Arquivo da Categoria: Tese

Património industrial é tema do novo livro da colecção Estudos de Museus

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial é o nono volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Maria da Luz Sampaio apresentada à Universidade de Évora em 2015 (orientação de Margaret Lopes e Ana Cardoso Matos). Em 2016, a tese foi distinguida pela APOM (Associação Portuguesa de Museologia) com o prémio de “Melhor Estudo de Museologia”.

Será lançado no próximo dia 15 de Dezembro (sexta-feira) no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Álvaro Domingues.

****

O património industrial possui um significado que vai para além do seu uso e aspeto físico, modelo ou marca. Trata-se de testemunhos de técnicas desaparecidas, de processos de trabalho, de usos e de memórias, objetos que são eles próprios documentos que permitem compreender os contextos industriais do mundo do trabalho e das suas transformações sociais. O património industrial móvel é aquele que mais facilmente é fragmentado, vandalizado, vendido ou mesmo abandonado no interior dos edifícios industriais. Ao serem retirados dos seus contextos, esquecidos e transformados em sucata, os acervos privam os edifícios de serem lidos dentro de uma lógica funcional. Uma vez esvaziados, estes perdem os seus referenciais técnicos e tornam-se comuns armazéns industriais, prontos para serem reutilizados ou transfigurados.

Esta obra apresenta uma reflexão em torno do património industrial móvel, ou seja, dos acervos compostos por maquinaria, utensílios, instrumentos de precisão, peças de reposição, manuais, catálogos e revistas técnicas, em particular as coleções técnico-industriais. O livro procura apontar caminhos metodológicos para o seu estudo e conhecimento e promover a sua valorização e salvaguarda. Pretende ir mais longe, buscando novas abordagens que colocam o objeto como ponto de partida para o estudo da cultura material e o tornam uma fonte para a história da técnica e da indústria, funcionando como um documento que se cruza com outras fontes.

Em suma, este livro pretende responder a um conjunto de questões: Qual o papel da cultura técnico-industrial nas sociedades pós-modernas? O que podemos aprender a partir dos objetos técnico-industriais nos museus? Que metodologias podemos utilizar para valorizar esta cultura material?

Maria da Luz Sampaio é licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP); Pós-graduada em Museologia Social pela Universidade Lusófona; Mestre em Estudos Locais e Regionais pela FLUP; Doutorada em História e Filosofia da Ciência, especialidade de Museologia pela Universidade de Évora.

Em 1992 participou no projeto de investigação do Inventário do Património Industrial da Cidade do Porto e em 1996 no programa museológico e na abertura do Museu da Ciência e Indústria do Porto. De 2000 a 2011 assumiu funções de Diretora do Museu da Indústria do Porto, responsável pela gestão de coleções, programação e serviços educativos.

Autora de livros e artigos sobre reconversão e musealização de edifícios industriais, programação museológica, museus e património industrial, história da técnica, da indústria e da eletricidade. É investigadora integrada no CIDEHUS – Universidade de Évora, bolseira de Pós-Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia com o projeto “História do Ensino da Engenharia em Portugal (1911-1960)” e membro do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Colabora atualmente em vários projetos no âmbito da História da Engenharia e do património técnico e industrial.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 5

CAPÍTULO I – O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL NA ATUALIDADE: EMERGÊNCIA E DESAFIOS
1. O «património» em perspetiva histórica | 20
2. Reflexões em torno das Cartas e Convenções sobre o «património cultural» | 23
3. A patrimonialização da sociedade industrial | 33
4. O «património industrial» em Portugal | 43
5. As relações entre património industrial móvel e imóvel | 47
6. A patrimonialização dos objetos técnico-industriais | 52

CAPÍTULO II – OS OBJETOS-ARTEFACTOS TÉCNICO-INDUSTRIAIS: IDENTIFICAÇÃO E MÉTODOS DE ANÁLISE
1. Os objetos da cultura material como fonte histórica | 60
2. A cultura material: o papel dos artefactos técnicos | 67
3. Leituras dos objetos técnico-industriais | 71
4. Biografia dos objetos | 76
5. Contextos de significação dos objetos | 88
6. Modelos de estudo dos objetos: de E.Mcclung a Marta Lourenço e Samuel Gessner | 94

