Arquivo de etiquetas: história da Museologia

Publicado artigo que destaca a museologia como campo de estudos em Portugal

A imagem é o hall de entrada de um museu suportado por pesadas colunas decoradas

O artigo “Building the field of museum studies in Portugal: the role of publications” / A construção da museologia como campo de estudos em Portugal: o papel das publicações (*Ana Carvalho) foi publicado na revista MIDAS, Museus e Estudos interdisciplinares (n.º 12, 2020). Está disponível na íntegra em: https://doi.org/10.4000/midas.2611

Resumo:

Assistimos nas últimas décadas à expansão do campo de estudos de museus. Esse desenvolvimento é sustentado com o contributo de diferentes actores e de variadas formas. As publicações são parte fundamental dessa construção na medida em que asseguram a visibilidade e o acesso ao campo de estudos, assim como contribuem para articular diferentes entendimentos, propostas e perspetivas, seja na teorização como na ação, fortalecendo, assim, o seu desenvolvimento. Este artigo analisa o papel das publicações na construção da museologia como campo de estudos em Portugal, com particular evidência a partir da década de 1990. De carácter exploratório, o artigo tem como objectivo analisar a evolução das publicações, em que contextos, iniciativas e actores. Sem a pretensão de um retrato exaustivo, assinalamos algumas dinâmicas, relações e tendências que marcam as últimas décadas. A metodologia adotada incluiu a análise e revisão bibliográfica, e o conhecimento empírico com relação ao tema. A análise apresentada pode ser significativa para compreender algumas das principais questões relacionadas com a construção da museologia como campo de estudo ao longo das últimas três décadas.

Abstract:

In recent decades we have seen the field of museum studies expand. This development has been supported by the contribution of several actors, in various ways. Publications are essential in this process, since they ensure visibility and access to the field of study, while helping to articulate different understandings, proposals and perspectives – both in theory and in practice – thus strengthening its development. This article considers the role of publications in building museology as a field of study in Portugal, especially from the 1990’s onwards. This empirical and exploratory study aims to analyse the evolution of publications in terms of contexts, initiatives and actors. While not intending to be exhaustive, we signal some dynamics, relations and trends from recent decades. The methodology adopted includes literature review and is based also on my empirical knowledge on the subject matter. The analysis presented can be significant in contemplating some of the key issues related to the trajectory of museum studies as a field of study over the last three decades.

*Ana Carvalho é museóloga, fez o seu percurso de mestrado e doutoramento na área da Museologia, e é actualmente investigadora de pós-doutoramento no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora.

Publicado novo numero da revista MIDAS

A imagem mostra um chão escuro e no topo da imagem um par de sapatos, pretos, cortados nas extremidades.

Detalhes das obras “de joelhos” (2011-2018) e “quinto dedo” (2018) de Armanda Duarte © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

O mais recente número da revista MIDAS (“Varia”) – n.º 12 –  acaba de ser publicado. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://doi.org/10.4000/midas.2312

****

MIDAS 12 – “Varia”

Sob a coordenação de Alice Semedo, Ana Carvalho, Pedro Casaleiro, Paulo Simões Rodrigues e Raquel Henriques da Silva

Editorial

Artigos

Filipa Coimbra
A Coleção Moderna do Museu Calouste Gulbenkian durante o PREC

Ana Mehnert Pascoal
Encenação do Estado Novo na exposição Quinze Anos de Obras Públicas (Lisboa, 1948)

Maria Elvira Callapez, Raquel Ferreira Coimbra, Sara Marques da Cruz, Vânia Carvalho e Susana França de Sá
A exposição Plasticidade – Uma História dos Plásticos em Portugal: um processo participativo no Museu de Leiria

Notações

António Meireles e Joana Baião
Laboratório de Artes na Montanha – Graça Morais: um projeto em construção

Elementos para a história da museologia

Ana Carvalho
Building the field of museum studies in Portugal: The role of publications

Recensões críticas

Vanessa Henriques Antunes
Carmina Montezuma – Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte

Daniel Barroca
Albano Mendes, Ramon Sarró e Ana Temudo – O Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau: Imagens para uma História

Maria Alice Samara
Alexandre Oliveira – Herança de António Ferro. O Museu de Arte Popular

Margarida Melo Sampaio
Tula Giannini e Jonathan P. Bowen (ed.) – Museums and Digital Culture: New Perspectives and Research

Novo número da revista MIDAS: Perspetivas sobre o museu eclético

Imagem da capa: “Maqueta de Museu” (2009) de Francisco Tropa © Conceção da capa de Elisa Noronha Nascimento

Acaba de ser publicado o mais recente número da revista MIDAS, o dossier temático “Perspetivas sobre o Museu Eclético”, coordenado por Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro. Encontra-se disponível em acesso aberto aqui: https://journals.openedition.org/midas/1586

Como destacam as coordenadoras no editorial:

[…] Compreendendo este dossier investigações sobre o museu ecléctico do século XVIII ao XX, em Portugal, com algumas pontes para projectos transnacionais, constatamos com entusiasmo que os artigos aqui reunidos demonstram a vitalidade não apenas do modelo do museu ecléctico, como ainda da investigação em seu torno, considerando os coleccionadores e a sua diversidade e relevância para a definição de espólios; o museu enquanto espaço arquitectónico, inserido num contexto urbano, social, histórico, cultural e político específico; o museu enquanto conceito aberto (ao mundo e à sua experiência e registo); e, ainda, o incontornável papel dos museólogos, determinando a face da instituição pela sua cultura e perspectiva científica decorrente.

****

MIDAS 11 – Perspetivas sobre o museu eclético – Coordenação de Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro

Emília Ferreira e Joana d’Oliva Monteiro
Caixas de tesouros. Um dossier sobre o museu ecléctico

Artigos

Paula Mesquita Leite Santos
Jean Pillement (Lyon, 1728-1808) e os colecionadores do Porto. Pintura nos Museus Nacionais de Soares dos Reis e de Arte Antiga

Marize Malta
Gostos ecléticos em coleções, repercussões em museus nacionais e o caso da coleção Ferreira das Neves

Maria de Fátima Lambert
Viagens ecléticas, residências e obras: Maria Graham artista-autora-viajante

Ramiro A. Gonçalves
Para além da Pintura. Alguns apontamentos sobre as outras coleções do conde Daupias

Ana Cristina Martins
Páginas da vida de um jovem arqueólogo: Francisco Tavares Proença Júnior (1883-1916)

Duarte Manuel Freitas
Para uma árvore genealógica museológica: o caso singular do Museu Machado de Castro

Raquel Henriques da Silva
A Casa-Museu Fernando de Castro: das colecções e das fantasmagorias

Recensões críticas

Paulo Simões Rodrigues
Hugo Xavier – O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa

João Luís Cardoso
Elisabete J. Santos Pereira – Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930)

Vera Mariz
Maria João Vilhena de Carvalho – A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena

Susana S. Martins
The Art of Collecting [exposição]

Museu de Arte Popular é tema de novo título da coleção Estudos de Museus

 

Capa do livro onde se mostra uma imagem a preto e branco do Museu de Arte Popular

Herança de António Ferro: O Museu de Arte Popular é o 15.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em Antropologia) de Alexandre Oliveira apresentada ao ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa em 2018 (orientação de Joaquim Pais de Brito).

O lançamento é no dia 16 de Outubro, pelas 18h30, no Museu de Arte Popular, em Lisboa. Com apresentação de Cláudia Pereira.

