Arquivo de etiquetas: CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História Culturas e Sociedades

Novo número da revista MIDAS: “Museologia: Encontros e Diálogos Ibéricos”

Capa da revista, em que em baixo se identifica uma imagem a preto e branco e que consiste numa estrada onde 5 camiões seguem carregando 5 letras que formam a palavra "museu"

“Museu”, 1999 © Luis Asín. Arquivo Mansilla + Tuñón Arquitectos. Conceção da capa: Elisa Noronha Nascimento

Foi publicado o mais recente número da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares, o dossier temático “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos”, coordenado por Ana Carvalho e Susana. S. Martins. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/3700

****

MIDAS 16: | “Museologia: Diálogos e Encontros Ibéricos

Coord. de Ana Carvalho e Susana S. Martins

Editorial | Diálogos e encontros ibéricos sobre museologia.
Notas para um campo em construção

Artigos

Raquel Henriques da Silva
Memória e mitos. O touro na obra de Jorge Vieira. A exposição como campo alargado

María Bolaños
La mirada de Georges Salles

Ana Cristina Martins
A importância de estagiar em Madrid: uma nova visão sobre os museus de arqueologia em Portugal (anos 50 do séc. XX)

Filipa Coimbra
Por um “arquivo vivo”: uma abordagem decolonial à coleção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian

João Luís Fernandes
A coleção Marciano Azuaga: Gaia e Porto na segunda metade do século XIX e primeira década do século XX

Joana Miguel Almeida
Memórias e experiências para além da exposição: (re)visitar o passado no Museu do Aljube

Sara Castellano Sansón
Los museos de La Raya y sus proyectos educativos: una herramienta de diplomacia cultural

Inês Silvestre
O Centro de Arte Contemporânea e o Museu Nacional de Soares dos Reis. Análise de uma parceria institucional

Notações

Gemma Domènech i Casadevall
El impacto de la Guerra Civil española en la configuración de los museos. El caso del Museu d’Art de Girona

Diana Zárate-Zúñiga, Lourdes Prados Torreira e Francesca Romagnoli
El proyecto de investigación VEMOS: una propuesta para visibilizar a los grupos marginados en los museos arqueológicos

Ensaios

Marta Branco Guerreiro
Escrito na areia: notas para um arquivo da participação

Recensões críticas

Graça Filipe
Dóris Santos – Arte, Museus e Memória – A Imagem Marítima da Nazaré

Sara Albuquerque
Luís Ceríaco – Zoologia e Museus de História Natural em Portugal (Séculos XVIII-XIX)

Rita Salgueiro
The Perpetuation of Site-Specific Installation Artworks in Museums: Staging Contemporary Art

Helena Barranha
Visionárias [Exposição]

Ana Lúcia Luz
Topomorphias [Exposição]

Gonçalo de Amaro Carvalho
Naturaleza Observada. Arte y Patrimonio e Trabajos de Campo – Field Works [Exposições]

Concurso aberto para bolsa de doutoramento em história e filosofia da ciência na Universidade de Évora

imagem que representa os claustros do edifício central da Universidade de Évora, antigo colégio de jesuítas

Imagem de Ana Carvalho

Está aberto concurso para uma bolsa de doutoramento na área da História e Filosofia da Ciência, no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora. Neste âmbito podem incluir-se estudos de investigação incidentes sobre museus e coleções.

A bolsa financia um máximo de 4 anos e tem o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ao abrigo do Protocolo de Colaboração para Financiamento do Plano Plurianual de Bolsas de Investigação para Estudantes de Doutoramento, celebrado entre a FCT e a Unidade de I&D CIDEHUS.

Prazo para envio de candidatura: 18 de setembro de 2023

Mais informação: https://www.uevora.pt/investigar/Oportunidades-de-Investigacao/concursos-bolsas-id?item=38173

Congresso internacional em Évora para debater políticas e práticas para a salvaguarda do património imaterial

Cartaz congresso internacional em Évora

O Congresso Internacional “A Salvaguarda do Património Cultural Imaterial: políticas e práticas para as próximas décadas” realiza-se a 2 e 3 de novembro na Universidade de Évora.

