Arquivo da Categoria: Training

Museus e estereótipos

Formação “Museums and Stereotypes”. Créditos: Elisabetta Brian

Participei, entre 25 e 28 de Outubro, na formação Museums and Stereotypes (International Training School), em Turim, Itália.[1]

Foram quatro dias de formação em vários museus de Turim. O tema: museus e estereótipos. O curso pretendeu explorar estratégias e práticas que contribuam para a desconstrução de estereótipos no sentido de tornar os profissionais dos museus mais conscientes das suas responsabilidades. 

Podemos conscientemente afirmar que enquanto profissionais e indivíduos somos livres de estereótipos e preconceitos? E os museus, o que têm a ver com isso? Museums are, of course, one of many settings in which stereotypical representations of social groups may be encountered, reinforced and reproduced but also, potentially, resisted and challenged(Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, p. 38). Esta frase de Richard Sandell é relevante, não apenas por chamar a atenção de que os museus não são lugares isentos de estereótipos, quer falemos no passado, quer falemos no presente, mas por também atribuir aos museus a capacidade e a possibilidade de desconstrução desses estereótipos. É esta dupla perspectiva que importa reconhecer e trabalhar sobre. 

Iniciativa “Gender Matters”, Gothenburg City Museum, 2011

Falar sobre estereótipos no contexto dos museus é falar do quê exactamente? Entre os estereótipos debatidos, nomeadamente nesta formação, estão aqueles associados à imigração, ao género e onde se incluem as identidades LGBTQ, à deficiência, às questões étnicas, à religião, entre vários outros.

A mudança é gerada pela desconstrução e pelo questionamento, diria interno, a partir de dentro, por cada um de nós, dos estereótipos que conseguimos reconhecer e de outros que estão presentes mas tão pouco os identificamos claramente. Foi esse o desafio que me levou a Turim, assim como a vários colegas de diferentes proveniências (Grécia, Itália, Irão, Holanda, Canadá, etc.) para quatro dias (25-28 Outubro) de intenso debate e reflexão com o objectivo de sair da zona de conforto, e descobrir os nossos pontos cegos em relação aos museus e às nossas práticas. Pela mesma razão, e em jeito de ressalva, participei pouco tempo antes na conferência anual da Acesso Cultura – E Este Património? A Presença LGBTQI+ no Ano Europeu do Património Cultural – um encontro que foi clarividente no sentido de perceber o quanto desconhecemos estes temas e a premência dos profissionais de museus se envolverem mais. Como se lê no texto de introdução da conferência: «Quando não vemos alguém, essa pessoa não existe para nós, com todas as consequências que esta ignorância traz para a inclusão social e para a decorrente valorização da nossa sociedade».

A formação sobre museus e estereótipos foi organizada por Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli da associação ABCittà(sede em Milão), juntamente com João Rosa da 4iS– Plataforma para a Inovação Social, uma organização ligada à Universidade de Aveiro; decorreu em três museus e espaços distintos da cidade de Turim: o Museo Egizio, que reúne uma das mais importantes colecções de arqueologia do Egipto na Europa, o Museo Lombroso, um museu universitário dedicado à figura de Cesare Lombroso, fundador da antropologia criminal em Itália, e o Polo del 900, um centro cultural (e arquivo) com dois anos de existência que explora temáticas ligadas à cidadania, democracia, direitos humanos, entre outros tópicos da actualidade.

O programa consistiu na apresentação e discussão de experiências ligadas aos museus onde decorria a formação. Esse foi o caso do Museo Egizio, um museu que tem desenvolvido vários programas com e para grupos ligados à imigração, tendo havido oportunidade de contextualizar os desafios desta acção, não se escondendo as adversidades advindas do actual hostil clima político vivido na região e que tem levado inclusive à contestação pública das actividades do museu por parte de grupos políticos mais extremados que se posicionam contra a imigração. Imigração foi, aliás um tópico bastante desenvolvido em várias comunicações no âmbito da desconstrução e combate de estereótipos e preconceitos. A comunicação de Daniel de Torres (consultor no programa das Cidades Interculturais do Conselho da Europa) – “How to Dismantle Stereotypes and Prejudices: Some Lessons Learned from the Antirumour Strategy that can be Useful for Museums” – é um desses exemplos, entre outros.