Sinopse

Este livro é um contributo para o conhecimento do Museu de Arte Popular, tentando entendê-lo desde o surgimento da ideia da sua criação até ao momento presente. Pretende-se compreender os contextos que estiveram na origem da sua conceção dentro do quadro das políticas de propaganda associadas à arte e cultura popular de António Ferro e do Estado Novo, à sua construção e à sua existência prolongada pelo tempo até ao momento presente de reabertura. Depois de toda a controvérsia em torno do destino do Museu de Arte Popular, uma conclusão é de que, apesar das muitas propostas para o seu futuro, manteve-se um desconhecimento do seu passado. Este livro é sobretudo uma etnografia histórica que pretende contribuir para o conhecimento sobre o Museu de Arte Popular e assim também para o enriquecimento do debate sobre o seu futuro.

Sobre o autor:

Alexandre Oliveira (Lisboa, 1978). Mestre e doutor em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi bolseiro de doutoramento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Colaborou durante 18 anos com o Museu Nacional de Etnologia onde estudou coleções e acervos documentais, organizou arquivos, montou exposições, orientou estágios e exerceu ainda funções de vigilante/rececionista. A sua tese de mestrado focou-se nos estudos antropológicos sobre Timor e na sua relação com as coleções etnográficas existentes no país. Foi também responsável pela seleção das peças e pelos textos do núcleo timorense da exposição permanente do Museu do Oriente. Fez parte da equipa que procedeu ao inventário e transporte da coleção do Museu de Arte Popular para o Museu de Etnologia. É, desde 2019, técnico superior da Direção-Geral do Património Cultural no Sistema de Informação para o Património Arquitetónico – Forte de Sacavém.

Índice

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 – ORIGENS DO MUSEU

António Ferro
O Secretariado da Propaganda Nacional

CAPÍTULO 2 – AS INICIATIVAS FOLCLORISTAS E ETNOGRÁFICAS DO SECRETARIADO

A etnografia ao serviço da propaganda: a Exposição de Genebra
A Exposição de Arte Popular em Lisboa
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris
Em busca do povo, as iniciativas folcloristas do Secretariado
A presença portuguesa na Exposição Internacional de Nova Iorque
O Centro Regional da Exposição do Mundo Português
A nação de Ferro entre a propaganda e o espírito

CAPÍTULO 3 – A CONSTRUÇÃO DO MUSEU

Primeiras obras e um plano de organização
Exposições e diplomacia do Secretariado em tempo de guerra
A instalação do Museu de Arte Popular
O Museu inaugurado

CAPÍTULO 4 – UM MUSEU À BEIRA TEJO

Os anos de Francisco Lage (1948-1957)
Os anos de Manuel de Melo Correia e Madalena Cagigal e Silva (1957-1968)
Os anos de Maria Helena Coimbra (1969-1979)
Os anos de Elisabeth Cabral (1980-2007)
Encerramento e reabertura (2007-2019)

CONCLUSÃO

Cronologia
Notas
Fontes e Bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos

****

Fazem parte da colecção Estudos de Museus os seguintes volumes:

Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião                                                                                                             

Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho                                                                                                                                  

Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira                                                                                                                 

Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho                                                                                                                  

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas                                                               

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte                                                                                               

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins                                                                                                             

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira                                                              

Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio                                                                                             

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho                                                                                                 

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira                                                                                             

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier

Iluminação em Museus: A Descoberta da Obra de Arte, de Carmina Montezuma

Realidade Aumentada em Exposições de Museu. Experiências dos Utilizadores, de Diana Marques

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

A imagem inclui capa do livro e mensagem convite para lançamento do livro

História dos Museus e história da museologia é o tema do III Fórum Ibérico de estudos museológicos

Sala XXII. Gabinete de numismática do Museo Arqueológico Nacional (c.1906). Fototipia de Hauser y Menet. MAN

O III Fórum Ibérico de estudos museológicos terá lugar em Madrid no Museu Arqueológico Nacional entre 18 e 19 de Outubro de 2019. Tem como tema a história dos museus e a história da museologia.

Chamada para comunicações: até 26 de Agosto

Requisitos: proposta de título e resumo (máx. 700 palavras), breve curriculum vitae (máx. 300 palavras)

Envio para: tercer.foro.museo@gmail.com

Antecedentes e objetivos

No outono de 2017 decorreu no Museu Nacional de Escultura de Valladolid o I Fórum Ibérico dedicado a estudos de museologia, com extraordinários resultados académicos, confirmados pelos contributos para as atas, já publicadas. Um ano depois foi convocado um II Fórum no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa, iniciativa cujo sucesso consolidou o interesse destes encontros internacionais dedicados aos estudos de museus na comunidade ibérica e ibero-americana. A colaboração entre grupos universitários de investigação, museus e instituições tornou possível a criação de uma rede de intercâmbios na qual se alicerçam os Fóruns Ibéricos de Investigação em Museologia, cuja terceira edição terá lugar este ano no Museu Arqueológico Nacional de Madrid.

Estes encontros têm como objetivo a partilha de conhecimentos num campo de estudos em plena renovação – como é o da museologia – e dirigem-se ao conjunto dos investigadores, pretendendo especialmente atrair a investigação mais jovem que está neste momento a desenvolver os seus estudos em doutoramentos e pós-doutoramentos, para a qual se procura fortalecer redes de comunicação disciplinar nas línguas ibéricas. A delimitação temática dos dois primeiros Fóruns foi intencionalmente flexível e relativa para promover a convergência de uma ampla comunidade de estudiosos; o próximo encontro académico pretende porém precisar os seus conteúdos de acordo com linhas de trabalho mais concretas.

Linhas de trabalho

As diretrizes temáticas do encontro concretizam-se no título História dos museus. História da museologia. O empenho de muitas instituições museísticas em instituir a memória da sua própria história através de publicações e exposições, inclusivamente destinadas a um vasto público, constitui um fenómeno relativamente novo, tanto quanto se depreende da sua generalização. O encontro propõe-se acompanhar essa crescente inquietude científica. A história institucional, a história das coleções, da museografia e, obviamente, da museologia encontram-se entre os temas anunciados no título ao qual se subordina este III Fórum Ibérico, cuja função principal reside em promover a convergência de estudos museológicos no entorno cultural diversificado e partilhado em que nos situamos. Uma teoria do museu fundamentada no estudo de exemplos específicos das suas transformações históricas está no horizonte dos contributos apresentados.

O programa definitivo e a ordem dos painéis de comunicação serão estabelecidos de acordo com as afinidades temáticas entre as propostas selecionadas, nas quais serão especialmente valorizados o rigor e a originalidade das abordagens.

Destinatários

Profissionais de museus e membros da comunidade académica que se ocupam da história e da realidade da museologia hispano-lusa e ibero-americana estão convidados a apresentar comunicações neste Fórum. Esperamos sobretudo a apresentação de propostas por parte de universitários em fase de formação avançada na investigação museológica (teses de mestrado ou de doutoramento), assim como de doutorados no início da sua trajetória académica. Serão igualmente bem-vindas as propostas de profissionais e académicos com uma experiência mais vasta.

Condições de apresentação das comunicações

Aqueles que pretendam apresentar uma comunicação deverão enviar o título proposto e um resumo dos conteúdos (num máximo de 700 palavras), assim como um breve curriculum vitae (num máximo de 300 palavras), em documento pdf antes de 26 de agosto de 2019 para o seguinte endereço de correio eletrónico: tercer.foro.museo@gmail.com

A aceitação ou não das propostas será comunicada por correio eletrónico no prazo de vinte dias. A partir dessa data e uma vez selecionadas as comunicações estabelecer-se-á o programa em coordenação com os oradores. No dia 1 de outubro será publicado o programa definitivo, mas prevê-se que haja um programa provisório definido já a 20 de setembro, para dar início à fase de inscrições.

