Arquivo da Categoria: Museums

“A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso”

Projecto Museu da Migração, exposição “Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond”, instalação “The Dignity of Life” © branding by Garden

[«A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso», entrevista com Sophie Henderson conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 65-71)]

****

A migração não é um fenómeno novo, mas é um tópico de renovado interesse na actualidade, que não só é complexo como urgente. O Migration Museum Project (Reino Unido) tem vindo a trabalhar desde 2013, organizando exposições temporárias, programas e eventos sobre a emigração e imigração por todo o Reino Unido.

Sophie Henderson é directora do Museum Migration Project desde 2012, supervisionando a transição de organização voluntária para uma organização financiada. Antes disso, era advogada no Tooks Court, Chambers of Michael Mansfield QC, onde se especializou em imigração, asilo e direitos humanos. Foi também juíza do Asylum and Immigration Tribunal e defendeu recursos no Social Security and Child Support Tribunal. Email: sophie@migrationmuseum.org

****

Ana Carvalho (AC) – A migração não é um fenómeno novo, mas é um tópico de renovado interesse na actualidade, que não só é complexo como urgente. Na sua opinião, como pode um museu fazer a diferença nestas discussões?

Sophie Henderson (SH) – Pode fazer a diferença porque podemos levar a discussão sobre migração para fora do debate aceso no contexto da política e da comunicação social, onde os argumentos tendem a ser apresentados em termos muito extremados e polarizados, e onde, por vezes, há uma escassez de informações mais realistas. Se levarmos o debate para um espaço cultural mais calmo – e o mundo cultural é onde as pessoas estão habituadas a testar o que pensam sobre as coisas –, então, este é um benefício. Quando as pessoas vêem filmes, lêem livros ou visitam museus, fazem-no para ver o mundo através dos olhos de outras pessoas. Isso automaticamente faz com que questionemos as nossas próprias atitudes e a relação com as outras pessoas. Eu penso que é através do mundo da cultura que, muitas vezes, processamos as nossas respostas emocionais. Por vezes, as pessoas têm sentimentos complicados ou internamente inconsistentes sobre a migração. É o assunto de que todos falam hoje em dia – na verdade é um tema que se discute há décadas, mas agora o foco é particularmente intenso. Se pudermos ajudar a levar este debate para um espaço cultural bem informado, então penso que podemos dar um verdadeiro contributo para um debate público mais calmo e mais razoável sobre a migração.

AC – O Migration Museum Project tem vindo a trabalhar desde 2013, organizando exposições temporárias, programas e eventos sobre a emigração e imigração por todo o Reino Unido. Qual é a missão do museu?

SH – Temos agora uma sede permanente em Londres, mas a nossa aspiração é deixar uma marca a nível nacional, através de uma rede de parceiros ligados ao património e empenhados em dar visibilidade às histórias de migração que as suas colecções contêm. No passado, discutimos potenciais modelos para o Migration Museum Project, por exemplo, a possibilidade de ser uma entidade itinerante, percorrendo todo o país em contentores, ou como um centro de coordenação, a trabalhar em cooperação com outros museus para contar histórias de migração em contexto local e por todo o país. Mas, no final, sentimos que o tema da migração é tão importante e que a história do movimento de pessoas dentro e fora do país ao longo de centenas de anos é tão central para a nossa narrativa nacional que nada menos que um museu permanente dedicado à migração daria a dignidade e a proeminência que esta questão merece. Sendo Londres um dos lugares mais diversos da Grã-Bretanha, pensamos que seria a escolha mais natural para albergar o Migration Museum. Mas, reconhecendo que a história da migração na Grã-Bretanha tem sido – e ainda é – uma história de contornos nacionais e não apenas restrita a Londres, o nosso objectivo é trabalhar por todo o país, através do desenvolvimento de uma sólida rede de parcerias.

O Migration Museum Project pode contribuir para afirmar publicamente que a migração é uma parte suficientemente importante da narrativa nacional da Grã-Bretanha que merece ser apresentada numa instituição cultural própria. Na minha opinião, a temática da migração não merece nada menos do que isso. Esta é uma maneira de mostrar o que é culturalmente valorizado pela nação e de proporcionar um lugar onde as pessoas possam ser desafiadas a reflectir sobre o que realmente pensam sobre o tema da migração, porque este é um problema que realmente importa. Ao dar destaque à história da migração na Grã-Bretanha e convidando as pessoas a encontrar o seu próprio posicionamento sobre o tema – porque todos nós temos alguma ligação a histórias de migração no nosso passado, seja de imigração ou emigração -, estamos a convidar as pessoas a olhar para a história partilhada da Grã-Bretanha e para aspectos que temos em comum, ao invés de coisas que nos dividem.

Uma outra coisa importante que podemos fazer é envolver as pessoas contando histórias no museu, através da criação de conteúdos co-produzidos com as comunidades que estão representadas. Desta forma, penso que podemos juntar as pessoas e traçar temas comuns para ajudar a um melhor entendimento entre grupos e indivíduos.

AC – Em relação à exposição temporária, Call me by my Name: Stories from Calais and Beyondque esteve patente em Londres em Junho de 2016, como surgiu a ideia? Quais foram as motivações e os objectivos?

SH – Quisemos testar-nos a nós próprios abordando um tema contemporâneo particularmente premente, que era a actual “crise” dos migrantes e refugiados, com especial incidência para o campo de refugiados conhecido como a “Selva”, em Calais. A nossa curadora, Sue McAlpine, foi uma das pessoas particularmente interessadas nesse tema e esse foi também um estímulo importante. Enquanto a exposição estava patente ao público, a “Selva” estava sob constante ameaça de demolição, e era uma notícia de primeira página dos jornais. Foi um grande desafio comissariar e apresentar uma exposição sobre uma história que estava a mudar tão rapidamente.

