Arquivo de etiquetas: Carlos Bunga

Catálogo da Exposição Lá Fora

la-fora

Catálogo: Artistas Portugueses LÁ FORA
Edição: Museu da Presidência da República, 2009
Descrição Física: 371 p.
ISBN: 978-972-8971-42-7

Este é o catálogo da exposição Lá Fora (16 Janeiro-15 de Março) que decorreu no Museu da Electricidade – Central Tejo, em Lisboa. Reuniu um vasto conjunto de obras e artistas plásticos portugueses, desde os “históricos” às novíssimas gerações, que têm em comum o facto de viverem e trabalharem fora do território nacional.

Contando já com uma primeira edição, na cidade de Viana do Castelo, por ocasião das comemorações oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, a exposição Lá Fora, significativamente ampliada, viajou até Lisboa, numa parceria entre o Museu da Presidência da República e a Fundação EDP.

Num dos espaços expositivos mais carismáticos da capital, apresentaram-se cerca de duas centenas de obras, entre pintura, desenho, fotografia, instalação, escultura e vídeo, que dão a conhecer, de forma representativa, o trabalho desenvolvido por 67 criadores portugueses residentes em vários países da Europa, América do Norte e América do Sul, e integrados com sucesso nos circuitos da arte contemporânea.

Comissariada pelo historiador de arte João Pinharanda, esta mostra contou com nomes como Paula Rego, João Penalva, Edgar Martins, entre outros, do Reino Unido; Rui Calçada Bastos, Filipa César, Adriana Molder ou Noé Sendas, da Alemanha; vindos do Brasil, Fernando Lemos, Ascânio MMM e Artur Barrio; Júlio Pomar ou Rui Patacho, de França; da Holanda, Júlia Ventura e Maria Beatriz. E, ainda, artistas vindos da Suíça, Argentina, Luxemburgo, Itália, Espanha, Canadá e EUA, neste último caso com várias representações, entre as quais, Carlos Bunga, Rigo, Carlos Roque ou José Carlos Teixeira.

Além dos nomes mais reconhecíveis pelo público português, refira-se Francisco da Mata, radicado na Suíça, Maria Loura Estêvão (vídeo) e Gérald Petit (fotografia), residentes em França, Marco Godinho, residente no Luxemburgo, ou, ainda, o nova-iorquino Michael de Brito (pintura), todos luso-descendentes e com um percurso artístico consistente em termos internacionais.
Foi também ocasião para a exibição de alguns trabalhos inéditos, como as mais recentes esculturas Billboard Cities, de Susana Gaudêncio, ou a série de desenhos Absolut Boredom – Mundo sobre Mundo sobre Mundo, de Catarina Dias. Para o local foi ainda concebida uma pintura mural (acrílico) por um dos novos nomes da arte contemporânea europeia – Marco Godinho.

Diversas linguagens, diversos suportes e técnicas, diferentes gerações. Artistas consagrados e novos artistas que emergem com segurança na actualidade. Artistas com obra desterritorializada e artistas que reflectem e questionam, no seu trabalho, mobilidades e pertenças.
Constituindo um primeiro levantamento da arte portuguesa contemporânea produzida em contexto migratório, esta exposição abriu portas a novas recolhas e novas abordagens capazes de enriquecer este sempre incompleto mapa da presença portuguesa no mundo.

(textoi adaptado nota de imprensa sobre a exposição)
Mais informações:

www.museu.presidencia.pt
www.fundação.edp.pt

Carlos Bunga no New Museum of Contemporary art, Nova Iorque

new-museum-contemporary-art.jpg

New Museum of Contemporary Art,
Nova Iorque, EUA
©don_schreiner

Carlos Bunga é um dos artistas plásticos portugueses mais promissores no panorama internacional. Destacamos aqui a sua participação (único português presente) na exposição colectiva de abertura do novo edifício do New Museum of Contemporary Art, em NY (Estados Unidos). A exposição intitula-se “Unmonumental: The Object in the 21st Century”.

