Arquivo de etiquetas: Elisabete J. Santos Pereira

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)