Ao montarmos a exposição, quisemos abordar uma série de questões prementes que preocupavam as pessoas. Penso que muitas pessoas se interrogavam sobre o porquê de um campo de refugiados em Calais. E por que razão estavam lá seis mil pessoas – mais perto de Londres do que de Birmingham -, todas a tentar chegar à Grã-Bretanha, sendo que algumas delas morriam durante essa tentativa? Queríamos que as pessoas pensassem em como responder a estas questões e que considerassem quais poderiam ser as suas responsabilidades. Queríamos ir para além das manchetes dos jornais e do anonimato, e aprofundar a humanidade das histórias individuais das pessoas. Além disso, mostrar que este é um tema complicado, onde não há soluções simples, e que há uma série de opiniões legítimas. Queríamos reflectir essa variedade de vozes e não apresentar quaisquer respostas – simplesmente pedir às pessoas que reflectissem sobre quais poderiam ser as suas próprias respostas.

AC – Esta exposição utilizou diferentes meios de representação (arte, filmes, áudio, fotografia, instalações, recreações, etc.), apresentando obras de artistas emergentes e de artistas já reconhecidos, mas também a arte e os testemunhos de refugiados. Daí resultou um conjunto muito diverso em termos de recursos e de vozes.

SH – Todos os tipos de materiais foram utilizados e sentimos que foi isso que funcionou bem. Estamos muito habituados a ver imagens de refugiados em barcos sobrelotados no Mediterrâneo e agora talvez haja uma certa familiaridade ou até mesmo fadiga em relação a essas imagens. Pensámos que ao usar diferentes meios de representação seria uma maneira de apresentar as histórias e as questões de uma forma mais viva, no sentido de provocar e captar a atenção dos nossos públicos.

Por exemplo, tivemos uma instalação de coletes salva-vida (The Dignity of Life de Sarah Savage) que foram recolhidos numa praia em Kos (Grécia) e que foram deixados para trás por migrantes. Eram coletes salva-vida falsificados, cheios de material barato de embalagem, que na água arrastariam para baixo uma pessoa em vez de boiar, um tipo de coletes que é distribuído frequentemente por contrabandistas.

Também tínhamos fotografias, filmes e áudio. Havia um espaço onde se podia ouvir uma variedade de vozes, desde Nigel Farage a condutores de camiões em Calais, até aos próprios refugiados e pessoas que com eles trabalhavam. Tivemos uma fantástica exposição de arte feita no próprio campo de refugiados, incluindo pinturas e esculturas, e objectos extraordinários feitos a partir de objectos encontrados. Foram ainda expostas peças maravilhosas, muito inventivas, feitas de garrafas de plástico e copos, obras de arte inspiradoras. Também queríamos transmitir na exposição a pura energia criativa e o espírito das pessoas que se encontram no campo de refugiados. O que vemos na televisão é a lama, o frio e os incêndios, mas para além disso há música, livros e arte. Há uma vida cultural muito rica a acontecer e nós quisemos trazer esta dimensão para a exposição.

Um outro retrato muito pungente foi o de um artista refugiado de Mauritânia, chamado Alpha Diagne (posteriormente foi-lhe concedido estatuto de refugiado em França), cuja obra de arte apresentava uma legenda que dizia: “A minha arte pode viajar para a Inglaterra, mas eu não posso”. Uma outra pintura muito comovente foi a do filho de um refugiado sírio, que desenhou o seu pai a afogar-se.

Uma outra peça marcante, logo à entrada da exposição, era uma instalação escultórica, Wanderers, pelo artista Nikolaj Bendix Skyum Larsen. A instalação era constituída por cerca de 300 figuras anónimas apresentadas num plinto e representando as “hordas” de migrantes que são tantas vezes citadas na imprensa. À medida que o visitante percorria a exposição, emergia a humanidade destas pessoas e, no final, havia uma verdadeira recreação de parte de um acampamento de refugiados, com barracas e abrigos. Era esta a trajectória da exposição.

Projecto Museu da Migração, exposição “Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond”, instalação “Wanderers” © Nikolaj Bendix Skyum Larsen

AC – O que aprenderam com esta exposição?

SH – A exposição foi muito visitada, atraindo mais de quatro mil visitantes em apenas três semanas. Por isso, percebemos que há um real interesse das pessoas em conhecerem e envolverem-se mais com temas provocadores e complicados como este, temas que podem causar eventualmente algum desconforto. Eu penso que isso acontece porque as pessoas querem realmente tentar entender as questões que envolvem a migração e quais são as suas próprias visões acerca do assunto. A maioria das pessoas não é simplesmente “pro” ou “anti” migração, mas ao invés disso tem perspectivas bastante complicadas; podem sentir que há demasiada migração, mas ao mesmo tempo sentem que a migração é, em muitos aspectos, benéfica para eles e para o país. As visões anti-migração não tornam as pessoas necessariamente fanáticas ou racistas. Por vezes, têm opiniões contraditórias dentro de si e têm dificuldade em reconciliá-las.

Uma outra coisa que aprendemos é que numa exposição como esta podemos envolver os visitantes de uma forma interactiva. Uma outra iniciativa muito apreciada foi a dos professores pop-up da Universidade de Oxford e da Open University, que estavam disponíveis na exposição para responder às perguntas dos visitantes em determinados momentos. Percebemos que há um grande potencial para colaborações académicas como esta, que podem ajudar a esclarecer aspectos da exposição por via de um conhecimento especializado, permitindo que se leve esse mesmo conhecimento para além das universidades, a públicos de arte não académicos.

