Arquivo de etiquetas: Fátima Faria Roque

Museus e sociedade digital em destaque no segundo número da Revista de Museus

Já se encontra disponível um novo número da Revista de Museus, que foi apresentado a 14 de Novembro no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, em Lisboa, por Emília Ferreira, directora do museu.

Trata-se do segundo número da Revista de Museus, uma revista editada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). O primeiro número, em 2018, rompeu com o hiato de 7 anos desde que a revista Museologia.pt cessou (então da tutela do antigo Instituto dos Museus e da Conservação), para voltar a afirmar a importância de ter uma revista institucional dedicada inteiramente aos museus e à sua reflexão.

Na direcção da revista está David Santos, que é também subdirector-geral da DGPC. Clara Frayão Camacho assegura a coordenação científica e Fátima Faria Roque a coordenação editorial. A revista inclui ainda um Conselho Editorial constituído por Adelaide Duarte, Graça Filipe, José Soares Neves, Manuel Bairrão Oleiro, Marta Lourenço, Rita Macedo e Rui Parreira.

A Revista de Museus é anual, impressa e os números são temáticos. Se o primeiro número focou a relação entre os museus e o turismo (Dez. 2018) para este segundo número a escolha recaiu sobre museus e sociedade digital, uma temática que mais recentemente parece suscitar especial interesse, quer no campo das publicações, quer na realização de debates e conferências.

Sobre os objectivos deste segundo número, o director da revista, David Santos, sublinha que se “procura […] dar expressão às interações verificadas nestes últimos vinte anos entre o virtual, as suas potencialidades, ameaças e desafios, e o real que identifica o esplendor do património museológico, ou seja as suas coleções e a sua fruição pública” (p. 5).

A revista inclui 23 contributos, entre artigos e ensaios. Globalmente, vai do geral ao particular. Identifica-se um bloco de artigos mais focado nos desafios das tecnologias aplicadas aos museus, mapeando e reflectindo sobre problemáticas interligadas. Entre estas, o digital como ferramenta ao serviço da missão dos museus, do acesso e da comunicação e não a mera utilização da tecnologia pela tecnologia, a problemática do direito de autor versus políticas de acesso aberto às imagens das coleções, a necessidade de maior valorização da comunicação na estratégia dos museus, a escassa visibilidade da arte digital nos museus de arte, os desafios da conservação de obras criadas com recurso às tecnologias, a actualidade e evolução da aplicação da realidade aumentada nos museus, a teorização em torno do cibermuseu, do ciberespaço e da “noologia”, entre outras.

Um outro bloco de textos dá maior enfoque a experiências particularizadas a partir de museus, como é o caso do Museu do Fado, do Museu de Lagos (Núcleo da Rota da Escravatura), do Museu Nacional de Arqueologia, do Museu do Dinheiro, entre outros.

Outros textos incidem sobre o projecto “Portugal: Arte e Património” (google arts & culture project), no qual participaram vários museus nacionais e sobre o projecto – Registo de Museus Iberoamericanos, que consiste numa base de dados de museus acessível em formato digital sobre o universo de museus ibero-americanos. A fechar a revista, refira-se também um texto sobre os desafios do digital (acesso aberto, interoperabilidade, etc.) a partir da experiência do projecto Europeana e da sua visão.

A Revista inclui ainda uma secção intitulada “Olhares”, em que dá espaço a outras perspectivas, neste caso um ensaio intimista do escritor Afonso Cruz.

Quanto à forma, a Revista demarca-se da sua antecessora museologia.pt, em particular no que diz respeito à (sobre)valorização estética, observável na centralidade que as imagens ocupam ao longo de toda a publicação (264 páginas) e na sua abundância, chegando a impor-se de forma preponderante em relação aos conteúdos. Diria que podemos observar numa só revista a existência de duas, uma na forma de catálogo de imagens sedutoras e apelativas, uma espécie de montra de imagens de objectos de museu e uma outra estruturada em textos, cuja articulação nem sempre poderá ser evidente.

