Arquivo da Categoria: New Tecnhology

Curso online e gratuito “Essential Digital Skills for Museum Professionals”: inscrições abertas

“Essential Digital Skills for Museum Professionals” é um “Massive Online Open Course” (MOOC) dirigido a profissionais de museus, estudantes, voluntários e desempregados, que desejam trabalhar no sector dos museus. O objectivo do curso é potenciar as competências digitais dos participantes e possibilitar a sua aplicação no seu trabalho diário. É online e gratuito.

As inscrições estão abertas até 30 de Setembro aqui: https://tinyurl.com/yacvttjh

Este curso é uma iniciativa do projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019), que tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia). 575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA. www.project-musa.eu

Mais informações sobre o curso “Essential Digital Skills for Museum Professionals” no site do ICOM Portugal: https://bit.ly/2LuQsgq

Que desafios para a integração das tecnologias e do mundo digital nos museus?

Alexandre Matos é especialista na área da documentação de colecções. Doutorou-se em Museologia com a tese SPECTRUM: Uma Norma de Gestão de Colecções Para os Museus Portugueses (2012). Na empresa Sistemas do Futuro coordena o departamento de formação e investigação, e é professor afiliado na Universidade do Porto. Faz parte da direcção do CIDOC (Comité Internacional do Conselho Internacional de Museus para a Documentação). A entrevista toma como fio condutor os desafios da aplicação das tecnologias e do mundo digital nos museus. Abandonado que está o debate que opõe meio físico vs meio digital, que desafios e oportunidades são hoje centrais para os museus? Da ausência de uma política e estratégia museológica a nível nacional comprometida com estas matérias, ao papel das tutelas, das lideranças, das estratégias de comunicação, à obsolescência tecnológica, à actualização de competências digitais e à necessidade formação… os tópicos em análise são múltiplos e transversais para a actividade dos museus.

Ana Carvalho (AC) − Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Como é que observas a relação dos museus com as novas tecnologias? Que diagnóstico podes traçar?

Alexandre Matos (AM) − Vivemos numa época de transformação em diversos sentidos, com impactos ainda pouco estudados, em diferentes áreas. E, como reflexo, sentimos essa transformação nos museus enquanto instituições. Na relação dos museus com as tecnologias (já não as chamaria de novas) consigo ver um lado extremamente positivo e um lado também muito negativo que é o da exclusão e da impreparação das instituições para esta realidade.
Pela positiva verifico com agrado a quantidade impressionante de bons projectos que aliam o que melhor existe nos museus com as tecnologias mais recentes, colocando à disposição dos públicos uma quantidade enorme de recursos para fins educativos, de investigação, de entretenimento, entre outros. Há alguns casos que poderia apontar como exemplo, mas acho que todos estão um pouco atrás do que já é disponibilizado pelo Cooper Hewitt, em Nova Iorque. Bem sei que é um museu da Smithsonian e tem recursos para o fazer. Mas se consultarem o website do museu, explorarem as colecções ou se o visitarem, e acederem à nova experiência desenhada pela equipa do museu – integrando as tecnologias sem as tornar o foco da visita, mantendo em primeiro lugar as colecções – perceberão que poucos museus nos dão a informação tão bem tratada e organizada.

Pela negativa destaco, antes de mais, a falta de estratégia para o universo digital. É comum ouvirmos que as tecnologias são algo que, mais cedo ou mais tarde, têm que ser tidas em conta nos diversos sectores dos museus. Mas avaliando o caso dos museus em Portugal, que conheço melhor, são poucos os que definem uma estratégia para a área digital, e depois agem de acordo com o que planeiam a curto ou médio prazo. Não quero com isto dizer que as tecnologias sejam um fim, antes pelo contrário, são um instrumento para cumprir a missão dos museus, mas sem estratégia definida andamos constantemente a navegar à vista, sem objectivos claros, sem propósito.

Um outro aspecto negativo, que não tem directamente relação com as tecnologias, mas está a montante, é o que observo sobre a falta de formação existente na área da cultura digital de grande parte dos profissionais de museus e do escasso tratamento que o digital tem nos cursos de formação na área. Esta falta de formação, combinada com os escassos recursos humanos nos museus, nomeadamente os municipais, é a tempestade perfeita para desperdiçarmos a oportunidade para utilizar as tecnologias em benefício dos museus, das colecções e, acima de tudo, dos visitantes.

AC − Tem havido algum investimento na gestão de colecções, nomeadamente a criação de catálogos digitais. Como tem sido esta evolução e que passos são necessários dar ainda?

AM − O investimento em gestão de colecções que tem existido ao longo das últimas décadas é, na minha opinião, manifestamente escasso para as necessidades que existem nesta área. A determinada altura, durante o período do anterior quadro de financiamento europeu e no âmbito do POC (Programa Operacional da Cultura), tivemos um conjunto de iniciativas nesta área com resultados significativos. Está, aliás, por fazer um estudo mais aprofundado sobre o impacto do POC nesta matéria e noutras. No entanto, segundo o que observamos nos dados mais recentes sobre a digitalização do património cultural e o que vou constatando nos diversos museus que visito a nível profissional, há um enorme “oceano” de objectos, de colecções, que estão nas sombras, sem registos acessíveis, sem estudo, sem informação básica recolhida, porque a maioria dos museus mantém as portas abertas com um esforço sobre-humano e não tem a capacidade de manter uma equipa dedicada ao registo, estudo, catalogação e divulgação das colecções. É este, provavelmente, o maior entrave face às potencialidades que as tecnologias permitem actualmente. Mas poderia elencar outros factores de bloqueio, como a ausência da normalização dos conteúdos, o desconhecimento das normas, a preocupação constante com ferramentas em vez de uma preocupação em solidificar conceitos a médio e longo prazo, a ausência de planificação, já para não falar da estratégia ou da partilha de recursos e resultados.

Se nos centrarmos nos catálogos digitais existentes, veremos que reflectem um esforço dos museus num determinado momento. Mas quantos desses catálogos têm tido actualizações de conteúdos e de tecnologia? Há, para além do exemplo que citei na anterior questão, inúmeras soluções tecnológicas interessantes, com custos de implementação não muito elevados, mas a sensação que tenho é que as tutelas (uma parte delas pelo menos) pensam na publicação de um catálogo digital da mesma forma que pensavam num em papel. Ou seja, publica-se num website e está resolvido o problema – e já somos digitais! A publicação de um instrumento desta natureza implica um compromisso com os públicos online dos museus que deve ser entendido pelos que têm a responsabilidade de gerir os museus.

Julgo que um dos primeiros passos a dar sobre os catálogos digitais seria fazer um estudo mais profundo sobre o ponto de situação actual em Portugal, incluindo a participação dos museus portugueses na Europeana ou em projectos como a Wikipedia ou a Wikimedia, por exemplo. Seria interessante recolher essa informação e propor passos a seguir com base em informação mais sólida.

AC − Existem vários projectos a decorrer em museus nacionais portugueses, nomeadamente com o Google Art. Que desafios estão implícitos e qual pode ser o impacto destes projectos?

