Arquivo de etiquetas: Convenção 2003

Património imaterial e museus: novos e velhos desafios

Pequena exposição sobre os chocalhos no Paço dos Henriques (Alcáçovas, Évora), 2016. Foto de Ana Carvalho. O fabrico de chocalhos foi inscrito, em 2015, na Lista do Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente da UNESCO.

“Património imaterial” tornou-se uma buzzword dos nossos dias, em parte devido à visibilidade da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada pela UNESCO em 2003, que veio chamar a nossa atenção para a necessidade de dar visibilidade a um património vivo, em constante adaptação, que faz parte da identidade dos grupos e das comunidades, e que é transmitido de geração em geração.

Património imaterial: o que é que os museus têm a ver com isso?

Vários actores são chamados a tomar uma posição sobre esta matéria e os museus estão entre as organizações culturais que podem ou poderiam contribuir para a salvaguarda do património imaterial. Porquê? Porque os museus são sobre o nosso património (material e imaterial), são sobre a nossa identidade e memória colectiva, são sobre o nosso passado e presente, mas também sobre como imaginamos o futuro. Além disso, os museus são espaços de conhecimento, onde podemos celebrar a diversidade cultural: são lugares de encontro e de diálogo. Os museus têm também uma função educativa e social. Portanto, eu diria que o património imaterial incorpora a própria noção de museu; está no coração e na essência do que os museus são ou poderiam ser.

Património imaterial: o quê?

O património imaterial está ligado à memória e à identidade, ideia que não é nova para os museus. No entanto, a recente e crescente visibilidade do património imaterial tem feito os museus reconsiderar como colocar em prática uma abordagem que integre e interprete todas as dimensões do património cultural, e alcançar um equilíbrio entre uma abordagem tradicional com base nos objectos e na sua materialidade e uma perspectiva mais contemporânea que realça a sua dimensão imaterial. Em resumo, muitos museus procuram encontrar um equilíbrio entre o passado e o presente na forma como apresentam o património imaterial ao seus públicos.

Assim, discutir sobre património imaterial no contexto dos museus significa ter em consideração várias camadas de interpretação, não apenas no que se refere aos objectos das colecções (incluindo os seus diferentes significados através do tempo, as formas de produção e de utilização, as histórias de vida e memórias que lhes estão associadas, entre outros aspectos), mas também as que se relacionam com a memória dos próprios edifícios, as memórias ligadas a lugares e a paisagens (por exemplo, biografias culturais), e uma melhor compreensão e conhecimento das práticas sociais e culturais que têm lugar fora do museu.

Manuel Antunes Cecílio, mestre chocalheiro. Foto daqui.

Tornar o invisível visível

Não é possível captar toda a essência do património imaterial numa vitrine, uma vez que este património “vive” no seio das comunidades, no entanto os museus podem envolver-se mais e ser mais activos na sua valorização dando maior visibilidade à dimensão imaterial das suas colecções, dos seus edifícios e paisagens culturais. Os museus podem ainda encorajar outros a envolver-se na reflexão sobre património imaterial. Como? Creio que isso pode ser feito a partir de uma abordagem mais comprometida que implique o desafio de interagir mais com as comunidades, envolvendo-as – e aqueles que são os “detentores” do património imaterial – no trabalho do museu, incluir as suas vozes e conhecimentos, criando espaços de representação mais plurais e inclusivos por via de uma museologia mais participativa.

Processo de documentação fotográfica de uma colecção de chocalhos com vista à sua exposição no Paço dos Henriques (Alcáçovas, Évora), 2017. Foto do Paço dos Henriques – Programa PAGUS.

Identificar, documentar e gerir – um ponto de partida

Não há dúvidas que o compromisso com o património imaterial traz um conjunto adicional de preocupações aos museus; desafia todas as áreas de trabalho sem excepção – das colecções à documentação, à investigação, às exposições, ao envolvimento de comunidades e de públicos, às questões éticas, mas também à gestão e ao financiamento. Mas, claramente, a documentação representa um passo importante em qualquer estratégia e pode alimentar outras áreas de trabalho nos museus, reutilizando a informação recolhida sobre património imaterial.

A documentação prevalece como um ponto de partida de qualquer museu que pretenda estabelecer uma ligação dos objectos à sua imaterialidade, assegurando para este efeito uma ampla participação dos grupos e comunidades. Esta tem sido uma mudança lenta para muitos museus portugueses, mas provavelmente para muitos outros fora de Portugal, pela necessidade de rever e adaptar os procedimentos na documentação e gestão de colecções. Todavia, já existem metodologias em curso. A criação de um grupo de trabalho dedicado especialmente ao património imaterial no seio do CIDOC (Comité Internacional do ICOM para a Documentação), em 2014, evidencia a importância de trabalhar no contexto de processos e a necessidade de redefinir orientações e formatos de documentação para o património imaterial no sentido de alcançar uma performance mais eficaz. Além disso, a partilha de experiências neste campo é crucial para expandir as práticas museológicas no que se refere às questões sobre documentação, mas também para assegurar o acesso à informação sobre património imaterial.