As comunicações selecionadas serão apresentadas numa intervenção oral que não poderá exceder os doze minutos. Computador, projetor e ecrã estarão disponíveis para aqueles que os necessitem.

Está prevista a publicação das comunicações apresentadas.

As línguas veiculares para as apresentações e debates serão o castelhano e o português, embora os textos a publicar possam ser entregues noutras línguas, em concordância com as regras de extensão e edição que vierem a ser definidas.

Distinções

O Comité científico premiará através da pertinente acreditação uma ou várias comunicações orais que se tenham destacado pela especial qualidade do seu conteúdo, em conformidade com a sua eloquência e formalização, e de acordo com a sua adequação ao tempo disponível.

Inscrição e matrícula

O prazo de inscrição terá início a 16 de setembro. Terão preferência os participantes que apresentem comunicações. Para o resto dos assistentes, respeitar-se-á a ordem de inscrição segundo a chegada das solicitações até ao limite da capacidade.

Taxa de inscrição: 20 euros.

A formalização da inscrição e o pagamento da respetiva taxa deverá realizar- se, tanto para participantes como para assistentes, dentro do prazo assinalado e de acordo com o seguinte procedimento:

1. Solicitação de inscrição mediante correio eletrónico enviado para o seguinte endereço: cursos.museoescultura@cultura.gob.es

2. Uma vez aceite a inscrição, deverá proceder-se ao pagamento da taxa conforme as instruções e informação recebidas pelos solicitantes.

A inscrição dá direito a assistir a todas as sessões. Os interessados poderão requerer um certificado de assistência após a realização do Fórum. Está também previsto um serviço gratuito de café no intervalo a meio da manhã.

Datas

Entrega de propostas: 3 de junho a 26 de agosto

Confirmação de aceitação: 16 de setembro

Publicação do programa do encontro: 1 de outubro

Prazo de inscrição: 16 de setembro a 14 de outubro

Evento: 18 e 19 de outubro

Organizam

Grupo de Investigación S U+M A [Universidad+Museo], UCM

Museo Arqueológico Nacional. Ministerio de Cultura y Deporte. Gobierno de España

Grupo de Investigación OAAEP, Universidad de Zaragoza

Museo Nacional de Escultura. Ministerio de Cultura y Deporte. Gobierno de España

Instituto da História da Arte, Universidade Nova de Lisboa

Colaboram

Faculdade de Belas Artes, Universidade do Porto

Asociación de Amigos del Museo Nacional de Escultura

Direçao-Geral do Património Cultural. Gobierno de Portugal.

ICOM-España

ICOM-Portugal

Comité executivo

Javier Arnaldo

Joana Baião

Ana Gil

Alicia Herrero Delavenay

Jesús Pedro Lorente

Carmen Marcos

Comité científico

Lúcia Almeida Matos (UP)

Javier Arnaldo (UCM)

Joana Baião (UNL)

María Bolaños (MNE)

Clara Camacho (DGPC)

Modesta Di Paola (UCM)

Luis Grau (ICOM España)

Raquel Henriques da Silva (UNL)

Alicia Herrero Delavenay (MNAD)

Jesús Pedro Lorente (UniZar)

José Ribeiro (ICOM Portugal)


Dicionário de biografias: um contributo para a história dos museus e da museologia em Portugal

Ferreira, Emília, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, eds. Dicionário Quem é na Museologia Portuguesa. Lisboa: Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/NOVA. 320 páginas, e‐issn: 978‐989‐54405‐0‐4. Disponível em: http://bit.ly/2OFmHZv

Foi apresentado a 28 de Março, no Palácio Nacional da Ajuda, o Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa. O primeiro volume do Dicionário, agora publicado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960 (está em preparação a edição de mais um volume). Este primeiro volume incorpora 93 entradas e conta com a colaboração de 54 autores, entre profissionais e investigadores.

Trata-se de um projecto que tive o privilégio de ir acompanhando ao longo destes dois anos, de forma mais directa e indirecta, enquanto membro da comissão científica. Independentemente disso, trata-se, efectivamente, de um projecto de divulgação científica com o mérito de colocar em evidência a história da museologia, através das pessoas que a cada época moldaram e influenciaram a constituição de colecções e museus. Nesse sentido, o projecto comunga de vários aspectos que considero positivos:

É um Dicionário que dá visibilidade a personalidades ligadas não só aos museus de arte (porventura o universo mais conhecido), mas a todas as tipologias de museus. Além disso, retrata figuras ligadas não só aos museus nacionais, mas também aos museus regionais e locais. Dois aspectos que caracterizam o Dicionário e que me parecem essenciais para ajudar a compreender a multifacetada história dos museus e da museologia em Portugal, que necessita de mais estudos e contributos como este para que as grandes narrativas sejam mais inclusivas e completas, incorporando realidades menos estudadas e conhecidas, como é o caso dos panoramas de pendor mais regional e local.

Outro aspecto fundamental é o facto de ser um projecto colaborativo. Teve por base uma chamada pública dirigida à comunidade profissional e académica convidando ao envio de propostas de entradas para o Dicionário. Dessa chamada pública resultou um número muito significativo de propostas de profissionais e investigadores de diferentes centros de investigação, o que mostra bem o interesse mas também a oportunidade do projecto. Produzem-se hoje mais dissertações académicas, mas a informação, apesar de cada vez mais acessível, está muitas vezes, espartilhada em repositórios. E nesse sentido, o Dicionário ao colocar sobre a mesma grelha de análise uma variedade de figuras biografadas potencia uma leitura de conjunto. Os museus e a museologia, numa perspectiva história (e não só) tem sido objecto de interesse da investigação e vai-se estruturando. Em temos de publicações, isso pode ser notado, por exemplo, com o aparecimento da colecção Estudos de Museus (Direção-Geral do Património Cultural), em 2015 (não obstante ser um projecto mais antigo), que conta até ao momento com 13 volumes.

O facto do Dicionário ter por base um processo de revisão científica é outra dimensão positiva. Todas as entradas passaram por um processo de arbitragem por pares apoiado na comissão científica do projecto. É uma boa prática científica e que na maior parte dos casos potencia um melhor resultado final. Ainda que assim seja, não se ignoram as complexidades da sua aplicação e o fluxo acrescido de trabalho que está necessariamente envolvido estes processos.

Acresce a revisão editorial patente neste processo, que não é despiciente no caso, contribuindo para a coerência global do que se evidencia. Outra característica é a valorização de cada entrada com ilustrações, que não só estimulam esteticamente, como são fontes documentais relevantes em si mesmas. E aqui destaca-se também a coerência editorial que o processo exigiu.

O Dicionário também tem a particularidade de se afirmar como um projecto em curso, e como tal permitindo a actualização das entradas já realizadas, em função de novos desenvolvimentos da investigação, assim como será alargado a outros volumes com mais entradas. Por essa razão não deve ser entendido como um mapeamento exaustivo e conclusivo. Há pelo menos uma próxima tranche de entradas em preparação coincidente com o mesmo período (do séc. XVIII à década de 60 do séc. XX). O que é porventura menos claro é a operacionalidade da plataforma digital que irá albergar no futuro este conjunto de informação, uma vez que se optou nesta fase pelo formato de publicação digital na forma de PDF, e neste sentido, a sua articulação operativa.

Talvez seja cedo para uma avaliação de conjunto, que fará sentido numa fase mais adiantada e consolidada do projecto. Por ora, configura certamente uma boa aposta na divulgação do conhecimento sobre a história dos museus e da museologia, através do género biográfico de todos quantos têm contribuído ao longo da história para a sua formação e desenvolvimento. Tem o potencial de gerar uma panorâmica mais completa sobre essa história e porventura a percepção e a interligação sobre o que se conhece sobre as redes de conhecimento e de actores que moldam a história dos museus, das suas colecções e da museologia, de um modo mais alargado. Um possível Dicionário focado nas biografias dos museus poderia ser uma eventual ramificação do actual Dicionário de biografias de personalidades, duas dimensões que se complementariam. 

