Arquivo de etiquetas: Diana Marques

Museus e sociedade digital em destaque no segundo número da Revista de Museus

Já se encontra disponível um novo número da Revista de Museus, que foi apresentado a 14 de Novembro no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, por Emília Ferreira, directora do museu.

Trata-se do segundo número da Revista de Museus, uma revista editada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). O primeiro número, em 2018, rompeu com o hiato de 7 anos desde que a revista Museologia.pt cessou (então da tutela do antigo Instituto dos Museus e da Conservação), para voltar a afirmar a importância de ter uma revista institucional dedicada inteiramente aos museus e à sua reflexão.

Na direcção da revista está David Santos, que é também subdirector-geral da DGPC. Clara Frayão Camacho assegura a coordenação científica e Fátima Faria Roque a coordenação editorial. A revista inclui ainda um Conselho Editorial constituído por Adelaide Duarte, Graça Filipe, José Soares Neves, Manuel Bairrão Oleiro, Marta Lourenço, Rita Macedo e Rui Parreira.

A Revista de Museus é anual, impressa e os números são temáticos. Se o primeiro número focou a relação entre os museus e o turismo (Dez. 2018) para este segundo número a escolha recaiu sobre museus e sociedade digital, uma temática que mais recentemente parece suscitar especial interesse, quer no campo das publicações, quer na realização de debates e conferências.

Sobre os objectivos deste segundo número, o director da revista, David Santos, sublinha que se “procura […] dar expressão às interações verificadas nestes últimos vinte anos entre o virtual, as suas potencialidades, ameaças e desafios, e o real que identifica o esplendor do património museológico, ou seja as suas coleções e a sua fruição pública” (p. 5).

A revista inclui 23 contributos, entre artigos e ensaios. Globalmente, vai do geral ao particular. Identifica-se um bloco de artigos mais focado nos desafios das tecnologias aplicadas aos museus, mapeando e reflectindo sobre problemáticas interligadas. Entre estas, o digital como ferramenta ao serviço da missão dos museus, do acesso e da comunicação e não a mera utilização da tecnologia pela tecnologia, a problemática do direito de autor versus políticas de acesso aberto às imagens das coleções, a necessidade de maior valorização da comunicação na estratégia dos museus, a escassa visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea, os desafios da conservação de obras criadas com recurso às tecnologias, a actualidade e evolução da aplicação da realidade aumentada nos museus, a teorização em torno do cibermuseu, do ciberespaço e da “noologia”, entre outras.

Um outro bloco de textos dá maior enfoque a experiências particularizadas a partir de museus, como é o caso do Museu do Fado, do Museu de Lagos (Núcleo da Rota da Escravatura), do Museu Nacional de Arqueologia, do Museu do Dinheiro, entre outros.

Outros textos incidem sobre o projecto “Portugal: Arte e Património” (google arts & culture project), no qual participaram vários museus nacionais ou sobre o projecto – Registo de Museus Iberoamericanos, que consiste numa base de dados de museus acessível em formato digital sobre o universo de museus ibero-americanos. A fechar a revista, refira-se também um texto sobre os desafios do digital (acesso aberto, interoperabilidade, etc.) a partir da experiência do projecto Europeana e da sua visão.

A Revista inclui ainda uma secção intitulada “Olhares”, em que dá espaço a outras perspectivas, neste caso um ensaio intimista do escritor Afonso Cruz.

Quanto à forma, a Revista demarca-se da sua antecessora museologia.pt, em particular no que diz respeito à (sobre)valorização estética, observável na centralidade que as imagens ocupam ao longo de toda a publicação (264 páginas) e na sua abundância, chegando a impor-se de forma preponderante em relação aos conteúdos. Diria que podemos observar numa só revista a existência de duas, uma na forma de catálogo de imagens sedutoras e apelativas, uma espécie de montra de imagens de objectos de museu e uma outra estruturada em textos, cuja articulação nem sempre poderá ser evidente.

A importância e predomínio da estética e do lúdico é, aliás, um traço plenamente assumido e assinalado pelo director da revista no editorial do primeiro número. Nas suas palavras “É também para celebrar essa capacidade e resiliência que esta publicação anual pretende afirmar o princípio da análise museológica, sabendo contudo afirmar-se ainda enquanto objeto de sedução estética. Por isso, vinculamos ao exercício crítico e reflexivo, a ludicidade de uma revista que ousa apresentar-se também como objeto colecionável, pelas razões essenciais que levam os seres humanos a cultivarem o que pretendem preservar para memória futura” (p. 5).