Nota biográfica: Ana Carvalho tem doutoramento e mestrado na área da Museologia e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, integrando também a equipa da Cátedra UNESCO em Património Imaterial da mesma universidade. Autora do blogue No Mundo dos Museus, editora do Boletim do ICOM Portugal e co-editora da revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares.

Um agradecimento especial a Emmanuelle Delmas-Glass (CIDOC) pela  revisão cuidada do texto em inglês.

****

Texto publicado originalmente no blogue do CIDOC: http://network.icom.museum/cidoc/blog/ana-carvalho/ (Agosto 2017)

Educar com o património cultural imaterial

 

na imagem vê-se capa do livro de cor amarela

“El Patrimonio Cultural Inmaterial y su Didáctica” acaba de ser publicado em Espanha pelas edições Trea. O livro tem em conta o enquadramento da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003) para reflectir sobre vários temas: o conceito de património imaterial; o que se inclui e o que se exclui; a aparente perda de diversidade cultural por via da globalização; a artificialidade das listas de património imaterial da UNESCO; a instrumentalização política subjacente às candidaturas da UNESCO; os mecanismos de inclusão e exclusão cultural; entre outros. Muitos são os exemplos (mais internacionais do que espanhóis) que são dados ao longo do livro para sustentar os argumentos apresentados. Mais do que respostas, os autores fazem um levantamento de problemáticas em torno do património imaterial.

Um dos argumentos principais dos autores, tornado explícito no próprio título do livro, é explorado no final da publicação. Reside no potencial educativo que o património imaterial pode ter para um melhor conhecimento da nossa cultura e da dos outros, e no respeito pela diferença e pelos direitos humanos. Segundo os autores, essa consciência deve ser promovida sobretudo entre os mais jovens: «el (re)conhecimento del património cultural imaterial de comunidades diferentes a la própria implica abrir los horizontes cognitivos impuestos por nuestra cultura, pudendo ajudar a resquebrajar las representaciones sociales que tenemos sobre el mundo y la vida y, por tanto, a liberarnos, en parte, de esa “sujeción” cultural que nos define en tanto que seres sociales y culturales» (p. 147). Em última análise, educar com o património imaterial poderá ajudar a contribuir para que se formem cidadãos mais críticos e mais autónomos. 

O livro é coordenado por Joan Santacana Mestre (Universidade de Barcelona) e Nayra Llonch Molina (Universidade de Leida). Grande parte dos capítulos (são 21 no total) são da autoria dos editores, mas estão incluídos contributos de outros investigadores. O livro resulta do trabalho desenvolvida por um grupo de académicos que fazem parte da linha de investigação DHiGeCs (Didàctica de la Història, la Geografia, i altres Ciències Socials) da Universidade de Barcelona.

****

CONTEÚDOS:

Historia y definición del patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La historia de un concepto
Definición y Lista Representativa del Patrimonio Cultural Inmaterial de la Humanidad

La realidad del patrimonio inmaterial: ¿un gran cementerio de la cultura humana? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La esencia de la inmaterialidad
¿Qué se debería valorar en el patrimonio inmaterial? El debate sobre los valores de lo inmaterial

¿Qué incluimos y qué no incluimos en el concepto de patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Los temas de la cultura
Los ámbitos en los cuales se manifiesta el patrimonio cultural inmaterial
Los ámbitos del patrimonio cultural inmaterial y la antropología cultural

El descrédito de la diversidad y la búsqueda de la identidad (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La diversidad como castigo divino y su estigmatización
La fuerza de la diversidad cultural de los humanos
La conciencia de identidad o el afán de diferenciarse

Las lecciones de la diversidad cultural (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Las ventajas de lo «occidental»
Los problemas de la pérdida de diversidad
Las ventajas de la diversidad cultural

De nuevo sobre la imposible lista del patrimonio inmaterial del mundo (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Quién puede seleccionar lo que es importante para un grupo humano?
No basta con «ver» para comprender: el caso de los yorubas
Las lecciones de la mascarada yoruba

¿Quién decide lo que es y lo que no es patrimonio inmaterial de un pueblo? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Patrimonio cultural inmaterial y «hecho social»
La presión colectiva: el caso de Diana de Gales como ejemplo
La Unesco y las decisiones políticas

La exclusion cultural y sus variedades (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina
Genocidas en nombre de la igualdad
Los mecanismos de la exclusión cultural: del prejuicio al exterminio
El racismo cultural que todos llevamos encima

El patrimonio inmaterial encapsulado en el relato (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La inmensa variedad de los relatos
Los relatos, guiones del teatro de la vida
La lección del cuento de «Los tres cerditos»

Cuando el patrimonio inmaterial se traduce en arte (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El arte se puede manifestar en cualquier modalidad de lo inmaterial
El arte en las creencias y en las costumbres
El arte une símbolos, explicaciones y juegos

La sabiduría y la tecnología para transformar el entorno como patrimonio cultural inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
¿Tecnologías obsoletas? ¿Conocimientos superados?
Casas, agujas y yertas: tres ejemplos de conocimientos tecnológicos como patrimonio inmaterial

El patrimonio cultural inmaterial que se puede comer y beber (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
Del comer y del beber
La gastronomía, ¿arbitrariedad o respuesta cultural?
Algunos ejemplos para tener apetito

