Arquivo de etiquetas: História oral

Projeto InMAP aprovado para financiamento pela Fundação para a Ciência e Tecnologia

O projeto “InMAP – Memórias e Arquivos: Mapear o (In)tangível” (2024-2025) é um dos projectos aprovados para financiamento pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da 1.ª edição do Science4Policy 2023 (S4P-23) – Concurso de Estudos de Ciência para as Políticas Públicas.

Liderado por Ana Carvalho, investigadora Auxiliar (CEEC/FCT) no Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas por instituições ligadas ao património (e.g., museus, bibliotecas, arquivos, universidades, associações). Para além de uma caracterização destes arquivos de memória recente, é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. O diagnóstico e a identificação das necessidades e desafios deste panorama irá permitir o desenvolvimento de orientações no campo das políticas públicas.

O projeto terá a duração de um ano e um orçamento de cerca de 50 000 euros. A equipa nuclear é constituída por Ana Carvalho (IR), Paulo Batista (Co-IR), Armando quintas, Dália Guerreiro e Fernando Gameiro. O projeto inclui a participação de duas instituições colaborativas: o Património Cultural, I.P (ex-Direção-Geral do Património Cultural), através de Ana Saraiva, e o Observatório Português das Actividades Culturais, através de José Soares Neves, e ainda de um consultor: Alexandre Matos (Sistemas do Futuro/Universidade do Porto). O projeto InMAP terá também o apoio da Cátedra UNESCO em Património Imaterial e Saber-fazer Tradicional: Ligando Patrimónios da Universidade de Évora.

O Concurso Science4Policy foi lançado em 2023 pela FCT, em colaboração com o Centro de Competências de Planeamento, de Políticas e de Prospetiva da Administração Pública (PlanAPP), com o objetivo estimular a produção de conhecimento científico para apoio à decisão e definição de políticas públicas.

Nesta primeira edição do Concurso Science4Policy foram identificadas 22 linhas temáticas a partir de uma consulta à Rede de Serviços de Planeamento e Prospetiva da Administração Pública (REPLAN). O projeto InMAP concorreu à linha “As Pessoas Primeiro / Património e Memória – Arquivos nacionais”.

Nesta edição do Concurso Science4Policy foram selecionadas para financiamento, a nível nacional, 18 candidaturas (num universo de 71 candidaturas), o que corresponde a uma taxa de aprovação na ordem dos 25%.

Mais informação: https://www.fct.pt/concursos/science4policy-2023-s4p-23-concurso-de-estudos-de-ciencia-para-as-politicas-publicas

***

Resumo:

Nas últimas décadas, observa-se um número crescente de novos arquivos criados por instituições de memória (museus, bibliotecas e arquivos) e outras organizações públicas ligadas ao património (universidades, escolas, associações, entre outras). Identificam-se pelo menos dois aspetos (interligados) que terão contribuído para este estado da arte: 1) o desenvolvimento da história oral reforçou a necessidade de documentar as memórias de pessoas, comunidades e participantes em eventos passados; 2) o impacto da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, de 2003, apelou à necessidade de registar e documentar práticas tradicionais, i.e., o Património Cultural Imaterial (PCI) para um futuro sustentável; 3) a necessidade de enriquecer e complementar os arquivos oficiais com as experiências e a participação das comunidades. Muitos destes arquivos de memória recente contêm registos de gravações de som e vídeo, fotografias ou outros documentos relacionados com a preservação da memória e com a documentação do PCI, quer em formato analógico quer em formato digital. 

No entanto, atualmente, em Portugal, não existe um inventário à escala nacional sobre estes arquivos dispersos e informação sistematizada que possa informar sobre a sua caraterização, desenvolvimento e impacto nas comunidades e na sociedade. Para além de uma caraterização destes arquivos de memória recente (dimensão dos recursos; capacidade de infraestruturas e competências; inventário, sistema de informação, gestão e catalogação; acesso aberto), é essencial compreender a escala e a extensão das barreiras à preservação e acesso destes acervos. Em resposta a estes desafios, o projeto InMAP irá mapear e analisar a situação dos arquivos de memória criados nas últimas duas décadas, considerando uma amostra de âmbito nacional e incidindo sobre um conjunto de instituições diversas (e.g., museus, bibliotecas e arquivos, universidades, associações). 

