Arquivo de etiquetas: Ana Carvalho

Livro propõe reflexão sobre museus e inovações

Por Ana Carvalho, recensão crítica do livro:

Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm, e Viv Golding, eds. 2017. Museums and Innovations. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing. 241 páginas, ISBN: 978-1-4438-1268-9.

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

****

Como é que os museus podem ter um impacto positivo na sociedade global? Que inovações se podem identificar actualmente em museus etnográficos e de história social? Podem ou devem os museus ter um agenciamento provocador na sociedade, através de exposições e programas públicos que instiguem debates alargados que possam servir diferentes comunidades? É a partir deste enunciado que o livro propõe uma reflexão sobre as formas de pensar e trabalhar em museus, na perspectiva de encorajar práticas museológicas mais críticas e criativas, e contextos de trabalho colaborativos.

O livro tem por base uma selecção de comunicações apresentadas na conferência anual do ICME (Comité Internacional do ICOM para Museus e Colecções de Etnografia) com o mesmo título – Museums and Innovations, que decorreu em Zagreb (Croácia), entre 14 e 16 de Outubro de 2014.

Para o livro contribuiu um total de 23 autores, entre investigadores, professores e profissionais de museus a actuar em diferentes frentes (da gestão, à documentação, à curadoria, entre outras), provenientes principalmente da área da história e da antropologia, incluindo da história da arte, com especializações em museologia e património. A diversidade da cobertura geográfica dos contributos é também digna de nota: Alemanha, Irlanda do Norte, Malta, Sérvia, Croácia, Itália, Espanha, Polónia, Finlândia, Estónia, Holanda, Rússia e Bélgica, contrariando lógicas que, porventura, estamos mais habituados a observar.

Um outro aspecto relevante é a diversidade de casos apresentados: museus de diferentes tutelas, tipologias e escalas, nomeadamente museus de universidade (ex. Universidade de Gante), museus de cidade (ex. Helsínquia, Amesterdão), museus de história, museus etnográficos, museus nacionais (ex. Estonian National Museum), museus de âmbito mais regional (ex. Valencian Museum of Ethnology) ou local (ex. Lucca Museum of the Risorgimento, Bir Mula Heritage Museum, Open Air Museum “Old Village”), experiências com exposições temporárias no espaço público (Berlim), projectos fora do contexto museal (ex. Belonging Project), incluindo análises museológicas mais panorâmicas (Moscovo, Berlim), para referir apenas alguns.

Participação, inovação e transformação são palavras-chave neste livro. Relevância é outra palavra usada em vários capítulos, corroborando a premência de articulação dos museus com a sociedade contemporânea. Aborda-se a complexidade das identidades, o papel dos museus como agentes de influência nas comunidades e nos governos, e maior activismo na defesa da justiça social, ajudando a responder a necessidades e problemas societais. Outros referentes de análise incluem as histórias “difíceis” associadas ao colonialismo, e ainda o papel central da temática das migrações. Além disso, as colecções prevalecem como elementos-chave de novas abordagens e reinterpretações, mas também o compromisso de envolver os públicos já não apenas entendidos como passivos, mas com maior agenciamento.

O livro organiza-se em seis partes: 1) Explorando Identidade e Comunidade; 2) Comunicando Património e Intangibilidade; 3) Transformações; 4) Participação e Justiça Social; 5) Desenvolvendo Novas Práticas; e 6) Novas Vozes e (Re)Interpretação. Apesar da utilidade de organizar os conteúdos, por si só estes separadores são pouco operativos, uma vez que muitos dos capítulos se encaixariam em mais do que uma das secções enunciadas.

Longe de representarem práticas mainstream, muitos dos contributos incluídos no livro reafirmam e assentam em preocupações, como as que referimos acima, que parecem apontar para tendências que têm sido evidenciadas por via de um crescendo de literatura sobre museologia e museus. New Trends in Museology (2011), Nouvelles Tendances de la Muséologie (2016) são dois exemplos, entre outras obras, que perspectivam esses caminhos. A mais-valia deste livro reside na ancoragem em práticas que, com uma certa dose de experimentalismo, procuram testar e implementar alguns dos pressupostos referidos, seja por via de uma reflexão de iniciativa externa, seja pelos próprios intervenientes nestes processos. Muitos dos casos apresentados advêm também de processos de transformação induzidos pela renovação de exposições ou de reestruturações mais alargadas das próprias organizações museais. Dar nota das opções tomadas e dos princípios que guiaram estas mudanças pode ser, na nossa perspectiva, muito enriquecedor para melhor compreender as diferentes dinâmicas e ritmos que estimulam o complexo panorama museológico internacional.

Apesar de se notarem diferentes níveis de aprofundamento teórico e prático entre os 16 capítulos, no geral oferecem uma leitura cativante. Entre estes destacamos quatro capítulos por acentuarem aspectos que, em nosso entender (e assumindo desde logo a subjectividade implícita nesta escolha por conta do nosso próprio percurso), são significativos nas práticas museológicas contemporâneas. Isto é, a transformação da forma de trabalhar das organizações museais e dos profissionais de museus em prol de modelos hipoteticamente mais eficazes e que colocam em primeiro plano os visitantes e o seu envolvimento (ex. capítulo dez e 11); O Helsinki City Museum inaugurou uma nova sede em 2016. Este é também o pano de fundo em que Jari Harju, historiadora e conservadora deste museu, dá conta ao longo do capítulo dez (The Helsinki City Museum’s New Exhibition Policy), explicando o racional e a metodologia seguida para elaborar uma nova política de exposições (2014-2018). Um dos métodos utilizados consistiu num inquérito interno envolvendo os profissionais do museu (aproximadamente 100 pessoas) de todas as áreas, na tentativa de construir uma visão partilhada e estratégica para o museu.

O capítulo 11 (Participation in the Museum: Diverse Audiences and their Motivations), da autoria de Agnes Aljas, investigadora do Estonian National Museum, centra-se numa reflexão sobre as mais de 30 iniciativas de base participativa promovidas desde 2007. A autora evidencia a diversidade de práticas participativas desenvolvidas – online e off-line, destinadas a diferentes segmentos de público e a partir formatos distintos. O museu, fundado em 1909, abriu ao público em 2016 num novo edifício. Este reenquadramento permitiu repensar a relação do museu com os públicos, recorrendo às opiniões das pessoas e às suas experiências pessoais para moldar os programas públicos desenvolvidos. Neste exercício de análise, a autora explica porque algumas das iniciativas foram bem sucedidas e outras não. O que merece realce nesta proposta de reflexão é a importância de escrutínio e avaliação que estes processos experimentais exigem no sentido de poder capitalizar a experiência adquirida de modo a ajustar práticas futuras. De uma maneira geral, apesar de as práticas participativas aplicadas em contexto museológico se identificarem como abordagens oportunas e relevantes, este é ainda um campo de difícil concretização pelas organizações no sentido de uma maior partilha de funções, poder e responsabilidades (p. 147).

O capítulo 12 (Media in Contemporary Heritage Presentation: The Case of the Amsterdam Museum) coloca a tónica na aplicação de soluções multimédia nas exposições e a problematização acerca da sua eficácia. Assinado por Elef Masson (professora assistente do departamento de Media Studies da Universidade de Amesterdão), este capítulo tem como objecto de análise a “nova” exposição permanente Amesterdam DNA (2011), na qual se recorre ao tridimensional para estabelecer uma narrativa sobre a história da cidade assente na projecção de sete filmes animados. A autora problematiza o uso do multimédia, questionando se esta utilização aportou relevância. Uma maior integração das tecnologias e do universo digital afirma-se actualmente como uma tendência no campo do património e do mundo dos museus. Os argumentos são conhecidos. Têm por base a ideia de que o universo digital e tecnológico está hoje muito mais entrosado na vida das pessoas, sobretudo dos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano aplicam já novas formas de aceder à informação. Nesta perspectiva, a oportunidade reside em acompanhar estes fenómenos, conquistar os públicos mais jovens e, por outro lado, a não ficar para trás num contexto que é cada vez mais competitivo. Outros argumentos sustentam o seu contributo para ajudar a democratizar os museus ao descentrar a tónica da autoridade, tradicionalmente remetida aos especialistas, para os visitantes, criando espaço para interpretações alternativas e mais plurais de objectos e iniciativas, ou possibilitar contextos mais favoráveis para que sejam os visitantes a dirigir a sua própria aprendizagem (pp. 163-164). Apesar da benevolência deste quadro, a autora demonstra que nem sempre estes argumentos se aplicam na prática ou é evidente o modo como algumas soluções de suporte multimédia aportam contributos úteis ou relevantes no cômputo geral (p. 164). Um dos dados que a autora apresenta não deixa de surpreender. Apesar de se assistir a uma tendência para a substituição de textos de parede privilegiando apresentações multimédia interactivas, estas aplicações não tem reduzido a quantidade de informação disponibilizada ao visitante, tal como se esperaria, mas pelo contrário têm favorecido o seu aumento (p. 170). Da análise da exposição Amesterdam DNA, Masson conclui, entre outros aspectos, que as soluções multimédia trouxeram em alguns casos complicações acrescidas, em vez de levar mais longe a optimização destes recursos (p. 164). Ainda que as conclusões deste estudo de caso não possam ser extrapoladas para todas as exposições que recorrem a soluções multimédia, é relevante como lembrete de que o recurso ao universo digital e às tecnologias tem potencialidades, mas a sua aplicação não é linear, devendo implicar uma análise reflexiva caso a caso sobre os aportes específicos de cada ferramenta.

Destacamos, ainda, o capítulo seis (Engaging with Community: Intangible Cultural Heritage and Educational and Participatory Practices in Istria) por evidenciar o trabalho que os museus podem desenvolver em torno da valorização e salvaguarda do Património Cultural Imaterial (PCI) em contexto local e com as comunidades, colocando em perspectiva alguns programas que o Istrian Ethnographic Museum’s Centre for Intangible Culture (Pikán, na Croácia) vem desenvolvendo desde 2011. Mario Buletić (conservador do museu), entre os programas promovidos pelo museu, sublinhou o impacto de iniciativas como a realização de workshops informais direccionados a um público escolar e universitário. O que é realçado nestes workshops mediados pelo museu é a possibilidade que podem ter, como espaços informais complementares aos programas educativos formais, na desconstrução de uma noção de PCI, entendida, em muitos casos, pelas instituições como cultura tradicional estritamente ligada às zonas rurais e respectivas formas de vida (p. 82); e por outro lado, estimular uma reflexão crítica sobre o que é a cultura e o património de cada um e o respeito e tolerância pela cultura de “outros”. Esta proposta apresenta-se num quadro diferenciado e, até certo ponto, de crítica aos mecanismos de inscrição de uma determinada prática cultural nas listas internacionais reconhecidas pela UNESCO cuja atracção neste país (e em muitos outros) tem suscitado grande interesse e agenciamento, sobretudo pelos actores ligados ao turismo e à política (p. 78). Enquanto alternativa às lógicas mainstream de salvaguarda do PCI ancoradas exclusivamente na inscrição de práticas culturais em listas “representativas”, este capítulo evidencia o papel dos museus e as potencialidades de trabalhar com o PCI à escala local, apostando em projectos que primem pela inclusão, educação e participação, sublinhando ainda o papel dos mediadores, enquanto elementos-chave entre as populações, pela possibilidade de fortalecerem uma ponte entre as comunidades e os profissionais de museus na elaboração de projectos participativos.

O livro esclarece sobre tópicos que são hoje matéria de questionamento no mundo dos museus, revelando diferentes dinâmicas em curso. Por essa razão, esta colectânea pode ser de grande utilidade para os que têm particular interesse na museologia contemporânea, sejam estudantes, investigadores ou profissionais de museus.

Referências:

Mairesse, François, ed. 2016. Nouvelles Tendances de la Muséologie. Paris: La Documentation française.

Mensch, Peter van, e Léontine Meijer-van Mensch. 2011. New Trends in Museology. Celje, Slovenia: Museum of Recent History Celje.

****

Recensão publicada na revista MIDAS 9, 2018: http://journals.openedition.org/midas/1333 

9.º número da revista MIDAS online

Imagem da capa: “Panorama” (2001) de Carla Zaccagnini. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS acaba de ser publicado. Inclui 4 artigos, 3 artigos breves e 4 recensões críticas de livros. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1319

****

MIDAS 09 – Varia”
Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Artigos

Ana Rita Costa
Análise da utilização de coleções digitais: o caso do Museu Nacional de Machado de Castro

Simão Mateus e Cristiana Vieira
Life canvas: biological illustration as biographical evidence of illustrators’ and researchers’ careers

Ana Mehnert Pascoal
Breve reflexão sobre o património artístico da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Olaia Fontal Merillas, Inmaculada Sánchez-Macías e Jesús Cepeda Ortega
Personas y patrimonios: análisis del contenido de textos que abordan los vínculos identitarios

Notações

Conceição Serôdio
Contributos para uma gestão integrada dos acervos nos museus portugueses

Joana d’Oliva Monteiro e Emília Ferreira
Dicionário biográfico de museólogos: contributos para a história dos museus e da museologia portuguesa

Ana Carvalho, Alexandre Matos e Manuel Morais Sarmento Pizarro
Competências para a transformação digital nos museus: o projecto Mu.Sa 

Recensões críticas

Cesar Agenor Fernandes da Silva
Rodrigo Christofoletti, org. – Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power

Inês Lourenço
Ana Carvalho– Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos

Joana d’Oliva Monteiro
Duarte Manuel Freitas –Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965)

Ana Carvalho
Antos, Zvjezdana, Annette B. Fromm e Viv Golding, eds. – Museums and Innovations

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada, em 2011, por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

(Museu José Malhoa, 2016, foto de Ana Carvalho)

Artigo de opinião publicado no jornal Público (18 de Maio de 2018), de Ana Carvalho (Universidade de Évora) e Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa). Transcreve-se:

****

18 de Maio, Dia Internacional dos Museus: o dever da indignação

Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional, mas não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Face ao vazio de respostas do actual Governo, faz sentido perguntar: onde estão os princípios, os compromissos e os actos? Para onde caminhamos, afinal?