AM − O Google Art, ao contrário do que acontece com a Europeana, é um serviço prestado pela Google que tem méritos e benefícios para os museus e colecções em termos de visibilidade, no entanto, julgo que os museus deverão percorrer o seu caminho preparando-se previamente para este tipo de parcerias e definindo por si próprios as plataformas onde pretendem estar. Para dar um exemplo, que nos foi mostrado por Merete Sanderhoff (Danish National Gallery) na última conferência anual da Acesso Cultura, há imagens de objectos das colecções nacionais disponíveis com marca de água nos catálogos digitais dos museus da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) que estão disponíveis em alta resolução e sem qualquer restrição no Google Art. Não parece um contra-senso? Em todo o caso, soubemos também na mesma altura, pela voz de David Santos que essa situação estava identificada e seria em breve modificada. Sabendo que a relação com marcas de grande impacto como a Google, a Microsoft ou a Apple é sempre tentadora (e pode ser muito proveitosa se bem pensada pelos museus), julgo que os museus, nomeadamente os nacionais, terão que pensar previamente a sua relação com o mundo digital.

Se pensarmos em casos de sucesso a nível internacional, sabemos que isso não acontece do dia para a noite! Não acordamos a pensar que seria bom ter uma digitalização de todas as colecções dos museus portugueses e no dia seguinte acordamos com tudo digitalizado e publicado na Internet. Desde o momento em que se define uma política de colecções que contemple uma estratégia digital e um plano de documentação, e digitalização, até ao momento da sua concretização podem decorrer anos, aliás, decorrem vários anos. Num trabalho que não é visível e é extenuante em termos de recursos humanos, técnicos e financeiros e que não tem, maioritariamente o suporte institucional que merece. Recomendo a leitura do artigo de David Santos «O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online: o Caso do Rijksmuseum» (2016) ou, de forma mais aprofundada, o caso de estudo «Democratising the Rijksmuseum» de Joris Pekel da Europeana Foundation. Aí temos a noção do trabalho efectuado durante o período em que este museu esteve fechado para poder agora apresentar estes resultados no seu catálogo digital.

Respondendo de forma mais directa à parte final da pergunta, diria que os maiores desafios, são pensar onde queremos estar daqui a 10 ou 20 anos e definir uma política de colecções e uma estratégia digital que nos possam levar a esse ponto.

AC − Os museus, assim como outras organizações de serviço público, terão de se actualizar para melhor responder a cidadãos mais proficientes no mundo digital, em termos da adequação de meios (tecnológicos, humanos e financeiros). No caso da política museológica nacional, até que ponto estão incorporadas estas preocupações?

AM − Respondo de forma provocatória: a que política museológica nacional te referes? Onde é que ela está nos últimos tempos? Eu sou da geração de profissionais de museus que começou a trabalhar nos anos 1990, ainda esta área digital era uma miragem em Portugal, mas que viveu com entusiasmo a criação de instrumentos como a Rede Portuguesa de Museus (RPM) e a aprovação de uma Lei-Quadro de Museus Portugueses (2004) que, em muitos pontos, foi inovadora. Vivi a criação do Instituto Português de Museus e confesso que na altura imaginei que teríamos os instrumentos, do ponto de vista formal, para colocar os museus no lugar onde deviam estar – como lugares de referência para o debate, educação e inovação. Mas, ao contrário do que pensava na altura, hoje temos uma DGPC que cuida de uma diversidade enorme de assuntos com menos meios, uma RPM que é um departamento dessa Direcção-Geral, numa visão absolutamente centralizadora sobre os museus e a museologia nacional, e uma Lei-Quadro que é muito facilmente esquecida pelo poder político (às diversas escalas) que faz o que bem entende no que diz respeito à criação ou apoio a museus das mais variadas tutelas. Se voltámos atrás em todas estas matérias, como podemos pensar o futuro e a integração de recursos tecnológicos, humanos e financeiros que possam lidar com as expectativas dos nossos públicos relativamente ao que é digital? É complicado. Ainda mantemos, em grande medida, os mesmos programas de formação na oferta da RPM, por exemplo. Os profissionais de museus são confrontados com estes desafios, mas não têm os instrumentos que os ajudem a enfrentar as novas questões e áreas.

Eu espero que a breve trecho haja uma tomada de consciência relativamente à política museológica nacional e que o governo, as diferentes tutelas e os diversos responsáveis do sector se sintam pressionados a dar atenção aos problemas que sentimos desde que se instalou este “esquecimento”! Também sei que o ICOM Portugal tem tomado posição e alertado para algumas situações que mencionei, mas julgo que nos cabe a todos, enquanto profissionais, ou melhor, enquanto cidadãos, pensar o que pretendemos para os museus e agir em conformidade, exigindo aos responsáveis políticos os recursos necessários para um desenvolvimento sustentável e consolidado dos museus portugueses.

Se consolidarmos estes recursos será mais simples pensar, em termos nacionais, em incorporar na política museológica nacional os instrumentos que permitirão aos museus dar uma resposta cabal aos desafios do mundo digital. Seria mais simples, por exemplo, pensar numa efectiva partilha de recursos técnicos e humanos pelos museus que integram a RPM para a digitalização das colecções, seria mais fácil desenhar programas de formação informados sobre os objectivos definidos, permitiria o desenho de projectos com um portal de pesquisa global para as colecções, arquivos e bibliotecas de museus, entre outros exemplos. No entanto, julgo que teremos que esperar mais algum tempo para merecer a atenção de quem decide!

AC − Para além da limitação de recursos que outros desafios enfrentam os museus portugueses na aplicação das tecnologias?

AM − Eu identifico à partida dois grandes desafios que estão interconectados: a análise das tendências e da obsolescência tecnológicas. Uma e outras estão interligadas e são muito importantes na análise que os especialistas precisam de fazer antes de adoptar determinada tecnologia. Vou tentar explicar com exemplos mais práticos. Imaginemos que optamos por incluir, em determinada exposição, uma mesa digital que nos permite, através de um software específico, interagir com determinados conteúdos relacionados com uma exposição. Este hardware, e muitas vezes o software, tem um período de vida curto, fruto das constantes actualizações dos sistemas operativos que os suportam, ou da inexistência de peças compatíveis para substituir alguma usada, entre outras situações. O software também necessita de actualizações e de correcções ao longo dos anos. Um e outro podem ter custos de operação elevados e uma manutenção tão específica que se torna incomportável para os museus em Portugal (imagino que muitos já terão visto exposições em que este tipo de hardware estava desligado, não?). No entanto, não vejo a preocupação com este tipo de situações reflectida em muitos dos cadernos de encargos que vou consultando.

Aliás, como a tecnologia é ubíqua, estes desafios das tendências e da obsolescência tecnológica aplicam-se a qualquer área relevante para o trabalho nos museus. Na documentação, por exemplo, sendo a área que mais domino, percebemos há muitos anos atrás que a melhor forma de combater o entusiasmo por uma nova tendência ou o perigo de falência de um sistema de informação por estar completamente ultrapassado, é através da “arma” da normalização. Ou seja, normalizamos processos, estruturas de informação, procedimentos, terminologia, recursos técnicos, etc., tendo em mente que dessa forma podemos mudar para um novo sistema de informação, substituindo um que se tornará obsoleto a breve prazo, sem correr um risco demasiado elevado.

