Arquivo de etiquetas: Filipe Themudo Barata

Encontro de estudantes doutoramento Museologia na Universidade de Évora

Universidade de Évora, Colégio do Espírito Santo
Foto: Ana Carvalho, 2010

No próximo dia 25 de Junho (segunda-feira) realizar-se-á um encontro de estudantes de doutoramento em museologia na Universidade de Évora. Esta sessão tem lugar das 15h00 às 18h00, no anfiteatro do Palácio do Vimioso, na Universidade de Évora.

Para partilhar o seu percurso de trabalho e experiência no contexto da museologia estarão presentes Sandra Leandro (Universidade de Évora), António Ribeiro da Costa (Universidade de Coimbra) e Adelaide Duarte (Universidade de Coimbra).

A organização é do CEHFCi (João Brigola e Maria de Fátima Nunes) e do CIDHEUS (Filipe Themudo Barata), e o encontro insere-se no Programa de Doutoramento em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia e Programa de Doutoramento em História da Universidade de Évora.

Programa Encontro Doutorandos Museologia 2012

A entrada é livre.

HPIP – Património de Influência Portuguesa

É hoje (16 de abril de 2012) o lançamento do portal interactivo: www.hpip.org (o site só estará disponível amanhã). Este portal tem a ver com o trabalho de inventário do património arquitectónico e urbanístico de influência portuguesa existente em várias partes do mundo, um projecto iniciado em 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian, sob a direcção de José Mattoso, e do qual foram editados vários livros (ver http://www.gulbenkian.pt/index.php?article=2910&langId=1&format=404).

Será ainda apresentada a versão inglesa da obra “Património de Origem Portuguesa no Mundo. Arquitectura e Urbanismo”

16 de abril de 2012, 12h00

Fundação Calouste Gulbenkian, auditório 3

Mais sobre o projecto:

O portal HPIP vai reunir de forma integrada a informação sobre o património de influência portuguesa no mundo, tendo em vista a sua divulgação maciça, sem deixar de procurar as contribuições externas com novas entradas e informações. É deste modo que se pretende criar “uma comunidade herdeira desses bens partilhados em influências várias e cruzadas”, afirma Mafalda Soares da Cunha, coordenadora do portal HPIP, que esteve também na direção do projeto editorial com o historiador José Mattoso. “O conhecimento e a sua globalização são a base da identificação das comunidades com o seu património e, assim, o catalisador da sua salvaguarda e desenvolvimento integrado”, defende a professora universitária e antigo membro da Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos.

Um portal com a contribuição de todos

Todas as entradas dos volumes dedicados à América do Sul, à Ásia e Oceânia, e a África, Mar Vermelho e Golfo Pérsico estarão disponíveis online, em versão portuguesa e inglesa. Mas não só. Também o glossário e as imagens serão incluídos em número superior ao dos volumes impressos, assim como os instrumentos de consulta coligidos no volume de índices. Será possível fazer “pesquisa livre” (por palavras), mas também por categorias ou ainda sobre um mapa-múndi com imagem de satélite. A reunião de um acervo com estas caraterísticas será relevante no apoio à comunidade científica, não apenas pela disponibilização de dados, mas pela forma cruzada e integrada como surgem, graças à gestão proporcionada pelo sistema de informação geográfica (SIG), pela atualização e integração permanentes de nova informação e pela facilidade de acesso.

Sendo o HPIP um projeto sem fins lucrativos, funcionará “com base na colaboração graciosa de todos as pessoas que enviarem textos novos ou propostas de correção e aditamento aos textos originais”, explica Mafalda Soares da Cunha. As pessoas podem submeter as suas propostas online e depois segue-se um circuito interno de verificação e validação da informação. Os novos dados são incorporados no texto original, que assim passará a ter uma autoria partilhada e devidamente identificada.