18 de Maio de 2018

Os museus estão em festa neste fim-de-semana, proporcionando programas diversificados a todos os tipos de visitantes. Fazem das tripas corações imaginosos porque estes dias celebratórios esgotam as equipas que, quase todas, vivem à beira do ataque de nervos. Há muitas razões para isso mas, em hierarquia esquemática, o primeiro lugar pertence à carência de recursos humanos. Este é um problema que se inscreve no caos que caracteriza a função pública portuguesa, sendo particularmente grave no caso dos 23 museus, palácios e monumentos que estão sob a tutela da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Em 2015, um estudo realizado pela própria DGPC permite verificar o envelhecimento das equipas: 58% do pessoal tem mais de 50 anos e apenas 4% se situa no intervalo entre os 25 e os 34 anos. Além disso, é expectável que 120 se aposentem até 2020. Além de poucos, os mais novos técnicos superiores dos museus (conservadores, museólogos, educadores, restauradores, comunicadores, gestores) não entraram nas suas equipas por concursos externos porque, nesta área, os últimos concursos foram realizados pelo então Instituto Português de Museus antes do final do século XX, há cerca de 20 anos! Depois disso, o pessoal dos museus nacionais circula, sendo que, para a maioria, o início desse rodopiar tem origem nas autarquias, única porta ainda semiaberta para se entrar na função pública. Depois transita-se da gestão autárquica para a administração central e entre os vários serviços desta. Ao contrário de professores, médicos e enfermeiros, há pelo menos duas gerações de gente com excelente formação que se preparou para trabalhar nesta área e a quem são feitos acenos convidativos, seguidos de envergonhados despejos. Os de fora, “sem vínculo”, chegam para os primeiros estágios, ainda durante as licenciaturas; apaixonam-se por uma profissão que lhes parece de sonho; os melhores e mais determinados voltam depois para fazerem dissertações de mestrado, prepararem doutoramentos, desenvolverem projectos de investigação, ou a custo zero, ou com pagamentos raquíticos por tarefa, ou, maioritariamente, como bolseiros de doutoramento e pós-doutoramento.

As equipas residentes, em primeiro lugar os directores, apostam neles, ensinam-lhes o que sabem, aprendem com eles e, desesperadamente, vêem-nos partir quando a bolsa termina ou a tarefa não é renovada. Vêm outros, iniciando a mesma via-sacra que dura há décadas e não pára de crescer. Não há racionalidade, não há continuidade, não há rentabilidade. Há sim a imensa responsabilidade de todos os governos de não deixar profissionalizar gerações sucessivas. É razão para perguntar, que presente angustiante é este, que futuro estamos a imaginar?

Quase dois anos depois da entrada em funções deste Governo, não há, no mundo dos museus, senão expectativas goradas e sem navegação à vista. Assistimos a uma melhoria da conjuntura económica nacional e o incremento do turismo tem trazido mais visitantes para os museus, gerando mais receitas. No ano de 2017, os museus, palácios e monumentos sob a tutela da DGPC tiveram um total de 5.060.780 visitantes, o que significa um crescimento de 8% relativamente a 2016. Mais, atendendo aos últimos seis anos (2012-2017), o crescimento é de 60%. Estes dados foram recolhidos no PÚBLICO (12 de Janeiro de 2018) porque as estatísticas oficiais, divulgadas no site da DGPC, apenas estão disponíveis até ao ano de 2016, o que, só por si, dá a ver as inaceitáveis falhas de comunicação que permanecem, metáfora, entre tantas outras, das incapacidades herdadas e cultivadas deste serviço do Estado.

Numa perspectiva externa, estas estatísticas podem alegrar políticos e gerar uma percepção de “desenvolvimento” positivo dos museus. Mas aqueles auspiciosos números não se traduzem em medidas efectivas que combatam as carências do sector, permitindo o seu desenvolvimento real. No entanto, significam um exponencial acréscimo de receitas, sobretudo de bilheteira, antes inimaginável. O dinheiro vivo que todos os dias pinga abundantemente nas caixas dos principais monumentos e de alguns museus transita integralmente, como se sabe, para a administração central, o que os mantém numa opressiva e vergonhosa indigência. Falámos das carências de meios humanos, mas outra dimensão do problema, certamente a montante desta, é a ausência de autonomia de gestão dos museus e monumentos, mas também da sua tutela que alimenta os cofres do Estado (de Centeno?) sem retorno minimamente adequado.

Esta situação esquizofrénica está identificada no programa do actual Governo que, entre as medidas para o sector, prevê a flexibilização dos seus modelos de gestão e que pelo menos alguns deles possam beneficiar de maior autonomia de gestão. No entanto, no recente comunicado do ICOM Portugal, no seguimento de uma audiência com o ministro da Cultura (cf. http://icom-portugal.org/2018/04/18/comunicado-icom-dia-internacional-de-monumentos-e-sitios/), esta questão é remetida para o vazio. O ministro fala de “maior autonomia na gestão científica e cultural”, o que é no mínimo estapafúrdio. É mesmo o que resta aos museus e que nunca poderá ser objecto de decisão ministerial: a sua autonomia “científica e cultural”. Mas para a cumprir, os museus, palácios e monumentos precisam que, segundo célebre enunciado, os deixem trabalhar. O que se pretende apenas é que garantam, a estes serviços, os meios mínimos, em pessoal e orçamento, que um Estado democrático tem o indeclinável dever de garantir, acrescidos, em cada um deles, com uma percentagem expressiva das suas receitas.

Um terceiro eixo de urgência de mudança foi também identificado no programa do actual Governo: a revitalização da Rede Portuguesa de Museus (RPM). Criada por Manuel Maria Carrilho em 2000, como estrutura de projecto no primeiro governo de António Guterres, a RPM é um sistema organizado de museus credenciados (149 museus), instrumento fundamental para a execução da política museológica de acordo com a Lei-Quadro dos Museus Portugueses (2004), apostado na qualificação dos museus de acordo com critérios de qualidade.

Em 2011, a RPM foi barbaramente desmantelada, vítima de não políticas, reduzidas a práticas administrativas de aplicação de cortes cegos. A RPM não desapareceu, embora se tenha tornado nos últimos anos praticamente invisível e com resultados meramente residuais. Também a esta questão o ministro responde nada, ignorando quanto, com poucos meios (a concretizar na reposição do programa ProMuseus), seria possível retomar uma política de partilha e de reforço, capaz de potenciar o trabalho excepcional que alguns municípios têm implementado neste sector, embora sujeitos a excessivas oscilações dependentes de baixas políticas. A verdade é que, para requalificar o interior de Portugal, não basta combater incêndios e implementar eventuais indústrias. A cultura, nomeadamente a que os museus movimentam, é, cada vez mais, uma das instâncias mais férteis, democráticas e prospectivas de construção de um futuro que potencie as heranças como suporte de vida mais justa e mais democrática.

Os tópicos aqui referidos são breves marcações que cabem num artigo de jornal. Entre as depauperadas equipas dos museus, há gente de qualidade superior que trabalha a ritmos inimagináveis, só como a gente apaixonada da cultura consegue trabalhar, entre o vício, a convicção e a inevitabilidade. Habituados a lidar com a História e a confrontá-la com exigentes convicções do presente, sabemos que os ministros passam, os governos também e que os patrimónios que conservamos, estudamos e pomos à disposição de todos, ficarão.

Mas esta certeza não basta. Em Dia Internacional dos Museus, exigimos que o Governo assuma que o seu programa para os museus está mesmo no caixote do lixo. Quais são então os princípios, os compromissos e os actos?

Ana Carvalho, Investigadora de pós-doutoramento do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora

Raquel Henriques da Silva, Coordenadora do Mestrado em Museologia, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa

****

O artigo está disponível aqui: https://www.publico.pt/2018/05/18/culturaipsilon/opiniao/18-de-maio-dia-internacional-dos-museus-o-dever-da-indignacao-1830159

Profissionais de museus na era digital

Antonia Silvaggi e Frederica Pesce, eds. 2017. Museum Professionals in the Digital Era: Agents of Change and Innovation. Edição Mu.Sa − Museum Sector Alliance, 140 páginas, online (versão completa)

Como é que os museus têm respondido aos desafios das tecnologias e do mundo digital? Que competências digitais são necessárias para capacitar os profissionais no processo de transformação digital dos museus? Que novos perfis de trabalho se identificam nesta área? Estas foram algumas das questões colocadas a 81 especialistas (Grécia, Itália e Portugal) durante a primeira fase do projecto Mu.Sa – Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA), que decorreu entre Dezembro de 2016 e Março de 2017. Esta publicação apresenta os primeiros resultados da investigação desenvolvida. O projecto Mu.Sa (2016-2019) tem como objectivo conceber um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus. O projecto tem o financiamento da Comissão Europeia através do programa Erasmus +. O ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias fazem parte deste consórcio liderado pela Hellenic Open University (Grécia).

Disponível em: http://www.project-musa.eu/wp-content/uploads/2017/03/MuSA-Museum-professionals-in-the-digital-era-full-version.pdf

Voltar a colocar no mapa o Museu do Chiado

Emília Ferreira, 16 de Fevereiro de 2018, Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa. Foto de Ana Carvalho

Emília Ferreira é desde 1 de Dezembro de 2017 directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa. Alia o profissionalismo com a paixão de fazer as coisas, e a inquietude de quem tem sempre perguntas para fazer. Há pouco mais de um mês na direcção do museu, fomos até ao Chiado para conhecer melhor o percurso de Emília Ferreira, as suas motivações e as ideias que traz para este museu. Por Ana Carvalho

Estamos numa das principais áreas nevrálgicas da vida cultural da cidade de Lisboa. Entro no Museu do Chiado, uma instituição centenária ao serviço da representação da arte portuguesa do séc. XIX à contemporaneidade. Percorro o museu labiríntico, onde ainda se perscruta os vestígios do antigo Convento de São Francisco onde foi instalado, apesar da roupagem contemporânea. O passo não é demorado. À hora marcada sou recebida por Emília Ferreira, no seu gabinete, com um sorriso aberto, e sob a luz quente do final de tarde.

A pergunta sai de chofre, sem grandes preâmbulos: como se descreve? Se num primeiro instante a interrogação oferece surpresa, a resposta é segura e reflectida. A curiosidade é uma das características definidoras de Emília Ferreira, como pessoa e profissional, e o fio condutor do seu percurso. «Não vejo lógica na definição de um percurso linear e muito dirigido a um horizonte exclusivo». Sempre gostou de várias coisas diferentes. Na adolescência, por exemplo, era o desenho, a escrita e a dança: «precisava de cada uma dessas coisas para que cada uma funcionasse», sublinha. É um traço que prevalece até hoje: «tenho uma curiosidade em leque» e assume vários interesses – não no sentido do homem dos sete instrumentos – «mas preciso de relacionar muitos assuntos» para chegar à compreensão do mundo. Aos 15 anos apaixona-se pela filosofia, «precisamente porque não era uma área linear: atraiu-me o aspecto da curiosidade que enforma o exercício da filosofia». Termina a licenciatura em Filosofia (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) em 1990, mas ainda no terceiro ano do curso ingressa no mundo profissional, aos 22 anos, para dar aulas de português como língua estrangeira, descobrindo para si própria o prazer de «passar a outros o conhecimento que se tem».

Uma trajectória multifacetada

A escrita é um dos elementos estruturantes do seu percurso, em diferentes formatos e géneros – do romance aos contos, à crónica, à crítica literária, à literatura infantil e à escrita científica – tendo, aliás, recebido vários prémios literários no âmbito da sua obra ficcional.

«O espaço museu sempre me atraiu muito», admite, mas é em 1992 que aflora o mundo dos museus de forma mais específica. Isso acontece no âmbito da colecção Grandes Museus de Portugal do jornal Público, onde colaborou como redactora e investigadora. Essa experiência de contacto com a história dos museus, dos seus edifícios e colecções teve influência no momento de escolher o tema para a sua dissertação no mestrado em História da Arte Contemporânea, que concluiu em 2001, na Universidade Nova de Lisboa. A escolha recaiu sobre a história dos museus de arte no séc. XIX, com a dissertação História dos Museus Públicos de Arte no Portugal de Oitocentos: 1833-1884. Este percurso de investigação acabaria por ser aprofundado com uma tese de doutoramento em História da Arte Contemporânea na mesma Universidade (2010) sobre a Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola (Palácio Alvor, 1882), exposição da qual viria a nascer o Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia (actual Museu Nacional de Arte Antiga). O tema mereceu maior aprofundamento pela necessidade de preencher lacunas sobre o conhecimento existente até então e pelos vários mitos que recaíam sobre a exposição. Esta tese visou, assim, compreender os contextos em que se realizou a exposição, o que foi feito, como e com que conhecimentos, contribuindo globalmente para um maior entendimento da história dos museus em Portugal. Em 2017, a tese foi publicada em livro – Lisboa em Festa: A Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu, integrando o oitavo volume da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural e Caleidoscópio).

