Call for Papers para o VII Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

VII Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

VII Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Por una museología sostenible a través de la educación e inclusión
Cuidad Real, Espanha, 19 e 20 de Outubro 2023

Call for papersFecha límite de presentación de propuestas: 30 de junho

El objetivo de este VII Foro Ibérico, continua con su espíritu de aportar nuevos puntos de vista, la implementación de la interseccionalidad y de perspectivas interdisciplinares, así como proporcionar un enclave para el diálogo entre museólogos en diferentes etapas académicas.

Atendiendo a estos bloques, se proponen los siguientes ejes temáticos para la llamada a contribuciones:

1. Sostenibilidad y territorio

1.1. Sostenibilidades para el museo. Diferentes estrategias en el siglo XXI.
1.2. Territorio y museos. Relación con el entorno.
1.3. El museo y su relación con el turismo. Retos para alcanzar unas buenas prácticas.

2. Educación

2.1. Públicos y comunidades. Estudios y casos de estrategias educativas en el museo.
2.2. El museo educa desde nuevas miradas. Nuevas narrativas patrimoniales en los museos.
2.3. Las colecciones revisadas. Exposiciones de ayer a hoy.
2.4. Educación y memoria. Divulgación en el museo.

3. Inclusión

3.1. Comunidades y participación de los museos.
3.2. Políticas culturales y museos. La inclusión se hace efectiva.
3.3. Museos y buenas prácticas con perspectiva de género. De la investigación a la exposición.

Organización: Universidad de Castilla-La Mancha y Universidad de Málaga.

Entidades colaboradoras: Museo Nacional del Teatro de Almagro y Museo Provincial de Ciudad Real.

Más información: https://foroiberico7.wixsite.com/foroiberico7

Congresso internacional em Évora para debater políticas e práticas para a salvaguarda do património imaterial

Cartaz congresso internacional em Évora

O Congresso Internacional “A Salvaguarda do Património Cultural Imaterial: políticas e práticas para as próximas décadas” realiza-se a 2 e 3 de novembro na Universidade de Évora.

Com a organização da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-Fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora, o congresso assinala os 10 anos da criação da Cátedra e os 20 anos sobre a aprovação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO.

A chamada de trabalhos está aberta até ao dia 31 de maio de 2023. Mais informações em: https://www.catedraunesco.uevora.pt/congresso-internacional/ 

***

A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003) constitui uma pauta fundamental para quantos atuam na área do Património Cultural Imaterial (PCI), seja no plano da investigação e da intervenção junto das comunidades, seja no traçado de políticas públicas, tendo desencadeado não apenas a inventariação de expressões do PCI (listas representativas) e medidas de salvaguarda, mas também a valorização social, cultural e económica dessas expressões e dos seus detentores. Mas a comemoração dos 20 anos da Convenção deve ser mais do que uma mera celebração; deverá ser, sobretudo, um momento de balanço das políticas e práticas que nela se amparam, assim como das suas repercussões nas comunidades ou nos indivíduos que viram reconhecidas as suas expressões culturais imateriais.

No artº. 2º da Convenção define-se o património cultural imaterial como “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e competências – bem como os instrumentos, objetos, artefactos e espaços culturais que lhes estão associados – que as comunidades, grupos e, eventualmente, indivíduos reconhecem como fazendo parte do seu património cultural. Este património cultural imaterial, transmitido de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função do seu meio envolvente, da sua interação com a natureza e da sua história, e confere-lhes um sentido de identidade e de continuidade, contribuindo assim para promover o respeito da diversidade cultural e a criatividade humana”, acrescentando-se, no mesmo artigo, que “para efeitos da presente Convenção, só será tomado em consideração o património cultural imaterial que seja compatível com os instrumentos internacionais relativos aos direitos humanos existentes, bem como com a exigência do respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos, e de um desenvolvimento sustentável”.

Vinte anos depois destas afirmações, considerando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas, importa repensar o papel da Convenção e do PCI num mundo que, em 2023, se confronta com os problemas inerentes a binómios como “salvaguarda – sustentabilidade”, “continuidade – recriação”, “direitos – deveres”, “políticas-práticas”.