¿Constituyen las religiones expresión del patrimonio inmaterial? (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La división del mundo en natural y sobrenatural
Las manifestaciones religiosas a menudo han sido consideradas patrimonio inmaterial
El papel de los rituales religiosos y la cultura

El valor inmaterial del patrimonio religioso en Occidente y su función educativa (Tania Martínez Gil)
El patrimonio religioso: entre lo material y lo inmaterial
El valor inmaterial del patrimonio religioso
Vetar con el patrimonio religioso hoy

Las emociones y el patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre, Nayra Llonch Molina y Tánia Martínez Gil)
Las emociones que nos mueven
La función motivadora de las emociones

La memoria del pasado como patrimonio inmaterial (Núria Gil Duran)
La memoria como patrimonio inmaterial
Los monumentos, iconos para la memoria
Erased in action: la acción de borrar la memoria

Educar a partir del patrimonio inmaterial (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
La educación, la sociedad y la escuela
Educar mediante las tradiciones
Educar mediante los cuentos
Educar con los juegos tradicionales

Las lenguas, un patrimonio inmaterial (Rosanna Rion)
El patrimonio inmaterial lingüístico
El patrimonio inmaterial : traducción e inmigración
Patrimonio inmaterial lingüístico y mediación

Los límites al derecho a la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)
El patrimonio inmaterial basado en la crueldad
Los dioses que comían carne humana y el valor de la libertad

Patrimonio inmaterial y los derechos humanos: ejes para cimentar la educación intercultural desde la enseñanza de las ciencias sociales (Josué Molina Neira y Rodrigo Arturo Salazar Jiménez)
Unas cuestiones previas
Breve análisis crítico sobre la fundamentación de la Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial
Conclusiones: relaciones entre patrimonio inmaterial, derechos humanos y didáctica de las ciencias sociales

La inclusión cultural o educar en la diferencia (Joan Santacana Mestre y Nayra Llonch Molina)

Anexo. Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial

Sugestão de leituras

Livros

© Ana Carvalho

Antes das férias deixo duas sugestões de leitura. Ambos são perspectivas actualizadas sobre património e museus, tendo como fio condutor os novos paradigmas de participação das comunidades nas práticas contemporâneas.

Um dos livros – Safeguarding Intangible Cultural Heritage: Touching the Intangible (2012) dá enfoque à problematização em torno do “Património Cultural Imaterial” e configura uma tentativa de ir para além do enquadramento da Convenção de 2003, procurando outros paradigmas de salvaguarda que permanecem à margem do discurso oficial.

Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration (2013), por seu turno, também pretende trazer novos olhares que ultrapassem uma visão simplista da relação entre curadoria e comunidades. As diversas contribuições do livro sublinham o potencial do papel social do museu e apontam para perspectivas mais plurais no sentido de alcançar novos modelos que têm subjacente a colaboração com as comunidades.

****

Stefano, Michelle, Peter Davis, e Gerard Corsane, ed. 2012. Safeguarding Intangible Cultural Heritage: Touching the Intangible. Heritage Matters. Woodbridge: The Boydell Press. Mais sobre o livro aqui.

Golding, Viv, e Wayne Modest, ed. 2013. Museums and Communities: Curators, Collections and Collaboration. London: Bloomsbury. Sobre o conteúdos do livro veja-se aqui.

 

“Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória”

© Ana Carvalho

© Ana Carvalho

Barroseiro, Sofia (Junho 2013). Tesouros Humanos Vivos e Patrimonialização da Memória. Um olhar desde Arraiolos. Universidade de Évora, dissertação de mestrado em Museologia. Júri: Paulo Simões Rodrigues (presidente); Filipe Themudo Barata (orientador); e Cyril Isnart (arguente). Defesa a 11 de de Junho de 2013.

****

Tesouros Humanos Vivos e a patrimonialização da memória. Um olhar desde Arraiolos 

(Resumo)

Um dos grandes desafios colocados ao mundo moderno é a necessidade e urgência da proteção do património cultural imaterial dos povos e das comunidades, que tende a desaparecer.

Todos estarão de acordo do trabalho que é necessário realizar: pesquisar, identificar, inventariar e preservar o nosso património imaterial com o objetivo de organizar um sistema coerente que salvaguarde, entre muitos outros aspetos, aqueles que possuem em si os saberes, as tradições e os conhecimentos de inegável valor histórico, social e artístico.

Daqui decorre a importância do programa dos Tesouros Humanos Vivos. Em primeiro lugar apoiar e incentivar o estabelecimento de sistemas nacionais de Tesouros Humanos Vivos, o qual passa pela preservação dos conhecimentos e técnicas necessárias para a identificação e recreação de elementos do património cultural imaterial. Esta iniciativa baseia-se na identificação e no apoio aos participantes de expressões culturais, assegurando a salvaguarda destas tradições através da transmissão de geração em geração.

Todavia, durante o levantamento dos Tesouros Humanos Vivos (partindo do estudo de caso do concelho de Arraiolos) são inúmeras as dificuldades relativamente à validação da informação por eles produzida e acerca da forma de proteger e recuperar os valores patrimoniais inerentes. E as dificuldades continuam se pensarmos no que fazer a todo o material recolhido, seja do ponto de vista institucional, seja nos problemas de acesso a essa informação, cuja validação é, tantas vezes problemática.

