Arquivo de etiquetas: formação

Museus e estereótipos

Formação “Museums and Stereotypes”. Créditos: Elisabetta Brian

Participei, entre 25 e 28 de Outubro, na formação Museums and Stereotypes (International Training School), em Turim, Itália.[1]

Foram quatro dias de formação em vários museus de Turim. O tema: museus e estereótipos. O curso pretendeu explorar estratégias e práticas que contribuam para a desconstrução de estereótipos no sentido de tornar os profissionais dos museus mais conscientes das suas responsabilidades. 

Podemos conscientemente afirmar que enquanto profissionais e indivíduos somos livres de estereótipos e preconceitos? E os museus, o que têm a ver com isso? Museums are, of course, one of many settings in which stereotypical representations of social groups may be encountered, reinforced and reproduced but also, potentially, resisted and challenged(Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, p. 38). Esta frase de Richard Sandell é relevante, não apenas por chamar a atenção de que os museus não são lugares isentos de estereótipos, quer falemos no passado, quer falemos no presente, mas por também atribuir aos museus a capacidade e a possibilidade de desconstrução desses estereótipos. É esta dupla perspectiva que importa reconhecer e trabalhar sobre. 

Iniciativa “Gender Matters”, Gothenburg City Museum, 2011

Falar sobre estereótipos no contexto dos museus é falar do quê exactamente? Entre os estereótipos debatidos, nomeadamente nesta formação, estão aqueles associados à imigração, ao género e onde se incluem as identidades LGBTQ, à deficiência, às questões étnicas, à religião, entre vários outros.

A mudança é gerada pela desconstrução e pelo questionamento, diria interno, a partir de dentro, por cada um de nós, dos estereótipos que conseguimos reconhecer e de outros que estão presentes mas tão pouco os identificamos claramente. Foi esse o desafio que me levou a Turim, assim como a vários colegas de diferentes proveniências (Grécia, Itália, Irão, Holanda, Canadá, etc.) para quatro dias (25-28 Outubro) de intenso debate e reflexão com o objectivo de sair da zona de conforto, e descobrir os nossos pontos cegos em relação aos museus e às nossas práticas. Pela mesma razão, e em jeito de ressalva, participei pouco tempo antes na conferência anual da Acesso Cultura – E Este Património? A Presença LGBTQI+ no Ano Europeu do Património Cultural – um encontro que foi clarividente no sentido de perceber o quanto desconhecemos estes temas e a premência dos profissionais de museus se envolverem mais. Como se lê no texto de introdução da conferência: «Quando não vemos alguém, essa pessoa não existe para nós, com todas as consequências que esta ignorância traz para a inclusão social e para a decorrente valorização da nossa sociedade».

A formação sobre museus e estereótipos foi organizada por Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli da associação ABCittà(sede em Milão), juntamente com João Rosa da 4iS– Plataforma para a Inovação Social, uma organização ligada à Universidade de Aveiro; decorreu em três museus e espaços distintos da cidade de Turim: o Museo Egizio, que reúne uma das mais importantes colecções de arqueologia do Egipto na Europa, o Museo Lombroso, um museu universitário dedicado à figura de Cesare Lombroso, fundador da antropologia criminal em Itália, e o Polo del 900, um centro cultural (e arquivo) com dois anos de existência que explora temáticas ligadas à cidadania, democracia, direitos humanos, entre outros tópicos da actualidade.

O programa consistiu na apresentação e discussão de experiências ligadas aos museus onde decorria a formação. Esse foi o caso do Museo Egizio, um museu que tem desenvolvido vários programas com e para grupos ligados à imigração, tendo havido oportunidade de contextualizar os desafios desta acção, não se escondendo as adversidades advindas do actual hostil clima político vivido na região e que tem levado inclusive à contestação pública das actividades do museu por parte de grupos políticos mais extremados que se posicionam contra a imigração. Imigração foi, aliás um tópico bastante desenvolvido em várias comunicações no âmbito da desconstrução e combate de estereótipos e preconceitos. A comunicação de Daniel de Torres (consultor no programa das Cidades Interculturais do Conselho da Europa) – “How to Dismantle Stereotypes and Prejudices: Some Lessons Learned from the Antirumour Strategy that can be Useful for Museums” – é um desses exemplos, entre outros.

Entre os tópicos explorados, destaco ainda o do género e das identidades LGBTQ. Neste contexto, Nicole Moolhousen (investigadora e consultora na área do património) apresentou várias experiências desenvolvidas no Reino Unido: “Who Am I?” (Science Museum); iniciativas promovidas pelo Victoria & Albert Museum e pelo British Museum, entre outros exemplos da Holanda, Suécia, Alemanha, Brasil, Índia, África do Sul, incluindo Itália.

Outro projecto apresentado foi o da “Biblioteca Vivente”. Promovido pela associação ABCittà, centra-se na narração de histórias com o objectivo de promover o diálogo e combater os preconceitos.

Para além das comunicações mais convencionais, o programa incluiu workshops para discussão informal em grupo a partir de exercícios orientados, como por exemplo: Museums and Stereotypes: An International Conceptual FrameworkWhich Risks for Political Correctness?; A Learning Kit Against Stereotypes; entre outros.

Facilitadoras do workshop: Maria Chiara Ciaccheri e Anna Chiara Cimoli. Créditos: Elisabetta Brian

O programa combinou ainda visitas organizadas a vários museus, onde destaco em particular a visita ao Museo Diffuso della Resistenzapelo seu director, Guido Vaglio.

Foram dias inspiradores, mas seria pretensioso afirmar que esta formação respondeu a todas as perguntas que levava. Pelo contrário, levou a mais interrogações e inquietações. Um colega de formação, no contexto de uma discussão sobre como a comunicação em museus é muitas vezes exclusiva e sobre a forma de ultrapassar as barreiras interrogava – mas até onde vamos parar? Pensei para mim própria: até onde for preciso. Enquanto vários “outros” se sentirem excluídos, este é um compromisso do qual não devemos abdicar não só como exercício de reflexão, mas sobretudo para repensar as nossas acções. 

Os museus são em si um meio que comunica de múltiplas formas. Combater  os estereótipos é, por isso, uma questão transversal: desde a forma como se recebe os visitantes na recepção, à forma como se pensa o acesso (das barreiras físicas, às sociais e intelectuais), ao modo como se constrói ou se revisita uma narrativa (quem está representado e como, o que é dito e o que se omite), à linguagem usada. Diz respeito à missão dos museus, deve ser uma preocupação das lideranças e das equipas, tem a ver com estratégia.