A gestão do HPIP será rotativa entre quatro universidades: Universidade de Évora, Universidade Nova de Lisboa, Universidade Técnica de Lisboa e Universidade de Coimbra, sendo esta a primeira responsável. Um Conselho Executivo e um Conselho Editorial compõem os órgãos permanentes de gestão científica e executiva do portal. O Conselho Executivo integra vários especialistas de diversas instituições de ensino superior e de investigação, entre representantes das universidades parceiras, coordenadores dos volumes impressos e outros académicos cooptados pelo grupo de trabalho constituído para o acompanhamento da produção do portal. O Conselho Editorial, presidido por José Mattoso, recupera os colaboradores da obra impressa (cerca de 70 especialistas) que terão como função principal apoiar a certificação científica das novas contribuições para os textos do HPIP.

www.hpip.org

Conselho Executivo

Catarina Madeira Santos, École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris

Filipe Themudo Barata, Universidade de Évora

João Paulo Oliveira e Costa, FCSH-Universidade Nova de Lisboa

Jorge Flores, Instituto Universitário Europeu, Florença

José Belmont Pessôa, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro

José Manuel Fernandes, FA, Universidade Técnica de Lisboa

Miguel Bandeira Jerónimo, ICS-Universidade de Lisboa

Renata Malcher de Araujo, Universidade do Algarve

Walter Rossa, Universidade de Coimbra (diretor)

Conselho Editorial

José Mattoso (presidente)

O Conselho Editorial recupera os colaboradores da obra impressa (cerca de 70 especialistas) que terão como função principal apoiar a certificação científica das novas contribuições para os textos do HPIP.

Edição

Fundação Calouste Gulbenkian

Coordenação

Mafalda Soares da Cunha

Walter Rossa (adjunto)

Coordenação Executiva

Maria Fernanda Matias

Equipa de acompanhamento

Filipe Themudo Barata, Universidade de Évora

João Paulo Oliveira e Costa, Universidade Nova de Lisboa

José Manuel Fernandes, Universidade Técnica de Lisboa

Renata Malcher de Araujo, Universidade do Algarve

Assessoria Informática

Tiago Matos, Universidade de Coimbra

Assessoria à gestão de conteúdos

Ricardo Trindade, Universidade de Coimbra

Assessoria de Design

TVM designers

Produção

MrNet

Os Museus e o Património Cultural Imaterial

Lançamento de livros, congresso Local Vocabularies of “heritage”
Universidade de Évora, 9 Fev. 2012
© Ana Carvalho

No passado dia 9 de fevereiro foi apresentado o livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas”, que acaba de ser publicado pela Universidade de Évora (CIDEHUS), através das Edições Colibri. O lançamento teve lugar na Universidade de Évora no âmbito do congresso internacional Local Vocabularies of “Heritage”. A apresentação coube a Filipe Themudo Barata e a Ana Carvalho, autora do livro.

Para saber mais sobre o livro consulte o blog:

http://pcimuseus.wordpress.com/

No âmbito desta sessão foram ainda apresentados os seguintes livros:

Bortolotto, Chiara (ed. com a colaboração de Sylvie Grenet e Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Hauser-Schäublin, Brigitta, ed. 2011. World Heritage Angkor and Beyond: Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia. Göttingen Studies in Cultural Property, volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen

Local Vocabularies of Heritage

Local Vocabularies of “heritage”
Universidade de Évora, 10 Fev. 2012
Da esquerda para a direita: Al Karjousli Soufian, Eduardo Jorge Esperança, Julie Perrin e Anais Leblon
© Ana Carvalho

Teve lugar a semana passada o congresso internacional “Local Vocabularies of «heritage»”, Variations, Negogiations, Transformations” (8-10 Fev. 2012) na Universidade de Évora. Apesar de a minha percepção sobre o congresso ser subjectiva, pelas razões óbvias, não posso deixar de sublinhar a qualidade do trabalho feito pela organização (em especial do Cyril Isnart), a qualidade das intervenções e de todos os que foram participando ao longo destes três dias, através das questões apontadas e do espírito de reflexão e crítica que foi uma constante neste encontro. Para mim, a motivação em participar nestes encontros reside nesta possibilidade de troca e partilha e no questionamento que oferece, nem que seja para nos interrogarmos não só sobre o que outros investigadores fazem, mas como no nosso próprio trabalho. Por outro lado, este encontro foi particularmente interessante pela possibilidade de contactar com investigadores, que nalguns casos, já me eram familiares através de leituras várias e que tenho citado ao longo do meu trabalho: Chiara Bortolotto, Silvie Grenet e Laurier Turgeon, mas também muitos outros (ver programa do evento)

