Arquivo de etiquetas: Graça Filipe

Património industrial em discussão

Estrutura nas Minas de S. Domingos, Alentejo, Portugal. Foto de Ana Carvalho, 2010

Dois eventos marcam o panorama reflexivo em torno do património industrial (material e imaterial) em Portugal. O primeiro, organizado pela Universidade de Évora/CIDEHUS1 (21 – 23 de Março de 2013) tem por título “Património Industrial: dos objectos ao território“. Este colóquio assume uma abordagem holística do património industrial, organizando o debate em torno de 4 painéis temáticos (Objectos, colecções e museus industriais; Território: marcas, equipamentos técnico-industriais e paisagens; Rotas, percursos e itinerários do património industrial; Sociedade Industrial: protagonistas e mudança).

Este colóquio evidencia uma linha de investigação desenvolvida há já alguns anos em Évora, sob a coordenação de Ana Cardoso de Matos, ao abrigo da qual se desenvolve, por exemplo, o projecto de estudo e inventário do património industrial no Sul de Portugal (cf. http://i-heritage-alentejo.blogspot.be/), não esquecendo a correlação com o trabalho desenvolvido no contexto do mestrado internacional TPTI (Técnicas, Patrimónios e Territórios da Indústria) que se realiza na Universidade de Évora em parceria com a Universidade de Paris e Pádua.

O colóquio tem por base o sistema de call for papers. Além disso estão confirmadas as presenças de Julián Sobrino (Universidad de Sevilla), Inmaculada Aguilar Civera (Universidad de Valencia – Cátedra Demetrio Ribes) e Marta C. Lourenço (Museu Nacional de História e da Ciência – CIUHCT, Universidade de Lisboa).

Quaisquer informações sobre este colóquio2 podem ser consultadas aqui.

O segundo evento que queremos destacar é o I Encontro Anual Indústria, História, Património (18, 19 e 20 de Abril de 2013), da organização da Universidade Nova (Instituto de História Contemporânea), uma iniciativa que se desenvolve no seguimento da criação da rede temática – RIHP: Rede Indústria, História, Património, criada em 2012. Esta rede tem a particularidade de reunir as principais unidades de investigação (de várias universidades, nomeadamente a Universidade de Évora e a partir de diferentes áreas: história, arqueologia, história das ciências, etc.), mas também museus e outras instituições que trabalham neste domínio, o que é pouco comum.3

Este encontro anual “pretende ser um fórum de discussão aberto e pluridisciplinar, dedicado à apresentação de estudos no domínio da história da indústria enquanto realidade social global, compreendendo o património material e imaterial (tecnologia, saber-fazer técnico, práticas sociais e culturais, infraestruturas, construções, equipamentos e objectos, sítios e paisagens).” (in site da RIHP)

À semelhança do anterior, este encontro tem por base a call for papers (ver toda a informação aqui). A conferência inaugural será de Hugues de Varine, que trará certamente um olhar pertinente sobre os museus, enquanto espaços de memória e salvaguarda do património industrial.

Note-se que Hugues de Varine teve um papel determinante no desenvolvimento do ecomuseu do Creusot (inicialmente Musée de l’Homme et de l’Industrie, 1972), em França (sobre a história ideológica do Creusot ver por exemplo: Debary, Octave (2002).  La fin du Creusot ou l’art d’accommoder les restes, Paris, Editions du Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, (collection « Le regard de l’ethnologue »), Ministère de la Recherche, 189 p.)

Estes dois eventos, em particular a criação de uma rede temática ilustra bem aquela que deverá ser uma tendência, ou seja, uma maior articulação, por um lado de instituições universitárias que fazem percursos de investigação semelhantes e, por outro lado, com as instituições museológicas (e também arquivos, etc.) que estão no terreno e que representam uma perspectiva também essencial neste quadro de estudo. Além disso, é também digno de nota a incorporação da imaterialidade na concepção de património industrial patente na missão da RIHP, o que revela a necessidade de um olhar mais global e integrado sobre o património, não esquecendo a importância, por um lado, da componente da imaterialidade ligada aos processos e ao saber-fazer, mas também a imaterialidade que se liga às memórias dos espaços. Apesar de hoje essa consciência ser cada vez maior (e algumas experiências comprovam-no, por exemplo, o Museu da Chapelaria, entre outros), a musealização de muitos espaços industriais tem sido operacionalizada sem incluir estes elementos, que podem efectivamente representar um potencial enorme não só do ponto de vista de uma abordagem de investigação mais completa (e do discurso), mas também do ponto de vista da experiência que é oferecida ao visitante, muito mais humanizada.

