Arquivo de etiquetas: acesso aberto

Projeto InMAP aprovado para financiamento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia

O projeto “InMAP – Memórias e Arquivos: Mapear o (In)tangível” (2024-2025) é um dos projectos aprovados para financiamento pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da 1.ª edição do Science4Policy 2023 (S4P-23) – Concurso de Estudos de Ciência para as Políticas Públicas.

Liderado por Ana Carvalho, investigadora Auxiliar (CEEC/FCT) no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas por instituições ligadas ao património (e.g., museus, bibliotecas, arquivos, universidades, associações). Para além de uma caracterização destes arquivos de memória recente, é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. O diagnóstico e a identificação das necessidades e desafios deste panorama irá permitir o desenvolvimento de orientações no campo das políticas públicas.

O projeto terá a duração de um ano e um orçamento de cerca de 50 000 euros. A equipa nuclear é constituída por Ana Carvalho (IR), Paulo Batista (Co-IR), Armando quintas, Dália Guerreiro e Fernando Gameiro. O projeto inclui a participação de duas instituições colaborativas: o Património Cultural, I.P (ex-Direção-Geral do Património Cultural), através de Ana Saraiva, e o Observatório Português das Actividades Culturais, através de José Soares Neves, e ainda de um consultor: Alexandre Matos (Sistemas do Futuro/Universidade do Porto). O projeto InMAP terá também o apoio da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora.

O Concurso Science4Policy foi lançado em 2023 pela FCT, em colaboração com o Centro de Competências de Planeamento, de Políticas e de Prospetiva da Administração Pública (PlanAPP), com o objetivo estimular a produção de conhecimento científico para apoio à decisão e definição de políticas públicas.

Nesta primeira edição do Concurso Science4Policy foram identificadas 22 linhas temáticas a partir de uma consulta à Rede de Serviços de Planeamento e Prospetiva da Administração Pública (REPLAN). O projeto InMAP concorreu à linha “As Pessoas Primeiro / Património e Memória – Arquivos nacionais”.

Nesta edição do Concurso Science4Policy foram selecionadas para financiamento, a nível nacional, 18 candidaturas (num universo de 71 candidaturas), o que corresponde a uma taxa de aprovação na ordem dos 25%.

Mais informação: https://www.fct.pt/concursos/science4policy-2023-s4p-23-concurso-de-estudos-de-ciencia-para-as-politicas-publicas

***

Resumo:

Nas últimas décadas, observa-se um número crescente de novos arquivos criados por instituições de memória (museus, bibliotecas e arquivos) e outras organizações públicas ligadas ao património (universidades, escolas, associações, entre outras). Identificam-se pelo menos dois aspetos (interligados) que terão contribuído para este estado da arte: 1) o desenvolvimento da história oral reforçou a necessidade de documentar as memórias de pessoas, comunidades e participantes em eventos passados; 2) o impacto da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, de 2003, apelou à necessidade de registar e documentar práticas tradicionais, i.e., o Património Cultural Imaterial (PCI) para um futuro sustentável; 3) a necessidade de enriquecer e complementar os arquivos oficiais com as experiências e a participação das comunidades. Muitos destes arquivos de memória recente contêm registos de gravações de som e vídeo, fotografias ou outros documentos relacionados com a preservação da memória e com a documentação do PCI, quer em formato analógico quer em formato digital. 

No entanto, atualmente, em Portugal, não existe um inventário à escala nacional sobre estes arquivos dispersos e informação sistematizada que possa informar sobre a sua caraterização, desenvolvimento e impacto nas comunidades e na sociedade. Para além de uma caraterização destes arquivos de memória recente (dimensão dos recursos; capacidade de infraestruturas e competências; inventário, sistema de informação, gestão e catalogação; acesso aberto), é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. Em resposta a estes desafios, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas, considerando uma amostra de âmbito nacional e incidindo sobre um conjunto de instituições diversas (e.g., museus, bibliotecas e arquivos, universidades, associações). 