No geral, os trabalhos apresentados foram diversos, sendo inúmeras as questões levantadas: a problematização dos processos de patrimonialização, seja ao nível das dinâmicas, as tensões entre a tradição vs modernidade, os agentes, os instrumentos normativos internacionais (UNESCO), recursos vs sustentabilidade, a normalização dos processos e os conflitos inerentes, a turistificação do património, o papel do turismo experiencial, os museus e o PCI. Para além disso: o património visível e o invisível (ex. património negativo) e os processos que evidenciam aspectos, mas que ocultam outros; as diversas dimensões do património (material, imaterial, natural, cultural, etc.) e a necessidade de maior flexibilidade tanto a nível de conceitos como dos processos de salvaguarda; a relação ou tensão entre local e global; a relação da patrimonialização com o território; as abordagens ao património (funcionalista, crítica sociológica, nominalista); o património e a inclusão social; questões epistemológicas e disciplinares: a necessidade de repensar a antropologia e a discussão teórica; a complexidade da abordagem ao património (o paradoxo de trabalhar com base em categorias; diferentes vocabulários, vocabulários locais e globais, traduções) e a necessidade de observar tantos os conteúdos como os processos; Todavia, ficaram no ar várias perguntas: Estamos diante de uma nova sacralidade? Vamos salvar o património: Salvar ou destruir? Salvar ou fixar? O que salvar e porquê? (entre outras)

Os papers serão publicados a breve trecho.

Lançamento de livros sobre património na Universidade de Évora

A conferência internacional Local Vocabularies of Heritage (8-10 Fev. 2012) que se realiza em Évora inlcui no dia 9 de Fevereiro uma sessão para lançamento de livros sobre património de alguns dos conferencistas que participam no evento.

A sessão é entre as 18h00 e as 19h00, sala 131, Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora. A entrada é livre.

Sobre os livros:

Bortolotto, Chiara (ed. com a colaboração de Sylvie Grenet e Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Este livro foi publicado em Novembro de 2011. É editado por Chiara Bortolotto e inclui diversas contribuições que reflectem sobre o que é o Património Cultural Imaterial, como se constrói e quais os efeitos dos processos de patrimonialização, atendendo aos objectivos da Convenção 2003. Os textos dão também conta das complexidades das problemáticas suscitadas com este enquadramento internacional: qual o papel dos investigadores na articulação da Convenção 2003 com as políticas nacionais?; que tipo de respostas e ajustes terão de ser feitos pelos estados e pelas comunidades na implementação da Convenção nos territórios?; como analisar a relação entre a noção de salvaguarda em confronto com as ambiguidades que implicam os inventários do Património Cultural Imaterial.
Pode encontrar o índice aqui.

Mais informações no site da editora:
http://www.editions-msh.fr/livre/?GCOI=27351100905770&fa=description

Hauser-Schäublin, Brigitta, ed. 2011. World Heritage Angkor and Beyond: Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia. Göttingen Studies in Cultural Property, volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

  O livro está disponível para download em pdf no site das publicações da Universidade de Göttingen (Alemanha) 

http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2011/GSCP2.pdf

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

É mais uma publicação da Universidade de Göttingen e está escrito em alemão. Está disponível em pdf:
http://webdoc.sub.gwdg.de/univerlag/2010/GSCP1.pdf

Carvalho, Ana,  2011Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS. ISBN 978-989-689-169-5.

Por fim, mas não menos importante, será lançado o livro do qual sou autora: Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas, que acaba de ser impresso pela Colibri. O livro é publicado através do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

A todos os que permitiram a concretização deste projecto os meus profundos agradecimentos. Gostaria, no entanto, de fazer uma menção especial ao meu orientador Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, pois sem o seu incentivo nada disto seria possível.

O livro é o resultado de uma tese de mestrado apresentada em 2009 na Universidade de Évora no âmbito do Mestrado em Museologia. Trata-se de uma reflexão em torno do enquadramento normativo da UNESCO, em particular a Convenção para a Salvaguarda do património Cultural Imaterial (2003) e o papel dos museus nesta área. Os museus são um dos agentes intervenientes na definição de estratégias de salvaguarda do Património Cultural Imaterial e é a partir desta premissa que procuramos enquadrar as responsabilidades dos museus neste campo. Sublinham-se as problemáticas e os desafios implicados numa abordagem ao património, cada vez mais alargada, e que reclama, por sua vez, intervenções mais integradas, seja do ponto de vista dos parceiros envolvidos seja do ponto de vista da diversidade dos campos disciplinares envolvidos.