O programa, formadores e demais informações sobre o curso estão disponíveis em: https://museumsandstereotypes.org. Deixo algumas referências partilhadas pela organização do curso:

BIBLIOGRAFIA

Joan H. Baldwin and Anne W. Ackerson, Women in the Museums: Lesson from the Workplace, Routledge 2017.

Banaji, M. R., & Greenwald, A. A. (2013). Blindspot: Hidden Biases of Good People. New York, NY: Bantam Books.

Anna Chiara Cimoli, From Representation to Participation: The Voice of the Immigrants in Italian Migration Museums, in “The Journal of the Inclusive Museum”, Vol. 6, n. 3, maggio 2014, pp. 111-121.

Anna Chiara Cimoli, Identity, Complexity, Immigration. Staging the Present in Italian Migration Museums, in Museums, Migration and Identity in Europe. Peoples, Places and Identities, Christopher Whitehead, Rhiannon Mason e Susannah Eckersley (eds.), Farnham, Ashgate 2015, pp.  285-315.

Hill Collins P., Bilge S., Intersectionality, Polity Publisher, 2016.

Frantz Fanon, Black Skin White Masks, London: Pluto Press, 1967.

Guerrilla Girls, The Hysterical Herstory of Hysteria and How It Was Cured: From Ancient Times Until Now, Michèle Didier Editions, 2016.

Sally Hines, Is Gender Fluid?: A Primer for the 21st Century, Thames & Hudson, 2018.

John Berger, Ways of Seeing, Penguin Book, 1972.

Amy K. Levin, Gender, Sexuality and Museums, Routledge Reader, 2010.

Amy Lonetree, Decolonizing Museums: Representing Native America in National and Tribal Museums, University of North Carolina Press, 2012.

Amin Maalouf, In the Name of Identity: Violence and the Need to Belong, 1998.

Kylie Message, Museums and Racism, Routledge 2018.

Richard Sandell, Museums, Moralities and Human rights, Routledge 2016.

Richard Sandell and Eithne Nightingale (eds.), Museums, Equality and Social Justice, Routledge, 2012.

Richard Sandell (ed.), Re-presenting Disability, Routledge, 2010.

Richard Sandell (ed.), Museums, Prejudice and the Reframing of Difference, Routledge, 2007.

Richard Sandell (ed.), Museums, Society, Inequality, Routledge, 2002.

LINKS


ABCittà’s Living Library

ABCittà’s anti-stereotype kit (em italiano)

“Abitare il museo” (Livro da ABCittà sobre o projecto Mudec Pop, em italiano)

“Che cosa vedi?”, a peer education kit (em italiano)

“Words matter” (Tropenmuseum, Amsterdam)

“Cards against creativity” (“Cards against humanity” in museum version)

Harvard’s Implicit Association Test (IAT)

Antirumours strategy 2018 handbook (De Torres Barderi D., Antirumours Handbook, 2018)

Look different


OUTROS RECURSOS ONLINE

Museums and migration

Maria Vlachou and Ana Carvalho, The inclusion of migrants and refugees: the role of cultural organizations

Resources designed by the Tanenbaum Centre for Interreligious Dialogue

LGBTQ Alliance: Welcome guide

American Association of Museums DEAI: Facing Change. Full Report 2018

Museum Association, UK: Culture Change, Dynamism and Diversity

Rainbow Network: Practical Tools for Intersectional Workshops

Museums, Libraries and Archives, UK: Disability checklist

Cleveland Art Museum: For the Benefit of All. Diversity, Equity and Inclusion Plan


[1] Para participar nesta formação tive o apoio de uma bolsa da Acesso Cultura.

O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus? Em destaque no novo boletim do ICOM Portugal

Na imagem vê-se a entrada do Museu do Dinheiro

Imagem da capa: Recepção do Museu do Dinheiro. Fotografia do Museu do Dinheiro

O boletim de Setembro do ICOM Portugal (Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Museus) é dedicado à nova Recomendação da UNESCO para os museus e colecções, com particular enfoque para a função social dos museus na actualidade.

A UNESCO produziu novas orientações para o mundo dos museus através de um novo documento adoptado em 2015 – a Recomendação Relativa à Protecção e Promoção dos Museus e das Colecções, da sua Diversidade e do seu Papel na Sociedade. A Recomendação percorre os grandes tópicos da Museologia, compreendendo orientações gerais e funcionais sobre o papel dos museus no mundo contemporâneo. É de toda a utilidade para os profissionais compreender o alcance da Recomendação, razão pela qual o ICOM Portugal incluiu um espaço de discussão em torno deste documento durante as últimas Jornadas de Primavera, e volta a fazê-lo agora neste boletim.

É sob o olhar de dois museólogos, Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite, que ficamos a conhecer melhor os contextos e os desafios presentes na Recomendação de 2015 (Em Foco).

A função social, muito associada no passado ao movimento da Nova Museologia, é hoje referida abundantemente com diferentes sentidos e aplicações. Está longe de ter uma definição normalizada ou de ser uma questão consensual entre os profissionais. Também é um dos aspectos que saiu reforçado na Recomendação de 2015. Daí a interrogação: o que significa hoje a função social, em que se traduz na prática? De que falamos concretamente quando falamos de função social? Da missão dos museus? Do envolvimento dos públicos e das comunidades? Da liderança? Da ética? Do contributo dos museus para a mudança social através do compromisso com os grandes tópicos da sociedade (direitos humanos, migrações e por aí em diante…)? Aida Rechena e Inês Fialho Brandão oferecem-nos as suas Perspectivas sobre a questão.

Sara Barriga Brighenti é o rosto por detrás do recém-inaugurado Museu do Dinheiro. Faz parte de uma nova geração de profissionais que coloca o visitante em primeiro lugar. Conheça o essencial da sua visão.

O número de Janeiro, o último desta série, será dedicado à gestão de museus e políticas museológicas, procurando suscitar a reflexão sobre algumas das problemáticas que a Museologia portuguesa tem enfrentado nos últimos anos.