Com este congresso internacional pretende-se promover não só um balanço crítico das duas décadas da Convenção mas também uma discussão sobre os desafios das políticas e práticas em torno do PCI nas próximas décadas.

É ainda objetivo deste Congresso dar conta dos contributos da Cátedra para a implementação dos desígnios da Convenção no que tange a estudos, metodologias, intervenções no terreno, boas práticas, apoio às políticas públicas e aos detentores de expressões de saber-fazer tradicional.

#uevora #cidehus #catedraunesco #unescochair #intagibleheritage #CallForPapers

“Ciência, Tecnologia e Ambiente na História: Um Mundo em Crise” em debate na Universidade de Évora

cartaz relativo ao 7.º Encontro Nacional de História das Ciências e da Tecnologia

O 7.º Encontro Nacional de História das Ciências e da Tecnologia (ENHCT) é dedicado à “Ciência, Tecnologia e Ambiente na História: Um Mundo em Crise”. Acontece a 15 e 17 de novembro de 2023, no Colégio do Espírito Santo da Universidade de Évora.

Está aberta chamada para propostas de comunicações até 30 de abril. * inclui a área dos museus

São bem-vindas propostas que explorem a variação espacial e cronológica de momentos de crise e normalidade, e abordem o papel do conhecimento e da tecnologia na emergência e/ou na resolução de crises.

Poderão ser submetidas propostas sob forma de comunicações individuais ou sessões temáticas (mínimo de três comunicações). Serão privilegiadas as propostas que abordem as temáticas do ENHCT.

O Encontro é organizado pelo Instituto de História Contemporânea – FCSH Universidade NOVA de Lisboa e pela Universidade de Évora.

Mais informações em: https://7enhct.wordpress.com/

Publicado novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

Performance “Ruminar o Museu”, dos artistas André Alves, Filipa Araújo e Max Fernandes. No Centro Internacional de Arte José de Guimarães, a 18 de Maio de 2022, no âmbito do Dia Internacional dos Museus. © Fotografia de Joana Mendonça. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – o n.º 15 – acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.3418

****

MIDAS 15 – “Varia”

Sob a coordenação de Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Pedro da Silva e Inês Moreira
Curadoria em arte/arqueologia: processos de proto e pós-escavação

Sandra Silva
Arte espacial e arquiteturas espaciais: explorando ligações

Inês Azevedo
Reflexões sobre patrimonialização: a arte e a mediação no Museu Casa das Imagens

Notações

Ana Temudo
Victor Bandeira and the collections of the National Museum of Ethnology: notes from fieldwork

Sónia Faria
Visita virtual interativa ao Museu do Centro Hospitalar do Porto: uma proposta de mediação digital

Recensões críticas

Raquel Henriques da Silva
Isabel Falcão – Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte

Maria João Fonseca
Mariana Soler – Biodiversidade Musealizada – Formas que comunicam

Beatriz Medori
Quintino Lopes – Armando de Lacerda e o Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra (1936-1979)

Francisca Listopad
Harrison, Rodney et al. – Heritage Futures. Comparative Approaches to Natural and Cultural Heritage Practices

Lorea Ariadna Ruiz Gómez
Jesús Pedro Lorente – Reflections on Critical Museology: Inside and Outside Museums

Sandrine Simon
Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao Século XXI [exposição]

Marta Branco Guerreiro
Planta Pedra [exposição]

****

Projeto MEDHEUS (Mediterranean Cultural Heritage in EU Policies) apresentado em Évora

No dia 10 de fevereiro de 2023, o projeto MEDHEUS – Mediterranean Cultural Heritage in EU Policies (2022-2025) será apresentado na Universidade de Évora, a partir das 15h00 na Sala dos Docentes do Colégio do Espírito Santo.

O projeto visa criar um curso dedicado ao estudo das políticas europeias para o património cultural na região mediterrânea.