O livro está organizado em três capítulos. O primeiro capítulo estabelece como ponto de partida o enquadramento histórico e institucional que conduziu à Convenção 2003, analisando as principais iniciativas da UNESCO que, ao longo das últimas décadas, foram determinantes para se chegar ao discurso de salvaguarda patente no texto da Convenção 2003. A partir do enquadramento internacional do tema, o segundo capítulo dá enfoque ao contexto nacional, nomeadamente o quadro normativo e institucional e a sua articulação com políticas culturais direccionadas para a salvaguarda do PCI. O terceiro e último capítulo reflecte sobre o papel dos museus, situando as problemáticas e a complexidade de abordar o PCI de acordo com as recomendações da Convenção 2003, assim como as suas potencialidades. É também a partir das orientações do Conselho Internacional de Museus (ICOM), que se posiciona favorável a um papel activo dos museus na salvaguarda do PCI, que são analisadas diversas formas de tratar o imaterial nos museus em função das actividades museológicas. Identificar, documentar, estudar, expor e interpretar, apresentar, transmitir, educar… são algumas das possibilidades de trabalho. O papel da história oral, das novas tecnologias são aspectos igualmente tratados no livro, que se entende como um ponto de partida para a reflexão e definição de estratégias de salvaguarda.

O livro inclui ainda um prefácio da autoria do Prof. Doutor João Carlos Brigola e um texto de apresentação assinado pelo orientador do estudo, o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata.

Nota: Para além do lançamento do livro no contexto específico desta conferência está também previsto um lançamento em Lisboa com data a anunciar oportunamente.

Programa da Sessão:

18:00-19:00 Sala 131 Books Launch
Chiara Bortolotto and Sylvie Grenet
Bortolotto, Chiara (ed. avec la collaboration de Sylvie Grenet et Annick Arnaud), 2011. Le patrimoine culturel immatériel: enjeux d’une nouvelle catégorie. Paris: Éditions de la Maison des sciences de l’homme, collection “Cahiers d’ethnologie de la France”.

Stefan Groth
Hauser-Schäublin, Brigitta (ed.) 2011. World Heritage Angkor and Beyond Circumstances and Implications of UNESCO Listings in Cambodia, Göttingen Studies in Cultural Property – Volume 2. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Bendix, Regina, Bizer, Kilian, Groth, Stefan (Hg.) 2010. Die Konstituierung von Cultural Property: Forschungsperspektiven Göttinger Studien zu Cultural Property – Band 1. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen.

Ana Carvalho
Carvalho, Ana,  2012. Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas. Lisboa: Colibri-CIDEHUS.

 

* O livro “Os Museus e o Património Cultural Imaterial” tem o apoio do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)

 

 

 

“As origens e influências orientais no Tapete de Arraiolos: Contributos para a sua Musealização”

As origens e influências orientais no Tapete de Arraiolos: Contributos para a sua Musealização
Autor: Rui Miguel Bartolomeu Alves Lobo
Tese de Mestrado no âmbito do Mestrado em Museologia da Universidade de Évora
Júri: Filipe Manuel Miranda Themudo Barata, Paulo Simões Rodrigues (orientador) e Alexandra Curvelo (arguente)
Data: Out. 2011

Tese de mestrado: "Museu do Território do Vale da Paiva e Serras"

Museu do Território do Vale da Paiva e Serras
Autor: Arménio dos Santos Vasconcelos
Orientação: António Nabais
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia
Ano: 2010. Tese defendida a 16 de Junho de 2010
Nota: Júri constituído por Filipe Themudo Barata (Presidente),José d’Encarnação (arguente) e António Nabais (orientador). O candidato obteve a classificação de «bom com distinção».

Tese de Mestrado: "Museu Militar de Elvas"

Defesa pública de tese, Universidade de Évora
30 de Abril de 2010

Museu Militar de Elvas
Autora: Patrícia Isabel Janarra Machado
Orientação: João Carlos Pires Brigola
Relatorio de estágio apresentado à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia.
Ano: 2010. Tese defendida a 30 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Filipe Themudo Barata (Presidente), Jorge Manuel Pestana Oliveira (arguente) e João Carlos Pires Brigola. Este trabalho académico já se insere no âmbito de Bolonha.
Classificação: 14 valores

Resumo: O presente relatório pretende dar a conhecer o contexto histórico-social em que surge o projecto museológico do Museu Militar de Elvas (MME). Apresenta as colecções do museu que contam uma história, encerram um passado e são parte importante da identidade nacional e local. Aborda a importância da concretização de uma política de conservação preventiva nos museus, uma vez que a preservação do património é uma das mais nobres missões cometidas às sociedades contemporâneas. Os objectivos gerais de definir normas e procedimentos de conservação preventiva consistem na erradicação ou diminuição das causas de deterioração e na descoberta precoce das ameaças com a finalidade de evitar o recurso a uma intervenção curativa. Assim sendo, privilegiou-se a elaboração de uma proposta de plano de conservação preventiva, no qual são definidas normas e procedimentos de conservação preventiva adaptadas quer às tipologias das colecções quer aos diferentes espaços físicos do MME.