[editorial, de Ana Carvalho]

****

Boletim ICOM Portugal 07 | Setembro 2016: Recomendação da UNESCO para os Museus e Colecções

02 | EDITORIAL, por Ana Carvalho
03 | MENSAGEM DO PRESIDENTE, por José Alberto Ribeiro
05 | BREVES
10 | EM FOCO: Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções: Entrevista com Clara Frayão Camacho e Pedro Pereira Leite
20 | PERSPECTIVAS: O Que Significa Hoje a Função Social dos Museus?, por Aida Rechena; e Inês Fialho Brandão
NOTÍCIAS ICOM
24 | Casas-Museus e a Interpretação da Paisagem Cultural, Social e Urbana, por Maria de Jesus Monge
26 | Notas sobre Museus, Cidades e Paisagens Culturais, por Joana Sousa Monteiro
28 | Notas de Balanço sobre o CIDOC em Milão, por Alexandre Matos
30 | Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários, por Pedro Pereira Leite
32 | As Actividades do CECA para além dos Muros dos Museus, por Mário Nuno Antas
33 | Memória Acesa, por Pedro Pereira Leite
35 | MUSEUS & PESSOAS: Sara Barriga Brighenti, por Ana Carvalho
PUBLICAÇÕES
39 | Sugestões de leitura
40 | Novas edições 2016
AGENDA
44 | Conferências, encontros, debates
49 | Formação
50 | Chamada de propostas

O Boletim está disponível online: http://icom-portugal.org/boletim_icom

****

O Boletim ICOM Portugal (ISSN 2183-3613) é uma edição da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus (ICOM Portugal). Tem como objectivo a partilha de informação, de ideias e de boas práticas entre os profissionais de museus, contribuindo para o desenvolvimento e dinamismo do sector. Os números publicado nesta série (III) são da responsabilidade de Ana Carvalho (desde Outubro de 2014). Publica-se três vezes por ano (Janeiro, Maio e Setembro) e apresenta-se apenas em formato digital.

 

Museologia, entrevista com Filipe Themudo Barata

 

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

Filipe Themudo Barata, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013 © Ana Carvalho

 

Damos início no blogue a um ciclo de entrevistas intitulado Per(cursos) e Perspectivas da Museologia, convidando personalidades ligadas à museologia para connosco reflectir sobe o mundo dos museus face aos desafios que se enfrentam no contexto actual. O desafio é trazer a público uma entrevista por mês, dando espaço a diferentes vozes e perspectivas.

Estivemos à conversa com Filipe Themudo Barata[1],  professor há mais de trinta anos na Universidade de Évora e que tem estado ligado ao ensino na área do património e da museologia. Foi este um dos motivos que nos levou a conversar sobre a formação em museologia e os seus percursos, sobre a situação dos museus e das universidades na actual conjuntura, bem como sobre as perspectivas de mudança na museologia portuguesa.

***

Ana Carvalho (AC) – Qual o primeiro museu que se lembra de visitar e que memórias guarda dessa experiência?

Filipe Themudo Barata (FTB) – Eu separaria três coisas que são aparentemente diferentes. Uma como turista e interessado em museus. Lembro-me, há muitos anos, de visitar museus na Alemanha, na Inglaterra – a Tate Gallery por exemplo e lembro-me de visitar o Louvre. Lembro-me que o que achava interessante era a paciência que aquilo representava, o trabalho acumulado de tanto tempo a juntar tantas peças. O que me lembro era esse espírito de colecção, porque eu também tinha um espírito de coleccionista, e de ficar muito marcado pela ideia de que para juntar tantas peças é preciso muito tempo, muita paciência e muita gente para fazer e organizar colecções. E, por isso, os museus maiores impressionavam-me imenso. E estou a falar de quando eu era um estudante de liceu e da universidade, estaremos, portanto, nos anos sessenta.

Depois, quando comecei a visitar museus com objectivos mais críticos e de apreciação, lembro-me de visitá-los sobretudo pela variedade. Visitei no Canadá um museu que se chamava Upper Canada Village, sobretudo porque tinha a ver com a recuperação das memórias que era uma coisa que me interessava nessa altura. Percebi aí que a museologia, os museus tinham várias alternativas, várias saídas, várias hipóteses.

E depois lembro-me também de visitar museus que me impressionaram, que eram até coisas pequeninas, alguns mal feitos, projectos um pouco inacabados e que me interessavam porque eram museus que contribuíam para a coesão social. Isso nota-se muito, por exemplo, em África. Lembro-me de visitar um museu em Cabo Verde que tinha esse lado simbólico e de função de coesão social.

E depois tive uma outra experiência de museus, que foi aqueles museus que eu tinha responsabilidades e que me chamaram a atenção para outro fenómeno. Os museus para além das funções sociais têm uma componente importante para a economia de uma região e de um país. Daí a necessidade de também pensarmos os problemas da economia da cultura de uma forma diferente de como a normalmente pensamos, muito desprendida e de que não temos nada a ver com isso, mas temos tudo a ver com isso. Depois, muito mais tarde percebi que 80% do meu tempo andava a gastá-lo a gerir economicamente o museu; por isso até é que eu propus que no curso de museus as pessoas soubessem um mínimo de economia porque não é indiferente e não pode estar separado da vida dos museus

AC – E hoje em dia quais são os museus que visita habitualmente?

FTB – Hoje em dia já sou muito mais criterioso. Eu lembro-me, aliás, julgo que foi consigo que fomos à Alemanha [2005][2], onde vou por estes dias outra vez fazer uma visita de estudo. Agora interessa-me também o lado de projecto do próprio museu, o lado da organização dos discursos. Interessa-me perceber até os factores que andam também à volta, e que nem sequer se veem, interessa-me visitar o depósito e os serviços de apoio. E portanto, hoje em dia, as minhas visitas aos museus, para além do prazer e de continuar a sentir-me, muitas vezes, assustado e esmagado pelas colecções, também estou interessado na variedade, na qualidade dos projectos. Interessa-me olhar com um espírito crítico aquilo que está e o que deveria estar e fazer essas comparações.

AC – Poderia falar um pouco sobre o seu percurso profissional e o que o levou a interessar-se pelas questões do património e dos museus?

FTB – Eu venho da História.

AC – Mas antes disso…

FTB – Ah sim, formei-me em Direito, mas isso foi a pré-história da minha vida como eu costumo dizer. Mas eu venho da História de formação, foi o que eu sempre quis fazer. E venho da História dura, digamos assim, eu era e sou um medievalista. Mas uma das coisas que sempre me afligiu foi que a História sempre ligou mais ao factor de tempo do que do espaço. E foi a partir dos problemas do espaço e do conhecimento do território que me comecei a interessar pela materialidade das coisas mais do que do processo temporal dessas coisas. E com amigos e colegas que eu fui encontrando fui fazendo esse percurso. Devo dizer que ainda hoje mantenho uma parte disso que tem a ver com o território e a paisagem.