Entre os tópicos explorados, destaco ainda o do género e das identidades LGBTQ. Neste contexto, Nicole Moolhousen (investigadora e consultora na área do património) apresentou várias experiências desenvolvidas no Reino Unido: “Who Am I?” (Science Museum); iniciativas promovidas pelo Victoria & Albert Museum e pelo British Museum, entre outros exemplos da Holanda, Suécia, Alemanha, Brasil, Índia, África do Sul, incluindo Itália.

Outro projecto apresentado foi o da “Biblioteca Vivente”. Promovido pela associação ABCittà, centra-se na narração de histórias com o objectivo de promover o diálogo e combater os preconceitos.

Para além das comunicações mais convencionais, o programa incluiu workshops para discussão informal em grupo a partir de exercícios orientados, como por exemplo: Museums and Stereotypes: An International Conceptual FrameworkWhich Risks for Political Correctness?; A Learning Kit Against Stereotypes; entre outros.

Facilitadoras do workshop: Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli. Créditos: Elisabetta Brian

O programa combinou ainda visitas organizadas a vários museus, onde destaco em particular a visita ao Museo Diffuso della Resistenzapelo seu director, Guido Vaglio.

Foram dias inspiradores, mas seria pretensioso afirmar que esta formação respondeu a todas as perguntas que levava. Pelo contrário, levou a mais interrogações e inquietações. Um colega de formação, no contexto de uma discussão sobre como a comunicação em museus é muitas vezes exclusiva e sobre a forma de ultrapassar as barreiras interrogava – mas até onde vamos parar? Pensei para mim própria: até onde for preciso. Enquanto vários “outros” se sentirem excluídos, este é um compromisso do qual não devemos abdicar não só como exercício de reflexão, mas sobretudo para repensar as nossas acções. 

Os museus são em si um meio que comunica de múltiplas formas. Combater  os estereótipos é, por isso, uma questão transversal: desde a forma como se recebe os visitantes na recepção, à forma como se pensa o acesso (das barreiras físicas, às sociais e intelectuais), ao modo como se constrói ou se revisita uma narrativa (quem está representado e como, o que é dito e o que se omite), à linguagem usada. Diz respeito à missão dos museus, deve ser uma preocupação das lideranças e das equipas, tem a ver com estratégia.

O programa, formadores e demais informações sobre o curso estão disponíveis em: https://museumsandstereotypes.org. Deixo algumas referências partilhadas pela organização do curso:

BIBLIOGRAFIA

Joan H. Baldwin and Anne W. Ackerson, Women in the Museums: Lesson from the Workplace, Routledge 2017.

Banaji, M. R., & Greenwald, A. A. (2013). Blindspot: Hidden Biases of Good People. New York, NY: Bantam Books.

Anna Chiara Cimoli, From Representation to Participation: The Voice of the Immigrants in Italian Migration Museums, in “The Journal of the Inclusive Museum”, Vol. 6, n. 3, maggio 2014, pp. 111-121.

Anna Chiara Cimoli, Identity, Complexity, Immigration. Staging the Present in Italian Migration Museums, in Museums, Migration and Identity in Europe. Peoples, Places and Identities, Christopher Whitehead, Rhiannon Mason e Susannah Eckersley (eds.), Farnham, Ashgate 2015, pp.  285-315.

Hill Collins P., Bilge S., Intersectionality, Polity Publisher, 2016.

Frantz Fanon, Black Skin White Masks, London: Pluto Press, 1967.

Guerrilla Girls, The Hysterical Herstory of Hysteria and How It Was Cured: From Ancient Times Until Now, Michèle Didier Editions, 2016.

Sally Hines, Is Gender Fluid?: A Primer for the 21st Century, Thames & Hudson, 2018.

John Berger, Ways of Seeing, Penguin Book, 1972.

Amy K. Levin, Gender, Sexuality and Museums, Routledge Reader, 2010.

Amy Lonetree, Decolonizing Museums: Representing Native America in National and Tribal Museums, University of North Carolina Press, 2012.

