sera Malageta enkuantu parki natural i patrimoniu, tudu nun anbienti di integrason anbiental, sosial i ekonomiku.

(Fonte: Informação enviada pelo autor)


[1] DECRETO-LEI nº 67/1998. “Bases do Alfabeto Unificado para a Escrita do Crioulo Cabo-verdiano”, Boletim Oficial – 5º Suplemento, 48, 31 de Dezembro, 19-23. (Tradução feita pelo Amigo: Marciano Moreira- os nossos agradecimentos – Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera.)

 

 

 

Livro “Museus Militares do Exército”

Capa do livro "Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede". Imagem retirada daqui.

Capa do livro “Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede”. Imagem retirada daqui.

Rodrigues, Francisco Amado e Mariana Jacob Teixeira (2012). Museus Militares do Exército: Um modelo de gestão em Rede. Lisboa: Edições Colibri. 308 páginas. ISBN: 978-989-689-272-2.

O livro que aqui se divulga articula dois estudos que resultam de dissertações de mestrado (de diferentes universidades) que se complementam em termos da temática em reflexão – os museus sob a tutela das instituições militares. A primeira parte do livro corresponde em traços gerais à dissertação que Francisco Amado Rodrigues apresentou em 2005 (Faculdade de Belas Artes, Universidade de Lisboa), com a orientação de Fernando António Baptista Pereira, e a segunda parte resulta da dissertação que Mariana Jacob Teixeira apresentou em 2011 na Universidade do Porto e sob a orientação de Alice Semedo (disponível na integra aqui). Os autores, ambos com passagem pela vida militar, apresentam um olhar assertivo sobre uma realidade museológica que tem contornos muito específicos.

Após o lançamento em Lisboa, o livro será apresentado dia 11 de Março (segunda-feira), pelas 15h00, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto (sala de reuniões, 2.º piso).

Resumo:

“Com a edição deste texto, pretende-se revelar e partilhar, essencialmente à comunidade museal, a estrutura organizacional legal, os recursos e os processos utilizados pelos Museus Militares do Exército Português, como um contributo para a definição de um modelo de gestão. Este, à semelhança de outros modelos, possui pontos fortes e também pontos fracos, mas pretende-se configurá-lo numa boa via para se alcançar a desejada qualidade da actividade museológica militar e em rede integrada, constituída internamente por uma entidade ordenadora e coordenadora, seis Museus Militares e cerca de meia centena de Coleções Militares Visitáveis. Através das Tecnologias de Informação e Comunicação, será possível desenvolver a rede no plano nacional e internacional. (Francisco Amado Rodrigues)

A segunda parte da presente obra (…) pretende contribuir para a reflexão sobre o conceito de museu militar e as especificidades que os diferenciam das demais instituições museológicas, nomeadamente ao nível dos seus processo de criação à luz do envolvente contexto europeu e das formas de colecionar presentes nos seus acervos. A partir de seis contextos – o Museu Militar dos Açores, o Museu Militar de Bragança, o Museu Militar de Elvas, o Mseus Militar de Lisboa, o Museu Militar da Madeira e o Museus Militar do Porto, é feito o diagnóstico das formas de gestão e documentação das coleções e apontadas pistas para o desenvolvimento de uma gestão do acervo conduzida de forma integrada, ética e sustentável. (Mariana Jacob Teixeira)”

Índice:

Prefácio, Major-general Hugo Eugénio dos Reis Borges

I PARTE: UMA NOVA REDE DE MUSEUS PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS – CONTRIBUTOS PARA A SUA GESTÃO

Apresentação, Professor Doutor Fernando António Baptista Pereira
Dedicatória
Nota Prévia
Resumo e palavras chave
Índice de quadros, figuras e gráfico
Lista de abreviaturas e acrónimos
Capítulo I – Enquadramento organizacional de unidades museológicas (Museus Militares) e paramuseológicas (Coleções Militares Visitáveis)
1. Elementos de índole museal sob a tutela do Exército
2. Estrutura Geral do Exército
3. Direção de História e Cultura Militar
3.1. Antecedentes (desde 1959 até 2007)
3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos da DHCM
4. Museus Militares
4.1. Museu Militar de Lisboa
4.1.1. Antecedentes
4.1.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Lisboa
4.2. Museu Militar do Porto
4.2.1. Antecedentes
4.2.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar do Porto
4.3. Museu Militar de Bragança
4.3.1. Antecedentes
4.3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Bragança
4.4. Museu Militar da Madeira
4.4.1. Antecedentes
4.4.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar da Madeira
4.5. Museu Militar dos Açores
4.5.1. Antecedentes
4.5.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar dos Açores
4.6. Museu Militar de Elvas
4.6.1. Antecedentes
4.6.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Elvas
4.7. Museus Militares na atualidade e em 2005 – quadro comparativo
5. Coleções Militares Visitáveis das Unidades, Estabelecimentos e Órgãos do Exército
5.1. Antecedentes
5.2. Situação atual
Capítulo II – Diagnóstico aos Museus Militares – passado e presente
1. O questionário como ferramenta de diagnóstico e os sete parâmetros de análise
1.1. Questionário aos Museus Militares do Exército Português realizado em 2004 – análise estatística da amostra na ótica dos sete parâmetros
1.1.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
1.1.2. Conservação e segurança
1.1.3. Interpretação e exposição, e educação
1.1.4. Sustentabilidade
1.1.5. Públicos
1.1.6. Rede
1.1.7. Natureza institucional e funcional do museu
2. Diagnóstico qualitativo aos atuais Museus Militares sob os sete parâmetros de análise
2.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
2.2. Conservação e segurança
2.3. Interpretação e exposição, e educação
2.4. Sustentabilidade
2.5. Públicos
2.6. Rede
2.7. Natureza institucional e funcional do museu
Capítulo III – Redes museológicas de abrangência territorial nacional
1. Uma abordagem teórica de rede museológica e sistema
2. A Rede de Dados do Exército
3. Rede museológica nacional – passado e presente
4. Rede museológica do Exército Português – passado e presente
4.1. Rede de Museologia Militar – 1982/83
4.2. Uma Nova Rede de Museus Militares – proposta (2005)
4.2.1. Pressupostos
4.2.2. Linhas orientadoras e condicionamentos associados
4.2.2.1. Objetivos
4.2.2.2. Missão da Coordenação
4.2.2.3. Condicionamentos
4.2.2.4. Estrutura organizacional
4.2.2.5. Critérios de organização
4.2.2.5.1. Descentralização territorial
4.2.2.5.2. Descentralização de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2. Recursos materiais
4.2.2.5.2.3. Temáticas
4.2.2.5.2.3.1. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.3.2. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2. Centralização na gestão integrada de bens museológicos e de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Bens museológicos
4.2.2.5.2.2. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2.1. Da Coordenação da Rede de Museus
4.2.2.5.2.2.2. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.2.3. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2.3. Recursos materiais
4.2.2.5.2.4. Recursos financeiros
4.2.2.5.2.5. Recursos informáticos
4.3. Ponto de situação da Nova Rede de Museus Militares (2012)
4.3.1. Estrutura organizacional
4.3.2. Processos
4.3.3. Modelos de gestão dos recursos dos Museus Militares
4.3.3.1. Recursos humanos
4.3.3.2. Recursos materiais
4.3.3.3. Recursos financeiros
4.3.3.4. Recursos informáticos
4.3.3.5. Os edifícios
4.3.3.6. Os espaços
4.3.3.7. As temáticas
4.3.3.8. As coleções
Considerações finais
Referências bibliográficas
Anexos
Apêndices

II PARTE – A NATUREZA E GESTÃO DAS COLEÇÕES DOS MUSEUS MILITARES NA DEPENDÊNCIA DA DIREÇÃO DE HISTÓRIA E CULTURA MILITAR

Agradecimentos
Lista de abreviaturas
Apresentação
Introdução
Capítulo I – Museus militares – génese e coleções
1.1. Conceito de museu militar
1.2. Dos armazéns de armas aos atuais museus militares do Exército português: processos de criação à luz do envolvente contexto europeu
1.3. Natureza e modos de colecionar presentes no acervo dos seis museus militares na dependência da Direção de História e Cultura Militar
1.3.1. Natureza das coleções
1.3.1.1. Museu Militar dos Açores
1.3.1.2. Museu Militar de Bragança
1.3.1.3. Museu Militar de Elvas
1.3.1.4. Museu Militar de Lisboa
1.3.1.5. Museu Militar da Madeira
1.3.1.6. Museu Militar do Porto
1.3.2. As coleções – significados e representações
Capítulo II – Modelos de gestão das coleções em museus militares
2.1. Gestão das coleções museológicas – considerações teóricas
2.2. Identificação de modelos de gestão e documentação das coleções em museus militares – contexto internacional
2.2.1. Canadian Forces Base Petawawa Military Museum
2.2.2. Imperial War Museum
2.2.3. Museo del Ejército
2.2.4. National Army Museum
2.3. Os modelos de gestão e documentação das coleções dos seis Museus Militares da Direção de História e Cultura Militar: diagnóstico e contributo para a criação de boas práticas
2.3.1. Missão
2.3.2. Política de incorporação
2.3.3. Alienação
2.3.4. Empréstimo
2.3.5. Depósito
2.3.6. Documentação
2.3.6.1. Pré-entrada
2.3.6.2. Entrada
2.3.6.3. Registo manual
2.3.6.4. Inventário
2.3.6.5. Cópias de segurança
Considerações finais
Referências bibliográficas
Caderno de Imagens

(Fonte: site Edições Colibri)