Arquivo da Categoria: Museum News

Museu do Douro e Museu do Côa adiados?

maquina-de-escrever.gif

“A ministra da Cultura admite estar com dificuldades financeiras para cumprir a promessa de abrir três novos museus este ano. Por isso, dois só deverão estar funcionais em 2009. (…)

[No entanto] Está garantida a abertura do Museu do Mar da Língua […]”, afirma a ministra da Cultura.”

Para ver o resto da notíca clique aqui.

Ler + no Museu Nacional do Azulejo

museu-nacional-do-azulejo.jpg

Museu Nacional do Azulejo
(Foto daqui)

O Museu Nacional do Azulejo inaugurou um espaço destinado à leitura, integrado no circuito da exposição – a sala Ler +.

A sala Ler + é um convite à consulta e leitura de catálogos, monografias e outras publicações abordando questões técnicas, artísticas e históricas com informações complementares sobre a azulejaria portuguesa e temas associados ao Museu Nacional do Azulejo e às exposições permanente e temporárias.

A sala Ler + propicia um local de repouso durante a visita ao museu, tem acesso livre e constitui um estímulo para novos encontros à volta dos livros, com programação própria a anunciar.

(in site do Museu)

O Museu Mar da Língua em risco?

museu-de-arte-popular-sinaleptica.jpg

Sinaléptica do Museu de Arte Popular, 2007
©Ana Carvalho

Segundo notíca publicada no Expresso de 5 de Janeiro de 2008 (Primeiro Caderno, p.31), o Museu Mar da Língua terá que abrir ainda este ano tendo em conta que o seu financiamento, no contexto do Qradro de Apoio termina em 2008. A candidatura do Museu do Mar da Língua foi apresentada ao POC (Plano Operacional da Cultura) atingindo um valor de 3 milhões de euros, sendo 50% da verba obtida através do FEDER.

O edifício do Museu de Arte popular não será alvo de grandes alterações, sendo que as pinturas murais de Tomás de Melo (Tom), Estrela Faria, Manuel Lapa, Eduardo Anahory, Carlos Botelho e Paulo Ferreira irão supostamente manter-se.

Relativamente ao espólio museu de arte popular, já terá sido transferido para o Museu nacional de Etnologia, onde está a ser objecto de inventariação.

Sem objectos físicos, o espaço será um museu virtual, com recurso às novas tecnologias, robótica, multimédia e formas de comunicação interactivas. Um “Laboratório dos sentidos”, uma “biblioteca falante”, uma parede de murmúrios”, um “cinema da língua”, um labirinto de palavras” e um “túnel da rádio” (…)

Museu do Canteiro cria CD-Rom

cd-rom-do-museu-do-canteiro.jpg

CD-Rom sobre a cantaria
Museu do Canteiro

O Museu do Canteiro em Alcains (Castelo Branco) lançou muito recentemente um CD-Rom interactivo sobre temáticas ligadas à arte da cantaria, apresentadas de uma forma lúdica.

O CD-Rom visa sobretudo crianças do ensino pré-escolar, do 1.º e 2.º ciclo.

Este produto multimédia é o resultado de uma encomenda de serviços a uma empresa especializada nesta área. O CD-Rom insere-se no projecto Ambiente e Vida – Rochas, Solo, Clima e Seres Vivos coordenado pela Escola Superior de Educação de Castelo Branco (ESECB) e integrado no Programa Ciência Viva VI, co-financiado pelo POCI – Programa Operacional Ciência e Inovação 2010. Neste projecto a ESECB tem como entidades parceiras o Agrupamento de Escolas João Roiz, a Associação Educar, Reabilitar, Incluir Diferenças (ERID), a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) e a Câmara Municipal de Castelo Branco/Museu do Canteiro, em Alcains.

Além de incluir jogos permite ao utilizador uma viagem virtual pelo museu.

Mais informação aqui: “CD-Rom leva crianças à descoberta do museu” (Jornal Reconquista).

Nota: O Centro Cultural de Alcains – Museu do Canteiro foi inaugurado em 2005 e instalado no Solar Ulisses Pardal, em tempos designado como Solar dos Goulões. Trata-se de edíficio com excelente trabalho de cantaria, tendo sido recuperado e classificado como Imóvel de Interesse Público em 2002. O acervo do museu inclui algumas peças do antigo museu de Alcains, também dedicado aos canteiros, e retrata a arte de trabalhar a pedra e respectiva história.