O projeto tem financiamento europeu no âmbito do programa Erasmus + (Jean Monnet LS Type I and II).

Mais informações: https://www.medheus.uevora.pt

#medheus
#patrimoniocultural

Afinal, o que é um museu?

A plataforma Gerador, plataforma portuguesa independente de jornalismo, cultura e educação, fez uma reportagem (30-12-22) sobre a nova definição de museu do Conselho Internacional dos Museus (ICOM). Contou com a minha participação. A reportagem, “Afinal, o que é um museu?”, assinada pela jornalista Isabel Patrício, está disponível na íntegra em:

Afinal, o que é um museu? Nova definição “reforça serviço à sociedade”

Partilho aqui a minha opinião, mais desenvolvida, a partir das perguntas lançadas pela jornalista Isabel Patrocínio.

Com 92% dos votos, o ICOM aprovou uma nova definição de museu [em agosto de 2022]. Antes de mais, entende que era ou não necessária esta mudança?

Ana Carvalho – Os museus são parte da sociedade e como tal não estão imunes às mudanças que acontecem. A própria definição de museu convoca a isso, quando afirma que os museus estão “ao serviço da sociedade”. Estar ao serviço da sociedade significa que os museus devem interrogar-se, de forma contínua, sobre as respostas que podem dar face aos desafios actuais da sociedade. Foi a partir desta premissa que em 2016 o Conselho Internacional de Museus (ICOM) decidiu voltar a discutir uma possível redefinição do que significa “museu”, uma vez que a última revisão datava de 2007.

É preciso dizer que este é um tópico recorrente na história do ICOM, ou seja, repensar e ajustar a definição de museu tem vindo a acontecer ao longo do tempo, desde a primeira formulação dos estatutos do ICOM em 1946. Na minha opinião, é um exercício saudável que deve fazer parte da discussão, de uma forma regular. Obriga ao questionamento, sobre o que somos, sobre o que fazemos e porque o fazemos.

O que destacaria do que se altera com esta nova definição?

Ana Carvalho – Destacaria a introdução, pela primeira vez, da ideia de acessibilidade e de inclusão, agora consideradas como parte integrante do que é ser museu, a promoção da diversidade e da sustentabilidade, e a participação. Todas estas noções estão aliás interligadas e são hoje plenamente reconhecidas como aspectos fundamentais na teoria e na prática dos museus (ou pelo menos numa boa parte de museus, uma vez que o panorama museológico é muito díspar).

Persistem avaliações díspares da nova definição. Que posição assume? Entende que é adequada?

Ana Carvalho – Na minha opinião não é desadequada. Depois de em 2019 se ter chegado a uma proposta (não votada, mas que foi expressivamente contestada em Quioto na Conferência-Geral) que rompia em grande medida com a estrutura da definição que até então tinha prevalecido, penso que agora se deram dois passos atrás, o que é compreensível, procurando uma proposta de definição mais operativa e mais consensualizada, e que foi buscar grande parte da estrutura tradicional da definição anterior, ainda que trazendo também alguma “novidade”.

No entanto, um aspecto que considero menos produtivo foi a eliminação da expressão “desenvolvimento” da definição de museu. Ou seja, se na definição anterior prevalecia a ideia de que os museus estavam “ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento”, na nova versão caiu a palavra desenvolvimento. Na minha opinião o “desenvolvimento” da sociedade é uma finalidade importante para os museus. Por outro lado, na nova definição, a introdução da “sustentabilidade” como propósito dos museus pode implicar essa ideia de desenvolvimento, aliás um desenvolvimento sustentável.

Em termos práticos, que reflexos poderá ter a mudança desta definição?

Ana Carvalho – A definição de museu do ICOM tem sido ao longo dos tempos um referencial, atendendo à notoriedade e prestígio do ICOM, que agrega a maior comunidade de profissionais e de museus do mundo. É a definição de museu mais difundida internacionalmente. Por essas razões, é com frequência fonte de inspiração, por exemplo, para pensar ou repensar as legislações nacionais. Regra geral cada país adopta um conceito próprio de museu, adaptando-o à sua realidade específica, consensualizado profissionalmente e/ou validado juridicamente, tal como aconteceu em Portugal com a definição de museu na nossa Lei-Quadro de Museus (2004).