O atributo de investigadora é porventura o “chapéu” mais abrangente da actividade de Emília Ferreira. Para além do seu perfil multifacetado na qualidade de escritora, assume-se como curadora e educadora. Enquanto curadora independente (a par com funções na área educativa e na investigação) desenvolveu uma extensa actividade, inicialmente para o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (a partir de 1997), mas também na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, onde colaborou entre 2000 e 2017, sendo que em 2010 passou a ter vínculo à função pública. De um modo geral, ao longo dos últimos 20 anos, organizou várias exposições de arte contemporânea para diferentes organizações como curadora independente, onde se destacam a retrospectiva Dominguez Alvarez, 770, Rua da Vigorosa, Porto (2006) – com Ana Vasconcelos e Melo –, a exposição itinerante Rui Sanches. As Margens da Linha (2006 e 2007) e Mily Possoz, uma Gramática Modernista (2010), entre outras.

A colaboração com vários municípios, pessoas e organizações diferentes ao longo destes anos é consistente com um processo de aprendizagem que exigiu acima de tudo flexibilidade, como reconhece: «aprendi a trabalhar em redes distintas e com constrangimentos de vários tipos». Neste sentido, refere-se não apenas aos condicionalismos de ordem financeira (díspares entre as organizações com as quais trabalhou), mas também às limitações dos próprios espaços expositivos, aludindo, por exemplo, ao caso da Casa da Cerca pelas dificuldades de trabalhar em edifícios históricos adaptados, cujas características intrínsecas nem sempre se coadunam com as exigências contemporâneas de um espaço museológico. Esta experiência diversificada de contextos permitiu-lhe, ainda, não só «aprender a trabalhar com os tempos da função pública», mas também lidar com «muitas maneiras de funcionar e abordagens diferentes».

Os museus, uma questão de missão

Falamos de motivação. Pergunto sobre o que a continua a motivar no trabalho em museus. É peremptória: «as pessoas merecem o melhor de nós, é uma questão de missão». Emília Ferreira encara a função pública como algo que tem como objectivo final o público, «que canaliza para o público a devolução de serviços vários que são pagos com os impostos dos cidadãos». E acrescenta: «no caso dos museus estamos aqui para devolver com juros. Há uma responsabilidade por parte das instituições. Quando o grande público não percebe o que nós estamos a fazer, é porque nós não sabemos comunicar o que estamos a fazer – por muito que nos custe admiti-lo. Há uma série de circunstâncias às quais temos de conseguir dar a volta, uma delas é falar de forma mais clara, explicar o que andamos a fazer.»

Comunicar de forma clara é preciso

A clareza da comunicação foi um tópico que surgiu várias vezes ao longo da conversa. Sobre os museus de arte contemporânea, em particular, Emília Ferreira é categórica: «não comunicam bem para um público alargado», salvo raras excepções. Mas explica porquê: «de um modo geral, confunde-se especialização com hermetismo no discurso». Esta é uma lição que retira da sua experiência no jornalismo. Reconhece que a clareza não é uma questão fácil, mas na sua opinião «comunicar é muito mais do que mostrar que se domina o código». Defende que é possível “aprender a ver” nos museus – referindo-se concretamente à arte contemporânea –, pois «eu própria aprendi a ver»; e adianta: «as pessoas percebem se nós quisermos chegar até elas». Cita Einstein, ao afirmar que «se não conseguimos explicar alguma coisa claramente é porque não a entendemos». Neste sentido, compreende a clareza na comunicação também como um exercício de modéstia e humildade. E vai ainda mais longe, referindo o exemplo da biologia: «uma célula que não partilha a sua informação morre». Por outro lado, não concorda que «a comunicação seja um nivelamento por baixo», e defende, por sua vez, que «a clareza não é o mesmo que simplismo».

A reflexão sobre o género nos museus: a arte de perguntar

Além de investigadora do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, Emília Ferreira colabora num projecto de investigação internacional liderado pela Universidade de Victoria (Canadá). O projecto pretende estudar as condições de visibilidade de intervenção das mulheres do ponto de vista das colecções, das educadoras nos museus, e como artistas. Trata-se de uma rede (em expansão) que integra investigadoras, mulheres artistas e educadoras de vários países e organizações universitárias (Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, Itália, Portugal). A rede é constituída essencialmente por mulheres, não de forma propositada, como esclarece Emília Ferreira, mas «porque os homens geralmente não trabalham estas questões».

O desconforto pela «permanência da vontade de exclusão» sobre o papel das mulheres que sentiu durante largos anos na academia, quer no campo da filosofia, quer na história da arte levaram-na a interrogar-se sobre os contributos das mulheres artistas na arte, como foi o caso dos estudos que fez sobre Ofélia Marques (1902-1952) e Mily Possoz (1888-1968), entre outras artistas. Por outro lado, este interesse não está desligado das suas convicções pessoais: «sou feminista, desde que me lembro».

Neste contexto, faz sentido perguntar: como é que os museus portugueses têm abordado a questão do género? Na perspectiva de Emília Ferreira o género «não tem sido tratado, tem sido aflorado. De alguma maneira até se tentou diversificar a discussão em alguns casos. Mas de um modo geral, o que me parece é que estas coisas estão muito camufladas». Referindo-se a um inquérito que distribuiu recentemente em museus, na sua maioria de arte contemporânea, sublinha: «tive essa noção com as não respostas que recebi a questões como – quantas artistas tem na colecção? Quantas exposições fez de mulheres artistas individuais? Quantas mulheres artistas participam nas colectivas? Em termos de museus, penso que tem que haver um olhar sério sobre as suas colecções, tem que haver uma interrogação. Eu gosto de continuar a fazer perguntas: porque é que não há mais mulheres nas colecções? Porque é que as que existem não estão estudadas? Porque é que continuamos a olhar para o que foi escrito sobre determinada artista e não se olha para a sua obra no conjunto?»; e atira: «é preciso começar a olhar paras as obras, os museus têm essa obrigação: olhar para as suas obras e interrogá-las». No entanto, também não ignora que para isso também contribui a existência de recursos humanos e financeiros.

Voltar a colocar o Museu do Chiado no mapa

Pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado têm passado vários directores num curto espaço de tempo. Emília Ferreira sucede a Aida Rechena (directora do museu desde 2016) após a demissão desta, e em regime de substituição. Os problemas são vários e, por sua vez, os desafios são múltiplos. Emília Ferreira reconhece que é um museu que tem tido pouca visibilidade por várias razões, entre estas a falta de verbas. Sublinha a necessidade de imprimir uma nova dinâmica no museu, «voltar a chamar a atenção para a sua existência», «atrair os públicos e os mecenas». Esta é entendida como uma prioridade.

Encontra-se em preparação a programação para 2018 e para os anos seguintes, nomeadamente a definição de uma nova política expositiva. Neste sentido, está a ser repensada a possibilidade de expor as colecções do museu de forma mais “permanente”, situação que não tem sido possível concretizar devido, por um lado, à exiguidade dos espaços e, por outro lado, à necessidade de organizar exposições temporárias. Outras questões correlacionadas prendem-se com a identificação das necessidades prementes do próprio edifício – atendendo a que faz 24 anos desde que foi objecto de renovação pelo arquitecto francês Jean-Michel Wilmotte – e, como sublinha a directora: «começar a pensar na possibilidade de o edifício ter a sua própria revolução». Refere-se neste contexto aos edifícios contíguos ao museu que ficaram disponíveis, entre os quais o do governo civil e o da polícia. «O que me foi pedido é que comece a pensar em gizar um pré-programa para se lançar o museu como uma instituição maior em termos físicos no sentido de vir a acolher uma complementação das suas colecções.» Este aspecto é central para que o museu «volte a ser o que foi a sua missão inicial – a arte contemporânea – ou seja, de modo a que não fique «fechado nos anos de 1970. Temos nas colecções obras depois de 1970, mas a integração dessas obras não tem sido continuada – temos várias lacunas. Há colecções privadas à guarda do Estado que faria todo o sentido que fossem integradas no museu». Por outro lado, a possibilidade de reformular os espaços existentes não só permitiria cumprir os requisitos «de um museu nacional, mas de arte contemporânea, que tem exigências em termos de escala que não se compadecem com áreas diminutas e de grande compartimentação inflexível». Além disso, esta poderá ser a oportunidade de rever as condições de acessibilidade física dos espaços, como realçou.

Falamos na hipótese de se concretizar o crescimento físico do museu, com os olhos postos no horizonte. Nesse sentido, sublinha: «se este museu pudesse vir a crescer para ter um espaço expositivo maior que permitisse, de facto, ter uma exposição semi-permanente que desse a conhecer a arte portuguesa de 1850 até à contemporaneidade, este seria um museu único a vários níveis. Tanto quanto eu sei não há mais nenhum museu de arte contemporânea que inclua a segunda metade do séc. XIX. Esta é uma mais-valia, uma vez que é na segunda metade do séc. XIX que se começam a definir grandes linhas que vão enformar o início do séc. XX. Essa relação que aqui podemos fazer seria preciosa».

Emília Ferreira entende que o «museu não é só um espaço para expor obras, tem que ser também um espaço em que o diálogo em torno das obras possa ser potenciado. E para isso tem que haver também lugar, espaço. Não temos ainda essa estrutura. No momento em que isso acontecer, este museu, neste sítio da cidade vai ser seguramente uma mais-valia para a nossa identidade artística».

Museu Nacional de Arte Contemporânea − Museu do Chiado

  • Fundação: 1911. Tutela: Direção-Geral do Património Cultural
  • Tipologia: arte, de 1850 à contemporaneidade
  • Colecção total: 5321 obras
  • Área total de exposição (incluindo exp. temporárias e recepção): 1101 m2 (edifício Rua Serpa Pinto) + 504 m2 (edifício Rua Capelo)
  • Equipa: c. 33 pessoas
  • Média de visitantes 2017: c. 88 158

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Museus & Pessoas”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2018. “Museus & Pessoas: Emília Ferreira.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 11 (Fev.): 52-59. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Que desafios para a integração das tecnologias e do mundo digital nos museus?

Alexandre Matos é especialista na área da documentação de colecções. Doutorou-se em Museologia com a tese SPECTRUM: Uma Norma de Gestão de Colecções Para os Museus Portugueses (2012). Na empresa Sistemas do Futuro coordena o departamento de formação e investigação, e é professor afiliado na Universidade do Porto. Faz parte da direcção do CIDOC (Comité Internacional do Conselho Internacional de Museus para a Documentação). A entrevista toma como fio condutor os desafios da aplicação das tecnologias e do mundo digital nos museus. Abandonado que está o debate que opõe meio físico vs meio digital, que desafios e oportunidades são hoje centrais para os museus? Da ausência de uma política e estratégia museológica a nível nacional comprometida com estas matérias, ao papel das tutelas, das lideranças, das estratégias de comunicação, à obsolescência tecnológica, à actualização de competências digitais e à necessidade formação… os tópicos em análise são múltiplos e transversais para a actividade dos museus.

Ana Carvalho (AC) − Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Como é que observas a relação dos museus com as novas tecnologias? Que diagnóstico podes traçar?

Alexandre Matos (AM) − Vivemos numa época de transformação em diversos sentidos, com impactos ainda pouco estudados, em diferentes áreas. E, como reflexo, sentimos essa transformação nos museus enquanto instituições. Na relação dos museus com as tecnologias (já não as chamaria de novas) consigo ver um lado extremamente positivo e um lado também muito negativo que é o da exclusão e da impreparação das instituições para esta realidade.
Pela positiva verifico com agrado a quantidade impressionante de bons projectos que aliam o que melhor existe nos museus com as tecnologias mais recentes, colocando à disposição dos públicos uma quantidade enorme de recursos para fins educativos, de investigação, de entretenimento, entre outros. Há alguns casos que poderia apontar como exemplo, mas acho que todos estão um pouco atrás do que já é disponibilizado pelo Cooper Hewitt, em Nova Iorque. Bem sei que é um museu da Smithsonian e tem recursos para o fazer. Mas se consultarem o website do museu, explorarem as colecções ou se o visitarem, e acederem à nova experiência desenhada pela equipa do museu – integrando as tecnologias sem as tornar o foco da visita, mantendo em primeiro lugar as colecções – perceberão que poucos museus nos dão a informação tão bem tratada e organizada.

Pela negativa destaco, antes de mais, a falta de estratégia para o universo digital. É comum ouvirmos que as tecnologias são algo que, mais cedo ou mais tarde, têm que ser tidas em conta nos diversos sectores dos museus. Mas avaliando o caso dos museus em Portugal, que conheço melhor, são poucos os que definem uma estratégia para a área digital, e depois agem de acordo com o que planeiam a curto ou médio prazo. Não quero com isto dizer que as tecnologias sejam um fim, antes pelo contrário, são um instrumento para cumprir a missão dos museus, mas sem estratégia definida andamos constantemente a navegar à vista, sem objectivos claros, sem propósito.

Um outro aspecto negativo, que não tem directamente relação com as tecnologias, mas está a montante, é o que observo sobre a falta de formação existente na área da cultura digital de grande parte dos profissionais de museus e do escasso tratamento que o digital tem nos cursos de formação na área. Esta falta de formação, combinada com os escassos recursos humanos nos museus, nomeadamente os municipais, é a tempestade perfeita para desperdiçarmos a oportunidade para utilizar as tecnologias em benefício dos museus, das colecções e, acima de tudo, dos visitantes.