Para saber mais sobre o “Solar dos Goulões” consulte o site do IGESPAR: http://www.ippar.pt/

Mais informações:
Centro Cultural de Alcains – Museu do Canteiro,
Rua das Fontainhas, 1
6005-057 Alcains
Tel. 272 900 220 | Fax: 272 900 229
E-mail: museudocanteiro@sapo.pt

Museu da Presidência organiza ciclo de cinema…

carta-de-chamada.jpg

O Museu da Presidência da República vai organizar o ciclo de cinema “Emigração Portuguesa” entre os dias 5 e 8 de Janeiro de 2008, no cinema S. Jorge, associado à exposição “Traços da Diáspora Portuguesa” que poderá ser visitada até ao dia 30 de Janeiro de 2008, na Gare Marítima de Alcântara, em Lisboa.

Esta iniciativa, com entrada gratuita, é composta por filmes maioritariamente portugueses e documentais (sendo alguns apresentados pelos realizadores e comentados por especialistas), estando a sua temática relacionada com os núcleos apresentados na exposição referida.

“Do continente e das ilhas, para os quatro cantos do mundo, milhões de portugueses viveram e vivem, ainda, a experiência da emigração. Actualmente habitam fora do território nacional perto de 5 milhões. Este fenómeno, que alguns cientistas sociais consideram estruturante da sociedade portuguesa, convocou, ao longo dos séculos, variadas origens e destinos, assumindo múltiplas formas e diferentes expressões. Só no século XX terão partido, legal ou clandestinamente, cerca de 3 milhões de portugueses. Fora do estrito âmbito académico, a emigração portuguesa excepcionalmente mereceu uma reflexão e um debate alargado na sociedade portuguesa e, não raras vezes, aos protagonistas desta história apenas foi reservado o lugar de espectador de polémicas e desassossegos em torno dos seus retornos.”

“Alguns destes filmes são praticamente desconhecidos do público, tendo sido raras vezes exibidos nos circuitos nacionais, facto que por si justificaria a iniciativa. Realizados por artistas de diferentes gerações e formações, alguns dos quais conheceram na primeira pessoa a experiência da emigração, constituem um painel diversificado e abrangente de perspectivas sobre o tema. A par de realizadores conceituados como Paulo Rocha, João Canijo ou Jorge Paixão da Costa, incluíram-se nesta iniciativa filmes de artistas portugueses mais jovens com trabalho reconhecido internacionalmente, como é o caso de João Pedro Rodrigues, ou com trabalhos premiados como Cristina Ferreira Gomes e Nuno Pires. O programa dará ainda a conhecer ao público português os filmes do francês Philippe Costantini, “Pedras de Saudade” e “Les Cousins d’Amérique” e permitirá, ainda, rever os notáveis “Crónica de Emigrados”, de Manuel Madeira, e “O Salto”, de Christian de Chalonge, este último galardoado, em 1968, com o prestigiado Prémio Jean Vigo.”

Descarregue o Programa

Mais informações:
Museu da Presidência da República
Palácio Nacional de Belém
Pç. Afonso de Albuquerque
1349-022 Lisboa
Tel. 213 614 660
museu@presidencia.pt
www.museu.presidencia.pt
http://www.egeac.pt/

Fonte: Informação enviada pelo serviço de comunicação do Museu da Presidência da República

Museu da Luz procura…

museu-da-luz.jpg

Museu da Luz
(Foto daqui)
Publica-se aqui notícia sobre oferta de trabalho na área do serviço educativo, no Museu da Luz:

MUSEU DA LUZ
(Aldeia da Luz, Mourão)

PROCURA TÉCNICO PARA AFECTAR A ‘BOLSA DE MONITORES’ DO SERVIÇO EDUCATIVO

O Museu da Luz localiza-se na área de influência da albufeira de Alqueva (Alentejo) e é tutelado pela EDIA S.A. (Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas de Alqueva).

O Museu pretende afectar à sua ‘bolsa de monitores’ um técnico para desempenhar funções relativas a todas as acções do seu Serviço Educativo.

O técnico deverá ter disponibilidade para prestar serviço quando convocado pelo Museu, sendo remunerado por sessão efectivamente executada. Deverá, preferencialmente, reunir experiência na área da animação/ educação, assim como ter gosto pelo trabalho com o público.

Em caso de interesse solicitamos envio de currículo até ao dia 30 de Janeiro de 2008.