Este estudo combinará um conjunto de instrumentos de análise, que incluem um inquérito, trabalho de campo (entrevistas e grupos focais) e revisão da literatura. A investigação será útil para responder a vários objetivos. Em primeiro lugar, apresentará um diagnóstico da situação atual, identificando necessidades e desafios, e informará o desenvolvimento de planos para mitigar esses problemas. Desta forma, o projeto produzirá um documento final (policy brief) que incluirá também uma proposta de orientações para um quadro legislativo que tenha em conta as especificidades destes arquivos. Em segundo lugar, os resultados darão forma à conceção de um conjunto de ferramentas de preservação digital para ajudar a orientar os profissionais no desenvolvimento da sua estratégia, especialmente tendo em conta as instituições de memória de menor escala em áreas mais remotas. Por último, a investigação ajudará a sensibilizar para a valorização e importância destes recursos e contribuirá para a salvaguarda deste património. 

Abstract:

In the last decades, there is a growing number of new archives created by memory institutions (museums, libraries and archives) and other public heritage organisations (universities, schools, community associations, among others). At least two intertwined aspects have contributed to this state of the art: 1) oral history development has reinforced the need to document the memories of people, communities, and participants in past events; 2) the impact of the 2003 UNESCO Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage, urged for the need to record traditional silks and practices, e.g., Intangible Cultural Heritage (ICH) for a sustainable future; 3) the need to enrich and complement official archives with community experiences and participation. Many of these recent memory archives contain collections of sound and video recordings, photographs or other documentary materials related to memory preservation and to ICH documentation, either in analogue or in digital form. 

However, at present, in Portugal, there is no national-wide inventory of these scattered archives and systematized information that can inform about their characterization, development and impact in communities and society. Besides a characterisation of these recent memory archives (resources dimension; infrastructure & skills capacity; inventory, management system & cataloging; open access), it is essential to understand the scale and extent of barriers to preservation and access. In response to these challenges, the project will map, collect and analyze information about the situation of memory archives that have been created in the last two decades, considering a national-wide sample and focusing on a set of diverse institutions (e.g., museums, libraries and archives, universities, community associations). 

The study will combine a set of analysis tools, which include a survey, fieldwork (in-depth interviews and focus groups) and literature review. The research will be valuable for several purposes. First, it will present a diagnosis of the current situation, identifying needs and challenges, and inform the development of plans to mitigate those problems. In this way, the project will deliver a final policy brief that will also include a proposal of guidelines for a legislative framework considering these archives specificities. Second, the findings will shape the design of a digital preservation toolkit to help guide professionals in developing their strategy, especially considering smaller memory institutions in more remote areas. Finally, the research will help to raise awareness of the value of these unique resources and encourage safeguarding this heritage. 

Museu, Património e Memória

No próximo dia 27 de Outubro (Sábado) realiza-se um encontro de profissionais de museus para reflectir sobre algumas das experiências desenvolvidas pelo Museu do Trabalho Michel Giacometti (Setúbal), nomeadamente a criação do Centro de Memórias e o projecto as “Tardes Interculturais”.

A organização do encontro cabe ao MINOM – Movimento para a Nova Museologia (sobre a história do MINOM ver post), através de um grupo de trabalho (núcleo de oralidade, memória e esquecimento) criado em Março deste ano para debater temas ligados ao património imaterial e à memória. Este encontro servirá, ao que tudo indica, também para apresentar o grupo e os seus objectivos. Esta iniciativa insere-se num contexto de renovação estratégica do MINOM (grupo português) no seguimento das “XX Jornadas sobre a Função Social do Museu”, que tiveram lugar entre 23 e 25 de Março de 2012 (ver mais aqui). De certo modo, uma nova dinâmica foi despoletada, nomeadamente a criação de grupos temáticos, um maior enfoque na comunicação e a definição de uma nova estratégia a médio e longo prazo, que ficou a cargo da nova direcção, encabeçada por Emanuel Sancho, director do Museu do Trajo (São Brás de Alportel, Algarve). 
A escolha do Museu do Trabalho Michel Giacometti como exemplo de boas práticas não é uma surpresa, uma vez que este museu tem procurado nos últimos anos reflectir sobre como incorporar o património imaterial nas práticas museológicas, assim como um discurso favorável à diversidade cultural. Este museu faz parte também de um pequeno grupo de museus que começaram nos últimos anos a “construir” arquivos de história oral para dar lugar ao imaterial no museu (para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho 2011)[1]. Sobre a criação do centro de memórias no Museu do Trabalho veja-se Isabel Victor (2010)[2]