****

O Dicionário é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

Contributos para a museologia portuguesa: um novo dicionário online sobre museólogos, do século XVIII ao séc. XX

O lançamento do Dicionário “Quem é Quem na Museologia Portuguesa” acontece no próximo dia 28 de Março, pelas 18h00, no Palácio Nacional da Ajuda, na Sala D. João VI. A apresentação conta com a participação de Ana Carvalho em conversa com Raquel Henriques da Silva, mentora do projecto, e ainda com Hugo Xavier e Elisabete Pereira, dois dos autores que colaboraram no primeiro volume do Dicionário.

O Dicionário é um projecto editorial em formato digital (website disponível a partir de 28 de Março) que tem como objectivo fundamental facultar uma visão abrangente, um conhecimento preciso e uma valorização actualizada das personalidades ligadas à museologia portuguesa, actuantes em diferentes tipologias científicas. Visa, ainda, contribuir para uma maior compreensão da história dos museus e da museologia portuguesa.

O primeiro volume do Dicionário, agora editado, é dedicado a personalidades da museologia portuguesa que desenvolveram a sua actividade entre o século XVIII e os anos de 1960. Está em preparação a edição de mais um volume.

O projecto é uma iniciativa do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do grupo de investigação Museum Studies (MuSt) e conta com o apoio da Direção-Geral do Património Cultural.

A coordenação científica e editorial é da responsabilidade de Emília Ferreira, Joana d’Oliva Monteiro e Raquel Henriques da Silva, investigadoras do Instituto de História da Arte.

Fazem parte da comissão científica do projecto, um grupo de investigadores de várias universidades, instituições e museus portugueses: Adelaide Duarte (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Alexandre Nobre Pais (Museu Nacional do Azulejo); Ana Carvalho (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Ana Cristina Martins (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Clara Frayão Camacho (Direção-Geral do Património Cultural; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Duarte Manuel Freitas (Centro de História da Sociedade e da Cultura da Universidade de Coimbra); Elisabete Pereira (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Emília Ferreira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Graça Filipe (Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa); Helena Barranha (Instituto Superior Técnico/Universidade de Lisboa; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana Baião (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Joana d’Oliva Monteiro (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); João Brigola (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora); Lúcia Almeida Matos (Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Maria de Aires Silveira (Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado); Marta C. Lourenço (Museu de Ciência da Universidade de Lisboa); Paulo Oliveira Ramos (Universidade Aberta); Raquel Henriques da Silva (Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa); Sandra Leandro (Universidade de Évora; Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa).

História da formação da Galeria Nacional de Pintura publicada em livro

O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, de Hugo Xavier, é o 12.º volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, Especialização em Museologia e Património Artístico) de Hugo Xavier apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento acontece no dia 3 de Julho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, com apresentação de Natália Correia Guedes.

Resumo

Entre os antecedentes dos primeiros museus de arte criados em Portugal merece destaque a Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa. O seu núcleo fundador assenta nas pinturas dos conventos extintos pelo Liberalismo, em 1834, tendo sido inaugurada em 1868, no antigo convento de S. Francisco, graças ao apoio mecenático de D. Fernando II (1816-1885) que permitiu abundantes incorporações. A estas associaram-se as dádivas efetuadas pelo conde de Carvalhido (1817-1900), negociante portuense enriquecido no Brasil e residente em Paris.

Paralelamente à pinacoteca, organizaram-se outras colecções (desenho, artes decorativas, gessos e arqueologia) no intuito de se proceder à criação de uma instituição patrimonial mais ampla, o que ocorreu em 1884 com a abertura, na rua das Janelas Verdes, do Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia.

Em análise neste livro estão 50 anos de esforços empreendidos por vários agentes, com destaque para o marquês de Sousa Holstein (1838-1878), vice-inspetor da Academia. A sua acção foi determinante na organização, conservação, exposição, estudo, promoção e divulgação do seu acervo, assim como do seu enriquecimento por meio de transferências, aquisições ou doações que estão na origem do mais relevante museu público de arte nacional: o Museu Nacional de Arte Antiga.

Hugo Xavier (Viseu, 1981) é doutorado em História da Arte na especialidade de Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com a tese O Marquês de Sousa Holstein e a Formação da Galeria Nacional de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa (2014). Licenciado em História da Arte (2003) e mestre em Museologia e Património (2009) pela mesma Faculdade com a dissertação Galeria de Pintura no Real Paço da Ajuda, publicada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (2013). Foi bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia (mestrado e doutoramento) e é membro do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, integrando a linha de Museum Studies. Foi técnico superior do Museu de Artes Decorativas Portuguesas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva. Desempenha desde 2014 as funções de conservador do Palácio Nacional da Pena e do Palácio de Monserrate (Parques de Sintra – Monte da Lua, S. A.). Nessa qualidade, assumiu a curadoria da exposição comemorativa do bicentenário do nascimento de D. Fernando II: Fernando Coburgo fecit: a atividade artística do rei-consorte(2017). É autor de vários artigos, publicados em catálogos e revistas da especialidade, no seguimento da investigação em História da Arte e Museologia, particularmente no domínio do coleccionismo.

****

ÍNDICE

Introdução, 7
Estado do conhecimento, 8
Critérios metodológicos, 10

I PARTE – ANTECEDENTES DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O depósito de S. Francisco, 14
A Academia de Belas Artes e o corpo académico, 29
Esforços em prol da organização, divulgação e conservação do acervo, 35
Projetos para a construção de uma galeria, 49
Outras incorporações: a coleção da rainha Carlota Joaquina, 62

II PARTE – O MARQUÊS VICE-INSPETOR
Dados biográficos, 82
Funções e relações no meio artístico: da Academia à Sociedade Promotora das Belas Artes, 96
Produção historiográfica, 108
Domingos Sequeira, o artista de eleição, 114

III PARTE – A FORMAÇÃO DA GALERIA NACIONAL DE PINTURA
O enriquecimento do acervo, 126
Gesto mecenático de D. Fernando II, 135
A coleção Mayne e outras aquisições, 157
Transferências e pedidos de transferência, 166
Doações, 173
Doações Carvalhido, 178
A organização da galeria, 199
A catalogação do acervo, 211
O regulamento, 220
Abertura ao público e planos de expansão, 222
A fotografia ao serviço da galeria: o caso de Jean Laurent, 229
Conservação e restauro, 234
Alfredo Augusto da Costa Camarate, conservador, 241
Em busca de soluções, 246
Um palácio para o museu nacional, 252

IV PARTE – AS RESTANTES COLEÇÕES DA ACADEMIA
Diferentes secções para um museu nacional: o núcleo de arte ornamental, 262
Tesouros conventuais, 267
Enriquecimento do acervo, 272
Derradeiras aquisições de Sousa Holstein, 283

Considerações finais, 293

Notas, 303
Fontes e bibliografia, 329
Índice Remissivo, 339
Agradecimentos, 341

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio,  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho e Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) de Elisabete J. Santos Pereira.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado ao coleccionismo arqueológico

Colecionismo Arqueológico e Redes do Conhecimento: Atores, Coleções e Objetos (1850-1930) é o décimo primeiro volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História e Filosofia da Ciência, especialidade Museologia) de Elisabete J. Santos Pereira apresentada à Universidade de Évora em 2017 (orientação de Fátima Nunes e de Maria Margaret Lopes).

O lançamento será no dia 29 de Junho de 2018, pelas 18h00, no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com apresentação de António Carvalho.