Contactos:
Museu da Luz
Largo da Igreja da Luz
7240-100 Luz Mourão
e-mail: museudaluz@edia.pt
site: www.museudaluz.org.pt

I Forum do Património Imaterial do Douro

douro.jpg

Douro
Transmissores de património imaterial devem ser valorizados

O director do Museu Nacional de Etnologia, Pais de Brito, defendeu hoje a valorização daqueles que dão a conhecer o património imaterial das regiões, encontrando formas que vão além de colocar as suas informações num arquivo ou num museu

Ao intervir hoje, em Tabuaço, no I Fórum do Património Imaterial do Douro, Pais de Brito afirmou que este património não é «algo de absolutamente configurado, que preexista, expectante», aguardando que o vão lá buscar.

«Será um erro repetir hoje modos de recolha que passavam muito por este pressuposto, de o colector ser apenas o veículo que transportava para o caderno, o arquivo ou o museu coisas materiais ou imateriais que em qualquer lugar se encontravam», considerou.

Segundo o investigador, «hoje a sua procura tem de transportar consigo um processo de partilha onde se redescobrem e se encontram novos sentidos para aquilo que se recolhe».

Neste âmbito, defende a necessidade de a relação que, por exemplo, um etnógrafo estabelece com o seu informante ser «transposta para o acto do presente em que ela se processa, também enquanto criação social», para que estes não fiquem «acorrentados» ao passado.

Pais de Brito afirmou que, actualmente, os etnógrafos podem «ir mais longe» do que os seus colegas dos séculos XIX e XX, valorando de forma dinâmica «os protagonistas do património imaterial».

Deu o exemplo de um homem de uma aldeia que sabe fazer instrumentos de música e é um grande tocador.

«Ao recolher o seu saber, as indicações de construção ou as suas músicas, provavelmente pode ir-se mais longe e ele vir a ser um professor no Conservatório ou numa escola secundária e montar uma oficina onde ensine outras pessoas», explicou.

Também no património imaterial oral pode acontecer o mesmo, sem que se dê atenção «exclusivamente ao objecto oral em si, como a narrativa, o romance, o conto ou o provérbio que depois vai para um arquivo e pode ser consultado e estudado», acrescentou.

Lembrou que a designação de património imaterial é recente e que, mesmo os museus, não trabalhavam muito com esta dimensão.

«É agora a altura de pensar nas metodologias, até no modo de constituição dos arquivos, porque há meios tecnológicos mais sofisticados», frisou, propondo, por exemplo, a gravação em vídeo da pessoa que transmitiu o saber oral e que «pode ser surpreendida e encantada com a sua voz já no museu ou no arquivo».

O I Fórum do Património Imaterial do Douro, dedicado ao tema ‘Novos desafios para velhas memórias’, está a decorrer no âmbito de um projecto-piloto, lançado este ano pelo Museu do Douro, que pretende fazer o levantamento, a salvaguarda e o estudo deste tipo de património da região.

«A intenção do Museu do Douro é tratar o património imaterial como um repositório do saber popular, transmitido de geração em geração, que nos permitirá ir à origem dos mitos, das lendas», justificou o seu director, Fernando Maia Pinto.

Hoje foi já lançada a primeira obra deste projecto, do investigador Alexandre Parafita, que integra narrações orais recolhidas no concelho de Tabuaço.

Segundo Fernando Maia Pinto, o objectivo é continuar o levantamento pelos outros concelhos do Douro, obtendo «tudo o que for possível para ajudar a ter uma compreensão da realidade humana desde a origem dos tempos».

Lusa / SOL

Fonte: site do Sol, 8/12/2007

Recrutamento de vigilantes no Palácio da Ajuda

palacio-da-ajuda-fachada.jpg

Palácio da Ajuda

Com o objectivo de abrir ao público em regime de circuito livre, o Palácio Nacional da Ajuda está a recrutar pessoas para funções de vigilância.

Os requisitos são o 12º ano, conhecimentos de língua inglesa e apetência para trabalhar numa instituição museológica em contacto directo com o público.

Para mais informações e marcação de entrevista:
Telef. 213637095
Email: pnajuda@ippar.pt

Palácio Nacional da Ajuda
Museu
Calçada da Ajuda
1349-021 Lisboa
Tel 213637095 Fax 213648283
www.ipmuseus.pt/
www.ippar.pt/monumentos/palacio_ajuda.html

Fonte: Departamento comunicação Palácio da Ajuda

Natal do Livro nos Museus…

natal-imc-2007.jpg

A exemplo de anos anteriores, e tendo em conta o seu assinalável êxito, o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), realiza a campanha “Natal do Livro” que decorrerá de 15 de Novembro a 30 de Dezembro e terá lugar na Loja de Museus no Palácio Foz, em Lisboa e noutras lojas de Museus.