  1. Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades []
  2. O colóquio tem associado a atribuição do prémio  Património Industrial que visa distinguir jovens investigadores nesta área. Veja mais aqui []
  3. No site da RIHP pode encontrar informação sobre o projecto, os parceiros, os investigadores, etc.: http://historia-patrimonio-industria.blogspot.pt/ []

Debate: “Os desafios da política de museus em tempo de crise”

No próximo dia 9 de Novembro de 2011, terá lugar um debate sobre os desafios da política de museus em tempo de crise, no Museu da Electricidade, em Lisboa (pelas 18h00). Este encontro é organizado pelo ICOM-Portugal.

Para o debate foram convidados algumas personalidades do panorama museológico: Luís Raposo, no papel de Presidente do ICOM Portugal e João Neto, que é para quem não conhece o Presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, há já alguns anos. Foram ainda convidadas outros intervenientes: Graça Filipe, Joana Sousa Monteiro, José Alberto Ribeiro, Manuel Bairrão Oleiro e Raquel Henriques da Silva.

Como ponto de partida para a discussão pode ler-se o documento que o ICOM-PT divulgou recentemente (ver post sobre o documento aqui)

A entrada é livre!

Mais informações: http://www.icom-portugal.org/

Conf ICOM-PT: "Museus de Ciência e Tecnologia em Portugal: o estado da arte", 10 Nov. 2010

ENCONTRO DE OUTONO | ICOM PORTUGAL
MUSEUS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM PORTUGAL: O ESTADO DA ARTE

10 DE NOVEMBRO

Para o Encontro de Outono de 2010, o ICOM-Portugal organiza um debate sobre os museus de ciência e tecnologia em Portugal.

O Encontro contará com a presença de Ana Delicado, Ana Eiró, António dos Santos Queirós, Carlos Fiolhais, Cristina Weber, Eduardo Moura, Elisa Calado Pinheiro, Graça Filipe, Isabel Victor, Jorge Custódio, Luís Bernardo, Luís Raposo, Mário Pinho da Cruz, Marta Lourenço, Paulo Gama Mota e Rosália Vargas.

Cartaz e programa completo em:
www.icom-portugal.org.

Local: Anfiteatro Manuel Valadares
Museu de Ciência da Universidade de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56
Metro: Rato

Entrada livre.

Alissandra Cummins no encerramento do colóquio "Os Museus e a República"

Sessão de abertura do colóquio, 19 Maio 2010

Maria Bolaños, 19 Maio 2010

Alissandra Cummins, 20 Maio 2010

Nos dias 19 e 20 de Maio realizou-se no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) o colóquio “Os Museus e a República”, organizado pelo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC).

O encontro pontuou pela qualidade dos conferencistas convidados, reunindo de forma bastante concertada investigadores, alguns, porventura, mais conhecidos da comunidade museológica portuguesa a par com outros investigadores com projectos de doutoramento em curso ou recentemente terminados. O colóquio organizou-se em torno de quatro painéis de comunicações, que no cômputo geral permitiram diversas aproximações à história dos museus na República (museus de arte e arqueologia, ciências, literatura). O programa do colóquio contemplava inicialmente um enquadramento mais internacional, com contribuições de Espanha, França e Grã-Bretanha, mas esse objectivo acabou por não ser alcançado, já que Dominique Poulot e Helen Rees Leahy não estiveram presentes. Todavia, sublinhe-se a participação de Maria Bolaños, sobejamente conhecida entre nós através de publicações como a “Historia de los museos en España” (Trea, 1997), “La memoria del mundo: Cien años de museologia 1900-2000” (Trea, 2002), entre outros.

Alissandra Cummins, Presidente do Conselho Internacional de Museus (ICOM), esteve presente no colóquio para o encerramento dos trabalhos, aproveitando para sublinhar a importância do tema escolhido este ano para celebrar o Dia Internacional dos Museus, a harmonia social. A Presidente do ICOM esteve em Portugal esta semana a convite da Federação de Amigos dos Museus de Portugal.

A publicação dos textos apresentados e as conclusões deste colóquio serão certamente um contributo importante para a museologia, iniciativa que o IMC pretende levar a cabo a breve trecho, tal como foi referido no final deste encontro pelo seu director, João Carlos Brigola.