O debate sobre estas experiências revela-se fundamental para um maior conhecimento sobre os desafios implicados no desenvolvimento de projectos colaborativos com as comunidades, uma vez que em Portugal, apesar de sabermos que existem experiências significativas a este nível, também é verdade que muito deste trabalho não é divulgado.

Referências:

[1] Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios, 143-149. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora.

[2]  Victor, Isabel. 2010. The Centre of Memories: work in progress. Case of the Michel Giacometti Labour Museum, Setúbal, Portugal. Cadernos de Sociomuseologia 38:199-216. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/ (Obs. Também existe uma versão do artigo em português, publicado na revista museologia.pt, n.º 4. A revista está disponível para venda nas lojas dos museus nacionais).

Património Cultural Imaterial em foco

Sampaio, Teresa. 2012. Conversas de poial: quando a memória é a várias vozes. Palmela: Câmara Municipal de Palmela. 46 p. (sem ISBN)

Esta é uma pequena publicação em suporte digital de divulgação do projecto “Conversas de poial” desenvolvido pelo Museu da Câmara Municipal de Palmela. A iniciativa teve início em 2009 no âmbito de uma exposição temporária sobre o centro histórico: «Patrimónios: Centro Histórico da vila de Palmela» (com apoios do QREN), e a primeira fase terminou este ano.

“Conversas de poial” enquadra-se numa iniciativa de valorização do Património Cultural Imaterial (PCI) das populações que habitam o centro histórico de Palmela. O objectivo foi o de “recolher e divulgar estórias que estão subjacentes aos acontecimentos que determinaram o desenvolvimento do território” de Palmela (p. 4).

O projecto consistiu na recolha de histórias junto dos habitantes, em diversos espaços do centro histórico, e consoante os temas lançados pela equipa do museu (ex. comércio, sociabilidade e lazer; arquitectura, habitalidade, jardins da memória, património religioso, etc.). Este projecto insere-se também na linha do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos anos pelo Arquivo de Fontes Orais (AFO) do museu, criado em 2003. Note-se que este foi um dos primeiros museus portugueses a criar um arquivo de história oral[1]. Ainda que o arquivo não seja acessível ao público, iniciativas como esta demonstram que este é um trabalho que se vai construindo e consolidando[2].

Após um texto de apresentação (assinado por Ana Teresa Vicente, Presidente da Câmara) e de alguma informação de contexto sobre o projecto (ex. metodologias, etc.) e sobre o papel do PCI (ex. instrumentos normativos internacionais, etc.), o enfoque principal desta publicação é o capítulo intitulado “Memórias narradas … em conversas de poial (2009-2012)”, que apresenta excertos dos testemunhos orais recolhidos e que seguem uma lógica temática. A título ilustrativo, estes testemunhos são acompanhados de fotografias também recolhidas ao longo do projecto (ainda que não se identifiquem as imagens seja do ponto de vista da proveniência como da data).

Mais do que os resultados de um projecto de investigação, este documento serve sobretudo propósitos de divulgação em jeito de homenagem a todos quantos participaram nas “Conversas de poial”.

O documento está disponível aqui:

http://www.cm-palmela.pt/NR/rdonlyres/557A681C-D043-44FA-8D57-4EA5B9BC2E2C/84584/PUBLICACAOconversaspoial.pdf


[1] Para maior enquadramento sobre o papel da história oral na valorização do PCI nos museus consultar: Carvalho, Ana. 2011. Os museus e o património cultural imaterial: estratégias para o desenvolvimento de boas práticas. Vol. 28, Biblioteca – Estudos & Colóquios. Lisboa: Edições Colibri, CIDEHUS-Universidade de Évora. P. 143-149.

[2] Algumas recolhas realizadas pelo Museu Municipal de Palmela/AFO estão disponíveis no site: http://www.memoriamedia.net/