Com a organização da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-Fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora, o congresso assinala os 10 anos da criação da Cátedra e os 20 anos sobre a aprovação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO.

A chamada de trabalhos está aberta até ao dia 31 de maio de 2023. Mais informações em: https://www.catedraunesco.uevora.pt/congresso-internacional/ 

***

A Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO (2003) constitui uma pauta fundamental para quantos atuam na área do Património Cultural Imaterial (PCI), seja no plano da investigação e da intervenção junto das comunidades, seja no traçado de políticas públicas, tendo desencadeado não apenas a inventariação de expressões do PCI (listas representativas) e medidas de salvaguarda, mas também a valorização social, cultural e económica dessas expressões e dos seus detentores. Mas a comemoração dos 20 anos da Convenção deve ser mais do que uma mera celebração; deverá ser, sobretudo, um momento de balanço das políticas e práticas que nela se amparam, assim como das suas repercussões nas comunidades ou nos indivíduos que viram reconhecidas as suas expressões culturais imateriais.

No artº. 2º da Convenção define-se o património cultural imaterial como “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e competências – bem como os instrumentos, objetos, artefactos e espaços culturais que lhes estão associados – que as comunidades, grupos e, eventualmente, indivíduos reconhecem como fazendo parte do seu património cultural. Este património cultural imaterial, transmitido de geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em função do seu meio envolvente, da sua interação com a natureza e da sua história, e confere-lhes um sentido de identidade e de continuidade, contribuindo assim para promover o respeito da diversidade cultural e a criatividade humana”, acrescentando-se, no mesmo artigo, que “para efeitos da presente Convenção, só será tomado em consideração o património cultural imaterial que seja compatível com os instrumentos internacionais relativos aos direitos humanos existentes, bem como com a exigência do respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos, e de um desenvolvimento sustentável”.

Vinte anos depois destas afirmações, considerando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas, importa repensar o papel da Convenção e do PCI num mundo que, em 2023, se confronta com os problemas inerentes a binómios como “salvaguarda – sustentabilidade”, “continuidade – recriação”, “direitos – deveres”, “políticas-práticas”.

Com este congresso internacional pretende-se promover não só um balanço crítico das duas décadas da Convenção mas também uma discussão sobre os desafios das políticas e práticas em torno do PCI nas próximas décadas.

É ainda objetivo deste Congresso dar conta dos contributos da Cátedra para a implementação dos desígnios da Convenção no que tange a estudos, metodologias, intervenções no terreno, boas práticas, apoio às políticas públicas e aos detentores de expressões de saber-fazer tradicional.

#uevora #cidehus #catedraunesco #unescochair #intagibleheritage #CallForPapers

VI Fórum Ibérico junta investigadores em Évora para debater novas perspetivas de investigação em museologia

A imagem apresenta em grande plano uma escultura grega conhecida como a danlçarina de Budapeste

Statue of a girl (the Budapeste dancer), Museum of Fine Arts, Budapeste. Foto de Ana Carvalho

A 24 e 25 de novembro realiza-se o VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos, na Universidade de Évora, para debater novas perspetivas de investigação na área da museologia.

Reconhecendo a pluralidade dos estudos museológicos, o Fórum pretende contribuir para a discussão de projectos de investigação recentes ou em curso, em diversas geografias e contextos do panorama ibérico. Um dos eixos de reflexão consiste em debater abordagens históricas dos museus e da museologia e, por outro lado, abordagens que contribuam para um entendimento contemporâneo da relação dos museus com a sociedade.

O programa apresenta um leque diverso de projetos de investigação e inclui duas oradoras principais: Raquel Henriques da Silva e Maria de Bolaños, ambas conhecidas pelo seu papel de relevo na museologia portuguesa e espanhola.