Colóquio internacional "Os Museus e a República", 19 e 20 Maio 2010

Nos dia 19 e 20 de Maio irá realizar-se o colóquio internacional “Os Museus e a República”. Entre os investigadores portugueses convidados para debater este tema estão José-Augusto França, Raquel Henriques da Silva, Jorge Custódio, Henrique Coutinho Gouveia, Luís Pequito Antunes, Joana Baião, Luís Raposo, Sandra Leandro, Duarte Freitas, Carlos Fiolhais, José Brandão, Joaquim Caetano e José Manuel de Oliveira. Para um olhar mais internacional sobre estas questões foram convidados Dominique Poulot, Helen Rees Leahy e Maria Bolaños, figuras sobejamente conhecidas da museologia.

Organização: Instituto dos Museus e da Conservação (IMC)
Apoio: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora (CEHFCi)

O evento terá lugar no auditório do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

Público-alvo: Técnicos de Museus, Palácios e Monumentos; Investigadores, docentes e alunos universitários

Pode encontrar a ficha de inscrição e programa no site do IMC:
http://www.ipmuseus.pt/pt-PT/Default.aspx

A proclamação da República em 5 de Outubro de 1910 constituiu um momento fundamental da História de Portugal, marcando profundamente a sociedade, as instituições e a cultura do país. É neste contexto, que o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) em parceria com o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência da Universidade de Évora, irá realizar um colóquio internacional subordinado ao tema “Os Museus e a República”.
A coordenação científica está a cargo do Professor Doutor João Carlos Brigola, docente do Departamento de História da Universidade de Évora e Director do IMC.

O Programa do Colóquio contempla os seguintes temas: Museus ou colecções formados entre 1910 e 1932 (data da instituição do Estado Novo e da aprovação de nova legislação sobre Património e Museus); Museus ou colecções formados em período anterior e posterior; Personalidades marcantes (directores, museólogos, técnicos, coleccionadores); Labor legislativo e Política Cultural da 1ª República; Colecções e Museus em Espanha, França e Grã-Bretanha.

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO

Com a implantação da República Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, foi reforçada a vontade política e legal de dar corpo e coerência a uma rede de museus nacionais e regionais, de acordo com uma visão pedagógica, patrimonial e artística que se queria essencialmente divulgadora e descentralizadora. Entre 1912 e 1924 criaram-se vários museus regionais (de arte, arqueologia, história e numismática), ainda que quase todos derivados de iniciativas já conhecidas em período anterior. Criaram-se dois museus nacionais (o de Arte Antiga e o de Arte Contemporânea), assim como museus de tipologia inovadora, como é exemplo a Casa-Museu do escritor Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, bem como a construção da Casa dos Patudos de Alpiarça, concebida pelo arquitecto Raúl Lino para albergar a colecção de arte de José Relvas e aberta ao público depois da sua morte. O Museu dos Coches, criado em 1905 por iniciativa da rainha D. Amélia, foi elevado em 1911 à categoria de museu nacional.

A primeira república estabeleceu assim uma coerente e promissora rede de museus nacionais e regionais. Da importante documentação legal produzida neste período deve ser destacado o Decreto n.º 1 do Governo Provisório, datado de 26 de Maio de 1911, visando a reorganização do ensino de Belas Artes, dos serviços de Museus e da protecção do Património artístico e arqueológico. A sua redacção foi da responsabilidade de uma comissão, cujo relator era o Dr. José de Figueiredo. Este museólogo, com intensas ligações aos meios museológicos europeus, pôde contar com a colaboração do pedagogo e museólogo coimbrão, António Augusto Gonçalves, cujos pareceres influenciaram, por exemplo, a instituição do Museu Machado de Castro.

Considerando, pois, a pertinência de se proceder à avaliação do labor cultural, patrimonial e museológico deste período histórico, pretende-se transmitir a este Colóquio um carácter científico e internacional, apostando no convite exclusivo a investigadores de créditos já firmados, incluindo algumas personalidades europeias com obra reconhecida nesta área disciplinar, de modo a que se possa estabelecer um panorama coevo da museologia europeia da primeira republica portuguesa.