A presente reflexão pretende dar um contribuir positivo no sentido de dar resposta a questões como as seguintes: “como preservar o Património, segundo que procedimentos?”, sempre acompanhada da inevitável questão “porquê e para quem lhe dar valor?”.

*****

Living Human Treasures or when memory became heritage. A glimpse from Arraiolos

(Abstract)

What cultural heritage concerns one of the most important issues it’s the need to preserve and protect the intangible heritage threatened to disappearance.

Specialists agree upon what must be done: research, identified, inventorying and preserve intangible heritage in the framework of a global and consistent system that save those who have the know how, traditions and just knowledge of a important historical, social and artistic value.

That’s why is so important the Living Human Treasures Program. First, because it can support and promote an intangible heritage national system network, based upon the identification and the cultural expression memories, so that they can be preserved and transmitted through generations. Along the field work, using Arraiolos as a case study, it has been quite clear the difficulties about data validation, the way to organized these data from an institutional point of view and how to promote the acess to this interesting information.

That the aim of our intervention; our main questions could be the following: how to preserve this heritage and which should be the correct proceedings? Also why to do this and whom should evaluted it?

Políticas públicas para o Património Imaterial

Acontece nos dias 27 e 28 de Novembro de 2012 o colóquio internacional sobre “Políticas Públicas para o Património Imaterial na Europa do Sul: percursos, concretizações, perspectivas”, no Institut Français du Portugal (Lisboa). O colóquio conta com o apoio da Direcção-Geral do Património Cultural, Instituto Francês e da Universidade de Évora, através do CIDEHUS (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades).

Uma perspectiva comparativa das políticas culturais sobre património imaterial será certamente uma plataforma interessante de reflexão. Chérif Khaznadar, Sylvie Grenet, Chiara Bortolotto, José Luís Mingote Calderón e María Pía Timón Tiemblo são alguns dos investigadores estrangeiros confirmados.

A inscrição é gratuita.

Programa

Ficha de Inscrição

Sobre o encontro:

“Partindo dos esforços desenvolvidos em Portugal, França, Espanha e Itália, o Colóquio tem como objetivo principal a reflexão sobre os processos de desenho de políticas públicas na Europa do Sul para fins da implementação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (UNESCO, 2003), com especial enfoque sobre a constituição de inventários como medidas fundamentais para a salvaguarda do PCI.

Confrontando as principais estratégias desenvolvidas em cada um dos países, assim como os percursos históricos de que resultaram essas mesmas estratégias, o Colóquio pretende refletir, por um lado, sobre os papéis aí reservados para as entidades governamentais (de âmbito nacional, regional e local), as entidades de carácter científico e cultural (museus, universidades, centros de pesquisa, associações) e os detentores do PCI (“comunidades, grupos, indivíduos”).

Por outro lado, tendo em conta o papel desempenhado pela Antropologia, não apenas no estudo dos factos de cultura desde recentemente objetificados como “PCI”, mas também no próprio processo de elaboração da Convenção da UNESCO, o Colóquio pretende refletir sobre o papel e o envolvimento da disciplina na definição e implementação daquelas políticas e estratégias, identificando as oportunidades, os resultados e, também, os problemas metodológicos, epistemológicos e/ou políticos que daí podem decorrer.

Por fim, o Colóquio propõe-se interrogar as diferenças e afinidades entre as políticas culturais dos países da Europa do Sul, na perspectiva do papel desempenhado pelo património como factor de construção e reconstrução de identidades na Europa.” (Fonte: programa do colóquio)

 

Lançamento de livros sobre património na Universidade de Évora

A conferência internacional Local Vocabularies of Heritage (8-10 Fev. 2012) que se realiza em Évora inlcui no dia 9 de Fevereiro uma sessão para lançamento de livros sobre património de alguns dos conferencistas que participam no evento.

A sessão é entre as 18h00 e as 19h00, sala 131, Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora. A entrada é livre.

Sobre os livros:

Bortolotto, Chiara (ed. com a colaboração de Sylvie Grenet e Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Este livro foi publicado em Novembro de 2011. É editado por Chiara Bortolotto e inclui diversas contribuições que reflectem sobre o que é o Património Cultural Imaterial, como se constrói e quais os efeitos dos processos de patrimonialização, atendendo aos objectivos da Convenção 2003. Os textos dão também conta das complexidades das problemáticas suscitadas com este enquadramento internacional: qual o papel dos investigadores na articulação da Convenção 2003 com as políticas nacionais?; que tipo de respostas e ajustes terão de ser feitos pelos estados e pelas comunidades na implementação da Convenção nos territórios?; como analisar a relação entre a noção de salvaguarda em confronto com as ambiguidades que implicam os inventários do Património Cultural Imaterial.
Pode encontrar o índice aqui.

Mais informações no site da editora:
http://www.editions-msh.fr/livre/?GCOI=27351100905770&fa=description

Hauser-Schäublin, Brigitta, ed. 2011. World Heritage Angkor and Beyond: Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia. Göttingen Studies in Cultural Property, volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

  O livro está disponível para download em pdf no site das publicações da Universidade de Göttingen (Alemanha) 

http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2011/GSCP2.pdf

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

É mais uma publicação da Universidade de Göttingen e está escrito em alemão. Está disponível em pdf:
http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2010/GSCP1.pdf

Carvalho, Ana,  2011Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS. ISBN 978-989-689-169-5.