AC − Tem havido algum investimento na gestão de colecções, nomeadamente a criação de catálogos digitais. Como tem sido esta evolução e que passos são necessários dar ainda?

AM − O investimento em gestão de colecções que tem existido ao longo das últimas décadas é, na minha opinião, manifestamente escasso para as necessidades que existem nesta área. A determinada altura, durante o período do anterior quadro de financiamento europeu e no âmbito do POC (Programa Operacional da Cultura), tivemos um conjunto de iniciativas nesta área com resultados significativos. Está, aliás, por fazer um estudo mais aprofundado sobre o impacto do POC nesta matéria e noutras. No entanto, segundo o que observamos nos dados mais recentes sobre a digitalização do património cultural e o que vou constatando nos diversos museus que visito a nível profissional, há um enorme “oceano” de objectos, de colecções, que estão nas sombras, sem registos acessíveis, sem estudo, sem informação básica recolhida, porque a maioria dos museus mantém as portas abertas com um esforço sobre-humano e não tem a capacidade de manter uma equipa dedicada ao registo, estudo, catalogação e divulgação das colecções. É este, provavelmente, o maior entrave face às potencialidades que as tecnologias permitem actualmente. Mas poderia elencar outros factores de bloqueio, como a ausência da normalização dos conteúdos, o desconhecimento das normas, a preocupação constante com ferramentas em vez de uma preocupação em solidificar conceitos a médio e longo prazo, a ausência de planificação, já para não falar da estratégia ou da partilha de recursos e resultados.

Se nos centrarmos nos catálogos digitais existentes, veremos que reflectem um esforço dos museus num determinado momento. Mas quantos desses catálogos têm tido actualizações de conteúdos e de tecnologia? Há, para além do exemplo que citei na anterior questão, inúmeras soluções tecnológicas interessantes, com custos de implementação não muito elevados, mas a sensação que tenho é que as tutelas (uma parte delas pelo menos) pensam na publicação de um catálogo digital da mesma forma que pensavam num em papel. Ou seja, publica-se num website e está resolvido o problema – e já somos digitais! A publicação de um instrumento desta natureza implica um compromisso com os públicos online dos museus que deve ser entendido pelos que têm a responsabilidade de gerir os museus.

Julgo que um dos primeiros passos a dar sobre os catálogos digitais seria fazer um estudo mais profundo sobre o ponto de situação actual em Portugal, incluindo a participação dos museus portugueses na Europeana ou em projectos como a Wikipedia ou a Wikimedia, por exemplo. Seria interessante recolher essa informação e propor passos a seguir com base em informação mais sólida.

AC − Existem vários projectos a decorrer em museus nacionais portugueses, nomeadamente com o Google Art. Que desafios estão implícitos e qual pode ser o impacto destes projectos?

AM − O Google Art, ao contrário do que acontece com a Europeana, é um serviço prestado pela Google que tem méritos e benefícios para os museus e colecções em termos de visibilidade, no entanto, julgo que os museus deverão percorrer o seu caminho preparando-se previamente para este tipo de parcerias e definindo por si próprios as plataformas onde pretendem estar. Para dar um exemplo, que nos foi mostrado por Merete Sanderhoff (Danish National Gallery) na última conferência anual da Acesso Cultura, há imagens de objectos das colecções nacionais disponíveis com marca de água nos catálogos digitais dos museus da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) que estão disponíveis em alta resolução e sem qualquer restrição no Google Art. Não parece um contra-senso? Em todo o caso, soubemos também na mesma altura, pela voz de David Santos que essa situação estava identificada e seria em breve modificada. Sabendo que a relação com marcas de grande impacto como a Google, a Microsoft ou a Apple é sempre tentadora (e pode ser muito proveitosa se bem pensada pelos museus), julgo que os museus, nomeadamente os nacionais, terão que pensar previamente a sua relação com o mundo digital.

Se pensarmos em casos de sucesso a nível internacional, sabemos que isso não acontece do dia para a noite! Não acordamos a pensar que seria bom ter uma digitalização de todas as colecções dos museus portugueses e no dia seguinte acordamos com tudo digitalizado e publicado na Internet. Desde o momento em que se define uma política de colecções que contemple uma estratégia digital e um plano de documentação, e digitalização, até ao momento da sua concretização podem decorrer anos, aliás, decorrem vários anos. Num trabalho que não é visível e é extenuante em termos de recursos humanos, técnicos e financeiros e que não tem, maioritariamente o suporte institucional que merece. Recomendo a leitura do artigo de David Santos «O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online: o Caso do Rijksmuseum» (2016) ou, de forma mais aprofundada, o caso de estudo «Democratising the Rijksmuseum» de Joris Pekel da Europeana Foundation. Aí temos a noção do trabalho efectuado durante o período em que este museu esteve fechado para poder agora apresentar estes resultados no seu catálogo digital.

Respondendo de forma mais directa à parte final da pergunta, diria que os maiores desafios, são pensar onde queremos estar daqui a 10 ou 20 anos e definir uma política de colecções e uma estratégia digital que nos possam levar a esse ponto.

AC − Os museus, assim como outras organizações de serviço público, terão de se actualizar para melhor responder a cidadãos mais proficientes no mundo digital, em termos da adequação de meios (tecnológicos, humanos e financeiros). No caso da política museológica nacional, até que ponto estão incorporadas estas preocupações?

AM − Respondo de forma provocatória: a que política museológica nacional te referes? Onde é que ela está nos últimos tempos? Eu sou da geração de profissionais de museus que começou a trabalhar nos anos 1990, ainda esta área digital era uma miragem em Portugal, mas que viveu com entusiasmo a criação de instrumentos como a Rede Portuguesa de Museus (RPM) e a aprovação de uma Lei-Quadro de Museus Portugueses (2004) que, em muitos pontos, foi inovadora. Vivi a criação do Instituto Português de Museus e confesso que na altura imaginei que teríamos os instrumentos, do ponto de vista formal, para colocar os museus no lugar onde deviam estar – como lugares de referência para o debate, educação e inovação. Mas, ao contrário do que pensava na altura, hoje temos uma DGPC que cuida de uma diversidade enorme de assuntos com menos meios, uma RPM que é um departamento dessa Direcção-Geral, numa visão absolutamente centralizadora sobre os museus e a museologia nacional, e uma Lei-Quadro que é muito facilmente esquecida pelo poder político (às diversas escalas) que faz o que bem entende no que diz respeito à criação ou apoio a museus das mais variadas tutelas. Se voltámos atrás em todas estas matérias, como podemos pensar o futuro e a integração de recursos tecnológicos, humanos e financeiros que possam lidar com as expectativas dos nossos públicos relativamente ao que é digital? É complicado. Ainda mantemos, em grande medida, os mesmos programas de formação na oferta da RPM, por exemplo. Os profissionais de museus são confrontados com estes desafios, mas não têm os instrumentos que os ajudem a enfrentar as novas questões e áreas.

Eu espero que a breve trecho haja uma tomada de consciência relativamente à política museológica nacional e que o governo, as diferentes tutelas e os diversos responsáveis do sector se sintam pressionados a dar atenção aos problemas que sentimos desde que se instalou este “esquecimento”! Também sei que o ICOM Portugal tem tomado posição e alertado para algumas situações que mencionei, mas julgo que nos cabe a todos, enquanto profissionais, ou melhor, enquanto cidadãos, pensar o que pretendemos para os museus e agir em conformidade, exigindo aos responsáveis políticos os recursos necessários para um desenvolvimento sustentável e consolidado dos museus portugueses.

Se consolidarmos estes recursos será mais simples pensar, em termos nacionais, em incorporar na política museológica nacional os instrumentos que permitirão aos museus dar uma resposta cabal aos desafios do mundo digital. Seria mais simples, por exemplo, pensar numa efectiva partilha de recursos técnicos e humanos pelos museus que integram a RPM para a digitalização das colecções, seria mais fácil desenhar programas de formação informados sobre os objectivos definidos, permitiria o desenho de projectos com um portal de pesquisa global para as colecções, arquivos e bibliotecas de museus, entre outros exemplos. No entanto, julgo que teremos que esperar mais algum tempo para merecer a atenção de quem decide!

AC − Para além da limitação de recursos que outros desafios enfrentam os museus portugueses na aplicação das tecnologias?

AM − Eu identifico à partida dois grandes desafios que estão interconectados: a análise das tendências e da obsolescência tecnológicas. Uma e outras estão interligadas e são muito importantes na análise que os especialistas precisam de fazer antes de adoptar determinada tecnologia. Vou tentar explicar com exemplos mais práticos. Imaginemos que optamos por incluir, em determinada exposição, uma mesa digital que nos permite, através de um software específico, interagir com determinados conteúdos relacionados com uma exposição. Este hardware, e muitas vezes o software, tem um período de vida curto, fruto das constantes actualizações dos sistemas operativos que os suportam, ou da inexistência de peças compatíveis para substituir alguma usada, entre outras situações. O software também necessita de actualizações e de correcções ao longo dos anos. Um e outro podem ter custos de operação elevados e uma manutenção tão específica que se torna incomportável para os museus em Portugal (imagino que muitos já terão visto exposições em que este tipo de hardware estava desligado, não?). No entanto, não vejo a preocupação com este tipo de situações reflectida em muitos dos cadernos de encargos que vou consultando.

Aliás, como a tecnologia é ubíqua, estes desafios das tendências e da obsolescência tecnológica aplicam-se a qualquer área relevante para o trabalho nos museus. Na documentação, por exemplo, sendo a área que mais domino, percebemos há muitos anos atrás que a melhor forma de combater o entusiasmo por uma nova tendência ou o perigo de falência de um sistema de informação por estar completamente ultrapassado, é através da “arma” da normalização. Ou seja, normalizamos processos, estruturas de informação, procedimentos, terminologia, recursos técnicos, etc., tendo em mente que dessa forma podemos mudar para um novo sistema de informação, substituindo um que se tornará obsoleto a breve prazo, sem correr um risco demasiado elevado.

Julgo que o mesmo poderá acontecer, certamente com outras “armas”, nas áreas da conservação, educação e divulgação nos museus. As ferramentas que utilizam devem considerar o carácter permanente deste tipo de organizações, sem deixar de considerar que os museus são, ou devem ser, lugares de discussão permanente com uma função social cada vez mais relevante, que criam produtos (visitas, exposições, metodologias de conservação, entre outros) que não devem ficar reféns de determinada tecnologia.

A partir daqui poderíamos falar em LOD (Linked Open Data) ou acesso aberto, por exemplo, como outros desafios importantes que os museus têm pela frente. Mas isso daria um dia inteiro de conversa…

AC − Meio físico vs meio digital? Parte-se do princípio que um não exclui o outro… Como se alcança esse equilíbrio?

AM − Alcança-se o equilíbrio sem perder muito tempo com a discussão sobre uma suposta aniquilação do primeiro pelo segundo que é, desde os primeiros temores sobre os museus virtuais, completamente vazia. Por muito que os desenvolvimentos tecnológicos possam alterar a nossa vida de forma significativa, como o têm feito nas últimas décadas, não me parece que os museus vejam o seu fim com a digitalização dos seus espaços e das suas colecções. É uma falácia. Aliás, sobre esta matéria e de uma forma mais geral, relacionada com o futuro da Humanidade, vários autores afirmam que é a cultura, as artes, a literatura, a filosofia, a linguística, ou seja, áreas com lugar privilegiado nos museus que nos permitirão contrabalançar a omnipresença das tecnologias nas nossas vidas. Ainda recentemente ouvi o cientista António Damásio e outros especialistas falar sobre este ponto no documentário 2077 – 10 Segundos para o Futuro, produzido de forma brilhante pela RTP.

No entanto, devemos ter o cuidado de desmistificar esta relação entre o meio físico e o meio virtual com alguns dados científicos que nos mostram a interligação entre o aumento das visitas físicas aos museus e a disponibilização da informação sobre as colecções e o museu online de determinados museus. E poderíamos levantar aqui algumas outras vantagens do virtual sobre o físico. Em termos de educação e acesso, em termos de segurança, com a criação de sistemas de informação sobre património cultural em risco e/ou roubado, ou ainda, no que diz respeito às indústrias criativas e à utilização das colecções como ponto de partida para novas criações e produtos. Há inúmeras situações onde essa vantagem é observável facilmente. Eu costumo dizer que não podemos ter todos uma primeira edição dos Lusíadas, uma carta escrita pela mão do Fernando Pessoa, uma pintura do Amadeo de Souza-Cardoso, mas se pudermos ter no ecrã uma boa digitalização dessas obras que permita a sua apreciação, que nos provoque a necessidade de ver o original, que nos emocione, teremos, como o código postal, meio caminho andado, não é? Eu vi pela primeira vez a informação sobre as exposições que a Gulbenkian e o Museu Nacional Soares dos Reis organizaram (em Lisboa e agora no Porto) sobre o Almada Negreiros na Internet, mas não deixei de ir a ambas e devo dizer que ganhei muito com isso.

AC − Repensar os museus na sua relação com o mundo digital pressupõe também lideranças mais informadas e capacitadas de modo a integrar a transformação digital na missão e estratégia de cada museu. Como observas esta questão? Que passos podem ser dados?