No princípio misturava um pouco o património natural com as práticas sociais ligadas às construções da paisagem, e foi progressivamente por aí que eu me fui aproximando do património, ou seja, da necessidade de compreender a alteração dos espaços em termos de história. Eu lembro-me que a primeira vez que fiz uma comunicação sobre paisagem estávamos em 1983. Ao princípio, com os colegas de outras áreas, tentava arranjar métodos de análise da paisagem (…) que tinham a ver com a utilização as ciências exactas, as ciências duras no estudo da Paisagem, e portanto fazia estudos sobre cálculo de probabilidades, de ocorrências na Paisagem. Pouco a pouco, fui abandonando essas preocupações das ciências duras e fui-me ligando mais aos aspectos das práticas sociais e dos valores patrimoniais que tinham a ver com essa construção das paisagens.

E é curioso porque lembro-me perfeitamente, por volta dos anos 88-89, sentir a necessidade de perguntar a mim próprio porque é que não havia um curso de património em Portugal. E naquela altura, porque desempenhava funções de coordenação na Universidade de Évora fiz um projecto de licenciatura de património cultural, que eu julgo que foi o primeiro em Portugal. (…) Era um curso bastante eclético. Além do conhecimento do património, o curso tinha duas ou três componentes que eram essas sim completamente novas: uma era que as pessoas tinham de ter formação mínima em economia. Foi o primeiro protesto que tive (porque fui o primeiro director do curso) e o protesto era que os estudantes não queriam saber de questões de economia, como ler um balancete ou como fazer um orçamento. E foi a primeira coisa que, depois de eu sair, removeram do curso. A segunda tinha a ver com materiais, ou seja havia unidades curriculares como agora lhes chamam, fornecidas, por exemplo, pela arquitectura sobre materiais de construção, materiais que interessavam para o conhecimento do património, estávamos por volta dos anos 1990-1991. Mais tarde, até porque colaborei em muitos projectos europeus ligados ao património, comecei a estruturar melhor a forma como via estes problemas.

Lembro-me também que à medida que fui lidando e tinha projectos nestas áreas, fui bater na museologia sem querer. Porque naquela altura o país era mais encravado, cada região estava mais encravada, e éramos muitas vezes suscitados para saber o que fazer àquele património. E, pouco a pouco, o que íamos deparando era o que fazer a colecções, seja lá do que fosse; tivemos das propostas mais bizarras que se pode imaginar, das colecções mais estranhas que se pode pensar, mas o nosso desafio era sempre – “o que fazer àquilo?” Dou dois ou três exemplos.

Por exemplo, lembro-me perfeitamente, era director do departamento [de História] e virem algumas pessoas ter comigo a dizer que tinham o espólio do Mário de Sá, um historiador, um poeta, um escritor que escreveu sobre as grandes vias da Lusitânia[3] – e quererem saber o que fazer com o material. Portanto, nós éramos suscitados para esse género de desafios. E, pouco a pouco, e quase sem querer acabei por estar ligado a esses museus e projectos.

E também ligado a uma outra ideia que eu acho fundamental demarcar, já que estamos aqui na Gulbenkian a fazer esta entrevista. Naquela altura era meu colega na Universidade o Arquitecto [Gonçalo] Ribeiro Telles que tinha uma ideia, que é demais conhecida, de que havia futuro para o Portugal também no interior e o desenvolvimento sustentado, para o alcançar, era algo muito relevante. E isso também tem a ver com esse fenómeno de, digamos assim, lutar por propostas que tinham na base propostas culturais, mas que tivessem futuro também para as comunidades do interior. E foi assim um pouco também que fui, passe a expressão, militando nesse domínio.

Depois acabei por me ligar à cidade romana da Ammaia [Marvão], onde já estávamos a falar de outra escala, de materiais, de colecções, de projecto, o que me ocupou nos últimos dez anos e que não me deixou perder de vista o que fazer a este género de problemas. E depois tive consciência ainda de outra coisa. Como estive ligado à organização da Expo 98 e era uma das pessoas responsáveis pela formação de funcionários percebi que faltava imensa formação especializada nessas áreas em Portugal. Vem daqui a primeira proposta de Évora de um curso de museologia, que foi construída em 1996, sendo depois aprovada um pouco mais tarde.

E foi mais ou menos isto em resumo o meu percurso, que misturou ao mesmo tempo o percurso de investigador, historiador e até de coordenação institucional.

AC – E o mestrado Erasmus Mundus [TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria)]?

FTB – O Erasmus Mundus é um salto diferente. Este Erasmus Mundus é um mestrado que nós temos a meias com a Universidade de Pádua e com Universidade de Paris 1 Sorbonne Pantheon. Nós percebemos que os problemas que Portugal tinha – e tem – são muito parecidos aos problemas da maior parte dos países do mundo. Há especificidades, mas (…) a formação tem um sentido universal e é por isto que a formação em museologia e o património tem este sentido universal, porque os problemas são semelhantes em todo o lado.

AC – Qual o balanço que faz desta última década de formação em museologia?

FTB – O balanço nem sempre é simpático para toda a gente e para todas as instituições. Em primeiro lugar há os aspectos práticos que eu chamaria da oferta de formação. Quando isto começou, portanto há quase vinte anos, todos quiseram reproduzir a oferta porque havia muitos estudantes, e num país como Portugal o resultado é que se “matam” uns aos outros. Do meu ponto de vista, enquanto olharmos só para o que se passa em Portugal não tem sentido haver uma oferta formativa em museologia em cada universidade e politécnico. E o resultado é que acabamos autenticamente por “matar” não só a própria oferta formativa como, pior, prejudicamos fortemente a investigação que lhe está associada.

Hoje em dia, o que é para mim completamente claro é que as propostas de oferta formativa deviam ter parcerias das universidades portuguesas, tinham que ser mais racionalizadas desse ponto de vista, e ter outra coisa essencial, ou seja, projectos e linhas de investigação associados. Era a única forma de sustentarmos isto a mais longo prazo. E desde que obviamente fizéssemos uma coisa prévia que era articular essa formação. E hoje em dia, vale até a pena perceber que a primeira leva de professores de museologia que se vai reformando, temos imensa dificuldade em estruturar essas competências nos quadros das universidades e passamos a fazer quase o que verdadeiramente é uma espécie de outsourcing de professores. Porque do meu ponto de vista falta ligar a formação da museologia à investigação, a linhas de investigação que sejam claras e que estejam sediadas em centros de investigação. E esta falta de ligação tem desarticulado imenso a formação em museologia.