Conheça o programa em: https://viforumiberico.wixsite.com/2022/about-7

As inscrições podem ser feitas através do website do Fórum (até 18 de nov.): https://viforumiberico.wixsite.com/2022/general-clean-1

A 6.ª edição deste Fórum é promovida pelo CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e pelo IHA – Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

***

Mais sobre o Fórum Ibérico de Estudos Museológicos:

Este fórum ibérico é dedicado à museologia e realiza-se desde 2017. É um espaço de partilha de investigação e reflexão em torno da história e dos desafios atuais da museologia. Pretende facilitar o intercâmbio de conhecimentos e projectos, fortalecer redes de comunicação e de colaboração, favorecendo a aproximação entre Portugal e Espanha, incluindo o mundo iberoamericano.

I Foro Ibérico de Jóvenes Investigadores – Museologías: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos, 18 Nov. 2017, Museo Nacional de Escultura, Valladolid. Ver publicação aqui.

II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia: Os Museus e a(s) Sociedade(s) – Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios, 13-14 Dezembro 2018, Museu Nacional Arte Antiga, Lisboa. Ver publicação aqui.

III Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Historia de los Museos. Historia de la Museología, 18-19 Outubro 2019, Museo Arqueológico Nacional, Madrid. Ver publicação aqui.

IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Estratégias de Exposição – História e Práticas Recentes, 10 Dezembro 2020, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Ver publicação aqui.

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Autores e Textos Críticos em Espanhol e Português, 21-22 Outubro 2021, IAACC Pablo Serrano, Zaragoça. Ver publicação aqui.

Património imaterial e políticas públicas em Portugal

Detalhe da exposição “Um Cento de Cestos” no Museu de Arte Popular, Lisboa, 2022. Foto: Ana Carvalho

O texto “Intangible Cultural Heritage and Public Policies in Portugal – An Overview” (de Ana Carvalho) foi publicado no livro digital “Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings” (2022). Está disponível na íntegra em: http://hdl.handle.net/10174/32368

Resumo:

Ao ratificar a Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003, os Estados Parte comprometem-se a implementar as suas directrizes nos respectivos contextos nacionais. Neste contexto, adaptando políticas, procedimentos e sistemas de gestão do património para incluir os princípios da UNESCO e um entendimento sobre Património Cultural Imaterial (PCI), bem como considerar a participação das comunidades nos processos de salvaguarda. Para muitos países isto resultou no repensar de novos discursos, políticas e práticas que contribuíram para uma reflexão renovada sobre a noção de PCI e sobre quais as abordagens de salvaguarda. Portugal está entre os países que, ao ratificar a Convenção em 2008, pôs em marcha uma “nova” política de património e um novo quadro institucional e legislativo para a salvaguarda do PCI. Este capítulo apresenta uma visão geral dos principais passos dados nas políticas públicas relativas ao PCI, reflectindo sobre os seus efeitos e desafios. Este estudo empírico baseia-se na análise de documentos oficiais (por exemplo, legislação e relatórios) e numa revisão bibliográfica. A análise aqui apresentada identifica questões-chave na implementação da Convenção em Portugal, contribuindo para melhor compreender as diversas abordagens e efeitos gerados pela UNESCO.

Abstract:

By signing the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage (ICHC), states parties commit to implementing its guidelines in national contexts, adapting policies, procedures and heritage management systems to include the UNESCO principles and an understanding of Intangible Cultural Heritage (ICH), as well as considering community participation central to safeguarding processes. For many countries, this has resulted in framing new discourses, policies and practices that have contributed to a new reflection on how ICH is understood and how safeguarding is approached. Portugal is among the countries which, by ratifying the ICHC in 2008, set in motion a new heritage policy and governance framework for the safeguarding of ICH. This chapter presents an overview of the main steps taken in public polices concerning ICH, reflecting on the effects and challenges posed. This empirical study is based on the analysis of official documents (e.g., legislation and reports) and a literature review. The analysis presented herein may be significant to identify key issues in the implementation of ICHC in Portugal, and thus contribute to a comparative overview of the diverse approaches and effects generated by UNESCO.

