Arquivo de etiquetas: António Augusto Gonçalves

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

Qual era o panorama museológico nacional na 1.ª república?

Na imagem vê-se uma parte do jardim do Museu Nacional de Arte Antiga

Foi produzida mais uma tese na área da Museologia. Tem por título “Os Museus em Portugal durante a 1ª República” e é da autoria de António Carrilho, coordenador do Museu Municipal Dr. José Formosinho (Lagos).

A tese foi defendida na Universidade de Évora a 9 de Dezembro de 2015, com o seguinte júri: Filipe Themudo Barata (Universidade de Évora), Irene Vaquinhas (Universidade de Coimbra); Fernando António Baptista Pereira (Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta), João Brigola (Orientador) (Universidade de Évora); e Fernando Manuel Santos Martins (Universidade de Évora).

****

Os Museus em Portugal durante a 1ª República

Resumo: Este trabalho procura perceber se houve ou não alterações significativas no panorama museológico nacional entre a Monarquia e a 1.ª República, apreciando as propostas do regime implantado em 5 de outubro de 1910. Os Governos republicanos apresentaram profícuas propostas legislativas, condicionando as instituições museológicas a diversos domínios: Anticlericalismo e Laicismo; Nacionalização dos bens da Casa Real; Defesa do Património; Serviços Culturais; Educação; Criação e Regulamentação de Museus; Desenvolvimento Económico. Este intrincado sistema gerou a primeira rede museológica assente em museus de âmbito nacional e regional, arbitrada por instituições tutelares em que se movimentavam homens de grande influência na cultura portuguesa (exemplos de José de Figueiredo e António Augusto Gonçalves). Em termos museográficos, os museus continuaram a privilegiar a exposição massiva de bens, especialmente dos domínios da Arqueologia e da Arte, embora comecem a surgir maiores preocupações com a conservação, exibição e divulgação. Neste contexto, o Museu Nacional de Arte Antiga assumiu uma posição de vanguarda. A República intensificou o debate sobre o papel social, cultural, educativo e económico dos museus;

The Museums in Portugal during the 1st Republic Governments

Abstract: This work aims to study the proposals of the Portuguese 1st Republic (started in October 5th of 1910) in what concerns museums, comparing them with those of the Monarchy. The 1st Republic Governments were highly prolific regarding museum legislation, in several domains, such as: anticlericalism and laicism; nationalization of the Royal House property; heritage defence; museum regulations; creation of new museums; cultural services; education policies; economic development. This system generated the first museum network constituted by national and regional museums, ruled by tutelary institutions. In this context, important figures of the Portuguese cultural panorama such as José de Figueiredo and António Augusto Gonçalves had a relevant role. The massive exhibition of items, especially of Arts and Archaeology, was prominent, but an increase of conservation and divulgation can also be testified. The National Museum of Ancient Art has taken a lead in Museography. The Republic intensified the debate about the social, cultural, educational and economic roles of the museums.

****

Carrilho, António. 2015. “Os Museus em Portugal durante a 1ª República”. Tese de doutoramento em História. http://hdl.handle.net/10174/17298