Arquivo de etiquetas: educação e museus

Livro “Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL”

 

Imagem retirada daqui.

Imagem retirada daqui.

Ramos, Margarida Filipe (2013). Bem Público – Valor Público, A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Lisboa: Editora Principia, 128 páginas.  ISBN: 9789897160936.

Apesar de em Portugal não existir ainda um espaço editorial estabelecido em matéria de museologia vão surgindo algumas iniciativas que procuram contrariar este estado de coisas. Trata-se, neste caso, da publicação de uma dissertação de mestrado (Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, 2011), ligando museus e educação com base na experiência do Museu da Água, em Lisboa. A autora, Margarida Filipe Ramos, que trabalha há vários anos na área educativa deste museu, procurou analisar a relação do publico escolar com o museu, atendendo às questões ambientais.

A autora recebeu o prémio SPU para melhor obra original na área do ambiente que foi atribuído pela Sociedade Ponto Verde no âmbito da 5.ª edição dos Green project Awards (ver mais aqui). Foi este prémio que possibilitou a publicação do trabalho pela Editora Principia.

Este trabalho académico foi também destacado em 2012 pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com uma menção honrosa na categoria de “Melhor Estudo sobre Museologia“.

A dissertação de mestrado está disponível na íntegra aqui e o livro encontra-se à venda na Livraria Ferin e no website da Editora Principia.

Sobre a autora: Margarida Filipe Ramos é mestre em Educação Artística pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa e licenciada em Relações Públicas e Publicidade pelo Instituto de Novas Profissões. Ingressou em 1998 nos quadros da EPAL-Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A., onde desempenhou várias funções no Departamento de Comunicação Externa do Gabinete de Imagem e Comunicação. Desde 2001, desempenha funções no Museu da Água da EPAL, sendo responsável pela dinamização e a coordenação do Serviço Pedagógico Águas Livres, dirigido à comunidade escolar. (informação retirada daqui)

Pode ainda consultar um pequeno texto que esclarece sobre a perspectiva que a autora defende sobre esta temática na plataforma “Património.pt”, designadamente na rubrica “Com credenciais” de 5 de Março de 2013.

Resumo:

“A presente investigação tem como objectivo fazer uma reflexão sobre o papel dos museus enquanto educadores para os valores e mais concretamente da sua importância no que toca aos valores ambientais e de cidadania. Para isso, iremos apresentar o estudo de caso do Museu da Água da Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL), através da análise da sua dinâmica com as escolas e mais concretamente através da análise dos materiais produzidos pelos alunos no contexto do concurso anual promovido por esta instituição.

A cultura, a família, a religião e no geral a sociedade onde o indivíduo está inserido, todos estes factores são influenciadores dos valores. Deste modo, julgamos que o museu deveria assumir a sua responsabilidade social para além do ponto de vista tradicional, de divulgação e conservação do património e assumir-se como um agente de mudança e de educador para os valores.

Na primeira parte do trabalho, apresenta-se uma reflexão sobre a necessidade da educação para os valores do ponto de vista formal e dos principais métodos utilizados para o seu ensino, fazendo o paralelismo com as principais teorias da aprendizagem nos museus e de qual será o papel das instituições culturais no plano da educação não formal. A segunda parte do trabalho incide sobre o estudo de caso do Museu da Água da EPAL e do seu relacionamento com o público escolar. A análise aos trabalhos efectuados pelas crianças do 1º e do 2º ciclo revelam algumas preocupações ambientais relativamente à poluição e ao uso eficiente da água apresentando respectivamente as atitudes ambientais: biocêntrica (água como um bem essencial à vida) e antropocêntrica (perspectiva utilitária para o Homem). Todavia concluímos que em matéria de valores nada nos garante que as atitudes demonstradas em criança resultem em comportamentos sustentáveis no futuro.

A conclusão desta dissertação apresenta algumas sugestões para que o Serviço Pedagógico Águas Livres do Museu da Água da EPAL consiga concretizar uma educação ambiental mais eficaz junto da comunidade escolar.”

(Fonte: enviado pela autora)

Conteúdos:

Prefácio, 5

Agradecimentos, 7

Resumo, 9

Acrónimos, 11

Introdução, 15

1. Apresentação do tema e sua pertinência, 15

2. Objetivos do estudo, 21

3. Organização da dissertação, 23

Parte I. Enquadramento teórico, 25

Capítulo 1. O lugar dos valores na educação,  27

1.1. A educação para os valores, 27

1.2. A educação ambiental enquanto valor,.33

1.3. Principais perspetivas ambientalistas, 35

1.4. Da educação ambiental ao desenvolvimento sustentável: uma breve

resenha histórica, 41

Capítulo 2. A educação em museus, 51

2.1. O modelo behaviorista e o modelo construtivista, 51

2.2. A noção de valor público em museus, 55

2.3. A relação dos serviços educativos com as instituições escolares, 57

Parte II. A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Um estudo de caso, 61

Introdução, 63

Capítulo 3. O Museu da Água da EPAL, 65

3.1. Contextualização histórica, 65

3.2. O Serviço Pedagógico Águas Livres, 69

3.2.1. Práticas educativas, 74

Capítulo 4. Metodologia, 79

Capítulo 5. Análise dos trabalhos de expressão plástica realizados pelos alunos dos 1.º e 2.º ciclos, 83

5.1. Apresentação dos dados empíricos, 85

5.1.1. Análise dos dados por indicador, 85

5.1.2. Análise dos dados dos trabalhos do 1.º Ciclo, 99

5.1.3. Análise dos dados dos trabalhos do 2.º Ciclo, 100

5.1.4. Conclusões, 101

5.2. Considerações finais, 103

5.3. Sugestões de melhoria, 105

Bibliografia, 107

Apêndices, 113

Índice de quadros, 125

Índice de figuras, 125

Índice de apêndices, 126

Ciclo de encontros sobre educação pela arte

Encontros da Arte e Educaçao no Alentejo 30 de Setembro, Auditório do Centro de Artes de Sines, a partir das 10h00, com Madalena Victorino e Rui Horta ( O espaço do Tempo). Inscrições na recepção do CAS ou por telefone para 269 860 080. Gratuito.

Ciclo de encontros sobre educação pela arte, não só no sentido académico, mas também no sentido da partilha de experiências e conhecimentos. Destina-se a agentes educativos, mediadores culturais, profissionais da educação e a todos os atentos a esta temática. Insere-se num leque de actividades a desenvolver com o intuito de implementar as várias formas de expressão artística como mediadoras da aprendizagem e como uma realidade cada vez mais presente nas sala de aula, nos jardins-de-infância, nas instituições culturais e até mesmo num registo familiar. As sessões serão mensais e constituídas por um primeiro momento teórico, no qual serão apresentados e debatidos alguns dos grandes contributos para a afirmação da educação pela arte no nosso país. Seguidamente, pretende-se contar com a presença de um caso que ilustre uma boa prática (situado de preferência no Alentejo ) e, no final do dia, com um ateliê dinamizado pelo orador. Em cada sessão será focada uma das áreas artísticas, sendo objectivo último a interligação entre as mesmas, não só em cada sessão, mas também posteriormente no terreno.

Nota. Será necessário trazer roupa confortável e estar preparado para a experiência do movimento

(Fonte: https://www.facebook.com/groups/redecse/)