Eu gostaria que pudéssemos ter prolongado a exposição por mais de três semanas! Tendo agora um espaço mais permanente, estamos a planear repor parte da exposição Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond entre Abril e Julho 2017 e, posteriormente, montar uma nova exposição sobre momentos cruciais da história da Grã-Bretanha na perspectiva da migração.

Um outro aspecto que gostaríamos de melhorar é conseguirmos levar esta exposição a públicos diferentes – muitos dos visitantes, embora fossem etnicamente diversos, e abrangendo um grande leque de idades, eram de um modo geral visitantes altamente escolarizados e já bastante envolvidos com o sector cultural. Em contrapartida, os grupos escolares que visitaram a exposição com os seus professores eram tendencialmente de meios mais desfavorecidos e com muito menos envolvimento cultural prévio do que os nossos visitantes adultos. Idealmente, gostaríamos de alargar o nosso alcance de forma a trazer um tipo diferente de público adulto. Não temos os recursos necessários para levar esta exposição para fora de Londres, mas seria realmente interessante testar o seu impacto em diferentes áreas do país, particularmente onde as atitudes em relação aos migrantes são menos compreensivas.

AC – Da sua experiência, que conselhos daria a outros profissionais que pretendam planear actividades que envolvam as questões da migração e dos refugiados nos seus museus?

SH – Eu não pressuporia saber o que outros profissionais deveriam fazer, mas, se eu tivesse algum conselho, seria simplesmente não ter medo de abordar estas questões. Parece-me que a migração é um tema sobre o qual as pessoas têm realmente interesse. Devemos reconhecer que as pessoas têm perspectivas subtis e complicadas sobre a migração e que têm um desejo real de desfazer. Eu diria, olhe para suas próprias colecções e para a sua própria instituição, veja onde existem histórias sobre migração para serem contadas – porque certamente haverão histórias sobre migração – e dê-lhes visibilidade onde seja possível. Suponho que também quererão envolver o mais possível as comunidades para contar essas histórias, de forma a que as pessoas envolvidas realmente tenham um sentimento de pertença e sintam que isto vem – pelo menos em parte – delas próprias.

Algumas das peças da exposição Call me by my Name: Stories from Calais and Beyond foram criadas pelos próprios refugiados do campo de Calais, mas o resto da exposição, em grande parte, não o foi. Se levássemos esta exposição para fora de Londres, seria óptimo poder produzir mais conteúdos em co-criação, porque isso traz vida à narrativa. Por exemplo, poderíamos adicionar uma galeria no final da exposição dedicada à “viagem” pós-chegada, momento em que o migrante chega ao Reino Unido e requer asilo. A nossa exposição cobriu, em certa medida, as “viagens” extraordinárias que muitos refugiados e requerentes de asilo realizaram – por vezes através do Sara, depois através do Mediterrâneo e pela Europa, depois de Calais para a Grã-Bretanha. Mas depois disso, uma outra “viagem” muito longa começa frequentemente com o pedido de regularização do estatuto de requerente de asilo no Reino Unido. Isso pode levar muitos meses ou mesmo anos para ser concluído – essa é uma parte da história que frequentemente não é contada. No futuro, gostaríamos de abordar isso, contando essa parte da história em parceria com os requerentes de asilo que já chegaram ao Reino Unido, através da criação de obras de arte ou de outros meios.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Traduzindo a “hiperdivercidade” para o museu

Authentic Rotterdam Heritage 0001, adoptado pelo Museu Roterdão, propriedade de Kamen Vladimirov, 2016. Foto: Salih Kilic

[«Traduzindo a “Hiperdivercidade” para o Museu», entrevista com Nicole van Dijk conduzida por Ana Carvalho. Publicado em: A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais (coord. Maria Vlachou, Acesso Cultura, 2017, pp. 58-64)]

****

O Museum Rotterdam passou de um museu histórico tradicional (fundado em 1905 como Museum of Antiquities) a museu da cidade de Roterdão, no qual a interacção e a participação se tornaram dimensões centrais do trabalho desenvolvido e onde as histórias sobre o património histórico e contemporâneo são contadas e partilhadas. O museu reabriu em 2016 num novo local no centro de Roterdão, elegendo como foco principal das suas estratégias a cidade transnacional contemporânea e a sua diversidade.

Nicole van Dijk é curadora e coordena os programas de investigação e desenvolvimento do Museum Rotterdam. Em 2016, coordenou a exposição de abertura no novo edifício do museu no centro de Roterdão – Rotterdammers and their City. É responsável pela investigação de carácter participativo e por projectos comunitários. A sua prática é guiada pelas colecções do museu, combinando-a com a experiência contemporânea de viver na cidade. Isso cria uma fusão de colecções e de abordagens participativas nos programas e na governança, que ajuda a moldar o papel do museu no século XXI. Actualmente, colabora também com museus na Bélgica e no Reino Unido em projectos participativos. Estudou no Arts School e tem Mestrado em Antropologia Cultural. Email: n.vandijk@museu-mrotterdam.nl

****

Ana Carvalho (AC) – O Museum Rotterdam passou de um museu histórico tradicional (fundado em 1905 como Museum of Antiquities) a museu da cidade de Roterdão, no qual a interacção e a participação se tornaram dimensões centrais do trabalho desenvolvido e onde as histórias sobre o património histórico e contemporâneo são contadas e partilhadas. O museu reabriu em 2016 num novo local no centro de Roterdão, elegendo como foco principal das suas estratégias a cidade transnacional contemporânea e a sua diversidade. Em que termos é aqui entendida a diversidade cultural?