AM − Esta é uma questão para nós que trabalhamos em museus, num museu, e que a determinada altura assumimos ou pensamos em assumir cargos que impliquem pensar e decidir o futuro. Em Portugal, fruto do esvaziamento que observamos, das competências dos cargos de direcção dos museus, ou mesmo com a extinção desses cargos, colocamos este tipo de decisões nas mãos de pessoas que poderão não ter as competências para o fazer. Um vereador da cultura, numa das centenas de câmaras municipais do país, não terá a capacidade, que um museólogo ou um conservador de museu tem, para reflectir sobre o papel que o museu deve ocupar em determinada comunidade ou território. No entanto, se reflectirmos sobre a situação ideal é necessário que quem desenha as políticas e quem as executa, tenha sempre em consideração o tempo em que vive. Se não o fizer, corre o risco de criar um museu que serve apenas uma franja muito curta de públicos, ideia que espero estar ultrapassada. Quero com isto dizer que, por mais resistências que existam – e ainda existem algumas – com o mundo digital, no museu actual a sua inclusão é uma necessidade. Não integrar essa transformação digital na missão e estratégia dos museus é descurar todos os aspectos em que as tecnologias trazem vantagens e, acima de tudo, é deixar de parte uma geração que utiliza as tecnologias diariamente para quase todas as actividades. Desde o turismo, à indústria, passando pelo comércio, pelos serviços, em qualquer escala que possamos imaginar, as tecnologias são um dado adquirido. É assim que julgo que os líderes nos museus devem contemplar a sua inclusão.

Não podemos esperar que todas as pessoas tenham o mesmo tipo de conhecimentos nesta área que lhes permita reflectir sobre esta área de uma forma global, mas há especialistas no mercado, há empresas que trabalham especificamente neste sector, há alguma formação genérica nesta área (infelizmente quase toda fora do país) que podem ajudar os museus a lidar com esta matéria. Um outro caminho a explorar seria incluir esta questão nas competências de uma RPM refundada e mais participativa, transpondo para Portugal o que a American Alliance of Museums e o Arts Council (UK) têm feito.

AC − Um dos argumentos que sustenta a necessidade dos museus abraçarem as tecnologias é a oportunidade de conquistar os públicos mais jovens – os nativos digitais, que no seu quotidiano utilizam já novas formas de aceder à informação. Mas não há também o risco de um museu demasiado tecnológico excluir outros públicos que não são porventura seduzidos pelo aparato tecnológico?

AM − Esse é o equilíbrio que se mencionava atrás e que é fundamental perceber. Como disse, não se trata de uma aniquilação de um lado pelo outro, mas sim uma integração ponderada e não invasiva das tecnologias. Há formas de o fazer e há museus, como é o caso do Cooper Hewitt, que referi anteriormente, que o conseguiram com enorme sucesso. O desenho daquilo a que o museu chamou New Experience é um processo que deveria ser observado por muitos museus, e digo observado e não copiado, para que cada um fosse capaz de pensar nas melhores soluções de integração tecnológica em benefício dos seus públicos e das suas colecções. Um erro comum nestes processos é pensar que uma solução serve para qualquer circunstância e copiar algo que teve sucesso num outro local, para o nosso contexto, no entanto, as circunstâncias num e noutro lado raramente são as mesmas e os alicerces sólidos que sustentaram o sucesso noutro lado, podem não existir quando o importamos.
Aqui o conhecimento sobre os públicos dos museus e o conhecimento sobre as colecções são fundamentais para a escolha do aparato tecnológico que permite a mediação entre ambos. Esquecer um dos lados da equação museu-público-colecção é entregar a estratégia digital do museu ao acaso, ou seja, é o mesmo que não ter um rumo e objectivos definidos.

AC − A necessidade de qualificar ou actualizar os profissionais de museus no domínio das competências digitais é um outro desafio. O que pode ser feito?

AM − O que pode e está a ser feito nesta matéria é criar novas formas de aquisição destas competências pelos profissionais dos museus. O ICOM Portugal tem, aliás, nesta matéria, como noutras, um papel activo com a participação no projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2019) [575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA], que tem como objectivo identificar um conjunto de perfis de trabalho nos museus e criar produtos de formação, na forma de MOOC (Massive Open Online Courses), seguido de um curso de especialização, que procurarão dotar os profissionais com as competências digitais necessárias para enfrentar estes desafios. É um projecto que estou a gerir, em representação do ICOM Portugal, no qual está também envolvida a Universidade do Porto e a Mapa das Ideias, que espero possa vir a marcar a diferença no contexto da formação em Portugal para o sector dos museus.

Um outro aspecto fundamental, na minha opinião, é uma maior aproximação entre os museus e as universidades para debater as necessidades dos primeiros não cobertas pela oferta das segundas. Mantemos, em muitos casos, cursos de formação na área da museologia sem grandes alterações durante anos, sem qualquer preocupação com as questões levantadas pela cultura digital, inovação e tecnologia. Alteramos quase toda a oferta formativa para cursos de pós-graduação, mestrado e doutoramento, esquecendo que uma parte significativa do trabalho nos museus é relacionada com a prática. Ou seja, precisamos de formação que ensine como limpar um objecto, a documentar uma colecção, a produzir uma exposição, a receber visitantes, a mediar o conteúdo com os públicos, entre muitos outros aspectos práticos. As anteriores pós-graduações de dois anos permitiam esse tipo de ensino mais prático que julgo ser cada vez mais necessário.

Este tipo de formação poderia também lidar com algumas competências digitais de carácter mais técnico que são fundamentais para a integração das tecnologias nos museus. Em Portugal, na área da documentação, digitalização e gestão das colecções há uma escassez enorme de recursos com as competências apropriadas para desempenhar as tarefas aí exigidas, não só pela ausência da formação, mas também porque grande parte das tutelas ainda não percebeu a mais-valia que esse trabalho de bastidores pode representar para os museus em particular e, indirectamente, para outros sectores como o turismo, por exemplo. Talvez este espaço volte a ser ocupado pelas universidades – não sei, mas sei que é o único caminho para que os profissionais, actuais e futuros, possam adquirir as competências necessárias. Neste caso, a formação em contexto de trabalho, que funciona/funcionou durante muito tempo nos museus (uma nota aqui para alertar para o perigo que os museus estão a enfrentar com a quebra deste tipo de formação), com a transmissão do conhecimento dos mais velhos para os mais novos em muitas áreas, não tem como ser efectiva, porque as gerações anteriores não têm, na sua maioria, o conjunto de competências agora necessárias.

AC − Que mudanças são expectáveis para os museus nos próximos anos com relação às tecnologias?

AM − As mudanças que iremos ter que enfrentar prendem-se com diversos tipos de tecnologias. No que diz respeito aos sistemas de informação de museus teremos que enfrentar questões relacionadas com a web semântica, com a definição de melhores normas documentais, com a alteração de modelos sustentados por bases de dados relacionais, para modelos em bases de dados documentais, ou em termos mais técnicos, bases de dados No-SQL e com as novidades tecnológicas trazidas pelo próprio desenvolvimento da Internet, dos sistemas operativos e das linguagens de programação. Mas há outras áreas, como a divulgação, por exemplo, que terão de lidar com um aumento considerável de tecnologias na área da realidade virtual, por exemplo, ou com a entrada da robótica em conjunto com sistemas (ainda muito básicos) de inteligência artificial que terão no sector cultural um meio privilegiado de experimentação e desenvolvimento. Neste sentido, também a indústria dos jogos e do entretenimento terá uma relação cada vez mais próxima com os museus e com o património cultural em geral, mas aí seremos nós os fornecedores e eles os consumidores de conteúdos e de histórias que possam diferenciar os produtos que criam.

De forma mais genérica julgo que o sector dos museus sofrerá em todo o mundo uma mudança significativa na próxima década. Em muitos casos, vemos que os museus estão a abraçar essa onda de mudança, nomeadamente os museus com mais recursos, criando as bases para uma integração com o universo digital numa posição de liderança. Mas julgo que essa mudança terá velocidades distintas, sofrerá inevitavelmente recuos que permitirão alguns avanços posteriormente, mas o universo digital ocupará a breve prazo um lugar significativo, mas não intrusivo, nos museus.

Eu confesso-me curioso pelo futuro, pouco dado a saudosismos, mas atento à qualidade da transformação, para não retrocedermos nas questões realmente importantes. Penso que as tecnologias ajudarão a criar museus mais abertos e com maior significado para os públicos. Se assim for, estaremos no bom caminho!

Referências

Santos, David. 2016. “O Museu Inimaginado. Mediação e Coleções Online − o Caso do Rijksmuseum.” RP − Revista Património 4: 51-55.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 11.º número do Boletim do ICOM Portugal (“Entrevista com Alexandre Matos.” (conduzida por Ana Carvalho) Boletim ICOM Portugal, série III (Fev. 2018.): 22-36.

Museus hiperconectados, que desafios e perspectivas? Tema em destaque no Boletim do ICOM Portugal

O 11.º número do Boletim do ICOM Portugal toma como fio condutor os “Museus Hiperconectados: Novos Desafios e Perspectivas”, em sintonia com o tema proposto pelo ICOM para o Dia Internacional de Museus de 2018. No mesmo sentido, também as Jornadas de Primavera do ICOM Portugal (5 de Março, no Palácio da Ajuda) são dedicadas a este tema (cf. programa).

Vivemos numa sociedade cada vez mais tecnológica e digital. Sendo uma tendência “mainstream” é expectável que traga impactos também para os museus. Importa, por isso, adaptar os museus a novas formas de comunicação contemporâneas, tirando partido das tecnologias e do mundo digital para uma maior partilha de conhecimentos sobre as colecções, e estabelecer mais ligações à sociedade.

Tendo em conta as possibilidades que o desenvolvimento das tecnologias e do mundo digital oferecem em termos de novas soluções e aplicações, estes aportes podem ter implicações em pelo menos duas dimensões. Por um lado, na forma como os museus se organizam internamente, visando processos de gestão mais eficientes e ágeis (ex. gestão de colecções e arquivos, mas também de processos de trabalho). E, por outro lado, no modo como os museus comunicam o conhecimento produzido sobre as suas colecções, oferecendo experiências significativas, seja em contexto físico, seja em ambiente digital. Responder a estes desafios é, portanto, uma questão que atravessa todas as áreas de actuação dos museus (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos), desde o trabalho de bastidores à frente de casa.

Mas de que modo estão os museus a responder aos desafios da integração das tecnologias e do mundo digital? Que desafios e perspectivas? Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla, por um lado, por via de um mapeamento de problemas ou desafios neste campo e, por outro lado, uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas.

O artigo (Em Foco) de Maria José de Almeida situa estas questões do ponto de vista dos sistemas de informação dos museus − e demais instituições de memória − e a sua desejável interoperabilidade. Como lembra a autora, «para hiperconectar os públicos com os museus temos que, a montante, hiperconectar também a informação que guardamos nos museus» (p. 13). Neste ponto, e de acordo com os dados apresentados quanto ao panorama museológico português perspectiva-se ainda um enorme caminho a percorrer.

Em Perspectivas, incluem-se dois textos de opinião, o de André Coelho, do lado do tecido empresarial que concebe soluções tecnológicas para o sector, e o de Fabio Miguel Leite que integra a equipa do Museu do Benfica, um museu que incorpora várias soluções tecnológicas nas suas exposições.

Finalmente, uma entrevista com Alexandre Matos, na qual se reflecte, de forma alargada, sobre muitos dos desafios que estão implícitos numa gestão equilibrada que vise integrar as tecnologias e o mundo digital nos museus.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de Emília Ferreira, directora do Museu Nacional de Arte Contemporânea − Museu do Chiado desde 1 de Dezembro de 2017.

O boletim inclui ainda, como habitual, vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional; e ainda uma selecção de publicações (sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional), assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O próximo boletim (Junho) será enquadrado nas propostas de reflexão lançadas pelo Ano Europeu do Património 2018.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/2018/02/26/boletim-icom-portugal-serie-iii-n-o-11-fev-2018/

 

****

ÍNDICE

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 11, Fevereiro 2018
“Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos”

03 | Editorial, por Ana Carvalho
07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro
10 | Breves

12 | Em Foco: Integrar para Hiperconectar: O Desafio do Uso da Tecnologia nas Instituições de Memória, por Maria José de Almeida

Perspectivas
17 | Tecnologias: um fim ou um meio? (I), por André coelho
20 | Tecnologias: um fim ou um meio? (II), por Fábio Miguel Leite

22 | Entrevista com Alexandre Matos, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
37 | Relevância: Estamos a Fazer o Suficiente, por Maria de Jesus Monge e Mário Nuno Antas
40 | Lei-Quadro dos Museus e Descentralização: Que Caminhos?, por Maria de Jesus Monge
43 | O Valor das Colecções dos Museus, por Clara Frayão Camacho
46 | Que Museus e Comunidades no Séc. XXI?, por Mário Nuno Antas
49 | Desafios Digitais para os Museus: Perfis Profissionais, Tarefas, Competências e Formação, por Alexandre Matos

52 | Museus & Pessoas: Emília Ferreira, por Ana Carvalho

Publicações
60 | Sugestões de leitura
61 | Novas edições

Agenda
65 | Conferências, encontros, debates
69 | Formação
70 | Chamada para propostas

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado à colecção Vilhena de Escultura

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena é o décimo volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, especialidade Museologia e em Património Artístico) de Maria João Vilhena de Carvalho (conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga) apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Rafael Moreira e de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento aconteceu a 23 de Janeiro de 2018, no Museu Nacional de Arte Antiga, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

****

O comandante da marinha Ernesto Jardim de Vilhena (1876-1967) foi o mais importante colecionador de arte em Portugal na primeira metade do século XX e os núcleos da coleção, alienados após a sua morte, persistem como referências no património nacional português. Em 1969, através da aplicação de mecanismos que prefiguraram a doação em pagamento, 1500 esculturas foram doadas ao Estado pelos herdeiros e incorporadas no Museu Nacional de Arte Antiga, o que resultou na alteração da identidade da histórica coleção museológica retratada neste trabalho.