CAPÍTULO III – REPRESENTAÇÕES DO PATRIMÓNIO INDUSTRIAL DO PORTO: COLEÇÃO E MUSEU
1. O museu como representação da sociedade industrial | 101
2. O Porto: a cidade industrial em perspetiva – séculos XIX e XX | 108
3. Desindustrialização, terciarização e deslocalização da indústria portuense | 135
4. O Inventário do Património Industrial do Porto | 139
5. O projecto do Museu da Ciência e Indústria | 141
6. A criação da AMCI – Associação para o Museu da Ciência e Indústria | 145
7. Abertura do Museu da Ciência e Indústria | 149
8. Constituição da coleção do Museu da Indústria do Porto e sua representatividade no processo de industrialização da região do Porto | 165

CAPÍTULO IV – O ARTEFACTO ‘MOTOR ELÉTRICO’: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE UM ESTUDO DE CASO
1. O motor elétrico: seleção de um metódo de análise | 192
2. Descrição do motor elétrico | 196
3. O motor elétrico na coleção do Museu da Indústria do Porto | 202
4. Análise diacrónica – os contextos histórico-científicos “do nascimento do motor elétrico até aos nossos dias” | 215
5. O motor elétrico no mercado português | 238
6. Aspetos singulares e descritivos do motor elétrico ASEA | 253
7. O motor elétrico no museu: fonte histórica e objeto museológico | 274
8. O motor elétrico: objeto promotor de uma pesquisa interdisciplinar | 282

CONCLUSÕES | 289

Fontes e Bibliografia | 296
Agradecimentos | 339

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, e Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” conta a história dos antecedentes do Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu é o oitavo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Emília Ferreira apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2010 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

Será lançado no próximo dia 21 de Novembro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de António Filipe Pimentel.

****

Durante várias décadas do século XIX, as elites portuguesas reclamaram a organização, em Lisboa, de um Museu Nacional de Belas Artes. A sua concretização teimou em tardar. Até que, em 1881, um convite para a realização de uma exposição de arte ornamental Portuguesa e Espanhola num museu de Londres levou a comissão portuguesa envolvida na organização a pensar repetir e ampliar a iniciativa em Lisboa. Sonhava-se já com a instalação subsequente do museu, mas nem por isso a exposição foi considerada como um mero degrau para esse velho sonho. Pelo contrário: todos os pormenores da sua organização foram pensados com rigor e a ambição de se fazer o melhor que se sabia.

A 12 de janeiro de 1882, o Palácio Alvor abria as portas à Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portugueza e Hespanhola. Primeira exposição em Portugal (e uma das primeiras do mundo) a contar com iluminação elétrica, catálogo com ilustrações e até um volume de fototipias da autoria de Carlos Relvas, envolveu a cidade e o país num momento de entusiasmo cultural. Inaugurada nesse frio dia de inverno, com pompa e circunstância, e contando com a presença dos reis de Portugal e de Espanha, a exposição viu ampliadas as festas às ruas de Lisboa e ao Tejo.

Os trabalhos da comissão organizadora, liderada por Delfim Guedes, proporcionaram à imprensa nacional uma apaixonada discussão sobre arte e cultura, algo inédito entre nós, e contribuíram para o conhecimento internacional da arte nacional.

Quando encerrou as suas portas ao público, em junho desse ano, a exposição tinha sido vista por várias dezenas de milhar de visitantes, transformando-se na primeira iniciativa block buster em Portugal. Dois anos depois, o Palácio Alvor abriria as suas portas ao Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia, atual Museu Nacional de Arte Antiga. É a história desse que, até prova em contrário, permanece o mais notável acontecimento cultural do século XIX no nosso país, que aqui se conta.

Emília Ferreira (Lisboa, 1963) é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Historiadora de Arte e autora de ficção, é investigadora integrada do Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa), na linha Museum Studies, e investigadora associada aos projetos Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC) Connections Grant – “Gender Justice, Adult Education and Curatorial Dreaming: A Workshop and Exhibition” (University of Victoria, British Columbia, Canadá) e SSHRC Insight Grant – (En)Gendering New Narratives, Representations and Pedagogies: A Feminist Study of Adult Education and Exhibitory Praxis in Public Museums in Canada, Europe and the USA (University of Victoria, British Columbia, Canadá).

Curadora de exposições de artes plásticas e educadora, é colaboradora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1997, e membro da equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, desde 2000.