De facto, as imagens são impactantes e de qualidade, grande parte delas imagens de objectos das coleções dos museus nacionais. E, não raras vezes sugerem interpelação, suscitam maior contexto e aprofundamento. O facto de muitas das imagens, na maior parte das vezes, não terem relação articulada com os artigos pode trazer, no entanto, um elemento adicional de desorientação no contexto da leitura. E a interrogação: até que ponto é funcional e favorável a desconexão entre o que é escrito e o que se vê e, por outro lado, a ausência de maior contexto para as imagens que são apresentadas que possa estabelecer um maior entendimento, que vá para além do efeito estético e contemplativo que possa gerar.

A partilha de ideias, de conhecimento e de experiências é fundamental para o desenvolvimento dos museus. A existência de uma revista como esta é um passo importante nesse sentido. No entanto, não se ignora a premência de fazer com que essa partilha esteja ao alcance do maior número de leitores possível. Diria que um próximo passo poderá ser esse, o da aposta no acesso aberto, aliás, em plena sintonia com os desafios enunciados ao longo deste número, não estivéssemos nós na “era do acesso”.

****

ÍNDICE

4 | David Santos, Museus na “era do acesso” [editorial]

1. Tema: Museus e Sociedade Digital

8 | Ana Carvalho e Alexandre Matos, Museus e sociedade digital: realidades e desafios em Portugal

24 | Patrícia Remelgado, Museologia e comunicação

42 | Maria Vlachou, Tecnologia pela tecnologia? O digital ao serviço do acesso e da comunicação nos museus

62 | Fátima Faria Roque, Museus do outro lado do espelho: for the times they are a-changin

82 | Luís Raposo, Museu com digital ou… museu digital, eis a questão

94 | Helena Barranha, Fora do algoritmo: A relativa (in)visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea

2. Museus

112 | António Cerveira Pinto, Uma fábula com aparência de ensaio

118 | Diana Marques, A realidade aumentada no panorama museológico atual

128 | Sara Pereira, Um museu sem paredes

142| Elena Morán e Pedro Pereira, O núcleo Rota da Escravatura do Museu de Lagos

156 | Emília Ferreira, O museu: organismo vivo e emotivo

168 | Carla Barroso, Documentação e inventariação de coleções arqueológicas do Museu Nacional de Arqueologia: Um diagnóstico recente

176 | Daniela Viela, Da pessoa ao virtual no Museu do Dinheiro

194 | Teresa Nobre, Direito de autor e acesso ao património cultural: a nova legislação europeia

3. Coleções

200 | David Santos, Real versus virtual. Opção ou complementaridade?

208 | Luís Ramos Pinto, Os bilhões de píxeis por detrás do projeto “Portugal: Arte e Património”

210 | Rita Macedo e Hélia Marçal, Conservação ou gestão de mudança? Time-based media no museu

4. Olhares

226 | Afonso Cruz, Museus de Dresner

5. Mundo

235 | Bernard Deloche, Cybermusée et société

246 | Teresa Mourão e Natalia Huerta, Registo de Museus Iberoamericanos

254 | Harry Verwayen e Beth Daley, Museums in the Mirror World – preparing for the next stage of our digital transformation

262 | Abstracts

****

A Revista de Museus encontra-se disponível para venda na loja dos museus (preço de referência: 20 euros), mas também nas principais livrarias. E ainda na loja online da DGPC: http://bit.ly/2KjvHSK

Realidade aumentada em foco em novo título da Coleção Estudos de Museus

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores é o 14.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Media Digitais, especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos) de Diana Marques apresentada à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em 2017 (orientação de José Azevedo e co-orientação de Robert Costello).

O lançamento é no dia 4 de Junho, pelas 18h00, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (Sala Vandelli), em Lisboa. Com apresentação de José Azevedo.