A narrativa parte da biografia cultural dos objetos artísticos para apresentar o perfil de Ernesto de Vilhena e o seu modo de colecionar, desvendando a aura que o transformou numa personagem mítica. Senhor de uma fortuna adquirida na gestão colonial, dedicou toda a energia a construir o programa científico de uma «empresa colecionista» com o objetivo de criar «um feito memorável para Portugal», imbuído do valor de «resgate» da sua história, desenvolvendo um método que o diferenciou dos outros colecionadores por refletir o seu singular entendimento da história da escultura e do património nacionais. Do território onde foi coligida, a escultura passou à Casa Vilhena e dali para o Museu Nacional de Arte Antiga, no decurso de um resgate inédito na história do património cultural português sob tutela do Estado. Com a crónica da doação dos herdeiros de Vilhena fecha-se o círculo e completa-se a ambição do colecionador, fazendo retornar as esculturas ao domínio público da arte e da história portuguesas.

Maria João Vilhena de Carvalho (Pinhel, 1968) é licenciada em História, Variante de História da Arte e Doutora em História da Arte, Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2014), é investigadora integrada do Instituto de História da Arte e colaboradora do Instituto de Estudos Medievais na mesma Universidade. Foi Bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia e investigadora do projeto «Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal» (2010-2013).

Conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga responsável pela Coleção de Escultura, desde 2000, tem comissariado e participado em exposições em Portugal e no estrangeiro e integrou a equipa que concebeu a renovada exposição permanente de Pintura e Escultura Portuguesas do MNAA (2016).

Tem-se dedicado à investigação nas áreas da museologia, museografia, inventário do património artístico, história da imagem, história da escultura, colecionismo e da biografia cultural dos objetos, contando com publicações editadas no quadro de todas estas temáticas, destacando-se a participação em O Sentido das Imagens, a autoria das Normas de Inventário. Escultura (2004), a “Contribuição para a história do Museu de Escultura em Portugal” (2012) e um alargado conjunto de textos sobre a escultura portuguesa do património nacional editados desde 1994.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

7 | CAPÍTULO I – ERNESTO JARDIM VILHENA: A FORMAÇÃO DO COLECIONADOR
9 | A Família Jardim de Vilhena
34 | Curriculum Vitae
104 | O Mwata Kumandante, senhor que escrevia a verde. A construção do império e da fortuna

137 | CAPÍTULO II – A COLEÇÃO VILHENA. ARQUITETURA DE UMA COLEÇÃO NACIONAL DE ESCULTURA
139 | O Colecionador e a Coleção
144 | Colecionar património português
175 | Coleção Vilhena: uma empresa colecionista familiar
207 | A Escultura entre os Núcleos da Coleção Vilhena
243 | Lisboa, Rua de São Bento 183-187: conservação e exposição da coleção particular
248 | O Processo da Doação Vilhena

285 | CAPÍTULO III – DO PRIVADO AO PÚBLICO. A COLEÇÃO DE ESCULTURA DE ERNESTO VILHENA NO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA 
288 | A construção da história da imagem esculpida no Museu Nacional de Arte Antiga
352 | A Coleção Vilhena no Museu Nacional de Arte Antiga
369 | Sérgio Guimarães de Andrade: o Sentido das Imagens enquanto história da escultura portuguesa do séc. XIV ao século XVIII

387 | Notas
455 | Fontes e Bibliografia
485 | Índice Remissivo
487 | Agradecimentos

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, e Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Património industrial é tema do novo livro da colecção Estudos de Museus

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial é o nono volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Maria da Luz Sampaio apresentada à Universidade de Évora em 2015 (orientação de Margaret Lopes e Ana Cardoso Matos). Em 2016, a tese foi distinguida pela APOM (Associação Portuguesa de Museologia) com o prémio de “Melhor Estudo de Museologia”.

Será lançado no próximo dia 15 de Dezembro (sexta-feira) no Museu Nacional Soares dos Reis (Porto), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Álvaro Domingues.

****

O património industrial possui um significado que vai para além do seu uso e aspeto físico, modelo ou marca. Trata-se de testemunhos de técnicas desaparecidas, de processos de trabalho, de usos e de memórias, objetos que são eles próprios documentos que permitem compreender os contextos industriais do mundo do trabalho e das suas transformações sociais. O património industrial móvel é aquele que mais facilmente é fragmentado, vandalizado, vendido ou mesmo abandonado no interior dos edifícios industriais. Ao serem retirados dos seus contextos, esquecidos e transformados em sucata, os acervos privam os edifícios de serem lidos dentro de uma lógica funcional. Uma vez esvaziados, estes perdem os seus referenciais técnicos e tornam-se comuns armazéns industriais, prontos para serem reutilizados ou transfigurados.

Esta obra apresenta uma reflexão em torno do património industrial móvel, ou seja, dos acervos compostos por maquinaria, utensílios, instrumentos de precisão, peças de reposição, manuais, catálogos e revistas técnicas, em particular as coleções técnico-industriais. O livro procura apontar caminhos metodológicos para o seu estudo e conhecimento e promover a sua valorização e salvaguarda. Pretende ir mais longe, buscando novas abordagens que colocam o objeto como ponto de partida para o estudo da cultura material e o tornam uma fonte para a história da técnica e da indústria, funcionando como um documento que se cruza com outras fontes.

Em suma, este livro pretende responder a um conjunto de questões: Qual o papel da cultura técnico-industrial nas sociedades pós-modernas? O que podemos aprender a partir dos objetos técnico-industriais nos museus? Que metodologias podemos utilizar para valorizar esta cultura material?

Maria da Luz Sampaio é licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP); Pós-graduada em Museologia Social pela Universidade Lusófona; Mestre em Estudos Locais e Regionais pela FLUP; Doutorada em História e Filosofia da Ciência, especialidade de Museologia pela Universidade de Évora.

Em 1992 participou no projeto de investigação do Inventário do Património Industrial da Cidade do Porto e em 1996 no programa museológico e na abertura do Museu da Ciência e Indústria do Porto. De 2000 a 2011 assumiu funções de Diretora do Museu da Indústria do Porto, responsável pela gestão de coleções, programação e serviços educativos.

Autora de livros e artigos sobre reconversão e musealização de edifícios industriais, programação museológica, museus e património industrial, história da técnica, da indústria e da eletricidade. É investigadora integrada no CIDEHUS – Universidade de Évora, bolseira de Pós-Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia com o projeto “História do Ensino da Engenharia em Portugal (1911-1960)” e membro do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Colabora atualmente em vários projetos no âmbito da História da Engenharia e do património técnico e industrial.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 5

CAPÍTULO I – O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL NA ATUALIDADE: EMERGÊNCIA E DESAFIOS
1. O «património» em perspetiva histórica | 20
2. Reflexões em torno das Cartas e Convenções sobre o «património cultural» | 23
3. A patrimonialização da sociedade industrial | 33
4. O «património industrial» em Portugal | 43
5. As relações entre património industrial móvel e imóvel | 47
6. A patrimonialização dos objetos técnico-industriais | 52

CAPÍTULO II – OS OBJETOS-ARTEFACTOS TÉCNICO-INDUSTRIAIS: IDENTIFICAÇÃO E MÉTODOS DE ANÁLISE
1. Os objetos da cultura material como fonte histórica | 60
2. A cultura material: o papel dos artefactos técnicos | 67
3. Leituras dos objetos técnico-industriais | 71
4. Biografia dos objetos | 76
5. Contextos de significação dos objetos | 88
6. Modelos de estudo dos objetos: de E.Mcclung a Marta Lourenço e Samuel Gessner | 94

CAPÍTULO III – REPRESENTAÇÕES DO PATRIMÓNIO INDUSTRIAL DO PORTO: COLEÇÃO E MUSEU
1. O museu como representação da sociedade industrial | 101
2. O Porto: a cidade industrial em perspetiva – séculos XIX e XX | 108
3. Desindustrialização, terciarização e deslocalização da indústria portuense | 135
4. O Inventário do Património Industrial do Porto | 139
5. O projecto do Museu da Ciência e Indústria | 141
6. A criação da AMCI – Associação para o Museu da Ciência e Indústria | 145
7. Abertura do Museu da Ciência e Indústria | 149
8. Constituição da coleção do Museu da Indústria do Porto e sua representatividade no processo de industrialização da região do Porto | 165

CAPÍTULO IV – O ARTEFACTO ‘MOTOR ELÉTRICO’: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE UM ESTUDO DE CASO
1. O motor elétrico: seleção de um metódo de análise | 192
2. Descrição do motor elétrico | 196
3. O motor elétrico na coleção do Museu da Indústria do Porto | 202
4. Análise diacrónica – os contextos histórico-científicos “do nascimento do motor elétrico até aos nossos dias” | 215
5. O motor elétrico no mercado português | 238
6. Aspetos singulares e descritivos do motor elétrico ASEA | 253
7. O motor elétrico no museu: fonte histórica e objeto museológico | 274
8. O motor elétrico: objeto promotor de uma pesquisa interdisciplinar | 282

CONCLUSÕES | 289

Fontes e Bibliografia | 296
Agradecimentos | 339

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, e Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” conta a história dos antecedentes do Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu é o oitavo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Emília Ferreira apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2010 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

Será lançado no próximo dia 21 de Novembro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de António Filipe Pimentel.

****

Durante várias décadas do século XIX, as elites portuguesas reclamaram a organização, em Lisboa, de um Museu Nacional de Belas Artes. A sua concretização teimou em tardar. Até que, em 1881, um convite para a realização de uma exposição de arte ornamental Portuguesa e Espanhola num museu de Londres levou a comissão portuguesa envolvida na organização a pensar repetir e ampliar a iniciativa em Lisboa. Sonhava-se já com a instalação subsequente do museu, mas nem por isso a exposição foi considerada como um mero degrau para esse velho sonho. Pelo contrário: todos os pormenores da sua organização foram pensados com rigor e a ambição de se fazer o melhor que se sabia.

A 12 de janeiro de 1882, o Palácio Alvor abria as portas à Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portugueza e Hespanhola. Primeira exposição em Portugal (e uma das primeiras do mundo) a contar com iluminação elétrica, catálogo com ilustrações e até um volume de fototipias da autoria de Carlos Relvas, envolveu a cidade e o país num momento de entusiasmo cultural. Inaugurada nesse frio dia de inverno, com pompa e circunstância, e contando com a presença dos reis de Portugal e de Espanha, a exposição viu ampliadas as festas às ruas de Lisboa e ao Tejo.

Os trabalhos da comissão organizadora, liderada por Delfim Guedes, proporcionaram à imprensa nacional uma apaixonada discussão sobre arte e cultura, algo inédito entre nós, e contribuíram para o conhecimento internacional da arte nacional.

Quando encerrou as suas portas ao público, em junho desse ano, a exposição tinha sido vista por várias dezenas de milhar de visitantes, transformando-se na primeira iniciativa block buster em Portugal. Dois anos depois, o Palácio Alvor abriria as suas portas ao Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia, atual Museu Nacional de Arte Antiga. É a história desse que, até prova em contrário, permanece o mais notável acontecimento cultural do século XIX no nosso país, que aqui se conta.

Emília Ferreira (Lisboa, 1963) é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Historiadora de Arte e autora de ficção, é investigadora integrada do Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa), na linha Museum Studies, e investigadora associada aos projetos Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC) Connections Grant – “Gender Justice, Adult Education and Curatorial Dreaming: A Workshop and Exhibition” (University of Victoria, British Columbia, Canadá) e SSHRC Insight Grant – (En)Gendering New Narratives, Representations and Pedagogies: A Feminist Study of Adult Education and Exhibitory Praxis in Public Museums in Canada, Europe and the USA (University of Victoria, British Columbia, Canadá).

Curadora de exposições de artes plásticas e educadora, é colaboradora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1997, e membro da equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, desde 2000.

Desenvolve investigação sobre museologia, museografia e cultura, o ensino artístico, os museus e as artes, na época contemporânea, questões de género; expressões e diversidade do desenho na arte contemporânea, curadoria e educação pela arte.