Por fim, mas não menos importante, será lançado o livro do qual sou autora: Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas, que acaba de ser impresso pela Colibri. O livro é publicado através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

A todos os que permitiram a concretização deste projecto os meus profundos agradecimentos. Gostaria, no entanto, de fazer uma menção especial ao meu orientador Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, pois sem o seu incentivo nada disto seria possível.

O livro é o resultado de uma tese de mestrado apresentada em 2009 na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Museologia. Trata-se de uma reflexão em torno do enquadramento normativo da UNESCO, em particular a Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) e o papel dos museus nesta área. Os museus são um dos agentes intervenientes na definição de estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial e é a partir desta premissa que procuramos enquadrar as responsabilidades dos museus neste campo. Sublinham-se as problemáticas e os desafios implicados numa abordagem ao património, cada vez mais alargada, e que reclama, por sua vez, intervenções mais integradas, seja do ponto de vista dos parceiros envolvidos seja do ponto de vista da diversidade dos campos disciplinares envolvidos.

O livro está organizado em três capítulos. O primeiro capítulo estabelece como ponto de partida o enquadramento histórico e institucional que conduziu à Convenção 2003, analisando as principais iniciativas da UNESCO que, ao longo das últimas décadas, foram determinantes para se chegar ao discurso de salvaguarda patente no texto da Convenção 2003. A partir do enquadramento internacional do tema, o segundo capítulo dá enfoque ao contexto nacional, nomeadamente o quadro normativo e institucional e a sua articulação com políticas culturais direccionadas para a salvaguarda do PCI. O terceiro e último capítulo reflecte sobre o papel dos museus, situando as problemáticas e a complexidade de abordar o PCI de acordo com as recomendações da Convenção 2003, assim como as suas potencialidades. É também a partir das orientações do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que se posiciona favorável a um papel activo dos museus na salvaguarda do PCI, que são analisadas diversas formas de tratar o imaterial nos museus em função das actividades museológicas. Identificar, documentar, estudar, expor e interpretar, apresentar, transmitir, educar… são algumas das possibilidades de trabalho. O papel da história oral, das novas tecnologias são aspectos igualmente tratados no livro, que se entende como um ponto de partida para a reflexão e definição de estratégias de salvaguarda.

O livro inclui ainda um prefácio da autoria do Prof. Doutor João Carlos Brigola e um texto de apresentação assinado pelo orientador do estudo, o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata.

Nota: Para além do lançamento do livro no contexto específico desta conferência está também previsto um lançamento em Lisboa com data a anunciar oportunamente.

Programa da Sessão:

18:00-19:00 Sala 131 Books Launch
Chiara Bortolotto and Sylvie Grenet
Bortolotto, Chiara (ed. avec la collaboration de Sylvie Grenet et Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Stefan Groth
Hauser-Schäublin, Brigitta (ed.) 2011. World Heritage Angkor and Beyond Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia, Göttingen Studies in Cultural Property – Volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Ana Carvalho
Carvalho, Ana,  2012. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS.

 

* O livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial” tem o apoio do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)

 

 

 

Livro “Património Cultural Imaterial”

Foi lançado, no passado dia 29 de Setembro, o livro “Património Cultural Imaterial-Convenção da UNESCO e seus contextos” de Clara Cabral (Edições 70, nº 98 da Col. Arte & Comunicação).

Sobre o livro:

A ratificação por Portugal, em 2008, da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial tem suscitado grande curiosidade quanto à sua natureza, características e valor para a sociedade.

O que é o património cultural imaterial? Porque é importante a sua salvaguarda?

Qual a utilidade de um instrumento normativo internacional?

Estas são algumas das questões analisadas no presente livro, onde se dá a conhecer a Convenção da UNESCO de forma simples e objectiva para que todos possam colaborar eficazmente na salvaguarda do nosso extenso e riquíssimo património intangível.

(Fonte: Edições 70)

Conteúdos:

Prefácio
Introdução
1. Apontamentos sobre património e cultura
1.1. Essência e desígnios do património cultural
1.2. Questões culturais na sociedade global
1.3.Direitos culturais colectivos
1.3.1. Populações indígenas
1.3.2. Minorias
1.3.3. Grupos de migrantes
1.4. Folclore e cultura popular
2. Convenção do Património Cultural Imaterial
2.1. Criação da Convenção de 2003
2.2. Relação com a Convenção do Património Mundial
2.3. Órgãos e mecanismos da Convenção
3. Salvaguarda como processo participativo
3.1. Identificação, documentação e pesquisa
3.1.1. Inventários
3.1.2. Inventariação
3.2. Viabilização a longo prazo
4. Listas da Convenção
4.1. Lista Representativa
4.2. Lista de Salvaguarda Urgente
4.3. Programas, Projectos e Actividades
5. Impactos sobre as comunidades e grupos
5.1. Propriedade Intelectual
5.2. Turismo
5.3. Desenvolvimento sustentável
6. Aplicação da Convenção em Portugal
6.1. Contexto normativo
6.2. Entidades responsáveis e agentes no terreno
7. Notas finais
Bibliografia
Anexos
Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial
Directivas Operacionais para a Aplicação da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (excertos)
Lei n.º 107/2001 de 8 de Setembro (excertos)
Decreto-Lei n.º 139/2009 de 15 de Junho
Portaria n.º 196/2010 de 9 de Abril