****

Neste livro dedicado ao colecionismo arqueológico da segunda metade do século XIX e inícios do século XX valoriza-se um conjunto de personalidades escassamente tratadas pela historiografia dominante, principalmente centrada na história dos museus e no percurso dos seus principais protagonistas, nomeadamente directores ou fundadores. Porque a organização de colecções e a criação de museus não são tarefas solitárias, salienta-se a cooperação de proprietários e trabalhadores rurais, padres, professores, engenheiros, médicos, militares, colecionadores, pastores e comerciantes, entre outros intervenientes que foram fundamentais para o desenvolvimento das colecções, para o enriquecimento dos museus e para o avanço do conhecimento.

Conjugando documentação manuscrita, publicações da época e a biografia dos objectos – reconstruindo o seu percurso desde que foram descobertos até incorporarem as colecções museológicas – documenta-se a heterogeneidade de actores envolvidos nos processos de criação, movimentação, dispersão, comercialização ou desaparecimento de colecções. Com esta metodologia inovadora, fundamentada nos mais recentes estudos internacionais sobre história das colecções científicas, valoriza-se o caráter colectivo da construção das ciências, neste caso da Arqueologia em Portugal.

Destaca-se a importância das redes locais, nacionais e internacionais de circulação de objectos, de pessoas e de conhecimento, e a relevância da história das colecções para o conhecimento da história dos museus e para o estudo das ideologias, em particular do nacionalismo.

Elisabete J. Santos Pereira (Lisboa, 1972) é doutorada em História e Filosofia da Ciência com especialidade em Museologia pela Universidade de Évora (2017). Foi bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia entre 2011 e 2016. Concluiu na mesma Universidade  o mestrado em Estudos Históricos Europeus (2010) e a licenciatura em História variante Património Cultural (2002). Entre 2001 e 2017 foi técnica superior e coordenadora da Fundação Arquivo Paes Teles (concelho de Avis) onde inventariou as colecções patrimoniais da instituição, organizou exposições, publicações e promoveu diversas acções de valorização e dinamização cultural. Nesta instituição criou um Repositório Digital de Memória (2014) com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e promoveu a exposição e publicação Património Imaterial do Ervedal (2008), com o apoio do projeto europeu MEDINS: Identiy is Future. Integra o projecto internacional de investigação Museum Networks: People, Itineraries and Collections (1770-1920) financiado pela Fundação Alexander von Humboldt (Berlim). Actualmente é investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa/Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora).

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO | 7

  1. HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: COLEÇÕES, OBJETOS E ATORES | 15
  2. HISTÓRIAS CRUZADAS: ATORES, PRÁTICAS, SÍTIOS, OBJETOS, COLEÇÕES E MUSEUS | 37

O que havia, já levou o Dr. Aragão | 41
Pago todas as pedras que me apresentar com lettras: colecionismo arqueológico em Mértola, 1877 | 57
Proprietários simbólicos do Museu Archeologico do Algarve | 66
Placas de xisto de José da Costa Serrão, administrador do concelho de Aljezur | 88
O descobridor do sítio arqueológico de Alcalar: Padre Nunes da Glória | 93
Os colecionadores particulares do Algarve: o caso de Joaquim José Júdice dos Santos | 103

  1. SERMÕES, CONFISSÕES E COLEÇÕES | 119

Se eu [Padre J. Espanca] não fora dedicado aos estudos archeologicos,perder-se-hia o cippo agora descoberto | 126
Práticas arqueológicas em Trás-os-Montes:os Padres José Raphael Rodrigues e José Isidro Brenha | 139

  1. UMA COLEÇÃO DE COLEÇÕES E UM ‘MAPA ARQUEOLÓGICO’ NACIONAL, EM LISBOA | 155

Já é do Museu: objectos, informações, desenhos e fotografias do noroeste de Portugal | 165
A “miscelanea archeologica” do Morgado do Outeiro | 170
Coleções e objetos de Castelo Branco e Covilhã | 176
A cooperação de colecionadores do centro de Portugal | 185
Coleções de Setúbal e Troia no Museu Etnológico | 189
A colaboração dos fundadores do Museu de Alcácer do Sal | 195
Quem me meteo este vício no corpo foi Estácio da Veiga: a colaboração de secretários municipais do Sul de Portugal | 198
Eu bem quereria também […] a forma monetária de que falei acima!:colecionadores e coleções na região de Beja | 205
Quanto a levar as moedas para Lisboa, nem pensar n’isso: coleções de antiguidades na região Algarvia | 208
No santuário de Fontanus, sob a sua aquática protecção: António Paes da Silva Marques: um focus de estudo no Ervedal (Alto Alentejo) | 214

5.  NO RASTO DO DINHEIRO: O COMÉRCIO NO PROCESSO DE CONSTRUIR COLEÇÕES | 235

Aquisição de objetos, coleções e sítios arqueológicos na região de Entre Douro e Minho | 240
Práticas comerciais na constituição do Museu Archeologico do Algarve | 250
As aquisições do Museu Etnológico Português | 256
Entre a fundição do ourives e a vitrina do museu | 274

CONCLUSÕES |303
Notas | 315
Fontes | 339
Bibliografia | 347
Índice Remissivo | 359
Abreviaturas | 366
Agradecimentos | 367

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram publicados os seguintes volumes: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio, e  A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena de Maria João Vilhena de Carvalho.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Caixas de tesouros. Congresso Internacional sobre o museu ecléctico

Acontece nos próximos dias 24 e 25 de Maio de 2018 o congresso internacional sobre o museu eclético. Terá lugar no Museu Nacional de Soares dos Reis.

Em 2018, passando 170 anos sobre a morte de João Allen, é necessário estabelecer relações com instituições congéneres coevas internacionais, inserindo assim este capítulo da história dos museus portugueses numa perspectiva comparativa.
Neste contexto, em 24 e 25 de Maio de 2018, será realizado no Porto um Congresso Internacional que pretende tomar o pulso de estudos sobre instituições museais, desde o conceito de museu do século XVIII, até às instituições contemporâneas do Museu Allen, considerando um arco cronológico que vai de Setecentos até meados de Oitocentos, a época
por excelência do museu ecléctico.
O Porto foi o grande centro de cultura artística e museal português das primeiras décadas de Oitocentos. Nesse espaço, distingue-se a figura incontornável do cidadão português de origem britânica, João Allen (Viana do Minho, 1 de Maio de 1781-Porto, 19 de Maio de 1848). Homem de educação cosmopolita, viajante infatigável e coleccionador de espírito enciclopedista ou eclético, João Allen abrirá no Porto o Museu Allen, em 1836, o primeiro museu português dotado de edifício criado de raiz, pelas mãos de um particular, para albergar as suas colecções e patenteá-las ao público.

Inscrições, programa e mais informações em: https://caixasdetesouroscongresso2018.weebly.com

Novo livro da colecção Estudos de Museus é dedicado à colecção Vilhena de Escultura

A Constituição de uma Coleção Nacional. As Esculturas de Ernesto Vilhena é o décimo volume a ser publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento (em História da Arte, especialidade Museologia e em Património Artístico) de Maria João Vilhena de Carvalho (conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga) apresentada à Universidade Nova de Lisboa em 2014 (orientação de Rafael Moreira e de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento aconteceu a 23 de Janeiro de 2018, no Museu Nacional de Arte Antiga, com apresentação de Raquel Henriques da Silva.