Tem organizado e participado em conferências e colóquios em Portugal e no estrangeiro e publicado artigos nas diversas áreas de interesse. Publicou várias dezenas de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas, nacionais e estrangeiros. Tem-se dedicado também à divulgação de temas culturais para o grande público, destacando-se o recente trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, e Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

****

ÍNDICE

Introdução

Capítulo I – Londres, 1881. Conhecer e reconhecer as artes ornamentais peninsulares e antecedentes de uma exposição

Capítulo II – A Península Ibérica em Londres. Bastidores e imagem de uma exposição

Capítulo III – A preparação da Exposição de Lisboa. Portugal em vias de se apresentar “desassombradamennte perante a Europa”

Capítulo IV – Sobe o pano. Lisboa em festa

Capítulo V – Antes de fechar as portas

Conclusão

Bibliografia

Índice remissivo

Agradecimentos

 

Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação – Projecto Mu.Sa

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Por Ana Carvalho

Damos nota neste texto sobre a conferência realizada no âmbito dos trabalhos que decorrem do projecto Mu.SaMuseum Sector Alliance (2016-2019) no qual o ICOM Portugal é parceiro.[1] O projecto tem como objetivo criar um conjunto de ferramentas educativas que promovam o desenvolvimento de competências digitais nos profissionais de museus, através de sistemas de formação em e-learning, onde se inclui a concepção de um MOOC (Massive Open Online Courses). A conferência Re-designing Museus. Digital Skills for Change and Innovation (13 de Julho) realizou-se no seguimento de dois dias de reuniões internas do projecto e visou apresentar publicamente o projecto e os resultados da investigação já obtidos, mas também prolongar a discussão com outros profissionais do sector, cimentando ou contraponto ideias sobre esta matéria. O evento teve lugar em Roma, na Link Open University, um dos parceiros do projecto.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

A conferência estruturou-se em três momentos distintos. O primeiro consistiu na apresentação do projecto por Achilles Kameas (Hellenic Open University), coordenador do Mu.Sa, sobre os objectivos e resultados alcançados até ao momento. A segunda intervenção coube a Antonia Silvaggi (MeltingPro Learning), coordenadora do trabalho desenvolvido na primeira fase do projecto, que consistiu no levantamento das necessidades dos profissionais de museus na área das novas tecnologias no contexto português, grego e italiano. Neste sentido, pretendeu-se compreender de que modo os museus estão a responder aos desafios das novas tecnologias e do digital nas várias áreas de actuação (gestão, comunicação, educação, exposição, gestão de colecções e envolvimento de públicos). Uma outra dimensão analisada nos três países foi o mapeamento da formação formal e não formal na área da Museologia e em que medida se tem (ou não) introduzido as novas tecnologias e o digital nos curricula académicos e nos planos de formação profissional. No contexto desta conferência, Antonia Silvaggi, focou-se na apresentação de uma síntese de dez aspectos (Digital Transformation Decalogue) identificados a partir da investigação desenvolvida, e entendidos como elementos-chave que podem contribuir para a transformação digital nos museus. São os seguintes: 1) desenvolver uma liderança forte que suporte uma mudança de mentalidades no repensar da passagem de processos já existentes para o digital; 2) promover a confiança digital em todos os membros da equipa do museu; 3) apoiar o desenvolvimento profissional de forma continuada em relação às novas tecnologias; 4) conhecer as necessidades dos públicos para implementar experiências significativas; 5) desenvolver as soft skills mas também as competências digitais; 6) aprender com os pares e com os públicos; 7) apoiar a digitalização das colecções e dos arquivos; 8) mudar no sentido de abordagens mais abertas; 9) proporcionar um ambiente seguro onde se pode experimentar enquanto processo de erro e tentativa; 10) melhorar as colaborações internas e externas.

O segundo momento do encontro centrou-se em dois estudos de caso distintos, com a intervenção dos responsáveis pelos departamentos de novas tecnologias do Victoria & Albert Museum (Londres) − por Duncan Gough −, e do Museo Nazionale della Scienza e della Tecnologia Leonardo da Vinci (Milão) − por Paolo Cavalotti.

© Mu.SA – Museum Sector Alliance

Seguiu-se o terceiro momento do encontro com uma mesa-redonda composta por oito especialistas − alguns participantes no projecto, como foi o caso de Alexandre Matos (ICOM Portugal), e outros externos ao projecto − sendo moderada pela jornalista Valentina Tanni (Artribune).[2] Várias questões foram levantadas. Destacamos algumas. Sobressaiu uma perspectiva optimista e benevolente quanto ao papel das tecnologias e da expectativa de que através destas se pode melhorar a comunicação dos museus no sentido de oferecer um serviço mais eficaz e que vá de encontro às necessidades dos visitantes. Transformação e agilidade foram palavras-chave referidas amiúde. Embora se reconheça que os museus não são indiferentes aos desafios das novas tecnologias (ex. digitalização de colecções, entre outros), é necessário contrariar o passo lento dos museus para se tornarem mais ágeis face à mudança. Como? Através de políticas mais pro-activas (e lideranças atentas), recursos (financeiros e humanos) e a capacitação contínua dos profissionais de museus.

Notas

[1] O projeto Mu.Sa − Museum Sector Alliance (575907-EEP-1-2016-1-EL-EPPKA2-SSA) é financiado pelo programa Erasmus + e é coordenado pela Hellenic Open University (Grécia). O consórcio conta com três parceiros portugueses: o ICOM Portugal, a Universidade do Porto e a empresa Mapa das Ideias, e ainda oito parceiros de Itália, Grécia e Bélgica: Melting Pro Learning (Itália), Link Campus University (Itália), National Organisation for the Certification of Qualifications and Vocational Guidance (Grécia), Symbola -Foundation for Italian Qualities (Itália), The Institute of Vocational Training AKMI (Grécia), Istituto per I Beni Artistici Culturali e Naturali della Regione Emilia Romagna (Itália), ICOM Grécia e Culture Action Europe (Bélgica). http://www.project-musa.eu

[2] Leia-se o pequeno artigo da Artribune a propósito desta conferência: http://www.artribune.com

 

****

Este texto foi originalmente publicado no Boletim do ICOM Portugal na secção “Conferências: comentários”. Para citação:

Carvalho, Ana. 2017. “Redesenhar os Museus. 
Competências Digitais para a Mudança e Inovação.” Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 10 (Out.): 37-39. http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

Lei-Quadro dos Museus Portugueses: que balanço?

 

Isabel Soares é actualmente chefe de divisão de Museus, Património e Arquivo Histórico do Município de Portimão. É licenciada em História, variante de Arqueologia (Universidade de Coimbra) e mestre em Museologia (Universidade de Évora) com a dissertação intitulada: A Rede de Museus do Algarve: Funcionamento e Potencialidades (2012). Há vários anos ao serviço dos museus, tem neste contexto dirigido o seu enfoque para trabalhos ligados à arqueologia, nomeadamente arqueologia experimental, ao inventário e às redes de museus. Integrou desde o início o grupo de profissionais que criaram a Rede de Museus do Algarve (2007).

Ana Carvalho (AC) − Passados 13 anos da aprovação e aplicação da Lei-Quadro dos Museus Portugueses, que balanço faz em termos de conteúdos, aplicação e actualidade?

Isabel Soares (IS) − A Lei n.º 47/2004, de 19 de Agosto, veio reforçar alguns requisitos já admitidos no regulamento de adesão à Rede Portuguesa de Museus (RPM) e veio, sem dúvida, preencher um vazio legislativo que existia até então. Esta Lei introduziu novas exigências com o objectivo de avaliar e validar oficialmente as qualidades técnicas dos museus e, sobretudo, nortear os museus na concretização das suas funções museológicas.

Apesar de considerar um documento fundamental e que contribuiu grandemente para apoiar e regular os museus, continua a ser notória a diversidade terminológica utilizada por um número significativo de instituições (museus, núcleos ou pólos museológicos, casas-museu, parques museológicos e centros) sem recorrer a critérios ou normas legislativas. Continuam a existir museus que não comportam os principais serviços técnicos, bem como o cumprimento das funções museológicas indispensáveis.

Portanto, considero que, mais do que uma questão de conteúdos, que podem ser ajustados e adaptados à nossa realidade museológica, trata-se de uma questão de dificuldade da sua aplicação e de supervisionamento do seu cumprimento.

Ter ferramentas por si só não é garantia para conseguir construir algo, até podemos ter tudo o que é necessário, mas se não soubermos como e quando as manusear, dificilmente realizaremos um bom trabalho.

A existência da Lei não basta, é necessário que efectivamente seja aplicada e que contribua para o aumento do grau de exigência e das obrigações na criação de novos museus, e que conduza igualmente a uma melhoria das condições e dos recursos dos nossos museus.

AC − Que aspectos da Lei poderiam ser alterados, aprofundados ou acrescentados?

IS Sem entrar numa análise detalhada, refiro dois ou três pontos que, no meu entender, poderiam ser acrescentados e/ou alterados, como por exemplo o artigo 14.º − Incorporação de Bens Arqueológicos. A Lei refere que a incorporação dos bens arqueológicos provenientes de trabalhos arqueológicos e de achados fortuitos é efectuada em museus, e que deve ser feita preferencialmente em museus da RPM. Contudo, o Decreto-Lei n.º 164/2014, de 4 de Novembro – O Regulamento de Trabalho Arqueológicos – refere que é a Direção-Geral do Património Cultural que «(…) determina o local de incorporação definitiva do espólio no prazo de cinco anos após o depósito, considerando: o parecer do diretor científico; o parecer das entidades locais e regionais competentes; o parecer de outras entidades públicas ou privadas, envolvidas ou interessadas; o justo equilíbrio da representação daqueles bens nas colecções das instituições de âmbito nacional, regional e local; o critério da não dispersão de espólios provenientes de um mesmo sítio arqueológico; a garantia das necessárias condições para a sua conservação e segurança.» Ou seja, são feitas duas propostas diferentes, quando deveria existir um entendimento semelhante deste assunto nos dois documentos legislativos.

Importa também aprofundar e acrescentar normas apropriadas para integrar o Património Cultural Imaterial (PCI).

Existem “novas” redes regionais de museus, portanto, deveria ser tida em conta na referida legislação, futuramente, a articulação entre a RPM e estas redes regionais com o objectivo de estabelecer um plano estratégico anual, com a finalidade de reforçar a qualificação das instituições museológicas de cada região.

AC − Em que medida a Lei poderia integrar o PCI?

IS Aprofundando e acrescentando princípios apropriados para integrar o PCI.

Reconheço os contributos da UNESCO com a adopção da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em 2003, assim como todos os documentos legais sobre PCI a nível nacional, e tomo como referência o Decreto-Lei n.º 139/2009 (regime jurídico para a salvaguarda do PCI) e o Decreto-Lei n.º 149/2015 (1.ª alteração ao Decreto-Lei n.º 139/2009). Mas pergunto, devemos considerar a única forma jurídica de salvaguarda do património cultural imaterial, válida a nível nacional, a inscrição de expressões imateriais no “Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial”?

Este “património vivo” que existe fora de portas dos museus e que é usado pelas comunidades não deve ser, também, uma responsabilidade dos museus? Claro que sim. Nesse caso é preciso reflectir sobre a importância do PCI e sobretudo sabermos como os museus podem “ligar” o material ao imaterial. É preciso que os museus sejam capazes de criar estratégias de acção para a salvaguarda do PCI, envolvendo as comunidades, os grupos e/ou os indivíduos.

Julgo que a Lei-Quadro, paralelamente à legislação que regula a salvaguarda do PCI, deveria destacar a importância deste património e considerar os museus como facilitadores no processo salvaguarda junto das comunidades, reforçando, desta forma, a sua função social.

Sendo certo que não deve existir nesta legislação uma “receita” com normas ou regras para a salvaguarda ou classificação de todas as expressões culturais do PCI, refiro, tão-somente, o interesse de se tornar clara a responsabilidade dos museus no envolvimento com este património. Que esta Lei contribua para estimular os museus a identificarem, a protegerem, a divulgarem, a promoverem, através do estudo, da inventariação, das exposições e do serviço educativo as expressões do PCI, e sobretudo que incluam a participação das comunidades nestes processos.

Assim, a Lei-Quadro poderia recomendar boas práticas ou criar documentos de trabalho que norteassem os museus neste contexto.

AC − O papel e a função da RPM está também consignado na Lei. Que diagnóstico e avaliação faz da actual situação da RPM e que estratégias poderiam ser desenvolvidas, na sua opinião, para a revitalização da Rede?

APR O papel da RPM foi bastante relevante para a qualificação dos museus no país. As linhas programáticas estabeleceram três eixos de actuação: informação, formação e qualificação que contribuíram, sobremaneira, para a qualificação dos nossos museus. Contudo, nota-se uma estagnação no crescimento da RPM e uma quase interrupção na continuidade dos seus trabalhos, sobretudo no que diz respeito à suspensão de programas de apoio técnico e financeiro, à ausência de monitorização dos museus, ao descontinuar de canais de divulgação e promoção de boas práticas museológicas, como o boletim da RPM.

Para revitalizar esta rede é preciso retomar o trabalho já feito, dando continuidade aos seus eixos de actuação. Todavia, devem seguir igualmente novos caminhos, particularmente no campo das parcerias e da articulação. Seria necessário continuar a apoiar e a estimular as iniciativas de trabalho em rede, principalmente no incremento de redes de museus regionais e sua articulação com a RPM, com o objectivo de serem elaborados planos estratégicos anuais para reforço da qualificação das instituições museológicas de cada região.

Dito isto, é indispensável assegurar a existência de uma equipa técnica especializada e reverter a fusão organizacional, criando novamente um Instituto de Museus.

Falta ainda autonomia financeira que garanta a continuidade dos programas de apoios técnicos e financeiros, assim como recuperar os canais de comunicação da rede, e, por fim, a importância de serem criados, efectivamente, os “prometidos” núcleos de apoio, definindo claramente, quem serão, como irão funcionar e onde deverão existir.

AC − A categoria de “colecções visitáveis” é também contemplada na Lei (art. 4.º). Que problemas se continuam a colocar e que caminhos poderiam ser trilhados? 

IS Há um número significativo de colecções visitáveis que têm dificuldades. Carentes de recursos humanos e financeiros, muitas não reúnem condições para cumprirem as funções museológicas básicas. No caso do Algarve, destaco o número excessivo de “núcleos” ou “pólos” que estão abertos ao público, nalguns casos não dependendo de nenhum museu e sem reunirem as condições mínimas para cumprirem as suas funções. De facto, na maioria dos casos, as suas actividades resumem-se a exposições permanentes. Geralmente, trata-se de colecções expostas em salas sem condições apropriadas. Não será exagerado afirmar que estes “espaços visitáveis” não cumprem os requisitos para investigar, preservar e comunicar as suas colecções.