Sinopse

Na época actual, a tecnologia é uma constante que estimula a renovação permanente da informação, constituindo um desafio para as instituições culturais, de modo a assegurarem que as suas ofertas correspondem às expectativas dos visitantes e simultaneamente respeitam os valores e as colecções que as definem.
Este livro aborda a necessidade de o museu contemporâneo compreender os seus públicos, quais as suas preferências e como reagem a experiências mediadas pela tecnologia. Concentra-se na tecnologia de Realidade Aumentada, desenvolvida para dispositivos móveis a utilizar em exposições de museu antiquadas como uma forma de melhorar as experiências dos visitantes.
O estudo decorreu no Bone Hall, uma exposição de esqueletos no Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsonian (Estados Unidos da América), que não sofria alterações desde os anos 1960 e tinha deixado de corresponder às expectativas dos visitantes que procuravam mais envolvimento e interatividade.
Com o objectivo de revitalizar o Bone Hall foi desenvolvida uma aplicação móvel denominada Skin & Bones. Para estudar os efeitos da aplicação na experiência dos visitantes utilizaram-se métodos tradicionais no estudo de visitantes e também métodos menos convencionais inspirados na área da Experiência do Utilizador.

Sobre a autora:

Diana Marques. Doutorada em Media Digitais na especialidade de Produção de Audiovisuais e Conteúdos Interativos pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (programa doutoral UT Austin|Portugal). Licenciada em Biologia Aplicada aos Recursos Animais Terrestres pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2002) e com um Certificado Graduado em Ilustração Científica pela Universidade da Califórnia em Santa Cruz (2004). Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (Certificado Graduado) e da Fundação para a Ciência e Tecnologia (Doutoramento). Foi Professora Assistente do Mestrado em Desenho da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa e Professora Convidada do Mestrado em Ilustração Científica do Instituto Superior de Educação e Ciências e do Mestrado em Ilustração Científica da Universidade de Aveiro. Fez parte do quadro dirigente de associações profissionais internacionais na área da ilustração científica, como a Guild of Natural Science Illustrators e a Association Européenne des Illustrateurs Médicaux et Scientifiques. Mantém desde 2004 uma carreira como profissional independente na área da comunicação visual de ciência, produzindo ilustrações, animações, infografias e outros conteúdos multimédia para museus, institutos de investigação e editoras, em Portugal e no estrangeiro.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – REVISÃO DA LITERATURA
Experiência do visitante
Museus e tecnologia
A realidade aumentada nos museus

CAPÍTULO 2 – DESIGN DE INVESTIGAÇÃO
Questões de investigação e enquadramento teórico
Contexto de investigação
Aplicação móvel skin & bones
Metodologia de investigação

CAPÍTULO 3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO
Descrição da amostra
Realidade aumentada e experiência do visitante
Revitalização de exposições desatualizadas através de tecnologia
Modelo de produção
Preocupações e desafios

CONCLUSÃO

Questionário
Notas
Bibliografia
Índice Remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Projecto tese: “Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits”

teses e dissertações

Marques, Diana (2013). Museums and Mobile Augmented Reality – the Visitor Experience in Digitally Enhanced Exhibits [títuto provisório]. Defesa da proposta de projecto de doutoramento em Media Digitais. Faculdade de Engenharia da Universidade da Universidade do Porto. (Obs. A entrega e defesa da tese deverá acontecer no final de 2014/2015).

Orientadores: José Azevedo (FLUP), Robert Costello (Smithsonian’s National Museum of Natural History.

Júri da proposta: José Azevedo, Robert Costello, Pedro Casaleiro

Abstract:

“The main research goal driving the study is to contribute to the existing literature and knowledge on the use of mobile augmented reality technology to enhance visitor experiences within museum exhibits. Augmented Reality is a recent subject of curiosity and experimentation from the museum community and considered a tool for museum innovation, grounded in strong visual stimuli and promising an advanced natural interaction between visitors, collection objects and their data.

In particular the work will attempt to understand how digital augmentation of a Victorian-­‐age collection of skeletons in a natural history museum, regarded for its historical and biological value but no longer corresponding to modern visitors’ expectations for interactivity and interpretation, may facilitate engagement and satisfaction levels and influence conceptual and cognitive gains. This research study postulates that by combining the experiential and interpretive aspects of the exhibit experience through augmented reality, the visitor experience will be affected positively.”

Diana Marques (Digital Media Doctoral Fellow) trabalha há alguns anos em ilustração e animação científica. Acompanhe o trabalho dela aqui: http://www.dianamarques.com