Arquivo de etiquetas: história museologia

Novo livro da coleção Estudos de Museus é dedicado ao Museu Nacional de Arte Contemporânea

capa do livro que tem imagem a preto e branco do espaço exterior do Museu Nacional de Arte Contemporânea

Diogo de Macedo e o Museu de Arte Contemporânea: Pioneirismo e Herança na Redefinição do Museu de Arte é o mais recente livro publicado no âmbito da colecção Estudos de Museus, uma edição da Direção-Geral do Património Cultural em parceria com a editora Caleidoscópio.

O livro resulta da tese de doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico, de Isabel Falcão, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 2019 (orientação de Raquel Henriques da Silva).

O lançamento é no dia 13 de Abril, pelas 18h00 e será transmitido em direto no facebook da Direção-Geral do Património Cultural.

Sinopse

Diogo de Macedo (1889-1959) assume a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) em 1 de julho de 1944, sendo, nos 33 anos de existência do museu, o primeiro escultor a ocupar este cargo. A sua atividade desenvolve-se entre 1944 e 1959, articulando e contextualizando a intervenção no museu com as suas convicções culturais e estéticas, evidenciadas numa intensa atividade como crítico e historiador da arte. Com este estudo pretende-se interpretar o projeto delineado pelo escultor Diogo de Macedo para o MNAC, analisando o seu pioneirismo, destacando os aspetos mais inovadores, e registando, simultaneamente, as fragilidades e fracassos da sua ação. Uma ação centrada na valorização do espaço expositivo, no estudo e divulgação das coleções e na constituição de um acervo representativo da arte contemporânea. Esta função é compreendida em necessária articulação, e contextualização, com o percurso biográfico de Macedo, com a sua obra escultórica e com a sua atividade de crítico, ensaísta e historiador. Pretende-se, ainda, demonstrar que Diogo de Macedo cria um programa museológico para o museu, com um projeto específico que relaciona investigação científica sobre a coleção e divulgação da arte, com o desígnio da construção de uma identidade institucional e científica para o MNAC, no panorama da cultura portuguesa da primeira metade do século XX.

Sobre a autora:

Isabel Falcão (1966) é membro integrado do Instituto de História da Arte (IHA-Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa), grupo de investigação MuSt-Museum Studies, e coordenadora científica do projeto “História das Exposições de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian – Catálogo Digital”, uma parceria entre a Fundação Calouste Gulbenkian e o Instituto de História da Arte (FCSH-NOVA). Doutoramento em História da Arte, especialização em Museologia e Património Artístico (2019), com orientação científica de Raquel Henriques da Silva, e cuja investigação esteve na base do presente livro. Bolseira da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). Pós-Graduação em Museologia (2008). Mestrado em História da Arte Contemporânea (1997). Licenciatura em História – variante em História da Arte (1989). Tem colaborado com diversas instituições em projetos relacionados com a história da arte portuguesa, estudo de coleções e comissariado de exposições temporárias, sendo autora de diversos artigos e publicações. Desenvolve investigação sobre arte portuguesa dos séculos XIX e XX.

Índice

7 | INTRODUÇÃO
13 | PARTE I – EM TORNO DO MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA (MNAC)
15 | CAPÍTULO 1 – Os condicionalismos do MNAC no convento de S. Francisco
43 | PARTE II – DIOGO DE MACEDO (1889-1959). UM ESTETA 
45 | CAPÍTULO 2 – A escultura e a concretização de um ideário
81 | CAPÍTULO 3 – Em torno do pensamento teórico e historiográfico de Diogo de Macedo
123 | PARTE III – DIOGO DE MACEDO E A DIREÇÃO DO MNAC
125 | CAPÍTULO 4 – Diogo de Macedo, o novo diretor do MNAC (1944-1959)
131 | CAPÍTULO 5 – O projeto de Diogo de Macedo para o MNAC
175 | PARTE IV – A INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL DE DIOGO DE MACEDO NO EXTERIOR
176 | CAPÍTULO 6 – Participações oficiais durante o período de direção do MNAC (1944-1959)
193 | CONSIDERAÇÕES FINAIS
207 | Notas
239 | Fontes e bibliografia
257 | Índice Remissivo 
259 | Diogo de Macedo (cronologia)

****

Os títulos da colecção Estudos de Museus são selecionados por um comité editorial constituído por Alice Semedo, Fernando António Baptista Pereira, Pedro Casaleiro, Raquel Henriques da Silva, Vítor Serrão e Clara Frayão Camacho (que acumula também a função de revisão editorial das obras).

Nota: O livro está à venda nas lojas dos museus e palácios nacionais e no circuito comercial (ex. Fnac, Bertrand, Wook, etc.)

História da museologia em foco

Painel de conferencistas. Da esquerda para a direita: José Brandão, Henrique Coutinho Gouveia, Clara Camacho e Luís Ceríaco
Auditório da Fundação Luso-Americana, Lisboa
© Ana Carvalho, 7 Julho 2011

No passado dia 7 de Julho de 20111 teve lugar em Lisboa uma sessão de trabalho e discussão intitulada “A importância da Museologia na História da Ciência”. Esta sessão enquadrou-se no contexto do “III Encontro de HIstória da Ciência” (Cf. programa), organizado pelo Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência (CEHFCi) da Universidade de Évora.

O encontro deu a conhecer algum do trabalho que está a ser desenvolvido pelo CEHFCi, convidando alguns dos seus investigadores para uma sessão temática sobre o papel da museologia na história da ciência.

A sessão, moderada por Clara Camacho, juntou investigadores de diferentes gerações. Henrique Coutinho Gouveia trouxe uma reflexão sobre a história do ensino da museologia e património em Cabo Verde. Note-se que muito recentemente tem havido laços de cooperação entre a Universidade de Évora (e Instituto Politécnico de Tomar) com a Universidade de Cabo Verde ao nível da docência no âmbito do mestrado em “Património, Turismo e Desenvolvimento” (2010/2011). Ainda no âmbito destas colaborações refira-se o seminário “Património, Museologia e Autarquias”, coordenado por Coutinho Gouveia e que se realizou em Cabo Verde em Novembro de 2010 (cf. programa).

José Brandão dedicou a sua intervenção ao tema “Herança histórico-científica do Museu Nacional de Lisboa (Mineralogia e
Geologia)”. Recorde-se que Brandão apresentou em 2009 a tese de doutoramento sobre “Colecções e Museus Geológicos Portugueses: Valores Científico, Didáctico e Cultural” (cf. post) e que ganhou o prémio da APOM para melhor trabalho de museologia.

Apresentação de Luís Ceríaco
Auditório da Fundação Luso-Americana, Lisboa
© Ana Carvalho, 7 Julho 2011

Por sua vez, Luís Ceríaco, um dos doutorandos do CEHFCi apresentou o seu projecto “Colecções zoológicas. A importância dos museus para o desenvolvimento da zoologia em Portugal (XVIII_XX)”, dando conta de alguns dos avanços na sua investigação. Este é um projecto orientado por João Carlos Brigola.

Posters de projectos de investigação
Auditório da Fundação Luso-Americana, Lisboa
© Ana Carvalho, 7 Julho 2011

Durante as várias sessões deste encontro, foram divugados os diferentes projectos em curso do CEHFCi, através da apresentação de posters. Neste contexto, também apresentei um poster intitulado “Diversidade Cultural e Museus no séc. XXI: o emergir de novos paradigmas”.

Programa III Encontros Historia da Ciência

Programa seminario “Patrimonio, Museologia e autarquias”