Amin Maalouf, In the Name of Identity: Violence and the Need to Belong, 1998.

Kylie Message, Museums and Racism, Routledge 2018.

Richard Sandell, Museums, Moralities and Human rights, Routledge 2016.

Richard Sandell and Eithne Nightingale (eds.), Museums, Equality and Social Justice, Routledge, 2012.

Richard Sandell (ed.), Re-presenting Disability, Routledge, 2010.

Richard Sandell (ed.), Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, Routledge, 2007.

Richard Sandell (ed.), Museums, Society, Inequality, Routledge, 2002.

LINKS


ABCittà’s Living Library

ABCittà’s anti-stereotype kit (em italiano)

“Abitare il museo” (Livro da ABCittà sobre o projecto Mudec Pop, em italiano)

“Che cosa vedi?”, a peer education kit (em italiano)

“Words matter” (Tropenmuseum, Amsterdam)

“Cards against creativity” (“Cards against humanity” in museum version)

Harvard’s Implicit Association Test (IAT)

Antirumours strategy 2018 handbook (De Torres Barderi D., Antirumours Handbook, 2018)

Look different


OUTROS RECURSOS ONLINE

Museums and migration

Maria Vlachou and Ana Carvalho, The inclusion of migrants and refugees: the role of cultural organizations

Resources designed by the Tanenbaum Centre for Interreligious Dialogue

LGBTQ Alliance: Welcome guide

American Association of Museums DEAI: Facing Change. Full Report 2018

Museum Association, UK: Culture Change, Dynamism and Diversity

Rainbow Network: Practical Tools for Intersectional Workshops

Museums, Libraries and Archives, UK: Disability checklist

Cleveland Art Museum: For the Benefit of All. Diversity, Equity and Inclusion Plan


[1] Para participar nesta formação tive o apoio de uma bolsa da Acesso Cultura.

Cátedra UNESCO de Património Imaterial na Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora

Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora, © Ana Carvalho

Recentemente a UNESCO atribuiu à Universidade de Évora a Cátedra em património imaterial. A Universidade de Évora, que em 2006 era pioneira em Portugal no desenvolvimento de um projecto sobre património imaterial (cf. MEDINS) em linha com o enquadramento da Convenção 2003, tem com esta iniciativa a possibilidade de aprofundar um projecto de investigação em torno da valorização deste património.

“Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente.” (Entrevista com Filipe Themudo Barata, 4 Março 2013).

Para desenvolver este projecto na Universidade de Évora (CIDEHUS-Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades) foi constituída um equipa multidisciplinar: Filipe Themudo Barata (responsável pela cátedraDepartamento de História, CIDEHUS), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS).

No âmbito da cátedra estão previstas várias actividades ligadas à investigação nesta área, à formação (cursos, seminários, workshops, etc.), estabelecimento de redes com vários parceiros, partilha e divulgação de conhecimento sobre PCI, cooperação com o Mediterrâneo e com África, etc.

Os objectivos da cátedra são os seguintes:

– Estabelecer uma rede de investigadores e instituições na região do Mediterrâneo e em África para apoiar a investigação, a formação, os alunos e a mobilidade de profissionais, bem como a partilha de conhecimento nas áreas do património material e imaterial, e saber-fazer tradicional.

– Desenvolver e implementar, juntamente com outros parceiros, um programa de cooperação para apoiar, do ponto de vista científico, a criação de um centro de investigação de excelência na Universidade de Cabo Verde (UNICV).

– Fornecer formação pós-graduada nas áreas do património imaterial e do saber-fazer tradicional, bem como oferecer acções de formação de curta duração suportadas em TIC, dirigidas não só a profissionais, assim como para grupos frágeis e marginalizados.

– Implementar actividades que visem melhorar o conhecimento de jovens investigadores e profissionais sobre património material e imaterial, bem como no saber-fazer tradicional, visando desenvolver as competências dos actores públicos e privados a nível local, regional e nacional nas áreas em foco.

– Promover boas práticas na aplicação de património cultural imaterial e saber-fazer tradicional no âmbito da conservação do património; desenvolver um modelo de interacção e partilha de boas práticas para grupos académicos e investigadores de países do Sul; organizar seminários internacionais e workshops temáticos.