“Unmonumental: The Object in the 21st Century” is the first exhibition in the “Unmonumental” cycle, and explores the reinvention of sculptural assemblage. Using found, fragmented, and discarded materials, the works of the artists on view make a case for modesty, informality, and improvisation.
The exhibition includes more than one hundred objects by thirty artists who represent a wide range of backgrounds and artistic strategies.
Mais…

Carlos Bunga
Born 1976, Oporto, Portugal/Lives and works in Lisbon, Portugal

Carlos Bunga is best known for his large-scale cardboard and packing tape installations that are painted and then cut away to reveal ruins of his particular form of architecture. Bunga’s more discrete sculptures, fashioned out of the same materials, intimately express the temporal aspects of place in a globalized context. Bunga’s use of color and roughly cut forms recall the decayed insides of Gordon Matta-Clark’s architectural cuttings. Like Matta-Clark, Bunga applies abstraction to architecture and living environments.
Bunga received a BFA at Escola Superior de Artes e Design, de Caldas da Rainha, Portugal (2003), and participated in a workshop in performance with Rebecca Schneider, Fundação Gulbenkian, Portugal (2003).
He also participated at Helsinki International Artist-in-Residence Programme (2005). Immediately
following his residency at the International Studio & Curatorial Program, New York (2006), Bunga received the 3rd International Painting Prize from the Castellón County Council, Spain. Recent solo exhibitions have been organized by Milton Keynes Gallery, Milton Keynes, United Kingdom (2006, catalogue), and Elba Benitez Gallery, Madrid (2005).
Bunga’s work has been featured in group exhibitions including Future Nomad, Vox Populi Gallery, Philadelphia (2007); En Voyage, Le Plateau/FRAC Ile-de-France, Paris (2006, catalogue); Farsites: Urban Crisis and Domestic Symptoms in Recent Contemporary Art (part of inSite_05), San Diego Museum of Art (2005, catalogue); Things Fall Apart All Over Again, Artists Space, New York, in conjunction with the Center for Curatorial Studies, Bard College (2005); Manifesta 5, San Sebastian, Spain (2004); and Prémio EDP Novos Artistas, Serralves Museum, Porto, Portugal (2003).

(in site http://www.newmuseum.org/)

Carlos Bunga ganha prémio em Espanha

carlos-bunga-2005.jpg

Carlos Bunga, artista português, actualmente a viver em Nova Iorque, ganhou a 3ª edição do Premio de Pintura Internacional Diputación de Castellón. A este prémio terão concorrido 941 artistas de 55 países.

A obra sem título de Bunga distinguida pelo júri é uma instalação «site-specific» com 2,50×3,50 metros, onde foi utilizado cartão prensado, fita adesiva e pintura. O valor do prémio foi de 60.000 euros.

Segundo o júri do prémio, a obra de Carlos Bunga:

explora los límites del soporte y el espacio pictórico de una manera concisa, directa y elegante. En el trabajo de Carlos Bunga la pintura es un lugar donde el color, la materia (a veces pobre y efímera), el espacio, la acción y la arquitectura se encuentran, lo cual ha parecido a la mayoría de los miembros del jurado como algo perfectamente apropiado para un premio dedicado al concepto de pintura expandida.”

Um dos objectivos da criação do Premio Diputación Castellón é trazer a Castellón e a Espanha o que de mais inovador e actual da pintura contemporânea nacional e internacional.

Uma exposição com os 22 artistas seleccionados e o vencedor estará patente até 21 de Janeiro no Museo de Bellas Artes de Castellón e posteriormente em Madrid, entre Fevereiro e Março de 2007 na Fundacion Astroc.

Para saber mais:
http://www.dipcas.es
http://www.e-flux.com

Um artista em ascensão, que parece ser mais reconhecido lá fora do que em Portugal. A acompanhar…