 

***

Carvalho, Ana. 2022. “Intangible Cultural Heritage and Public Policies in Portugal – An Overview.” In Intangible Cultural Heritage and Digital Image: Portugal-Slovakia Readings, ed. Milan Konvit, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde, e Sónia Bombico, 46-63. Évora: UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know – How: Linking Heritage, University of Évora. ISBN: 978-972-778-269-7. http://hdl.handle.net/10174/32368

Nova publicação sobre o património imaterial e o digital

Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings (2022) é a mais recente publicação com a chancela da Cátedra UNESCO “Património Imaterial e saber-fazer tradicional: ligando patrimónios” da Universidade de Évora. Disponível em acesso aberto aqui: http://hdl.handle.net/10174/32325

Esta publicação resulta do projecto BDIAS – Desenvolvendo mecanismos e formas de apresentação do Património Cultural Imaterial com recurso aos novos meios de comunicação (2019-2022). Pretendeu discutir as metodologias de salvaguarda e valorização do Património Cultural Imaterial (PCI), assim como o papel dos novos meios de comunicação nestes processos.

O BDIAS consistiu num projecto de cooperação internacional na área do PCI, das tecnologias digitais e da transferência de conhecimento, com base numa parceria entre o CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades/Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-fazer Tradicional: Ligando Patrimónios/Universidade de Évora e a Comenius University (Bratislava, Eslováquia); teve financiamento da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo do Convénio/Acordo FCT: Cooperação Científica e Tecnológica Portugal/Eslováquia.

****

CONTENTS

Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings
Coord. Milan Konvit, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde e Sónia Bombico

5 | Introductory remarks, Sónia Bombico
7 | Introduction: May you live in interesting times, Milan Konvit & Antónia Fialho Conde
12 | New media and intangible cultural heritage: challenges and opportunities, Milan Konvit
29 | Intangible cultural heritage in Slovakia from an institutional perspective, Eva Capková
46 | Intangible cultural heritage and public policies in Portugal: an overview, Ana Carvalho
64 | Cultural resource management: the application of management theory and practice in cultural industry, Lukáš Vartiak
83 | Museums, intangible cultural heritage and digital technologies: exploring interactions, Ana Carvalho
98 | Transfer of Intangible Cultural Heritage using Augmented Reality Applications: A Survey on User Experience and Current Limitations of End-User Mobile Technology for Knowledge Transfer, Juraj Grečnár
112| ICH at fingertips: Dissemination and pedagogy through digital media, Shajjad Hossain
137 | Interview with Ricardo Fonseca, Sónia Bombico
143 | Interview with Peter Trnka, by Andrea Jančošková & Veronika Valovicova
147 | Conclusions, Filipe Themudo Barata
150 | About the authors

****

Konvit, Milan, Filipe Themudo Barata, Antónia Fialho Conde e Sónia Bombico. 2022. Intangible Cultural Heritage and Digital Media: Portugal – Slovakia Readings. Évora. UNESCO Chair in Intangible Heritage and Traditional Know – How: Linking Heritage, University of Évora. 153 páginas. ISBN 978-972-778-269-7. http://hdl.handle.net/10174/32325

Call for Papers para o VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

A imagem apresenta em grande plano uma escultura grega conhecida como a danlçarina de Budapeste

Statue of a girl (the Budapeste dancer), Museum of Fine Arts, Budapeste. Foto de Ana Carvalho

VI Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Novas Perspetivas de Investigação
Universidade de Évora, 24 e 25 de Novembro 2022

Call for Papers

Reconhecendo a pluralidade dos estudos museológicos, o VI Fórum Ibérico pretende contribuir para a discussão de projectos de investigação recentes ou em curso, em diversas geografias e contextos do panorama ibero-americano.

Aceitam-se propostas com abordagens históricas dos museus e da museologia, assim como as que contribuam para um entendimento contemporâneo da relação dos museus com a sociedade. São bem-vindas apresentações que, tendo como objeto de estudo os museus, tragam novos pontos de vista, o cruzamento de olhares interdisciplinares e o diálogo entre investigadores em diferentes fases do seu percurso académico e profissional.