Palavras-chave: Museu Militar de Elvas; Conservação Preventiva

Abstract: This report seeks to present the historical and social context in which it appears the museum project of the Military Museum of Elvas (MME). Presents the collections of the museum that tell a story, enclosing a month and are an important part of national identity and place. Discusses the importance of implementing a policy of preventive conservation in museums, since the preservation of heritage is one of the noblest tasks assigned to contemporary societies. The general objectives of setting standards and procedures for preventive conservation involve the reduction or eradication of the causes of deterioration and the early detection of threats in order to avoid the use of a curative intervention. Therefore, we focused on developing a draft plan of preventive conservation, which defines standards and procedures for preventive conservation adapted to both types of collections or to different physical spaces of the MME.

Key-words: Military Museum of Elvas; Preventive Conservation

Tese de Mestrado: "Museu de Arte Contemporânea de Elvas: para o conhecimento do (s) seu (s) público (s)"

Defesa pública de tese, Universidade de Évora
27 de Abril de 2010

Museu de Arte Contemporânea de Elvas: para o conhecimento do (s) seu (s) público (s)
Autora: Isabel da Conceição de Almeida Pinto
Orientação: João Carlos Pires Brigola
Relatorio de estágio apresentado à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia.
Ano: 2010. Tese defendida a 27 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Filipe Themudo Barata (Presidente), Paulo Alexandre Simões Rodrigues (arguente) e João Carlos Pires Brigola. Este trabalho académico já se insere no âmbito de Bolonha.
Classificação: 17 valores

Resumo: O presente Relatório decorre do estágio efectuado no Museu de Arte Contemporânea de Elvas que teve como objectivo geral o estudo de públicos daquela instituição. Diagnosticámos os instrumentos utilizados e reflectimos sobre o modo como são aplicados e potenciados, na perspectiva da definição de um perfil(s) de público(s). Tomando em consideração os resultados do diagnóstico, propusemo-nos apresentar a aplicação de um instrumento de estudo de públicos (um inquérito por questionário) de modo a traçar uma sociografia dos públicos do museu, conhecer os seus hábitos de consumo cultural e avaliar o museu.
O conhecimento dos públicos (reais e potenciais) é uma premissa fundamental para a planificação dos programas de captação e fidelização de públicos, apesar de, no contexto da museologia nacional, constituírem ainda uma área recente de reflexão. Permitem avaliar a eficiência na gestão dos recursos e o impacte social que tem a programação do museu e dos serviços educativos.

Palavras – chave: Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Estudos de Públicos, Inquérito por questionário

Museum of Contemporary Art of Elvas: to the knowledge of (s) your (s) public (s)

Abstract: This report follows the traineeship at the Museum of Contemporary Art of Elvas which aimed to study the general public that institution. Diagnosed the instruments used and reflected on how they are applied and strengthened with a view to drawing up a profile (s) public (s). Taking into account the results of the analysis, we decided to present the application of a study of public (an inquiry) in order to set a public sociography of the museum, learn about their habits of cultural consumption and evaluate the museum. Knowledge of the public (actual and potential) is a fundamental precondition for the planning of programs for acquisition and retention of audiences, although in the context of national museology, still constitute an area of recent debate. To assess the efficiency in resource management and social impact that has the museum’s program and educational services.