Julgo que o mesmo poderá acontecer, certamente com outras “armas”, nas áreas da conservação, educação e divulgação nos museus. As ferramentas que utilizam devem considerar o carácter permanente deste tipo de organizações, sem deixar de considerar que os museus são, ou devem ser, lugares de discussão permanente com uma função social cada vez mais relevante, que criam produtos (visitas, exposições, metodologias de conservação, entre outros) que não devem ficar reféns de determinada tecnologia.

A partir daqui poderíamos falar em LOD (Linked Open Data) ou acesso aberto, por exemplo, como outros desafios importantes que os museus têm pela frente. Mas isso daria um dia inteiro de conversa…

AC − Meio físico vs meio digital? Parte-se do princípio que um não exclui o outro… Como se alcança esse equilíbrio?

AM − Alcança-se o equilíbrio sem perder muito tempo com a discussão sobre uma suposta aniquilação do primeiro pelo segundo que é, desde os primeiros temores sobre os museus virtuais, completamente vazia. Por muito que os desenvolvimentos tecnológicos possam alterar a nossa vida de forma significativa, como o têm feito nas últimas décadas, não me parece que os museus vejam o seu fim com a digitalização dos seus espaços e das suas colecções. É uma falácia. Aliás, sobre esta matéria e de uma forma mais geral, relacionada com o futuro da Humanidade, vários autores afirmam que é a cultura, as artes, a literatura, a filosofia, a linguística, ou seja, áreas com lugar privilegiado nos museus que nos permitirão contrabalançar a omnipresença das tecnologias nas nossas vidas. Ainda recentemente ouvi o cientista António Damásio e outros especialistas falar sobre este ponto no documentário 2077 – 10 Segundos para o Futuro, produzido de forma brilhante pela RTP.

No entanto, devemos ter o cuidado de desmistificar esta relação entre o meio físico e o meio virtual com alguns dados científicos que nos mostram a interligação entre o aumento das visitas físicas aos museus e a disponibilização da informação sobre as colecções e o museu online de determinados museus. E poderíamos levantar aqui algumas outras vantagens do virtual sobre o físico. Em termos de educação e acesso, em termos de segurança, com a criação de sistemas de informação sobre património cultural em risco e/ou roubado, ou ainda, no que diz respeito às indústrias criativas e à utilização das colecções como ponto de partida para novas criações e produtos. Há inúmeras situações onde essa vantagem é observável facilmente. Eu costumo dizer que não podemos ter todos uma primeira edição dos Lusíadas, uma carta escrita pela mão do Fernando Pessoa, uma pintura do Amadeo de Souza-Cardoso, mas se pudermos ter no ecrã uma boa digitalização dessas obras que permita a sua apreciação, que nos provoque a necessidade de ver o original, que nos emocione, teremos, como o código postal, meio caminho andado, não é? Eu vi pela primeira vez a informação sobre as exposições que a Gulbenkian e o Museu Nacional Soares dos Reis organizaram (em Lisboa e agora no Porto) sobre o Almada Negreiros na Internet, mas não deixei de ir a ambas e devo dizer que ganhei muito com isso.

AC − Repensar os museus na sua relação com o mundo digital pressupõe também lideranças mais informadas e capacitadas de modo a integrar a transformação digital na missão e estratégia de cada museu. Como observas esta questão? Que passos podem ser dados?

AM − Esta é uma questão para nós que trabalhamos em museus, num museu, e que a determinada altura assumimos ou pensamos em assumir cargos que impliquem pensar e decidir o futuro. Em Portugal, fruto do esvaziamento que observamos, das competências dos cargos de direcção dos museus, ou mesmo com a extinção desses cargos, colocamos este tipo de decisões nas mãos de pessoas que poderão não ter as competências para o fazer. Um vereador da cultura, numa das centenas de câmaras municipais do país, não terá a capacidade, que um museólogo ou um conservador de museu tem, para reflectir sobre o papel que o museu deve ocupar em determinada comunidade ou território. No entanto, se reflectirmos sobre a situação ideal é necessário que quem desenha as políticas e quem as executa, tenha sempre em consideração o tempo em que vive. Se não o fizer, corre o risco de criar um museu que serve apenas uma franja muito curta de públicos, ideia que espero estar ultrapassada. Quero com isto dizer que, por mais resistências que existam – e ainda existem algumas – com o mundo digital, no museu actual a sua inclusão é uma necessidade. Não integrar essa transformação digital na missão e estratégia dos museus é descurar todos os aspectos em que as tecnologias trazem vantagens e, acima de tudo, é deixar de parte uma geração que utiliza as tecnologias diariamente para quase todas as actividades. Desde o turismo, à indústria, passando pelo comércio, pelos serviços, em qualquer escala que possamos imaginar, as tecnologias são um dado adquirido. É assim que julgo que os líderes nos museus devem contemplar a sua inclusão.

Não podemos esperar que todas as pessoas tenham o mesmo tipo de conhecimentos nesta área que lhes permita reflectir sobre esta área de uma forma global, mas há especialistas no mercado, há empresas que trabalham especificamente neste sector, há alguma formação genérica nesta área (infelizmente quase toda fora do país) que podem ajudar os museus a lidar com esta matéria. Um outro caminho a explorar seria incluir esta questão nas competências de uma RPM refundada e mais participativa, transpondo para Portugal o que a American Alliance of Museums e o Arts Council (UK) têm feito.

AC − Um dos argumentos que sustenta a necessidade dos museus abraçarem as tecnologias é a oportunidade de conquistar os públicos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano utilizam já novas formas de aceder à informação. Mas não há também o risco de um museu demasiado tecnológico excluir outros públicos que não são porventura seduzidos pelo aparato tecnológico?

AM − Esse é o equilíbrio que se mencionava atrás e que é fundamental perceber. Como disse, não se trata de uma aniquilação de um lado pelo outro, mas sim uma integração ponderada e não invasiva das tecnologias. Há formas de o fazer e há museus, como é o caso do Cooper Hewitt, que referi anteriormente, que o conseguiram com enorme sucesso. O desenho daquilo a que o museu chamou New Experience é um processo que deveria ser observado por muitos museus, e digo observado e não copiado, para que cada um fosse capaz de pensar nas melhores soluções de integração tecnológica em benefício dos seus públicos e das suas colecções. Um erro comum nestes processos é pensar que uma solução serve para qualquer circunstância e copiar algo que teve sucesso num outro local, para o nosso contexto, no entanto, as circunstâncias num e noutro lado raramente são as mesmas e os alicerces sólidos que sustentaram o sucesso noutro lado, podem não existir quando o importamos.
Aqui o conhecimento sobre os públicos dos museus e o conhecimento sobre as colecções são fundamentais para a escolha do aparato tecnológico que permite a mediação entre ambos. Esquecer um dos lados da equação museu-público-colecção é entregar a estratégia digital do museu ao acaso, ou seja, é o mesmo que não ter um rumo e objectivos definidos.

AC − A necessidade de qualificar ou actualizar os profissionais de museus no domínio das competências digitais é um outro desafio. O que pode ser feito?