Por outro lado, no âmbito da comunidade de profissionais, ter uma nova definição de museu pode ser não só inspiracional, mas também um instrumento de trabalho, no sentido em que ajuda a ter uma linguagem comum. Não menos importante, ter uma definição de museu com a assinatura e reputação do ICOM, pode ser uma ferramenta importante para os profissionais de museu chamarem a atenção das tutelas para o que o museu pode ser e não pode ser.

Por exemplo, fala-se pela primeira vez em inclusividade, diversidade, sustentabilidade, ética, profissionalismo, participação das comunidades e partilha de conhecimento. Esta nova definição tenderá a promover tudo isto ou, pelo contrário, a definição é o espelho do que já existe na prática?

Ana Carvalho – As duas coisas. Esta nova definição, creio, que pode ajudar a chamar a atenção para temáticas que agora ganham mais destaque por esta via, como a acessibilidade, a inclusão, a diversidade, a diversidade, a sustentabilidade, a participação. Mas, todos estes tópicos já espelham a prática (e a teoria de museus). Por exemplo, já se fala de inclusão social nos museus, pelo menos desde os anos 1990. No entanto, não podemos esquecer que o mundo dos museus é muito desigual e diverso, e onde convivem diferentes velocidades. Para muitos museus e contextos, ter estas temáticas espelhadas na definição pode ajudar a coloca-las em acção.

Que papel tem, na sua opinião, os museus na sociedade portuguesa?

Ana Carvalho – Na minha opinião, os museus devem contribuir para o desenvolvimento da sociedade, gerando mudanças positivas e impactos vários (educativo, social, económico, cultural) a partir das suas coleções e da sua programação.

 

Sugestões de leitura:

Carvalho, Ana. 2019. “Em torno da definição de museu do ICOM: lições a partir de Quioto.” https://nomundodosmuseus.hypotheses.org/8987  

Chamada de artigos para a revista MIDAS

 

Imagem de Ian Dooley via Unsplash

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para número “Varia” (não temático) da revista MIDAS, a publicar em 2023. Aceitam-se propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros e de exposições, até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Todos os artigos seguem o processo de arbitragem por pares e sob duplo anonimato. Mais informações sobre as normas de publicação: https://journals.openedition.org/midas/361

Os textos devem ser enviados até 15 de fevereiro de 2023 para: revistamidas@gmail.com

Chamada para números temáticos para a revista MIDAS

© Ana Carvalho

A Revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem chamada aberta para propostas de números temáticos sobre temas originais e inovadores no âmbito da teoria da museologia e das suas práticas, a publicar em 2024.

A proposta deve incluir: título; texto de apresentação (até 2500 palavras) sobre o contexto, os objetivos e os contributos do número temático; lista das referências bibliográficas mais relevantes sobre o tema (não mais de 15); títulos e resumos dos artigos; nota biográfica de cada autor/a (até 150 palavras) e de cada organizador/a.

As propostas devem ser enviadas até 15 de fevereiro de 2023 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações sobre o envio, seleção e avaliação das propostas: https://journals.openedition.org/midas/178

VI Fórum Ibérico junta investigadores em Évora para debater novas perspetivas de investigação em museologia

A imagem apresenta em grande plano uma escultura grega conhecida como a danlçarina de Budapeste

Statue of a girl (the Budapeste dancer), Museum of Fine Arts, Budapeste. Foto de Ana Carvalho

A 24 e 25 de novembro realiza-se o VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos, na Universidade de Évora, para debater novas perspetivas de investigação na área da museologia.