– Cooperar com a UNESCO em vários programas e actividades de relevo.

(Fonte: UNESCO, tradução minha)

***

Filipe Themudo Barata é Professor Associado na Universidade de Évora, onde lecciona nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus.  É membro da Comissão Científica e Pedagógica do Mestrado Erasmus Mundus TPTI – Techniques, Patrimoines, Territoires de l’Industrie; membro do Comité de Direção da Associação HERIMED (Palermo); Professor convidado na Universidade de Cabo Verde; e membro associado do Centre d’Histoire des Techniques (Paris Sorbonne – Panthéon). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks(Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui.

***

Outros posts neste blogue sobre património imaterial:

O Lugar do Património Cultural Imaterial nas Políticas do Património

Le Patrimoine Culturel Immatériel, Premières Expériences en France

Intangible Heritage and the museum: new perspectives on cultural preservation

Entrevista com Filipe Themudo Barata (sobre os museus e o património)

Património imaterial: desafios e perspectivas

Curso de Formação para Mediadores Culturais

A empresa Mapa das Ideias ((A Mapa das Ideias, em colaboração com os Museus de Loures, foi responsável pela organização de uma conferências internacional – EMAC (European Museum Advisors Conference), que trouxe a Portugal (Maio/Junho 2012) vários profissionais de museus europeus para discutir boas práticas (cf.http://museumadvisors.wordpress.com)) (Prémio APOM 2011) está a desenvolver um projecto ligado à formação de mediadores culturais. Em baixo, encontra toda a informação relevante sobre o projecto (objectivos, actividades previstas, etc.)

“A Mapa das Ideias está a coordenar um projecto financiado pelo Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida da Comissão Europeia, que tem a criação de um Curso de Formação para Mediadores Culturais. Este curso  tem o objectivo ir ao encontro das necessidades institucionais e profissionais de Mediadores de Museus dos países europeus envolvidos no projecto, nomeadamente Portugal, Espanha, Estónia, Finlândia e Itália.

Ao desenvolver esta área de formação comum entre os profissionais de museus nos cinco países participantes, o projeto irá estimular a criação de orientações formativas e profissionais nos Serviços de Mediação e Educação dos Museus. Como resultados, pretendemos criar:

– Avaliação das necessidades de formação

– Quadro de formação com oradores europeus, conteúdos interativos que lidam com questões – transversais e específicas – em diferentes contextos nacionais.

– Publicações técnicas e website.

– Rede Europeia de Profissionais de Mediação e Educação em Museus.

– Criação de um Thinktank Europeu dedicado à Mediação Cultural e Educação nos Museus.

– Mestrado Erasmus Mundus no Instituto Politécnico de Tomar.

– As propostas específicas para os cursos de formação profissional para desempregados, adaptado para os diferentes contextos nacionais.

Deste modo, gostaríamos de pedir a sua colaboração no preenchimento e/ou divulgação do seguinte inquérito, que não demorará mais de 15 minutos e cujo preenchimento é fundamental para o êxito deste projeto. Pode reencaminhar para outros colegas envolvidos nas áreas da mediação cultural e educação nos museus.

Em Setembro de 2013 iremos lançar a acção-piloto em Portugal com 25 formandos. Caso tenha interesse em participar, sem custos associados, por favor envie um email para cristina.reboredo@mapadasideias.pt. Entraremos em contacto para as provas de selecção em Junho.

Para conhecer mais sobre este projecto que é uma importante referência do trabalho desenvolvido em Portugal no espaço Europeu, pode consultar o website oficial.”

(Fonte: Informação enviada por Inês Bettencourt da Câmara)

"Serviços educativos em museus"

Nos próximos dias 22 e 23 de Janeiro terá lugar no Museu Monográfico de Coimbra a formação – “Serviços educativos em museus”. Terá a duração de 16 horas e será organizada em 4 módulos:

1. Introdução à noção de Serviço Educativo
2. Questões de Mediação e Educação:
Características e desafios
3. Plano de Acção Educativa
4. Planificar uma Acção Educativa:Módulo Prático

A empresa “Terra Firme” promove esta formação.