Este estudo combinará um conjunto de instrumentos de análise, que incluem um inquérito, trabalho de campo (entrevistas e grupos focais) e revisão da literatura. A investigação será útil para responder a vários objetivos. Em primeiro lugar, apresentará um diagnóstico da situação atual, identificando necessidades e desafios, e informará o desenvolvimento de planos para mitigar esses problemas. Desta forma, o projeto produzirá um documento final (policy brief) que incluirá também uma proposta de orientações para um quadro legislativo que tenha em conta as especificidades destes arquivos. Em segundo lugar, os resultados darão forma à conceção de um conjunto de ferramentas de preservação digital para ajudar a orientar os profissionais no desenvolvimento da sua estratégia, especialmente tendo em conta as instituições de memória de menor escala em áreas mais remotas. Por último, a investigação ajudará a sensibilizar para a valorização e importância destes recursos e contribuirá para a salvaguarda deste património. 

Abstract:

In the last decades, there is a growing number of new archives created by memory institutions (museums, libraries and archives) and other public heritage organisations (universities, schools, community associations, among others). At least two intertwined aspects have contributed to this state of the art: 1) oral history development has reinforced the need to document the memories of people, communities, and participants in past events; 2) the impact of the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, urged for the need to record traditional silks and practices, e.g., Intangible Cultural Heritage (ICH) for a sustainable future; 3) the need to enrich and complement official archives with community experiences and participation. Many of these recent memory archives contain collections of sound and video recordings, photographs or other documentary materials related to memory preservation and to ICH documentation, either in analogue or in digital form. 

However, at present, in Portugal, there is no national-wide inventory of these scattered archives and systematized information that can inform about their characterization, development and impact in communities and society. Besides a characterisation of these recent memory archives (resources dimension; infrastructure & skills capacity; inventory, management system & cataloging; open access), it is essential to understand the scale and extent of barriers to preservation and access. In response to these challenges, the project will map, collect and analyze information about the situation of memory archives that have been created in the last two decades, considering a national-wide sample and focusing on a set of diverse institutions (e.g., museums, libraries and archives, universities, community associations). 

The study will combine a set of analysis tools, which include a survey, fieldwork (in-depth interviews and focus groups) and literature review. The research will be valuable for several purposes. First, it will present a diagnosis of the current situation, identifying needs and challenges, and inform the development of plans to mitigate those problems. In this way, the project will deliver a final policy brief that will also include a proposal of guidelines for a legislative framework considering these archives specificities. Second, the findings will shape the design of a digital preservation toolkit to help guide professionals in developing their strategy, especially considering smaller memory institutions in more remote areas. Finally, the research will help to raise awareness of the value of these unique resources and encourage safeguarding this heritage. 

Museus e sociedade digital em destaque no segundo número da Revista de Museus

Já se encontra disponível um novo número da Revista de Museus, que foi apresentado a 14 de Novembro no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, por Emília Ferreira, directora do museu.

Trata-se do segundo número da Revista de Museus, uma revista editada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). O primeiro número, em 2018, rompeu com o hiato de 7 anos desde que a revista Museologia.pt cessou (então da tutela do antigo Instituto dos Museus e da Conservação), para voltar a afirmar a importância de ter uma revista institucional dedicada inteiramente aos museus e à sua reflexão.

Na direcção da revista está David Santos, que é também subdirector-geral da DGPC. Clara Frayão Camacho assegura a coordenação científica e Fátima Faria Roque a coordenação editorial. A revista inclui ainda um Conselho Editorial constituído por Adelaide Duarte, Graça Filipe, José Soares Neves, Manuel Bairrão Oleiro, Marta Lourenço, Rita Macedo e Rui Parreira.

A Revista de Museus é anual, impressa e os números são temáticos. Se o primeiro número focou a relação entre os museus e o turismo (Dez. 2018) para este segundo número a escolha recaiu sobre museus e sociedade digital, uma temática que mais recentemente parece suscitar especial interesse, quer no campo das publicações, quer na realização de debates e conferências.

Sobre os objectivos deste segundo número, o director da revista, David Santos, sublinha que se “procura […] dar expressão às interações verificadas nestes últimos vinte anos entre o virtual, as suas potencialidades, ameaças e desafios, e o real que identifica o esplendor do património museológico, ou seja as suas coleções e a sua fruição pública” (p. 5).