(Fonte: site do IMC)

Mesa redonda no Museu do Douro com Hugues de Varine, 28 Mar. 2010

No seguimento das notícias que temos vindo a publicar sobre a vinda de Hugues de Varine a Portugal, divulgamos mais um evento do qual recebemos informação agora. A visita ao Douro por Hugues de Varine será marcada por um momento público no Museu do Douro na forma de uma mesa redonda. Sobre este evento, Natalia Fauvrelle fez-nos chegar a seguinte informação:

No âmbito de uma visita de trabalho de Hugues de Varine, Consultor de Desenvolvimento Local e Comunitário, e de Graça Filipe, Subdirectora do Instituto dos Museus e da Conservação, ao Museu do Douro nos próximos dias 27 e 28 de Março, será realizada uma mesa-redonda no dia 28, pelas 10h30, cujo tema é “Museu do Douro – museu para o território e para o desenvolvimento”. Além dos já referidos Hugues de Varine e Graça Filipe, o painel de discussão é composto por Henrique Coutinho Gouveia, Prof. da Universidade Nova, Maria do Céu Esteves, Presidente da Associação dos Amigos do Museu do Douro, Fernando Maia Pinto, Director do Museu do Douro e Elisa Pérez Babo, Presidente da Fundação Museu do Douro.

As conclusões deste momento de reflexão serão, certamente, da maior importância para traçar a estratégia de desenvolvimento do nosso Museu, pelo que contamos com a participação de toda a comunidade duriense, bem como da comunidade científica.

Natália Fauvrelle
Coordenadora dos Serviços de Museologia do Museu do Douro

Mais informações: natalia.fauvrelle@museudodouro.pt

Informação ICOM.PT (Nº 8, Mar-Maio 2010)

Já está disponível o oitavo número do boletim da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (Nº 8, Mar-Maio 2010)

A responsável pela edição desta publicação trimestral é Maria Vlachou. (mariavlachou.pt@gmail.com). Neste número colaboraram: Ana Margarida Ferreira, António Filipe Pimentel, Graça Filipe, Maria Vlachou, Marta Lourenço, Tiago Boavida

Conteúdos:

Editorial, Maria Vlachou
Artigo, Os Museus, o Património e as Dinâmicas Urbanas: O caso de Coimbra, Tiago Boavida
Opiniões, Colecções vs Público? Conservação vs Comunicação? António Filipe Pimentel
Novos, Recentes e Renovados, Museu de Aveiro, Ana Margarida Ferreira
Entrevista com…Rita Fazenda
Notícias ICOM
Novas Publicações
Calendário de Iniciativas

O boletim esta inteiramente disponível no site do ICOM PT:
http://www.icom-portugal.org/

Informação ICOM.PT (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10)

Foi recentemente publicado o sétimo número do boletim da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM (II Série, Nº 7, Dez 09-Fev 10).

A responsável pela edição desta publicação trimestral é Maria Vlachou. (mariavlachou.pt@gmail.com). Neste número colaboraram: Ana Alcoforado, Graça Filipe, José Gameiro, Maria João Lança e Paula Menino Homem.

CONTEÚDOS:

01 Editorial, Maria Vlachou
02 Artigo, A Representação da Comunidade no Museu da Luz, Maria João Lança
09 Opiniões, A RPM deve ser dirigida pelo Estado (IMC) ou pelos próprios museus?, Graça Filipe e João Gameiro
11 Novos, recentes e Renovados, Museu nacional de Machado de Castro, Ana Alcoforado
15 Entrevista com…, Giacomo Scalisi
17 Notícias ICOM
18 Novas Publicações
19 Calendário de Iniciativas

O boletim esta inteiramente disponível no site do ICOM PT:
http://www.icom-portugal.org/

Museologia.pt, n. 2/2008

museologiapt-2

O segundo número da revista Museologia.pt foi recentemente publicado. Sobre este número transcrevemos a informação veiculada no website do Instituto dos Museus e da Conservação.

O 2º número da revista Museologia.pt – que se pretende seja um fórum de debate de questões e de problemas dos museus e da Museologia, lugar de divulgação de práticas inovadoras e reflexo de tendências culturais contemporâneas – vive de um conjunto de contributos, em que, a par da autoria de directores e de profissionais de museus, de responsáveis de organismos da área da Museologia e de gestores, de pessoas ligadas ao terreno, ganha mais espaço a investigação sobre os museus, fascinantes lugares de cruzamento interdisciplinar.

Dedicado à Gestão de Museus, o Dossiê central da revista abre com um artigo de enquadramento sobre os museus na contemporaneidade, de João Brigola, e incorpora artigos de Manuel Bairrão Oleiro, Filipe Serra, Silvana Bessone, Pedro Lapa, Graça Filipe, Odete Patrício e José Arnaud, cujas diferentes perspectivas, inovadoras propostas e, nalguns casos, polémicas posições, estimularão certamente o debate sobre esta problemática.