Keywords: Museum of Contemporary Art of Elvas, Public Studies, Survey by questionnaire

Tese de Mestrado: "As Rotas Jacobeias em Portugal: Estudo e divulgação do caso alentejano. Proposta de Valorização – criação de um Museu Virtual e de um Centro de Interpretação"

As Rotas Jacobeias em Portugal: Estudo e divulgação do caso alentejano. Proposta de Valorização – criação de um Museu Virtual e de um Centro de Interpretação
Autora: Conceição da Cruz Pereira Norberto
Orientação: João Carlos Pires Brigola, Maria Antónia Marques Fialho Costa Conde
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia
Ano: 2010. Tese defendida a 26 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Filipe Themudo Barata (Presidente), Maria Antónia Marques Fialho Costa Conde, João Carlos Pires Brigola, Ana Cardoso de Matos e António Camões Gouveia (arguente).
Classificação: Bom com distinção

Resumo: As peregrinações, entre elas a Santiago de Compostela, marcaram profundamente a sociedade europeia. Além das questões religiosas, os caminhos de Santiago originaram a criação de uma rede de infra-estruturas que permitiu o desenvolvimento de regiões e aglomerados urbanos. Para provar a importância desses caminhos no distrito de Évora partimos de uma abordagem aos testemunhos patrimoniais evocando S. Tiago (móveis e imóveis, materiais e imateriais), procurando, como objectivo da Dissertação de Mestrado, conceber um projecto para divulgação da informação recolhida. Assim, sabendo que a sociedade actual exige mais informação visual na compreensão do legado cultural, optámos pela criação de um Museu Virtual e de um Centro de Interpretação. Se os Museus Virtuais oferecem inúmeras possibilidades de acesso às manifestações culturais, possibilitando ainda a formação através de tecnologias aplicadas na educação, os Centros de Interpretação criam condições de acolhimento e visita adequadas, fornecendo informações essenciais na compreensão e valorização dos legados patrimoniais.

Tese de Mestrado "As Colecções de Arqueologia dos Museus da Região Autónoma da Madeira – uma proposta de abordagem Pedagógica dos acervos"

Defesa pública de tese, Universidade de Évora
26 de Março de 2010
©Ana Carvalho

As Colecções de Arqueologia dos Museus da Região Autónoma da Madeira – uma proposta de abordagem Pedagógica dos acervos
Autora: Isabel Paulina Sardinha de Gouveia
Orientação: João Carlos Pires Brigola, Elvio Duarte Martins Sousa
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do grau de Mestre em Museologia
Ano: 2010. Tese defendida a 26 de Abril de 2010

Nota: Júri constituído por Filipe Themudo Barata (Presidente), João Carlos Pires Brigola, Elvio Duarte Martins Sousa, Leonor Maria Pereira Rocha e Jorge Manuel Pestana de Oliveira.
Classificação: Muito bom

Resumo:

O presente estudo tem como propósito primordial o estudo dos acervos arqueológicos existentes nos museus da Região Autónoma da Madeira, numa perspectiva de análise didáctico – pedagógica.

Ao longo dos sete capítulos que formam esta dissertação, contextualizamos teórica e conceptualmente o nosso objecto de estudo, fazemos uma retrospectiva do panorama museológico regional, sintetizamos a actividade arqueológica na Madeira, analisamos o suporte legislativo determinante para a museologia regional e nacional, caracterizamos as unidade museológicas regionais detentoras de colecções de arqueologia, descrevemos de forma sumária os acervos arqueológicos dessas unidades, reflectimos sobre a vertente educativa dos museus.

Finalmente, e tendo presente a necessidade de contextualização para fins formativos e educativos dos acervos arqueológicos existentes nos museus, concebemos duas propostas de abordagem dos acervos arqueológicos do Parque Arqueológico do Museu Quinta das Cruzes e do Núcleo Museológico de Machico – O Espaço do Solar do Ribeirinho. Para o primeiro desenvolvemos um jogo virtual e para o segundo criamos um caderno de actividades didáctico – pedagógicas e um desdobrável.

Hugues de Varine na Universidade de Évora

Defesa pública de tese
Universidade de Évora
25 de Março de 2010
©Ana Carvalho

Elementos do júri. Da esquerda para a direita vê-se: Cláudio Torres, Ana Cardoso Matos, João Brigola, Lígia Rafael, Hugues de Varine e Filipe Themudo Barata
25 de Março de 2010
©Ana Carvalho

Como foi anunciado aqui no blogue, teve lugar hoje em Évora a defesa pública da tese de museologia – “Os Trinta Anos do Projecto Mértola Vila Museu: Balanço e Perspectivas”. Lígia Rafael, autora desta tese obteve por unanimidade a classificação de “Muito Bom”. Hugues de Varine este presente nesta sessão pública na qualidade de arguente.

Parabéns à Lígia Rafael e as maiores felicidades!