AM − O que pode e está a ser feito nesta matéria é criar novas formas de aquisição destas competências pelos profissionais dos museus. O ICOM Portugal tem, aliás, nesta matéria, como noutras, um papel activo com a participação no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019) [575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA], que tem como objectivo identificar um conjunto de perfis de trabalho nos museus e criar produtos de formação, na forma de MOOC (Massive Open Online Courses), seguido de um curso de especialização, que procurarão dotar os profissionais com as competências digitais necessárias para enfrentar estes desafios. É um projecto que estou a gerir, em representação do ICOM Portugal, no qual está também envolvida a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias, que espero possa vir a marcar a diferença no contexto da formação em Portugal para o sector dos museus.

Um outro aspecto fundamental, na minha opinião, é uma maior aproximação entre os museus e as universidades para debater as necessidades dos primeiros não cobertas pela oferta das segundas. Mantemos, em muitos casos, cursos de formação na área da museologia sem grandes alterações durante anos, sem qualquer preocupação com as questões levantadas pela cultura digital, inovação e tecnologia. Alteramos quase toda a oferta formativa para cursos de pós-graduação, mestrado e doutoramento, esquecendo que uma parte significativa do trabalho nos museus é relacionada com a prática. Ou seja, precisamos de formação que ensine como limpar um objecto, a documentar uma colecção, a produzir uma exposição, a receber visitantes, a mediar o conteúdo com os públicos, entre muitos outros aspectos práticos. As anteriores pós-graduações de dois anos permitiam esse tipo de ensino mais prático que julgo ser cada vez mais necessário.

Este tipo de formação poderia também lidar com algumas competências digitais de carácter mais técnico que são fundamentais para a integração das tecnologias nos museus. Em Portugal, na área da documentação, digitalização e gestão das colecções há uma escassez enorme de recursos com as competências apropriadas para desempenhar as tarefas aí exigidas, não só pela ausência da formação, mas também porque grande parte das tutelas ainda não percebeu a mais-valia que esse trabalho de bastidores pode representar para os museus em particular e, indirectamente, para outros sectores como o turismo, por exemplo. Talvez este espaço volte a ser ocupado pelas universidades – não sei, mas sei que é o único caminho para que os profissionais, actuais e futuros, possam adquirir as competências necessárias. Neste caso, a formação em contexto de trabalho, que funciona/funcionou durante muito tempo nos museus (uma nota aqui para alertar para o perigo que os museus estão a enfrentar com a quebra deste tipo de formação), com a transmissão do conhecimento dos mais velhos para os mais novos em muitas áreas, não tem como ser efectiva, porque as gerações anteriores não têm, na sua maioria, o conjunto de competências agora necessárias.

AC − Que mudanças são expectáveis para os museus nos próximos anos com relação às tecnologias?

AM − As mudanças que iremos ter que enfrentar prendem-se com diversos tipos de tecnologias. No que diz respeito aos sistemas de informação de museus teremos que enfrentar questões relacionadas com a web semântica, com a definição de melhores normas documentais, com a alteração de modelos sustentados por bases de dados relacionais, para modelos em bases de dados documentais, ou em termos mais técnicos, bases de dados No-SQL e com as novidades tecnológicas trazidas pelo próprio desenvolvimento da Internet, dos sistemas operativos e das linguagens de programação. Mas há outras áreas, como a divulgação, por exemplo, que terão de lidar com um aumento considerável de tecnologias na área da realidade virtual, por exemplo, ou com a entrada da robótica em conjunto com sistemas (ainda muito básicos) de inteligência artificial que terão no sector cultural um meio privilegiado de experimentação e desenvolvimento. Neste sentido, também a indústria dos jogos e do entretenimento terá uma relação cada vez mais próxima com os museus e com o património cultural em geral, mas aí seremos nós os fornecedores e eles os consumidores de conteúdos e de histórias que possam diferenciar os produtos que criam.

De forma mais genérica julgo que o sector dos museus sofrerá em todo o mundo uma mudança significativa na próxima década. Em muitos casos, vemos que os museus estão a abraçar essa onda de mudança, nomeadamente os museus com mais recursos, criando as bases para uma integração com o universo digital numa posição de liderança. Mas julgo que essa mudança terá velocidades distintas, sofrerá inevitavelmente recuos que permitirão alguns avanços posteriormente, mas o universo digital ocupará a breve prazo um lugar significativo, mas não intrusivo, nos museus.

Eu confesso-me curioso pelo futuro, pouco dado a saudosismos, mas atento à qualidade da transformação, para não retrocedermos nas questões realmente importantes. Penso que as tecnologias ajudarão a criar museus mais abertos e com maior significado para os públicos. Se assim for, estaremos no bom caminho!

Referências

Santos, David. 2016. “O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online − o Caso do Rijksmuseum.” RP − Revista Património 4: 51-55.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 11.º número do Boletim do ICOM Portugal (“Entrevista com Alexandre Matos.” (conduzida por Ana Carvalho) Boletim ICOM Portugal, série III (Fev. 2018.): 22-36.

Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação – Projecto Mu.Sa

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Por Ana Carvalho

Damos nota neste texto sobre a conferência realizada no âmbito dos trabalhos que decorrem do projecto Mu.SaMuseum Sector Alliance (2016-2019) no qual o ICOM Portugal é parceiro.[1] O projecto tem como objetivo criar um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus, através de sistemas de formação em e-learning, onde se inclui a concepção de um MOOC (Massive Open Online Courses). A conferência Re-designing Museus. Digital Skills for Change and Innovation (13 de Julho) realizou-se no seguimento de dois dias de reuniões internas do projecto e visou apresentar publicamente o projecto e os resultados da investigação já obtidos, mas também prolongar a discussão com outros profissionais do sector, cimentando ou contraponto ideias sobre esta matéria. O evento teve lugar em Roma, na Link Open University, um dos parceiros do projecto.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

A conferência estruturou-se em três momentos distintos. O primeiro consistiu na apresentação do projecto por Achilles Kameas (Hellenic Open University), coordenador do Mu.Sa, sobre os objectivos e resultados alcançados até ao momento. A segunda intervenção coube a Antonia Silvaggi (MeltingPro Learning), coordenadora do trabalho desenvolvido na primeira fase do projecto, que consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das novas tecnologias no contexto português, grego e italiano. Neste sentido, pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das novas tecnologias e do digital nas várias áreas de actuação (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). Uma outra dimensão analisada nos três países foi o mapeamento da formação formal e não formal na área da Museologia e em que medida se tem (ou não) introduzido as novas tecnologias e o digital nos curricula académicos e nos planos de formação profissional. No contexto desta conferência, Antonia Silvaggi, focou-se na apresentação de uma síntese de dez aspectos (Digital Transformation Decalogue) identificados a partir da investigação desenvolvida, e entendidos como elementos-chave que podem contribuir para a transformação digital nos museus. São os seguintes: 1) desenvolver uma liderança forte que suporte uma mudança de mentalidades no repensar da passagem de processos já existentes para o digital; 2) promover a confiança digital em todos os membros da equipa do museu; 3) apoiar o desenvolvimento profissional de forma continuada em relação às novas tecnologias; 4) conhecer as necessidades dos públicos para implementar experiências significativas; 5) desenvolver as soft skills mas também as competências digitais; 6) aprender com os pares e com os públicos; 7) apoiar a digitalização das colecções e dos arquivos; 8) mudar no sentido de abordagens mais abertas; 9) proporcionar um ambiente seguro onde se pode experimentar enquanto processo de erro e tentativa; 10) melhorar as colaborações internas e externas.