(fonte: informação enviada pela autora)

O livro pode ser adquirido aqui:
http://www.almedina.net/

ou aqui:
http://www.edicoes70.pt/site/node/440

Sobre as jornadas de património imaterial em Alcochete

jornadas alcochete PCI 13

Sobre as VIII Jornadas do Centro de Tradições Populares Portuguesas “Professor Manuel Viegas Guerreiro”: Tradição, Memórias, Vidas realizadas em Alcochete alguns comentários:

13 Novembro

O encontro começou por formalizar um protocolo entre este centro de investigação e a autarquia de Alcochete para a realização de trabalho no âmbito do património imaterial no domínio da tradição oral, mais concretamente sobre literatura oral tradicional (LOT), designação adoptada pelo Centro de Tradições Populares.

As comunicações foram sendo variadas, dando a conhecer os problemas de trabalho nesta área e divulgando também alguns trabalhos de investigação, alguns deles ligados a este centro de investigação.

Sobre a história deste centro de investigação consulte o site: http://www.fl.ul.pt/unidades/centros/ctp/

Maria de Lourdes Cidraes
“As lendas históricas: memória e reinvenção”

“Todos os povos, mas também as comunidades locais, tendem a conservar, como testemunho do seu passado ou como elemento identitário, as suas lendas históricas. De origem anónima, surgindo a partir de acontecimentos que relatam e apresentam como verídicos, ou enfabulação erudita de natureza ideológica, as lendas históricas podem ultrapassar a simples função explicativa e alcançar, pela amplificação semântica e pelo reforço do carácter exemplar e da densidade simbólica, a dimensão do mito. Recuperando e reelaborando anteriores tradições lendárias ou míticas, integram-se no imaginário universal e constituem-se em “memória de memórias”, testemunhando, não a veracidade dos factos evocados, mas os contextos culturais em que surgiram ou que foram sendo transmitidas e reinventadas ao longo dos tempos.”

Sobre alguns aspectos desta comunicação, destacam-se os problemas inerentes à classificação das lendas, que muito frequentemente são organizadas e publicadas de acordo com critérios geográficos. Às dificuldades acresce o carácter subjectivo dos sistemas de classificação. Maria de Lourdes Cidraes tem reflectido sobre esta matéria e como proposta de trabalho sugeriu a organização das lendas em quatro tipologias. Esta investigadora sublinhou ainda a importância da recolha como essencial para um conhecimento deste património tão valioso e a sua difusão às novas gerações, recorrendo aos meios tecnológicos de que temos hoje ao nosso alcance.

Cristina Vinagre Alves
“Memórias de Alcochete, no tempo dos nossos avós”

“Este projecto foi desenvolvido na Escola Básica 2,3 El-Rei D. Manuel I, no ano lectivo de 2006/07, por duas turmas de 9.º ano em Área de Projecto. Tratou-se de um trabalho de Educação Patrimonial enquanto instrumento de literacia cultural.
Teve como objectivos essenciais a motivação básica e a experiência directa relativamente ao património imaterial para se chegar à sua compreensão e valorização, num processo contínuo de descoberta. Partiu do passado para ajudar a compreender o presente e assim ajudar a projectar o futuro. Conseguiu dar voz a quem normalmente não tem. Conseguiu o desenvolvimento da auto-estima dos avós e a valorização da sua cultura, como Paulo Freire defende, “o reforço e a capitação para o exercício da auto-afirmação”.

Em nosso entender um projecto exemplar sobre a valorização do património imaterial envolvendo as comunidades para a sensibilização sobre a importância deste património. Um trabalho de parceria que incluiu o museu municipal, comprovando que os museus podem ser agentes e parceiros importantes nesta área.

Thierry Proença dos Santos
“Discursos da dor da perda em anúncios necrológicos da imprensa madeirense”

“Nesta comunicação, observaremos uma prática discursiva bastante comum na imprensa diária madeirense com interesse sociocultural: o de expandir o estereotipado anúncio necrológico com mensagens pessoais. Tal abordagem permitirá reflectir sobre os discursos da elegia fúnebre, do elogio “in memoriam”, sublinhando a importância que assume a “expressão do luto” nas relações familiares e sociais.
Analisaremos alguns exemplos que dão conta da configuração desses anúncios personalizados. A nossa pretensão é a de demonstrar que este tipo de fonte pode conter um grande interesse quer no âmbito da etnologia da imprensa (enquanto reflexo da vida social de uma comunidade), quer sobretudo no âmbito de uma expressão literária e afectiva.”

Cíntia Mendes
“O trabalho e a música, de trabalhador rural a solista!”