A revista inclui 23 contributos, entre artigos e ensaios. Globalmente, vai do geral ao particular. Identifica-se um bloco de artigos mais focado nos desafios das tecnologias aplicadas aos museus, mapeando e reflectindo sobre problemáticas interligadas. Entre estas, o digital como ferramenta ao serviço da missão dos museus, do acesso e da comunicação e não a mera utilização da tecnologia pela tecnologia, a problemática do direito de autor versus políticas de acesso aberto às imagens das coleções, a necessidade de maior valorização da comunicação na estratégia dos museus, a escassa visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea, os desafios da conservação de obras criadas com recurso às tecnologias, a actualidade e evolução da aplicação da realidade aumentada nos museus, a teorização em torno do cibermuseu, do ciberespaço e da “noologia”, entre outras.

Um outro bloco de textos dá maior enfoque a experiências particularizadas a partir de museus, como é o caso do Museu do Fado, do Museu de Lagos (Núcleo da Rota da Escravatura), do Museu Nacional de Arqueologia, do Museu do Dinheiro, entre outros.

Outros textos incidem sobre o projecto “Portugal: Arte e Património” (google arts & culture project), no qual participaram vários museus nacionais ou sobre o projecto – Registo de Museus Iberoamericanos, que consiste numa base de dados de museus acessível em formato digital sobre o universo de museus ibero-americanos. A fechar a revista, refira-se também um texto sobre os desafios do digital (acesso aberto, interoperabilidade, etc.) a partir da experiência do projecto Europeana e da sua visão.

A Revista inclui ainda uma secção intitulada “Olhares”, em que dá espaço a outras perspectivas, neste caso um ensaio intimista do escritor Afonso Cruz.

Quanto à forma, a Revista demarca-se da sua antecessora museologia.pt, em particular no que diz respeito à (sobre)valorização estética, observável na centralidade que as imagens ocupam ao longo de toda a publicação (264 páginas) e na sua abundância, chegando a impor-se de forma preponderante em relação aos conteúdos. Diria que podemos observar numa só revista a existência de duas, uma na forma de catálogo de imagens sedutoras e apelativas, uma espécie de montra de imagens de objectos de museu e uma outra estruturada em textos, cuja articulação nem sempre poderá ser evidente.

A importância e predomínio da estética e do lúdico é, aliás, um traço plenamente assumido e assinalado pelo director da revista no editorial do primeiro número. Nas suas palavras “É também para celebrar essa capacidade e resiliência que esta publicação anual pretende afirmar o princípio da análise museológica, sabendo contudo afirmar-se ainda enquanto objeto de sedução estética. Por isso, vinculamos ao exercício crítico e reflexivo, a ludicidade de uma revista que ousa apresentar-se também como objeto colecionável, pelas razões essenciais que levam os seres humanos a cultivarem o que pretendem preservar para memória futura” (p. 5).

De facto, as imagens são impactantes e de qualidade, grande parte delas imagens de objectos das coleções dos museus nacionais. E, não raras vezes sugerem interpelação, suscitam maior contexto e aprofundamento. O facto de muitas das imagens, na maior parte das vezes, não terem relação articulada com os artigos pode trazer, no entanto, um elemento adicional de desorientação no contexto da leitura. E a interrogação: até que ponto é funcional e favorável a desconexão entre o que é escrito e o que se vê e, por outro lado, a ausência de maior contexto para as imagens que são apresentadas que possa estabelecer um maior entendimento, que vá para além do efeito estético e contemplativo que possa gerar.

A partilha de ideias, de conhecimento e de experiências é fundamental para o desenvolvimento dos museus. A existência de uma revista como esta é um passo importante nesse sentido. No entanto, não se ignora a premência de fazer com que essa partilha esteja ao alcance do maior número de leitores possível. Diria que um próximo passo poderá ser esse, o da aposta no acesso aberto, aliás, em plena sintonia com os desafios enunciados ao longo deste número, não estivéssemos nós na “era do acesso”.