Desenvolve investigação sobre museologia, museografia e cultura, o ensino artístico, os museus e as artes, na época contemporânea, questões de género; expressões e diversidade do desenho na arte contemporânea, curadoria e educação pela arte.

Tem organizado e participado em conferências e colóquios em Portugal e no estrangeiro e publicado artigos nas diversas áreas de interesse. Publicou várias dezenas de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas, nacionais e estrangeiros. Tem-se dedicado também à divulgação de temas culturais para o grande público, destacando-se o recente trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, e Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

****

ÍNDICE

Introdução

Capítulo I – Londres, 1881. Conhecer e reconhecer as artes ornamentais peninsulares e antecedentes de uma exposição

Capítulo II – A Península Ibérica em Londres. Bastidores e imagem de uma exposição

Capítulo III – A preparação da Exposição de Lisboa. Portugal em vias de se apresentar “desassombradamennte perante a Europa”

Capítulo IV – Sobe o pano. Lisboa em festa

Capítulo V – Antes de fechar as portas

Conclusão

Bibliografia

Índice remissivo

Agradecimentos

 

Premiada tese sobre património técnico e industrial

Gravura do Palácio do Freixo e do edifício da Companhia de Moagens Harmonia, 1930

Gravura do Palácio do Freixo e do edifício da Companhia de Moagens Harmonia, 1930. Arquivo Fotográfico da Associação para o Museu da Ciência e Indústria

A tese de doutoramento, Da Fábrica para o Museu: Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Tecnico-industrial, de Maria da Luz Sampaio foi distinguida recentemente com o prémio da Associação Portuguesa de Muselogia (cf. premiados).

A tese foi apresentada à Universidade de Évora em Julho de 2015 no âmbito do Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, com orientação de Margaret Lopes e Ana Cardoso Matos. A autora é actualmente investigadora do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

****

Da Fábrica para o Museu: Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Tecnico-industrial

Resumo: A valorização da cultura técnico-industrial é o tema desta tese e, no seu âmbito, procuramos fornecer um quadro metodológico, que desencadeie processos de identificação, patrimonialização e difusão dos objetos técnico-industriais e dos seus múltiplos contextos. Neste processo é fundamental a noção de património industrial móvel, assumido como um valor de identidade pelas populações que viveram, não só, os processos da industrialização, como também, os impactos da desindustrialização e da terciarização no tecido económico.

Os acervos ligados ao património sejam eles documentos ou máquinas representam a atividade industrial de diversos períodos históricos e constituem uma memória, nem sempre valorizada, pela dificuldade da sua recolha e manutenção. Os objetos técnico-industriais no seu ciclo de vida passam por diferentes fases: fabrico, distribuição e consumo, e neste percurso muitos são destruídos, outros ficam abandonados, poucos são os que se preservam. Estes ao serem retirados dos seus espaços originais, perdem os seus contextos explicativos e os edifícios devolutos, ficam, agora, privados de serem lidos dentro de uma lógica funcional, tornando-se em armazéns industriais que acabam por serem reutilizados ou transfigurados sem referenciais técnicos que lhe atribuam personalidade própria.

A passagem do tempo e a evolução tecnológica, transforma os objetos técnico- industriais em “objetos únicos” capazes de nos transmitirem contextos e saberes que só serão descobertos se forem recolhidos e estudados. Esta recolha implica a existência de museus dedicados ao seu estudo e preservação, museus que se reclamem como agentes da difusão dos testemunhos de técnicas desaparecidas, dos contextos industriais do mundo do trabalho e das suas transformações sociais.

Apoiados pelas recentes metodologias de estudo dos objetos de ciência, ensaiamos, nesta Tese, a sua aplicação a um objeto técnico-industrial: o motor eléctrico. O modelo de análise utilizado assenta no conceito de que os objetos são, em primeiro lugar, fontes históricas importantes para os estudos sobre a cultura material e que estes possuem à partida um valor patrimonial. Estas metodologias desencadeiam estudos pluri/interdisciplinares e congregam diferentes abordagens e especialistas, reforçando, assim, o papel dos museus e do património que preservam.