Para todos efeitos, acho que o trabalho que se fez é, mesmo assim, muitíssimo positivo. Há teses que são referências e só tenho pena que o mecanismo da circulação das teses entre as universidades não seja bem mais conhecido, porque podia ser um factor até de homogeneização. Vale a pena perceber que não é muito difícil organizar as linhas de investigação, o problema é que as pessoas, muitas vezes, não sabem o que os outros andam a fazer nas outras universidades. E a prova de que estamos a fazer coisas muito semelhantes é no resultado prático das teses que se fizeram.

AC – Como avalia a produção científica que se faz na área da museologia?

FTB – Em Portugal podemos considerá-la razoável. Mas se fossemos avaliá-la por critérios internacionais, diria que é muito fraquinha.

AC – Isso deve-se a quê, na sua opinião?

FTB – Isto passa-se não só na museologia, mas em quase todas as áreas, temos fracos níveis de internacionalização. O que eu estou a dizer são coisas simples de comprovar que é – quantos projectos somos líderes na área da museologia? Quantos artigos é que estão escritos por portugueses, em comparação com os outros, nas revistas da especialidade? É baixíssimo o número. E portanto, desse ponto de vista, a percepção que eu tenho é que não se fizeram, afinal, assim tantas teses. Há algumas coisas evidentemente interessantes, mas os nossos níveis de internacionalização não são muito grandes, nem de perto nem de longe (…). Faltam linhas de investigação, como disse, e isso é fundamental para dar consistência ao trabalho.

AC – Mas não faltará também pensamento crítico?

FTB – Em Portugal temos vários tipos de problemas, que é uma espécie de um atavismo nas áreas das ciências sociais e humanas. Nós levamos a apreciação crítica quase como uma ofensa e, portanto, temos pouco esse hábito. Depois, também é verdade que não há tantas revistas assim e não há tantos espaços onde se possa expressar a crítica de uma forma normal, regular, o que também condiciona imenso a possibilidade de o fazer. E depois como o nosso meio livreiro também não é muito grande e não é muito rico para permitir a publicação e também não o fazemos nas revistas internacionais, ou fazemos muito pouco, essa é uma limitação.

AC – Acha que o pensamento crítico pode ser ensinado, pensando nos currículos da museologia, se pode haver do ponto de vista da formação esse estímulo, esse olhar crítico sobre as coisas?

FTB – O olhar crítico é um ambiente que se cria, que se treina, que se induz e que se incentiva as pessoas a praticá-lo. Ou seja, nós não o temos de uma maneira geral em Portugal, mas não é só aqui nesta área é em quase todas, esse espírito crítico e incentivamos pouco. É uma atitude!

 AC – Falando um pouco da crise, e desta nova conjuntura de restrição orçamental tem obrigado a reestruturar os cursos e à sua transformação. Como é que este processo se tem passado na Universidade de Évora?

FTB – Eu não acho que na Universidade de Évora se tenha passado muito diferente, julgo eu, das outras. Uma das coisas que são dramáticas em Portugal, do meu ponto de vista, é esta permanente tendência a estarmos a mudar todos os anos a oferta formativa. Isto cria uma instabilidade nas instituições absolutamente demolidora. Eu sou professor há mais de trinta anos e eu acho que não me lembro de três anos seguidos sem uma reforma e, portanto, este estado de coisas não deixa criar práticas normais de trabalho. Eu percebo que a oferta formativa pode, num ano, não ter alunos e mude, isso com a demografia portuguesa é natural acontecer. Mas eu não percebo é esta tendência suicidária para todos os anos abrirmos novos cursos. Isto não devia poder ser assim. Isto é um aspecto que não é de agora, é um aspecto de já vem de há muitos anos. Este é o primeiro aspecto.

O segundo aspecto é que a proposta que nos fazem é que a crise é também um motivo de arranjar oportunidades. Esse é um discurso retórico que não conduz a nada e para isso poder ser verdade era preciso fazer uma outra coisa que era as universidades passarem a ter objectivos bem claros sobre aquilo que pretendem alcançar, coisa que não parece assim tão evidente nos dias de hoje. Sobretudo porque andamos a lutar todos os dias pela sobrevivência em vez de pensarmos o problema de saber o que queremos e vamos fazer. Sobre isto diria ainda duas ou três coisas.

Em primeiro lugar, temos de racionalizar a oferta que fazemos por cá, mas não podemos permanentemente matar os cursos e a alterá-los e a arranjá-los com novos nomes porque isso cria instabilidade. Em segundo lugar, a oferta formativa também tem que ser o resultado do trabalho que já existe. Ou seja, essa oferta que se vai criando tem que ter alguma correlação com a investigação e o trabalho que se faz. Em terceiro lugar, nós, pensando na nossa língua somos capazes de definir um projecto num papel, mas temos pouco sentido prático, – por exemplo: a quem é que nos estamos a dirigir para ter como alunos? E depois não somos capazes de integrar e ligar a oferta da universidade com os problemas da formação profissional. Ou seja, enquanto nós aceitarmos a lógica de separamos o sistema profissional do sistema universitário vamos continuar a ter um problema porque conhecemos mal, passe a expressão, os nossos clientes. E nós tínhamos de pensar o problema de uma maneira um pouco diferente, do meu ponto de vista.

Por outro lado, estamos a usar pouco, em Portugal e de uma maneira geral na Europa, os meios de comunicação (internet) que têm um impacto enorme e podíamos fazer coisas mais interessantes com toda a gente que está interessada em aprender ou que fala português, que é muito mais do que os PALOP. E desse ponto de vista a nossa oferta formativa está muito mal pensada e praticamente não existe. As Universidades precisam de definir melhor os objectivos a que se propõem e os alvos que querem atingir. Esse trabalho ainda está muito no início.

AC – A articulação das universidades com as lógicas do mercado também pode ser perigosa, ou não?

FTB – A maior parte do discurso e da narrativa oficial é a de que a Universidade deve colocar-se por baixo do mercado e, portanto, a Universidade formaria consonante o mercado pede. E não pode ser assim como é lógico; porque então as experiências das grandes universidades que são referência não é assim que funcionam, porque a própria universidade, a riqueza e a criatividade de cada universidade também ela própria incentiva o mercado.

Nós temos em Portugal um problema concreto que é o problema da nossa estrutura demográfica. Ou arranjamos uma alternativa de políticas de incentivo ao crescimento populacional, e não é isso que vai acontecer, o que estamos a ver é que vai diminuindo a nossa base demográfica, o seja, o número dos nossos clientes. Eles vão diminuindo e nós estamos a dar-lhes uma formação como se estivéssemos nos anos oitenta e não estamos. Isto significa que nós tínhamos que ter algum conhecimento daquilo que se passa e das nossas capacidades e competências, porque nós temos muitas competências instaladas nestas áreas, estamos a usá-las é provavelmente mal, estamos a deixá-las diminuir e a deixá-las desarticularem-se.