Nicole van Dijk (ND) – Temo-nos inspirado muito no que o Professor Steven Vertovec tem defendido sobre “hiper-diversidade” (Super-diversity and its Implications, 2007) e no que está a ser desenvolvido em várias universidades. “Super-diversidade” ou “hiper-diversidade” significa que a diversidade não é apenas causada por diferentes origens culturais e étnicas. A diversidade é também o resultado de outros factores, tais como: diferentes idades, religiões, géneros, estilos de vida, etc. Assim, a diversidade não é só étnica; é muito mais do que isso.

AC – A Nicole disse publicamente que “a diversidade urbana é um ponto forte e pode ser usado para criar cidades mais coesas, criativas e produtivas”. Como é que isto se pode traduzir na prática de um museu?

ND – Nas exposições do museu centramo-nos em diferentes temas que acreditamos serem importantes ou um desafio para a cidade, no presente e no futuro, bem como em temas enraizados na nossa história (por exemplo, Care in the City; Arrival City; City of Diverse Cultures; Innovative City, e Sustainable City). Por exemplo, o tema Care in the City tem sido um dos focos do nosso trabalho no museu: como é que cuidamos das pessoas idosas ou das crianças? Como cuidamos das pessoas com problemas de saúde? Na nossa colecção temos vários objectos que contam esta história, por exemplo, as estátuas que representam a entrada de mulheres em idade avançada em casas assistencialistas (até à década de 1930, existiam casas assistencialistas concebidas especialmente para cuidar dos idosos, que eram na sua maioria financiadas pela Igreja). Nas décadas de 1950 e 1960, surgiu o sistema social que deu às pessoas a possibilidade financeira de cuidarem de si próprias em idade avançada. Mas, agora, estamos a ser desafiados por problemas como a solidão. As pessoas vivem sozinhas nas suas casas e ninguém se relaciona com elas. Como é que a cidade e os seus habitantes lidam com esta questão?

O museu tem-se focado nestes temas olhando para histórias muito pessoais na cidade. Por exemplo, como é que uma mulher de origem antilhana, no sul de Roterdão, lida com a prestação de cuidados em idade avançada? Essa mulher tem uma maneira diferente de cuidar das pessoas mais velhas, muito mais informal e inclusiva. Cuida naturalmente das pessoas que vivem em seu redor e que sofrem de solidão e organiza todo o tipo de actividades para elas. Portanto, esta é outra maneira de gerir estes problemas que constituem um desafio colectivo. O museu concentra-se em todas estas práticas diárias de pessoas com diferentes origens e abordagens.

AC – Metade da população de Roterdão é estrangeira. O Museum Rotterdam reconhece o perfil transnacional da cidade, tendo desenvolvido vários projectos que envolvem os migrantes e dando visibilidade às suas histórias. Pode dar-nos alguns exemplos dessas iniciativas?

ND – O museu centra-se principalmente na forma como as pessoas vivem em conjunto na cidade neste momento, com todas as suas diferenças – algumas causadas pela migração, mas também por diferentes estilos de vida. Não nos estamos a focar apenas num grupo, mas na forma como todos esses diferentes grupos estão a viver juntos.

Por exemplo, tivemos um projecto – Caring in the West – numa rua de comércio de grande diversidade em Roterdão. Nesse contexto, fizemos alguma investigação juntamente com estudantes universitários da área social. Desse projecto resultou a exposição Caring in the West, que foi montada nessa rua de comércio e que incorporou as diferentes histórias de como as pessoas cuidam umas das outras, com todas as suas diferenças, e de como fazer da rua um lugar melhor para todos.

Em 2010, iniciámos um projecto com a comunidade búlgara. Víamos os carros e as carrinhas provenientes da Polónia e da Bulgária e de outros países da Europa Central – o museu não tinha conseguido manter um bom registo do fluxo de trabalhadores migrantes da Turquia e de Marrocos nos anos 1960 e 1970 – e quisemos acompanhar este movimento. Assim, iniciámos um projecto no estaleiro de uma obra e montámos uma cantina. Todos os dias almoçávamos com a comunidade búlgara de trabalhadores e aprendemos sobre a sua história, as suas razões para migrar e sobre as suas vidas. Percebemos que eles não sabiam muito sobre Roterdão, por isso contámos-lhes a história da cidade através de uma pequena exposição na cantina. Aí conhecemos Kamen Vladimirov, que está hoje representado na actual exposição do museu – Rotterdammers and their City. Ele é um homem especial, que organiza todo o tipo de coisas para a comunidade búlgara e também para outros migrantes, ajudando-os com a habitação ou com a língua. Temos seguido a sua vida desde há seis-sete anos e criámos uma boa relação com ele.

É assim que trabalhamos: construímos uma relação de longo prazo com um grande número de pessoas-chave nas comunidades de Roterdão. Ao desenvolvermos essas relações e ao vermos como as pessoas vivem, podemos também aprender mais sobre o impacto que a migração tem nas suas vidas, nas comunidades e na cidade.

Para a exposição de abertura no nosso novo museu, Rotterdammers and their City, honramos essas pessoas que estão associadas a temas que consideramos importantes para a cidade. Para cada tema procurámos uma história personalizada ligada aos projectos que desenvolvemos no passado, e identificámos cinco pessoas que humanizam esses temas: Kamen Vladimirov (cidade de chegada), Joyce de Lima (cuidados), Marco van Noord (inovação), Max de Korte (sustentabilidade) e Zeynep Altay (cidade transnacional), que estão actualmente representados na exposição através de grandes estátuas em tamanho real, concebidas através das mais recentes técnicas de impressão em 3D.