Entre os muitos contributos carreados para a revista, destacamos o do uso das imagens em movimento nos museus, a partir das experiências e práticas de Catarina Mourão e de Catarina Alves Costa, cineastas com provas dadas na realização de documentários em colaboração com um significativo conjunto de museus. Paulo Ferreira da Costa aborda a documentação do património imaterial nos museus. Inscrito desde 2007 nas competências do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), o património imaterial encontra na nova orgânica do Ministério da Cultura um lugar adequado, que se espera poder contribuir para um melhor conhecimento dos acervos dos museus portugueses, os quais frequentemente já dedicavam a este domínio uma especial atenção.

Da área da conservação e restauro, artigos de Mercês Lorena, uma proposta de abordagem das pinturas flamengas do retábulo da Sé de Évora; de Alexandrina Barreiro e de Alexandre Pais, “O Divino Salvador”, remete-nos para as singulares etapas da vida deste objecto artístico, que se vem a converter em bem arqueológico e em potencial objecto museológico. No contexto da investigação universitária, João Pedro Fróis apresenta um actualizado e abrangente ponto de situação conceptual sobre a educação nos museus de arte; Helena Santos aborda o tema dos públicos culturais e dos públicos dos museus e António Ponte lança novos olhares sobre as Casas-Museu, na sequência da sua dissertação de mestrado em Museologia.

Na rubrica Exposições optou-se por eleger como tema único os museus e centros de arte contemporânea recentemente abertos ao público no nosso País, preenchido com um artigo de Raquel Henriques da Silva, que analisa as colecções, os edifícios, as actividades e os modelos de gestão de sete novos museus que vieram enriquecer o mapa museológico nacional.

História e Memórias prossegue o objectivo de contribuir para a construção da História da Museologia Portuguesa, através da realização de uma entrevista a Fernando Bragança Gil, antigo Director do Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, numa viva conversa guiada por João Brigola e Luís Raposo. Dóris Santos reflecte sobre o Museu José Malhoa, acrescentando importantes contributos ao conhecimento do percurso museológico português do século XX.

Em cerimónia decorrida no passado dia 12 de Dezembro, a Associação Portuguesa de Museologia (APOM) distinguiu a Revista Museologia.pt (1.º número) com o Prémio APOM 2007 na Categoria Melhor Trabalho de Museologia, ex-aequo com Marta Rocha Moreira com a tese “Da Casa ao Museu”.

Debate: Profissões Museais… a situação portuguesa, 8 Out. 2008

Divulgamos aqui o debate que se realizará no dia 8 de Outubro de 2008 sobre o tema das profissões de museu no contexto actual português.

As profissões dos museus são cada vez mais complexas, quer do ponto de vista de descrições funcionais, quer ainda do ponto de vista da legislação e da formação. Este é um assunto que está na ordem do dia, não só em Portugal como por toda a Europa, Brasil, e muitos outros países.

Aproveitando a reunião anual do ICTOP em Lisboa (Comité Internacional do ICOM para a Formação), o ICOM-PT vai promover, no dia 8 de Outubro, um encontro para debater estas questões de grande actualidade.

São convidados Angelika Ruge (Presidente do ICTOP), Graça Filipe (ICOM-PT) e Filipe Mascarenhas Serra (ICOM-PT), num debate iniciado e orientado por Luís Raposo (Presidente do ICOM-PT).

Local: Auditório da Biblioteca Victor de Sá, Universidade Lusófona
Data: 8 de Outubro de 2008, 15 h

Organização conjunta: ICOM-PT e ICTOP

No âmbito do Encontro Profissões Museais: O Referencial Europeu e a Situação Portuguesa (8 de Outubro de 2008), o ICOM-PT vai promover a divulgação de um importante documento de referência sobre o tema, produzido recentemente pelo ICTOP – Comité Internacional do ICOM para a Formação: Referencial Europeu das Profissões Museais.

(in site ICOM Portugal)

——————
Mais informações:
http://www.icom-portugal.org/

CONF sobre Património Imaterial: "Saberes e Técnicas: entre o registo e a transmissão", 27 Junho 2008

Procissão dos Pendões
©Ana Carvalho, 2007

A 4.ª conferência de um ciclo de colóquios dedicado ao Património Cultural Imaterial irá ter lugar no póximo dia 27 de Junho de 2008 no Ecomuseu Municipal do Seixal, desta vez subordinado ao tema: “Saberes e Técnicas: entre o registo e a transmissão”

Para além da salvaguarda de testemunhos físicos da actividade humana, o Museu tem por missão essencial a documentação dos processos que estão na origem desses objectos, constituindo tal conhecimento condição frequente para a adequada conservação dos mesmos.