Deste ponto de vista as universidades, isto não tem só a ver com uma universidade, precisavam de perceber melhor onde é que poderiam estar a fazer a sua oferta, que não é preciso ser nova, os objetivos que se propuseram há dez ou quinze anos e que continuam a ter sentido e que não devem ser desarticulados mas provavelmente não têm a mesma possibilidade em Portugal, mas que continuam a ser em algumas áreas de excelência. Por exemplo, nós temos competências instaladas na área do património, nos centros de investigação, na formação e nos seminários que nós temos, que é uma pena deixarmos desarticular. O que era preciso fazer era isto ser, passe a expressão, politicamente pensado, que tem sido pouco pensado nas universidades, assoberbados pelos problemas financeiros.

AC – Tem havido esse tempo para reflectir?

FTB – Não e esse é um problema sério. Embora eu não tenha dúvidas, e por aquilo que conheço que as competências significam: o número de investigadores, as linhas de investigação que existem nos centros, aí em termos comparativos e o que está publicado é relevante. Mas deixa de ter alguma unidade, por não ser pensado, mesmo dentro de cada instituição e as universidades transformam-se, assim, uma espécie de confederação de pessoas, de interesses e de unidades, sem ter objectivos políticos de política científica gerais, que sejam claros para todos. E isso era possível fazer, mas era preciso fazermos uma coisa a que não estamos habituados – termos debates com objectivo e aceitarmos sermos avaliados. Temos pouca prática de organizar debates com esse sentido prático.

AC – Pensando na evolução da museologia nas universidades e em linhas de investigação, e tendo em conta a Universidade de Évora, quais poderiam ser essas especialidades ou essas linhas de investigação. Qual poderá ser ao ponto forte da museologia na Universidade de Évora?

FTB – Falando agora só de Évora, gostava de, em primeiro lugar, por razões que depois têm a ver com percursos até individuais, as pessoas que lidam com o património estão ou estavam extraordinariamente pulverizadas em Évora. Eu diria que havia quatro ou cinco departamentos que lidavam com os problemas do património: a Arquitectura, a Arquitectura Paisagista, a História, as Artes. Depois acontece que havia uma espécie de unidade que era o resultado de gente oriunda de vários departamentos (químicas, geofísicas e tal) que também se juntaram num projecto interessante que se chama o Centro HÉRCULES [Herança Cultural, Estudos e Salvaguarda] que procurava no fundo também aplicar as ciências duras aos estudos patrimoniais. Depois de tantos anos de erros e hesitações resolvemos, um grupo de professores e até da própria reitoria, tentar fazer uma outra coisa que é a de organizar um doutoramento em património.

Este projecto é um doutoramento que tem dois ou três aspectos relevantes. Primeiro, porque junta gente de todos os departamentos onde havia estudos do património. Depois porque junta unidades de investigação, junta o centro de História da Arte [CHAIA], junta o HERCULES, junta o CIDEHUS [Centro Interdisciplinar de História, Sociedades e Culturas], depois porque junta ainda outras instituições que farão parte da rede no projecto final. E junta projectos, como é o caso da cátedra UNESCO. E portanto, pela primeira vez, em torno desta ideia de património, e lá dentro está a museologia, seremos capazes de organizar não só um projecto doutoral ligado ao património, mas também linhas de investigação em que todos reconhecemos o nosso trabalho o que não deixa de ser raro e curioso.

AC – A Universidade de Évora conseguiu ver aprovada uma cátedra em património. Quer explicar de que se trata?1

Em Agosto de 2012, depois de um longo processo, a Universidade de Évora viu aprovada uma Cátedra UNESCO da qual eu sou o responsável. O “Agreement” final, ou seja, o compromisso da Universidade só foi ratificado no mês de Fevereiro, pelo que a Chair UNESCO só iniciará em Março a sua actividade, a qual será devidamente publicitada. Trata-se de uma cátedra com o título “Intangible Heritage and Traditional Know-how: Linking Heritage” e, como o nome indica, tem como ponto central o património imaterial e o saber fazer tomados num sentido alargado. Há uma equipa da Universidade de Évora que apoia o trabalho da Cátedra, uma rede que se vai formando, linhas de investigação previstas e formação avançada que se perspectiva. De certeza, um enorme trabalho pela frente[4].

AC – Voltando à questão duma postura mais crítica sobre o que se está a passar nas instituições, nomeadamente nos museus, esta crise tem obrigado a reestruturações rápidas e a verdade é que se nota um silêncio, tanto da parte dos profissionais como da parte das universidades, salvo alguns espaços de debate.

FTB. – Medo, medo de perder o emprego.

AC – Mas este silêncio também se sente da parte das universidades.

FTB – Claro que sim. Há vários problemas aí. Primeiro, para todos os efeitos as universidades estão muito viradas de costas para os museus, é uma realidade. Há sempre casos excepcionais, mas de uma maneira geral não é uma relação tão próxima como devia. Em segundo lugar, nós estamos numa fase muito difícil porque as pessoas, por um lado, têm medo de perder os lugares, o que faz as pessoas retraírem-se. Depois, há um lado prático que tem a ver com a luta pela sobrevivência de cada instituição, que ganha uma dimensão que não deixa de ser um pouco patológica que é julgar pode sobreviver sozinha – e não pode.

Há uma outra ideia que tem a ver com os governantes que julgo que nunca fizeram as contas, embora haja estudos sobre o que representa a economia ligada à cultura[5] e que é muito maior do que as pessoas julgam. E como nestas coisas já não se fazem tantas contas as pessoas acabam por ter esses reflexos defensivos de se isolarem mais, que é um grande erro. Seja como for, acho que vale a pena lembrar duas ou três coisas.

Hoje em dia fala-se muito de turismo, pois o turismo é um sector que podemos desenvolver; mas o turismo é saber como é que eu me desloco, onde é que eu fico e o que é que eu vou fazer. E “o que eu vou fazer” era onde nós devíamos estar preocupados, e curiosamente, os nossos governantes pensam pouco nesse problema; fica tudo uma coisa nebulosa porque depois as políticas práticas para saber o que é que eu vou ver enquanto cá estou estão pouco pensadas. (…) E para todos os efeitos, julgo que a nível local estas questões são muito mais bem pensadas, mais discutidas, melhor, curiosamente, do que a nível central.