“A Banda da Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898 foi, até há poucos anos, constituída por músicos amadores, profissionais de outras área que encontraram na música o seu modo de estar na vida sem nunca concretizarem a ambição de “viver da música”.
Foram salineiros, trabalhadores rurais, operários fabris e marítimos, em comum uma paixão, a música!
Com os testemunhos destes homens, analisando o tecido social do Concelho de Alcochete, podemos perceber como viviam os trabalhadores – músicos, como conseguiram manter duas actividades tão exigentes a maior parte das vezes em condições de grandes carências e cansaço físico.
É uma pequena viagem a outras épocas feitas de sal e música, de suor e alegria.”

Francisco Melo Ferreira
Carlos Patrício
“Memória, Percepção e Identidade”

“Nesta comunicação, começaremos por abordar o significado da memória e dos processos culturais envolvidos na criação de tradições locais. Tentaremos, de seguida, propor uma tipologia de processos ligados à tradição e as suas diferenças leituras enquanto texto, arena e “performance”. Interessa-nos, em particular, a relação entre a memória construída de determinados lugares e a sua percepção espacial.
A memória não é, no entanto, um território fixo em que se vão acumulando os resultados da experiência das comunidades humanas. Através de um processo de permanente reajustamento e reinterpretação, cada época vai ajustando o seu passado às conveniências funcionais do seu presente.
Neste contexto, as identidades locais dependem de processos de identificação das suas especificidades, chegando mesmo a assistir-se ao aparecimento de identidades fictícias, não enraizadas na memória individual e colectiva, que, embora desempenhem um pretenso papel funcional nas economias locais, constituem, por vezes, exemplos grotescos de folclorização da diferença.
Perante a crescente desvalorização de referenciais de identidade espacial, é provável que o “espaço imaginado”, ou melhor, a “dimensão imaginada do espaço”, venha a ganhar amplitude horizontal, mas acabará por perder, em tais circunstâncias a dimensão identitária da sua correspondente profundidade temporal, fazendo com que passemos a viver à tona de um espaço de anonimato e de progressiva falência cultural, de que restarão apenas, na breve espuma dos dias, detritos mas não testemunhos, cicatrizes mas não lembranças, sinais de velhice mas não histórias de vida.
Apesar de tudo, e por muito que custe aos arautos da globalização, “ninguém mora no mundo em geral”, e no sentimento de identidade territorial, embora difícil de definir, mas impossível de negar, parece destinado a converter-se em marco geodésico da nossa capacidade de orientação e em matriz de referência semântica da nossa posição relativa em diversas escalas de envolvência, funcionando como “santo e senha” na nossa acrescida relação com o diferente.
Conforme acentua Onésimo Almeida (1995), “a identidade, sendo diferença, não implica oposição e por isso nada tem de necessariamente anti-universal. […] Ao longo da vida, a nossa identidade vai-se alargando (deve alargar-se) para o universal. Mas todo o universal tem o seu chão.”

O tema da identidade, sempre tão discutível foi abordado na sua relação com a memória. Uma comunicação capaz de provocar reflexão, também pela extraordinária oratória dos conferencistas.

Cláudia Diogo
“Ficção e realidade em histórias pessoais de Monchique”

“Bruxedos, aparecimentos de zorras, ruídos estranhos e presenças invisíveis foram acontecimentos vividos e relatados por habitantes da Serra de Monchique, no Algarve, num trabalho de recolha etnográfica. Momentos de histórias de vida, onde o sobrenatural, o inexplicável e o insólito reflectem quotidianos de outrora e crenças fortemente enraizadas.”

Iolanda Nunes
Rute Nunes
“Testemunhos de recolhas da Literatura Oral e Tradicional em Alcochete”

“Nesta apresentação serão abordadas as recolhas efectuadas no âmbito do trabalho de pesquisa da disciplina de Literatura Oral e Tradicional, em 2003 e em 2004.
Os “corpora” recolhidos em Alcochete serão analisados tendo por base a sua relação com os usos e costumes desta vila ribeirinha.
Com os trabalhos elaborados e com esta apresentação pretende-se dar a conhecer composições orais desta localidade e não permitir que esta riqueza se perca.”

Sónia Ferreira
“Memória e Trabalho: quotidianos operários durante a II Guerra Mundial”

“Devido à centralidade que o trabalho assume junto das comunidades operárias, considera-se que estas tendem a construir uma “percepção do tempo criada pelas temporalidades do emprego” (Fentress e Wickman, 1992: 150). Esta precisão temporal não garante o rigor mas proporciona alguma linearidade na evocação, tal como as genealogias familiares igualmente o farão.
A partir do estudo de caso de um grupo de operárias de Almada, durante o período correspondente à II Guerra Mundial, procurarei analisar a forma como a memória destas mulheres, individualmente e em grupo, evoca os ritmos quotidianos do trabalho, o tempo privado e o tempo público, o quotidiano e a excepção, constituindo o espaço da fábrica, porque ligados à família e à redes sociais significativas, um lugar de destaque em todo este processo.”

Paulo Lima
“Arquivo do Património Imaterial do Alentejo: Estratégias de Inventário”

“A Direcção Regional de Cultura do Alentejo está, desde 2007, a implementar uma estratégia para a salvaguarda do Património Cultural Imaterial desta região. Esta estratégia tem por base dois documentos essenciais: “As directrizes para a criação dos Tesouros Humanos Vivos” e a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial”, ambos da UNESCO. Toda esta estratégia está construída dentro de uma acção denominada Programa IDENTIDADES – programa para a salvaguarda do património imaterial do Alentejo.
Um dos projectos fundamentais é a criação de um arquivo digital que permita criar uma efectiva estratégia de salvaguarda. Este inventário, partindo da relação entre património natural, móvel imóvel e imaterial, procura criar, assim, um entendimento entre território, paisagens e identidades. Será este projecto a base da nossa comunicação.”