Em determinados casos, o Museu assume-se mesmo como único garante da transmissão de saberes e modos de fazer relativos à utilização de equipamentos marcados pela obsolescência tecnológica e cuja relevância os deslocou em definitivo do domínio produtivo para o da história das técnicas.

Tais são os desafios com que se defronta um crescente número de museus, não apenas os dedicados ao universo da cultura tradicional popular em sentido estrito, o que mais directamente se constitui como objecto da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, mas muitos outros, na esfera da ciência das técnicas, da arqueologia industrial e da história local.

Constituindo a documentação e o registo de conhecimentos e técnicas uma das componentes primaciais da salvaguarda do Património Cultural Imaterial, no Colóquio serão colocados em confronto temas, projectos e metodologias de âmbito diverso, com vista à interrogação dos desafios, das possibilidades, mas também dos limites que se colocam a esse mesmo processo de salvaguarda.

Local: AUDITÓRIO MUNICIPAL DO FÓRUM CULTURAL DO SEIXAL

Programa:

09h30 | Recepção aos Participantes
10h00 | Abertura
10h20 | E se elas nunca tivessem existido? Reflexões sobre a Importância das Colecções de Ensino e Investigação nas Universidades, Marta Lourenço (Museu de Ciência-UL)
10h40 | ð < ACT: do Programa Interministerial de Tratamento e Divulgação do Património ao Arquivo Científico Tropical, Maria da Conceição Lopes Casanova (IICT)
11h10 | Técnicas Populares e sua Aprendizagem: o Caso da Etnomatemática, Darlinda Moreira (Universidade Aberta)
11h20 | Intervalo
11h40 | O Museu Anima-se: Vozes e Rostos dos Operários da Fábrica da Pólvora de Barcarena, Rogério Abreu e Laura Domingues (Antropólogos)
12h20 | Debate
12h40 | Intervalo para Almoço

EXTENSÃO DO ECOMUSEU MUNICIPAL DO SEIXAL
NA ANTIGA FÁBRICA DE PÓLVORA DE VALE DE MILHAÇOS

15h00 | Herança de um Meio Técnico e Valorização de um Capital de Saber-Fazer: da Pólvora à Vitalidade do Património Industrial em Vale de Milhaços, Graça Filipe (Directora do EMS), Fátima Sabino (EMS) e Fátima Veríssimo (EMS)

Visita conduzida por Graça Filipe (Directora do EMS) e Francisco Moura (Maquinista)

17h00 | Encerramento

Inscrição Gratuita (No entanto, é necessário proceder à inscrição)

Organização | Inscrições:
Instituto dos Museus e da Conservação
Departamento de Património Imaterial
Tel: 21-365 08 26/ Email: dpi@imc-ip.pt / www.ipmuseus.pt

Programa Ciclo
Programa Coloquio
Ficha Inscrição

————————–

As próximas conferências:

Terrenos Portugueses: O que Fazem os Antropólogos?
Faculdade de Ciências e Sociais e Humanas – 13 OUTUBRO 2008

Museus Globais: Colecções Etnográficas e Multiculturalidade
Museu Nacional de Etnologia – 28 NOVEMBRO 2008

Nova Direcção no ICOM Portugal

No passado dia 14 de Março, além da 6.ª edição de mais umas Jornadas promovidas pelo ICOM, teve lugar da parte da tarde a Assembleia-Geral da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, com o objectivo de realizar a eleição dos corpos gerentes para 2008-2011, e que passamos a divulgar:

Direcção:
Presidente: Luís Raposo (Museu Nacional de Arqueologia)
Secretária: Marta Lourenço (Museu de Ciência, Universidade de Lisboa)
Tesoureira: Isabel Tissot (Conservadora-restauradora)
Vogais: Graça Filipe (Ecomuseu Municipal do Seixal), Paula Menino Homem (Departamento de Ciências e Técnicas do Património, Faculdade de Letras, Universidade do Porto)

Mesa da Assembleia Geral
Presidente: João Castel-Branco Pereira (Museu Calouste Gulbenkian)
Vice-Presidente: Silvana Bessone (Museu Nacional dos Coches)
1ª secretária: Maria Vlachou (Museóloga)
2ª secretária: José Manuel Oliveira (Casa de Camilo – Museu. Centro de Estudos)