Trabalhámos juntamente com estas cinco pessoas num processo de co-criação. Perguntámos a cada uma como queriam ser representadas no museu e de que forma queriam trabalhar nisso. Kamen, por exemplo, escolheu abordar a sua viagem entre a Bulgária e Roterdão. Juntos desenvolvemos a ideia de fazer um filme dessa viagem. Kamen fez alguns cursos sobre produção de vídeo e, acompanhado de dois amigos, fez a viagem e o filme. A viagem foi feita na sua carrinha Volkswagen, que ele tantas vezes conduziu entre os dois países. Na exposição, são apresentados a carrinha e o filme junto à sua estátua. Seguimos o mesmo método com os outros participantes, alcançando no final cinco resultados diferentes.

Estamos a desenvolver um método para captar todo o tipo de histórias e temas importantes na cidade através do teatro. O primeiro passo é a recolha de histórias. O museu não é o único que está a recolher histórias em Roterdão, há todo o tipo de organizações a fazer isso, e estamos a tentar trabalhar juntos.

Por exemplo, podem ser histórias sobre migração, mas também histórias sobre as vivências no bairro, onde existem todos os tipos de problemas urbanos. Através do teatro, procuramos interagir com outros grupos. Trazemos objectos relacionados com a peça e com essas histórias e incorporamo-las no museu, ligando-as às histórias colectivas que temos sobre a cidade. Voluntários treinados por companhias de teatro nossas parceiras contam as histórias recolhidas. Estas histórias são depois partilhadas com os visitantes no museu. Descobrimos que uma história escrita numa legenda no museu não tem um grande impacto, na maioria das vezes os visitantes não a lêem; por isso, estamos a “traduzir” as histórias para os visitantes, interagindo com eles e registando as suas reacções. A ideia principal é trazer as histórias aos visitantes de uma forma mais viva do que simplesmente através de um objecto ou de uma legenda.

Estamos também a desenvolver uma nova forma de incorporação de objectos através de um projecto chamado Colecção Activa. A maneira tradicional de coleccionar objectos numa cidade, tirando-os do seu local de origem e guardando-os nas reservas do museu, torna-os inactivos, não estão a ser usados, são apenas descritos e mantidos num contexto científico. Percebemos que há muitos objectos, pessoas e actividades que representam a história da vida quotidiana nas comunidades. Não podemos retirar esses objectos das comunidades, mas podemos “segui-los”; perceber porque é que esses objectos são importantes para as comunidades e como estão a ser usados. Nesse sentido, iniciámos o que designamos por Colecção Activa, o que significa atribuir a um objecto uma espécie de marca ou selo Património Autêntico de Roterdão, e seguimos os objectos periodicamente. Esta é uma maneira de manter um registo das histórias da cidade e de as recolher, mas também dá reconhecimento às comunidades. Fazemos isso com objectos e com pessoas. Mais tarde, esta informação é incorporada nas exposições e os contadores de histórias falam sobre estes processos e objectos.

Por exemplo, a carrinha de Kamen é um objecto nesta colecção que incorpora a história da migração na Europa. Os critérios que usamos neste processo de colecção activa são simples: recolhemos objectos que ligam pessoas ou comunidades umas às outras ou à cidade. A crescente diversidade de Roterdão levou a que colocássemos a tónica neste contexto. As ligações e as redes ganham um poder de resiliência. Queremos seguir essas ligações. Ao contarmos as histórias ligadas a esta colecção e ao fazermos novas ligações, queremos ajudar a tornar a cidade mais resiliente e mais envolvida.

Museu Roterdão, exposição Rotterdammers and their City, 2016. Foto: Museum Rotterdam

AC – O Museu de Roterdão preocupa-se com o registo e avaliação do impacto dos seus projectos. Na sua opinião, o que funcionou bem e o que correu menos bem em projectos com migrantes ou refugiados?

ND – Por vezes, as vozes das pessoas não são ouvidas o suficiente, não tanto quanto gostaríamos. O museu como organização pode ser demasiado conservador e demasiado dominante. Às vezes, sentimos que não é apropriado lidar com todos os desafios contemporâneos que enfrentamos.

Por outro lado, é uma maneira – e vemos muito isso – das pessoas se sentirem honradas, seguras ou reconhecidas no que diz respeito às suas necessidades e ao seu lugar na cidade. Por um lado, o museu não é suficientemente flexível, mas, por outro, tem o estatuto de uma instituição que conta a verdade, que é de importância e que tem voz nos debates públicos. Nesse sentido, o museu é uma instituição importante porque pode fazer ouvir as histórias e ligá-las à História. Além disso, ganhar a confiança das pessoas e convencê-las a acompanhar-nos num projecto é um grande desafio.

Trabalhadores búlgaros no Museum Lunchcanteen, 2012-2013. Foto: Museum Rotterdam

AC – O que diria a outros profissionais de museus que pretendam criar os seus próprios projectos e programas envolvendo migrantes e refugiados?

ND – Uma das lições aprendidas é manter os projectos abertos e procurar entender as necessidades dos grupos com os quais estamos a trabalhar. Como profissionais de museus, o nosso foco pode estar, por exemplo, na recolha de histórias, de fotografias ou de objectos, mas isso pode estar para além do que as pessoas precisam para si próprias. Nesse sentido, deve existir sempre uma ligação entre o que se pretende alcançar como profissional de museu e o que as pessoas com quem estamos a trabalhar querem alcançar. Isso pode ser muito diferente. Muitas vezes isto é difícil e o resultado do projecto poderá não ser “aquela” exposição que se tinha inicialmente planeado. É sempre um pouco confuso, mas temos que contar com isso quando trabalhamos com todos os tipos de pessoas que não são profissionais de museu, mas têm as suas próprias necessidades no processo.