Reconhecendo a pluralidade dos estudos museológicos, o Fórum pretende contribuir para a discussão de projectos de investigação recentes ou em curso, em diversas geografias e contextos do panorama ibérico. Um dos eixos de reflexão consiste em debater abordagens históricas dos museus e da museologia e, por outro lado, abordagens que contribuam para um entendimento contemporâneo da relação dos museus com a sociedade.

O programa apresenta um leque diverso de projetos de investigação e inclui duas oradoras principais: Raquel Henriques da Silva e Maria de Bolaños, ambas conhecidas pelo seu papel de relevo na museologia portuguesa e espanhola.

Conheça o programa em: https://viforumiberico.wixsite.com/2022/about-7

As inscrições podem ser feitas através do website do Fórum (até 18 de nov.): https://viforumiberico.wixsite.com/2022/general-clean-1

A 6.ª edição deste Fórum é promovida pelo CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e pelo IHA – Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

***

Mais sobre o Fórum Ibérico de Estudos Museológicos:

Este fórum ibérico é dedicado à museologia e realiza-se desde 2017. É um espaço de partilha de investigação e reflexão em torno da história e dos desafios atuais da museologia. Pretende facilitar o intercâmbio de conhecimentos e projectos, fortalecer redes de comunicação e de colaboração, favorecendo a aproximação entre Portugal e Espanha, incluindo o mundo iberoamericano.

I Foro Ibérico de Jóvenes Investigadores – Museologías: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos, 18 Nov. 2017, Museo Nacional de Escultura, Valladolid. Ver publicação aqui.

II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia: Os Museus e a(s) Sociedade(s) – Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios, 13-14 Dezembro 2018, Museu Nacional Arte Antiga, Lisboa. Ver publicação aqui.

III Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Historia de los Museos. Historia de la Museología, 18-19 Outubro 2019, Museo Arqueológico Nacional, Madrid. Ver publicação aqui.

IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Estratégias de Exposição – História e Práticas Recentes, 10 Dezembro 2020, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Ver publicação aqui.

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Autores e Textos Críticos em Espanhol e Português, 21-22 Outubro 2021, IAACC Pablo Serrano, Zaragoça. Ver publicação aqui.

Património imaterial e políticas públicas em Portugal

Detalhe da exposição “Um Cento de Cestos” no Museu de Arte Popular, Lisboa, 2022. Foto: Ana Carvalho

O texto “Intangible Cultural Heritage and Public Policies in Portugal – An Overview” (de Ana Carvalho) foi publicado no livro digital “Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings” (2022). Está disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/32368

Resumo:

Ao ratificar a Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, os Estados Parte comprometem-se a implementar as suas directrizes nos respectivos contextos nacionais. Neste contexto, adaptando políticas, procedimentos e sistemas de gestão do património para incluir os princípios da UNESCO e um entendimento sobre Património Cultural Imaterial (PCI), bem como considerar a participação das comunidades nos processos de salvaguarda. Para muitos países isto resultou no repensar de novos discursos, políticas e práticas que contribuíram para uma reflexão renovada sobre a noção de PCI e sobre quais as abordagens de salvaguarda. Portugal está entre os países que, ao ratificar a Convenção em 2008, pôs em marcha uma “nova” política de património e um novo quadro institucional e legislativo para a salvaguarda do PCI. Este capítulo apresenta uma visão geral dos principais passos dados nas políticas públicas relativas ao PCI, reflectindo sobre os seus efeitos e desafios. Este estudo empírico baseia-se na análise de documentos oficiais (por exemplo, legislação e relatórios) e numa revisão bibliográfica. A análise aqui apresentada identifica questões-chave na implementação da Convenção em Portugal, contribuindo para melhor compreender as diversas abordagens e efeitos gerados pela UNESCO.