O segundo momento do encontro centrou-se em dois estudos de caso distintos, com a intervenção dos responsáveis pelos departamentos de novas tecnologias do Victoria & Albert Museum (Londres) − por Duncan Gough −, e do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (Milão) − por Paolo Cavalotti.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Seguiu-se o terceiro momento do encontro com uma mesa-redonda composta por oito especialistas − alguns participantes no projecto, como foi o caso de Alexandre Matos (ICOM Portugal), e outros externos ao projecto − sendo moderada pela jornalista Valentina Tanni (Artribune).[2] Várias questões foram levantadas. Destacamos algumas. Sobressaiu uma perspectiva optimista e benevolente quanto ao papel das tecnologias e da expectativa de que através destas se pode melhorar a comunicação dos museus no sentido de oferecer um serviço mais eficaz e que vá de encontro às necessidades dos visitantes. Transformação e agilidade foram palavras-chave referidas amiúde. Embora se reconheça que os museus não são indiferentes aos desafios das novas tecnologias (ex. digitalização de colecções, entre outros), é necessário contrariar o passo lento dos museus para se tornarem mais ágeis face à mudança. Como? Através de políticas mais pro-activas (e lideranças atentas), recursos (financeiros e humanos) e a capacitação contínua dos profissionais de museus.

Notas

[1] O projeto Mu.Sa − Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pelo programa Erasmus + e é coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). O consórcio conta com três parceiros portugueses: o ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a empresa Mapa das Ideias, e ainda oito parceiros de Itália, Grécia e Bélgica: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), National Organisation for the Certification of Qualifications and Vocational Guidance (Grécia), Symbola -Foundation for Italian Qualities (Itália), The Institute of Vocational Training AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia e Culture Action Europe (Bélgica). http://www.project-musa.eu

[2] Leia-se o pequeno artigo da Artribune a propósito desta conferência: http://www.artribune.com

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Conferências: comentários”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (Out.): 37-39. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Encontro sobre Património e o uso das novas tecnologias

8ª edição do “Encontro de Utilizadores de Aplicações de Gestão do Património”, em Coimbra, a 23 e 24 Maio. Organização da Sistemas do Futuro – Multimédia, Gestão e Arte e do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

“A Sistemas do Futuro tem organizado regularmente um conjunto de iniciativas sobre a utilização de tecnologias para a gestão e divulgação de património cultural com o intuito de discutir e promover o importante trabalho que se tem feito nas instituições culturais nesta matéria, bem como com o objectivo de recolher contributos significativos que lhe permitam melhorar os produtos e serviços que disponibiliza aos seus parceiros.

De entre essas iniciativas destacam-se, pela relevância que têm assumido a nível nacional, os encontros de utilizadores de aplicações de gestão de património, agora na sua 8ª edição, nos quais a empresa, em parceria com diversos museus portugueses e espanhóis, tem conseguido reunir um conjunto significativo de profissionais do sector que apresentam, discutem e promovem o trabalho realizado na área da gestão, documentação e divulgação do património cultural.

Esta iniciativa, única em Portugal neste sector, tem permitido debater temas importantes como o Património Religioso, a utilização das Redes Sociais em Museus e instituições similares, Arquivos fotográficos e documentação fotográfica das colecções, divulgação do Património, Rotas culturais, Normalização, reutilização de informação, etc. com o contributo de diversos profissionais de museus, da Igreja, de universidades, associações, fundações e outras instituições com quem a empresa tem vindo a colaborar desde a sua fundação. Os programas (disponíveis online) das anteriores edições destes encontros (5º Encontro6º Encontro e 7º Encontro) assim o comprovam. (Mouseion, por Alexandre Matos).

Este evento visa reunir profissionais dos diferentes setores do património cultural com os objetivos de promover a divulgação dos respetivos projetos, a partilha de experiências e potenciar sinergias.

A edição de 2013 terá início com um seminário dedicado à Investigação Aplicada ao Património, onde serão apresentados vários trabalhos de mestrado e doutoramento. Destacamos a intervenção do Nick Poole (CEO da Collections Trust) que irá falar-nos das várias experiências de adaptação do SPECTRUM a nível internacional e no encerramento assistiremos à assinatura do Protocolo “Spectrum International License” entre a Collections Trust e o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

No segundo dia serão apresentados diferentes projetos que se enquadram nos seguintes painéis: Multimédia e Educação;  Plataformas de Integração e Divulgação do Património e Acesso Online ao Património.

As inscrições são gratuitas mas obrigatórias. Estão abertas a todos os interessados nestas temáticas e são limitadas à capacidade do auditório.” (informação daqui)

Projecto tese: “Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits”

teses e dissertações

Marques, Diana (2013). Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits [títuto provisório]. Defesa da proposta de projecto de doutoramento em Media Digitais. Faculdade de Engenharia da Universidade da Universidade do Porto. (Obs. A entrega e defesa da tese deverá acontecer no final de 2014/2015).

Orientadores: José Azevedo (FLUP), Robert Costello (Smithsonian’s National Museum of Natural History.

Júri da proposta: José Azevedo, Robert Costello, Pedro Casaleiro

Abstract:

“The main research goal driving the study is to contribute to the existing literature and knowledge on the use of mobile augmented reality technology to enhance visitor experiences within museum exhibits. Augmented Reality is a recent subject of curiosity and experimentation from the museum community and considered a tool for museum innovation, grounded in strong visual stimuli and promising an advanced natural interaction between visitors, collection objects and their data.

In particular the work will attempt to understand how digital augmentation of a Victorian-­‐age collection of skeletons in a natural history museum, regarded for its historical and biological value but no longer corresponding to modern visitors’ expectations for interactivity and interpretation, may facilitate engagement and satisfaction levels and influence conceptual and cognitive gains. This research study postulates that by combining the experiential and interpretive aspects of the exhibit experience through augmented reality, the visitor experience will be affected positively.”

Diana Marques (Digital Media Doctoral Fellow) trabalha há alguns anos em ilustração e animação científica. Acompanhe o trabalho dela aqui: http://www.dianamarques.com

Pierre Mounier e os novos paradigmas da edição electrónica em acesso livre

Pierre Mounier

Pierre Mounier, Institut Français, Lisboa, 11 Março 2013                    Foto: Ana Carvalho

O francês Pierre Mounier (Centro para a Edição Electrónica Aberta – Cleo) esteve em Lisboa para falar de edição electrónica em acesso livre. Hoje os meios tradicionais de edição são confrontados com novas formas de divulgação e de uma maneira geral com uma mudança de paradigma à qual importa dar uma resposta. Ou seja, serão necessários reajustamentos às formas tradicionais de trabalhar com a edição de livros e com as publicações de uma forma geral. Mounier sublinhou grande parte dos problemas que afecta esta área, enquadrando teoricamente a discussão sobre o tema1. E falou de tendências como a “google generation”; a “tirania do impacto” das revistas científicas, e de um conjunto de ameaças ao sector livreiro, à edição, às bibliotecas…Entre as ameaças, por exemplo o aparecimento de outras formas de publicar através da internet: “Open Archiving”, blogues, Wikipédia e afins, Amazon, etc.