Convidamos académicos, investigadores e profissionais de museus a apresentar propostas de comunicação de 20 min., em formato presencial, em português ou espanhol, focando um dos tópicos do Fórum.

Organização: CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora e IHA – Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

Entidades parceiras:
Direção-Geral do Património Cultural
Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
ICOM Portugal
ICOM Espanha

Prazo para envio de propostas: 12 de Setembro de 2022

Mais informações em: https://viforumiberico.wixsite.com/2022

***

Sobre o Fórum Ibérico de Estudos Museológicos

Este fórum ibérico dedicado à museologia realiza-se desde 2017. É um espaço de partilha de investigação e reflexão em torno da história e dos desafios atuais da museologia. Pretende facilitar o intercâmbio de conhecimentos e projectos, fortalecer redes de comunicação e de colaboração, favorecendo a aproximação entre Portugal e Espanha, incluindo o mundo iberoamericano.

I Foro Ibérico de Jóvenes Investigadores – Museologías: Teorías, Contextos, Relatos, Experiencias, Retos, 18 Nov. 2017, Museo Nacional de Escultura, Valladolid. Ver publicação aqui.

II Fórum Ibérico de Investigação em Museologia: Os Museus e a(s) Sociedade(s) – Teorias, Contextos, Histórias, Experiências, Desafios, 13-14 Dezembro 2018, Museu Nacional Arte Antiga, Lisboa. Ver publicação aqui.

III Foro Ibérico de Estudios Museológicos: Historia de los Museos. Historia de la Museología, 18-19 Outubro 2019, Museo Arqueológico Nacional, Madrid. Ver publicação aqui.

IV Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Estratégias de Exposição – História e Práticas Recentes, 10 Dezembro 2020, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Ver publicação aqui.

V Fórum Ibérico de Estudos Museológicos: Autores e Textos Críticos em Espanhol e Português, 21-22 Outubro 2021, IAACC Pablo Serrano, Zaragoça. Publicação no prelo.

Debate da Acesso Cultura sobre os valores das organizações culturais

Quais os valores de cada organização cultural? Porque é que devem ser definidos e assumidos? De que forma se expressam? E, sobretudo, de que forma as organizações culturais identificam, cultivam e transmitem valores importantes para as comunidades em que se inserem?

Estas são as questões de partida para o debate que será promovido pela Acesso Cultura “Os nossos valores: nem tidos bem achados”. Acontece no próximo dia 15 de Fevereiro, pelas 18h30, em modo presencial, em Évora, na Direção-Regional de Cultural do Alentejo – Casa Nobre de Burgos.

O debate será moderado por Ana Carvalho, investigadora do CIDEHUS – Universidade de Évora e tem como convidadas:

Deolinda Tavares, Diretora do Museu Rainha D. Leonor
Maria de Jesus Monge, Presidente do ICOM Portugal
Marta Guerreiro, Presidente da Direção da Associação PédeXumbo
Sandra Leandro, Diretora do Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo.

A Acesso Cultura organiza debates abertos aos profissionais do sector cultural e a todas as pessoas interessadas para se poder refletir em conjunto sobre questões ligadas à acessibilidade – física, social e intelectual – que têm um impacto no seu trabalho e na relação com instituições cultuais e pessoas com variados perfis.

Este debate acontece em simultâneo em outras cidades.