From the Factory to the Museum: Identification, Heritization, Diffusion of Technical-Industrial Culture

Abstract: The theme of this thesis mirrors the rise in value of the technical and industrial culture in its scope; we intended to provide a methodological frame that develops techniques of identification, heritage, diffuseness of the technical-industrial objects and its several contexts. In this procedure, it is essential the concept of industrial mobile heritage, understood as an identity value by the people who lived, not only the processes of industrialization but also, suffered the effects and influence as well as the tertiarization in the economic structure.

The collections related to the heritage, either documents or machines, portray the industrial activity of the varied periods in History. Beyond that, they convey the industrial memory that has not always been valued by the difficulty of its gathering and maintenance. The technical-industrial objects, during its life history, go through several phases: manufacture, delivery and consumption, where many are destroyed, others are abandoned and finally other goes to the museum. Furthermore, they lose their explanatory contexts when removed from their primary spaces and the buildings become unoccupied. Consequently, they are deprived of being read within a functional logic what makes them into industrial storehouses to be reused and transformed without technical references that could confer them a specific personality.

Technological evolution and time change the technical-industrial objects into unique objects capable of conferring contexts and knowledge that can only be discovered if they are collected and surveyed. However this implies existence of museums dedicated to maintenance and survey.They are the only place capable to studying, conserving and diffusing the marks of disappeared techniques and of industrial contexts of the working world and its social changes.

Supported by the recent methodologies used in the survey of the object of science, we tested in this Thesis, their application to a technical-industrial object: the electric motor. The proposed model is based on the concept that these objects are, in first place, important historical sources for material culture that goes beyond their heritage value.

This methodology rouses pluri and interdisciplinarity studies and gathers distinct approaches and professionals. Therefore, reinforcing the role of the museums and the heritage they preserve.

****

A tese está disponível no repositório da Universidade de Évora: http://hdl.handle.net/10174/16426

Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas

MWC Risk Zones - vista global da exposição 2011

Carvalho, Ana. 2015. Diversidade Cultural e Museus no Séc. XXI: O Emergir de Novos Paradigmas. Doutoramento em História e Filosofia da Ciência, especialização Museologia, Universidade de Évora. http://hdl.handle.net/10174/17778

Júri: José Alberto Machado – presidente – (Universidade de Évora); Marta Lourenço (Museu da Ciência da Universidade de Lisboa); José Sobral (Instituto Ciências Sociais, Universidade de Lisboa); Alice Semedo (Universidade do Porto); Ema Pires (Universidade de Évora), Jorge Freitas Branco (ISCTE); Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora) – orientador -; Fátima Nunes (Universidade de Évora) – co-orientadora -; Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora) – co-orientador.

Disponível no repositório da Universidade de Évora:

Resumo:

Este estudo estabelece uma análise comparativa entre três museus com colecções etnográficas: dois museus no contexto internacional: o Museum of World Culture, em Gotemburgo, e o World Museum Liverpool, e, em Portugal, o Museu Nacional de Etnologia. Na era da globalização, o multiculturalismo e a preservação da diversidade cultural representam novos desafios para os museus, em particular para os etnográficos. Não se trata só de conhecer o “Outro”, que está no centro dos museus tradicionais, mas de uma nova perspectiva sobre a diversidade, que se desenvolve também nas nossas sociedades, com as comunidades de imigrantes, que implica que o “Outro” ou “Outros” passaram a fazer parte de “nós”. Diante da emergência de novos paradigmas, este estudo procura reflectir sobre os desafios contemporâneos de uma museologia mais representativa, inclusiva e participativa. Com base na investigação realizada, concluiu-se que, pese embora as diferenças de percurso e de contexto institucional e as diferentes circunstâncias nas quais se enquadram, os três museus reconhecem a alteração do seu papel em função das mudanças sociodemográficas das sociedades em que estão inseridos, todavia, as respostas são variáveis quanto à sua operacionalização nas práticas museológicas.

Cultural Diversity and Museums in the 21st Century: Emerging New Paradigms

Abstract: This study establishes a comparative analysis between three museums with ethnographic collections: two of these museums are in the international museum scene (Museum of World Culture, in Gothenburg, and the World Museum Liverpool) and one museum in Lisbon, the National Museum of Ethnology. With globalization, multiculturalism and the preservation of cultural diversity represents new challenges for museums, especially ethnographic museums. It’s not just about knowing the “other”, which is at the center of traditional museums, it’s about a new perspective about diversity, which is being developed in our societies with the immigrant communities, meaning that the “other” is now part of “us”. Taking in consideration the emerging of new paradigms, this study reflects on the contemporary challenges of a more representative, inclusive and participatory museology. This research revealed that in spite of the differences between the case studies, the three museums recognized that their role is challenged by sociodemographic changes within the societies they operate, however different perspectives are developed.

Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974)

imagem em que se vê uma mesa de trabalho com vários objectos e prateleiras

Espaço Museológico de Mineralogia e Geologia do Instituto Superior de Engenharia do Porto  © Patrícia Costa, 2012

Costa, Patrícia. 2014. Mineralogia, Geologia, Metalurgia e Arte de Minas no Ensino Industrial na Cidade do Porto (1864-1974). Tese de doutoramento em Geologia, Especialidade de História e Metodologia das Ciências Geológicas, apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra; disponível: https://estudogeral.sib.uc.pt/jspui/handle/10316/23768

Destacamos a tese de Patricia Costa, uma tese no âmbito da história e que inclui um enfoque sobre as colecções do Instituto Superior de Engenharia do Porto. Como sublinha a autora: […] «com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.»

Resumo:

A dissertação aqui apresentada debruça-se sobre a temática do ensino da Mineralogia, da Geologia, da Metalurgia e da Arte de Minas no Instituto Industrial do Porto, desde 1964 até 1974, nas suas várias vertentes: cursos, professores, disciplinas (ensino teórico e prático) e coleções museológicas.

Com esta investigação procuramos analisar o desenvolvimento do estudo destas áreas do saber na Escola do Porto e o seu eventual contributo para o progresso científico e tecnológico em domínios aplicados à indústria, incluindo a extrativa e a de transformação de matérias-primas de origem geológica.

O ensino industrial em Portugal foi sofrendo diversas alterações estruturais e programáticas, que acompanharam sucessivas políticas decretadas pela tutela, mas também os avanços científicos e tecnológicos que se foram registando nesta área, durante mais de 160 anos. Após um tímido dealbar do desenvolvimento industrial e do ensino prático e aplicado, fomentados pela visão reformista do Marquês de Pombal, figura chave da tutela entre 1750 e 1777, os governantes da primeira metade do séc. XIX não souberam dirigir de forma eficaz o seu esforço, chegando o País a meados de oitocentos sem uma indústria modernizada e a laborar em pleno e sem operários qualificados para tal. Sucessivos períodos de conflito e de forte instabilidade política também a isso ajudaram.

Com a criação do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria em 30 de Agosto de 1852, no âmbito da Regeneração, iniciou-se novo período de desenvolvimento significativo da economia nacional, tendo como grande interveniente Fontes Pereira de Melo. Anteriormente, com as reformas que se seguiram ao advento definitivo do Liberalismo, já haviam sido criadas algumas escolas vocacionadas para fornecer uma formação profissionalizante.

Foi, porém, em finais de 1852 que ocorreu o verdadeiro arranque do ensino industrial em Portugal. Conhecedores da realidade industrial nacional e, em especial, da cidade do Porto, os dirigentes da Associação Industrial Portuense anteciparam-se ao governo e criaram a sua própria escola industrial, denominada Escola Industrial Portuense, em Novembro de 1852. Contudo, a intervenção estatal não tardou, oficializando o ensino industrial com o Decreto de 30 de Dezembro de 1852, através do qual se criaram o Instituto Industrial de Lisboa e a Escola Industrial do Porto.

A primeira reforma globalizante do ensino industrial, em 1864, marcou uma viragem importante neste nível de instrução. A escola do Porto passou a denominar-se de Instituto Industrial, tal como a de Lisboa, sendo introduzidas novas áreas do saber nos currículos (disciplinas de Mineralogia, de Geologia, de Metalurgia e de Arte de Minas), novos cursos (Condutores de Minas, professado em três anos, 1ª classe, e quatro anos, 2ª classe) e estabelecimentos auxiliares de ensino (laboratórios e gabinetes). A formação dos alunos passou a ser composta por uma vertente teórica complementada por uma outra com caráter prático e experimental. No período estudado, foram vários os docentes responsáveis por estas disciplinas. Distinguimos António Ferreira Girão, Manuel Rodrigues Miranda Júnior, José Diogo Arroyo, Roberto Bellarmino do Rosário Frias, Celestino Maia ou Artur Mendes da Costa, como alguns dos mais importantes dinamizadores destas áreas na Escola, durante o período em estudo. As cadeiras sofreram várias reformas e alterações consoante o desenvolvimento tomado pelo ensino industrial e as próprias necessidades da indústria contemporânea. Obviamente que estes fatores influenciaram os conteúdos programáticos das mesmas, alterando, igualmente, a sua denominação ao longo dos tempos. Inicialmente a cadeira da área apenas contemplava a Arte de minas, a Docimasia e a Metalurgia.