Num primeiro momento da apresentação de Mounier somos levados a crer que diante das ameaças à edição na sua forma tradicional a questão coloca-se: pode o livro acabar? Apesar da revolução que o universo da internet e de uma maneira geral as novas tecnologias proporcionam, o futuro ainda é dos livros, talvez não da forma como a temos conhecido, ou seja, a forma material como o livro se tem apresentado está a mudar. O que Mounier demonstrou foi a existência de novos padrões, apesar de permanecerem os espaços de conflito novas formas emergem.

E num ambiente que parece à partida hostil às tradicionais formas de trabalhar surge também um conjunto de novas possibilidades de trabalhar com o livro através da edição electrónica em acesso livre. Mounier deu vários exemplos no universo académico: Open Book Publishers (publicação de livros académicos em acesso aberto, com arbitragem científica; Reino Unido, desde 2008); Open Humanities Press (plataforma internacional em acesso aberto na área da teoria cultural, com vários jornais e colecções de livros, com arbitragem científica, desde 2008); Open Library Humanities (plataforma em acesso aberto no âmbito das ciências sociais e humanas, 2013); De Gruyter Open Acess (difusão de livros e outros conteúdos); Knowledge Unlatched (livros académicos); e o recém criado OpenEdition Books, uma plataforma de publicação de livros a acrescentar às já existentes no âmbito do projecto francês OpenEdition: revues.org (desde 1999), Calenda (desde 2000) e Hypotheses.org (desde 2008)2) (Em Portugal, existe já a LusOpenEdition que concentra as 3 plataformas referidas). Estes exemplos seguem, de certo modo, a tradição de edição e selecção científica, mas o modelo é transposto para o mundo digital.

Um outro exemplo referido foi Unglue.it, que através de crowdsourcing qualquer pessoa pode ajudar a publicar um ebook. Pensando no mundo dos museus, os exemplos deste tipo de estratégia já serão vários, mas recordo o caso recente do livro digital “Reprograme: Comunicação Branding e Cultura numa nova era de Museus” (coord. Luis Marcelo Mendes, 2012), em português e inglês, que foi editado também por via de crowdsourcing.  Isto demonstra um pouco aquilo que a internet pode viabilizar. E neste sentido também, Mounier sublinhou a possibilidade de uma outra dimensão, a webification do livro, ou seja, a possibilidade do livro ganhar uma outra dimensão, por exemplo com a interacção dos leitores e a possibilidade de introdução de comentários. Nessa linha Mounier deu como exemplo a iniciativa Textus, que permite que estudantes e professores partilhem textos e trabalhem de forma colaborativa através desta plataforma.

Há, por outro lado, textos que ganham uma outra vida na internet, textos vários que são reunidos em livro como no projecto “Living Books about Life“. Um outro exemplo é Pressforward, que através da “Digital Humanities Now” recolhe textos dispersos na internet (em blogues por exemplo), com o crivo de editores científicos para compor números temáticos de um jornal digital. Além disso, já não são raras as vezes que textos na internet, como no caso dos textos de autor em blogues dão origem a livros impressos. Lembro, no caso dos museus, o livro de Maria Vlachou “Musing on Culture” (Bypass Editions, 2013) que nasceu do blogue com o mesmo nome (veja-se texto sobre o livro aqui).

E o que pode tudo isto interessar ao mundo dos museus? Na verdade, estas preocupações não são indiferentes ao campo da museologia: as publicações vão crescendo (livros, catálogos, etc.), os formatos  já existentes de divulgação (revistas, boletins, etc.) também se vão transformando. Por exemplo no caso da MIDAS, uma nova revista de museologia com base em Portugal, as questões do acesso aberto e da sustentabilidade foram equacionadas já neste contexto de adaptação.

Por outro lado, há toda uma discussão mais alargada sobre as novas tecnologias e o potencial da internet na relação com os públicos que os museus não devem ignorar. Alguns dos tópicos enunciados por Mounier ao nível da transformação dos hábitos de consumo da cultura, sobre a forma como se acede à cultura, que também passa pela internet e pelo aparecimento de novos suportes, também são aspectos que devem interessar aos museus. Nesse sentido, museus e os profissionais da cultura em geral devem envolver-se e participar na discussão se pretendem desenvolver práticas relevantes na sociedade actual e sobretudo se pretendem comunicar para uma geração que acede à cultura de uma forma diferente das anteriores.

  1. Alguns estudos foram citados: Donnat, Olivier (2009). Les pratiques culturelles des Français à l’ère numérique: Éléments de synthèse 1997-2008 (resumo do estudo). Paris: Ministère de la Culture et Communication. Disponível em: http://www.pratiquesculturelles.culture.gouv.fr/doc/08synthese.pdf; Carr, Nicholas (June 2008). Is google making us stoopid. In The Atlantic. []
  2. Hypotheses.org é uma plataforma de blogues francesa (agora também em Portugal aqui) que agrega blogues de investigadores no âmbito das ciências sociais e humanas. Muitos dos blogues pertencentes a esta plataforma têm a atribuição de ISSN depois de serem considerados relevantes do ponto de vista dos conteúdos produzidos por um comité científico (cf. texto sobre tema aqui []

Recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®

[vimeo=http://vimeo.com/17044721]

Trata-se de um projecto inovador: a recriação virtual da Lisboa destruída pelo terramoto de 1755, através da plataforma virtual Second Life®.

O projecto está a ser desenvolvido pelo Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA), da Universidade de Évora, em colaboração com a empresa Beta Technologies e o King’s Visualisation Lab – King’s College London.

O trabalho realizado até à data poderá ser visitado em http://lisbon-pre-1755-earthquake.org/

O ionline publica uma notícia sobre este projecto, incluindo comentários de especialistas nacionais e internacionais:
http://www.ionline.pt/

Casa-Museu Abel Salazar tem novo site

A Casa-Museu Abel Salazar apresenta desde Janeiro de 2010 um novo site: http://cmas.up.pt/

Sobre a Casa-Museu Abel Salazar

A Casa-Museu Abel Salazar é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, tutelada pela Universidade do Porto e dirigida com o apoio da Associação Divulgadora da Casa-Museu Abel Salazar (ADMAS). A sua missão consiste em promover a investigação, o estudo e a divulgação da obra científica literária, filosófica e artística de Abel Salazar.

Este espaço museológico recria o ambiente onde o Mestre viveu grande parte da sua vida constando do seu espólio, para além do mobiliário e objectos do seu quotidiano, diversos trabalhos de Abel Salazar, tais como desenhos (esboços, auto-retratos, caricaturas, retratos, etc., em grafite, carvão, tinta da china, pena, aguada, sépia, crayon e técnica mista); aguarelas; óleos sobre madeira, cartão e tela; esculturas (bustos, estatuetas e medalhões em gesso, barro e bronze); cobres martelados, gravuras; trabalhos de investigação científica, manuscritos, epistolário, livros, jornais, revistas e testemunhos da sua colaboração na Imprensa.

A Casa-Museu Abel Salazar está localizada em S. Mamede de Infesta.