Conselho Fiscal
Presidente: Filipe Mascarenhas Serra (IGESPAR e Universidade Católica)
Vogais: Clara Vaz Pinto (Museu Nacional do Traje) e Francisco Pedroso de Lima (Museu de Angra do Heroísmo)

Objectivos da nova Direcção ICOM-Portugal:

Das linhas programáticas constantes da candidatura dos Corpos Gerentes agora eleitos merece ser destacada a vontade da maior afirmação pública do ICOM Portugal, entendida como um meio necessário à maior dignificação dos museus e dos profissionais de museus. Convém recordar que o ICOM Portugal constitui uma entidade privilegiada e independente para os assuntos relacionados com os museus em Portugal, sendo a única com reconhecimento internacional, pelo que as suas posições devem em todas as circunstâncias ser tida na devida conta. Neste sentido a Direcção ora eleita comprometeu-se a desenvolver esforços para que se reúna no mais curto prazo a Secção de Museus e Conservação do Conselho Nacional da Cultura, que se considera indispensável à correcta formulação das políticas governamentais de museus.

Refiram-se igualmente os propósitos expressos quanto à organização de actividades científicas e profissionais, domínio em que para além da Jornadas anuais se procurará dar início a um novo tipo de acções, a ter lugar no Outono, os Encontros do ICOM. O Primeiro destes Encontros terá como tema o “Ensino Universitário e Museus: Encontro nacional de Docentes Universitários e Profissionais de Museus”.

Anote-se finalmente a intenção da nova Direcção do ICOM Portugal em promover a cooperação interinstitucional com todas as associações profissionais e cívicas com intervenção da área dos museus e do património cultural, com especial relevo para a APOM (Associação Portuguesa de Museologia), com a qual se esperam reforçar os laços de cooperação e de conjugação de sinergias em prol do maior reconhecimento social dos museus portugueses.

———————————-
Fonte: Lista de discussão MUSEUM
Mais informações:
http://www.icom-portugal.org/

“Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras” – balanço…

conf-icom.jpg

VI Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM:
“novos museus, novas competências, novas carreiras”
Fundação Calouste Gulbenkian
©Ana Carvalho, 14 Mar. 2008

Decorreu na manhã da passada sexta-feira, 14 de Março 2008, a 6.ª edição das Jornadas da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM subordinada ao tema: “Novos Museus, Novas Competências, Novas Carreiras”, um assunto que não podia estar mais na ordem do dia.

O painel de oradores desta sessão temática foram destacadas figuras do panorama museológico português (ou com ele relacionado): Luís Calado (Fundação Ricardo Espírito Santo), Filipe Mascarenhas Serra (IGESPAR) e João Brigola (Universidade de Évora). A moderação coube a Paulo Henriques (Museu Nacional de Arte Antiga).

Procuraremos, tanto quanto possível, demarcar os aspectos que considerámos mais importantes sobre a discussão deste tema.

A sessão foi aberta pelo ainda director do ICOM, João Castelo Branco, que apresentou os oradores ali presentes. Seguiu-se Paulo Henriques, que sublinhou a importância de se discutir as novas competências dos profissionais de museus, no sentido em que há uma antiga visão sobre as carreiras nos museus que está obsoleta e que necessita urgentemente de ser objecto de reflexão, ressalvando a pertinência de adaptação às necessidades actuais dos museus.

Luís Calado apresentou um discurso centrado nas responsabilidades associadas à gestão dos museus nas suas diversas componentes (gestão de colecções, gestão de recursos humanos, gestão financeira, gestão dos espaços/instalações, gestão ao nível da administração central e políticas culturais, etc.). Para o efeito, apresentou diversos exemplos de museus e situações concretas ligadas a esta temática, salientando a dificuldade de implementar modelos de gestão na área dos museus. Na nossa opinião, esta foi uma apresentação que pautou sobretudo por uma chamada de atenção do que, na perspectiva de Luís Calado, foram ou são alguns dos problemas associados à responsabilidade de gerir museus e profissionais de museu, num balanço bastante inquitetante do que é a realidade portuguesa.