Mais informações:
http://www.terrafirme.com.pt/blog/

Para fazer inscrição:
http://www.terrafirme.com.pt/educacao-patrimonial/formacoes/patrimonio/gestao-do-patrimonio/

MUSEO2010 – Ateliers de Museologia e Museografia, 21 e 22 Maio 2010

MUSEO2010 – Ateliers de Museologia e Museografia
21 e 22 de Maio – Centro de Interpretação Batalha de Aljubarrota

O MUSEO2010 nasce de uma iniciativa conjunta entre o Serviço Educativo do Centro de Interpretação da Batalha de Aljubarrota e o Curso de Técnico de Museografia e Gestão de Património da Escola Secundária da Batalha. Pretende-se com os Ateliers de Museologia e Museografia criar oportunidades de formação contínua destinadas a profissionais de organismos culturais com natureza museológica.

Para o ano de 2010 os Ateliers centram-se em três grandes áreas de actuação: Plano de Comunicação; Registo de Imagem, e Serviço Educativo. A uni-los existe a forte componente prática das sessões. Pretende-se que os participantes apliquem in loco práticas de comunicação visual, design gráfico, registo e tratamento de imagem; que experimentem técnicas artísticas e criativas para trabalho em contexto de oficina; ou que desenvolvam metodologias eficazes de comunicação com os seus públicos.

Tendo como preocupação proporcionar o acesso a todos os Ateliers, o programa do MUseo2010 desdobra-se em duas sessões iguais – manhã e tarde. Para terminar, propõe-se ainda um dia de visitas a espaços museológicos da região Centro, numa lógica de contaminação positiva de boas práticas e de partilha entre profissionais.

Inscrições online em http://www.inbatalha.com/museo.html

Custo da inscrição: 30 euros.

Mais informações em http://www.fundacao-aljubarrota.pt/

Fonte: Lista de discussão Museum

Curso de Verão: "Para que (nos) servem os museus?"

Para que (nos) servem os museus?
Curso de Verão, 19 a 26 de Julho, das 10H00 às 13H00
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Por Sofia Lapa

Programa:

Neste curso será abordado um vasto leque de temas directamente relacionados com o trabalho de mediação entre os objectos museológicos expostos e os seus visitantes.

Este curso está direccionado para profissionais que já têm, ou que pretendam vir a ter, como campo de trabalho os museus. Daí que, o objectivo central deste curso seja o de permitir aos formandos adquirir e aprofundar um conjunto de conhecimentos que constituam alicerces teóricos para o desenvolvimento de ferramentas de mediação, adequadas à realidade de trabalho de cada um, seja ela a de Educadores de Infância, de Professores do Ensino Básico ou de Técnicos de Serviço Educativo em museus.
A questão de partida deste curso é então: como podemos utilizar os museus, considerando o contexto de trabalho que cada um de nós desenvolve?

Procurando contemplar uma ampla diversidade de realidades museológicas, serão abordadas diferentes tipologias de museus (no que se refere às tutelas; às colecções; aos recursos humanos e materiais; etc.) e diferentes tipos de visitantes (considerando os níveis etários; o contexto em que visitam os museus – escolar / familiar / visitante autónomo; etc.).

O trabalho a desenvolver ao longo deste curso terá como base um conjunto de mediadores construídos para vários museus portugueses.

Pontualmente, serão também estabelecidos diálogos com projectos desenvolvidos em museus estrangeiros.

Sumários das sessões:

(Sessão 1)
Para que servem os museus? Porquê mediar a relação entre o visitante e o objecto museológico?
Uma caixa cheia de ferramentas. A construção de ferramentas de mediação: diversidade de objectivos e de estratégias. Exemplos de mediadores directos e de mediadores indirectos.

(Sessão 2)
A nota mais antiga do mundo, uma lata de sardinhas e um pote de porcelana chinesa: cada museu a sua Colecção. A construção de circuitos e de itinerários.
Cada Coleccionador o seu gosto! Casas-museus e museus de artista: Museus que nasceram de colecções privadas.