****

Ana Carvalho é museóloga. Com um percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, actualmente é investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Publicou Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas (Colibri, 2011), Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos (Caleidoscópio, 2016) e organizou a publicação digital Participação: Partilhando a Responsabilidade (Acesso Cultura, 2016). Autora do blogue No Mundo dos Museus e editora do Boletim do ICOM Portugal. É uma das fundadoras da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.
****
Aceda à publicação A Inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais em português ou em inglês.

Call for Papers: UMAC Conference 2008 – 'University Museums and the Community'

UMAC’s 8th International Conference, 16-20 September 2008, University of Manchester, UK
(http://www.meeting.co.uk/confercare/umac2008)

The theme of the conference is ‘University Museums and the Community’.

INTRODUCTION

For much of their history, universities were elite learning environments, sheltered from the outside world by their ‘ivory towers’, and taking their model from the monastery. Since at least the 1960s, though, universities have been playing an increasingly important role in their local and regional communities. One of their early roles was to form extra-mural departments which offered courses to members of the public. More recently, universities have begun to recognize their cultural, economic and social role within their communities.
Universities are often major employers; some historic universities play a major role in the tourist economy; and some make a significant contribution through spin-off companies formed as a way of bringing commercial applications to university research.

In addition, one of the major ways in which universities make a contribution to their communities is through their cultural provision.
Many universities operate theatres, concert venues, parks, botanic gardens, and museums and galleries. Increasingly, university museums and galleries have become a vital link between universities and their communities. They are important sources of learning outside the classroom for schools and colleges, as well as places of informal learning for visitors of all kinds; they are vehicles for public engagement with academic research; and increasingly they are becoming places where the university can listen to the community and its views on the issues studied by academics.

The theme of UMAC’s 8th International Conference therefore focuses on one of the most pressing issues today for university museums across the globe, which is how they can best act as two-way bridges between the world of the university and the many and varied communities, outside the university, within it in the form of students and staff using the museums in their leisure time, and the global ‘virtual’ community of the Internet.

UMAC members encompass museums of all academic disciplines; each of them will be affected by these transitions in a different way and each will choose a different approach and strategy to secure the museum’s mission.

UMAC’s Conference Board 2008 invites participants to report on how they – each in their specific and therefore unique situation – respond to these challenges and to share experiences and best practices.

CALL FOR PAPERS

Proposals are invited for contributions to the conference, which will be divided into the following five themes, each to be covered in half a day:

1 Public engagement with academic research

2 University museums and the internet community

3 The role of the university museum in community development (outreach, tourism, economic development, attracting diverse audiences etc)

4 The role of the university museum in formal and informal learning (i.e. schools, families)

5 Marketing to the university audience as leisure users (i.e. attracting academics and students visiting outside formal teaching and research programmes)

Format of contributions

We would like to ensure that the conference has a variety of formats. We suggest that we have a keynote speaker on the morning of each day. The five conference themes might then be dealt with in the following ways:

· A series of conventional papers of 10-15 minutes, in the main hall

· Workshop sessions with main speaker (10 mins) and roundtable of 8 people speaking for 5 minutes each, with facilitator managing the discussion.

· Panel debate in the main hall: up to six people talking for five minutes each on a topic (e.g. how to market to the internal audience), with a facilitator who then extends the discussion to the whole audience.

PLEASE NOTE: There will only be a small number of conventional papers, and a larger number of workshop sessions and panel debates. Please bear this in mind when submitting your proposal.

How to submit a proposal

Please submit your proposal electronically to the Chair of the Academic Board, Sally MacDonald, at:

Sally.macdonald@ucl.ac.uk

Your proposal should include the following:

· Your name, your title, your organisation and your contact details (email, telephone, address)

· Title of your intervention

· Which of the five themes your intervention relates to

· Abstract (up to 200 words) giving details of what you wish to say

· Indication of whether you prefer it to be a conventional paper, part of a roundtable workshop, part of a panel debate, or whether you do not mind.

PLEASE NOTE: We very much encourage participants to work up co-ordinated proposals involving several people.

PLEASE ALSO NOTE: We do not intend to have posters at this conference. Instead we encourage participation in workshop and panel discussions.

Deadline

The call for papers closes on 31 March 2008, when they will be reviewed by the Academic Board. The Board intends to let proposers know their decision within six weeks.

Please address further enquiries to Sally MacDonald at the email address above.

Further information:
http://www.meeting.co.uk/confercare/umac2008

Sugestão de Leitura: "Museu Marítimo de Ílhavo: Museu com História"

livro-museu-maritimo-de-ilhavo-museu-com-historia.jpg

Museu Marítimo de Ílhavo: Museu com História
Autor (es): Álvaro Garrido*, Ângelo Lebre
Edição: 2007
Descrição Física: 242 p.

Nota: Esta publicação pode ser adquirida na loja online do Museu Marítimo de Ílhavo ou na loja do museu.

Sobre o livro:

“Escrever uma história do Museu Marítimo de Ílhavo e publicá-la no ano em que a instituição comemora os seus setenta anos de vida significa responder a um duplo apelo – a uma necessidade e a uma ambição”, aponta Álvaro Garrido, director do MMI, acrescentando que “a necessidade decorre das vantagens internas em dispor de uma memória criteriosa de uma instituição cultural singular. A ambição consiste em fazer deste livro um instrumento de apoio à gestão do Museu e em partilhá-lo com a sua crescente comunidade de públicos”. (in Moliceiro, 17-10-2007)

Sobre um dos autores:

* Álvaro Francisco Rodrigues Garrido. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Mestre em História Contemporânea de Portugal pela mesma Faculdade e Doutorado em Economia (especialidade de Estruturas Sociais da Economia e História Económica) pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Iniciou a actividade docente no Ensino Superior, em 1995, na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, onde é hoje professor auxiliar e coordenador do grupo de História Económica. Na FEUC leccionou e lecciona as disciplinas de Economia e Sociedade Portuguesa, História Económica e Social, História da Política Externa Portuguesa, História das Relações Internacionais I e II e Sociologia Histórica. É autor de vários livros e artigos em revistas científicas, e participou em várias obras científicas e dicionários. Foi o vencedor do Prémio de História Contemporânea Victor de Sá, edição de 1995, com o trabalho O Movimento Associativo Estudantil nos inícios de Sessenta, que distingue o melhor trabalho académico nacional de jovens historiadores e do Prémio de História Alberto Sampaio, 2004, com o trabalho Abastecimentos e Poder no Salazarismo – O Bacalhau Corporativo (1934-1967), que distingue a melhor dissertação em História Contemporânea, a nível nacional. Desde 6 de Janeiro de 2003 que é o Director do Museu Marítimo de Ílhavo. (in http://www.aph.pt/)

Museu do Douro e Museu do Côa adiados?

maquina-de-escrever.gif

“A ministra da Cultura admite estar com dificuldades financeiras para cumprir a promessa de abrir três novos museus este ano. Por isso, dois só deverão estar funcionais em 2009. (…)

[No entanto] Está garantida a abertura do Museu do Mar da Língua […]”, afirma a ministra da Cultura.”

Para ver o resto da notíca clique aqui.

Sugestão de Leitura: "Museu Marítimo de Ílhavo"

livro-museu-maritimo-de-ilhavo.jpg

Museu Marítimo de Ílhavo – The Maritime Museum of Ílhavo
Edição: 2003, Caleidoscópio
Descrição Física: 123 p.
ISBN: 9728801092

Resumo: O Museu Marítimo de Ílhavo existe desde 1937. Este livro permite acompanhar todo o processo de demolições e construção do novo edifício, pelas mãos dos arquitectos Nuno Mateus e José Mateus. Textos de Aníbal Paião, Jorge Figueira e Álvaro Garrido. (in site Byblos)

O livro pode ser adquirido aqui.

Carlos Bunga no New Museum of Contemporary art, Nova Iorque

new-museum-contemporary-art.jpg

New Museum of Contemporary Art,
Nova Iorque, EUA
©don_schreiner

Carlos Bunga é um dos artistas plásticos portugueses mais promissores no panorama internacional. Destacamos aqui a sua participação (único português presente) na exposição colectiva de abertura do novo edifício do New Museum of Contemporary Art, em NY (Estados Unidos). A exposição intitula-se “Unmonumental: The Object in the 21st Century”.

“Unmonumental: The Object in the 21st Century” is the first exhibition in the “Unmonumental” cycle, and explores the reinvention of sculptural assemblage. Using found, fragmented, and discarded materials, the works of the artists on view make a case for modesty, informality, and improvisation.
The exhibition includes more than one hundred objects by thirty artists who represent a wide range of backgrounds and artistic strategies.
Mais…

Carlos Bunga
Born 1976, Oporto, Portugal/Lives and works in Lisbon, Portugal

Carlos Bunga is best known for his large-scale cardboard and packing tape installations that are painted and then cut away to reveal ruins of his particular form of architecture. Bunga’s more discrete sculptures, fashioned out of the same materials, intimately express the temporal aspects of place in a globalized context. Bunga’s use of color and roughly cut forms recall the decayed insides of Gordon Matta-Clark’s architectural cuttings. Like Matta-Clark, Bunga applies abstraction to architecture and living environments.
Bunga received a BFA at Escola Superior de Artes e Design, de Caldas da Rainha, Portugal (2003), and participated in a workshop in performance with Rebecca Schneider, Fundação Gulbenkian, Portugal (2003).
He also participated at Helsinki International Artist-in-Residence Programme (2005). Immediately
following his residency at the International Studio & Curatorial Program, New York (2006), Bunga received the 3rd International Painting Prize from the Castellón County Council, Spain. Recent solo exhibitions have been organized by Milton Keynes Gallery, Milton Keynes, United Kingdom (2006, catalogue), and Elba Benitez Gallery, Madrid (2005).
Bunga’s work has been featured in group exhibitions including Future Nomad, Vox Populi Gallery, Philadelphia (2007); En Voyage, Le Plateau/FRAC Ile-de-France, Paris (2006, catalogue); Farsites: Urban Crisis and Domestic Symptoms in Recent Contemporary Art (part of inSite_05), San Diego Museum of Art (2005, catalogue); Things Fall Apart All Over Again, Artists Space, New York, in conjunction with the Center for Curatorial Studies, Bard College (2005); Manifesta 5, San Sebastian, Spain (2004); and Prémio EDP Novos Artistas, Serralves Museum, Porto, Portugal (2003).

(in site http://www.newmuseum.org/)

Para onde vai o museu de arte contemporânea?

conf-museus-do-sec-21.jpg

Para onde vai o museu de arte contemporânea?
Culturgest, 3 Janeiro 2008
©Ana Carvalho

Teve lugar a primeira sessão do ciclo de conversas em torno da exposição “Museus do Século XXI – Conceitos, projectos, edifícios”. “Para onde vai o museu de arte contemporânea?” foi o mote da conversa da passada quinta-feira e que contou com a presença de Raquel Henriques da Silva*, João Pinharanda* e Ricardo Nicolau* (moderador).