Com a reforma de 1886 introduziram-se conteúdos de Mineralogia e Geologia nos planos de curso, mantendo um trajeto separado até 1974. Os manuais recomendados também foram fonte de referência para entendermos as teorias adotadas e a influência exercida pela escola francesa e suas traduções. A prática estava associada aos gabinetes e laboratórios onde eram realizadas experiências e outros trabalhos, não esquecendo as visitas de estudo efetuadas com objetivo dos alunos tomarem conhecimento da realidade industrial da época. O primeiro estabelecimento auxiliar de ensino a ser criado para estas áreas foi o Gabinete de Mineralogia, seguindo-se o Gabinete de Arte de Minas, o Laboratório Metalúrgico e o Gabinete de História Natural. Para uma aprendizagem mais eficaz, o ensino prático era ministrado com base em espécimes, modelos, instrumentos, quadros parietais e mapas, adquiridos maioritariamente no estrangeiro, em casas comerciais especializadas de renome internacional como Les Fils de Émile Deyrolle (Paris), F. Krantz (Bona), Theodor Gerdorf (Freiberg) ou J. Digeon (Paris), permitindo traçar a história da aprendizagem e da didática das Ciências Geológicas e das Engenharias de Minas e Metalúrgica associadas à história do ensino industrial em Portugal.

Em suma, a presença deste tipo de coleções denota um conhecimento científico elevado e uma partilha de ideias e técnicas, o que permitiu a um País como Portugal desenvolver o ensino industrial tendo como referência os países tecnicamente mais desenvolvidos como Inglaterra, França ou Alemanha.

A criação do ensino industrial em Portugal constituiu, assim, um importante passo no desenvolvimento do País, numa época em que a indústria e as vias de comunicação estavam em pleno crescimento e, com uma maior facilidade de deslocação, a partilha de conhecimentos se tornava inevitável. Desde modo, e já com mais de 160 anos de história, o Instituto Superior de Engenharia do Porto e os seus diversos acervos (museológico, documental e bibliográfico) são uma referência incontornável para a compreensão da evolução do ensino na cidade do Porto e em Portugal.

Tese de Mestrado: "Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação"

Património Cultural Imaterial: Proposta de uma Metodologia de Inventariação
Autora: Clara Maria Ferreira Bertrand Cabral
Orientação: Maria Celeste Gomes Rogado Quintino
Dissertação apresentada ao Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas/Universidade Técnica de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em Ciências Antropológicas (pré-Bolonha)
Ano: 2009. Tese defendida a 26 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Maria Celeste Gomes Rogado Quintino (Presidente), Maria Elsa Marques Peralta da Silva, Maria de Fátima Calça Amante

Resumo: O tema desta dissertação de mestrado em Ciências Antropológicas aborda o problema da inventariação do património imaterial tal como configurado na Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial e explora um conjunto de questões centrais na antropologia que permitem pensar a aplicação da Convenção no estudo e inventário das manifestações em contexto português.

Os objectivos da pesquisa sustentam-se em dois eixos de análise que se inter-relacionam e se apoiam em recursos conceptuais e analíticos sugeridos pela revisão da literatura. Num primeiro eixo, procura-se conhecer o “contexto de aplicação”, focando a atenção nos aspectos do património cultural imaterial e do inventário configurados nos textos decorrentes da Convenção e nos normativos portugueses regulamentares. Esta análise convoca um conjunto de contributos teóricos da antropologia.

Num segundo eixo, procura-se compreender os processos implicados na definição de metodologias de inventariação, especificando procedimentos e recomendações que contribuem para a resolução do problema do inventário do património cultural imaterial e desenhando os instrumentos de recolha de dados etnográficos e de inventariação. A metodologia e instrumentos de inventariação propostos foram aplicados em contexto de trabalho de campo a uma manifestação do património cultural imaterial local, a produção de olaria pedrada em Nisa.