(adaptado de http://cmas.up.pt/)

"No Mundo dos Museus" ganha prémio da APOM

No passado dia 27 de Novembro de 2009 “No Mundo dos Museus” foi distinguido com um prémio da APOM na categoria de “Melhor Comunicação On-Line”. A par com o nosso blogue também a rede social “museologia.porto” (http://museologiaporto.ning.com/), criada por Alice Semedo, mereceu o reconhecimento da APOM na mesma categoria. Queria por isso dar os parabéns a Alice Semedo e a todos quantos contribuem para o estímulo da divulgação e discussão sobre museologia nessa plataforma.

O reconhecimento da APOM para um blogue e uma rede social revela que se começa a olhar em redor, para usar as palavras de João Neto (Presidente da APOM), e sobretudo chama a atenção para o papel que a internet pode ter para o desenvolvimento da museologia. Os museus não podem deixar de acompanhar o que se passa no mundo e utilizar os instrumentos disponíveis que possam contribuir para captar novos públicos, que são cada vez mais exigentes. O que dizer quando um museu não aparece no google? A verdade é que para uma primeira aproximação a um museu (informações básicas, ex.: horário, localização, ect.) utilizamos a internet. Mas esta é apenas uma das questões. A utilização das novas tecnologias pelos museus ultrapassa muito a simples questão de ter representatividade na internet através de um site institucional. A verdade é que a internet 2.0 oferece inúmeras potencialidades aos museus para melhorar a sua comunicação e aproximar-se dos públicos.

Receber este prémio foi para mim muito importante. Afinal é o reconhecimento de um trabalho que comecei em 2006, fruto das minhas inquietudes e diante da fraca visibilidade da museologia na internet. Este tem sido um projecto pessoal no qual tenho dedicado muito tempo e empenho ao longo destes últimos três anos. Mas mais do que esta distinção que agora a APOM me atribui, têm sido muito importantes os comentários das pessoas que por aqui vão passando e que de certo modo me têm incentivado a continuar. A todas essas pessoas deixo um sentido agradecimento.

Sobre o papel dos blogues

Assistimos hoje a uma constante e rápida assimilação das novas tecnologias em muitos aspectos do nosso quotidiano, seja a nível profissional seja a nível pessoal. Referindo-me concretamente aos blogues, podemos dizer que estes representam actualmente uma ferramenta importante de comunicação. Os blogues permitem a criação de espaços virtuais onde pode ser colocado qualquer tipo de informação, de autogestão e acessível a qualquer pessoa. Face às potencialidades que esta ferramenta encerra, os museus e profissionais de museus podem encontrar aqui um instrumento de trabalho que pode, de certo modo, ajudar a melhorar a comunicação dos museus e a sua relação com o público, abrindo caminho para novas formas de estar do museu.

Os blogues são cada vez mais utilizados nas mais diversas áreas do conhecimento e com os mais diversos fins: disseminação de informação, difusão de actividades, investigação, divulgação de eventos, troca de experiências, locais de opinião, locais para comentários e debate, etc. (…) No caso dos museus, a sua utilização pode representar variadas potencialidades, tornando-se instrumentos viáveis para a implementação de políticas de comunicação de proximidade. Uma das vantagens é a gratuitidade do software. Num contexto economicamente agressivo para a sustentabilidade dos museus, que é o panorama nacional actual, e onde a maioria dos museus não dispõem de páginas na internet, a criação de espaços gratuitos parece-nos uma oportunidade que os museus não podem de modo algum menosprezar. ESta ferramenta possibilita, com toda a liberdade e rapidez, a disponibilização na internet de informação sobre os museus e respectivas actividades, recorrendo a poucos recursos, tanto humanos como financeiros e sem processos administrativos de maior. Por outro lado, permitem uma maior proximidade com os seus públicos, humanizando, de certo modo, a relação com o utilizador. Isto é, através da permissão de comentários, que possibilitam que o utilizador interaja deixando as suas opiniões e que por sua vez o museu responda, elimina-se de algum modo a distância formal de um e-mail. A facilidade de concepção, flexibilidade na sua construção, a autogestão e a rapidez de actualização dos conteúdos constituem mais algumas valências para a sua implementação pelos museus.

(Adaptado de CARVALHO, Ana – Os blogues como instrumentos de trabalho para a museologia. Informação ICOM.PT [Lisboa]. N.º 1 (2008), p. 3-7.)

Colóquio "Novas Tecnologias para o Património", 28 NOv. 2009

Transcrevemos, em baixo, informação relativa à divulgação de um colóquio dedicado ao tema das novas tecnologias nos museus.

O Museu Dr. Joaquim Manso e a Rota Korrodi organizam no dia 28 de Novembro o colóquio “Novas Tecnologias para o Património”, na sequência da comemoração do Dia Nacional da Cultura Científica (24 Novembro).
As novas tecnologias de informação surgidas nas últimas décadas, em especial a internet, têm modificado as técnicas de produção e reprodução de textos, a divulgação do património, os suportes de comunicação. Possibilitam a partilha de informações à escala planetária em tempo real, tornando-se a sociedade contemporânea uma sociedade da informação.
Este colóquio propõe uma reflexão sobre o papel dos recursos tecnológicos na conservação, inventário, interpretação e comunicação do património junto de públicos diversificados, no sentido da sua maior acessibilidade e divulgação, tendo por base a apresentação de experiências do contexto nacional e regional, em museus, centros de interpretação, arquivos, bibliotecas e demais instituições culturais.

Local: Auditório da Biblioteca Municipal da Nazaré
Data: 28 de Novembro de 2009

Programa

10h00: Sessão de abertura
Painel I – Comunicar o património
Moderador: Célia Quico, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
10h15: Célia Quico – Introdução ao tema “Novas tecnologias para o património”
10h30: António Rodrigues – As TIC na promoção de interactividade nos espaços museológicos
11h00h: João Mareco – Batalha de Aljubarrota, da Idade Média ao Multimídia
11h30h: Genoveva Oliveira e Marco Neves – Património construído georeferenciado. O exemplo da arquitectura de Korrodi
12h00: Debate

12h30: Almoço livre

Painel II – Inventariar e conservar memórias
Moderador: Pedro Penteado, Serviços de Arquivística e Apoio Técnico da Direcção-Geral de Arquivos (DGARQ)
14h00h: Miguel Silvestre, Rede de Investigação, Inovação e Conhecimento da Câmara Municipal de Óbidos – Património Cultural na Estratégia Óbidos Criativa
14h30h: Jorge Lopes, Biblioteca Municipal da Nazaré – Imagoteca da Nazaré: preservação e divulgação da memória colectiva
15h00h: Sofia Rosa, EGEAC, E.E.M. – Valorização do Património Classificado. Castelo de São Jorge
15h30h: Laura Anastácio, Câmara Municipal da Nazaré – A Geocolecção do Museu da Nazaré
16h00: Debate
16h30: Encerramento

Organização: Museu Dr. Joaquim Manso e Rota Korrodi
Apoio: Câmara Municipal da Nazaré
Participação gratuita. Inscrição prévia até dia 26 de Novembro.

Inscrições e Informações:
Museu Dr. Joaquim Manso
telef. 262 562 802
e-mail: mdjm@imc-ip.pt

Fonte: http://mdjm-nazare.blogspot.com/

Revista electrónica "Museologia e Patrimônio"

revista electronica

“No Mundo dos Museus” destaca o lançamento do 2.º número da Revista Museologia e Patrimônio. A revista foi criada no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, desenvolvido em associação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), no Brasil.