A importância e predomínio da estética e do lúdico é, aliás, um traço plenamente assumido e assinalado pelo director da revista no editorial do primeiro número. Nas suas palavras “É também para celebrar essa capacidade e resiliência que esta publicação anual pretende afirmar o princípio da análise museológica, sabendo contudo afirmar-se ainda enquanto objeto de sedução estética. Por isso, vinculamos ao exercício crítico e reflexivo, a ludicidade de uma revista que ousa apresentar-se também como objeto colecionável, pelas razões essenciais que levam os seres humanos a cultivarem o que pretendem preservar para memória futura” (p. 5).

De facto, as imagens são impactantes e de qualidade, grande parte delas imagens de objectos das coleções dos museus nacionais. E, não raras vezes sugerem interpelação, suscitam maior contexto e aprofundamento. O facto de muitas das imagens, na maior parte das vezes, não terem relação articulada com os artigos pode trazer, no entanto, um elemento adicional de desorientação no contexto da leitura. E a interrogação: até que ponto é funcional e favorável a desconexão entre o que é escrito e o que se vê e, por outro lado, a ausência de maior contexto para as imagens que são apresentadas que possa estabelecer um maior entendimento, que vá para além do efeito estético e contemplativo que possa gerar.

A partilha de ideias, de conhecimento e de experiências é fundamental para o desenvolvimento dos museus. A existência de uma revista como esta é um passo importante nesse sentido. No entanto, não se ignora a premência de fazer com que essa partilha esteja ao alcance do maior número de leitores possível. Diria que um próximo passo poderá ser esse, o da aposta no acesso aberto, aliás, em plena sintonia com os desafios enunciados ao longo deste número, não estivéssemos nós na “era do acesso”.

****

ÍNDICE

4 | David Santos, Museus na “era do acesso” [editorial]

1. Tema: Museus e Sociedade Digital

8 | Ana Carvalho e Alexandre Matos, Museus e sociedade digital: realidades e desafios em Portugal

24 | Patrícia Remelgado, Museologia e comunicação

42 | Maria Vlachou, Tecnologia pela tecnologia? O digital ao serviço do acesso e da comunicação nos museus

62 | Fátima Faria Roque, Museus do outro lado do espelho: for the times they are a-changin

82 | Luís Raposo, Museu com digital ou… museu digital, eis a questão

94 | Helena Barranha, Fora do algoritmo: A relativa (in)visibilidade da arte digital nos museus de arte contemporânea

2. Museus

112 | António Cerveira Pinto, Uma fábula com aparência de ensaio

118 | Diana Marques, A realidade aumentada no panorama museológico atual

128 | Sara Pereira, Um museu sem paredes

142| Elena Morán e Pedro Pereira, O núcleo Rota da Escravatura do Museu de Lagos

156 | Emília Ferreira, O museu: organismo vivo e emotivo

168 | Carla Barroso, Documentação e inventariação de coleções arqueológicas do Museu Nacional de Arqueologia: Um diagnóstico recente

176 | Daniela Viela, Da pessoa ao virtual no Museu do Dinheiro

194 | Teresa Nobre, Direito de autor e acesso ao património cultural: a nova legislação europeia

3. Coleções

200 | David Santos, Real versus virtual. Opção ou complementaridade?

208 | Luís Ramos Pinto, Os bilhões de píxeis por detrás do projeto “Portugal: Arte e Património”

210 | Rita Macedo e Hélia Marçal, Conservação ou gestão de mudança? Time-based media no museu

4. Olhares

226 | Afonso Cruz, Museus de Dresner

5. Mundo

235 | Bernard Deloche, Cybermusée et société

246 | Teresa Mourão e Natalia Huerta, Registo de Museus Iberoamericanos

254 | Harry Verwayen e Beth Daley, Museums in the Mirror World – preparing for the next stage of our digital transformation

262 | Abstracts

****

A Revista de Museus encontra-se disponível para venda na loja dos museus (preço de referência: 20 euros), mas também nas principais livrarias. E ainda na loja online da DGPC: http://bit.ly/2KjvHSK

Políticas museológicas em foco no Boletim do ICOM Portugal

Fotografia a cores que revela um pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda, as arcadas