****

ÍNDICE

4 | David Santos, Museus na “era do acesso” [editorial]

1. Tema: Museus e Sociedade Digital

8 | Ana Carvalho e Alexandre Matos, Museus e sociedade digital: realidades e desafios em Portugal

24 | Patrícia Remelgado, Museologia e comunicação

42 | Maria Vlachou, Tecnologia pela tecnologia? O digital ao serviço do acesso e da comunicação nos museus

62 | Fátima Faria Roque, Museus do outro lado do espelho: for the times they are a-changin

82 | Luís Raposo, Museu com digital ou… museu digital, eis a questão

94 | Helena Barranha, Fora do algoritmo: A relativa (in)visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea

2. Museus

112 | António Cerveira Pinto, Uma fábula com aparência de ensaio

118 | Diana Marques, A realidade aumentada no panorama museológico atual

128 | Sara Pereira, Um museu sem paredes

142| Elena Morán e Pedro Pereira, O núcleo Rota da Escravatura do Museu de Lagos

156 | Emília Ferreira, O museu: organismo vivo e emotivo

168 | Carla Barroso, Documentação e inventariação de coleções arqueológicas do Museu Nacional de Arqueologia: Um diagnóstico recente

176 | Daniela Viela, Da pessoa ao virtual no Museu do Dinheiro

194 | Teresa Nobre, Direito de autor e acesso ao património cultural: a nova legislação europeia

3. Coleções

200 | David Santos, Real versus virtual. Opção ou complementaridade?

208 | Luís Ramos Pinto, Os bilhões de píxeis por detrás do projeto “Portugal: Arte e Património”

210 | Rita Macedo e Hélia Marçal, Conservação ou gestão de mudança? Time-based media no museu

4. Olhares

226 | Afonso Cruz, Museus de Dresner

5. Mundo

235 | Bernard Deloche, Cybermusée et société

246 | Teresa Mourão e Natalia Huerta, Registo de Museus Iberoamericanos

254 | Harry Verwayen e Beth Daley, Museums in the Mirror World – preparing for the next stage of our digital transformation

262 | Abstracts

****

A Revista de Museus encontra-se disponível para venda na loja dos museus (preço de referência: 20 euros), mas também nas principais livrarias. E ainda na loja online da DGPC: http://bit.ly/2KjvHSK

Pierre Mounier e os novos paradigmas da edição electrónica em acesso livre

Pierre Mounier

Pierre Mounier, Institut Français, Lisboa, 11 Março 2013                    Foto: Ana Carvalho

O francês Pierre Mounier (Centro para a Edição Electrónica Aberta – Cleo) esteve em Lisboa para falar de edição electrónica em acesso livre. Hoje os meios tradicionais de edição são confrontados com novas formas de divulgação e de uma maneira geral com uma mudança de paradigma à qual importa dar uma resposta. Ou seja, serão necessários reajustamentos às formas tradicionais de trabalhar com a edição de livros e com as publicações de uma forma geral. Mounier sublinhou grande parte dos problemas que afecta esta área, enquadrando teoricamente a discussão sobre o tema1. E falou de tendências como a “google generation”; a “tirania do impacto” das revistas científicas, e de um conjunto de ameaças ao sector livreiro, à edição, às bibliotecas…Entre as ameaças, por exemplo o aparecimento de outras formas de publicar através da internet: “Open Archiving”, blogues, Wikipédia e afins, Amazon, etc.

Num primeiro momento da apresentação de Mounier somos levados a crer que diante das ameaças à edição na sua forma tradicional a questão coloca-se: pode o livro acabar? Apesar da revolução que o universo da internet e de uma maneira geral as novas tecnologias proporcionam, o futuro ainda é dos livros, talvez não da forma como a temos conhecido, ou seja, a forma material como o livro se tem apresentado está a mudar. O que Mounier demonstrou foi a existência de novos padrões, apesar de permanecerem os espaços de conflito novas formas emergem.

E num ambiente que parece à partida hostil às tradicionais formas de trabalhar surge também um conjunto de novas possibilidades de trabalhar com o livro através da edição electrónica em acesso livre. Mounier deu vários exemplos no universo académico: Open Book Publishers (publicação de livros académicos em acesso aberto, com arbitragem científica; Reino Unido, desde 2008); Open Humanities Press (plataforma internacional em acesso aberto na área da teoria cultural, com vários jornais e colecções de livros, com arbitragem científica, desde 2008); Open Library Humanities (plataforma em acesso aberto no âmbito das ciências sociais e humanas, 2013); De Gruyter Open Acess (difusão de livros e outros conteúdos); Knowledge Unlatched (livros académicos); e o recém criado OpenEdition Books, uma plataforma de publicação de livros a acrescentar às já existentes no âmbito do projecto francês OpenEdition: revues.org (desde 1999), Calenda (desde 2000) e Hypotheses.org (desde 2008)2) (Em Portugal, existe já a LusOpenEdition que concentra as 3 plataformas referidas). Estes exemplos seguem, de certo modo, a tradição de edição e selecção científica, mas o modelo é transposto para o mundo digital.