As universidades, infelizmente, estão muito afastadas destes debates e as instituições, com receio destes cortes, definem só políticas de sobrevivência. Eu não tenho soluções (…), mas reconheço que agora é que era uma boa altura pelo menos para saber quais são as alternativas e como nos organizarmos. E nós precisávamos de fazer isso, não era só fazer mais uma exposição, era agora fazer mais um debate sobre aquilo que nós queremos destes sectores ligados à cultura e à economia da cultura.

AC – Na sua opinião, como é que a desarticulação entre museus e as universidades podia ser ultrapassada?

FTB – Eu não percebo como é que é que a maior parte das pessoas que estão à frente dos museus, os grandes museus pelo menos, que são pessoas com boas qualificações académicas têm poucas ligações à investigação e ficam acantonadas nos problemas de gestão, que reconheço que são grandes. Por outro lado, as universidades afastam-se completamente também dessas instituições e têm esse problema e perdem de vista os problemas práticos.

E falta nitidamente construir as pontes necessárias para que esses interesses mútuos possam ser articulados. Mas não é possível uma pessoa como um director de um museu ou um professor de um centro que publica umas coisas de vez em quando, simplesmente dizer que se vão juntar. Isto não funciona assim. As políticas de aproximação significa primeiro debater os problemas, fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam os mesmos interesses e que as soluções têm vantagens para todos. Não sei muito bem quem é que tem competências para fazer isto, mas, como cidadãos, temos do dever de, todos, o fazer, sendo certo que as grandes instituições tem mais facilidade de promover estes debates, tanto as instituições científicas como museológicas. Mas era necessário encontrar esses fóruns onde as pessoas se encontram e reconheçam como os interesses são comuns, ou mesmo complementares.

AC – Pensando também na sua experiência com os museus que já referiu, e voltando a pensar na crise e nestas reformulações quais é que devem ser as áreas-chave ou as prioridades dos museus nos próximos anos?

FTB – Durante muitos anos estive ligado a um projecto que tinha um museu lá dentro, a Ammaia, ao pé de Marvão. Era um museu que tinha tudo o que era normal num museu, mas o nosso problema tinha a ver com várias competências …, porque isto é um bocado diferente de quando falamos de grandes unidades museológicas…

Mergulhados no trabalho de investigação, no trabalho de terreno, no trabalho de projecto, conhecemos mal os públicos a que nos temos de dirigir. A maior parte dos museus têm projectos museológicos que podiam ser muitíssimo melhorados e precisavam dessa colaboração. Por vezes não é só um problema de dinheiro é mesmo um problema de cooperação e colaboração entre instituições universitárias e museus. Nós, muitas vezes, estamos a estruturar informação que está mal organizada, que podia ser muitíssimo melhorada. E, portanto, há aqui um trabalho que, por um lado, tem a ver com melhorar as condições daquilo que estamos a fazer, não é só da oferta mas daquilo que estamos a fazer nos museus, e as universidades deviam até associar-se a essas unidades museológicas.

Por outro lado, nós temos que pensar que era muito importante conhecermos o trabalho o que se faz em museus por esse mundo fora, porque as alternativas podem ser muitíssimo interessantes e nós conhecemos mal. (…) Era importante conhecer os estudos de caso interessantes para, muitas vezes, replicarmos, porque a roda já está descoberta. Nós desse ponto de vista temos, só para dar um exemplo, quantas pessoas do design, quantas pessoas dos audiovisuais hoje estão ligadas a museus? Que eu saiba poucas. Poucas universidades têm estas ligações estruturadas e organizadas e há um mundo enorme aí de colaboração a fazer.

Ou seja, o que eu quero no fundo dizer é que a crise está a criar hoje um ambiente perigosíssimo que é empurrar os museus para se acantonar tentar sobreviver sozinho. E por isso muitas vezes, estes fóruns onde nós nos devíamos encontramos têm muita importância. A crise tem esta consequência terrível que é faz-nos isolar e por isso é que as pessoas que estão responsáveis devem tentar criar essas pontes para contrariar esse movimento de isolamento que sem querer as instituições têm.

AC – Por outro lado, nós temos práticas de avaliar os projectos, avaliar o que se faz nos museus?

FTB – Nós não fazemos avaliação. Ninguém quer ser avaliado. Dito de outro modo, há instituições, é o caso dos centros de investigação que nos últimos dez anos têm sido avaliados, temos um critério para medir a qualidade do nosso trabalho. Mas a maior parte das instituições e do trabalho a nível individual não é avaliado e é terrível porque nós podíamos estabelecer grelhas de avaliação entre os agentes que podiam servir para muitas coisas, inclusive para saber onde é que temos que mudar e onde é que temos que melhorar. Mas, de uma maneira geral, fugimos imenso à avaliação. E os museus precisam urgentemente também disso.

AC – Considerando o panorama museológico português e a escala do país. É um panorama sustentável? Podem todos os museus sobreviver à crise?

FTB – Quando Berlim foi unificado eles apostaram em fazer qualquer coisa. Hoje em dia uma pessoa vai a Berlim fazer o quê? Vai a Berlim pela cultura, ver os cerca de 200 museus que lá se exibem, os espetáculos fabulosos que lá existem, a arquitectura deslumbrante que lá há…E aquilo tornou-se sustentável e isto tem a ver com o que nós falámos há bocado. E eu, ao contrário, não estou nada contra nascerem mais museus. É preciso algum cuidado, alguns são projectos loucos, eu sei, muitas vezes são semi-projectos mal pensados, mas curiosamente aqui é que está o grande papel das instituições que têm melhores condições e das universidades. O que era preciso era ajudar a pensar estes projectos, o que fazer a esta oferta, como a consolidar e articular.

Eu acho que há uma coisa que os museus têm e que é fundamental manter. Os museus não são só repositórios de memória. Os museus têm um outro lado que é fundamental, são nós de coesão social. E este papel não nos podemos dar ao luxo de perder. Mas o país também não se pode dar ao luxo de não ter isto pensado de uma forma mais consistente e mais global. Há em Portugal um enorme potencial no domínio da cultura que devemos aproveitar e que devia ser consistentemente desenvolvido, porque é um sector da economia do país fundamental. E, portanto, deste ponto de vista não sou nada favorável a fechar museus, pelo contrário. Sobretudo com estas crises em que tendemos a diluir os nossos referenciais, eu acho fundamental manter esses referenciais de coesão.