Todas as informações aqui:
https://acessocultura.org/iniciativas/debates/

Futuro dos museus em destaque no Dia Internacional dos Museus

A propósito do Dia Internacional dos Museus (18 Maio), este ano sobre “O Futuro dos Museus: Recuperar e Reimaginar”, a Agenda Cultural de Lisboa dá destaque ao tema na sua edição de Maio (pp. 2-9): https://bit.ly/3eUNM8i

****

A 18 de Maio celebra-se o Dia Internacional dos Museus. A edição de 2021 está subordinada ao tema “O Futuro dos Museus: Recuperar e Reimaginar”. Num mundo marcado pela crise pandémica, e após um longo período de afastamento físico do convívio com o espaço dos museus, três especialistas refletem sobre as questões da sustentabilidade, da inovação do futuro e da relevância destas instituições vitais para a vida em sociedade, para o seu desenvolvimento e aperfeiçoamento. Texto de Luís Almeida d’Eça. Fotografias de Humberto Mouco

O DIGITAL CRIOU UMA EXPANSÃO DO TRABALHO DOS MUSEUS
Ana Carvalho, Investigadora da Universidade de Évora (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades)

A questão dos museus do futuro não é nova, mas tem-nos inquietado particularmente no último ano. O que é possível fazer para que os museus enfrentem melhor os desafios da sociedade? Esses desafios são múltiplos, porém o que me parece mais evidente é o digital pela forma como se tornou, com as portas dos museus fechadas, no recurso a um espaço imprescindível. Na verdade, já antes da pandemia muitos museus trabalhavam o espaço digital, trazendo novos conteúdos e diversificando os seus públicos. Participei no projeto internacional Mu.SA [2016-2019] que abordava a forma como os museus podem responder aos desafios da sociedade digital. A crise pandémica evidenciou que, de uma forma geral, os museus não estão preparados para esse passo. Não conseguem construir uma estratégia que use o digital como forma de beneficiar a sua missão. Sinto, neste momento, que existe um enorme apetite para voltarmos à experiência física, um cansaço do digital. Os museus têm agora a oportunidade de voltar a garantir essas experiências únicas e autênticas no espaço físico. Mas, a ideia do digital não vai desparecer. É como se houvesse uma expansão do trabalho dos museus e é preciso capacitá-los para essa tarefa. Em Portugal, nos museus nacionais, as equipas são pequenas e envelhecidas, com poucos recursos, algumas com poucas competências na área digital e infraestruturas obsoletas. A ideia de “fazer cada vez mais, com menos recursos” não é possível para um trabalho de comunidade e de continuidade nos museus. Existe uma necessidade de maior cooperação com outras entidades para transferência de conhecimentos, um investimento nas tecnologias de informação, a possibilidade de criar projetos piloto, a promoção do acesso através do investimento na digitalização dos acervos. E, mais do que digitalizar, pensar que histórias se podem contar a partir dessas coleções digitais. Isto implica o reconhecimento das fragilidades e políticas públicas assertivas. Os museus portugueses têm subsistido a crises constantes. Esta é mais uma, mas sem precedentes, e que vai trazer um conjunto de repercussões a vários níveis. Os museus, que já se encontravam numa situação frágil, se não virem estas questões encaradas com cuidado, dificilmente poderão desempenhar funções relevantes.

GRANDES RESERVAS PATRIMONIAIS ESPALHADAS REGIONALMENTE
Fernando António Baptista Pereira, Presidente da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa

A transição digital nos museus é um dos imperativos desta década. Digitalizar os acervos e colocá-los online, como também a documentação alusiva a esses acervos, ou seja, muitas exposições, catálogos, estudos de mestrado, de doutoramento, etc. Tarefa que necessita de equipas vocacionadas para este fim. O outro lado desta revolução é, para mim, a possibilidade de criar no museu um espaço wi-fi livre para se poderem inserir as aplicações necessárias para se realizar uma visita com o próprio telemóvel, não com os audioguias tradicionais. Os visitantes têm como grandes rivais do museu o seu próprio telemóvel que os atrai para a leitura de coisas exteriores ao museu. Por isso, é importante que o museu entre no telemóvel do visitante através de uma aplicação que lhe presta informações sobre a obra que está a ver, pois mediante o sistema de beacons consegue localizar a presença das pessoas no museu, podendo mesmo propor jogos sobre a obra em causa e, até, sugerir a visita à medida do gosto individual. Se conseguirmos fazer isto, os museus ultrapassam o fim da era das massas que a pandemia ditou. Importa realizar exposições virtuais e eventos online que possam atrair visitantes espalhados ao longo do ano e não concentrados nos meses de verão e, sobretudo, tornar o dispositivo móvel da pessoa como o seu grande aliado na visita ao museu, permitindo guardar as informações e levar o museu para casa, revisitando-o. Estas são as duas questões fundamentais da transição digital. Acrescentaria ainda uma questão estratégica para o desenvolvimento do país: a constituição de grandes reservas patrimoniais espalhadas regionalmente, associadas a laboratórios de conservação e restauro. Não só se empregariam imensos jovens formados nesses domínios, como se encontravam reservas em condições para albergar o património arqueológico, que é imenso, algum do património etnográfico, que está a sair do país para enriquecer coleções lá fora, e parte do património artístico, que os seus detentores não podem conservar devidamente. Mantendo um registo de propriedade, as reservas seriam os locais onde as peças estariam guardadas e disponíveis para exposições temporárias. Os centros de conservação e restauro associados a essas reservas, os sítios onde essas obras iam sendo estudadas, tratadas e salvaguardadas.

TRABALHO EM REDE É A TENDÊNCIA ORGANIZACIONAL DO FUTURO
Clara Frayão Camacho, Museóloga, Coordenadora do Grupo de Projecto Museus no Futuro

Estamos habituados a ligar os museus ao passado e ao presente mas podem também constituir-se como laboratório de estudo e perspetivação do futuro. Foi isso que fizemos no Grupo de Projeto Museus no Futuro formado em meados de 2019, que coordenei ao longo de um ano e meio, e que culminou num relatório com 50 recomendações para os museus, palácios e monumentos do Ministério da Cultura. A análise demográfica do país, o retomar do Turismo, as questões da sustentabilidade, da participação e da transformação digital, levam-me a traçar algumas ideias sobre a perspetiva dos museus do futuro. A primeira é que a pandemia nos alertou para questões sanitárias de bem-estar físico e mental que devemos seguir. Será que essas questões vão ter repercussões a médio prazo na arquitetura dos museus, no equacionar dos espaços de acolhimento, do trabalho dos serviços educativos, do manuseio de equipamento interativo? No que respeita à participação, é cada vez mais notório que fatias significativas da população gostam não só de ver e contemplar as obras de arte, mas também de agir e participar em programas em que sejam ouvidas, seja através de co-curadoria de exposições temporárias, seja na participação de grupos consultivos, ou até em situações de governança participativa que estão a ser experimentadas nalguns museus do mundo. O museu tem que ser uma casa para todos e pensar sobretudo naqueles que não vêm ao museu, se quer ser relevante para a sociedade e não apenas para parte dela. Os cidadãos com literacia digital cada vez mais elevada vão exigir formas mais interativas de atuação dos museus. No futuro perspetiva-se uma complementaridade entre o físico e o online, nunca o desaparecimento da experiência presencial, essencial para fruir e dialogar com os bens culturais. Também nas questões da sustentabilidade os museus devem ter um papel significativo, seja pedagógico, através de exposições, de reflexão e investigação, seja pelo seu próprio exemplo, em termos de arquitetura, de planeamento de espaços ao ar livre, de estacionamento de bicicletas e práticas sustentáveis. Finalmente, o trabalho em rede é definitivamente a grande tendência organizacional do futuro. Quer do ponto de vista formal, com a renovação da própria rede portuguesa de museus, quer no trabalho no terreno com as várias redes de museus já existentes, quer com diretrizes políticas a nível nacional e municipal, com grande envolvimento da sociedade.

****

Agenda Cultural de Lisboa, edição de Maio: https://bit.ly/3eUNM8i

Grupo de Projeto Museus no Futuro: Relatório Final (coord. Clara Frayão Camacho): http://patrimoniocultural.gov.pt/static/data/docs/2021/02/15/RelatorioMuseusnoFuturo.pdf

Projecto Mu.SA – Museum Sector Alliance (2016-2020): http://www.project-musa.eu/pt/