****

O comandante da marinha Ernesto Jardim de Vilhena (1876-1967) foi o mais importante colecionador de arte em Portugal na primeira metade do século XX e os núcleos da coleção, alienados após a sua morte, persistem como referências no património nacional português. Em 1969, através da aplicação de mecanismos que prefiguraram a doação em pagamento, 1500 esculturas foram doadas ao Estado pelos herdeiros e incorporadas no Museu Nacional de Arte Antiga, o que resultou na alteração da identidade da histórica coleção museológica retratada neste trabalho.

A narrativa parte da biografia cultural dos objetos artísticos para apresentar o perfil de Ernesto de Vilhena e o seu modo de colecionar, desvendando a aura que o transformou numa personagem mítica. Senhor de uma fortuna adquirida na gestão colonial, dedicou toda a energia a construir o programa científico de uma «empresa colecionista» com o objetivo de criar «um feito memorável para Portugal», imbuído do valor de «resgate» da sua história, desenvolvendo um método que o diferenciou dos outros colecionadores por refletir o seu singular entendimento da história da escultura e do património nacionais. Do território onde foi coligida, a escultura passou à Casa Vilhena e dali para o Museu Nacional de Arte Antiga, no decurso de um resgate inédito na história do património cultural português sob tutela do Estado. Com a crónica da doação dos herdeiros de Vilhena fecha-se o círculo e completa-se a ambição do colecionador, fazendo retornar as esculturas ao domínio público da arte e da história portuguesas.

Maria João Vilhena de Carvalho (Pinhel, 1968) é licenciada em História, Variante de História da Arte e Doutora em História da Arte, Museologia e Património Artístico pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2014), é investigadora integrada do Instituto de História da Arte e colaboradora do Instituto de Estudos Medievais na mesma Universidade. Foi Bolseira de doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia e investigadora do projeto «Fontes para a História dos Museus de Arte em Portugal» (2010-2013).

Conservadora do Museu Nacional de Arte Antiga responsável pela Coleção de Escultura, desde 2000, tem comissariado e participado em exposições em Portugal e no estrangeiro e integrou a equipa que concebeu a renovada exposição permanente de Pintura e Escultura Portuguesas do MNAA (2016).

Tem-se dedicado à investigação nas áreas da museologia, museografia, inventário do património artístico, história da imagem, história da escultura, colecionismo e da biografia cultural dos objetos, contando com publicações editadas no quadro de todas estas temáticas, destacando-se a participação em O Sentido das Imagens, a autoria das Normas de Inventário. Escultura (2004), a “Contribuição para a história do Museu de Escultura em Portugal” (2012) e um alargado conjunto de textos sobre a escultura portuguesa do património nacional editados desde 1994.

****

ÍNDICE

INTRODUÇÃO

7 | CAPÍTULO I – ERNESTO JARDIM VILHENA: A FORMAÇÃO DO COLECIONADOR
9 | A Família Jardim de Vilhena
34 | Curriculum Vitae
104 | O Mwata Kumandante, senhor que escrevia a verde. A construção do império e da fortuna

137 | CAPÍTULO II – A COLEÇÃO VILHENA. ARQUITETURA DE UMA COLEÇÃO NACIONAL DE ESCULTURA
139 | O Colecionador e a Coleção
144 | Colecionar património português
175 | Coleção Vilhena: uma empresa colecionista familiar
207 | A Escultura entre os Núcleos da Coleção Vilhena
243 | Lisboa, Rua de São Bento 183-187: conservação e exposição da coleção particular
248 | O Processo da Doação Vilhena

285 | CAPÍTULO III – DO PRIVADO AO PÚBLICO. A COLEÇÃO DE ESCULTURA DE ERNESTO VILHENA NO MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA 
288 | A construção da história da imagem esculpida no Museu Nacional de Arte Antiga
352 | A Coleção Vilhena no Museu Nacional de Arte Antiga
369 | Sérgio Guimarães de Andrade: o Sentido das Imagens enquanto história da escultura portuguesa do séc. XIV ao século XVIII

387 | Notas
455 | Fontes e Bibliografia
485 | Índice Remissivo
487 | Agradecimentos

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins, Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu de Emília Ferreira, e Da Fábrica ao Museu. Identificação, Patrimonialização e Difusão da Cultura Técnico-industrial de Maria da Luz Sampaio.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

Novo título da colecção “Estudos de Museus” conta a história dos antecedentes do Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa em Festa: a Exposição Retrospetiva de Arte Ornamental Portuguesa e Espanhola, 1882. Antecedentes de um Museu é o oitavo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento de Emília Ferreira apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2010 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

Será lançado no próximo dia 21 de Novembro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de António Filipe Pimentel.

****

Durante várias décadas do século XIX, as elites portuguesas reclamaram a organização, em Lisboa, de um Museu Nacional de Belas Artes. A sua concretização teimou em tardar. Até que, em 1881, um convite para a realização de uma exposição de arte ornamental Portuguesa e Espanhola num museu de Londres levou a comissão portuguesa envolvida na organização a pensar repetir e ampliar a iniciativa em Lisboa. Sonhava-se já com a instalação subsequente do museu, mas nem por isso a exposição foi considerada como um mero degrau para esse velho sonho. Pelo contrário: todos os pormenores da sua organização foram pensados com rigor e a ambição de se fazer o melhor que se sabia.

A 12 de janeiro de 1882, o Palácio Alvor abria as portas à Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portugueza e Hespanhola. Primeira exposição em Portugal (e uma das primeiras do mundo) a contar com iluminação elétrica, catálogo com ilustrações e até um volume de fototipias da autoria de Carlos Relvas, envolveu a cidade e o país num momento de entusiasmo cultural. Inaugurada nesse frio dia de inverno, com pompa e circunstância, e contando com a presença dos reis de Portugal e de Espanha, a exposição viu ampliadas as festas às ruas de Lisboa e ao Tejo.

Os trabalhos da comissão organizadora, liderada por Delfim Guedes, proporcionaram à imprensa nacional uma apaixonada discussão sobre arte e cultura, algo inédito entre nós, e contribuíram para o conhecimento internacional da arte nacional.

Quando encerrou as suas portas ao público, em junho desse ano, a exposição tinha sido vista por várias dezenas de milhar de visitantes, transformando-se na primeira iniciativa block buster em Portugal. Dois anos depois, o Palácio Alvor abriria as suas portas ao Museu Nacional de Bellas Artes e Archeologia, atual Museu Nacional de Arte Antiga. É a história desse que, até prova em contrário, permanece o mais notável acontecimento cultural do século XIX no nosso país, que aqui se conta.

Emília Ferreira (Lisboa, 1963) é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Historiadora de Arte e autora de ficção, é investigadora integrada do Instituto de História da Arte (Universidade Nova de Lisboa), na linha Museum Studies, e investigadora associada aos projetos Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC) Connections Grant – “Gender Justice, Adult Education and Curatorial Dreaming: A Workshop and Exhibition” (University of Victoria, British Columbia, Canadá) e SSHRC Insight Grant – (En)Gendering New Narratives, Representations and Pedagogies: A Feminist Study of Adult Education and Exhibitory Praxis in Public Museums in Canada, Europe and the USA (University of Victoria, British Columbia, Canadá).

Curadora de exposições de artes plásticas e educadora, é colaboradora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 1997, e membro da equipa da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, desde 2000.

Desenvolve investigação sobre museologia, museografia e cultura, o ensino artístico, os museus e as artes, na época contemporânea, questões de género; expressões e diversidade do desenho na arte contemporânea, curadoria e educação pela arte.

Tem organizado e participado em conferências e colóquios em Portugal e no estrangeiro e publicado artigos nas diversas áreas de interesse. Publicou várias dezenas de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas, nacionais e estrangeiros. Tem-se dedicado também à divulgação de temas culturais para o grande público, destacando-se o recente trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

****

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados sete volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas, Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte, e Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte de Patrícia Roque Martins.

Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: Após o lançamento o livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

 

****

ÍNDICE

Introdução

Capítulo I – Londres, 1881. Conhecer e reconhecer as artes ornamentais peninsulares e antecedentes de uma exposição

Capítulo II – A Península Ibérica em Londres. Bastidores e imagem de uma exposição

Capítulo III – A preparação da Exposição de Lisboa. Portugal em vias de se apresentar “desassombradamennte perante a Europa”

Capítulo IV – Sobe o pano. Lisboa em festa

Capítulo V – Antes de fechar as portas

Conclusão

Bibliografia

Índice remissivo

Agradecimentos

 

Novo título da coleção “Estudos de Museus” é dedicado à acessibilidade e inclusão

 

Museus (In)Capacitantes: Deficiência, Acessibilidades e Inclusão em Museus de Arte é o sétimo volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Patrícia Roque Martins apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2014 (orientação de Fernando António Baptista Pereira).

Será lançado no próximo dia 12 de Setembro (terça-feira) no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Fernando António Baptista Pereira.

Na Europa do século XXI, a inclusão das pessoas com deficiência na sociedade constitui um dos assuntos da atualidade. Participação social, igualdade de oportunidades e ações anti-discriminação são as principais orientações que incorporam o discurso político para o desenvolvimento de ambientes sem barreiras. O modelo social da deficiência é o marco teórico que tem reconfigurado a perspetiva da deficiência e assinalado o impacto da sociedade e dos diversos agentes na qualidade de vida das pessoas com deficiência. Que função têm os museus no processo global da inclusão? Como podem os museus garantir o acesso físico, informativo e educativo? Que práticas em museus podem levar à transformação social?

Este livro explora a função dos museus na inclusão social das pessoas com deficiência, abordando vias possíveis de interação com estes públicos. São apresentados diferentes níveis de acesso que integram as circunstâncias implicadas no relacionamento entre museus e pessoas com deficiência. São dados a conhecer programas inclusivos desenvolvidos em museus com coleções de artes plásticas no contexto internacional, nomeadamente em Londres, Nova Iorque e São Paulo. São também assinaladas algumas iniciativas promovidas em Portugal.

A partir de três estudos de caso, desenvolvidos pela autora no Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador e Coleção Moderna com grupos de pessoas com deficiência intelectual, pessoas com deficiência visual e pessoas da comunidade Surda, é evidenciado o potencial dos museus e da arte para gerar novas compreensões da deficiência na sociedade. Os testemunhos pessoais das pessoas envolvidas evocam novas vias de aproximação entre as coleções dos museus de arte e as pessoas com deficiência, reconhecendo a sua capacidade para influir no desenvolvimento de novas identidades sociais.

Patrícia Roque Martins (n. 1979) é doutorada em Belas-Artes (2015), mestre em Museologia e Museografia (2008) e licenciada em História, variante de Historia da Arte pela Universidade de Lisboa (2001). Atualmente é investigadora do CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Faculdade de Letras da Universidade do Porto onde desenvolve o projeto de pós-doutoramento “A Representação da Deficiência na Coleções da DGPC: discurso, identidades e sentido de pertença”, com uma Bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com o acolhimento da Universidade do Porto e da Direção-Geral do Património Cultural. Colaborou com a Casa-Museu Anastácio Gonçalves e com o Museu Calouste Gulbenkian-Coleção Fundador na produção e concetualização de materiais educativos para pessoas com deficiência visual (2012). Foi membro fundador da Acesso Cultura (2013). Organizou o Encontro Internacional “A Representação da Deficiência em Museus, Imaginários e Identidades” (2017). Tem desenvolvido atividades de formação profissional sobre as acessibilidades e a deficiência para profissionais de museus e estudantes de museologia. Tem participado em conferências, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados seis volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas e Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal de Adelaide Duarte. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

7 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: QUE RELAÇÕES E IMPACTOS

19 |CAPÍTULO 1 – A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE: PARA UMA ABORDAGEM SOCIAL DA DIVERSIDADE
21| Perspetivas da deficiência/incapacidade no contexto internacional
34 | Deficiência ou incapacidade? Repensar o significado da deficiência
42 | Perspetivas da deficiência/incapacidade em Portugal                        
56 | A representação cultural da deficiência/incapacidade na sociedade

81 | CAPÍTULO 2 – OS MUSEUS E A DEFICIÊNCIA/INCAPACIDADE SOB O SIGNO SOCIAL
83 | O museu pós-moderno: novas funções e perspetivas sociais da museologia
111 | Acessibilidades em museus
121 | Acessibilidade física
131 | Acessibilidade da informação
153 | Acessibilidade das atitudes
168 | “Programas de Acesso” para públicos com deficiência/incapacitados. Práticas internacionais
191 | Os museus e os acessos dos públicos com deficiência/incapacitados em Portugal

209 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO: ESTRATÉGIAS INCLUSIVAS APLICADAS NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN-COLEÇÃO FUNDADOR E COLEÇÃO MODERNA

211 | CAPÍTULO 1 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. “ESTOU A ADORAR A MINHA VIDA!”
213 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência intelectual. Proposta de um percurso e instrumentos multissensoriais de acesso
227 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com as pessoas com deficiência intelectual e seus resultados

261 | CAPÍTULO 2 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. “[IR AO MUSEU] FEZ-ME LEMBRAR QUANDO AINDA VIA…”
263 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e pessoas com deficiência visual. Proposta de um percurso e recursos de acesso
280 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida
com pessoas com deficiência visual e seus resultados

307 | CAPÍTULO 3 – A FRUIÇÃO E A PRÁTICA POR PARTE DE PESSOAS SURDAS. “ACHAM QUE EU SOU DEFICIENTE?”
309 | Estratégia desenvolvida: o contato com as instituições e as pessoas da comunidade Surda. Proposta de um percurso mediado por uma pessoa Surda
                                                            317 | Um dia no museu. A experiência desenvolvida com pessoas Surdas e seus resultados

333 | CONCLUSÕES

344 | Notas
350 | Siglas
351 | Bibliografia
358 | Índice remissivo
366 | Agradecimentos

 

Novo título da colecção “Estudos de Museus” é dedicado ao colecionismo privado

capa do livro da coleção ao museu

Da Coleção ao Museu: O Colecionismo Privado de Arte Moderna e Contemporânea em Portugal  é o sexto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Adelaide Duarte apresentada à Universidade de Coimbra em 2012 (orientação de Irene Vaquinhas e Lúcia Almeida Matos).

Será lançado no próximo dia 31 de Janeiro (terça-feira) no Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado (Lisboa), pelas 18h30. A apresentação do livro ficará a cargo de Francisco Capelo.

Este livro analisa a formação de coleções privadas de arte moderna e contemporânea em Portugal e observa o modo como foram disponibilizadas ao público, ao longo da segunda metade do século XX. Elegem-se quatro coleções: a de José-Augusto França, a de Manuel de Brito, a de José Berardo e a de António Cachola.

O perfil destes colecionadores, o gosto, as motivações, a estratégia e as condições da escolha das peças permitiram problematizar conceitos, como o de colecionar, colecionador e colecionismo, bem como compreender o funcionamento do sistema da arte, sobretudo o português. Reconhece-se ainda o contributo dos coleciona- dores na constituição e no reforço de coleções públicas e distingue-se a sua ação relativamente à formação de coleções de carácter institucional. Por outro lado, aqueles colecionadores também permitem identificar duas variáveis: as coleções constituídas com tempo, relacionadas com as vicissitudes das respetivas profissões (Coleção França e Coleção Brito) e as coleções reunidas com uma dimensão pública, no propósito das obras virem a configurar museus, apesar de se manterem na propriedade privada (Coleção Berardo e Coleção Cachola).

