Arquivo de etiquetas: Elisabete Pereira

Contributos para a museologia portuguesa: um novo dicionário online sobre museólogos, do século XVIII ao séc. XX

O lançamento do Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa” acontece no próximo dia 28 de Março, pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, na Sala D. João VI. A apresentação conta com a participação de Ana Carvalho em conversa com Raquel Henriques da Silva, mentora do projecto, e ainda com Hugo Xavier e Elisabete Pereira, dois dos autores que colaboraram no primeiro volume do Dicionário.

O Dicionário é um projecto editorial em formato digital (website disponível a partir de 28 de Março) que tem como objectivo fundamental facultar uma visão abrangente, um conhecimento preciso e uma valorização actualizada das personalidades ligadas à museologia portuguesa, actuantes em diferentes tipologias científicas. Visa, ainda, contribuir para uma maior compreensão da história dos museus e da museologia portuguesa.

O primeiro volume do Dicionário, agora editado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960. Está em preparação a edição de mais um volume.

O projecto é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Espaços e Actores da Ciência em Portugal (XVIII-XX), 24 e 25 fev. 2012

No âmbito das suas actividades, o HetSci* realiza, nos dias 24 e 25 de Fevereiro de 2012, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, um Encontro Internacional, subordinado ao tema Espaços e Actores da Ciência em Portugal (XVIII-XX).

Margaret Lopes, João Brigola, Luís Ceríaco, Elisabete Pereira, Patrícia Costa, Daniel Marques, entre outros, falam de MUSEUS no âmbito da da História da Ciência.

Local: Lisboa, FCSH/UNL – Edifício ID, Sala Multiusos 2, (Piso 4)
Organização: Instituto de História Contemporânea (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Universidade Nova de Lisboa) e Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (Universidade de Évora).

*HetSci- O HetSci reúne investigadores do Instituto de História Contemporânea (FCSH/UNL) e do Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (UE) com o objectivo de desenvolver a investigação em História da Ciência em Portugal, no período entre os séculos XVIII e XX.

Mais informações em:
http://www.hetsci.org/
http://espacoseactoresciencia.blogspot.com/

Tese: "Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX"

Como vem sendo hábito publicamos, sempre que temos conhecimento, as teses que se vão realizando no âmbito dos museus e da museologia. A tese que hoje fazemos referência não se inscreve, todavia, na museologia, mas tendo Mario Saa sido um coleccionador, cujo espólio justificou inclusivamente a criação de uma fundação que inclui funções museológicas, resolvemos fazer a divulgação.

Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX
Autora: Elisabete de Jesus dos Santos Pereira
Orientação: Prof.ª Doutora Maria de Fátima Nunes
Dissertação apresentada à Universidade de Évora no âmbito do Curso de Mestrado em Estudos Históricos Europeus.
Obs.: Do júri fazia parte o Prof. Doutor Helder Adegar Fonseca (presidente), a Prof.ª Doutora Maria de Fátima Nunes Ferreira (orientadora) e o Prof. Doutor Fernando Martins (arguente). A defesa da tese realizou-se a 15 de Julho de 2010. Nota final: 18 valores

Resumo: Mário Saa (1893-1971) – um percurso de índole nacionalista, onde se cruzam a literatura, a ciência, a filosofia e a história. Pretende-se revelar o trajecto de um intelectual português da direita conservadora do início do século XX, numa perspectiva transnacional.

Aborda-se o seu percurso intelectual, analisando os reflexos da identidade europeia na sua produção cultural. Através do seu legado depositado na Fundação Arquivo Paes Teles, no Ervedal, uma freguesia do concelho de Avis, acedemos ao tempo da sua formação académica e às temáticas que abordou na sua vasta e diferenciada produção cultural.

Descobrem-se os seus círculos de sociabilidade literária e intelectual, e entende-se a construção da sua consagração através de um conjunto de dedicatórias gravadas nos livros da sua biblioteca. Um legado que permite aceder à sua «modernidade» decorrente da interacção com a Europa intelectual e do seu contexto de vivências variadas.