Como era esperado, a avaliar pelos convidados, esta conversa pontuou, na nossa opinião pela pertinência e qualidade das intervenções. Qual a relação da arte com a arquitectura? Qual o papel do coleccionador dos nossos tempos? Arte, mercado e museus, que relação?
Das colecções aos museus. O caso concreto do MACE – Museu de Arte Contemporânea de Elvas. Contexto e expectativas para o futuro.
O nascimento dos museus de arte contemporânea no ínicio do séc. XX e sua evolução. O questionamento dos museus como locais de legitimação, locais de fabricação, o “museu laboratório”, etc. Também se chamou a atenção para o papel dos museus como potenciais instumentos para a regeneração do tecido urbano e como motor do desenvolvimento ao nível do turismo.
A discusão em torno da arquitectura de museus não podia deixar de mencionar o fenómeno Bilbao. O museu Guggenheim Bilbao alimenta acesas discussões como foi evidente ao longo desta conversa, uns gostam outros detestam. De qualquer maneira faz-nos pensar nessa característica que os museus têm que é da sua constante capacidade de mutação e transformação.
A conversa acabou por disparar em muitas direcções, todas elas actuais, como a questão do papel dos directores de museu e a questão dos concursos públicos, natureza e carácter dos protocolos entre coleccionadores e museus, a existência ou não de políticas culturais, linhas programáticas, o papel do marketing, serviços educativos, etc.

Destacamos como sugestão de leitura – “What Makes a Great Exhibition?”, uma das referências bibliográficas, entre outras, mencionadas no decorrer da conversa:

what-makes-a-great-exhibition.jpg

What Makes a Great Exhibition?
Autor: Paula Marincola (Edição)
Publicação: University of the Arts, Philadelphia Exhibitions Initiative, US
2007-07-21, Inglês
Descrição Física: 184 p.
ISBN-10: 0970834616
ISBN-13: 978-0970834614

Pode adquirir este livro nos seguintes endreços:
http://www.amazon.ca/
http://www.bookdepository.co.uk/

————————————————————————————
*Raquel Henriques da Silva é Professora na FCSH/UNL, foi directora do Museu Chiado (1994-97) e do Instituto Português de Museus (1997-2002). Integrou a partir de 2000, o Conselho de Administração da Fundação de Serralves, em representação do Ministro da Cultura.
*João Pinharanda é o actual director do Museu de Arte Contemporânea de Elvas – MACE. Historiador de arte, crítico de arte, comissariou inúmeras exposições, colabora com a Fundação EDP.
*Ricardo Nicolau (Tomar, 1976) é crítico de arte e comissário de exposições. Tem escrito regularmente para catálogos de artistas e integrado júris de prémios e residências, em Portugal e no estrangeiro. Entre 2003 e 2005 foi editor e director da publicação sobre arte contemporânea Pangloss. Tem colaborado com várias revistas de arte portuguesas e internacionais, designadamente a Contemporary e a W-art. Actualmente é assessor do director do Museu de Arte Contemporânea de Serralves.
——————————————————————————————-
Parabéns à Culturgest por esta iniciativa!

No Paço Ducal Vila Viçosa acontece…

paco-ducal-vica-vicosa.jpg

Paço Ducal de Vila Viçosa
©Fundação da Casa de Bragança

Hoje (26 de Outubro), pelas 21 horas, no Paço Ducal de Vila Viçosa acontece…um concerto com o Quarteto Odeon, composto pelos seguintes elementos: Adrian Florescu (violino), Laurentiu Ivan-Coca (violino), Ceciliu Isfan (Viola) e Peter Flanagan (Violoncelo).

Irão ser executadas obras da autoria de Rimsky- Korsakov, Tchaikovsky, Josef Suk, Camille Saint-Saens, Carl Maria von Weber, S. Joplin, A. Arensky, C. Gounod e Angel Villoldo.

O concerto será realizado na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa, com entrada livre.

Esta iniciativa enquadra-se na temporada de concertos de música erudita planificada pelo Museu-Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança até final do ano de 2007.

Mais informações:
http://www.fcbraganca.pt/concertos/fcb.htm

No Museu de Arte Contemporânea de Elvas…

“No Mundo dos Museus” foi até Elvas conhecer um dos mais recentes museus de arte portuguesa contemporânea.

A visita ao MACE é imprescindível, mas não prescinda da visita guiada que certamente enriquecerá os momentos ali passados.

Mais informações: http://www.cm-elvas.pt/MACE/

Eis algumas impressões da nossa visita:

[slideshow 72057594049098003]

©Ana Carvalho, Setembro 2007

Museu Colecçao Berardo

Museu Colecçao Berardo /Berardo Collection Museum

Eis algumas imagens do recém inaugurado Museu Berardo. Polémicas à parte, as expectativas são muito elevadas e esperamos que este museu saiba construir um caminho profícuo em torno da educação de públicos e no incentivo a um entendimento mais próximo dos portugueses à arte contemporânea.

http://www.museuberardo.com/
http://www.berardocollection.com/

coleccao-berardo4.jpg

coleccao-berardo2.jpg

museu-berardo3.jpg

museu-berardo1.jpg

museu-berardo.jpg

©Ana Carvalho

Pallant House Gallery ganhou "Gulbenkian Prize for Museum of the year" 2007

The Pallant House Gallery

Pallant House Gallery foi o museu vencedor das 100 mil libras do “Gulbenkian Prize for Museums and Galleries” da edição de 2007. Este museu localiza-se na cidade histórica de Chichester.

Factores como “excelência e sensibilidade estética”, e pioneirismo ambiental, já que foi o primeiro museu no Reino Unido a instalar um sistema de aquecimento e arrefecimento geotermal, o que fez com que houvesse uma redução significativa das emissões de carbono para quase metade.

O “Gulbenkian Prize for Museums and Galleries” é considerado no Reino Unido como um dos maiores prémios atribuídos anualmente. O objectivo principal é premiar um projecto que conjugue qualidade, inovação e capacidade de mobilizar públicos.

Fonte: Newsletter Junho 2007 Número 84, Fundação Calouste Gulbenkian