O tema do colecionismo privado é de grande atualidade no contexto internacional. No nosso país, carecem estudos sistemáticos sobre o assunto, pelo que este livro constitui um contributo relevante para os que desejam aprofundar este domínio (da sinopse da contracapa).

Adelaide Duarte (n. 1974) é coordenadora executiva da pós-graduação Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa, com a primeira edição no ano letivo de 2016-2017. Professora auxiliar convidada e investigadora de pós-doutoramento, com bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Membro integrado nos grupos de investigação Museum Studies: Art, Museums and Collections e Art in the Periphery. Doutoramento em Museologia e Património Cultural (2012) sobre colecionismo privado de arte moderna e contemporânea em Portugal, na Universidade de Coimbra. Desenvolve investigação sobre a formação de coleções, privadas e institucionais, a partir da coleção do Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Vice-Presidente da Associação Amigos do Museu Nacional de Arte Contemporânea-Museu do Chiado e responsável pelo Ciclo Colecionar Arte. Conversas a partir de coleções particulares. Mestrado em Museologia e Património Cultural (2005), e licenciatura em História, variante de História da Arte (1998) na Universidade de Coimbra. Tem participado em conferências e colóquios, em Portugal e no estrangeiro, e publicado artigos da especialidade.

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram já publicados cinco volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira, Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho, e Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) de Duarte Manuel Freitas. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

****

Índice

9 | INTRODUÇÃO

17 | PARTE I – COLECIONAR NO SÉCULO XX
18 | Contextualização historiográfica do tema
44 | Colecionar no século XX: o sistema da arte moderna e contemporânea
80 | Colecionar arte moderna e contemporânea em Portugal: entre o domínio público e o privado

117 | PARTE II – ESTUDOS DE CASO
120 | José-Augusto França, a coleção de um crítico e historiador da arte (Tomar)
166 | Manuel de Brito, a coleção de um marchand e galerista (Oeiras)
210 | José Berardo, a coleção de um investidor (Sintra, Lisboa)
255 | António Cachola, a coleção de um empresário (Elvas)

297 | CONCLUSÃO

305 | Notas
389 | Siglas
391 | Fontes e bibliografia
419 | Índice remissivo
427 | Agradecimentos

Novo livro da colecção “Estudos de Museus” é sobre a história do Museu Nacional Machado de Castro

Museu Machado de Castro capa do livro

Museu Machado de Castro: Memorial de um Complexo Arquitectónico Enquanto Espaço Museológico (1911-1965) é o quinto volume a ser lançado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio. O livro resulta da tese de doutoramento de Duarte Manuel Freitas apresentada à Universidade de Coimbra em 2015 (orientação de Irene Vaquinhas e Regina Anacleto).

Será lançado no próximo dia 28 de Outubro (sexta-feira) no Museu Nacional Machado de Castro, pelas 18h00. A apresentação do livro ficará a cargo de Alice Semedo (Universidade do Porto).

“Neste livro estudam-se as transformações ocorridas no complexo arquitetónico que acolhe o Museu Nacional de Machado de Castro desde o seu nascimento, em 1911, até à elevação ao estatuto de museu nacional, em 1965.

A análise das fontes coligidas permite apresentar as diferentes conceções museológicas dos diretores do museu, identificar as premissas da adaptação de um antigo paço episcopal a espaço museológico e compreender os ditames do polémico processo de anexação da igreja de São João de Almedina.

O livro destaca o surgimento e a integração no discurso expositivo de preexistências da civitas aeminiensis e dos tempos medievos, discrimina os procedimentos de incorporação de elementos arquitetónicos provindos de outras edificações, salienta a posição do espaço museológico no âmbito do plano de obras da cidade universitária e evidencia o almejado equilíbrio da dualidade museu/monumento, procurado a partir da década de 1950.

As respostas obtidas a partir deste trabalho levam ao enaltecimento do Museu Nacional Machado de Castro no panorama museológico português, constituindo-se numa verdadeira sobreposição de diferentes memórias edificadas ao longo de dois mil anos de história, bem como num escaparate salvífico de elementos arquitetónicos provindos de outros contextos que a cidade de Coimbra viu, aos poucos, desaparecer.” (sinopse do livro)

Duarte Manuel Freitas é natural de Câmara de Lobos (ilha da Madeira). Doutor em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e pós-graduado em Museologia e Património Cultural na mesma instituição. Membro integrado do Centro de História da Sociedade e da Cultura da FLUC e do Centro de Estudos de História Empresarial da Universidade Autónoma de Lisboa (UAL). Exerceu funções de professor do ensino básico, secundário, profissional e universitário. Na atualidade é professor auxiliar do Departamento de História, Artes e Humanidades da UAL. Tem participado em diversos projetos e redes de investigação no âmbito da Museologia, da Didática da História, da História Económica e Social e da História das Empresas, em particular das instituições financeiras. Com a investigação que ora se publica venceu o Prémio Victor de Sá de História Contemporânea (2015) e o prémio (ex aequo) da Associação Portuguesa de Museologia, na categoria de “Melhor Estudo Sobre Museologia” (2016).

A colecção Estudos de Museus publica teses de doutoramento cujos temas se relacionem com os museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural. Foram este ano publicados quatro volumes pela seguinte ordem: Museus, Arte e Património em Portugal: José de Figueiredo (1871-1937), de Joana Baião, Redes de Museus e Credenciação: Uma Panorâmica Europeia, de Clara Frayão Camacho, Criatividade nos Museus: ‘Espaços Entre’ e Elementos de Mediação, de Inês Ferreira e Museus e Diversidade Cultural: Da Representação aos Públicos, de Ana Carvalho. Os títulos a publicar são selecionados por um comité editorial constituído pelos seguintes membros: Alice Semedo, Clara Frayão Camacho, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva e Vítor Serrão.

Nota: O livro estará à venda nas lojas dos museus nacionais e no circuito comercial.

****

Índice

Introdução

Cap. I O museu na sua anamnesis: contextos internacional e nacional
Do “templo das musas” ao “templo das massas”: génese e evolução do conceito de museu
Criação de espaços museológicos em edifícios preexistentes
Critérios de intervenção em monumentos arquitetónicos
Entre “Saúde e Fraternidade” e “A Bem da Nação”: as cambiantes ideológicas e pragmáticas do panorama museológico português (1911-1965)

Cap. II Os diretores do Museu Machado de Castro: entre vidas e conceções museológicas
António Augusto Gonçalves (1848-1932), o fundador
Vergílio Correia (1888-1944), o arqueólogo
Um museu sem diretor: o papel fundamental de António Nogueira Gonçalves (1944-1951)
Luís Reis Santos (1898-1967), o historiador de arte

Cap. III Museu Nacional de Machado de Castro: uma sobreposição de memórias
Civitas Aeminiensis
Faces medievas
Rinascere

Cap. IV De um palácio episcopal se fez um museu (1912-1929)
Largo de São João, 1912: um paço episcopal em “tempo de vésperas”
Primeiras obras de adaptação e de beneficiação do Museu Machado de Castro
A “problemática” (da) igreja de São João de Almedina

Cap. V Uma “caixa de surpresas” (1930-1950)
O “despertar” das preexistências
Aplicações arquitetónicas de salvaguarda patrimonial
Demolir, adicionar e reparar o existente
Sob a tutela da DGEMN

Cap. VI Consolidação da dualidade museu/monumento (1951-1965)
Um novo ciclo de obras
A etapa reformadora em números
Uma solução para a Capela do Tesoureiro

Conclusão
Notas
Siglas e acrónimos
Fontes e bibliografia
Índice remissivo
Agradecimentos