Um comentário à laia de introdução sobre esta comunicação. É preciso lembrar que no contexto da tutela do património cultural imaterial (PCI) as Direcções Regionais de Cultura (DRC) assumiram recentemente um papel importante na salvaguarda deste património. Estas estruturas regionais são o resultado da fusão de vários serviços ligados ao património arqueológico e arquitectónico que existiam anteriormente com gestão autónoma. Para além disso, importa dizer que o campo de actuação destas novas estruturas veio a alargar-se significativamente no seguimento deste novo cenário administrativo despoletado pelo programa PRACE. Através de legislação específica (Decreto Regulamentar n.º 34/2007, de 29 de Março) ficou estipulado que em matéria de PCI as DRC deverão apoiar a inventariação de manifestações culturais tradicionais imateriais, individuais e colectivas, nomeadamente através do seu registo videográfico, fonográfico e fotográfico. (Art. 2.º, h). Por outro lado, deverão ainda apoiar agentes, estruturas, projectos e acções de carácter não profissional nos domínios artísticos e da cultura tradicional (Art. 2.º, c). Isto é, compete às Direcções Regionais de Cultura replicar a acção do Ministério da Cultura no território e, neste caso concreto, cabe-lhes um papel claramente instrumental em matéria de inventariação do PCI. Em linhas gerais pode dizer-se que as discrepâncias na forma de actuação das DRC neste domínio são evidentes, sendo a Direcção Regional de Cultura do Alentejo (http://www.cultura-alentejo.pt/) a que efectivamente lançou um programa com sérias intenções em matéria de salvaguarda do PCI.
Paulo Lima enquadrou, em traços gerais, o trabalho que têm vindo a desenvolver neste domínio, nomeadamente assegurar a criação de uma rede de espaços no Alentejo, onde de algum modo se pudesse trabalhar com o imaterial e com as comunidades e, ainda, uma rede “Artes da Fala”, que implica por exemplo a organização de festivais para que haja lugar para a expressão destas manifestações. Sublinhou-se ainda o papel do inventário e a escolha de um “software” da empresa “Sistemas do Futuro” por permitir o cruzamento, em termos de inventário, com outros patrimónios, prevalecendo uma abordagem integrada do património.

jorNADAS ALxochet PCI 14

14 de Novembro
Workshop – “Questões de teoria e prática nas recolhas de Literatura Oral e Tradicional”
Por Ana Morão, Lina Santos Mendonça e Teresa Amaral

“Abordagem dos três momentos nas recolhas de Literatura Oral e Tradicional: preparação, realização e tratamento. Cada um destes momentos implica outras questões relevantes, como a contextualização, a própria escolha do material audio-visual e, no após recolha, a transcrição e a classificação dos especímenes recolhidos. Outras questões prendem-se, ainda, com a sistematização dos “corpora” obtidos.”

Uma introdução ao tema referiu que a Literatura Oral Tradicional fazia parte do dia-a-dia das famílias, mas as alterações sócio-económicas e com o progresso tecnológico levaram a um certo desuso da Literatura Oral Tradicional. Por exemplo, a mecanização so trabalho levou ao desaparecimento das cantigas de trabalho. Como se disse, de certa maneira, o modo de vida urbano estendeu-se ao meio rural. E neste sentido os hábitos têm vindo a uniformizar-se. Sobre esta questão fez-se também referência ao papel da UNESCO, que tem vindo a chamar a atenção para estes problemas e cuja Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial de 2003 é um documento emblemático nesta matéria. Sobre a designação “Literatura Oral Tradicional” (LOT), recorrente ao longo destas jornadas, trata-se de um termo adoptado pelo Centro de Tradições Populares (CTPP) para esta área de trabalho e que foi criada por João David Pinto Correia, actual director deste centro. Segundo Teresa Amaral, as composições de LOT são transmitidas de geração em geração, fazendo parte do património colectivo. “É aquele texto que fica na boca do povo. São textos “fixados”, recriados em cada performance, que conjugam vários discursos – linguístico, gestual e musical.” Como características gerais, as composições de LOT pontuam por apresentar um “conteúdo condensado, economia de meios expressivos, descrição praticamente ausente e por uma adjectivação reduzida.”
Coube a Lina Santos Mendonça fazer referência às questões que se prendem com a metodologia do trabalho de campo no âmbito da recolha da LOT, nomeadamente as fases que constituem o trabalho e várias recomendações gerais.
Falou-se ainda de sistemas de classificação para a LOT, designadamente a necessidade da classificação estar em contínua actualização, em consequência do trabalho de campo com as comunidades, que vai abrindo novas possibilidades. Ana Morão sublinhou os problemas associados à classificação, desde logo problemas que se prendem com a identificação, com a erosão do tempo e com a contaminação entre expressões, para referir apenas alguns.