Durante este período, a grande maioria das publicações, designadamente livros de museologia, estudos, monografias, catálogos de colecções e catálogos de exposições temporárias, todos ilustrados com imagens de grande qualidade, reveladoras da riqueza das vastas colecções de arte, arqueologia e etnologia à guarda dos museus nacionais, estarão à venda com descontos muito especiais, e que em muitos casos poderão ascender aos 80% sobre o preço de capa.

Fonte: Nota de Imprensa, 15 de Novembro de 2007/INSTITUTO DOS MUSEUS E DA CONSERVAÇÃO (IMC)

ProMuseus

Cerimónia de assinatura dos contratos do ProMuseus

No próximo dia 19 de Novembro, 2ª feira, pelas 11h00, no Museu Nacional do Teatro, em Lisboa, terá lugar a assinatura dos contratos do Programa ProMuseus entre o Instituto dos Museus e da Conservação e as entidades de tutela dos museus integrados na Rede Portuguesa de Museus que irão receber apoio financeiro ao abrigo daquele Programa.

A cerimónia contará com a presença da Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima.

O ProMuseus é o novo programa de apoio financeiro do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) destinado aos museus integrados na Rede Portuguesa de Museus não dependentes da Administração Central.

Para 2007 foram definidas as seguintes áreas prioritárias: Informatização do inventário; Conservação e segurança; Reservas; e Parcerias.

Na sequência da análise das candidaturas por júri nomeado para o efeito, foram aprovados 57 dos projectos apresentados por 31 museus de diversas tutelas, nomeadamente 24 dependentes de Câmaras Municipais, 3 de Associações, 3 de Fundações, 1 da Igreja. Foram ainda apresentados 3 projectos no âmbito das Parcerias envolvendo 3 museus do IMC.

Entre os projectos apoiados, destacam-se:

– O projecto de investigação e divulgação que dará origem a uma exposição intitulada “Olaria Romana da Quinta do Rouxinol” apresentado pelo Ecomuseu Municipal do Seixal em parceria com o Museu Nacional de Arqueologia;

– O projecto de investigação e de produção de uma exposição sobre as Linhas de Torres promovido em parceria pelo Museu Municipal de Vila Franca de Xira, pelo Museu Municipal de Loures e pelo Museu Municipal Leonel Trindade, de Torres Vedras.

– Vários projectos destinados ao apetrechamento de reservas e à melhoria das condições de conservação e segurança de museus, como o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, o Museu Anjos Teixeira, de Sintra, o Museu Bernardino Machado, de Vila Nova de Famalicão, e o Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, entre outros.

– Vários projectos apresentados à área da informatização do inventário por museus como o Museu Municipal de Penafiel, o Museu da Vila Romana do Rabaçal, o Museu Arqueológico do Carmo e o Museu da Fundação Cupertino de Miranda em Vila Nova de Famalicão.

No que respeita à localização dos museus apoiados, verifica-se uma predominância de museus da região Norte e da região de Lisboa e Vale do Tejo, mas também da região Centro e Sul do País.

O montante global do apoio financeiro a atribuir pelo Instituto dos Museus e da Conservação, aos museus beneficiários do ProMuseus em 2007 é de 580.968,86 Euros.

Fonte: Nota de Imprensa, 15 de Novembro de 2007/Instituto dos Museus e da Conservação – IMC, IP.

"Museus: Especialistas debatem formas de captação de público"

maquina-de-escrever.gif

Divulgamos aqui um evento que apesar de já se ter realizado ontem (12 Nov.), merece a nossa divulgação pela actualidade e pertinência do tema.

Museus: Especialistas debatem formas de captação de público

Especialistas europeus e norte-americanos vão debater a contribuição dos museus para o desenvolvimento no século XXI num seminário internacional a realizar hoje, em Lisboa, e que abordará novas formas de financiamento e captação de público para estas entidades.

O II Seminário Internacional «Cultura, Factor de Desenvolvimento e Criação de Riqueza», organizado pela Rede IPI – Inovação e Iniciativas, e pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), irá debruçar-se em concreto sobre a posição dos museus na Europa e nos Estados Unidos, e as tendências da sua evolução para o futuro.

Explorar novas fontes de financiamento, examinar técnicas criativas de marketing, avaliar a contribuição dos museus na economia local são alguns dos temas constantes no programa do seminário, que tem início às 09:30, na FLAD.