Um outro exemplo referido foi Unglue.it, que através de crowdsourcing qualquer pessoa pode ajudar a publicar um ebook. Pensando no mundo dos museus, os exemplos deste tipo de estratégia já serão vários, mas recordo o caso recente do livro digital “Reprograme: Comunicação Branding e Cultura numa nova era de Museus” (coord. Luis Marcelo Mendes, 2012), em português e inglês, que foi editado também por via de crowdsourcing.  Isto demonstra um pouco aquilo que a internet pode viabilizar. E neste sentido também, Mounier sublinhou a possibilidade de uma outra dimensão, a webification do livro, ou seja, a possibilidade do livro ganhar uma outra dimensão, por exemplo com a interacção dos leitores e a possibilidade de introdução de comentários. Nessa linha Mounier deu como exemplo a iniciativa Textus, que permite que estudantes e professores partilhem textos e trabalhem de forma colaborativa através desta plataforma.

Há, por outro lado, textos que ganham uma outra vida na internet, textos vários que são reunidos em livro como no projecto “Living Books about Life“. Um outro exemplo é Pressforward, que através da “Digital Humanities Now” recolhe textos dispersos na internet (em blogues por exemplo), com o crivo de editores científicos para compor números temáticos de um jornal digital. Além disso, já não são raras as vezes que textos na internet, como no caso dos textos de autor em blogues dão origem a livros impressos. Lembro, no caso dos museus, o livro de Maria Vlachou “Musing on Culture” (Bypass Editions, 2013) que nasceu do blogue com o mesmo nome (veja-se texto sobre o livro aqui).

E o que pode tudo isto interessar ao mundo dos museus? Na verdade, estas preocupações não são indiferentes ao campo da museologia: as publicações vão crescendo (livros, catálogos, etc.), os formatos  já existentes de divulgação (revistas, boletins, etc.) também se vão transformando. Por exemplo no caso da MIDAS, uma nova revista de museologia com base em Portugal, as questões do acesso aberto e da sustentabilidade foram equacionadas já neste contexto de adaptação.

Por outro lado, há toda uma discussão mais alargada sobre as novas tecnologias e o potencial da internet na relação com os públicos que os museus não devem ignorar. Alguns dos tópicos enunciados por Mounier ao nível da transformação dos hábitos de consumo da cultura, sobre a forma como se acede à cultura, que também passa pela internet e pelo aparecimento de novos suportes, também são aspectos que devem interessar aos museus. Nesse sentido, museus e os profissionais da cultura em geral devem envolver-se e participar na discussão se pretendem desenvolver práticas relevantes na sociedade actual e sobretudo se pretendem comunicar para uma geração que acede à cultura de uma forma diferente das anteriores.

  1. Alguns estudos foram citados: Donnat, Olivier (2009). Les pratiques culturelles des Français à l’ère numérique: Éléments de synthèse 1997-2008 (resumo do estudo). Paris: Ministère de la Culture et Communication. Disponível em: http://www.pratiquesculturelles.culture.gouv.fr/doc/08synthese.pdf; Carr, Nicholas (June 2008). Is google making us stoopid. In The Atlantic. []
  2. Hypotheses.org é uma plataforma de blogues francesa (agora também em Portugal aqui) que agrega blogues de investigadores no âmbito das ciências sociais e humanas. Muitos dos blogues pertencentes a esta plataforma têm a atribuição de ISSN depois de serem considerados relevantes do ponto de vista dos conteúdos produzidos por um comité científico (cf. texto sobre tema aqui []

hypotheses, blogging científico

Sessão de formação blogging científico, no ISCTE, com Mélanie Faury e Marie Pellen do projecto Openedition
Foto de Ana Carvalho, 6 Dezembro de 2012

Os blogues são uma realidade relativamente recente. O termo blog surge nos finais dos anos 90 e desde aí a popularidade desta tecnologia não deixou de aumentar. O sucesso dos blogues deve-se sobretudo às características da sua tecnologia de base. Primeiramente, é intuitivo, simples de utilizar e de fácil gestão. Ainda que existam diferentes softwares disponíveis para a criação de blogues e com diferentes níveis de complexidade, de uma maneira geral podemos dizer que qualquer pessoa pode criar um blogue. Por outro lado, permite a interacção, através da possibilidade de introduzir comentários, com algumas vantagens para a troca de ideias. Finalmente, trata-se de uma ferramenta a custo zero, sendo desde logo uma mais-valia1.