Tese Mestrado "Os Museus e o Património Cultural Imaterial"

Os Museus e o Património Cultural Imaterial: Estratégias para o Desenvolvimento de Boas Práticas
Autor: Ana Alexandra Rodrigues Carvalho
Orientador: Prof. Doutor Filipe Themudo Barata
Dissertação apresentada à Universidade de Évora para obtenção do Grau de Mestre em Museologia
Ano: 2009. Tese defendida a 23 de Dezembro

Nota: O júri foi constituído pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola (Director do Mestrado) na qualidade de Presidente do júri. Foi arguente o Prof. Doutor Jorge de Freitas Branco (Director do Mestrado em Museologia: Conteúdos Expositivos do ISCTE) e foi vogal o Prof. Doutor Filipe Themudo Barata, orientador da dissertação.

Resumo:

Tomando como referência fundamental o trabalho desenvolvido pela UNESCO em matéria de protecção do Património Cultural Imaterial (PCI), muito particularmente a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial (2003), considerou-se oportuno reflectir sobre as implicações que este enfoque traz para os museus. São indiscutíveis as repercussões que este instrumento trouxe para o reconhecimento da importância do PCI à escala internacional, motivando um crescendo de iniciativas em torno da sua salvaguarda. São vários os agentes envolvidos na preservação deste património, no entanto o International Council of Museums (ICOM) reconhece um papel central aos museus nesta matéria. Mas para responder a este repto, os museus terão que repensar as suas estratégias de forma a relacionar-se mais com o PCI, contrariando uma longa tradição profundamente enraizada na cultura material.

O presente estudo reflecte sobre as possibilidades de actuação dos museus no sentido de dar resposta ao desafios da Convenção 2003, sendo certo que a partir das actividades dos museus é possível encontrar formas de estudar e de dar visibilidade a este património. Em função das especificidades de cada museu, podem ser encontradas estratégias de salvaguarda do PCI, entre as quais se pode incluir o inventário e a documentação (audiovisual, texto, áudio, imagem), a investigação, a divulgação através de exposições e publicações, difusão através da internet, educação não formal, entre outras actividades. Alguns museus começaram já a desenvolver abordagens integradas para a salvaguarda do PCI, cujos exemplos se apresentam. Este tema suscita vários desafios, implicando práticas museológicas inovadoras que possam reflectir o papel dos museus como promotores da diversidade e criatividade cultural.

Palavras-chave: Museologia, Património Cultural Imaterial, Património Cultural, Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, Diversidade Cultural, UNESCO, ICOM.

——

Abstract:

Recalling the UNESCO’s work towards the protection of Intangible Cultural Heritage (ICH), in particular the Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage adopted in 2003, I took this opportunity to reflect upon the implications that this recognition brings to museums. The overwhelming success of this document has raised the importance of ICH at international level, motivating a growing number of initiatives towards its safeguard. Accordingly to the 2003 Convention, there are many agents involved in the preservation of this heritage, yet the International Council of Museums (ICOM) recognises a central role for museums. Nevertheless, to face this challenge, museums will have to rethink their relationship with ICH in opposition to their deep rooted tradition in material culture.

The present study reflects upon the possibilities that museums have to answer the changeling 2003 Convention, recognizing that it’s possible through museum activities to find ways to study and give visibility to ICH. According to each museum specificities, it seams clear that strategies can be engaged in order to promote the safeguard of ICH, including inventory and documentation (audiovisual, audio, text and image), research, promotion through exhibitions, publications, dissemination trough internet and other means, informal education, among other activities. Many museums have already started exploring integrated approaches towards the safeguard of ICH and some of these examples are presented in this study. This theme is challenging, implying innovative museum practices which reflect on museums role towards the promotion of cultural diversity and creativity.

Keywords: Museum Studies, Intangible Cultural Heritage, Cultural Heritage, Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, Cultural Diversity, UNESCO, ICOM.

Sugestão de Leitura: "El patrimonio Cultural Inmaterial: definición y sistemas de catalogación"

actas-murcia

El patrimonio Cultural Inmaterial: definición y sistemas de catalogación: actas del seminario internacional Murcia, 15-16 de febrero de 2007
Vários autores
Edição: Gobierno de la Región de Murcia, Servicio de Patrimonio Histórico, 2008
ISBN: 978-84-7564-389-2

Aspectos generales

Convención para la Salvaguardia del Patrimonio Cultural Inmaterial: conceptos e inventarios
Hugues Sicard

Il progetto “MEDINS. Identity is future. The Mediterranean Intangible Space”
Alessandra del Caro

