Arquivo de etiquetas: Dóris Santos

Fotografia e Memória no Museu da Nazaré

Cartaz DO QUE FALAM ELAS

O Museu Dr. Joaquim Manso (1976), na Nazaré, é um dos museus que antes se encontrava sob a tutela da administração central e que passou recentemente para a tutela da Direção-Regional de Cultura do Centro. Mas foi o trabalho que tem sido desenvolvido em torno da memória que motivou esta mini-entrevista com Dóris Santos, a coordenadora do museu. O projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias» explora o potencial dos contributos da população para documentar uma colecção fotográfica. As fotografias históricas são instrumentos muito úteis nos museus, não só porque podem remeter para informação documental relevante como podem ser o pretexto para a construção de uma relação com as comunidades.

****

Ana Carvalho (AC) – Fale-nos um pouco do projecto «De que falam elas? Conversas à volta das fotografias».

Dóris Santos (DS) – O Museu Dr. Joaquim Manso promoveu um ciclo de conversas em torno de uma selecção fotografias do seu acervo e da Imagoteca da Biblioteca Municipal da Nazaré. O projecto começou a 18 de Novembro de 2013 e terminou a 4 de Junho de 2014. Estes encontros informais serviram o propósito de enriquecimento informativo sobre as fotografias apresentadas, dando voz à comunidade e àqueles que assistiram, protagonizaram e/ou vivenciaram os acontecimentos e espaços captados nas fotografias.

AC – Quem participou?

DS – Participou a turma «Viver a Nazaré» da Universidade Sénior da Nazaré/Câmara Municipal da Nazaré, que foi o grupo mais regular e de suporte do projecto, conferindo-lhe estabilidade e a possibilidade de corresponder a metas de crescimento da interacção social. Mas a iniciativa foi aberta também à população em geral.[1]

AC – Como lançaram o projecto?

DS – No início do ano lectivo 2013-2014, o projecto foi apresentado às coordenadoras da Universidade Sénior e à turma de «Viver a Nazaré», orientada pela historiadora Ana Hilário (Câmara Municipal da Nazaré). Depois, fizemos a divulgação através dos meios de comunicação habituais do museu e do Município da Nazaré, convidando todos os interessados.

AC – Que motivações levaram à organização desta iniciativa?

DS – O projecto «Do que falam elas?» radicou, por um lado, na necessidade de documentar um imenso arquivo fotográfico do museu e, por outro lado, na vontade de estimular dinâmicas participativas com a comunidade. Por conseguinte, quatro objectivos gerais nortearam a sua estrutura:

a) sensibilizar para a função identitária do museu através da sua relação com a comunidade;

b) enriquecer o conhecimento sobre as colecções com a colaboração dos seus protagonistas;

c) aproximar as estratégias da missão educativa e social das instituições;

d) valorizar a aprendizagem informal ao longo da vida.

A Nazaré inspirou muitos trabalhos fotográficos ao longo do século XX, quer de autores nacionais quer estrangeiros. Estes trabalhos podem ser analisados numa vertente estética, mas igualmente num intuito documental inerente à pressuposta veracidade fotográfica, vertente no qual este projecto se baseou. As fotografias foram o pretexto para uma troca de informações e partilha de memórias. O nome do projecto corresponde ao título da fotografia de Avellar Soeiro (1918-2010) que ilustrou o cartaz.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – De que formas é que esta iniciativa se reflecte na missão do museu e na sua estratégia?

DS – O Museu Dr. Joaquim Manso visa representar a identidade histórico-cultural da região, com incidência na cultura do mar, a partir de três momentos principais: a história e a lenda do milagre de Nossa Senhora da Nazaré; o mar, as artes de pesca e as embarcações tradicionais; e o traje, nos seus aspectos mais característicos – trabalho e festa –, documentados por pintura e fotografia de Álvaro Laborinho, que fixam momentos da vida quotidiana desta vila piscatória.

Para cumprir a sua vocação, o museu desenvolve um conjunto de iniciativas dirigidas a um público o mais vasto e diversificado possível, visando o estudo e a divulgação das colecções, a democratização do acesso à cultura e a sensibilização para a cultura do mar. Assim, o museu cumpre também a sua missão social e de envolvimento comunitário, na sua dimensão colectiva e individual. Simultaneamente, a comunidade revê-se e identifica-se no museu, no qual são valorizados os percursos de vida de várias gerações.