Com efeito, hoje os blogues permanecem muito populares e apesar de surgirem novas tendências na internet (ex. redes sociais, etc.), na minha opinião, continua ainda a fazer sentido a sua utilização2.

O que é isto de blogging científico?

Em 2008, o projecto francês Openedition (portal agregador de revistas e eventos de carácter científico na área das ciências sociais e humanas, em acesso aberto) tomou a iniciativa de acrescentar uma nova valência às já existentes, criando a hypotheses.org, ou seja, uma plataforma de blogues de investigação (carnets de recherche, em francês)3. Hoje estão associados a esta plataforma mais de três centenas de blogues, tendo sido alargado o projecto a Espanha e Alemanha (e brevemente a Portugal, uma vez que foi criado o projecto LusOpenEdition4). Ainda que já existissem blogues com este perfil, o da divulgação de investigação, a novidade desta plataforma é a agregação em rede de uma comunidade de pessoas, que de outra forma estariam mais isoladas e menos visíveis.

Para além disso, que argumentos se podem apresentar para que se justifique a um investigador criar um blogue no seio da hypotheses.org? As vantagens são, por um lado, a visibilidade que se poderá ter ao estar integrado numa plataforma mais alargada e a possibilidade de contacto e debate com outros investigadores que partilham interesses comuns. Por outro lado, o apoio técnico (e um conjunto de funcionalidades acrescidas) com que se pode contar5, que não existe de forma humanizada quando se utiliza a maioria dos softwares existentes como o wordpress, o blogspot.com ou outros.6

O único requisito para criar um blogue é apresentar um projecto, através de candidatura7, que será validado por um comité científico  ((caso já tenha um blogue é possível faz a migração automática dos contéudos, foi isso que aconteceu no caso de “No Mundo dos Museus”) (existem vários tipos de blogues: blogue de investigador, caderno de seminário, diário de bordo de uma investigação colectiva, diário de campo, blogues de revistas ou de livros, etc. Conheça vários exemplos aqui).

Uma das mais-valias deste projecto é também a iniciativa de atribuir ISSN ao blogue, conferindo-lhe valor científico como a uma revista por exemplo, atendendo a que muitos dos blogues são escritos por investigadores. Julgo que isto poderá ser muito interessante para os investigadores que poderão, assim, utillizar os textos que escrevem nos blogues como referências válidas, acrescentando essas mesmas referências à lista de produção científica.

  1. Cf. Carvalho, Ana. 2008. Os blogues como instrumentos de trabalho para a museologia. Informação ICOM.PT (1), http://www.icom-portugal.org/. Neste pequeno texto, hoje muito datado, procurei enfatizar a utilização do blogue como um recurso em potencialidade para a comunicação nos museus []
  2. No panorama internacional, os blogues ligados a museus só viriam a surgir em 2002 com a criação de infoTECMuseo, Museum People e Modern Art Notes. No contexto nacional, um dos primeiros blogues a apresentar conteúdos ligados aos museus nasce em 2003 – eMuseu, por Ana Pires, seguido pelo blogue do Mosteiro de Tibães, por Jorge Inácio, no mesmo ano. Em 2004, surge o Mouseion, pela mão de Alexandre Matos []
  3. Esta é uma iniciativa do Centro para a edição eletrónica aberta (Cléo) – laboratório do CNRS, da EHESS, da Aix-Marseille Université e da Université d’Avignon []
  4. Iniciativa que conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do CRIA – Centro em Rede de Investigação em Antropologia []
  5. Veja-se por exemplo o serviços prestados através de Maison des carnets e o contacto directo que é possível estabelecer com um gestor da comunidade de blogs, a possibilidade de recuperação de conteúdos, etc. []
  6. Note-se que esta plataforma proporciona ainda sessões de formação []
  7. Para quaisquer informações pode contactar directamente Marie Pellen, responsavel pelo projecto em Portugal, através do email: marie.pellen@openedition.org []