Imagem da capa: Pormenor do exterior do Palácio Nacional da Ajuda © Fotografia de Luís Pavão/Palácio Nacional da Ajuda/Direcção-Geral do Património Cultural

Começamos o ano com balanços. Balanços associativos, pois estamos no final do triénio dos órgãos sociais do ICOM Portugal em funções (2014-2017), aproximando-se novas eleições a 27 de Março. E balanços mais globais, daí a escolha do tema “gestão de museus e políticas museológicas” para este número do Boletim do ICOM Portugal dada a actualidade e a urgência de uma reflexão alargada e concertada. Sem pretender um retrato exaustivo, neste boletim procurámos trazer olhares de dentro e de fora, estimulando perspectivas várias sobre este grande “chapéu” que engloba as políticas museológicas.

O artigo de Manuel Bairrão Oleiro traça um diagnóstico assertivo sobre a realidade actual e deixa antever caminhos de futuro, elencando quais poderão ser na sua opinião as prioridades de uma política museológica nacional mais actuante. As pessoas, ou melhor dizendo, as equipas de museus foram igualmente uma das problemáticas abordadas por Oleiro, sendo esse tópico retomado por Maria de Jesus Monge e Ana Carvalho com maior enfoque na secção “Perspectivas”.

O contributo de David Santos, que desde Fevereiro de 2016 assumiu o cargo de subdirector da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), com responsabilidades em matéria de museus, é um olhar porventura mais generoso e optimista sobre a acção desta organização, mas é, até certo ponto, esclarecedor da forma como se perspectiva globalmente a situação actual.

Encontra ainda neste boletim uma selecção de notícias, comentários de conferências, sugestões de leitura, novas publicações e um leque diverso de eventos (conferências, debates, formação, etc.) para os próximos meses.

Terminamos com outro balanço, sendo este o último boletim da série iniciada em 2014 do qual sou editora. Feitas as contas somámos oito edições, mas mais do que o aspecto quantitativo, apostámos – e pensamos tê-lo conseguido – na criação de um espaço de partilha assente na diversidade de olhares e de perspectivas, como aliás caracteriza este sector. Um espaço que por si só também foi sofrendo alterações, com o contributo indelével de muitos dos nossos colegas dos actuais órgãos sociais do ICOM Portugal, e em função das aprendizagens que foram feitas pelo caminho. Porque, efectivamente, a edição deste boletim também correspondeu a um processo de aprendizagem pessoal e profissional. Bem haja!

Ana Carvalho [editorial]

****

Boletim ICOM Portugal, série III, n.º 8, Jan. 2017
Gestão de Museus e Políticas Museológicas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom,156,lista.aspx

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
08 | EM FOCO: Políticas Públicas no Sector dos Museus: O que Pode ser Feito, por Manuel Bairrão Oleiro
12 | PERSPECTIVAS: Equipas de Museu – Evolução ou Retrocesso?, por Maria de Jesus Monge; e Ana Carvalho
17 | ENTREVISTA com David Santos, por Ana Carvalho
NOTÍCIAS ICOM, vários autores
21 | Museus, Comunidade e Turismo, um Triângulo Virtuoso: Balanço, por Manuel Morais Sarmento Pizarro
23 | Museus Comunitários: Em que Ponto Estamos?, por Mário Nuno Antas
25 | O Valor Económico dos Museus: Templos do Conhecimento, Máquinas de Entretenimento ou Plataformas Participativas?, por Clara Frayão Camacho
28 | Coleccionar e Proveniências: Aplicações, Autenticidade e Propriedade, por Inês Fialho Brandão
30 | Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI, por Pedro Pereira Leite
32 | Desafios Digitais para Especialistas de Museus, por Ana Fernambuco
35 | Museus Nacionais: Passado, Presente e Futuro, por Fátima Faria Roque
38 | Pilotando o MOOC: Uma Jornada Agregadora e de Reflexão, por Paula Menino Homem
PUBLICAÇÕES
40 | Sugestões de leitura
41 | Novas edições 2016-2017
AGENDA
46 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.