(Sessão 3)
Traje a uso e traje de cena. Da natureza do objecto museológico: espelho de múltiplas identidades.

(Sessão 4)
Património arqueológico deslocado e exposto em museus, e museus in situ: estratégias de mediação diversas.

(Sessão 5)
Pontos de partida para pensarmos a arte contemporânea, dentro de museus.
A articulação directa com a programação expositiva: uma exposição de longa duração; duas exposições rotativas; e uma exposição temporária integrada num projecto de longa duração.

(Sessão 6):
Quero voltar! Mediadores que têm como objectivo base a formação de visitantes assíduos. Exemplos de menu de Serviço Educativo e de projectos escolares de média duração.

Vagas: 25

Bibliografia:

AA.VV., Revista de Museologia – Monografias: Museos y museologia en Portugal. Una ruta ibérica para el futuro, Fev. 2000.
HEIN, George E., Learning in the museum, London / New York: Routledge, 1998.
HOOPER-GREENHILL, Eilein, Museums and the shaping of knowledge, London and New York: Routledge, 2001. (1.ªed.: 1992).
PEARCE, Susan M. (Ed.), Interpreting objects and collections, London-New York: Routledge, 1996.

Sofia Lapa é Licenciada em História – Variante História da Arte; Pós-graduada em História da Arte; Mestre em Museologia e Património; Doutoranda em História da Arte, especialização Museologia, pela FCSH-UNL. Bolseira da FCT (BD). Foi professora na EPAOE (1995-2004); Colaboradora do SE – CAMJAP – Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) (2000-2006). Formadora na área dos serviços educativos em Museus (desde 2003). Autora de várias publicações para instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian; o Instituto dos Museus e da Conservação/RPM; o Alto Comissariado para a Emigração e o Diálogo Intercultural; e a Fundação millennium bcp.

Fonte: Lista de discussão MUSEUM

Curso: Matéria Primas Exóticas

MATÉRIAS-PRIMAS EXÓTICAS

Durante este curso estudar-se-ão as principais matérias-primas trazidas para a Europa durante e após o período da expansão renascentista, com especial atenção para os produtos vindos do Oriente.

O programa do curso inclui: História das especiarias – da Antiguidade Clássica ao século XXI; Plantas produtoras de especiarias; Produtos exóticos de origem vegetal;

Matérias-primas exóticas de origem animal e mineral; Sistemática das espécies vegetais e animais e o seu estatuto legal de conservação; Exotica Naturalia e Artificialia / Salas de Maravilhas do Renascimento; Produtos exóticos contemporâneos.

Para além da componente teórica, o curso também possibilita o estudo de mais de uma centena de amostras de quase todos os produtos referidos durante o mesmo: especiarias (pimenta-longa, pimenta-cubeba, assa-fétida, pimenta-da-Etiópia, grãos-do-paraíso, etc….), chá, sândalo, ébano, ruibarbo, cânfora, cocos-do-mar, índigo, algodão, pau-de-águila, mirra, incenso, gamboge, goma-arábica, benjoim-do-Sião, benjoim-da-Samatra, sangue-de-dragão-de-Socotorá, laca-da-China, laca-do-Japão, púrpura, seda, âmbar-cinzento, tartaruga, pérolas, madrepérola, corno de rinoceronte e de unicórnio, marfim (olifante, mamute), avestruz, náutilus, almíscar, pedra-bezoar, lacre, lápis-lazúli, safiras, rubis, diamantes, entre muitos outros…

Distribuir-se-á bibliografia e outros materiais de apoio (opúsculos, etc.).
O curso decorre em duas sessões (7horas/cada), nos dias 17 de Abril e dia 8 de Maio, no Parque de Monserrate, em Sintra (das 10.00 às 17.00)

A inscrição inclui 2 almoços e 4 coffee/tea-breaks.

O número de inscrições é limitado (20).

Preço: 150 euros.

Formador: Luís Mendonça de Carvalho, Msc, PhD

Inscrições : 219237315 (Parques de Sintra – Monte da Lua)

Outras informações poderão ser obtidas em:
http://www.parquesdesintra.pt/index.aspx?p=agendaIndex&day=17-04-2010