Trata-se de uma revista académica, com sistema de avaliação a cargo de um Corpo Editorial integrado por especialistas de diferentes países. Aceita contribuições inéditas nos seguintes idiomas: português, espanhol, inglês e francês. Salvo excepções, os artigos submetidos serão editados nos idiomas de origem.

Foram publicados até ao momento dois números, o primeiro em 2008 e em 2009 saiu o segundo (http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/)

Por cá também fazia falta espaços similares onde disponibilizar artigos que reflictam a investigação que se vai fazendo na área dos museus e património.

Revista no1 museologia

Vol. 1, No 1 (2008)
Sumário

Artigos

Itinerários epistemológicos da instituição e constituição da Informação em Arte no campo interdisciplinar da Museologia e da Ciência da Informação – Lena Vania Pinheiro

Patrimônio, conservação e comunicação Interferências da arquitetura do espaço tombado e da conservação do patrimônio exposto na concepção e montagem de exposição temporária no MAST – Marcus Granato, Antonio Carlos de Souza Martins, Luciene Pereira da Veiga

Herança cultural (re)interpretada ou a memória social e a instituição museu Releitura e reflexões – Diana Farjalla Correia Lima

Discurso religioso e patrimônio intangível guarani mbyá – Luiz Borges

O museu, a palavra, o retrato e o mito – Tereza Scheiner

Jesuit Reducciones in the Context of UNESCO World Heritage -Hildegard Vieregg

Comunicação e informação de museus na Internet e o visitante virtual – Rosane Carvalho

Araújo Porto Alegre e o patrimônio arquitetônico do Rio De Janeiro – Nireu Cavalcanti

Revisitando

Sobre o tema “Museologia – ciência ou apenas trabalho prático?” (1980) – Zbynek Stránský

Conferências
PPG-PMUS Inaugural Address – Alissandra Cummins
Museos y patrimonio universal: una mirada desde la Interdisciplinariedad – Amalia Castelli

Relatos de Experiências
Chinese museums’ tradition and changes – Su Donghai
A revitalização do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi: em busca de uma nova relação com o público – Nelson Sanjad

Resenha
Um antropólogo de volta aos museus – Moema Vergara

Resumos/Abstracts
Quando o Museu abre portas e janelas. O reencontro com o humano no Museu contemporâneo – Bruno César Brulon Soares

Em direção à Museologia latino-americana: o papel do ICOFOM LAM no fortalecimento da Museologia como campo disciplinar – Luciana Menezes de Carvalho

A patrimonialização de material genético brasileiro: o estudo de caso da coleção de fungos filamentosos do Instituto Oswaldo Cruz – Roberta Nobre da Câmara

O objeto da museologia: a via conceitual aberta por Zbynek Zbyslav Stránský – Anaildo Bernardo Baraçal

Espaços em Processo de Representação: Praça Floriano Peixoto e Ilha dos Museus – Lucia Helena dos Santos Torres

Faces e interfaces na “poesia das coisas”: exposições museológicas sob o olhar interdisciplinar da Ciência da Informação e da Museologia – Julia Nolasco Leitão de Moraes

Revista no2 museologia

Vol. 2, No 1 (2009)
Sumário

Artigos

Da manchete à notinha de canto: os furtos do patrimônio público, a privatização dos acervos do cidadão/From the headline to the left bottom corner note: the theft of public assets, the privatization of the citizens’ collections – Beatriz Kushnir

Patrimônio industrial: lugares de trabalho, lugares de memória/The industrial heritage: places of work, places of memory – Maria Leticia Mazzucchi Ferreira

Para uma pedagogia do museu: algumas reflexões/For a museum pedagogy: some reflexions- Maria Amelia de Souza Reis, Maria do Rosário Pinheiro

O patrimônio da ciência: importância para a pesquisa/Scientific heritage: its relevance for the research – Marta C. Lourenço

Políticas públicas, políticas culturais e museu no Brasil / Public policies, cultural policies and museums in Brazil – Nilson Alves de Moraes

Ecomuseums in Italy. Concepts and practices / Ecomuseus na Itália. Conceitos e práticas – Maurizio Maggi

Revisitando
A pesquisa no museu e sobre o museu / Possibilities and Limits of Scientific Research typical for the museums – Vinos Sofka

Conferências
Things + Ideas + Musealization = Heritage: A Museological Approach / Coisas + Idéias + Musealização = Patrimônio: Uma Abordagem Museológica – Martin R. Schärer

Resenha

Museus como espaços de produção científica e educação do olhar – Alex Varela

Resumos/Abstracts
Museus de Ciências e Tecnologia no Brasil: uma história da museologia entre as décadas de 1950-1970 / Museums of sciences and technology in Brazil: a history of museology between the decades of 1950 and 1970 – Maria Esther Alvarez Valente

Do Monumento ao Fragmento: o jardim de passados do Museu Casa de Rui Barbosa / From Monument to Fragment: the many pasts of the Garden of Museu Casa de Rui Barbosa – Ana Cristina de Oliveira Sampaio

Espaço Construído: o Museu e suas exposições / Created Space: museums and their exhibitions – Elisa Guimarães Ennes

Sala do Artista Popular: Tradição, Identidade e Mercado / Gallery of the Popular Artist: tradition, identity, market – Luiz César dos Santos Baía

O Museu como Vereda Fértil: a Museologia no Museu de Arte Contemporânea / Museum as Fertile Path: Museology at the Museum of Contemporary Art – Tatiana Gonçalves Martins

Podcasting for Museums and Galleries

Podcasting for Museums and Galleries:
How To Tell Great Stories and Expand Your Audience

One Day Seminar | London | Monday 5 October 2009

Podcasting for Museums & Galleries is an intensive, information-packed event which is limited to just 25 participants to ensure that your particular institution’s needs are fully met.

The lead trainer will be Jude Habib, director of SoundDelivery, one of the UK’s leading podcast producers, whose clients include the British Museum, Museum of London and the British Library.

The seminar will take participants through the complete audio podcasting process from start to finish, with both practical demonstrations and actionable, in-depth information and advice. You’ll be able to discuss your organisation’s distinctive requirements, your needs and your approach.

You’ll be taught the skills you need to collect stories, case studies and other relevant audio material that can be used to enhance, communicate and promote the work of your organisation.

What’s covered?
* Telling Stories – a creative session to explore ideas and formats for audio appropriate for your organisation, including podcasting
* Developing your interviewing skills
* Tooling up: the equipment and software you need to get started
* How to use audio equipment to collect audio content
* How to carry out basic sound editing on a PC
* How to turn material into an mp3 file or podcast and upload it to a website
* How to market your podcast and expand your audience

Who should attend?
The seminar is suitable for professionals involved in: audience development; communication, marketing and fundraising; interpretation and presentation; learning and schools; online and information services; social inclusion and community outreach.

We are releasing a limited number of places on this seminar at a reduced rate of just £147, saving 25% on the full rate.

To take advantage of this saving, please don’t delay reserving your
place(s). Seats will be sold on a first-come, first-served basis and can be booked at: www.museumsetc.com/?p=54

DEADLINE: 30 August 2009

(Fonte: H-MUSEUM)