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

© Museu Dr. Joaquim Manso, 2014

AC – Que metodologias adoptaram?

DS – No início do ano lectivo estabelecemos o calendário temático e um limite de dez fotografias por sessão. As sessões, quinzenais, decorreram alternadamente no museu e na Biblioteca Municipal da Nazaré.

Os assuntos aproximaram-se da calendarização dos ritmos ou festividades locais; mas, o critério principal da selecção incidiu em áreas sobre as quais o museu dispunha de pouca informação na descrição e no inventário das fotografias ou sobre temas habitualmente menos privilegiados pela investigação e pelas exposições. No entanto, por ser um projecto em parceria, à proposta inicial foram integrados outros temas sugeridos pelos participantes, como o Carnaval, que é uma festividade vivida intensa e peculiarmente pelos nazarenos de todas as gerações. Além disso, os participantes também trouxeram imagens para as sessões.

Em cada sessão, as fotografias eram apresentadas cronologicamente através de uma projecção, facilitando a análise e a discussão conjunta. Duas técnicas do museu responsabilizaram-se pela cobertura fotográfica e pelo registo escrito das conclusões sobre cada imagem. A informação foi depois resumida e passou a integrar as fichas de inventário do Matriz, o sistema informático de inventário e gestão das colecções do museu.

Nalgumas sessões foram ainda convidadas pessoas conhecedoras dos assuntos tratados nas fotografias ou protagonistas em eventos retratados, que muito contribuíram para a dinamização do diálogo e para a riqueza informativa da conversa.

Em suma, o ciclo de conversas centrou-se nos seguintes temas: ondas da Nazaré (das grandes ondas da Praia do Norte ao mar à Pinoca); a venda do peixe: a lota; a Fábrica de Conservas de Peixe (presença de cinco antigas trabalhadoras da unidade da fábrica «Algarve Exportador»); traje tradicional; lavar e secar a roupa; brincadeiras infantis; Carnaval (presença do Rei do Carnaval 2014); Bombeiros Voluntários da Nazaré (presença do Comandante e do Presidente da Direcção desta corporação); Bairro dos Pescadores e pátios (presença de um representante da Mútua dos Pescadores na Nazaré); a escola e o ensino (presença de uma antiga professora primária); Festa do Homem do Mar (com o membro da comissão das festas 2014); e danças e ranchos folclóricos.

AC – É a primeira vez que realizam este tipo de trabalho de documentação através da memória?

DS – Para além da recolha de informação que o museu continuamente realiza junto da população, através de abordagens individuais, à mercê dos projectos em curso ou de carências pontuais de informação sobre objectos em estudo/inventário/exposição, tem vindo a ser estreita a parceria entre o museu e a Universidade Sénior da Nazaré, com a colaboração de professores e alunos das várias disciplinas. Pelo seu propósito de registo de vivências relacionadas com os objectos/espaços do museu, entre os projectos já desenvolvidos, salientam-se «Conversas de algibeira» (2010) ou «Memórias da minha rua» (2011).

AC – Em Portugal, no mundo dos museus, o trabalho com a memória, envolvendo a captação de testemunhos junto das comunidades tem ganho particular desenvolvimento nos últimos anos. Esta tendência também está ligada a uma maior valorização do imaterial?

DS – Ainda que possamos almejar objectivos de representação que vão para além da memória local, se nortearmos a missão do Museu Dr. Joaquim Manso por desígnios de um «Museu da Cultura do Mar», da representação da afinidade da Nazaré com o mar e, através desta, do que o mar tem significado na construção da identidade nacional, nos seus vários campos de acção (desde económico, social, científico-natural, geoestratégico, desportivo, estético e literário), este é um museu nascido de e com a comunidade. Pauta-se, por isso, por uma estratégia recorrente de ir ao encontro de parceiros representantes da comunidade na sua natural diversidade.