E também não deixa de ser interessante o seguinte. Em Portugal há iniciativas por todo o lado que têm na base elementos culturais, chamemos-lhe assim para facilitar (e que não é completamente visível nos órgãos de comunicação), e que são movimentos em torno dos quais as comunidades estão disponíveis para se organizar. Isto poderá ter também a ver com a crise, que tende a diluir fenómenos de um individualismo exacerbado que existiam, e, portanto, digamos, o retorno à comunidade começa a ter algum sentido. Seja como for, aquilo que eu vejo é uma disponibilidade enorme das pessoas para este género de trabalho e isto é verdade nos museus e de uma maneira geral na cultura. Eu acharia lamentável estar a cortar este movimento que é extremamente criativo.

AC – Que museu faz falta em Portugal?

Eu não ponho o problema assim. (…) Uma coisa são os museus que nascem porque há políticas a nível de governo ou a nível de serviços, etc. que tem inscrito nos programas fazer um museu da língua ou de qualquer coisa… Eu acho que esses museus têm objectivos e motivações diferentes. Mas nunca são de menos os outros que se vão criando, e que nascem de movimentos maiores ou mais pequenos, de grupos de pessoas que sentem a vontade de os criar. Se depois é boa ideia ou não, se depois há condições para os criarem ou não é, se depois é melhor eles associarem-se a outro que já existe, esse é outro problema. Eu acho é que sempre falta mais um, no sentido em que estes movimentos são expressões de grupos e de dinâmicas sociais, muitas delas podem ter interesse outras terão menos interesse, mas isso não me cabe a mim avaliar.

O que eu acho interessante é sermos capazes de não só promover estas dinâmicas sociais, mas depois perceber também que elas são expressões dessa necessidade do movimento cultural que existe e não o matarmos porque achamos que este museu não interessaria e outro talvez seja melhor. Mais uma vez, volto à questão dos fóruns. Os fóruns são sítios óptimos onde validamos essas coisas, científica mas também socialmente. (…) Não sou capaz de lhe dizer qual o museu que falta, mas falta sempre mais um.

AC – Obrigada.


[1] Filipe Themudo Barata é professor e investigador nas áreas da História, Paisagem Cultural, Património e Museus. É actualmente o coordenador da cátedra da UNESCO de Património Imaterial (“Intangible Heritage and Traditional Know-How: Linking Heritage”) na Universidade de Évora e membro do conselho científico e pedagógico do mestrado internacional TPTI – Techniques, Patrimoines et Territoires de l’Industrie (interuniversitário). Tem estado ligado a instituições com valências museológicas, tais como a Fundação Cidade de Ammaia ou a Fundação Arquivo Paes Teles, entre outras (Foundation Orient-Occident, etc.). Tem coordenado vários projectos internacionais: INTERREG III B MEDOCC – MEDINS (Identity is future: Mediterranean Intangible Space) (2006-2009); INTERREG III B MEDOCC – MERCATOR (Routes des Marchands, Villes des Marchés en Méditerranée) (2006-2009); COST A27 Landmarks (Understanding pre-industrial structures in rural and mining landscapes) (2005/2009); e Erasmus Mundus EMMAWEST Project (desde 2012). Destaca-se, ainda, a sua participação no projecto de inventário do património de influência portuguesa, desenvolvido a partir de 2007 pela Fundação Calouste Gulbenkian (cf. HPIP). Cv completo aqui. Email: ftbarata@uevora.pt.

[2] Tratou-se de uma visita de estudo dos alunos e professores do mestrado de museologia da Universidade de Évora que se inseriu numa viagem organizada pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) à ilha de museus de Berlim. Sobre esta visita pode consultar-se: Teixeira, Madalena Brás (2005). Reflexões a propósito da visita de Estudo da APOM a Berlim. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus. 16. p. 27-29. Disponível: http://www.ilam.org/ILAMDOC/MuseusEmRede/boletim_n16.pdf

[3] Em 1995 o espólio de Mário Sá foi organizado sob a forma de uma fundação – a Fundação Arquivo Paes Teles (Ervedal, Avis). Sobre o percurso Mário Sá consulte-se: Pereira, Elisabete (2010). Mário Saa (1893-1971): Um intelectual português na sociedade do século XX. Dissertação de mestrado, Universidade de Évora (veja-se o resumo aqui: http://nomundodosmuseus.hypotheses.org/3302).

[4] A equipa que constitui a Cátedra foi recentemente constituída oficialmente (Despacho n.º 29/2013, de 22 de Fevereiro) no seio da Universidade de Évora (Departamento de História/CIDEHUS): Filipe Themudo Barata (chairholder), João Rocha (Departamento de Arquitectura), Sofia Capelo (Departamento Paisagem, Ordenamento e Território), Fernando Branco Correia (Departamento de História) e Cyril Isnart (Departamento de História, CIDEHUS). Para mais informações veja notícia publicada pela Universidade de Évora aqui e a notícia divulgada também no site da UNESCO aqui.

[5] Referência ao seguinte estudo: Mateus, Augusto. 2010. O sector cultural e criativo em Portugal: estudo para o Ministério da Cultura (Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais) – relatório final. Lisboa. (disponível na íntegra aqui: http://www.mincultura.gov.pt/SiteCollectionDocuments/Imprensa/SCC.pdf)

 

  1. Esta questão foi colocada após a realização da entrevista e respondida por escrito. []

"Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador…", 19 Março 09

A Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de
Portugal (ARP) está a organizar um curso sobre “Enquadramento fiscal da profissão de conservador-restaurador em sede de IRS, IRC e IVA”, a realizar-se no dia 19 de Março de 2009, em Lisboa.

O curso tem como objectivo principal dotar os conservadores-restauradores de conhecimentos de natureza fiscal. Pelo momento que atravessamos, estes conhecimentos tornam-se essenciais para qualquer profissional, seja qual for a sua experiência e situação fiscal. Os conservadores-restauradores recém-formados estão naturalmente mais expostos e menos apoiados, mas os conservadores-restauradores não devem descartar a oportunidade de adquirir mais conhecimentos para optimizar a sua acção, tanto a nível profissional
como pessoal.

Embora esta acção de formação dirija-se especialmente a conservadores-restauradores e estudantes de Conservação e Restauro, a maioria das informações são de carácter geral e por isso úteis a qualquer profissional em qualquer situação fiscal.

O curso realizar-se-á em pleno prazo de entrega da declaração do IRS (10 de Março a 15 de Abril ou 16 de Abril a 25 de Maio) de modo a poder usufruir de todas as informações recolhidas ainda este ano.

A inscrição deverá ser efectuada por e-mail (cursos@arp.org.pt) e o pagamento preferencialmente por transferência bancária para o NIB da ARP: 0007.0013.00324150018.94.

Fonte: ARP