Esta situação preocupa os profissionais dos museus e reafirma a necessidade de se construírem redes de museu regionais, como é o caso da Rede de Museus do Algarve.

Estas “colecções visitáveis”, mencionadas na Lei, devem ser objecto de programas de apoio e de qualificação que devem ser criados urgentemente. No entanto, as parcerias, a formação e o apoio técnico, a monitorização, poderão ser instrumentos de ajuda fornecidos, actualmente, pelas redes regionais já existentes, refiro-me sobretudo na zona sul às redes do Alentejo e do Algarve.

AC − A Lei previa a criação de “núcleos de apoio a museus” (art. 107.º) para apoiar tecnicamente outros museus e promover a cooperação. Na sua opinião, porque razão esta medida não chegou a ser implementada? E o que é necessário para que seja colocada em prática?

IS Julgo que os núcleos de apoio não foram implementados porque nunca foi definido, claramente, quais seriam os museus e como iriam funcionar. Esta forma de desconcentração de coordenação da actividade dos museus da RPM necessita de um diagnóstico rigoroso de quais os museus nacionais ou museus da RPM que se destaquem na qualidade dos serviços prestados e em que valências.

Considerando as características dos museus e analisando as principais carências de cada região, numa perspetiva de conhecimento da realidade museológica, é possível fazer uma real avaliação de onde poderá ser feita a instalação dos núcleos. Será que deve existir um único núcleo de apoio em cada área geográfica, ou vários núcleos, de acordo com as valências e recursos disponíveis nos museus da RPM?

O museu escolhido para núcleo de apoio numa determinada área geográfica terá que dispor, obrigatoriamente, de meios técnicos e humanos para apoiar os restantes museus da região nas áreas carenciadas. Mas como e de que forma? Serão dados apoios financeiros e técnicos a estas estruturas de apoio, de forma a consolidar e a desenvolver as valências para as quais estão mais vocacionados? Como poderão estes núcleos de apoio combinar o seu trabalho com as redes regionais já existentes e com a RPM?

São demasiadas perguntas, ainda sem resposta, que obrigam a uma reflexão detalhada.

Reconheço a necessidade e a importância de se formarem os núcleos de apoio nos museus nacionais ou da RPM, contudo, deve ser ponderada de que forma e em que condições os museus escolhidos poderão constituir-se enquanto núcleos de apoio. Todavia, é importante não esquecer que estes núcleos terão que ter forçosamente capacidade para apoiar tecnicamente os outros museus, dar pareceres, elaborar relatórios, partilhar recursos, definir princípios de parcerias, contribuir para programação museológica a nível regional, tudo isto em conformidade com o determinado na legislação em vigor.

No contexto de cooperação e articulação entre museus, sublinho, hoje, o papel que as redes regionais têm tido na promoção das boas práticas museológicas, na partilha de informação, na troca de experiências e, por fim, na realização de parcerias entre os museus a nível regional.

AC − Na agenda política as questões ligadas à descentralização, transferindo mais poder para as câmaras e Juntas Metropolitanas, ficaram para o pós-autárquicas. Advinham-se impactos também para o campo dos museus. Como perspectiva esta situação?

IS Estas transferências de competências, forçosamente, têm que ser acompanhadas por um “envelope financeiro” e por um reforço de recursos humanos especializados necessários para desempenhar os novos encargos e até, se possível, contribuir para melhorar os serviços existentes. No caso específico dos museus, é preciso ter em consideração que muitos têm recursos escassos (técnicos, humanos e financeiros), por isso esta reforma terá que ter em conta esta realidade e contribuir para melhorar e qualificar os nossos museus.

****

Esta entrevista foi publicada originalmente no 10.º número do Boletim do ICOM Portugal (“Entrevista com Isabel Soares.” (conduzida por Ana Carvalho) Boletim ICOM Portugal, série III (Out.): 26-33.

Novo boletim do ICOM Portugal revisita a Lei-Quadro dos Museus Portugueses

O 10.º número do Boletim do ICOM Portugal tem como tema a Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Balanço e Perspectivas. Passados 13 anos da aprovação e aplicação da Lei que, aliás, teve o apoio unânime do parlamento aquando da sua aprovação e reuniu o consenso igualmente entre a comunidade de profissionais de museus, que balanço pode hoje ser feito, em termos de conteúdos, aplicação e actualidade da Lei? Que aspectos podem ser alterados, aprofundados ou acrescentados? Por outro lado, incidir sobre a Lei-Quadro equivale também a reflectir sobre política museológica (ou a inexistência desta), sobre gestão, sobre estratégia e prioridades, tudo isto atendendo a uma perspectiva de longo termo, seja do que se fez, seja do que se perspectiva fazer. Além disso este é também o momento oportuno de o fazer, uma vez que na agenda política se prevêem mudanças que visam a descentralização, transferindo mais poder para as câmaras e Juntas Metropolitanas, com impactos expectáveis também para os museus.

Este número do boletim traz diferentes olhares numa perspectiva dupla: argumentos que se centram não apenas no mapeamento de problemas e desafios, mas que fazem igualmente uma análise prospectiva do que pode ser feito, incluindo pistas e soluções concretas. É este o fio condutor em várias secções deste boletim. Primeiramente, no artigo (Em Foco), através da perspectiva de Graça Filipe que reflecte sobre este panorama numa escala mais macro.

Em Perspectivas, dá-se enfoque às colecções visitáveis, uma categoria prevista na Lei-Quadro, mas que não teve desenvolvimento subsequente. Os dois textos de opinião, de Cláudia Freire e de Lúcia Almeida Matos, respectivamente, evidenciam diferentes ângulos e possíveis caminhos a trilhar.

Por fim, uma entrevista com Isabel Soares, na qual se percorre vários tópicos relativos à Lei-Quadro.

Em Museus & Pessoas destaca-se o perfil de João Alpuim Botelho, director do Museu Bordalo Pinheiro desde 2014, um museu que se encontra em fase de renovação.

Como habitual, apresentam-se vários textos de comentário sobre conferências ligadas à actividade do ICOM, nacional e internacional. E ainda uma selecção de publicações, incluindo sugestões de leitura e novas edições no panorama nacional e internacional, assim como um leque diverso de eventos em agenda para os próximos meses.

O boletim inaugura neste número uma nova secção: Opinião dos Membros, um espaço aberto onde os profissionais podem ter uma voz activa sobre tópicos da actualidade museológica.

Ficamos a saber que o próximo boletim (Fevereiro) será dedicado ao tema do Dia Internaci- onal de Museus para 2018: Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos.

O boletim está disponível no site do ICOM Portugal: http://icom-portugal.org/boletim-icom-pt/

 

****

Índice

03 | Editorial, por Ana Carvalho

07 | Mensagem do Presidente, por José Alberto Ribeiro

10 | Breves

12 | Em Foco: A Implementação da Lei-Quadro dos Museus Portugueses: Aporia de uma Política Museológica?, por Graça Filipe

Perspectivas:
18 | A colecção é visitável? (I), por Claudia Freire
22 | A colecção é visitável? (II) por Lúcia Almeida Matos

26 | Entrevista com Isabel Soares, por Ana Carvalho

Conferências: comentários
34 | Desafios Actuais e Futuros, por Maria de Jesus Monge
37 | Redesenhar os Museus. Competências Digitais para a Mudança e Inovação, por Ana Carvalho
40 | Ligando o Passado e o Presente, por Hélia Marçal e Joana Silva
43 | Documentação: Passado, Presente, Futuro… por Alexandre Matos
46 | Formação para a Inclusão: A Acessibilidade é Exequível? por Marta Ornelas
49 | Museus & Pessoas: João Alpuim Botelho, por Ana Carvalho
57 | Opinião dos Membros: A Conservação e Restauro em Portugal: ‘sem rei nem roque’, por André Varela Remígio

Publicações
59 | Sugestões de leitura
60 | Novas edições

Agenda
64 | Conferências, encontros, debates
68 | Formação

 

****

Este boletim é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal) e conta com a coordenação editorial de Ana Carvalho. Em formato digital (ISSN 2183-3613), publica-se três vezes por ano (Fevereiro, Junho e Outubro). Tem como missão a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Cada número é dedicado a um tema relevante da Museologia portuguesa e internacional, combinando artigos, textos de opinião, entrevistas, notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura e novas publicações, e ainda um leque diverso de eventos em agenda (conferências, debates, formação, etc.). O boletim foi distinguido com o prémio APOM 2017 na categoria melhor “Comunicação Online”.

 

Novo número da revista MIDAS é dedicado aos objectos e museus, suas biografias, narrativas e vínculos identitários

Imagem da capa: “Subliminal”, de Álvaro Pérez Mulas, 2008, Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2. Salamanca, Espanha © Álvaro Pérez Mulas. Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O oitavo número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares acaba de ser publicado. Encontra-se disponível aqui: https://midas.revues.org/1149

Este número é dedicado ao tema «Objetos e Museus: Biografias, Narrativas e Vínculos Identitários» e foi coordenado por Alice Semedo (Universidade do Porto), Olaia Fontal (Universidade de Valladolid) e Alex Ibanez (Universidade do País Basco).

Segundo os coordenadores, «este número faz parte do esforço atual para reunir diferentes perspetivas (museológica, curatorial, teórica) sobre o lugar dos objetos em museus, a fim de mapear criticamente este domínio. Em suma, trata-se de refletir e apresentar exemplos relevantes que permitam recuperar a teorização sobre objetos em museus como portadores não apenas de significados sociais, mas também individuais, permitindo que os processos de patrimonialização e identização sejam também explorados a partir do ponto de vista da educação.» O número apresenta 11 artigos, uma notação e três recensões críticas de livros.

A capa deste número destaca a obra do espanhol Álvaro Pérez Mulas. Esta obra foi criada no âmbito da exposição realizada em 2008 no Centro de Arte Contemporáneo Domus Artium 2002, DA2, em Salamanca, Espanha. Segundo o artista: «con el texto compuesto a partir de las fotografías cuestionaba la necesidad social que se plantea en la actualidad de aprender a ver imágenes, ya que estamos inmersos en un entorno dominado por la comunicación visual. El espectador ya no sólo se preguntará qué es lo que ve o de dónde ha salido, además será invitado a cuestionarse lo que ve y cómo lo ve mediante la conjunción de signos que conforman dos lenguajes distintos, el plástico y el verbal. […] Pero la lectura verbal de las fotografías será subliminal, no inducida, porque el texto está implícito. El espectador que se acerque a las imágenes está invitado a leer en ellas, pero no tiene que sentirse obligado a ello. Es una cuestión de su capacidad de percepción y abstracción.»

Mais uma vez, a escolha de obras de artistas para as capas da MIDAS visa o prolongamento da discussão sobre museus, sobre os seus modos de existência e sobre como são percebidos ou vividos na contemporaneidade.

****

MIDAS 08 | Dossier temático «Objetos e museus: biografias, narrativas e vínculos identitários»

Artigos

Carmen Gómez-Redondo
El objeto patrimonial como símbolo identitario en el museo

Patricia Delayti Telles
As miniaturas de “filiação política”: de objetos perigosos ao esquecimento

Inês Lourenço
As histórias alternativas do objeto: o cofre-relicário de São Francisco Xavier e a identidade religiosa dos goeses em Portugal

Diego Lemos Ribeiro, Mara Rosana Araujo Alessandretti, Ramile da Silva Leandro, Larissa Tavares Martins e Fabiane Rodrigues Moraes
A presença na ausência: a performance e a biografia dos objetos como ativadores de memória

Márcia Pinheiro Ferreira e Marcus Granato
A luneta de Bamberg no Museu de Astronomia e Ciências Afins: pesquisa e trajetória (1907-2016)

Cecilia de Oliveira Ewbank e Manuel Ferreira Lima Filho
Por detrás de uma coleção do Museu Nacional do Rio de Janeiro: vozes, silêncios e desafios

Aparecida Marina de Souza Rangel e Álea Santos de Almeida
Os cómodos do Museu Casa de Rui Barbosa enquanto museália

Cristina Barros Oliveira
Considerações sobre a biografia da instalação Oh la la,… oh la Balançoire/Microcosmos Tentacular de Susanne Themlitz

Margarida Brito Alves
Entre a casa, o mar e a galeria. Os objetos animados de Salette Tavares

Sofía Marín Cepeda
Patrimonio en conserva. Los vínculos indentitarios como clave de aprendizaje en el grado de magisterio

Olaia Fontal Merillas, Silvia García-Ceballos, Borja Aso Morán e Marta Martínez Rodríguez
Patrimonios, objetos e historias de vida. Análisis de propuestas educativas desde el Observatorio de Educación Patrimonial en España

Notações

José María Cuenca-López e Jesús Estepa-Giménez
Educación patrimonial para la inteligencia territorial y emocional de la ciudadanía

Recensões críticas

Francisco Providência
Inês Ferreira – Criatividade nos Museus: Espaços “Entre” e Elementos de Mediação

Vítor Oliveira Jorge
Ian Hodder – Studies in Human-Thing Entanglement

Luís Urbano Afonso
Adelaide Duarte – Da Coleção ao Museu. O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal

****

A MIDAS é uma revista científica, editada em suporte digital, de acesso aberto e com revisão por pares. Pretende dar a conhecer e promover os museus enquanto objetos de investigação científica e a Museologia enquanto área do conhecimento que congrega diferentes grupos disciplinares. Foi fundada por Alice Semedo (Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Museu de Ciência da Universidade de Coimbra), Raquel Henriques da Silva (Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (Universidade de Évora). Publica desde 2013.