As exposições tem sido o resultado de uma construção com a comunidade. Mais do que o desfecho museográfico, interessa-nos o processo em si e do que daí deriva em termos de aproximação museu/comunidade, de encarar esta como uma imprescindível aliada nos processos de conhecimento, estudo, preservação e divulgação das colecções. Exposições como Da Nazaré à Vitória. Uma romagem de festa e devoção (2009), Nazaré. Memórias de uma Praia de Banhos (2010-2011) ou Como se veste a Nazaré? A tradição hoje (2013-2014) são exemplos dessa relação.

Ao nível educativo, foi com o projecto escolar Entre Freguesias. Patrimónios Cruzados (2012), realizado no âmbito do Centenário da Denominação de Concelho da Nazaré, que o museu promoveu a aplicação do Kit de Recolha de Património Imaterial (2011), recurso promovido pelo ex-Instituto dos Museus e da Conservação, junto de alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Com o apoio do Agrupamento de Escolas da Nazaré e das Juntas de Freguesia, incentivou-se o trabalho de campo para a recolha de informação sobre três objectos do museu (rede de arte xávega, arado e mó de moinho), associados às práticas agrícolas ou piscatórias das respectivas freguesias de onde os objectos eram provenientes.

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

À espera que o peixe seque © Museu Dr. Joaquim Manso, 2011

Ainda no âmbito do património imaterial, o museu documentou duas práticas: o processo artesanal da seca do peixe, que ainda é realizado diariamente na Nazaré, e a festividade anual do Círio de Nossa Senhora da Vitória. A documentação recolhida está disponível, desde 2011, através de fichas de inventário acessíveis no catálogo online MatrizNet, plataforma que divulga as colecções dos museus até recentemente sob a tutela do Instituto dos Museus e da Conservação/Ministério da Cultura.

Embora possa parecer uma definição estratégica apenas acertada pela dimensão material do património, na faceta visível dos objectos da colecção, ressalva-se que, acima de tudo, estes interessam pelo que significam enquanto vestígio memorial das pessoas, das suas interacções com o território, com a paisagem, com os desafios diariamente impostos, com as manifestações sociológicas e simbólicas daí derivadas… Esta essência patrimonial das colecções dos museus é indissociável da dimensão humana que lhes deu vida e passado.

Na Nazaré, a dimensão humana é ainda hoje traço identitário e distinto de outras comunidades costeiras, pela ponte que estabelece entre a modernidade do turismo e dos serviços e uma tradição enraizada na ligação com o mar e a cultura popular, orgulhosa e plenamente assumida e continuada.

AC – Terminada esta iniciativa, que balanço é possível fazer?

DS – Graças à espontaneidade inerente ao modelo de sessões informais, pode-se ter perdido a eficiência e focalização imediata de informação, mas ganhou-se na multiplicidade de perspectivas. Neste tipo de projecto é importante mantê-lo alinhado pelos objectivos inicialmente traçados e haver dinamizadores das sessões, que encaminhem o olhar dos presentes para além do que as fotografias oferecem à primeira instância; há o risco de uma mera identificação de pessoas e lugares, já que esta é a predisposição imediata dos participantes, retendo-se no saudosismo do regresso a figuras e espaços alterados.

Sentiram-se também algumas limitações sobre as fotografias que se reportavam a eventos, lugares ou pessoas anteriores aos anos de 1940. Quando a memória dos participantes era posterior a essa cronologia, tais imagens tornavam-se parcialmente indecifráveis, uma expressão colectiva, mas anónima, de um passado saudoso e idílico.

Foram vários os temas abordados, mas alguns caíram por falta de tempo, deixando o estímulo para a continuação do projecto. Algumas fotografias geraram controvérsias e elevaram os ânimos; despoletaram pesquisas e entusiasmos. Muitas memórias e conhecimentos foram recolhidos para enriquecer o inventário fotográfico do museu e, assim, prestar melhor serviço junto do público.

AC – Como reagiram, globalmente, as pessoas ao projecto?

DS – Os alunos da Universidade Sénior da Nazaré, assim como a  professora Ana Hilário aderiram prontamente à iniciativa e reagiram com empenho e a vivacidade, criando-se uma salutar empatia com a equipa do museu, transformando-o num projecto comum.

AC – Que conselhos daria a outros profissionais?