Filipe Mascarenhas Serra, após a interpelação de Luís Calado sobre a polémica do Côa e do futuro Museu do Côa, aproveita para esclarecer alguns aspectos relacionados com o futuro museu, tendo em conta que foi nomeado para integrar um grupo de trabalho com vista a acompanhar o processo de criação do museu. Num discurso muito positivo, salienta que todos os esforços estão a ser feitos para fazer deste projecto um projecto de sucesso. O Museu de Côa (não é definitiva a designação) será sobretudo um museu de território que terá uma componente muito forte de multimédia. Na preparação dos conteúdos estão envolvidas três universidades, a Universidade do Minho (componente multimédia), a Faculdade de Letras (no contexto do ordenamento do território, Geografia) e a Universidade Nova (componente da comunicação). A intenção é que o museu possa ser inaugurado daqui a um ano.
O grande enfoque da sua comunicação foi sobretudo ao nível das carreiras de museologia e C&R e da sua relação com o recém publicado diploma legal sobre as carreiras e os vínculos de trabalho (27 Fev. 2008) e das consequências que terá para o mundo dos museus. O panorama poderá não ser muito positivo e requer uma reflexão urgente deste tema por parte das várias associações ligadas aos museus para que se possam tomar medidas reinvidicativas adequadas para alterar algumas situações que em nada beneficiam os profissionais de museu. Além disso, Filipe Mascarenhas Serra sublinhou a importância da qualificação dos profissionais de museus, o necessário e imprecindível investimento das tutelas na formação e em capital humano. Por outro lado, salvaguardou que a qualificação pressupõe necessariamente a planificação, critério que deverá estar sempre presente. E aproveitou para chamar a atenção para o QREN, o último quadro de apoio da União Europeia, que privilegia a qualificação de RH como como uma das suas prioridades. Assim sendo, esta é uma oportunidade que os museus não podem perder.

João Brigola referiu que este é o momento oportuno para reflectir sobre duas décadas da formação em museologia em Portugal. Destaca um percurso que tem um balanço muito positivo e que de uma maneira geral foram dados passos importantes no contexto da qualificação dos profissionais de museu, a ver pelas últimas estatísticas realizadas. Este pode ser, no entanto, o fim de um ciclo e novas pistas poderão ser dadas para um novo ciclo da formação em museologia. Refere a remodelação dos cursos existentes de museologia em função das consequências decorrentes do processo de Bolonha e a necessidade de reflexão sobre a formação em museologia. Insistiu na possibilidade de se investir num 3.º ciclo em museologia – doutoramento, e da necessidade de se criarem parcerias em rede para levar a cabo esta intenção. Adiantou que a Universidade de Évora está empenhada em associar-se em rede com vista à internacionalização, factor determinante e fulcral para a formação avançada em museologia em Portugal, acrescentando o papel fundamental que o ICOM poderá ter neste contexto.

Em síntese, Paulo Henriques, refere entre várias coisas, a importância da articulação entre as universidades e a experiência prática nos museus, em termos de formação. Particular destaque para a chamada de atenção que fez para a necessidade das novas gerações de profissionais em serem mais combativos e se debaterem com um mercado de trabalho mais agressivo, gerações que considera que são mais propositivas, ou espera que o sejam. E da necessidade de haver mais abertura dos museus para a entrada desta nova geração no mercado de trabalho. Por outro lado, e relativamente ao quadro de apoio 2007-2013 constata que de facto deveria existir um gabinete de apoio que orientasse e colaborasse com os museus para eventuais candidaturas a projectos neste âmbito, dada a logística que comporta para os museus este tipo de candidaturas.

Houve tempo ainda para alguns esclarecimentos por parte de diversos elementos da assistência sobre alguns dos tópicos referidos nas apresentações, nomeadamente sobre o Museu Arqueológico do Carmo e Museu Nacional dos Coches, nas pessoas de José Arnaud e Silvana Bessone respectivamente. Destacamos os comentários de Luís Raposo (Museu Nacional de Arqueologia) e Graça Filipe (Ecomuseu municipal do Seixal) que sublinharam que o “museu é um organismo vivo” e não é apenas um conjunto de colecções, “é também um projecto social”. Por outro lado, Graça Filipe referiu a importância de se reflectir sobre o que é ser profissional de museu.

Estes foram alguns dos tópicos abordados e que em nosso entender não esgotaram de maneira nenhuma o tema. Seria oportuno e a breve trecho uma reflexão mais alargada deste tema, tendo em conta que este ano será decisivo para o futuro das carreiras em museologia. Referir ainda que se verificou, na nossa opinião, uma clara ausência na assistência de representatividade das novas gerações de profissionais de museu.