Abstract:

By signing the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage (ICHC), states parties commit to implementing its guidelines in national contexts, adapting policies, procedures and heritage management systems to include the UNESCO principles and an understanding of Intangible Cultural Heritage (ICH), as well as considering community participation central to safeguarding processes. For many countries, this has resulted in framing new discourses, policies and practices that have contributed to a new reflection on how ICH is understood and how safeguarding is approached. Portugal is among the countries which, by ratifying the ICHC in 2008, set in motion a new heritage policy and governance framework for the safeguarding of ICH. This chapter presents an overview of the main steps taken in public polices concerning ICH, reflecting on the effects and challenges posed. This empirical study is based on the analysis of official documents (e.g., legislation and reports) and a literature review. The analysis presented herein may be significant to identify key issues in the implementation of ICHC in Portugal, and thus contribute to a comparative overview of the diverse approaches and effects generated by UNESCO.

 

***

Carvalho, Ana. 2022. “Intangible Cultural Heritage and Public Policies in Portugal – An Overview.” In Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings, ed. Milan Konvit, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde, e Sónia Bombico, 46-63. Évora: UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know – How: Linking Heritage, University of Évora. ISBN: 978-972-778-269-7. http://hdl.handle.net/10174/32368

Museus, património imaterial e tecnologias digitais

Zoom. Around the world in 365 images. Museu de Etnografia, Budapeste. Foto: Ana Carvalho

O texto “Museums, Intangible Cultural Heritage and Digital Technologies: Exploring Interactions” (de Ana Carvalho) foi publicado no livro digital “Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings” (2022). Está disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/32369

Resumo:

As tecnologias digitais têm sido entendidas como potenciais ferramentas para os museus expandirem a forma como dão acesso ao património. Um museu que inclua a salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI) na sua missão e estratégia não ignorará o potencial das novas tecnologias e, portanto, a avaliação da sua capacidade de as integrar de acordo com a agenda do museu e dos seus objectivos. Por outro lado, um museu que seja capaz de abordar a transformação digital estrategicamente estará em melhor posição para utilizar as tecnologias de forma a promover maior valorização, sensibilização e interpretação do PCI. Este capítulo centra-se nos desafios da integração das tecnologias digitais no sector museológico português e identifica constrangimentos e oportunidades. Esta reflexão baseia-se na investigação realizada no âmbito do projecto Mu.SA (2016-2020) e na investigação realizada no Grupo de Projecto Museus no Futuro (2019-2020). No âmbito dos planos de recuperação e resiliência pós-pandemia, é ainda mais premente que as políticas culturais prevejam o apoio aos museus, nomeadamente no que diz respeito à transformação digital, e assegurem que estes disponham das condições e dos recursos necessários para avançarem de uma forma mais integrada e sustentável. Os museus que adoptem uma abordagem mais estratégica relativamente à transformação digital terão melhores condições para capitalizar os seus recursos e cumprir eficazmente a sua missão e objectivos. Neste sentido, os museus serão capazes de proporcionar melhores condições de acesso e expandir os meios de comunicação, contribuindo para a valorização e salvaguarda do PCI.

Abstract: 

Digital technologies have been approached as potential tools for museums to expand on how they provide access to and interaction with heritage. A museum that includes Intangible Cultural Heritage (ICH) safeguarding in its mission and strategy will not ignore the potential of new technologies and, thus, the assessment of its capacity to integrate them according to the museum’s agenda and its objectives. On the other hand, a museum that is able to address digital transformation strategically will be in a better position to use technologies wisely to foster ICH visibility and awareness, interpretation and interaction. This chapter will focus on the challenges of integrating digital technologies in the Portuguese museum sector and identify the constraints and opportunities. This reflection draws on research conducted within the scope of the Mu.SA project (2016-2020) and the research performed in the Future Museums Project Group (2019-2020). Within the scope of post pandemic recovery plans, it is even more pressing that cultural policies foresee support for museums, namely regarding digital transformation, and ensure that they have the necessary conditions and resources to move forward in a more integrated and sustainable manner. Museums that adopt a more strategic approach to digital transformation will be able to capitalize on their resources to effectively fulfil their mission and goals. Hence, museums will be more effective in increasing access and expanding the means of communicating and supporting ICH safeguarding.