DS – Para o sucesso de um projecto similar é fundamental uma selecção cuidada de imagens, observando a sua qualidade de apresentação/projecção; organizar as intervenções e os contributos individuais; registar as conclusões numa pasta de projecto e nas fichas de inventário; iniciar, processar, avaliar e encerrar o projecto conjuntamente.

****

Dóris Santos é a coordenadora do Museu Dr. Joaquim Manso. Tem licenciatura em História, variante História da Arte (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), é mestre em Museologia e Património (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e é doutoranda em História da Arte (especialização em Museologia e Património Artístico) na mesma universidade. Email: mjmanso@drcc.pt.

O Museu Dr. Joaquim Manso abriu ao público em 1976, na antiga casa de férias do jornalista Joaquim Manso (1878-1956), localizada no Sítio, um dos núcleos populacionais mais antigos da Nazaré. Os testemunhos milenares da presença humana nesta costa, a história da vila e o culto de Nossa Senhora da Nazaré, a cultura do mar e as artes de pesca, o trabalho e a festa e os seus trajes tradicionais, são temas que compõem o percurso expositivo incidente na identidade da região e a sua íntima relação com o mar.

Links úteis:

Encerramento do projeto “Do que falam elas”

Descubra o património imaterial da Nazaré

Conversas de algibeira

Memórias da minha rua

http://mdjm-nazare.blogspot.com

https://www.facebook.com/MuseudaNazare


[1] Da parte do museu, participaram no projecto: Dóris Santos, Cecília Nunes, Deolinda Brites e Paula Freire; da Universidade Sénior da Nazaré: Filipa Lopes, Tânia Gandaio, Ana Hilário e alunos da turma “Viver a Nazaré”; e da Biblioteca Municipal da Nazaré: António Balau (apoio).

 

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”

Conferência “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”
Biblioteca Municipal da Nazaré, 27 Março 2010
©Ana Carvalho

Sobre a “Herança Nazarena: ao encontro dos patrimónios”, conferência que teve lugar na Nazaré a 27 de Março de 2010, registamos algumas notas.

A qualidade da maioria das comunicações apresentadas foi evidente e suscitou um debate, pode dizer-se apaixonado em torno do património, quase sempre marítimo, fosse na sua dimensão material ou imaterial. Nazaré está profundamente marcada por uma cultura marítima, no passado mas ainda no presente. Falou-se bastante do passado, na história, nos processos culturais e da forma como a imagem da Nazaré foi sendo instrumentalizada, sobretudo no período do Estado Novo. Uma imagem, muitas vezes estereotipada, estilizada, selectiva, que em grande medida não correspondia ao quotidiano e à diversidade de aspectos que caracterizaram ou caracterizam a cultura dos nazarenos. Outras desmistificações foram feitas sobre os marítimos, sendo sublinhados aspectos mais dolorosos relativos aos problemas destas populações como a profunda pobreza, a miséria, a iletracia, a rudeza do trabalho do mar, etc. Pertinente foi também uma chamada de atenção para os problemas que afectam hoje estas comunidades tendo em conta políticas económicas (economia do mar, mas também o turismo) agressivas, que, de algum modo, vão expelindo estas gentes para um “lugar” e futuro incerto.

Foram vários os actores locais e culturais chamados a intervir: associações (anazArt, associação Biblioteca Nazaré, Mútua de Pescadores, Liga dos Amigos da Nazaré), universidades (ISCTE, IPL, Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Coimbra, Universidade Fernando Pessoa), administração local (autarquia, biblioteca) e também o Museu. Sobre o Museu Dr. Joaquim Manso foi interessante perceber que novas dinâmicas se estão a forjar e que as comunidades ainda que, em muitos casos estejam desligadas do museu, querem apesar disso fazê-lo e têm uma palavra a dizer sobre o rumo do museu, especialmente no momento actual, em que há uma certa expectativa diante do novo projecto arquitectónico da autoria de Siza Vieira e também de alguma especulação sobre a passagem ou não do museu, tutelado até aqui pelo IMC, para a gestão da autarquia.

Esta amálgama de partilhas e diálogo foi enriquecida por uma participação expressiva da população, claramente interessada nos problemas, mostrando-se disponível em participar em projectos que possam dar mais dignidade aos patrimónios da Nazaré e dos nazarenos. Este foi, em nosso entender, um dos aspectos mais positivos deste encontro.