Em declarações à Agência Lusa, Carlos Laranjo Medeiros, presidente da REDE IPI Portugal (rede internacional de microempresas de consultoria na área do desenvolvimento sustentável), explicou que o objectivo do seminário é «apresentar a visão europeia e norte-americana dos museus».

«Na Europa – com a grande excepção da Inglaterra – continua a prevalecer uma ideia do museu como entidade estática que apenas preserva o património. Nos Estados Unidos, os museus promovem inúmeras iniciativas para sobreviver e tornar-se rentáveis», salientou.

Do lote de participantes no seminário fazem parte especialistas do Museu do Design e da Moda, do Museu da Ciência de Valência, do J.Richard Taft Organization e do The Malrife Company, entre outros.

No ano passado, em Maio, a REDE IPI, em parceria com a Fundação Oriente, realizou um primeiro seminário internacional no qual foi abordado genericamente o tema da cultura como factor de desenvolvimento.

Fonte: Diário Digital/Lusa, 12-11-2007

"Criada Rede de Museus do Algarve"

museu-municipal-de-faro.jpg

Claustro do Convento Nª Sª da Assunção,
Museu Municipal de Faro
Copyrigth: Mélio Ramos

Eis uma notícia recente sobre a criação de uma rede de Museus no Algarve. Faz brevemente um ano que aqui dedicámos um post sobre a realização de um workshop dedicado ao tema “Para uma articulação entre os Museus do Algarve”.
Aguardamos por mais desenvolvimentos sobre este assunto. Eis a notícia:

Rede de Museus do Algarve foi fundada no passado dia 16 de Outubro, e congrega nove instituições museológicas da região. O objectivo é o desenvolvimento de acções em parceria, que visam o apoio e a cooperação entre os museus da região, promovendo uma valorização real da oferta cultural do Algarve.

Tendo por base quatro Museus Municipais do Algarve, nomeadamente, Portimão, Tavira, Faro e Albufeira, a composição da Rede rege-se por uma Carta de Princípios, onde estão definidas as linhas de acção deste grupo de trabalho.

O Museu do Trajo de S. Brás de Alportel, o Museu Municipal de Loulé, o Museu Marítimo Almirante Ramalho Ortigão, o Museu Municipal Dr. José Formosinho – Lagos e o futuro Museu Municipal de Lagoa fazem também parte desta Rede.

Na reunião que decorreu em Albufeira no dia 16 de Outubro de 2007, foi eleito o comité de coordenação constituído por representantes de cinco dos museus, nomeadamente, Museu do Trajo de S. Brás de Alportel, Museu Municipal de Tavira, Museu Municipal de Portimão, Museu Municipal de Loulé e Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira.

Fonte: http://www.regiao-sul.pt/ (18 Outubro 2007)

Secção de Museus e Conservação do Conselho Nacional de Cultura

O Dr. Luís Raposo, director do Museu Nacional de Arqueologia, foi eleito (por votação secreta dos directores) para representante dos museus portugueses pertencentes à Rede Portuguesa de Museus (RPM) na Secção de Museus e Conservação do Conselho Nacional de Cultura.

Este novo organismo, criado aquando da recente reformulação da estrutura do MC, irá começar a funcionar em Setembro. Luís Raposo será aí, num organismo tão institucional, o único representante directamente eleito para o efeito.

Sublinhe-se a composição desta Secção dos Museus e da Conservação e Restauro do CNC (Decreto Regulamentar n.o 35/2007, de 29 de Março):

a) O Director do Instituto dos Museus e da Conservação, que preside na ausência do membro do Governo responsável pela área da Cultura;
b) Os Directores Regionais da Cultura;
c) Um representante dos museus da Região Autónoma dos Açores, a designar pelo respectivo Governo Regional;
d) Um representante dos museus da Região Autónoma da Madeira, a designar pelo respectivo Governo Regional;
e) Um representante da Associação Nacional de Municípios Portugueses;
f) Um representante das universidades que ministram cursos de licenciatura, pós-graduação, de mestrado ou de doutoramento nas áreas da Museologia e da Conservação e Restauro;
g) Um representante dos museus da Rede Portuguesa de Museus;
h) Um representante da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus;
i) Um representante da Associação Portuguesa de Museologia;
j) Um representante da Associação Portuguesa de Conservadores Restauradores;
l) Um representante da Conferência Episcopal Portuguesa;
m) Um representante do Centro Português de Fundações;
n) Um representante das Associações de Amigos dos Museus;
o) Três personalidades de reconhecido mérito nos domínios dos Museus e da Conservação e Restauro.

Fonte: Lista de discussão “Museum”