***

Carvalho, Ana. 2022. “Museums, Intangible Cultural Heritage and Digital Technologies: Exploring Interactions.” In Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings, ed. Milan Konvit, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde, e Sónia Bombico, 83-97 Évora: UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know – How: Linking Heritage, University of Évora. ISBN: 978-972-778-269-7. http://hdl.handle.net/10174/32369

Nova publicação sobre o património imaterial e o digital

Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings (2022) é a mais recente publicação com a chancela da Cátedra UNESCO “Património Imaterial e saber-fazer tradicional: ligando patrimónios” da Universidade de Évora. Disponível em acesso aberto aqui: http://hdl.handle.net/10174/32325

Esta publicação resulta do projecto BDIAS – Desenvolvendo mecanismos e formas de apresentação do Património Cultural Imaterial com recurso aos novos meios de comunicação (2019-2022). Pretendeu discutir as metodologias de salvaguarda e valorização do Património Cultural Imaterial (PCI), assim como o papel dos novos meios de comunicação nestes processos.

O BDIAS consistiu num projecto de cooperação internacional na área do PCI, das tecnologias digitais e da transferência de conhecimento, com base numa parceria entre o CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades/Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-fazer Tradicional: Ligando Patrimónios/Universidade de Évora e a Comenius University (Bratislava, Eslováquia); teve financiamento da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo do Convénio/Acordo FCT: Cooperação Científica e Tecnológica Portugal/Eslováquia.

****

CONTENTS

Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings
Coord. Milan Konvit, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde e Sónia Bombico

5 | Introductory remarks, Sónia Bombico
7 | Introduction: May you live in interesting times, Milan Konvit & Antónia Fialho Conde
12 | New media and intangible cultural heritage: challenges and opportunities, Milan Konvit
29 | Intangible cultural heritage in Slovakia from an institutional perspective, Eva Capková
46 | Intangible cultural heritage and public policies in Portugal: an overview, Ana Carvalho
64 | Cultural resource management: the application of management theory and practice in cultural industry, Lukáš Vartiak
83 | Museums, intangible cultural heritage and digital technologies: exploring interactions, Ana Carvalho
98 | Transfer of Intangible Cultural Heritage using Augmented Reality Applications: A Survey on User Experience and Current Limitations of End-User Mobile Technology for Knowledge Transfer, Juraj Grečnár
112| ICH at fingertips: Dissemination and pedagogy through digital media, Shajjad Hossain
137 | Interview with Ricardo Fonseca, Sónia Bombico
143 | Interview with Peter Trnka, by Andrea Jančošková & Veronika Valovicova
147 | Conclusions, Filipe Themudo Barata
150 | About the authors

****

Konvit, Milan, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde e Sónia Bombico. 2022. Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings. Évora. UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know – How: Linking Heritage, University of Évora. 153 páginas. ISBN 978-972-778-269-7. http://hdl.handle.net/10174/32325

Call for Papers para o VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

A imagem apresenta em grande plano uma escultura grega conhecida como a danlçarina de Budapeste

Statue of a girl (the Budapeste dancer), Museum of Fine Arts, Budapeste. Foto de Ana Carvalho

VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Novas Perspetivas de Investigação
Universidade de Évora, 24 e 25 de Novembro 2022

Call for Papers

Reconhecendo a pluralidade dos estudos museológicos, o VI Fórum Ibérico pretende contribuir para a discussão de projectos de investigação recentes ou em curso, em diversas geografias e contextos do panorama ibero-americano.

Aceitam-se propostas com abordagens históricas dos museus e da museologia, assim como as que contribuam para um entendimento contemporâneo da relação dos museus com a sociedade. São bem-vindas apresentações que, tendo como objeto de estudo os museus, tragam novos pontos de vista, o cruzamento de olhares interdisciplinares e o diálogo entre investigadores em diferentes fases do seu percurso académico e profissional.

Convidamos académicos, investigadores e profissionais de museus a apresentar propostas de comunicação de 20 min., em formato presencial, em português ou espanhol, focando um dos tópicos do Fórum.