Les Actions du Projet MEDINS
Lucio Tambuzzo

El Patrimonio Cultural Inmaterial de la Región de Murcia: Algunas reflexiones sobre su papel en la visión del patrimonio cultural como factor de cooperación interregional, desarrollo social y sostenibilidad económica
Angel Iniesta Sanmartín

El Consejo de Hombre Buenos de la Huerta de Murcia: Candidatura para su declaración como Patrimonio Inmaterial de la Humanidad
José Antonio Melgares Guerrero

La gestión del patrimonio inmaterial en sociedades complejas del siglo XXI: Propuestas para implementar políticas de actuación en la Región de Murcia, España
Aurora Lema Campillo

Patrimoine culturel inmatériel: Politiques etr Stratégies. Lecas de la Grèce
Zoi N. Margari

Il Patrimonio Inmateriale: Definizione e politiche di valutazione e salvaguardia del aptrimonio inmateriale nella programmazione comunitaria 2007-2013
Alessandro Pernice

La programmation communautaire 2007-2013 et les politiques de valorisation et protection du Patrimone Culturel Inmatériel: la Région de l´Alentejo. Portugal
Ana Carvalho

Análisis de los sistemas legislativos y administrativos de catalogación, protección y valorización del patrimonio inamterial en el Estado español y la Región de Murcia
Inmaculada García Simó

Portuguese legislation on intangible cultural heritage and inventories
Ana Carvalho, Filipe Themudo Barata

La catalogazione dei Beni culturali e ambientali nella Regione Siciliana
Adriana Fresina

Conoscenza, tutela e valorizzazione dei beni immateriali nella Regione Siciliana
Orietta Sorgi

Il REI: Registro delle Eredità Inamteriali
Lucio Tambuzzo

Políticas de valorización y protección del Patrimonio Inmaterial a insertar en el interior de la programación comunitaria 2007-2013

Sistemas legislativos, administrativos y de catalogación para la protección y valorización del patrimonio inmaterial

CONF: Património Imaterial no Alentejo, 17 Maio 2008

Entre hoje e amanhã decorre o Festival Internacional da Cantos Improvisados em Alcácer do Sal. O evento inclui performances ligadas a esta temática e um colóquio – “O Canto de Improviso como Património Imaterial: Metodologias de Inventário e Processos de Salvaguarda”.

A organização e coordenação cabe à Direcção Regional de Cultura do Alentejo e à Câmara Municipal de Alcácer do Sal.

Local: Auditório Municipal de Alcácer do Sal

A Direcção Regional de Cultura do Alentejo e o Munícipio de Alcácer do sal, preocupados com o estado actual da décima e do verso improvisado no Sul de Portugal, em particular do “Canto do Ladrão do Sado”, e no âmbito do Programa para a Salvaguarda do Património Intangível do Alentejo (PI), assumiram em conjunto a intenção de proceder à salvaguarda destas práticas poético-musicais.

Esta intenção visa não só contribuir para um melhor conhecimento destas espressões, como também desenvolver um conjunto de acções práticas que possibilitem a sua salvaguarda e promoção aos níveis local, regional, nacional e internacional. Criar uma sustentabilidade social, económica daqueles que detêm as aptidões culturais consideradas fundamentais a este programa de salvaguarda, potenciando a sua transmissão é imperativo.

Estes objectivos só poderão ser alcançados num amplo e profundo diálogo no qual os improvisadores, poetas, músicos, investigadores e outros agentes participem, procurando encontrar soluções para a continuidade destas práticas poéticas fundamentais para a permanência da diversidade cultural do Alentejo.

A diversidade e o dálogo intercultural que a décima e o verso improvisado permitem entre pessoas de diferentes regiões, diferentes países e diferentes continentes, são um exemplo profundo do diálogo de Paz que o Património Intangível da cultura dos povos pode ajudar a construir, e que a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada pela UNESCO em 2003, e já ratificada pela Assembleia da República Portuguesa, assume e reconhece.

Com o colóquio “cantos de despique”- expressão portuguesa para o verso e o canto de improviso – pretende-se abir um espaço de reflexão sobre o que é o Património Intangível e o verso improvisado, bem como discutir metodologias de inventário e estratégias de salvaguarda, dando particular atenção a um conjunto de experiências desenvolvidas no Mediterrâneo e em Portugal.

(in programa)

Para mais informações consulte o Programa:
festival-internacional-cantos-improvisados