Organização: CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e IHA – Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

Entidades parceiras:
Direção-Geral do Património Cultural
Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
ICOM Portugal
ICOM Espanha

Prazo para envio de propostas: 12 de Setembro de 2022

Mais informações em: https://viforumiberico.wixsite.com/2022

***

Sobre o Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

Este fórum ibérico dedicado à museologia realiza-se desde 2017. É um espaço de partilha de investigação e reflexão em torno da história e dos desafios atuais da museologia. Pretende facilitar o intercâmbio de conhecimentos e projectos, fortalecer redes de comunicação e de colaboração, favorecendo a aproximação entre Portugal e Espanha, incluindo o mundo iberoamericano.

I Foro Ibérico de Jóvenes Investigadores – Museologías: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos, 18 Nov. 2017, Museo Nacional de Escultura, Valladolid. Ver publicação aqui.

II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia: Os Museus e a(s) Sociedade(s) – Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios, 13-14 Dezembro 2018, Museu Nacional Arte Antiga, Lisboa. Ver publicação aqui.

III Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Historia de los Museos. Historia de la Museología, 18-19 Outubro 2019, Museo Arqueológico Nacional, Madrid. Ver publicação aqui.

IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Estratégias de Exposição – História e Práticas Recentes, 10 Dezembro 2020, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Ver publicação aqui.

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Autores e Textos Críticos em Espanhol e Português, 21-22 Outubro 2021, IAACC Pablo Serrano, Zaragoça. Publicação no prelo.

Publicado novo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares

Trata-se da capa da revista que tem por base imagens a preto e branco de esculturas maconde

Dossiê R – Parede-espelho (estudo). Exposição “R-Humor” (2020) da artista e investigadora Catarina Simão. © Catarina Simão. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – o n.º 14 – acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.2997

MIDAS 14 – “Varia”

Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Paulo Simões Rodrigues, Pedro Casaleiro e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Bruno Brulon e Leandro Guedes
Por uma etnopreservação integral do patrimônio: a biografia de quatro máscaras Waurá

António Cota Fevereiro
As singularidades da Sala Chineza no Palácio da Ajuda: contextualização histórica e contributos para a sua museografia

Notações

Ana Gago
(Re)criar o património: levantamento de tendências na programação de residências artísticas em Portugal

Rita Grácio, Nuno Cintra Torres, Célia Quico, Isabel Duarte, Rute Muchacho e Eduardo Morais Sarmento
muSEAum: branding e comunicação dos museus de mar de Portugal

Ensaios

Victor Oliveira Jorge
Máquina Museu

Recensões críticas

Maria Emanuel Albergaria
Marta Ornelas – Museus e Escolas: As Relações Pedagógicas e o Papel dos Museus

Maria de Fátima Nunes
Stefanie Gil Franco – Os Imperativos da Arte: Encontros com a Loucura em Portugal no Século XX

Rocío Raposo Camacho
José María Cuenca López, Jesús Estepa Giménez e Myriam José Martín-Cáceres (eds.) – Investigación y Buenas Prácticas en Educación Patrimonial entre la Escuela y el Museo

Leticia Pérez Castellanos
Metodologías para el Recuento de Visitantes

Sónia Duarte
Historia de dos Pintoras: Sofonisba Anguissola y Lavinia Fontana [exposição e catálogo]

Irene Sánchez Izquierdo
Exhibitions as Research. Experimental Methods in Museums

Chamada de artigos para a revista MIDAS

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), Lisboa, 2022 © Ana Carvalho

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares tem nova chamada para artigos para número “Varia”, a publicar em 2022.

A revista aceita propostas (português, espanhol, inglês e francês) nos seguintes formatos:

– artigos, até 6 000 palavras

– recensões críticas de livros (edições até 3 anos) e de exposições (menos de 2 anos), até 1 500 palavras

– notações (artigos breves), até 3 000 palavras

Os textos devem ser enviados até 9 de setembro de 2022 para: revistamidas@gmail.com

Mais informações em: https://journals.openedition.org/midas/2995